Teoria Geral do Processo, 19.a - Jose Eduardo Carreira Alvim.pdf

September 13, 2018 | Author: MichelleSmithTeixeira | Category: Trials, Jurisdiction, Sentence (Law), Res Judicata, Constitution
Share Embed Donate


Short Description

Download Teoria Geral do Processo, 19.a - Jose Eduardo Carreira Alvim.pdf...

Description

■ A EDITORA FORENSE se responsabiliza pelos vícios do produto no que concerne à sua edição (impressão e apresentação a fim de possibilitar ao consumidor bem manuseá-lo e lê-lo). Nem a editora nem o autor assumem qualquer responsabilidade por eventuais danos ou perdas a pessoa ou bens, decorrentes do uso da presente obra. Todos os direitos reservados. Nos termos da Lei que resguarda os direitos autorais, é proibida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, inclusive através de processos xerográficos, fotocópia e gravação, sem permissão por escrito do autor e do editor. Impresso no Brasil –Printed in Brazil ■ Direitos exclusivos para o Brasil na língua portuguesa Copyright © 2016 by EDITORA FORENSE LTDA . Uma editora integrante do GEN | Grupo EditorialNacional Travessa do Ouvidor, 11 – Térreo e o6 andar – 20040-040 – Rio de Janeiro – RJ Tel.: (11) 5080-0770 / (21) 3543-0770 [email protected]/ www.grupogen.com.br ■ O titular cuja obra seja fraudulentamente reproduzida, div ulgada ou de qualquer forma utilizada poderá requerer a apreensão dos exemplares reproduzidos ou a suspensão da divulgação, sem prejuízo da indenização cabível (art. 102 da Lei n. 9.610, de 19.02.1998). Quem vender, expuser à venda, ocultar, adquirir, distribuir, tiver em depósito ou utilizar obra ou fonograma reproduzidos com fraude, com a finalidade de vender, obter ganho, vantagem, proveito, lucro direto ou indireto, para si ou para outrem, será solidariamente responsável com o contrafator, nos termos dos artigos precedentes, respondendo como contrafatores o importador e o distribuidor em caso de reprodução no exterior (art. 104 da Lei n. 9.610/98). ■ Capa: Danilo Oliveira Fechamento desta edição: 24.05.2016 ■ Produção Digital: One Stop Publishing Solutions DADOS INTERNACIONAIS DE CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO (CIP) (CÂMARA BRASILEIRA DO LIVRO, SP, BRASIL) A483t Alvim, José Eduardo Carreira Teoria geral do processo / José Eduardo Carr eira Alvim. – 19. ed. rev., atual. e ampl. – Rio de Janeiro: Forense, 2016. ISBN: 978-85-3097156-4 1. Processo penal. 2. Processo civil. 3. Processo trabalhista. 4. Direito processual. I. Título

88-0688

CDU – 343.1 347.91/95 331.16 347.9

Dedico esta obra à Tetê Carreira Alvim, minha mulher, uma pessoa muito especial, sem o estímulo da qual não teria sido publicada.

A PRESENTA ÇÃ O

Eu era Juiz em Belo Horizonte e, por volta de 1967, ouvia falar de José Eduardo Carreira Alvim, ainda estudante, e que se destacava como aluno da Faculdade de Direito da Universidade de Minas Gerais, que os mineiros denominam Casa de Afonso Pena. Um dia, num intervalo entre uma e outra audiência, conversando com o Mestre Rui de Souza, que foi meu professor de Direito Comercial e Tributário, e que é dos maiores advogados de Minas, falou-me ele de José Eduardo Carreira Alvim: “ Você vai conhecê-lo, Carlos, brevemente, pois o Carreira Alvim tem um grande futuro.” Algum tempo depois, quase ao final do expediente, um moço muito educado entra no meu gabinete portando um papel, em busca de despacho do Juiz. Era o Carreira Alvim, àquela época apenas José Eduardo. Quis conhecê-lo, pedi que se assentasse. Ele acabara de diplomar-se e já era professor-instrutor de prática forense do Departamento de Assistência Judiciária da Faculdade de Direito, cargo que obtivera por concurso público. Conversamos longamente. O jovem bacharel passava, então, por grandes dificuldades. É que seu pai, Benevenuto de Faria Alvim, ilustre advogado no interior de Minas, falecera tragicamente, e José Eduardo Carreira Alvim tivera de assumir o sustento e a educação de oito irmãos menores, isto quando ele se encontrava, ainda, no quarto ano da escola. O recém-diplomado, que teria tudo para iniciar-se prosperamente no movimentado escritório de seu pai, começou a vida sozinho e trabalhando duramente. A partir desse encontro, ficamos amigos e passei a acompanhar, muito de perto, a vida de Carreira Alvim. O homem é como o vinho – se é bom, quanto mais velho, melhor; se é ruim, com o tempo vira vinagre. O dito popular revelou-se verdadeiro com Carreira Alvim. Quando nos conhecemos, há mais de vinte anos, Carreira Alvim se preparava para a vida profissional. Iria prestar concursos públicos de: Juiz de Direito, Auditor da Justiça Militar, Promotor de Justiça, Juiz do Trabalho, Promotor e Procurador da República. Conversamos a respeito da bibliografia a ser consultada. Carreira Alvim falou-me de seus estudos, indiquei-lhe alguns livros de direito público, e ele me contou, então, pela primeira vez, de uma moça, sua aluna na faculdade e que muito o estimulava. Essa moça, Teresinha Gontijo, a Tetê, com quem Carreira Alvim se casou, tem sido, na verdade, a sua grande companheira. Retomemos o relato: após a nossa conversa, recolheu-se Carreira Alvim aos estudos. Cerca de seis meses depois, ei-lo de volta, agora num difícil dilema: fora aprovado em todos os concursos, nos primeiros lugares, e as nomeações começavam a sair; o que aceitar, em que cargo tomaria posse? Tivemos outra longa conversa, apontei-lhe, segundo o meu ponto de vista, as vantagens e as desvantagens de cada um daqueles cargos. Carreira Alvim acabou optando pela Procuradoria da República, mudando-se para Brasília. Antes, entretanto, casou-se com Tetê, o grande amor da sua vida, fator – é de justiça reconhecer – do seu sucesso. Em Brasília, fui reencontrá-lo no ano de 1977, quando vim para o Tribunal Federal de Recursos. Carreira Alvim, então, requisitado pelo Ministro do Planejamento, era o Consultor Jurídico da CODEBRAS. Já era ele professor de Direito Processual. Hospedado na sua casa, quantas e quantas noites percebia acesa a luz do seu escritório, noite a dentro, o Carreira Alvim estudando Direito Processual, preparando as suas aulas; a Tetê, sua mulher, estimulando-o, acordando altas horas da noite para fazer-lhe um café. E o tempo foi passando. Em 1986, Carreira Alvim comunicou-me que a sua verdadeira vocação era a magistratura. Iria prestar, então, concurso para Juiz Federal. Falamos a respeito, a Tetê, como sempre, ao seu lado. Disse-lhe que talvez tivessem de mudar-se de Brasília, onde o casal, com duas lindas filhas, Luciana e Bianca, estava muito bem instalado, com casa própria, uma majestosa mansão no Lago Sul. – Isto não importa, atalhou a Tetê, iremos para qualquer lugar, fecharemos a nossa casa, mas o Carreira Alvim realizará o seu grande sonho, que é ser Juiz. E veio o concurso, duríssimo, no qual Carreira Alvim foi magnificamente classificado e, por isso, pôde escolher a Cidade do Rio de Janeiro para exercer a judicatura.

E lá foram eles para o Rio, Carreira Alvim, a Tetê e as filhas, Luciana e Bianca, deixando em Brasília um monte de amigos. Esta pequena biografia do autor deste livro precisava ser contada, agora que ele está em véspera de grandes realizações, na magistratura, no magistério e como escritor, para que saibamos de sua luta, a comprovar que o sucesso não vem de graça, jamais; e para conhecer um pouco do homem, do seu caráter, de alguma de sua privacidade, pois somos na vida pública mero reflexo do que somos na vida privada. Eis José Eduardo Carreira Alvim, como acima falamos, em véspera de grandes realizações. Com esta obra, que tenho a honra de apresentar –Teoria geral do processo – Carreira Alvim vai projetar-se, estou certo, como jurista, mestre e escritor. A Teoria Geral do Processo tem sido visualizada, por eminentes tratadistas, sob a ótica da Teoria Geral de Direito Constitucional. Lembrei, em trabalho recentemente publicado – Princípios Constitucionais de Processo, em Processo do trabalho – estudos em memória de Carlos Coqueijo Torreão da Costa, LTr, São Paulo, 1989 –, que os processualistas registram a estreita vinculação do Direito Processual com o Direito Constitucional, certos de que as regras maiores de processo estão na Constituição, e constituem princípios que são a sua base. Segundo o magistério de Cappelletti e Garth, as garantias asseguradas ao litigante, que dizem respeito, por exemplo, ao contraditório, à produção de provas, ao duplo grau de jurisdição, à igualdade das partes, ao juiz natural, garantias que se comportam no conceito do devido processo legal, são encontradas, em maior ou menor grau, nas Constituições da maioria dos países do mundo ocidental (Mauro Cappelletti e B. Garth, Fundamental guarantees of the parties in civil litigation , Milano, A. Giuffrè, 1973; Ronaldo Cunha Campos, Garantias Constitucionais e Processo,Revista do curso de direito da universidade de Uberlândia, 15/1). Na verdade, o que constitui processo está na Constituição, revelando José Alfredo de Oliveira Baracho que Héctor Fix-Zamúdio, na análise da jurisdição constitucional da liberdade, que foi magistralmente desenvolvida por Cappelletti La ( giurisdizione constituzionale delle libertà, Milano, 1955), assinala que o Direito Constitucional e o Direito Processual estão intimamente vinculados na proteção dos direitos da pessoa humana. Informa Zamúdio, forte em Niceto Alcalá-Zamora Y Castillo, que a jurisdição tanto pode ser localizada no Direito Constitucional quanto no Direito Processual, motivo por que “ essa instituição é estudada pelos cultores das duas disciplinas” (José Alfredo de Oliveira Baracho,Processo constitucional, Forense, 1984, p. 4-5). Daí falar-se num Direito Processual Constitucional, que sistematizaria os preceitos reguladores da jurisdição constitucional nos seus campos – controle de constitucionalidade e a jurisdição constitucional das liberdades –, e num Direito Constitucional Processual, que condensaria as normas de processo contidas na Constituição (José Frederico Marques, Manual de direito processual civil , Saraiva, 1974, I/4; Ada Pellegrini Grinover, Os princípios constitucionais e o código de processo civil , J. Bushatsky Ed., 1973, p. 5). Os princípios que informam o processo, que são inúmeros e variados, na linha da cláusula do due process of law , não escapam da análise dos constitucionalistas, e são estudados em pormenor, pelos processualistas, especificamente por aqueles que cuidam da Teoria Geral do Processo. Nessa linha, o livro que ora vem a lume, de José Eduardo Carreira Alvim, enfoca os princípios que, de forma magnífica, são por ele expostos, a começar pelos conceitos básicos, explicados de forma didática. No desenvolvimento do direito processual, o autor demonstra a evolução da doutrina processual, e a revisão científica desse importante ramo da ciência jurídica, a sua publicizaçãoo econteúdo com a elaboração teoria doa processo. o autor, em aseguida, urisdição, os órgãoscom desta, a competência, objetivo dodaprocesso, morfologiaExamina e a dinâmica deste, prova, aa sentença, os recursos e a execução. Esses princípios, aqui expostos e analisados com precisão e rigor científico, na linha e sob a ótica constitucional, dão significado e grandeza à Teoria Geral do Processo, espécie da Teoria Geral do Direito Público. O discurso teórico de José Eduardo Carreira Alvim faz com que tais princípios possam ser compreendidos por todos os que deles necessitam, profissionalmente, professores de Direito, advogados, juízes e estudantes. Alfredo Augusto Becker, em livro de título divertido e conteúdo seríssimo –Carnaval trib utário, Saraiva, 1989 –, referindo-se a sua primeira obra – Teoria geral do direito tributário– e que é, sem dúvida alguma, verdadeira obraprima do Direito Tributário, menciona que “ este livro era e é pura teoria geral. Não comenta nem analisa nenhuma legislação. Apenas ensina o seu leitor a pensar e, depois, por si mesmo, resolver o seu problema jurídico resultante de

qualquer lei tributária”. Aí está uma precisa e simples conceituação da Teoria Geral do Direito, que não cuida da legislação, de modo específico, mas ensina os princípios que vão propiciar a compreensão e solução dos magnos problemas jurídicos resultantes da norma de direito positivo. Também este livro de Carreira Alvim, que ora é entregue ao público, tem esse mérito. Com base nele, os profissionais do foro, os professores e os estudantes poderão solucionar as questões decorrentes da legislação processual que ocorrem no nosso dia a dia. Não poderia imaginar o jovem recém-formado, que se iniciava, há vinte anos, no estudo do processo, como instrutor de prática forense, dos estagiários no Departamento de Assistência Judiciária da Faculdade de Direito da UFMG, que, antes ainda de atingir idade provecta, produziria obra científica de incontestável valor e que, por ser obra de puro processo – tal é que ocorre com os princípios de processo, expressos na Constituição ou que constituem corolário de princípios outros expressos ou implícitos na Lei Maior –, interessam sobremaneira aos homens, porque são garantidores de seu patrimônio material e, sobretudo, moral, que é a liberdade. Esta última circunstância, por si só, ao tempo em que coroa o jurista ainda moço, recompensa a árdua, porém brilhante, trajetória de José Eduardo Carreira Alvim, no campo do Direito. Valeu a pena a luta, o esforço, as noites indormidas. Aliás, “ tudo vale a pena se a alma não é pequena”, está na poesia de Fernando Pessoa. José Eduardo Carreira Alvim pelo que vimos de ver, tem grande a alma e severo o espírito. Também por isto, repito o que foi dito linhas atrás, é que está ele em véspera de grandes realizações. Este livro é prova disto.

Carlos Velloso Ex-Ministro do Supremo Tribunal Federal.

NOTA DO AUTOR

Desde que escrevi a obra ancestral destaTeoria Geral do Processo, que àquele tempo chamei de Elementos de Teoria Geral do Processo, sentia um desejo incontido de fazer uma revisão profunda nos meus ensinamentos, tornando a sua leitura mais prazerosa, principalmente porque é uma obra dedicada aos estudantes que se iniciam na caminhada pelo Direito Processual Civil. Consegui lograr esse intento, entregando a presente obra aos meus alunos e a todos os alunos da disciplina Teoria Geral do Processo, espalhados por este País, ou Introdução ao Direito Processual Civil, que é o nome dessa disciplina em algumas Faculdades de Direito do País, inclusive na Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde leciono. Nessa nova Teoria Geral do Processo, adotei o sistema de indicar uma bibliografia sintética no final de cada capítulo, porque a obra tem como destinatários específicos os alunos do curso de graduação. Além disso, mantive nas notas de rodapé apenas o realmente necessário para tornar mais compreensíveis os diversos temas abordados. Com a obra antiga, enriquecida pelo novo perfil que lhe imprimi, tive a impressão de haver escrito uma obra nova, que entrego ao mundo jurídico como mais uma contribuição, com o propósito de colaborar na preparação dos futuros operadores do Direito Processual Civil, para que possam tornar a justiça brasileira mais humana e sensível do que tem sido até agora. ComCivil a revogação do Código Processo Civilparcialmente de 1973 (Lei 5.869/73) e a 13.256, promulgação novo Código de Processo (Lei 13.105, de 16 dedemarço de 2015), alterado pela Lei de 4 dedofevereiro de 2016), que entrou em vigor depois de decorrido um ano da data de sua publicação oficial (18.03.2016), fez-se necessária a revisão desta obra, Teoria Geral do Processo, para que ela se mantenha em sintonia com o novo diploma processual, o que faço nesse momento na certeza de que será de grande utilidade para os estudiosos do direito, e, especialmente, para os estudantes de direito, que iniciam a sua caminhada pelo terreno do direito processual.

SUMÁRIO

1 PROPEDÊUCapítulo TIC A PROCES SUA L Análise de conceitos processuais básicos: necessidade, bem, utilidade, interesse, conflito de interesses, pretensão, resistência e lide Formas de resolução dos conflitos de interesses: autodefesa, autocomposição e processo Processo e atuação d o direito objetivo : teoria unitária e teoria dualista do o rdenamento jur ídico Escopo do processo: teoria subjetivista, objetivista e mista Bibliografia Capítulo 2 DESENVOLVIMENTO DA DOUTRINA PROCESSUAL Análise comparativa dos processos romano, germânico e comum medieval Ev olução d a dou trina pro cessual Revisão científica do direito processual Autonomia e publicização do direito processual Unitarismo e dualismo na c iência do processo: ev olução e significação d a parêmia Elabor ação de uma teoria geral do p rocesso Teoria geral do processo e método s de elaboração Tendência unificadora do direito processual e suas manifestações doutrinárias e legislativas Trilogia estrutural do direito processual: ju risdição, ação e processo Macrossistema, microssistema, sistema periférico e integração do sistema processual Bibliografia Capítulo 3 PODER JUDICIÁRIO Poder Judiciário: estrutura Organização judiciária Unidade e duplo grau de jurisdição: argumentos contrários e favoráveis Composição d os juízos e tribunais Critérios de ingresso na magistratura

Garantias da magistratura: independência política e jurídica dos juízes Auxiliares da Justiça: conceito e classificação Órgãos do foro extrajudicial Ministério P úblico e sua po sição na o rdem jurídica Funç ões, garantias e estrutura d o Ministério Público Princípios informativo s do Ministério Pú blico Adv ocacia pública Adv ocacia priv ada Defensoria Pú blica Bibliografia Capítulo 4 JURISDIÇÃO Funções básicas do Estado: legislação, administração e jurisdição Jurisdição e equivalentes jurisdicionais Características da jurisdição em confronto com a legislação Critérios de distinção entre jurisdição e administração Caracterização do ato jurisdicional Elementos da jur isdição e po deres jurisdicionais Princípios fun damentais da jurisdição Extensão da jurisdição Jurisdição e suas divisões Jurisdição con tenciosa e jurisdição v oluntária: v isão teórica Tese rev isionista do conceito de ju risdição v oluntária Jurisdição e arb itragem Resolução c onsensual dos con flitos Bibliografia Capítulo 5 COMPETÊNCIA Competência: c onceito e relações com a jurisdição Limites da jurisdição nacional. Delimitação da jurisdição no espaço: competência interna e competência internacional Competência interna: distribuição d a jurisdição. Critérios de d eterminação da competência Pro rro gação de co mpetência: conexão e pr evenção Perp etuação d a jurisdição Bibliografia Capítulo 6 PROBL EMÁTICA DA AÇÃ O

Ev olução do con ceito de ação Teorias sobre a ação Ação como direito a uma sentença justa Ação como emanação da personalidade Ação como direito de ser ouvido em juízo Ação como pretensão de tutela jurídica Ação como direito potestativo Ação como direito processual das partes Ação como direito de petição Ação como direito cívico Ação como direito à jurisdição Relatividade do conceito de ação Cond ições da ação civ il Cond ições da ação penal Defesa contra a ação. Questões sobre o exercício da ação Classificação das ações Elementos da ação Bibliografia Capítulo 7 PROBLEMÁTICA DO PROCESSO Valores e normas fundamentais Principais teorias sobre a natureza do processo: teorias privatistas e publicistas Processo como contrato Processo como quase contrato Processo como instituição Processo como situação jurídica Processo como relação jurídica Relação jurídica processual: características Caracterização d a relação processual Pressupostos processuais: pressupostos de existência e pressupostos de validade Defesa contra o p rocesso. Q uestões sobre o p rocesso. Conceito processual de exceção (ou alegação). Objeção p roc essual Bibliografia Capítulo 8 CONTEÚDO OBJETIVO DO PROCESSO Problemática do mérito Mérito e lide: lide total e lide parcial. Julgamento parcial de mérito

Mérito em matéria penal Defesa contra o mérito. Conceito substancial de exceção Ainda a defesa contra o mérito. Questões prejudiciais Questões preliminares e prejudiciais: semelhanças e distinções Bibliografia Capítulo 9 COMPOSIÇÃ O SUBJET IVA DO P ROCESSO Sujeitos processuais: juiz e partes Partes: generalidades, conceito; p rincíp ios infor mativos Pluralidade de partes, ativa e passiva. Litisconsórc io: conceito; modalidades Intervenção de terceiros: conceito; modalidades Sub stituição processual Representação, substituição e sucessão processual Limites de incidênc ia da autono mia da v ontade: o poder d ispositivo Bibliografia Capítulo 10 MORFOLOGIA DO PROCESSO Distinção entre pro cesso e procedimento Princípios pro cessuais do processo Princípios informativos Princípios fund amentais do processo Princípios pr ocedimentais Tipologia do pro cesso Bibliografia Capítulo 11 DISCIPLIN A NORMAT IVA DO P ROCESSO Norma jurídica: normas materiais e normas processuais Fontes do direito processual Interpr etação e integração da n orma processual Limitações espaciais e temporais na aplicação da norma processual Aplicação das normas processuais Bibliografia Capítulo 12 DINÂ MICA DO P ROCESSO Impulso p rocessual: autodinâmica e heterodinâmica Fatos, atos e n egóc ios jur ídicos p rocessuais

Princípios informativo s dos atos pro cessuais Tempo dos atos processuais. Prazos e caducidades Revelia e preclusão Perfeição e eficácia do ato processual: teoria das nulidades Ordem cronológ ica na prática de atos pro cessuais Calendário para a p rática de atos pr ocessuais Bibliografia Capítulo 13 PROVA Conc eito de prov a judiciária Objeto, função e destinatário da prova Classificação das pro vas Meios probatórios: pressupostos e limitações Natureza do d ireito probatório Distribuição do ônus probatório: significado Critérios formais de distribuição do ônus pro batório Critério material de distribuição do ônus pro batório Dinamização e inversão do ônus da prova Objeto da prova Prova de fatos negativos Pro va do direito Motivos de pro va, meios de pro va e proc edimento p rob atório Procedimento probatório: fases ou momentos. Princípios probatórios Produção antecipada da prova Sistemas de v aloração d as prov as Verdade no processo: v erdade formal e verdade material Bibliografia Capítulo 14 SENTENÇA Intro dução ao estudo da sentença: atos or dinatórios e atos decisórios Conceito de sentença Gênese lógica da sentença Natureza da atividade judicial na emissão da sentença Função da sentença Sentença como ato processual e como fato processual. Efeitos da sentença Classificação da sentença Requisitos ou elementos essenciais da sentença

Efeitos da sentença na interferência das jurisdições Bibliografia Capítulo 15 RECURSO Recurso: notas características e conceito Duplo g rau de jur isdição Natureza jurídica do recur so Pressupostos recursais Suc umbência: c onceito e classificação Fundamento do recurso Juízo de admissibilidade e juízo de mérito Efeitos do r ecurso Reflexos da interposição do recur so sobr e a relação p rocessual Classificação dos recur sos Tipologia recursal Incidentes recursais Proibição d e reformatio in p eius Bibliografia Capítulo 16 COISA JULGADA Natureza juríd ica da sentença recor rív el Escorço histórico da coisa julgada Coisa julgada: coisa julgada formal e coisa julgada material Justificação da coisa julgada Limites objetivos da coisa julgada Limites subjetivos da coisa julgada Teoria da eficácia natural da sentença Projeção da co isa julgada p enal na esfera cível Bibliografia Capítulo 17 EXECUÇÃO Execução e processo Pressupostos processuais na execuç ão. Objeto da execução. Lide na e xecução. C ondiçõ es da ação de execução Defesa na execução. E mbargo s à execução: natureza juríd ica. Tipologia do s embargo s Execução e jurisdição

Exceção (ou alegação) de pré-executividade Cumprimento d e sentença Bibliografia BIBLIOG RAFIA GERA L

1 1 PROPEDÊUTICA PROCESSUAL

Análise de conceitos processuais básicos: necessidade, bem, utilidade, interesse, conflito de interesses, pretensão, resistência e lide. Formas de resolução dos conflitos de interesses: autodefesa, autocomposição e processo. Processo e atuação do direito objetivo: teoria unitária e teoria dualista do ordenamento jurídico. Escopo do proce sso: teoria subjetivista, objetivista e mista.

Anális e de c oncei tos proces s uais bási cos : neces s idade, bem, utili dade, interes s e, confli to de i nteres s es , pretens ão, res is tência e l ide O ser humano possui uma vocação, que lhe é imanente, de viver em grupo, associado a outros seres da mesma espécie, tendo Aristóteles registrado que o homem é um animal político, que nasce com a tendência de viver em sociedade. Cada homem tem necessidade dos demais para sua própria conservação e aperfeiçoamento, pelo que a sociedade não é uma formação artificial, mas uma necessidade natural do homem. Quem contempla um agrupamento social verifica que ele revela aos olhos do observador os homens com as suas necessidades, os seus interesses, as suas pretensões e os seus conflitos. 2 mas Estes conceitos não são criados ou moldados pela teoria geral do processo nem patrimônio exclusivo dela, que Carnelutti, no âmbito da teoria geral do direito, submeteu a uma rigorosa análise de síntese. O primeiro desses conceitos a merecer atenção é o conceito de necessidade, que não é de índole essencialmente urídica. Esta expressão “necessidade”, difícil de ser definida, traduz-se numa situação de carência ou desequilíbrio biológico ou psíquico, e, etimologicamente, deriva de nec + esse, que significa não ser, não existir, traduzindo a falta de alguma coisa ou algo que não é. O homem experimenta necessidades as mais diversas, sob variados aspectos, e tende a proceder de forma que sejam satisfeitas; que desapareça a carência ou se restabeleça o equilíbrio perdido. A necessidade decorre do fato de que o homem depende de certos elementos, não só para sobreviver, como para se aperfeiçoar social, política e culturalmente, pelo que não seria errôneo dizer que o homem é um ser dependente. Se o homem é um ser dependente, podemos concluir que a necessidade é umarelação de dependência do homem para com algum elemento, relação essa que Carnelutti precisou como sendo uma “ necessidade”. Carnelutti que entre existemrelações de complementaridade e isto se deveAa força uma vital manifestação vital Doutrina de que alguns são dotados, queososentes impulsiona a combinar-se com os entes complementares. consiste precisamente em que os que têm vida sintam estímulo para tal combinação. O estímulo age mediante uma sensação enosa, enquanto falta a combinação, e, mediante uma sensaçãoagradável, quando a combinação se produz. Essa tendência para a combinação de um ente vivo (homem) com um ente complementar (bem) constitui uma necessidade. A necessidade se satisfaz com a combinação. bem ou bem da Sendo a necessidade satisfeita mediante determinados elementos, emerge, em seguida, conceito de vida. Para Carnelutti, bem é o elemento capaz de satisfazer a uma necessidade do homem; sendo esse vocábulo derivado de bonum quod beat, ou seja, porque faz bem.

Nesse mesmo sentido, Ugo Rocco, para quem bem é tudo o que é apto para satisfazer, ou que satisfaz, a uma necessidade, permitindo a amplitude do conceito que ele compreenda tanto bens materiais, como a água, o alimento, o 3 vestuário e o transporte, quanto imateriais, como a paz, a liberdade, a honra e amor. Fixado o conceito de bem, chega-se ao conceito deutilidade, que nada mais é do que a aptidão de um bem para satisfazer a uma necessidade. Ugo Rocco4 define autilidade como a idoneidade de um bem para satisfazer a uma necessidade. De um lado, temos o homem com as suas necessidades e, de outro,os bens com a sua utilidade. A necessidade e a utilidade despertam o interesse do homem pelo gozo dos bens da vida, o que não significa que, sempre que haja utilidade num bem, ocorra um interesse relativamente a ele. É preciso que àutilidade se alie uma necessidade presente ou de previsão futura, exemplificando Carnelutti que o pão é um bem e tem sempre utilidade, mas não haverá interesse a não ser para quem não tem fome ou possa prever que venha a tê-la. Emerge aí, então, o conceito deinteresse, muito discutido em sede doutrinária. Para Ugo Rocco, o interesse é um juízo formulado por um sujeito acerca de uma necessidade, sobre a utilidade ou sobre o valor de um bem, enquanto meio para a satisfação dessa necessidade. Por conseguinte, ionteresse é um ato da inteligência, que é dado pela tríplice representação deum bem, de uma necessidade e da aptidão do bem para satisfazer a essa necessidade. Para Carnelutti, porém, o interesse não é um juízo, mas uma posição do homem; ou mais precisamente a “ posição favorável à satisfação de uma necessidade”, e, portanto, uma relação entrehomem o que experimenta a necessidade e o bem apto a satisfazê-la. Se o interesse é uma posição do homem favorável à satisfação de uma necessidade, esta posição se verifica em relação a um bem; pelo que o homem e bem são os dois termos dessa relação que se chamainteresse. O sujeito do interesse é o homem e objeto dele, o bem da vida. Que o interesse consista numa relação verifica-se através da própria palavra, que é uma das mais expressivas, derivada de quod inter est (que está entre), pelo que aquele que está entre uma necessidade e um bem apto a satisfazê-la estará numa posição ou situação de “interesse”. Assim, se o homem tiver fome, tendo o alimento à sua disposição, estará numa posição ou situação de interesse; mas, se tiver fome, sem ter o alimento à sua disposição, não estará. Alguns, diz Carnelutti, fazem do interesse umjuízo , algo que estaria dentro e não fora de nós, sem pensar que, se assim fosse, ou não haveria guerra ou esta seria uma raridade, pois seria bastante difícil que os homens se lançassem uns contra os outros por uma questão de dissídio de opinião. A relação entreo homem e o bem não é um juízo; sendo o uízo necessário para revelar a existência dessa relação. O interesse pode ser de duas espécies: interesseimediato e interesse mediato. Quando uma posição ou situação se presta diretamente à satisfação de uma necessidade, o interesse se diz imediato; como, por exemplo, a posição ou situação de quem possui o alimento, o qual se presta diretamente à satisfação da necessidade de alimentar-se. Se, no entanto, a posição ou situação do homem apenas indiretamente se presta à satisfação de uma necessidade, enquanto dela possa derivar outra situação (intermediária), que se presta à satisfação da necessidade, diz-se interesse

mediato ; como, porainda, exemplo, a posição situação de quemepossui o dinheiro Distingue-se, o interesse em ou interesse individual interesse coletivo.para adquirir o alimento. O interesse se diz individual quando a posição ou situação favorável à satisfação de uma necessidade pode determinar-se em relação a um indivíduo, isoladamente; como, por exemplo, o uso de uma casa, porque cada um pode ter uma casa para si. O interesse se dizcoletivo quando a situação favorável à satisfação de uma necessidade não se pode determinar senão em relação a vários indivíduos, considerados em conjunto; como, por exemplo, o uso de uma grande via de comunicação, porque esta não pode ser construída para a satisfação da necessidade de um só homem, mas apenas das necessidades de muitos homens. Doutrina Amaral Santos que, no interesse individual, a razão está entre o bem e o homem, conforme suas necessidades; e, no interesse coletivo, a razão ainda está entre o bem e o homem, mas apreciadas as suas necessidades em relação a necessidades idênticas do grupo social.

A existência dos interesses coletivos explica a formação dos grupos sociais, e, porque a satisfação de muitas necessidades humanas não pode ser conseguida isoladamente, os homens se unem em grupos, fazendo surgir a família, a sociedade civil, a corporação, o sindicato, o Estadoetc. Classifica-se, ainda, o interesse em interesse primário e interesse secundário, enquanto o juízo de utilidade considere o bem em si mesmo, como apto diretamente para satisfazer da necessidade, ou o estime, apenas indiretamente, 5 como meio para a consecução de outro bem, que satisfaça à necessidade. Como os bens são limitados, ao contrário das necessidades humanas, que são ilimitadas, surge entre os homens, conflito de interesses, sendo esses conflitos relativamente a determinados bens, choques de forças que caracterizam um inevitáveis no meio social. Ocorre um conflito entre dois interesses, quando a posição ou situação favorável à satisfação de uma necessidade exclui ou limita a posição ou situação favorável à satisfação de outra necessidade. As às necessidades do explica homem que, aumentam com maiororapidez aumentam e a ante limitação bens, em relação necessidades, com frequência, homemdoseque encontre frenteosaobens, dilema, duas dos necessidades, sobre qual deva satisfazer e qual deva sacrificar. Delineia-se, então, um conflito entre dois interesses de um mesmo homem, a que se denomina conflito subjetivo de interesses. Essa modalidade de conflito ocorre quando alguém tem necessidade de alimentar-se e vestir-se, mas possui dinheiro para satisfazer apenas a uma delas; e, como se trata de dois interesses de uma mesma pessoa, o conflito se resolve com sacrifício do interesse menor em favor do interesse maior. Este conflito pode ser relevante para o grupo, na medida em que um desses interesses esteja, mais do que o outro, coligado a um interesse coletivo, mas não haverá aí um conflito entre dois interesses de uma mesma pessoa, mas entre uminteresse individual e um interesse coletivo. Como o conflito subjetivo de interesses não se extravasa da pessoa do próprio sujeito nele envolvido, resolve-se quando este faz uma opção; pelo que, uma vez feita a opção, cessa o conflito, que deixa de existir. Pode ocorrer, também, ante a limitação dos bens e as ilimitadas necessidades dos homens, a hipótese de um conflito entre interesses de duas pessoas, ao qual Carnelutti chamou de conflito intersubjetivo de interesses; conflito este que tem particular importância para o Estado, pelo perigo que representa de uma solução violenta, quando ambos os interessados recorrem à força, para fazer com que o seu interesse prevaleça sobre o interesse do outro. Quando o conflito se manifesta entre interesses de diversos homens, diz Carnelutti, adquire uma gravidade bem distinta do que quando se refere a interesses de um mesmo homem. Se dois homens têm fome e o alimento só basta para satisfazer à necessidade de um, o conflito se resolve sem dificuldade, quando se trata de pai e filho, porque a vida do filho é também um interesse do pai; mas, se esses dois homens são estranhos, e a satisfação da necessidade de um não interessa à do outro, ninguém sabe como possa terminar o conflito. Os conflitos podem ocorrerentre interesses individuais, como, por exemplo, se Tício e Caio têm necessidade de alimentar-se, mas não existe alimento senão para um deles; entreinteresse individual e interesse coletivo, como o interesse de Tício à segurança pessoal e o interesse coletivo à defesa do território, que reclama a sua exposição aos perigos da guerra; entre dois interesses coletivos, como o conflito entre o interesse à instrução pública e o interesse à defesa pública, quando os meios à disposição do Estado forem suficientes para a satisfação de apenas um deles. Aponta Dias Marques duas causas dos conflitos de interesses: a primeira, de ordemquantitativa , resultante da insuficiência de determinados bens para a satisfação de todas as necessidades que os solicitamraridade ( ); a segunda, de ordem qualitativa , dada a impossibilidade em que se encontram certos bens, de dar satisfação a necessidades em sentido contrário. É o caso do indivíduo que deve pagar a outrem certa quantia; pagamento que representa um sacrifício para o devedor, embora seja um benefício para o credor. O conflito intersubjetivo de interesses ou, simplesmente, conflito de interesses, tende a diluir-se no meio social, mas, se isso não acontece, levando os contendores a disputar, efetivamente, determinado bem da vida, para a satisfação de suas necessidades, delineia-se aí umapretensão. Para Carnelutti, o conflito pode dar lugar à atitude de um dos sujeitos, concretizada na “exigência de subordinação do interesse de outrem ao interesse próprio”; exigência esta que se chama pretensão “ ”.

A pretensão é, assim, um modo de ser do direito, que tende a fazer-se valer frente a quem não o respeita, ou, em geral, o discute. Registra Carnelutti que, desde que se dedicou ao estudo do processo, percebeu a necessidade de separar a “ pretensão” do “ direito”, porque, de outro modo, não se poderia admitir uma pretensão infundada, mas, em princípio, confundiu a pretensão com a afirmação do direito, já que não havia percebido que pode ocorrer não só pretensão a infundada, como, também, a pretensão desarrazoada; por isso, passou a definir a pretensão como “ exigência de subordinação do interesse alheio ao interesse próprio”, com o que não sóa pretensão é separada do direito, como também da razão; sendo esta precisamente aquilo que vincula a pretensão ao direito. A pretensão é, assim, um ato e não um poder; algo que alguém faz e não que alguém tenha; uma manifestação e não uma superioridade da vontade. Esse ato nãosó não é o direito como sequer o supõe; podendo a pretensão ser deduzida tanto por quem tem como por quem não tem o direito, e, portanto, serfundada ou infundada. Tampouco, o direito reclama necessariamente a pretensão; pois tanto pode haverpretensão sem direito como haver direito sem retensão; pelo que, ao lado da pretensão infundada, tem-se, como fenômeno inverso,o direito inerte. Analisando o conceito de pretensão, adverte Carnelutti que essa palavra, no seu valor semântico, sugere a ideia de uma tensão prévia, prae tendo, como a situação de quem quer ir adiante apesar dos obstáculos. Quando a pessoa cujo interesse deveria ser subordinado não concorda com essa subordinação, ela opõe uma resistência à pretensão; resistência esta entendida como a “ não adaptação à subordinação do interesse próprio ao interesse alheio”, ou, sinteticamente, a “ oposição a uma pretensão”. A resistência pode consistir em que, sem lesar o interesse de outrem, o adversário conteste a pretensão ou, sem contestar a pretensão, lese o interesse; podendo ocorrer, também, que a resistência se estenda a uma e outra, em que contesta a pretensão e lesa o interesse. Tanto a contestação como a lesão da pretensão do mesmo modo que a pretensão são dois atos jurídicos, embora de espécie diversa, sendo a contestação umadeclaração de vontade e a lesão da pretensão, uma operação jurídica ou um ato jurídico de evento físico; pelo que se distinguem, em razão da qualidade da resistência, a lide de pretensão

contestada e a lide de pretensãoinsatisfeita . Pode acontecer que, diante da pretensão de um dos sujeitos, o titular do interesse oposto decida pela subordinação, caso em que basta a pretensão para determinar a resolução pacífica do conflito; mas, quando à pretensão do titular de um dos interesses em conflito, o outro oferece resistência, o conflito assume as feições de uma verdadeira lid e ou litígio . A lide nada mais é do que um modo de ser do conflito de interesses, pelo que Carnelutti definiu-a como “ conflito de interesses, qualificado pela pretensão de um dos interessados e pela resistência do outro”, ou, sinteticamente, “ conflito de interesses, qualificado por uma pretensão resistida ou insatisfeita”.6 A lide tem um elemento material, que é o conflito de interesses, e um elementoformal, que são a um só tempo a pretensão e a resistência (ou oposição). O conflito de interesses é umalide, enquanto uma das pessoas formula, contra a outra, umapretensão, e esta outra ofereceresistência. O conceito de lide é controvertido, entendendo alguns que não se trata de um conceito essencialmente processual, porque todo processo pressupõe uma lide, mas nem toda lide desemboca, necessariamente, num processo; pelo que o conceito seria mais sociológico do que jurídico. A lide tem que ser solucionada, para que não seja comprometida a paz social e a própria estrutura do Estado, pois o conflito de interesses é o germe de desagregação da sociedade.

Formas de resolução dos conflitos de interesses: autodefesa, autocomposição e processo Surgindo um conflito entre dois interessescontrapostos, pode acontecer que seja resolvido por obra dos próprios litigantes ou mediante a decisão imperativa de um terceiro, tendo-se, no primeiro caso, uma solução parcial do conflito, por obra das próprias partes, e, no segundo, uma solução imparcial do conflito , por ato de um terceiro, que não é parte.

8 e formaimparcial, o processo,9 São formas parciais de resolução dos conflitos7 a autodefesa e a autocomposição, sendo estas as três possíveis desembocaduras de um litígio. Autodefesa – O vocábulo “autodefesa” é formado pelo prefixo “ auto”, que significa “ próprio”, e pelo substantivo “ defesa”, traduzindo a defesa que alguém faz de si mesmo. 10 Se fosse a autodefesa entendida na sua literalidade, ficariam de fora não poucas manifestações que nela se contêm, como a legítima defesa de terceiro e o estado de necessidade, porque, se a ideia de defesa pressupõe ataque, este faltaria no estado de necessidade, em que o padeiro, vítima de furto famélico, não é agressor do faminto, e, muito menos, o náufrago sacrificado para salvar os demais, ou o devorado pelos seus companheiros de catástrofe. Esta forma de resolução dos conflitos é apontada como a mais primitiva, quando ainda não existia, acima dos indivíduos, uma autoridade capaz de decidir e impor a sua decisão aos contendores, pelo que o único meio de defesa do 11 indivíduo ou do grupo era o emprego da força bruta contra o adversário para vencer a sua resistência.

Nos primórdios da humanidade, aquele que pretendesse determinado bem da vida, e encontrasse obstáculo à realização da própria pretensão, tratava de removê-lo pelos seus próprios meios, afastando os que se opunham ao gozo daquele bem, imperando, assim, a lei do mais forte, em que o conflito era resolvido pelos próprios indivíduos, isoladamente ou em grupo. Nessa época, não se tinha ainda uma noção clara da individualidade da culpa, de modo que o ataque a um membro de uma tribo era considerado uma agressão à tribo inteira; pelo que provocava uma reação em massa da tribo agredida, buscando esta impor uma sanção à tribo agressora, aprisionando seus integrantes, matando-os, ou reduzindo-os à condição de escravos. Por se revelar uma solução “egoísta”, em que a satisfação da necessidade de um dos litigantes não interessa à do outro, os Estados modernos geralmente a proíbem, consentindo-a em casos excepcionais, e, mesmo assim, tornando necessário um processo ulterior, justamente para, se for o caso, declarar a licitude da mesma no caso concreto. Aponta Alcalá-Zamora, comonotas essenciais da autodefesa: a ausência de um juiz, distinto das partes litigantes e a imposição da decisão por uma das partes à outra.12 A esse tempo, não havia nenhum critério a nortear a resolução dos conflitos; e, se algum critério existia, era a razão do sujeito mais forte. Os Estados modernos, reconhecendo que, em determinadas circunstâncias, não podem evitar que se consume uma lesão de direito, permitem que o próprio agredido defenda seus interesses, mesmo com o emprego, se necessário, da força material, nos limites traçados à atividade individual (delimitação legal). Casos típicos de autodefesa podem ser citados no direito moderno: a legítima defesa, no âmbito penal; o desforço incontinenti (imediato), no âmbito civil; o direito de greve, no âmbito trabalhista. Em muitos casos de autodefesa o processo não é afastado definitivamente; sendo o agredido dispensado de se dirigir ao juiz, mesmo porque não haverá tempo para isso; mas, posteriormente, o Estado-juiz é chamado a exercer o controle desse ato, e o fará através do processo. Esta forma de resolução dos conflitos é altamente perniciosa, a uma, porque não satisfaz aos ideais de justiça, visto que o mais forte logrará sempre a satisfação do próprio interesse, e, a outra, porque, envolvendo, inicialmente, dois contendores, pode transformar o conflito numa verdadeira guerra. À medida que os homens foram compreendendo que os bens, pela sua importância e limitação, e pela sua quantidade e qualidade, não justificavam uma disputa, com risco de perder tudo, obom senso e a razão passaram a ocupar o lugar da força bruta, ocorrendo uma evolução para aquela forma de resolução dos conflitos denominada “ autocomposição”. Autocomposição – Registra Alcalá-Zamora que este meio de resolução dos conflitos teria convivido com a autodefesa, mas representa uma forma mais evoluída. O vocábulo “ autocomposição” se deve a Carnelutti, que, ao tratar dos equivalentes jurisdicionais, aí a incluiu, sendo integrado do prefixo auto, que significa “próprio”, e do substantivo “ composição”, que equivale a solução, resolução ou decisão do litígio por obra dos próprios litigantes .

A autocomposição aparece como uma solução altruísta , pois traduz atitudes de renúncia ou reconhecimento a favor do adversário. Assim, “ A” desiste de reclamar o pagamento de seu crédito; “ B” acede em satisfazer a dívida; a vítima de uma ofensa à honra perdoa o seu ofensoretc. Aponta Alcalá-Zamora três formas autocompositivas:a) renúncia ou desistência; b) submissão ou reconhecimento; e c) transação.13 A atitude altruísta pode provir do atacante, ou seja, de quem deduz a pretensão; do atacado, ou seja, de quem resiste à pretensão; ou de ambos, mediante concessões recíprocas. As duas primeiras sãounilaterais , sendo que a que procede do atacante denomina-se renúncia ou desistência; a que emana do atacado chama-sesubmissão ou reconhecimento; e a terceira, que ébilateral , se denomina transação. A espontaneidade, que deveria ser o traço essencial de toda modalidade autocompositiva, pode estar ausente, pois, muitas vezes, a desigual capacidade de resistência econômica dos litigantes ou a lentidão e carestia dos procedimentos conduzem a autocomposições, que,altruísta no fundo, rendições. Sendoasa partes autocomposição uma forma de configuram composiçãoverdadeiras dos conflitos, em princípio poderia parecer a mais recomendável, mas não o é, porque pode ocultar ou dissimular atos de autodefesa em que o litigante mais fraco, não podendo resistir, prefere renunciar. Não só com frequência a espontaneidade do sacrifício do próprio interesse é apenas aparente, por envolver uma capitulação do litigante de menor resistência, como pode acontecer também que a renúncia do próprio interesse obedeça a uma errônea percepção dele por parte do seu titular, que o leva a considerar a sua posição mais desfavorável do que na verdade é. A autocomposição também não desapareceu dos ordenamentos jurídicos modernos, sendo consentida e até estimulada em muitos casos, como é o caso da transação, no âmbito civil, e do perdão do ofendido, no âmbito penal. Pode a autocomposição ocorrer “ antes” ou “ depois” do processo,14 e pressupõe que o litigante possua a faculdade de disposição sobre direito material, pois, quando se trata de direitos indisponíveis (rectius, interesses intransigíveis) ou hipóteses em que a lei imponha, obrigatoriamente, a via processual com a finalidade de constatação judicial, não pode ter lugar essa modalidade autocompositiva; razão por que são raras as autocomposições fora das esferas civil e trabalhista. Processo – Com o evoluir dos tempos, os homens compreenderam a excelência de outro método, em que a solução dos conflitos era entregue a uma terceira pessoa, desinteressada da disputa entre os contendores, surgindo, então, a arbitragem facultativa, em tudo superior aos métodos anteriores. No princípio, a arbitragem foi voluntária, exercida pelos sacerdotes, a pedido dos litigantes, pois se acreditava, devido à formação mística desses povos, que eles tinham ligações com os deuses e a sua decisão era a manifestação viva da vontade divina; depois, a solução dos conflitos passou a ser entregue aos anciãos do grupo, na crença de que, conhecendo eles os costumes dos antepassados, estavam em melhores condições de decidir o conflito. De facultativa, a arbitragem, pelas vantagens que apresenta, torna-se obrigatória, e, com a arbitragem obrigatória, surge o processo como última etapa na evolução dos métodos de resolução dos conflitos.15 O processo se apresenta como última etapa na busca do método mais adequado para assegurar, com paz e justiça, a 16 estabilidade da ordem jurídica, e o mais satisfatório para preservar e restabelecer a razão do que tem razão. Anota Alcalá-Zamora que oprocesso com aa sua açãoelaboração e a jurisdição, um dos três conceitos fundamentais do direito processual, mas distaconstitui, muito dejuntamente haver alcançado definitiva. A imprecisão que rodeia esses conceitos, agrega o citado jurista, poderia refletir-se com os verbos “ser” e “ estar”, nos seguintes termos: do processo, sabemos onde está, mas não o que é, se uma relação ou uma situação jurídica; da urisdição, sabemos o que é, mas não onde está, se no direito processual ou no constitucional; e, da ação, ignoramos o que é, se abstrata ou concreta, e onde está, se no direito material ou no direito processual. A situação do processualista, conclui Alcalá-Zamora, é bastante incômoda, como a de um inquilino de uma casa cujos alicerces carecem da solidez necessária. Abstratamente considerado, o processo aparece como o melhor método para se resolver litígios, pelanota de imparcialidade que o caracteriza e pela força que se empresta às decisões nele proferidas, respaldadas pelo mecanismo

coativo do Estado; mas o seu funcionamento,em concreto, na maioria dos países,17 é objeto de severas críticas. probabilidades de uma resolução justa e pacífica dos O processo se apresenta como meio que oferece maiores litígios, porque o conflito é resolvido por um terceiro sujeito, a ele estranho, segundo determinadas regras. Para que o processo produzaresultados, é preciso que esse terceiro imparcial, que decide o conflito, seja mais forte do que as partes litigantes, para que possa impor, coativamente, a sua vontade, frente a qualquer intuito de desobediência ou descumprimento por parte dos contendores; pelo que se compreende que este terceiro seja o Estado. A denominação “processo” é relativamente moderna e provém etimologicamente do latimprocessus, derivado de rocedere, que significa avançar, caminhar para frente, dar um passo depois do outro. Observa Gusmão que o emprego da palavraprocesso, com o significado que tem atualmente, data dos últimos séculos da Idade Média, pois, para traduzi-lo, os romanos usavam o termoiudicium. Os romanos usavam também a palavra processus, mas com outro significado. Assim, em vez de falarem emdirectum, para se referir ao direito, usavam o vocábulo ius; e, em vez de usarem o termoprocessus , usavam iudicium. O processo é o instrumento de que se serve o Estado para, no exercício da função jurisdicional, resolver os conflitos de interesses, solucionando-os; ou seja, o instrumento previsto como normal pelo Estado para a solução de toda classe de conflitos jurídicos. Apresenta o processo certas características não encontráveis noutros métodos de resolução dos conflitos. No processo, a lide é resolvida por um terceiro sujeito, que é o juiz, que dele participa na qualidade de órgão estatal, investido de jurisdição, imparcial e equidistante dos interesses das partes. O juiz não possui interesse direto naquilo que constitui objeto da disputa judicial; sendo o seu interesse, como órgão estatal, secundário, ou seja, o de aplicar o direito objetivo, assegurando a cada um o que é seu. No processo, a lide é resolvida não segundo critérios de exclusiva conveniência do juiz, mas mediante a aplicação da lei, com justiça. Em vista do seu escopo, Carnelutti define oprocesso como sendo “ o conjunto de atos destinados à formação ou à atuação de comandos jurídicos, cujo caráter consiste na colaboração, para tal fim, de pessoas interessadas (partes), com uma ou mais pessoas desinteressadas (juízes)”. Ao se referir àformação de comandos jurídicos, Carnelutti tem em vista o processo de conhecimento, e, ao referirse à atuação de comandos jurídicos, tem em vista o processo de execução. Grosso modo o processo é a “operação, mediante a qual se obtém a composição da lide ”. O processo não se compõe de um único ato, mas de umconjunto de atos coordenados entre si e ligados uns aos outros pelo fim colimado, que é o de obter ajusta composição da lide. Os atos processuais são praticados pelo juiz, pelas partes, pelos auxiliares da justiça (escrivão, oficial de justiça etc.), pelos colaboradores eventuais (peritos, intérpretes etc.), terceiros desinteressados (testemunhas), tendo alguns partícipes interesse envolvido em lide, como as partes, e outros desinteressados, apenas colaborando com o Estado na distribuição da justiça, como as testemunhas. Para Couture, o processo é “um meio idôneo para dirimir imparcialmente, por ato de juízo da autoridade, um conflito de interesses com relevância jurídica”, sendo que, no plano doutrinário, o processo é um só, ainda que o conflito se produza em distintos âmbitos do direito (civil, penal, trabalhista etc.).

Processo e atuação do direito objetivo: teoria unitária e teoria dualista do ordenamento urídico Na concepção de Carnelutti, chama-se direito objetivo ou ordenamento jurídico ao conjunto de mandamentos urídicos ou preceitos legais que se constituem entre seus membros. O direito objetivo se constitui pela formulação de preceitos e imposição de sanções;observa-se mediante a conduta dos interessados, de acordo com os preceitos; eatua-se mediante uma força que submete às sanções os rebeldes à sua observância.

A forma mais expressiva de manifestação do direito objetivo é a lei no sentido amplo (Constituição, leis, decretos etc.) As relações entre oprocesso e o direito objetivo podem ser vistas sob um duplo aspecto: a) para uns, o processo é um método deatuação do direito objetivo, em nada contribuindo para acrescentar ou enriquecer o ordenamento jurídico; b) para outros, o processo é um método de complementação do direito objetivo, acrescentando algo, que antes dele não existia, qual seja, a sentença que ele proporcionou. Entre os adeptos da primeira corrente está Chiovenda, para quem o ordenamento jurídico cinde-se em direito material e direito processual , sendo que o primeiro cria a regra abstrata (a lei), que se torna concreta no momento em que ocorre o fato nela previsto,automaticamente, sem qualquer intervenção do juiz; enquanto o segundoatua o direito objetivo (da lei), em nada contribuindo para a formação de normas concretas. Para quem assim pensa, direito subjetivo e obrigaçãopreexistem ao processo. Esta teoria ficou conhecida como “teoria dualista” do ordenamento jurídico. A segunda corrente conta com o prestígio de Carnelutti, para quem o direito objetivo não tem condições para disciplinar, sempre, todos os conflitos de interesses que emergem no meio social, sendo necessário, muitas vezes, o processo, para a complementação dos comandos da lei. O comando contido na lei é incompleto; é como se fosse um arco, que a sentença completa, transformando em círculo. Para quem assim pensa, não é tão nítida a cisão entre odireito material e o direito processual, pois o processo participa da criação dos direitos subjetivos e obrigações, que só nascem efetivamente quando existe uma sentença a respeito;18 tendo, assim, o processo o escopo decompor a lide, ditando a norma concreta que a soluciona. Esta teoria ficou conhecida como “ teoria unitária” do ordenamento jurídico. Como se vê, não basta o ordenamento jurídico criar os sujeitos de direito, preservá-los e distribuir entre eles os bens da vida, pelo que o Estado se preocupa em instituir um método adequado, para dirimir os eventuais conflitos de interesses entre os litigantes, a fim de que a sociedade não se desorganize com as controvérsias entre seus membros. Na visão chiovendiana, o direito objetivo é atuado normalmente no meio social, na medida em que de modo espontâneo são satisfeitos os interesses tutelados pela norma jurídica, atuaçãofisiológica que é feita quase inconscientemente pelos titulares dos interesses em conflito. Assim, se adquiro alguma coisa no comércio, realizo um contrato de compra e venda; se viajo de ônibus, celebro um contrato de transportesetc. Sucede, porém, que, muitas vezes, o interesse cuja proteção se pretende é duvidoso, ou duvidoso é o meio de efetivá-lo, ou incerta é a regra legal a ser aplicada, ou a prestação que se exige do obrigado, ou mesmo a obrigação que deve ser satisfeita; tudo isso gerando dúvidas e discussões que o simplescomando abstrato contido na lei é incapaz de solucionar. Não sendo permitido aos próprios litigantes a resolução do conflito, torna-se necessário afastar o obstáculo que se opõe à satisfação do interesse tutelado pelo direito objetivo (a lei), caso em que este passa por um momento de atuação patológico, encontrando, então, no processo, a sua normal realização.19 O processo se realiza para que a lide seja resolvida com justiça, mediante a aplicação da lei, pelo que, onde não houver ordenação de conduta em sociedade, não haverá lugar para processo o , pois a resolução das lides, através do 20

processo, se dá pela atuação do comando legal, extraído pelo juiz do ordenamento jurídico.

Escopo do processo: teoria subjetivista, objetivista e mista Em doutrina, não existe uniformidade de entendimento sobre qual seja o verdadeiro escopo do processo, sustentando uns que o processo tende àtutela dos direitos subjetivos; outros, que tende à simples atuação do direito objetivo; e outros, tentando conciliar essas duas tendências. Alfredo Rocco nega que haja um escopo do processo, pois o processo, como conjunto de atividades, subordinadas a determinadas condições e ligadas a determinados termos, não tem, por si mesmo, um escopo. Portanto, quando se fala num escopo, refere-se sempre a um sujeito que se proponha a alcançá-lo, e como, no processo, esses sujeitos são o

Estado-juiz e as partes, é natural que cada um deles se proponha a alcançar determinados escopos; pelo que, na realidade, não há escopo do processo, senão umescopo dos sujeitos processuais. Para a corrente subjetivista, o processo funcionaria como instrumento de defesa do direito subjetivo violado ou ameaçado de violação, sendo este o pensamento de Hellwig e Weisman, para os quais o escopo do processo seria a tutela dos direitos subjetivos. Adverte Alfredo Rocco que essa fórmula, “ tutela dos direitos subjetivos”, para assinalar o escopo do processo, não é completamente exata, pois, se o direito subjetivo é “um interesse juridicamente protegido”, o conceito de tutela já é um elemento integrante do próprio direito subjetivo, pelo que falar-se na “ tutela de um direito” reduz-se a uma simples repetição de conceito. A tutela de uma tutela é uma superfetação lógica e prática. Assinala o citado jurista que a atividade jurisdicional, como toda atividade estatal, é desenvolvida no interesse comum de todos os cidadãos, sendo esse interesse comum que os objetivos garantidos pelo direito sejam efetivamente alcançados. A satisfação dos interesses privados é, na verdade, o resultado e não o escopo dessa atividade. A fórmula tutela dos direitos subjetivos confunde, pois, o escopo da ação com o escopo do processo. A teoria objetivista, seguida por Bülow, na Alemanha, e Chiovenda, na Itália, situa o objetivo do processo na atuação do direito objetivo, ou, mais precisamente, na vontade da lei, como expressão da vontade do Estado. O Estado, ensina Chiovenda, cria o direito objetivo (a lei), normatizando a conduta das pessoas, mediante comandos abstratos, que se transformam em concretos, quando ocorre o fato nele previsto, pelo que, quando o obrigado não ajusta a sua conduta à previsão legal, intervém o juiz para fazer com que esse comando concreto seja efetivamente cumprido. O processo visa ao escopo objetivo de fazer atuar a lei, pelo que os escopos do autor e o do processo só coincidirão no caso de ser fundada a demanda. A sentença, porém, é sempre atuação da lei, seja a demanda fundada ou infundada, pois, acolhendo-a ou rejeitando-a, o juiz afirma uma vontade positiva ou negativa de lei concernente ao caso decidido. Destarte, não serve o processo a uma ou a outra das partes, mas àquela que, segundo o juiz, está com a razão. É verdade que o juiz só atua a pedido da parte, mas esse fato, observa Chiovenda, não conduz a diferente concepção do escopo do processo, pois uma coisa é a natureza de uma função, e outra, o interesse do seu exercício no caso concreto. Embora o primeiro interessado em pedir a atuação da lei seja a pessoa, isso não obsta a que aquilo que ela peça seja a atuação da lei; de tal modo que, em grosseira comparação, se alguém adquire alguma coisa no comércio, provê ao seu interesse, mas o ato do negociante em si não visa a satisfazer o interesse de quem compra, e, sim, aos objetivos gerais do seu comércio. A concepçãopuramente objetiva do escopo do processo,21 observa Alfredo Rocco, tem o defeito fundamental de ser excessivamente abstrata e formalista e não tomar em consideração a função essencial e o conteúdo substancial da norma urídica. O direito objetivo não é um fim em si mesmo, mas garantia de escopos ou tutela de interesses, pelo que uma atuação pura e simples do direito objetivo nem seria concebível. Assinala Alfredo Rocco que a discrepância entre as duas concepções do processo depende do diferente ponto de vista, a partir do qual se considere o escopo processual: a) a concepçãoobjetivista considera somente o escopo do Estado, e assinala como escopo do processo a atuação do direito objetivo ou da lei, que é expressão da vontade do Estado; b) a concepçãosubjetivista considera somente o escopo de uma das partes, precisamente do autor, e considera, por isso, como escopo do processo, a tutela dos direitos subjetivos. Para o citado jurista, o Estado tem um interesse próprio na realização dos interesses privados tutelados pelo direito objetivo, 22 sendo este o escopo a que se propõe, através do processo; de tal modo que o escopo de cada uma das partes (autor e réu) pode coincidir, mas pode, também, não coincidir com o escopo do Estado; e só quando se verifica tal coincidência o escopo da parte se identifica com oescopo do Estado, o qual faz próprio e o realiza com a força da sua soberania. Uma terceira corrente encabeçada por Betti, na Itália, e por Couture, na América Latina, buscaconciliar a teoria subjetivista com a objetivista, mesclando essas duas posições, podendo ser chamada desubjetivo-objetivista ou mista. Essa teoria assinala que entre as duas formulações, asubjetivista e a objetivista, não existe um real contraste de substância, pois os direitos subjetivos não são algo que se possa separar e contrapor ao direito objetivo, mas produto de

valorações jurídicas expressas pelo próprio direito objetivo, e, neste sentido, identificam-se com ele. 23 Para Betti, nem é de se crer que o direito objetivo possa ser atuado, no processo, como norma geral e abstrata, porque faltaria o interesse de agir numa demanda em que se pedisse ao juiz a interpretação de uma norma jurídica na sua abstração e generalidade, fora de um caso concreto. O direito objetivo não pode ser atuado senão como regra concreta e específica de uma determinada relação jurídica ou estado jurídico, que, se existente de fato, confere ao interessado um direito subjetivo, ou uma posição de superioridade, em confronto com outros. Não obstante isso, a fórmula “ atuação da lei” ou “ do direito objetivo” é preferível à outra, dedefesa do direito subjetivo, pelo equívoco que esta poderia fazer incidir, de se acreditar que o processo funcionaria no interesse das partes em conflito, quando, na realidade, ele não funciona no interesse de uma ou outra das partes, mas por meio do interesse de ambas. O interesse das partes não é senão um meio de se alcançar a finalidade do processo, enquanto o interesse privado é utilizado como aparelho propulsor para satisfazer o interesse público na atuação da lei, para a composição do conflito. O escopo de cada uma das partes é ter razão; mas a finalidade do processo, ao invés, é dar razão a quem tem, e dar razão a quem tem não é um interesse privado das partes, mas um interesse público de toda a sociedade. Repete Betti as considerações feitas, antes, por Chiovenda, de que uma coisa é a natureza de uma função, como aquela do processo; e outra coisa o interesse particular que possa ter o indivíduo no seu exercício no caso específico, como o interesse de agir do autor e de contradizer do réu; pelo que, ainda que o primeiro interessado em provocar a atuação da lei seja o litigante que tenha razão, isto não impede que aquilo que ele peça seja precisamente a atuação da lei. Para quem reconhece o escopo do processo, no sentido precisado, exclui que nele se exerça uma jurisdição de mero direito objetivo, para fazer observar a lei, independentemente do reconhecimento de direitos subjetivos em relação a quem o juiz é chamado a atuar. Uma jurisdição de mero direito objetivo, neste sentido, conquanto concebível abstratamente, repugna à natureza mesma do processo, e não condiz senão com o processo penal, para quem prescinda de um direito subjetivo de punir do Estado. Couture segue essa mesma linha, pondo em relevo a funçãopública e a funçãoprivada do processo.

Bibliografia ARRUDA ALVIM NETTO, José Manoel de.Direito processual civil. São Paulo: RT, 1971. v. 1. BETTI, Emílio. Diritto processual e civile italian o. 2. ed. Roma: Società Editrice del Foro Italiano, 1936. CALAMANDREI, Piero. Instituciones de derecho procesal civil. Buenos Aires: EJEA, 1973. v. I. CARNELUTTI, Francesco. Derecho procesal civil y penal. Buenos Aires: EJEA, 1971. v. I. ______. Instituciones del proceso civil. Buenos Aires: EJEA, 1950. v. I. ______. Derecho y proceso. Buenos Aires: EJEA, 1971. v. I. ______. Lezioni di diritto processuale civile. Padova: Cedam, 1986. v. 2. ______. Sistema del diritto processuale civile. Padova: Cedam, 1936. v. I. ______. Teoria general del derecho. Madrid: Revista de Derecho Privado, 1941. CASTILLO, Niceto Alcalá-Zamora.Proceso, autocomposición y autodefensa. México: Unam, 1970. CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1962. v. I. CINTRA, Antônio Carlos de Araújo; GRIONOVER, Ada Pellegrini; e DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria geral do processo. 6. ed. São Paulo: RT, 1988. COUTURE, Eduardo. Fundamentos del derecho procesal civil . Buenos Aires: Depalma, 1988. GUSMÃO, Manuel Aureliano de.Processo civil e comercial. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1934. MARQUES, José Dias. Introdução ao estudo do direito. Coimbra: Faculdade de Direito de Lisboa.

MOREIRA, José Carlos Moreira. Direito romano. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1971. v. I. ROCCO, Alfredo. La sentença civil . Milano: Giuffrè, 1962. ROCCO, Ugo. Tratado de derecho procesal civil. Bogota-Buenos Aires: Temis--Depalma, 1969. v. 1. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. São Paulo: Saraiva, 1995. v. 1.

1

Propedêuti ca é o m esmo que “ introdução”.

2

Alguns desses conceitos sequer têm conteúdo exclusivamente jurídico, mas também sociológico.

3

Para Ugo Rocco, o conceito de “bem” é amplíssimo e dentro dele podem agrupar-se todas as realidades que entram no conceito de valor,

4

podendo ser uma coisa, um homem , uma a ção, uma om issão, uma relação de fato ou uma relação j urídica. A utilidade mais não é do que o produto de uma relação entre um sujeito que sente uma necessidade e um objeto que satisfaz a essa nece ssidade, e implica um juízo de utilidade e de valor. A utilidade, ne ste sentido, é sem pre utilidade subj etiva, ma s pode dar- se um a utilidade obje tiva, quando o juíz o de utilidade ou de valor proce da de um a va loraçã o mé dia das valoraçõe s individuais ou subjetivas.

5

“Há necessidades cuja satisfação facilita a de outras: se um homem não comeu e não restaurou suas forças, não poderá construir a casa. Há necessidade cuja satisfação só se obtém mediante a conquista de posições sucessivas: para comer, o homem deve primeiro prover-se de alimentos; ou, para construir a casa, procurar para si os materiais. Assim se explica que um interesse possa ser, antes que uma posição favorável à satisfação de uma necessidade, uma posição favorável à satisfação de um interesse. Sob este aspecto, distinguem-se os interesses finais dos interesses instrumentais, e, também , os interesses imediatos, dos interesses mediatos.”

6

Registra Alcalá-Zamora que à situação de conflito srcinadora do processo se denomina litígio, entendida a palavra na mesma direção de Carnelutti, mas em termos mais amplos, ou seja, como conflito juridicamente transcendente e suscetível de solução, também jurídica, mediante a autodefesa, autocomposição ou processo, que permitam sua extensão às esferas civil, penal, administrativa etc.

7

Carnelutti analisa formas diversas de composição dos conflitos, como a econômica e a ética, além da resolução pelos meios jurisdicionais.

8

Deve-se a Alcalá-Zamora a prime ira form ulação sistem ática das ideias de “processo, aut ocompos ição e autodefesa”.

9

Tanto a autocomposição quanto a autodefesa podem ser unilaterais (como na submissão ou na legítima defesa), ou bilaterais (como na transação).

10 Carnelutti prefere a denominação defesa privada; Goldschmidt, autojustiça; Radbruch e Wegner, autoajuda; e Couture, autotutela. AlcaláZamora considera a palavra “ autotutela” mais expressiva para designar o fenômeno, mas não a adota, primeiro porque o obrigaria a trocar o título de sua obra (Proceso, autocomposición y autodefensa), e, segundo, porque os civilistas falam de autotutela para denominar a perspectiva de que uma pe ssoa designe o seu tutor, na previsão de que ela se incapac ite para o futuro. 11 Nos agr upam entos prim itivos, quando não existia ac ima dos indivíduos uma autoridade superior, ca paz de decidir e de im por a sua decisão, os meios para resolver os conflitos de interesses entre seus membros eram: o acordo voluntário entre os interessados, destinado a estabelecer amigavelmente qual dos interesses opostos devia prevalecer, ou (não chegando eles a um acordo) o choque violento entre eles, empregando, um contra o outro, a própria força individual, para constranger um ao outro a abandonar a pretensão sobre o bem discutido. Como até hoje falta um poder supraestatal capaz de impor, pela força, as próprias decisões aos Estados soberanos, a extrema ratio [extrema razão] para resolver os conflit os entre os países é a guer ra. 12 “A decisão imposta será, no geral, egoísta, mas esta terceira nota não é absoluta. Na legítima defesa de terceiro, a decisão provém de quem não é parte no litígio e pode ser que a decisão, imposta por quem seja alheio a ele, o seja com riscos de sua própria vida para resolvê-lo, pelo que não se pode qualificá-la de egoísta. Faltando à legítima defesa de terceiros as duas notas essenciais, ela só pode ser incluída no gênero autodefesa em atenção a duas considerações: uma, de direito penal, que a trata com uma variante da legítima defesa própria, e outra, de direito processual, ou seja, a pessoa que resolve o conflito não é um juiz estatal, senão um julgador ocasional, que, neste sentido, se aproxima dos árbitros, pois resolve um litígio e não a generalidade dos litígios; mas que se distingue dos juízes privados (árbitros), porque não é designado pelas partes, mas instituído por si mesmo, em virtude da circunstância imprevista do caso que lhe toca intervir. Esta figura não poderia aproxima r-se da autocom posição, porque, sendo o terc eiro alheio ao interesse em conflito, não tem a que renunciar, em bora sua conduta seja altamente altruísta: mas seu altruísmo refere-se à decisão e não ao litígio, e poderia ser qualificado de externo , em contraste com o interno, peculiar à autocomposição.” 13 Pode-se distinguir a composição da lide por obra das partes da composição por obra do juiz, e contrapor, assim, a autocomposição à heterocomposição. Como formas autocompositivas, Carnelutti aponta três espécies: renúncia, reconhecimento (ato simples) e transação (ato complexo). 14 A autocomposição, do pont o de vista da sua relaç ão com o processo, pode ser: extraproce ssual, intraproc essual e pós-processual.

15

Conjectura-se, com base com indícios que chegaram até nós, que essa evolução se fez em quatro etapas: na primeira, os conflitos entre particulares são, em regra, resolvidos pela força (entre a vítima e o ofensor ou entre grupos de que cada um deles fa z parte), mas o Estado, então incipiente, intervém em questões vinculadas à religião, e os costumes vão estabelecendo, paulatinamente, regras para distinguir a violência legítima da violência ilegítima. Na segunda, surge a arbitragem facultativa: a vítima, em vez de usar da vingança individual ou coletiva c ontra o ofenso r, prefer e, de a cordo com este, re ceber uma indenizaçã o que a am bos pareç a j usta, ou escolh er um terceiro (árbit ro) para fixá-la. Na terc eira etapa , aparece a a rbitrage m obrigatória: o fac ultativo só era utilizado quando os litigantes o desej assem , e, c omo este acordo nem sempre existia, daí resultava que, as mais das vezes, se continuava a empregar a violência para defesa do interesse lesado; por isso o Estado não só pass ou a obrigar os lit igantes a escolher o á rbitro que de term inasse a indenizaç ão a ser paga pelo ofensor, ma s també m a assegurar a execução da sentença, se, porventura, o réu não quisesse cumpri-la. Finalmente, na quarta e última etapa, o Estado afasta o em prego da justiça pr ivada, e, a través de funcionários seus , re solve os conflitos de interesses surgid os entre os indivíduos, executando, à f orça , se necessário, a sentença.

16 A autocomposição não se prestaria a esse objetivo, se se considerar que existem direitos e interesses que não admitem renúncias ou transações, como o direito à vida, à integridade corporal etc., a respeito dos quais, se o Estado permitisse a autocomposição, correria o risco de desaparec er. 17 A justiça brasileira, em especial, faz do processo um instrumento perverso de solução das lides, porque o jurisdicionado sabe o dia em que entra nela, mas nunca o dia em que sai; mormente nas demandas que envolvem questões de direito de família, como a guarda de filhos, a separação judicial, o divórcio etc. 18 Na medida em que o processo proporc iona uma sentenç a, contribui para criar o direito objetivo, pois a sentença passa a integrar a ordem jurídica, que dinam icamente se com pleta, a partir da Constituição, c omo a s leis, os decretos, os atos j urídicos, os contra tos etc., form ando o ordenamento jurídico como um todo. 19 A atuação coercitiva do direito passou a ser uma função pública, que o Estado reclamou para si, por razões de interesse social, a partir do momento em que proibiu a defesa privada, consentindo-a apenas em casos excepcionais. 20 Se o direito objetivo fosse cumprido espontaneamente pelos destinatários dos comandos jurídicos, não haveria que se falar na realização coativa do direito, pois tudo se passaria conforme a vontade da lei. Embora a lei regule o conflito de interesses, é sabido que, muitas vezes, o titular do interesse subordinado não concorda com a atribuição de um determinado bem da vida ao titular do interesse subordinante, surgindo aí um conflito, a ser dirimido por um órgão do Estado. Como se vê, o processo, como método ou operação através da qual se obtém a composição da lide, mantém um estreito relacionamento com o direito objetivo. 21 Para Ugo Rocco, não se deve adotar a defeituosa fórmula atuação do direito objetivo porque o Estado não tende tanto a atuar as normas jurídicas quanto a realizar, em lugar dos titulare s do direito subjetivo, com o uso da forç a, os interesses tutelados pelas norm as j urídicas, quer dizer, os direitos subjetivos; e, m ais, a declar ar a ce rteza da existência dos m esm os. 22 O interesse privado é um interesse primário, tutelado diretamente pela lei, enquanto o interesse do Estado é um interesse secundário, de fazer atuar a lei. 23 A esse tempo, a ação direta de inconstitucionalidade (ADI) e a ação declaratória de constitucionalidade (ADC) não faziam parte do cardápio do ordenamento jurídico italiano (e nem do alemão).

2 DESENVOLVIMENTO DA DOUTRINA PROCESSUAL Análise comparativa dos processos romano, germânico e comum medieval. Evolução da doutrina processual. Revisão científica do direito processual. Autonomia e publicização do direito processual. Unitarismo e dualismo na ciência do processo: evolução e significação da parêmia. Elaboração de uma teoria geral do processo. Teoria geral do processo e métodos de elaboração. Tendência unificadora do direito processual e suas manifestações doutrinárias e legislativas. Trilogia estrutural do direito processual: jurisdição, ação e processo. Macrossistema, microssistema, sistema periférico e integração do sistema processual.

Análise comparativa dos processos romano, germânico e comum medieval O direito processual, como ramo autônomo da ciência do direito, é relativamente recente, tendo pouco mais de cem anos;1 mas o que ele tem de recente, o processo, como método de resolução das lides, tem de antigo; embora apenas em Roma tenha alcançado o seu mais alto grau de evolução.2 O processo já era praticado em Roma, segundo ritos que satisfaziam plenamente aos ideais de justiça da época, quando ocorreu a queda do Império Romano do Ocidente, invadido pelos bárbaros, possuidores de uma cultura ainda primitiva, o que provocou um verdadeiro choque entre duas culturas e dois métodos completamente diferentes de se fazer ustiça:místico-religioso. de um lado, o processo romano, altamente aprimorado, e, de outro, o processo germânico, ainda rudimentar e de fundo Os invasores germânicos, como vencedores, procuraram impor aos romanos vencidos o seu método de resolução dos conflitos, infinitamente inferior ao processo romano, que, contudo, continuou resistindo ao desaparecimento; havendo época em que esses dois tipos de processo chegaram a conviver em Roma, sobretudo pelos esforços da Igreja, preocupada com a manutenção das instituições romanas, mesmo porque o direito por ela aplicado era de fundo romanocanônico. Com a criação da Universidade de Bolonha, na Itália, no século XI da Era Cristã, surgiu a Escola dos Glosadores e, posteriormente, a Escola dos Pós-Glosadores, que muito se preocuparam com o estudo do direito romano, procurando adaptá-lo às necessidades do seu tempo; fazendo surgir, em consequência desses estudos, um tipo de processo chamado rocesso comum medieval, de fundo romano-canônico, mas impregnado de elementos germânicos e de novos institutos espontaneamente formados pelo uso. Chiovenda procedeu a uma análise comparativa entre esses três tipos de processo, romano, germânico e comum medieval, que reproduzo, resumidamente, ressaltando em cada um: I –o escopo do processo; II – a função do juiz; III – os atos do juiz; IV – a função da prova;V – a coisa julgada; e VI – a forma do processo. I – Quanto ao escopo do processo, consiste o processo romano na atuação da vontade da lei relativamente a um determinado bem da vida (res in iudicium deducta).3 A vontade da lei, entendida como um preceito comum comunae ( raeceptum), é uma entidade superior que impera sobre o pretor, como o pretor impera sobre o povo. O pretor está entre o povo e a lei; sendo ele avox legis. A finalidade do processo é, então, atuar a lei. No processo germânico, enfraquecida a ideia de Estado e da lei como expressão da sua vontade, o processo se apresenta como um meio de pacificação social, pela pacificação dos litigantes. O processo é direcionado menos a decidir do que a dirimir as contendas, fazendo depender a solução delas, não do convencimento do juiz, mas do resultado de certas experiências (juízos de Deus). O fim do processo é, então, obter a conciliação dos litigantes, inclusive mediante a

reparação do dano. O processo comum medieval se apresenta como um modo de resolução de questões; sendo o processo considerado como campo de uma atividade privada, e estudado exclusivamente do ponto de vista do interesse e do direito privado. Somente é possível resolver a questão principal na medida em que o juiz resolve as questões envolvidas pela questão principal. O juiz é competente? Eis aí uma questão, que não é a principal. A principal é saber se o réu deve ou não pagar ao autor certa quantia. Tal processo não resulta de nenhuma lei; havendo uma construção da doutrina, ainda incipiente, que se impõe como meio de resolver as controvérsias. II – Quanto à função do juiz , no processo romano, o pretor exerce uma função pública, que é iurisdictio a ; poder 4 cabendo ao pretor tomar conhecimento dos fatos e submetê-los ao este decorrente da soberania estatal e indelegável, crivo da lei. Tal é a função do juiz romano. No processo germânico, jamais se exerceu poder semelhante, pois os negócios judiciais são tratados em 5

assembleias populares, tendo oA juiz a função coordenar a atuação dos há litigantes, com Depois a vitória do vencedor, a decisão da causa. função do juizdelimita-se a declarar o que a provarproclamando, e por que meio. disto, limita-se o juiz a assistir à experiência probatória e certificar-se mecanicamente do seu resultado. No processo comum medieval, a função do juiz é tomar conhecimento das questões, no que se assemelhava ao romano; mas esse processo reduz a tarefa do juiz a uma verificação quase aritmética do concurso do número de elementos necessários para formar, no caso concreto, o que se chama a “ verdade legal”. A atividade do juiz não é a de avaliar racionalmente a prova. Uma vez obliterada6 a natureza jurídica do processo, como campo de exercício de uma função pública (iurisdictio ), o processo passa a ser considerado como campo de uma atividade privada e estudado exclusivamente do ponto de vista do interesse e do direito privado. III – Quanto aos atos do juiz , o processo romano se resume às interlocutiones e sententiae; sendo a sentença o ato que, acolhendo ou rejeitando a demanda, põe fim à contestabilidade de um bem da vida; ou, em outros termos, um provimento do juiz que resolve sobre o pedido, acolhendo-o ou rejeitando-o, definindo a lide, com a atuação da vontade da lei. A sentença é apenas a decisão definitiva, quer dizer, aquela que resolve o mérito da demanda, pois todas as medidas tomadas pelo juiz, no decorrer do processo, sãointerlocutiones, pelo que com uma interlocutio7 ordena-se a citação, declara-se inadmissível a apelação, dispõe-se sobre provasetc. No processo germânico, não há semelhante distinção, pois com a queda do princípio da livre convicção do juiz passou a haver uma sentença central sobre provas, que recebe o nome de sentença, mas que constitui, na verdade, a verdadeira decisão da causa, visto que a vitória ou a derrota da parte, expressa na última decisão do juiz, mais não é do que a consequência automática da decisão deste, enunciada ou declarada preventivamente. A sentença é, na realidade, a decisão que provê sobre a prova, constituindo uma verdadeira decisão potencial da causa. O processo comum medieval afasta-se do processo romano, neste ponto, por influência do processo germânico, sendo a sentença uma definição do juiz, que põe fim à lide. Assim, a sentença definitiva é a quedefine as questões principais; sentenças interlocutórias, as que decidem as questões incidentes. As sentenças interlocutórias substituem as interlocutiones, e passam a ser apeláveis, passando também em julgado. IV – Quanto à função da prova, destina-se ela, no processo romano, a proporcionar ao juiz o conhecimento dos fatos alegados, formando a sua livre convicção, o qual profere a decisão pela livre observação dos fatos. O juiz forma livremente a sua convicção, segundo a prova dos autos. A prova dirige-se ao juiz e representa um encargo que compete ao autor. Ao juiz romano repugnava julgar segundo critérios formais, preestabelecidos ou convencionais, preferindo fazêlo pela observação dos fatos. No processo germânico, a prova é dirigida mais ao adversário do que ao juiz e se apresenta como uma vantagem que compete a quem é atacado, isto é, o réu; sendo os meios de provas os duelos e as ordálias ou juízos de Deus. No processo comum medieval, a prova é regulada por um complexo de normas formais, chamadosistema da prova legal, que disciplina minuciosamente os meios de provas admissíveis e o modo de serem produzidas, bem assim a influência que devam ter no convencimento do juiz. A admissibilidade do testemunho dependia do sexo, da fama, da fortuna, do número; não podendo o testemunho de umas tantas pessoas do povo prevalecer sobre o testemunho de um nobre.

V – Quanto à coisa julgada, no processo romano, é a expressão de exigência de certeza e segurança no gozo dos bens da vida; ou seja, a res in iudicium deducta, 8 depois de iudicata. Não pensavam os romanos em atribuir ao que o uiz afirma, só porque o juiz o afirma, uma presunção da verdade. No processo germânico, a coisa julgada simplesmente não existia. No processo comum medieval, a coisa julgada não mais se compreende como a simples expressão de exigência prática de certeza e segurança no gozo dos bens da vida, mas como uma “ presunção de verdade” daquilo que o juiz, como tal, declara, vulgarizando-se a máxima “a coisa julgada faz do branco, preto; do quadrado, redondo”.9 Qualquer sentença é recorrível e passa em julgado, inclusive as sentenças interlocutórias. VI – Quanto à forma do processo, o processo romano era oral, pois só o processo oral permite ao juiz formar sua convicção com base na observação pessoal e direta do material da causa.processo O oral tem o sentido de que o juiz que deve proferir a decisão é aquele que recolhe os elementos de convicção, interroga as partes e testemunhas (imediação ). A fim processuais de que isto concentram-se se torne possível, juiz deve ser de o mesmo princípio ao fim causaidentidade ( resolvendodo uiz); as atividades em obreve período tempo, do desdobrando-se sem da interrupção, se os incidentes em ato contínuo c( oncentração); no contato entre as partes e o juiz serve de meio de comunicação a viva voz (oralidade); e todos os atos processuais se efetivam com a colaboração das partespublicidade ( ). O processo romano foi eminentemente oral, embora nele houvesse também escritos. O processo germânico também é oral, explicada, contudo, a oralidade não por causas íntimas, como o romano, mas por causas exteriores, em razão da ignorância da escrita, por serem analfabetos. O processo comum medieval, ao contrário do processo romano, é inteiramente escrito, regulado por princípios opostos aos da imediação, concentração, identidade do juiz e publicidade. O procedimento desenvolve-se em várias fases, e juízes diferentes podem funcionar numa ou noutra fase. O processo é excessivamente lento e demorado; as partes não comparecem, mas depositam em juízo seus escritos; e os depoimentos são colhidos por escrito numa ata, registrando-se não apenas as respostas das partes ou das testemunhas, mas também as suas perguntas. Em síntese, são essas as principais características dos três tipos de processo: romano, germânico e comum medieval.

Evolução da doutrina processual Durante muitos séculos, o processo foi praticado sem que houvesse preocupação com a elaboração científica dos seus institutos, tendo só recentemente sido empreendida a construção do direito processual comosistema de rincípios. 10 A evolução da doutrina processual11 pode ser delineada em cinco etapas, a saber: 1) primitivismo; 2) judicialismo; 12 3) praxismo; 4) procedimentalismo; e 5) processualismo científico. 1) O primitivismo se refere aoperíodo primitivo, que se perde nas dobras dos tempos, alcançando pelo outro extremo o século XI da Era Cristã; em que não havia, propriamente, autênticas exposições processuais, mas obras de diferente data, nacionalidade e natureza, onde se encontram dados e ideias acerca da justiça e do seu funcionamento. 2) O que judicialismo assimsese denominou porsujeitos ser o iudicium (processo) um termo tão 13enraizado na linguagem processual o seu conceito destaca, com seus e suas fases, nos trabalhos da época. A Escola Judicialista nasceu em Bolonha, na Itália, com a criação da primeira Universidade, no ano de 1088, tendo Bolonha representado para o direito processual o que Roma representou para o direito civil; não que antes não se conhecesse o processo e suas instituições, mas porque não se contava, até então, com exposições especialmente dedicadas ao seu estudo. Os jurisconsultos da escola bolonhesa produzem, principalmente entre os séculos XII e XIII, obras de grande envergadura para a época, destacando, na maioria das vezes, o conceito deiudicium “ ”, como a Ordo Iudiciarius, 14 de 15 Tancredo, e oSpeculum Iudiciale, de Guilherme Duranti. Os judicialistas16 trabalharam, sobretudo, sobre o direito comum, de fundo romano-canônico, e também medieval

italiano e ítalo-canônico. Esse direito comum, do qual provém o sistema continental europeu, propagou-se, e dentro dele o regime dos uízos, mediante a acolhida que teve nas principais nações da Europa, entre os séculos XIII a XV, fenômeno que ficou conhecido como “recepção”. Pelo menos três fatores –, científico, religioso e político –, explicam o êxito que teve recepção a em toda a Europa. Por um lado, os estudantes europeus, atraídos pelo prestígio das universidades italianas, acorriam às suas aulas, e, ao regressarem a seus países, foram substituindo, de maneira paulatina e incessante, nas suas atuações como juízes e advogados, o direito nacional germânico pelo direito comum. Por outro lado, os tribunais eclesiásticos aplicavam o direito comum, nos casos por eles julgados. Por fim, os monarcas viram na ressurreição do direito romano o instrumento ideal para firmar seu poder sobre os particularismos locais. 3) O praxismo se revela no início do século XVI e vai até o começo do século XIX, sendo um dos mais longos períodos nessa evolução. A invenção da imprensa, ao facilitar a difusão do pensamento, multiplica de tal forma a aparição de livros, que a evolução da doutrina processual se faz de forma diversa nos diversos países europeus. A palavra “praxismo” é derivada depraxis, que significa “ aquilo que se pratica habitualmente, rotina, uso, prática”, contrapondo-se à theoria, que significa “ ação de contemplar, de examinar”. Enquanto a teoria expressa uma reflexão, a praxe, ao contrário, se revela dinâmica. Esse período denominou-se praxismo porque o direito processual foi considerado pelos jurisconsultos, advogados e práticos como um conjunto de recomendações práticas sobre o modo de se proceder em juízo, mais preocupados com a forma de se realizar o processo do que com os estudos teóricos do processo. Os trabalhos dessa época eram impregnados 17 sendo grande a preocupação dos de nítida preocupação forense; considerando apenas questões de ordem prática, praxistas em “ dar fórmulas ou receitas para levar adiante os procedimentos”. As denominações das obras surgidas nesse período refletem bem as suas características: “ Espelho das Ações”, “ Regimento de Juízes”, “ Practica Nova Imperialis Rerum Criminalium”,18 “Elementos de Prática Forense” etc. 4) O procedimentalismo é um produto fundamentalmente francês e coincide com a Revolução Francesa, tendo a organização judiciária, a competência e, sobretudo, o procedimento esgotado o conteúdo das obras desta época. Se bem que o seu método expositivo supere em muito o dos práticos, não conseguem os procedimentalistas situar-se no nível de outros ramos jurídicos. O método utilizado pelos procedimentalistas era meramente descritivo de fenômenos processuais, faltando colocações teóricas acerca de noções essenciais do direito processual, começando pela própria noçãoprocedimento de , que constituiu uma das grandes preocupações desta Escola. Os livros desse período chamavam-seprocedimentos ou direito processual , mas encontram-se, ainda, a meio caminho entre o praxismo e a fase científica do direito processual, da etapa subsequente.19 A causa política do procedimentalismo foi, sem dúvida, a Revolução Francesa, e a sua causa jurídica, a codificação napoleônica,20 que, ao separar a legislação processual civil (1806) da legislação processual penal (1808), e, ambas, dos respectivos corpos legais substantivos,21 marca um roteiro que é logo seguido por outras nações, fazendo brotar cátedras 22

e livros ao seu estudo. Emindependentes 1856, brota aconsagrados famosa polêmica entre Windscheid e Muther sobre o conceito de ação, doze anos antes da aparição da obra de Bülow (1868), que marca o nascimento do direito processual como ciência. O procedimentalismo constituiu um importante passo na evolução do direito processual, pois o processo deixou de ser realizado de acordo com a praxe e passou a ter na lei a sua regulamentação; além de ter feito com que o praxismo perdesse a sua influência na Europa. Esse período alcança a segunda metade do século XIX, quando a doutrina procede a uma verdadeira revisão científica do direito processual .

Revisão científica do direito processual

O processualismo científico tem início no ano de 1868, quando Bülow publica, em Giessen, Alemanha, uma obra intitulada Teoria das exceções processuais e os pressupostos processuais , 23 assentando o marco da elaboração do 24 direito processual como um “ sistema de princípios”. Fala-se, então, em processualismo científico, porque não se trata mais de conhecer o processo segundo a praxe, nem de abordá-lo pela forma como a lei regula o processo, mas de tomar como ponto de partida o estudo do próprio processo, segundo a sua natureza jurídica, e, assim, todos os institutos básicos do direito processual. Começa Bülow por assinalar que a ciência processual civil tinha um longo caminho a percorrer, para alcançar o progresso a que se havia chegado nos demais campos do direito, pois jaziam na penumbra as mais importantes e básicas ideias processuais, obscurecidas por uma construção conceitual inadequada e uma errônea terminologia, ambas herança do direito medieval e conservadas com a maior fidelidade e constância. Concebe Bülow o processo como umarelação jurídica, demonstrando ser ele uma relação de direitos e obrigações entre as partes o juiz, ou seja, relação uma relação destacoue se a noção deprocesso noção Essa de rocedimento . Oe processo é uma jurídicajurídica públicaprocessual, que avançaquando gradualmente desenvolve passodaa passo. relação jurídica não se identifica com as relações jurídicas privadas, que constituem a matéria do debate judicial porque estas se apresentam totalmente concluídas, enquanto aquela se encontra apenas no embrião. Em vez de considerar o processo como sendo uma relação jurídica de direito público que se desenvolve de modo progressivo entre o juiz e as partes, a ciência processual tem destacado, sempre e unicamente, aquele aspecto da noção de processo que salta à vista da maioria: a sua marcha ou avanço gradual, oprocedimento. Anota Alcalá-Zamora que, quer se aceite, quer se rechace a doutrina de Bülow, não se pode discutir que o seu livro 25 mercê da qual teve dois triunfos decisivos: 1º) buscado uma explicação publicista para a natureza jurídica do processo, ficaram definitivamente superadas as interpretações privatistas, que imaginaram o processo como um contrato ou quase contrato judicial; 2º) provocado um movimento científico-processual de envergadura, magnitude e brilhantismo inigualáveis, que deu srcem a uma completa renovação do direito processual no mundo. As modificações que, a partir de 1868, se operaram na situação precedente e que merecem qualificar-se de processualismo científico são assim assinaladas por Alcalá-Zamora: a) a independência do direito processual frente ao direito material, iniciada pelos judicialistas da Escola de Bolonha, e acentuada quando a codificação napoleônica difunde o modelo de sua legislação em separado, é levada às suas últimas consequências; b) os conceitos e questões primordiais do direito processual, como a ação, a jurisdição e o processo, a atuação das partes etc., são examinados de acordo com critérios de rigoroso direito processual; c) o material usado pelos procedimentalistas é superado, e a exegese é substituída pelo sistema; d) o estudo da matéria processual empreende-se, então, com enfoque e técnica distintos. Enquanto os procedimentalistas fazem filosofia, de maior ou menor valor, e tratam mais da justiça e da função judicial do que do processo, ou cuidam de descrever as instituições processuais, os processualistas fazem teoria do direito processual , inclusive acerca do procedimento, e rompem as amarras com a prática forense. Enquanto o procedimentalista se detém na anatomia do fenômeno processual, o processualista penetra na sua fisiologia. Nessa época, surge na Alemanha a exponencial figura de Adolf Wach,26 o qual, influenciado em alguns aspectos por Wetzell e noutros por Bülow, com uma formidável preparação romanista e histórica, é o fundador da Escola Alemã (de processo). Em 1885, Wach publica sua obra Manual de direito processual civil alemão, que, infelizmente, ficou inacabada, mas que dentre outros méritos pôs em relevo aautonomia do direito de ação, provocando uma polêmica que até hoje não se pode dizer completamente encerrada. Para o citado jurista, a pretensão de tutela jurídica (rectius, direito de ação) não é função do direito subjetivo, pois não está condicionada por este. O interesse e a pretensão de tutela jurídica não existem unicamente onde existe direito. A chamada ação declaratória negativa não tem por finalidade proteger ou conservar um direito subjetivo, senão manter a integridade da posição jurídica do demandante. A ação não existe apenas onde exista o direito subjetivo material, pois o autor pode se valer da ação para pedir ao

uiz que declare a inexistência de uma relação jurídica, como, por exemplo, para que ele declare por sentença o seu estado civil de solteiro. Desta forma, demonstrou Wach a autonomia da ação, frente ao direito subjetivo material, o que constituiu o golpe de morte nas teorias civilistas da ação. Mais tarde, em 1888, Wach trouxe à luz uma monografia intituladaAção declaratória, 27 reafirmando com novos 28 argumentos a autonomia do direito de ação em relação ao direito subjetivo material. Enquanto Bülow demonstrou a natureza jurídica do processo como uma relação autônoma e distinta da relação urídica privada, que se faz valer em juízo, e, além disso, relação jurídica pública, com o que desvinculou o processo das concepções privatistas, que o envolviam, Wach convocou a doutrina para uma reflexão sobre naatureza jurídica da ação, concebendo-a como um direito subjetivo processual , também de natureza pública, que não pressupõe necessariamente o direito subjetivomaterial. Em 1877, o alemão Degenkolb publicara em Leipzig uma obra intituladaIngresso forçado em juízo e norma udicial , e, em 1880, o húngaro Plósz publicou um livro intitulado Contribuições à teoria do direito de queixa , 29 de grande importância na posterior evolução do conceito da ação; mas essas obras, apesar de publicadas anteriormente a 1885, não lograram, na época, a acolhida que tiveram os ensinamentos de Wach. Dentre os discípulos de Bülow e Wach, sobressaíram-se Köhler, autor de uma monografia sobre O processo como relação jurídica;30 Friedrich Stein com o seu famosoO conhecimento privado do juiz, dedicado à doutrina da prova; Hellwig, com um Tratado e um Sistema;31 Kisch, com um estudo sobre a sentença; e Pagenstecher, com um ensaio sobre a coisa julgada material. Especial destaque merece Goldschmidt, autor daTeoria do processo como situação jurídica, onde contesta a natureza jurídica do processo, na versão de Bülow, dizendo ser o processo um conjunto de situações jurídicas; além de esclarecer situações processuais que vieram a enriquecer a ciência do processo, como a elucidação do “ ônus probatório”, correspondente àsituação de encargo. Em 1903, Chiovenda profere na Universidade de Bolonha, na Itália, uma conferência sob o título A ação no sistema dos direitos, 32 que foi o ponto de partida da nova sistematização do direito processual, entre os povos de língua latina. Nessa oportunidade, Chiovenda enquadrou a ação na categoria dos chamados direitos potestativos ou direitos do oder jurídico. Esta categoria de direitos resulta de numerosíssimas faculdades reunidas em todos os campos do direito privado e público, como o direito de impugnar atos jurídicos diversos, de impugnar contratos, de fazer testamentos, de reconhecer filhos, de revogar um mandato ou uma doação, e muitos outros. Em todos esses casos, encontramo-nos frente a um poder do titular do direito, de produzir, com a sua manifestação de vontade, um efeito jurídico do seu interesse, ou a cessação de um estado jurídico desvantajoso; e isto frente a uma ou mais pessoas, que não são obrigadas a nenhuma prestação para com ele, estando tão somente sujeitas ao efeito jurídico produzido e do qual não podem subtrair-se.

Autonomia e publicização do direito processual O direito processual é hoje uma disciplina autônoma da ciência do direito, fruto da grande evolução por que passou na segunda metade do século XIX. O processo, instituto fundamental do direito processual, que, até a obra de Bülow, era explicado sob vestes privatistas, como sendo um contrato ou um quase contrato, passa a ser explicado na sua feição publicista , desvinculado das relações de direito privado que por seu intermédio são resolvidas, operando-se, assim, autonomia a do processo. A ação, antes explicada pela teoria civilista como o “direito de perseguir em juízo o que nos é devido”,33 como um elemento do próprio direito material, ou direito que nasce da violação de outro direito, adquire sua autonomia com a obra de Wach, desvinculando-se do direito subjetivo material que através dela se faz valer em juízo, passando a ser considerada como um direito subjetivo processual, de caráter público, de invocar a jurisdição do Estado-juiz. A jurisdição sempre foi considerada como uma função estatal de declarar e realizar o direito; função pública, portanto, a cargo do Estado-juiz.

O direito processual ainda hoje convive com o direito material, porque o processo tem natureza instrumental, objetivando a atuação da vontade da lei em relação a uma pretensão, tutelando,por tabela, os direitos subjetivos. Antes das grandes conquistas da ciência processual, o direito processual civil era tido como um mero compartimento do direito privado, sendo o processo e a dinâmica processual disciplinados por princípios do direito civil. A revisão conceitual do processo e da ação, na segunda metade do século XIX, criou umadogmática processual, então inexistente, e, em consequência, pôs em evidência aautonomia do direito processual como ciência, revisão esta que, iniciada no processo civil, transplantou-se depois para o processo penal. O direito processual se firmou como ciência autônoma no campo da dogmática jurídica por terobjeto e princípios próprios que não se confundem com o objeto e princípios das demais ciências do direito. O processo como instrumento da jurisdição, a ação como o direito de provocar a jurisdição e a própria jurisdição enquanto atividade pública de atuar a lei têm a sua regulamentação disciplinada pelo direito processual. Para Frederico Marques, o direito processual se publicizou a partir do momento em que se verificou que o processo não tinha por escopo a tutela de direitos subjetivos, mas a atuação do direito objetivo. Afinal, solucionar o conflito de interesses em resguardo da paz social, dando razão a quem a tem, é interesse do próprio Estado, que ele provê com a instituição dos juízos, através do exercício da atividade jurisdicional, toda ela regulada pelo direito processual; e, qualquer que seja a bifurcação que apresente (civil ou penal), compreende-se no campo do direito público.

Unitaris mo e dualis mo na ciência do proces s o: evolução e s ig nificação da parêmia34 Sobre a dogmática processual, tendente a esclarecer se existe apenas uma ciência do direito processual ou duas ciências jurídicas distintas, compostas pelo direito processual civil e direito processual penal, diverge a doutrina, havendo pelo menos duas correntes: a) uma sustentando aunidade do direito processual; b) outra sustentando a dualidade do direito processual. A corrente que sustenta a unidade direito. processual se denominateoria unitária, e a que sustenta a dualidade do direito processual se denomina teoria do dualista Os unitaristas afirmam que o direito processual civil e o direito processual penal são dois ramos distintos de uma mesma ciência, que é a ciência do direito processual, não existindo distinção substancial entre ambos, sendo os seus adeptos, hoje, a grande maioria, capitaneados, na Itália, por Carnelutti e Leone. Carnelutti afirma ser o direito processual substancialmente uno e que o processo civil se distingue do processo penal, não porque tenham raízes distintas, mas por serem dois grandes ramos em que se bifurca, a uma boa altura, um tronco único. Leone observa, por sua vez, que as pilastras do ordenamento processual são comuns aos dois tipos de processo, tendo ambos a mesma finalidade, que é a atuação do Poder Jurisdicional; em ambos, a intervenção desse Poder é condicionada ao exercício da ação; e ambos se iniciam, se desenvolvem e se concluem com a participação de três sujeitos: autor, réu e juiz. Em síntese, são os seguintes os argumentos da correnteunitarista : 1) O conceito deprocesso, como instrumento de composição dos litígios, é uno, pouco importando que a lide a ser composta seja de natureza penal ou extrapenal; sendo o processo, no plano da doutrina, um só, ainda que o conflito se produza nos distintos âmbitos do direito. Além disso, o processo é sempre uma relação jurídica entre três pessoas: autor, juiz e réu, e que não é descaracterizada pela diversidade de procedimentos, pois essa diversidade existe mesmo no processo civil. 35 A ideia de processo, acrescenta Couture, é necessariamente teleológica, pois só se explica por seu fim.36 2) O conceito deação, tanto no processo civil quanto no processo penal, também é um só; sendo a ação um direito subjetivo público contra o Estado, 37 para haver dele a prestação jurisdicional. Não há, em verdade, umaação penal diferente daação civil; pois a natureza da pretensão é que dá, quanto ao conteúdo, um colorido diferente à ação penal e à ação civil. Todas as ações de todos os ramos do direito processual têm o mesmo caráter público, dado que se dirigem

contra o Estado-juiz para que ele atue sua jurisdição na solução da lide. 3) O conceito de jurisdição também é uno,38 e nem os próprios dualistas negaram essa circunstância, reputando exato o princípio da unidade da jurisdição, pois ela é sempre função pública e soberana do Estado, exercida pelo Poder Judiciário; e pouco importando que o conflito a ser resolvido seja de natureza penal ou extrapenal. Quando se fala numa urisdição civil, contraposta a uma jurisdição penal, essa distinção não infirma o unitarismo , dado que se assenta num simples critério de divisão de trabalho, sendo alguns órgãos jurisdicionais incumbidos de resolver litígios de natureza 39 civil, enquanto outros se encarregam de solucionar os de natureza penal; sendo que, às vezes, resolvem ambos. 4) Muitos outros institutos do direito processual são comuns tanto ao processo civil quanto ao processo penal, 40 a sentença, o recurso, a coisa como, v.g., as citações, as notificações, as intimações, as exceções processuais, a prova, ulgada etc. Os dualistas sustentam, por seu turno, que o direito processual civil e o direito processual penal são

substancialmente Florian e Manzini.distintos, constituindo, pois, duas ciências jurídicas distintas, tendo à frente expoentes do porte de Em prol do seu entendimento, se valem os dualistas 41 dos seguintes argumentos:42 1) O objeto do processo penal é uma relação de direito público, porque nele se desenvolve outra relação de direito penal; em troca, no processo civil, o objeto é quase sempre uma relação de direito privado. 43 2) O processo penal é normalmente indispensável para a aplicação da lei penal; enquanto o processo civil nem 44 sempre é necessário para atuar as relações de direito privado. 3) O poder dispositivo das partes é muito restringido no processo penal, e grande o poder do juiz; inversamente, no processo civil, é grande o poder dispositivo das partes e mínimo o poder do juiz, dada a diversidade de objeto. 45 4) No processo civil, litigam duas verdadeiras e própriaspartes, por um interesse privado subjetivo e com largos poderes de disposição, tanto do conteúdo substancial como do conteúdo formal do processo; no processo penal, o conceito de parte é impróprio, pois o interesse que determina o procedimento é sempre público e objetivo, e a pretensão punitiva, que constitui o conteúdo substancial do processo, de regra, indisponível pelossalvo sujeitos processo. 5) Ninguém, no processo civil, está obrigado a iniciaré, ou a exercer a ação civil, em do casos excepcionais, em que a iniciativa caiba ao Ministério Público; e, em se tratando de ação penal, existe obrigação funcional do Ministério Público. 46 47 6) No processo penal, vigora o princípio da verdade real, e, no processo civil, o princípio da verdade ficta.

Elaboração de uma teoria geral do processo A vitória dos argumentos da corrente unitarista conduziu os cultores do direito processual a proclamar a necessidade da criação de umateoria geral do processo, tendo Carnelutti se manifestado defensor dessa unidade, proclamando ser o direito processual substancialmente uno. Também Calamandrei relata que, na Universidade de Florença, na Itália, o ensino do direito processual compreendia um Curso de Instituições do Direito Processual, ao lado de um Curso de Direito Processual Civil e de Procedimento Penal, plano semelhante ao da Universidade Católica de Milão. Quando se fala na elaboração de umateoria geral do processo, não se pretende afirmar a “absoluta identidade entre o processo civil e o processo penal”, mas que as pilastras do ordenamento processual são comuns aos dois tipos de processo, como os conceitos de jurisdição, ação e processo, e muitos outros institutos também o são, tanto no processo civil quanto no processo penal, como a citação, a intimação, a sentença a coisa julgada etc. A absoluta identidade entre os dois tipos de processo nem poderia haver, porque o processo civil é informado por princípios que não informam o processo penal, e vice-versa; mas esta circunstância não obsta a elaboração de uma teoria eral do processo. Por serem os conceitos de jurisdição, ação e processo comuns tanto ao processo civil quanto ao penal, Podetti os chamou, com extraordinária precisão, de “trilogia estrutural do direito processual”, já que constituem o arcabouço do

direito processual como um todo, sem distinção de ramo. A disciplina de “Teoria Geral do Processo” já é uma realidade na maioria das Escolas de Direito, onde são ministrados ensinamentos a respeito dos conceitos básicos do direito processual, da organização judiciária, da jurisdição, da ação, do processo, dos procedimentos, dos atos processuais, das nulidades, da sentença, dos recursos, da coisa ulgada, da execuçãoetc. Essa iniciativa trata o ensino do direito processual de forma unitária e integrada, relativamente aos aspectos dogmáticos de institutos comuns a todo o direito processual, civil, penal e trabalhista, evitando que o aluno seja colhido com ensinamentos díspares sobre um mesmo instituto, além de agilizar o aprendizado, com um professor ensinando conceitos, dispensando os outros de ensinar a mesma coisa.

Teoria geral do processo e métodos de elaboração A teoria geral do processo é o conjunto de conceitos sistematizados que retratam os princípios fundamentais do direito processual (nos seus distintos ramos), enquanto ramo do direito público que contém o repositório de princípios e normas que disciplinam os diversos tipos de processo e seus respectivos procedimentos. Existem dois métodos conhecidos para se explicar os elementos necessários para se construir a teoria geral do processo: o realista ou empírico e o racionalista. Para o método realista ou empírico, deve-se partir do caso concreto e da observação dos distintos ramos do direito processual para se elaborar os princípios gerais que norteiam todos eles, o que se obtém por meio da indução, enquanto “ inferência conjectural que conclui da regularidade de certos fatos, a existência de outros ligados aos primeiros na experiência anterior”. Segundo este método, o estudo dos diversos ramos do direito processual deve, por meio da analogia, identificar as semelhanças entre eles, para determinar os princípios fundamentais norteadores do processo como método de resolução das lides(litígios ou conflitos). Para o método racionalista ou silogístico, os conceitos processuais devem ser formados no plano abstrato, no campo dasenquanto ideias, para serem posteriormente aplicados aos diferentes ramospremissas do direitopara processual, seja,conclusão, por meio da dedução, “análise lógica para construção de argumentos, utilizando se chegaroua uma tornando explícito um conhecimento já existente nas premissas”.

Tendênci a unificadora do dir ei to proces s ual e s uas manifes tações doutri nárias e legislativas A tendência que se manifesta entre os cultores da ciência processual é pela unificação doutrinária do direito rocessual, com estudos dedicados a institutos comuns, tanto ao processo civil quanto ao processo penal, realçando que não existem duas ciências distintas , mas uma única ciência, denominadaDireito Processual. Não se pretende com isso afirmar a absoluta identidade entre o processo civil e o processo penal, ou que o processo penal seja absorvido pelo processo civil, e, muito menos, a necessidade de uma unificação legislativa, com a elaboração de códigos unificados; embora também já se venha manifestando, nesse campo, umatendência unificadora, mesmo porque, no passado, antes da unificação do Código de Processo Civil de 1939, em nível nacional, o direito processual era plural, com cada Estado-membro legislando sobre o direito processual, e, nessa época, os estados da Bahia, de Santa 49 Catarina, e do antigo Distrito Federal48 tinham apenas um Código, regulando os processos civil e penal.

Trilogia estrutural do direito processual: jurisdição, ação e processo Apenas na segunda metade do século XIX o direito processual adquiriustatus de ciência autônoma, o que se tornou possível quando a doutrina pôde identificar os temas que constituem o objeto desse ramo da ciência do direito e os princípios que o informam. A jurisdição sempre foi considerada uma função estatal; e, embora exercida a um tempo pelo rei, depois por

delegados ou funcionários seus, como sucedeu em Roma, ou pelo povo, como acontecia entre os germânicos, que deliberavam em assembleias populares (Dings),50 a verdade é que o rei, seus delegados ou funcionários, e bem assim o povo, personificavam ou representavam o poder soberano em que se compreendia a jurisdição. O caráter público da função estatal, de declarar e aplicar o direito, sempre esteve presente no conceito jurisdição de 51 de atuar o direito objetivo em relação a uma concreta como função pública do Estado, exercida pelo Poder Judiciário, pretensão. O direito de ação experimentou enorme evolução, até que se completasse a sua transposição do campo do direito privado para o do direito público. A ação foi, durante longo tempo, considerada, sob vestes privatistas, à luz de preceitos de ordem privada, como sendo um elemento integrante do próprio direito subjetivo material ou do próprio direito subjetivo em atitude de defesa, 52 ou a reagir contra a ameaça de sua violação. Após os estudos de Windscheid e Muther sobre a actio, e, sobretudo, os de Wach, na Alemanha, mais tarde desenvolvidos por Chiovenda, na Itália, considerando a ação um direito potestativo, a doutrina passou a conceber a ação como um direito autônomo e distinto do direito subjetivo material que visa a tutelar, e de natureza pública, por ser um 53 direito contra o Estado, devedor da prestação jurisdicional. Anteriormente à obra de Wach, em torno da ação, Bülow dera destaque àautonomia do processo, desvinculando-o dos princípios de direito privado que o envolviam, concebendo-o como relação jurídica pública, distinta da relação de direito privado, porque num dos polos dessa relação está o Estado como poder soberano, em posição de superioridade à ocupada pelas partes no conflito submetido à apreciação judicial. Antes desta conquista, o processo era também explicado à luz de concepções privatistas, ora como sendo um contrato judicial, ora um quase contrato judicial, tendo Bülow operado a sua transposição do campo do direito privado para o do direito público, enquanto instrumento de atuação do Estado-juiz. Estes três conceitos – jurisdição, ação e processo – mantêm entre si a mais estreita ligação, e estão de tal forma inter-relacionados, que um não pode ser concebido sem a existência do outro. Assim, sem a jurisdição, não se haveria que falar em direito de ação, pois não se teria um juiz a quem se dirigir; e muito menos um processo, que é o instrumento formal da jurisdição. Sem o direito de ação, a jurisdição não passaria de uma função inerte, e não seria necessário o processo. Sem o processo, não haveria jurisdição, porque o processo é ionstrumento da jurisdição, e não haveria também lugar para odireito de ação. Como se vê, a ação põe em movimento a jurisdição, que se realiza através do processo, pois é no processo que a 54 que ação se encontra com a jurisdição. Na medida em que o autor exercita a ação, tem direito a uma resposta do juiz, lhe é dada pela jurisdição, que se vale de um instrumento técnico, que é o processo. Este íntimo relacionamento foi notado por Podetti, que a esse elenco chamou de “Trilogia estrutural do direito processual”, por serem conceitos não apenas do processo civil, mas, também, do processo penal, que lhes têm dedicado copiosa literatura processual. Anota Podetti que destes três conceitos, sob o prisma genético-históri-co, talvez tenha surgido primeiro a ação, no seu exercício material; depois o processo; e, por último, a jurisdição; mas sob o aspecto lógico-doutrinário, primeiro vem a jurisdição, como órgão-função, depois a ação, como nexo entre o órgão e os sujeitos do processo, e, por último, o processo, que se faz possível e se desenvolve graças à conjugação harmônica da jurisdição com a ação.55 Estes três temas constituem a base ou estrutura de todo o direito processual, em que teoria a da jurisdição ilumina as teorias da ação e do processo, ao mesmo tempo em que é por elas iluminada; ateoria da ação ilumina as teorias da urisdição e do processo, ao mesmo tempo em que é por elas iluminada; e, finalmente, teoria a do processo ilumina as 56 teorias da jurisdição e da ação, ao mesmo tempo em que é por elas iluminada.

Macross is tema, micr oss is tema, s is tema peri féric o e integração do si s tema proces s ual O direito processual compõe-se de um macrossistema processual (civil, penal, trabalhista etc.), mantendo estreita relação com um microssistema processual (juizados especiais cíveis e criminais) e com um sistemaperiférico (mandado

de segurança, ação civil pública, ação popular,habeas corpus, habeas data etc.), que deve se amoldar àquele no que couber, sob pena de incidir em inconstitucionalidade. Sem um estudo da teoria geral do processo, é impossível entender o mecanismo de funcionamento dosistema rocessual como um todo, notadamente o indispensável entrosamento entre o macrossistema, os microssistemas e os sistemas periféricos processuais. Por falta desse conhecimento, a Justiça do Trabalho, em vez de aplicar, na esfera da tutela provisória trabalhista, recurso consagrado pelo macrossistema processual civil (Código de Processo Civil), que é o agravo de instrumento (CPC: art. 1.015, I), aplica meio de impugnação disciplinado pelo sistema periférico do mandado de segurança (Lei n. 12.016/09); incidindo em equívoco análogo os Juizados Especiais Cíveis Estaduais, que, em vez de permitir a impugnação da tutela provisória com recurso previsto no microssistema dos Juizados Especiais Cíveis Federais, que é o recurso de decisão interlocutória rectius, ( agravo de instrumento), adotam, para esse fim, o mandado de segurança, integrante de sistema periférico. A integração do sistema processual como um todo deveria funcionar assim: I – os diversos sistemas do macrossistema se integram, reciprocamente (o civil com o penal e o penal com o civil), e, em sequência, com os do microssistema (civil e penal, reciprocamente), e, por fim, com os do sistemaperiférico (mandado de segurança, habeas corpus); os sistemas integrantes do microssistema, por seu turno, se integram entre si (o civil com o penal, reciprocamente), e, em sequência, com o respectivo macrossistema (civil e penal, também reciprocamente), e, por último, com o sistema periférico (dentre os quais o do mandado de segurança); os sistemas integrantes do sistema periférico (mandado de segurança, habeas corpus etc.), por sua vez, devem ser integrados pelo macrossistema correspondente (civil e penal), e, se necessário, pelo respectivo microssistema (dos juizados especiais estaduais e federais).

Bibliografia ARRUDA ALVIM NETO, José Manoel de.Manual de direito processual civil . 7. ed., São Paulo: RT, 2001. v. 1. BÜLOW, Oskar von. Die Lehre von den Prozesseinreden und die Prozessvoraussetzungen . Giessen, 1968. ______. A teoria das exceções processuais e os pressupostos processuais . Buenos Aires: EJEA, 1964. CARREIRA ALVIM, J. E. Direito arbitral. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2004. CASTILLO, Niceto Alcalá-Zamora y.Estudios de teoria general e historia del proceso. México: UNAM, 1974. v. II. CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1962. v. I. ______. Saggi di diritto processuale civile. Milano: Giuffrè, 1993. v. I. COUTURE, Eduardo J. Fundamentos del derecho procesal civil . Buenos Aires: Depalma, 1988. FLORIAN, Eugenio. Elementos de derecho procesal penal. Barcelona: Bosch, 1931. GARCIA-VELASCO, M. I. Curso de derecho procesal penal. Universidade de Madrid, 1969. LARA, Cipriano Gómez. Teoria general del proceso. México: Textos Universitarios, 1976. LEONE, Giovanni. Tratatto di diritto processuale penale. Napoli: Jovene, 1961. v. 1. MANZINI, Vicenzo.Istituzioni di diritto processuale civile. Padova: Cedam, 1967. ______. Tratatto di diritto processuale penale. Padova: Cedam, 1946. MARQUES, José Frederico. Instituições de direito processual civil . Rio de Janeiro: Forense, 1958. v. I. OLIVEIRA JR, Waldemar Mariz de. Teoria geral do processo civil. Curso de direito processual civil . São Paulo: RT, 1973. PODETTI, J. Ramiro. Teoria y técnica del proceso civil y trilogia estructural de ala ciencia del proceso civil . Buenos Aires: DIAR, 1963.

______. Teoria y técnica del proceso civil y trilogia estrutural de la ciencia deproceso civil. Buenos Aires: EJEA, 1963. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. São Paulo: Saraiva, 2009. v. I. TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo penal. 23. ed. São Paulo: RT, 2001. WACH, Adolf. Handbuch des Deutschen Zivilprozessrechts. Leipzig: Verlag von Duncker & Humblot, 1885. ______. Manual de derecho procesal civil. Buenos Aires: EJEA, 1977. v. 1.

1 2

Die Lehre von den Prozesseinreden um die O marco do nascimento do direito processual como ciência foi o livro de Oskar von Bülow, Prozessvoraussetzungen (A teoria das exceções processuais e os pressupostos processuais) em Giessen, na Alemanha, no ano de 1868. As instituições jurídicas, em geral, evoluíram de tal forma em Roma que até hoje o direito de quase todas as nações cultas do mundo se inspira no direito rom ano.

3

“Coisa de duzida em juízo.”

4

A delegação só era possível nos casos expressamente indicados nas fontes, como quando o pretor partia para a guerra.

5

Essas assembleias po pulares e ram cham adas “ Dings”.

6

Obliterar significa fazer de sapare cer pouco a pouco, m as deixando alguns vestígios.

7

“ Interlocutio” significa “e ntre um a fa la e outra”.

8

“Coisa de duzida em juízo.”

9

“ Res iudicata facit de albo nigrum, de quadrata rotunda.” 10 Grosso modo, a história do direito processual pode ser assim delineada: a) em Roma; b) Bolonha, o direito comum e a recepção; c ) a Revolução Francesa e a codificação napoleônica; e d) Bülow, na doutrina, e Klein, na legislação. Essas etapas, adverte Alcalá-Zamora, não são compartimentos estanques, mas momentos capitais entrelaçados entre si. 11 Essa evolução foi exposta por Alcalá-Zamora, numa conferência em São José da Costa Rica sobre o tema “Evolução da Doutrina Processual”. Esta conferência vem reproduzida às fls. 293 a 331 dos seus Estudios. Em “Notas Tomadas de um Curso de Teoria Geral do Processo”, incluía o autor, entre a etapa primitiva e a escola judicialista, a etapa da “Literatura Romana”, o que elevava para seis os períodos. 12 A conferência vem reproduzida às fls. 293 a 331 da obra citada nestes Estudos. Em “Notas Tomadas de um Curso de Teoria Geral do Processo”, incluía o autor, entre a etapa primitiva e a escola judicialista, a denominada etapa da “literatura romana”, o que elevava para seis os períodos. 13 Juízo tem processualmente, pelo menos, dois significados fundamentais: o estrito, que equivale à sentença, isto é, ao juízo judicial sobre o litígio; e o am plo, com o sinônimo de proce sso. É à segunda de ssas acepç ões que agora nos refe rimos. 14 “Ordem Judiciária.” 15 “Espelho Judicial.” 16 Um setor muito característico dentro da produção dos judicialistas era constituído pelos pequenos “resumos” ou “compêndios”, que dividem os processos em f ases denom inadas tempos. Est a divisão do proce sso em tem pos constitui o germ e do conce ito de prec lusão. 17 Analisando a variante espanhola desta tendência, assim se manifesta Alcalá-Zamora: “Caracteriza-se ela, dentre outros, pelos seguintes traços: contemplação da matéria processual mais como uma arte do que como uma ciência; qualidade de práticos da maioria dos autores, que, por isto, escreviam em castelhano e não em latim; atenção prestada ao stylus curiae [estilo da cúria romana] que oferece grande analogia com o estilo em uso; predomínio frequente das opiniões dos práticos, sobre os próprios preceitos legais, deformados e inclusive anulados pelas mesmas; tonalidade nacional mais marcada que em outras tendências”. Nos livros da época predominava sempre a voz prática (forense ou judicial) ou praxe . 18 “Nova pr ática impe rial dos feitos criminais.” 19 As obras de caráter procedimentalista realizam uma análise exegética dos textos legais e uma descrição dos fenômenos processuais, com base na regulam entação legal. 20 Outro fator, embora secundário, apontado pelo próprio Alcalá-Zamora foi a obra do inglês Jeremias Bentham, especialmente o seu Tratado das provas judiciais e outras, dele ou de seus discípulos, que tiveram uma ressonância extraordinária não somente na Inglaterra como também em toda a Europ a.

Na própria França, as Orde nações de Luís XIV deslindam e agrupam as nor mas processuais separadas dos pre ce itos substantivos (em 1667, 21 sobre procedimento civil, e, em 1670, sobre procedimento criminal), mas o intento não logrou a ressonância e o êxito dos corpos legais processuais promulgados por Napoleão. 22 O procedimentalismo transcende as fronteiras da França e alcança diversos países europeus (Itália, Espanha, Alemanha e Inglaterra), fazendo surgir verdadeiros tratados e nomes como Jeremias Bentham (inglês), Mittermaier (alemão) e Bonnier (francês), cujas obras aparec em entre 182 7 e 1843. 23 Die Lehre von den Prozesseinreden und die Prozessvoraussetzungen. 24 Alguns autores assinalam duas datas como início do processualismo científico: os anos de 1856/1857, em que se desenvolveu a histórica polêm ica entre Windscheid e Muther e m torno do conceito de “aç ão”, e o ano de 1868, em que aparec e a obra de Bülow. 25 Até então, o proce sso era e xplicado segundo concepçõe s privatistas (contrato, qu ase c ontrato etc.). 26 Até o aparecimento da obra de Adolf Wach, a ação era explicada à luz de concepções privatistas ( debeatur iudicio persequendi); era a ação o próprio direito subjetivo ou um aspecto dele.

Nihil aliud est actio quam ius quod sibi

27 No srcinal Der Feststellungsanspruch, que os espanhóis têm preferido traduzir como “A pretensão de declaração”. 28 Esta monografia fez parte de uma publicação da Faculdade de Direito da Universidade de Leipzig, em homenagem a Windscheid, e cuja edição, em separado, foi publicada no ano de l889. 29 Ou Discussão sobre o conceito da ação . 30 Der Prozess als Rechtsverhältnis. 31 Estas obras, como a de Wach, fi cara m também incompletas . 32 Trata-se de célebre Prolusão bolonhesa, como ficou vulgarmente conhecida. 33 Ius quod sibi debeatur in iudicio persequendi. 34 Parêmia é um enunciado breve ou uma notícia rápida do que é enunciado. 35 Os procedimentos podem ser comum ou especiais. 36 A matéria pode fazer variar a competência, a composição dos tribunais, as formas de tramitação e até a eficácia mesma dos distintos processos. Mas sem pre haverá um denom inador com um a toda e ssa sé rie de atos: o se u caráter, de meio idôneo para dirimir, m ediante um juízo, um conflito de interesses j urídico, por a to da autoridade. 37 Sobre o ser a ação direito público contra o Estado, diverge Chiovenda, para quem a ação é direito contra o adversário, e de natureza privada ou pública, c onform e a natureza do direit o que tutela. 38 Na arbitragem tam bém há o e xercício de jurisdição, m as a ca rgo de árbitros, pessoas leigas ( não togada s); tratando-se de j urisdição exercida por órgã o – pessoa. 39 Num a pequena com arca do interior, com um único juiz, e xerce este a jurisdição na sua plenitude (tanto a civil quanto a penal, tra balhista, eleitoral etc.). 40 Sobre a prova, Florian, que era dualista, reconheceu que “as novas diretrizes do Processo Civil, em matéria de prova, muito o avizinham do Processo Penal”. 41 Os três prime iros argume ntos são de Florian e os dem ais, de Manzini. 42 Florian se valia, ainda, do outro argumento de que o processo civil tem caráter estritamente jurídico, e o penal tem também caráter ético. Em outras palavras: no processo civil, o juízo é regido exclusivamente por critérios jurídicos puros, com abstração, quase sempre, da qualidade das pessoas, prescindindo de critérios e apreciações discricionárias, de equidade e éticas; no processo penal, pelo contrário, o juiz tem de julgar um homem e, por isso, tem de inspirar-se e m critérios ético-sociais. Esse argumento não convence, bastando pe nsar na margem entre o máximo e o mínimo de pena com que os códigos sancionam os distintos delitos, para se ver como a fixação da pena a ser imposta no caso concreto é deixada à consciência, à equidade e à apreciação ética do juiz. 43 Nem sem pre o objeto do processo civil é uma relação de direito privado. Se surgir litígio entre Fazenda Pública e o particular sobre a exigibilidade ou inexigibilidade de um tributo, será resolvido através do processo civil, e a relação jurídica tributária é sabidamente uma relação jurídica pública. 44 Esta particularidade de corre , não da natureza do processo, ma s da própria lide. O proce sso é distinto da lide, que é seu conteúdo. Nem se mpre o processo civil é dispensável para a composição das lides extrapenais, como v.g. a anulação de casamento. Por outro lado, se o indivíduo for injuriado pela imprensa e quiser renunciar ao direito de queixa, com o fim de evitar a punição do ofensor, a renúncia produzirá o efeito inclusive de e xtinguir a punibilidade, independentem ente do proce sso. 45 Também esta maior ou menor disponibilidade decorre da natureza da lide e não do processo. Nas legislações que admitem a ação penal privada , o poder dispositivo das par tes é be m grande. No Bra sil, o querelante pode pe rdoar o querelado, mesm o após sentenç a c ondenatória. A Lei n. 9.099/95 e a Lei n. 10.259/01 (Juizados Especiais Criminais, estaduais e federais) admitem a transação das partes em sede penal.

Adem ais, no âm bito do processo civil , quando a lide versa sobre direitos indisponíveis, as partes não têm nenhum poder de disposiçã o. 46 O argumento não é válido nem mesmo para o direito italiano, pois, muitas vezes, a atividade persecutória do Ministério Público fica condicionada a uma manifestação de vontade (querela). Há legislações, como a nossa, em que existe a chamada “ação penal privada”, regida, dentre outros, pelo princípio da oportunidade. Nestes casos, o ofendido ou seu representante legal promoverá a ação penal se quiser. Não se pode f alar , assim, em obrigatoriedade da a ção penal.

A propósito, registra Tourinho Filho: “É certo que o princípio da verdade real, vigorando com mais intensidade no processo penal, não é exclusivo nem peculiar a este setor do direito. Haja vista a regra inserta no art. 130 do CPC. Com muita propriedade observa Garcia-Velasco: ‘No podemos considerar su búsqueda (de la verdad material) misión rivativa del proceso penal sin tachar al mismo tiempo a los demás procesos de aspirantes a f alsários , pues aunque en la generalidad de éstos la posibilidad que tienen

los interesados de disponer de sus der sólo echosloy la aportación de opanortelohagan queello a su final surja como verdadero lo que és parcialmente, és en posible absoluto, no nos a utoriza a afirmar que esos pr ocesos estén destina dos y p revistos para la creación de resultados artificiosos e inexactos; por onde, a sensu contrario, este de verdad material no puede considerar-se como principio y menos como cualificador del proceso enal, lo que no impede que en él sea más fácil alcanzar la verdad, como consecuencia de las características singulares del proceso penal y siempre con las reservas consecuentes a la limitación y falibilida d humana .’” Também Frederico Marques afirma que o princípio da verdade real não vigora no processo penal em toda a sua pureza. E esclarece: se um indivíduo é absolvido por não haver a mínima prova de que praticou o crime que se lhe imputa, a coisa julgada irá impedir que nova ação penal se instaure contra ele, a pesar de provas c oncludentes, inclusive sua confissão, surgirem após veredictum absolvitório: res iudicata pro veritate habetur. 48 A atual cidade do Rio de Janeiro. 49 Segundo Waldem ar Mariz de Oliveira Jr., o Código de P roce sso da Suécia ( 1942) e o Código de Direito C anônico são e xem plos dessa unidade. 50 As “Dings” eram as assembleias livres do povo. 51 Excepcionalmente, a jurisdição é exercida por outros poderes, como, no Brasil, pelo Senado Federal (art. 52, I e II, CF), quanto à jurisdição política, nos crimes de responsabilidade de de term inados agentes públicos. 52 Enquanto a ação foi assim considerada, como tema de direito privado, não se pensava na autonomia da ação, como um direito em si mesmo. 53 Sobre o ser o direito de ação um direito público ou um direito contra o Estado, reina divergência na doutrina; mas, sobre ser um direito autônomo, não existe mais dúvida. A autonomia da ação representou, para a ciência do direito processual, fenômeno análogo ao que representou para a física a divisão do átomo (Couture). 54 A resposta será de acordo com o que o direito objetivo prevê. Assim, se o locatário não paga os aluguéis e o locador-autor pede ao juiz que decr ete a sua prisão, não será atendido, pois, nesse ca so, não há prisão civil po r dívida. 55 Registra, ainda, Ramiro Podetti: “Em meu último livro, ao fixar as bases para o estudo do processo, disse que elas eram três: os conceitos de jurisdição, aç ão e processo. A ideia flui do direito processual moderno e de seus principais expositores, mas não a havia visto exposta concretame nte com anterioridade a me u trabalh o. Sem em bargo, express a ou implici tamente, ela j á havia sido enunciada”. 56 Esta circunstância também não passou despercebida a Chiovenda: “Considerado nesse tríplice aspecto, o processo recebe sua completa significa ção: um lado supõe o outro, e nenhum de les pode ser estudado isoladam ente de um a m aneira proveitosa. Assim, na ciência do direito processual, resultam três gr andes divisões que se c ompletam reciproc am ente: a teoria da a çã o e das condições de tutela jurídica, a teoria dos pressupostos proce ssuais (propriam ente, da j urisdição) e a teoria do procedim ento”.

3 PODER JUDICIÁRIO Poder Judiciário: estrutura. Organização judiciária. Unidade e duplo grau de jurisdição: argumentos contrários e favoráveis. Composição dos juízos e tribunais. Critérios de ingresso na magistratura. Garantias da magistratura: independência política e jurídica dos juízes. Auxiliares da Justiça: conceito e classificação. Órgãos do foro extrajudicial. Ministério Público e sua posição na ordem jurídica. Funções, garantias e proibições do Ministério Público. Princípios informativos do Ministério Público. Advocacia pública. Advocacia privada. Defensoria Pública.

Poder Judiciário: estrutura Dentre os poderes do Estado, destaca-se, pela sua importância, de preservar a ordem jurídica e a paz social, o Poder Judiciário, a que corresponde a função jurisdicional,1 através da qual se obtém a composição da lide,2 mediante a aplicação da lei. No exercício dessa função, o Poder Judiciário se manifesta através de órgãos integrados por pessoas físicas, chamados órgãos jurisdicionais, judiciais ou judicantes. Sendo a jurisdição emanação da soberania do Estado, e, portanto, um de seus poderes, cabe à Constituição Federal 3

determinar são osnoórgãos do federadas, Poder Judiciário, competindo às Constituições estaduais dispor sobre a organizaçãoquais da justiça âmbitointegrantes das unidades observadas as diretrizes da Constituição da República. Nos termos do art. 92 da Constituição Federal, são órgãos do Poder Judiciário: I – o Supremo T ribunal Federal; IA – o Conselho Nacional de Justiça; II – o Superior Tribunal de Justiça; III – os Tribunais Regionais Federais e Juízes Federais; IV – os Tribunais e Juízes do Trabalho; V – os Tribunais e Juízes Eleitorais; VI – os Tribunais e Juízes 4 Militares; VII – os Tribunais e Juízes dos Estados e do Distrito Federal e Territórios. Existe um verdadeiro organismo judiciário, integrado por diversos órgãos, atuando no território nacional, e, afora esses, nenhum outro, ainda que receba a denominação de “ tribunal”, exerce a jurisdição, não sendo, portanto, urisdicionais o Tribunal Marítimo, o Tribunal de Contas da União5 e o Tribunal de Justiça Desportiva, sendo meros órgãos administrativos atuando de forma análoga à atuação da justiça. Apenas os tribunais arbitrais , previstos na Lei 6 de Arbitragem, apesar de não figurarem no elenco do art. 92 da Constituição, exercem também a jurisdição, mas não estatal, e sim privada. I – O Supremo Tribunal Federal, órgão de cúpula do Poder Judiciário, foi criado pelo Decreto n. 848/1890, posicionado no vértice da pirâmide organizacional da Justiça, como consectário do sistema federativo, que viria a ser implantado pela Constituição de 1891. Este tribunal se compõe de onze ministros, escolhidos dentre cidadãos com mais de trinta e cinco e menos de 7 e reputação ilibada (CF, art. 101); tem sede na Capital da sessenta e cinco anos de idade, de notável saber jurídico República; jurisdição sobre todo o território nacional; e competência srcinária e recursal (ordinária e extraordinária) prevista na Constituição (art. 102, I a III), competindo-lhe precipuamente a sua guarda. I-A – O Conselho Nacional de Justiça é um órgão estranho ao Poder Judiciário, que, por uma cirurgia plástica, indiscutivelmente inconstitucional, 8 foi incorporado ao art. 92, como um de seus órgãos; compõe-se de quinze membros, integrado pelo Presidente do Supremo Tribunal Federal; por ministros do Superior Tribunal de Justiça e Tribunal Superior do Trabalho; por desembargador do Tribunal de Justiça e juiz estadual; por juízes do Tribunal

Regional Federal e do Tribunal Regional do Trabalho, por membros do Ministério Público da União e do Estado; dois advogados e dois cidadãos de notório saber jurídico e reputação ilibada; todos nomeados pelo Presidente da República, depois de aprovada a escolha pelo Senado; com competência para controlar a atividade administrativa e financeira do Poder Judiciário, pelo cumprimento dos deveres funcionais dos juízes, além das atribuições que lhe forem conferidas pelo Estatuto da Magistratura e pela Constituição (art. 103-B, § 4º, I a VII).9 Costumo dizer que atualmente só temos efetivamente dois Poderes nacionais (Legislativo e Executivo), que atuam sem a interferência de elementos (cidadãos, advogados, membros do Ministério Público), estranhos à sua organização institucional. Para quem não sabe, em outros sistemas jurídicos, só existe um Conselho Nacional da Magistratura, para garantir a autonomia do Poder Judiciário, no exercício de suas funções que lá não é, como no Brasil, disciplinado pela Constituição, como um poder autônomo do Estado, independente dos demais poderes. II – O Superior Justiça no mínimo, e três eministros, nomeados Presidente da República, dentre Tribunal brasileirosdecom maiscompõe-se de trinta ede, cinco e menos trinta de sessenta cinco anos de idade,pelo de notável saber 10 urídico e reputação ilibada (CF, art. 104, parágrafo único), depois de aprovada a escolha pelo Senado; dentre desembargadores dos Tribunais de Justiça e dos Tribunais Regionais Federais, de advogados e membros do Ministério Público dos Estados, do Distrito Federal e Federal; tem sua sede na Capital da República; jurisdição sobre todo território nacional; e competência srcinária e recursal (ordinária e especial), prevista a Constituição (no art. 105, I a III). Os membros saídos dos tribunais estaduais e regionais, e escolhidos entre advogados e membros do Ministério Público, integram o chamado quinto constitucional. III – Os Tribunais Regionais Federais, criados pela Constituição, como órgãos de segundo grau da Justiça Federal comum, superpostos aos juízes federais, completam a estrutura dessa justiça; compõem-se de, no mínimo, sete juízes, escolhidos dentre juízes federais, com mais de cinco anos de carreira, mediante promoção; assegurada também a participação de advogados e membros do Ministério Público Federal, nomeados pelo Presidente da República, dentre brasileiros com mais de trinta e menos de sessenta e cinco anos; todos com mais de dez anos na profissão ou na carreira. Essa Esses participação respeita o chamadoquinto constitucional . prevista na Constituição (no art. 108, I e II), tribunais têm também a sua competência, srcinária e recursal, especialmente julgar, em grau de recurso, as causas decididas pelos juízes federais e estaduais no exercício da competência federal da área de sua jurisdição; a sua jurisdição é delimitada por região (são regionais), havendo, atualmente, cinco Tribunais Regionais Federais, com sede em Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e Recife, compreendendo cinco Regiões. Os juízes federais são órgãos de primeiro grau da Justiça Federal;11 cada Estado, bem como o Distrito Federal, constitui uma Seção Judiciária, que tem por sede a respectiva capital, e varas localizadas segundo o estabelecido em lei (CF, art. 110); sua competência é prevista na Constituição (art. 109), sobressaindo a de processar e julgar as causas em que a União, entidade autárquica e empresa pública forem interessadas na condição de autoras, rés, assistentes ou oponentes, exceto as de falência, as de acidentes do trabalho e as sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho. A Justiça Federal conta, ainda, com Juizados Especiais Federais e Turmas Recursais, estando a sua disciplina na Lei n. 10.259/01; e também com tribunais do júri para o julgamento de crimes dolosos contra a vida. IV – A Justiça do Trabalho12 é estruturada com órgãos de primeiro grau, que são as Varas do Trabalho; de segundo grau, que são os Tribunais Regionais do Trabalho; e de terceiro grau, que é o Tribunal Superior do Trabalho (CF, o art. 111, I a III). O Tribunal Superior do Trabalho, órgão de superposição da Justiça Trabalhista, compõe-se de vinte e sete ministros, escolhidos dentre brasileiros com mais de trinta e menos de sessenta e cinco anos de idade, nomeados pelo Presidente da República, após a aprovação pelo Senado, sendo um quinto dentre advogados e membros do Ministério Público do Trabalho, com mais de dez anos de atividade, e os demais dentre juízes dos Tribunais Regionais do Trabalho, oriundos da magistratura de carreira; tem por sede a capital da República; jurisdição sobre todo o território nacional; e competência determinada por lei ordinária. Os Tribunais Regionais do Trabalho, órgãos de segundo grau da Justiça Trabalhista, compõem-se, de, no mínimo,

sete juízes nomeados pelo Presidente da República, dentre brasileiros com mais de trinta e menos de sessenta e cinco anos, assegurando, também, a participação, nesses tribunais, de advogados e membros do Ministério Público do Trabalho com mais de dez anos de atividade (CF, art. 115, I e II). Os órgãos de primeiro grau da Justiça do Trabalho são os juízes do trabalho, que atuam nas varas do trabalho, aos quais compete processar e julgar as ações oriundas da relação de trabalho, abrangidos os entes de direito público externo e da administração pública direta e indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios (CF, art. 114, I), e outras controvérsias decorrentes da relação de trabalho, na forma da lei (CF, art. 114, IX), bem como todos os feitos referidos na Constituição (art. 114, II a X). Nas comarcas não abrangidas pela jurisdição da Justiça do Trabalho, a sua competência pode ser atribuída ao juiz 13 de direito, com recurso para o Tribunal Regional do Trabalho (CF, art. 112). A Justiça do Trabalho tem também competência para promover a execução de ofício das contribuições sociais (CF, art. 195, I, “ ainda, A”, e II) da sentençcom a queaprof erir da (CF,arbitragem, art. 114). pois, frustrada a negociação coletiva, as partes Conta, a decorrentes Justiça do Trabalho ajuda poderão eleger árbitros (art. 114, § 1º), estando a arbitragem disciplinada pela Lei n. 9.307/96, alterada pela Lei n. 13.129/15. No entanto, a arbitragem não se insere na estrutura da Justiça do Trabalho, mas ao lado dela na resolução dos conflitos de interesses trabalhistas. V – A Justiça Eleitoral tem estrutura organizacional mais ampla que as demais justiças, atuando em primeiro grau os juízes eleitorais e juntas eleitorais; em segundo grau, os Tribunais Regionais Eleitorais; e em terceiro grau o Tribunal Superior Eleitoral. O Tribunal Superior Eleitoral tem sede na capital da República; compõe-se de, no mínimo, sete membros escolhidos mediante eleição pelo voto secreto dentre os ministros do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal 14 (CF, art. 119, I e II); tem de Justiça, e dois juízes dentre seis advogados de notável saber jurídico e idoneidade moral urisdição sobre todo o território nacional; e competência estabelecida em lei complementar. Suas decisões são irrecorríveis, salvo se contrariarem a Constituição, e as denegatórias dehabeas corpus ou mandado de segurança. Os Tribunais Regionais Eleitorais são os órgãos de segundo grau da Justiça Eleitoral, havendo um em cada Estado e no Distrito Federal; compõem-se de sete membros, escolhidos mediante eleição pelo voto secreto dentre desembargadores do Tribunal de Justiça e juízes de direito; um juiz do Tribunal Regional Federal com sede na capital do Estado ou no Distrito Federal, ou, não havendo, de juiz federal escolhido pelo Tribunal Regional Federal respectivo; e juízes escolhidos pelo Presidente da República, dentre advogados de notório saber jurídico e idoneidade moral, indicados pelo Tribunal de Justiça (CF, art. 120, § 1º, I, II e III). A organização e competência dos juízes eleitorais e das juntas eleitorais são objeto de lei complementar (art. 121 da CF). A Justiça Eleitoral é uma justiça sui generis , pois toda a sua estrutura organizacional é composta de membros integrantes de outros órgãos judiciários, pelo que não existe concurso para ingresso na carreira de magistrado eleitoral, pois quem exerce as funções de juiz eleitoral é o juiz de direito estadual da comarca, sendo a sua função temporária. VI – A Justiça Militar da União é composta de juízes e tribunais militares, instituídos em lei, sendo seus órgãos de primeiro grau os Conselhos Permanentes de Justiça, nas Auditorias (do Exército, da Marinha e da Aeronáutica), além dos Conselhos Especiais de Justiça para determinados julgamentos, cuja competência se restringe ao processo e ulgamento de crimes militares definidos em lei, que dispõe também sobre a sua organização e funcionamento (CF, art. 124), atuando como órgão de segundo grau o Superior Tribunal Militar. O Superior Tribunal Militar compõe-se de quinze ministros vitalícios, sendo três oficiais-generais da Marinha, quatro oficiais-generais do Exército e três oficiais-generais da Aeronáutica, todos da ativa e do posto mais elevado da carreira, e cinco civis, mediante nomeação pelo Presidente da República, depois de aprovada a indicação pelo Senado, sendo os cinco civis três dentre brasileiros maiores de trinta e cinco anos, sendo três dentre advogados de notório saber urídico e reputação ilibada, e dois por escolha paritária dentre juízes auditores e membros do Ministério Público da Justiça Militar (CF, art. 123, I e II). Apesar da previsão constitucional, ainda não foram criados tribunais de segunda instância no âmbito da Justiça

Militar da União, funcionando o Superior Tribunal de Justiça como órgão de segundo grau. VII – A Justiça Estadual e a do Distrito Federal são estruturadas com a observância dos preceitos constitucionais (CF, art. 125), que são, na verdade, diretrizes e limitações de observância obrigatória, sob pena de ofensa à Constituição. Os Tribunais de Justiça são os órgãos de segundo grau da Justiça estadual e do Distrito Federal; têm sua estrutura e competência estabelecidas na Constituição Federal, nas Constituições estaduais, Lei Orgânica do Distrito Federal, e nas respectivas Leis de Organização Judiciária; tem sua sede na capital; jurisdição sobre todo o território da unidade federada; e composição variada de Estado para Estado, respeitado o quinto constitucional, reservado aos advogados e membros do Ministério Público. Os órgãos de primeiro grau da Justiça comum estaduale da Justiça do Distrito Federal são os juízes de direito; e os tribunais do júri, para o julgamento dos crimes dolosos contra a vida. Na justiça estadual e na do Distrito Federal, há também Juizados Especiais, providos por juízes togados ou togados eofensivo, leigos, para o julgamento e execução de causas cíveis de menor e infrações penaisgrau de menor potencial permitidos a transação e o julgamento de recursos por complexidade turmas de juízes de primeiro (CF, art. 98, I); 15 estando a sua disciplina sob regência da Lei n. 9.099/95. Existem órgãos da Justiça Militar estadual de primeiro16 e segundo graus17 somente naqueles Estados que os criaram, ainda na vigência da Constituição Federal de 1967, pois foram abolidos pela Emenda Constitucional n. 1/69, mantidos os Tribunais de Justiça Militar apenas nos Estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul; orientação essa que foi seguida pela atual Constituição. Pela Constituição de 1988, a lei estadual poderá criar, por proposta do Tribunal de Justiça, a Justiça militar estadual, constituída, em primeiro grau, pelos juízes de direito e pelos Conselhos de Justiça e, em segundo grau, pelo próprio Tribunal de Justiça, ou por T ribunal de Justiça Militar nos Estados em que o efetivo militar for superior a vinte mil integrantes (art. 125, § 3º). A competência dessa justiça é limitada ao processo e julgamento dos militares dos Estados, nos crimes militares definidos em lei, e nas ações judiciais contra atos disciplinares militares, ressalvada a competência do júri, quando a vítima for civil, cabendo ao tribunal competente decidir sobre a perda do posto e da patente dos oficiais e da graduação das praças (CF, art. 125, § 4º). Na organização da justiça militar, tanto federal quanto estadual, e nos juizados especiais estaduais, a Constituição se afina com a doutrina quevaloriza a justiça com a participação deleigos na administração da justiça, pelo que integra o leigo18 na sua estrutura; isso sem falar no Tribunal do Júri, justiça leiga por excelência. A justiça feita por leigos pode ser mais eficaz e justa do que a justiça inteiramente togada, mas desde que possam os uízes leigos julgar a liberto das regras estritamente legais, valendo-se da equidade e das máximas da experiência. Considero um despropósito, contrário à lógica mais elementar, integrar o juiz leigo na administração da justiça e vincular o seu julgamento ao exame dos fatos consoante a valoração que deles faz a lei. Isto porque, se um leigo tem noção do que seja, por exemplo, estado de necessidade ou legítima defesa, não tem, por certo, noção do alcance que lhes dá a legislação penal. Nada mais justo, pois, que os aplique de conformidade com senso o comum de justiça, como sucede nos julgamentos pelo tribunal do júri. Ao inserir o leigo nesse contexto, não se pode desconhecer que a sua capacidade de fazer justiça não deve ser medida pelos mesmos critérios utilizados pelos juízes togados. 19

Organização judiciária A organização judiciária compreende toda a matéria concernente à constituição da magistratura, composição e atribuições dos juízos e tribunais, garantias de independência e subsistência dos juízes, bem como as condições de investidura, acesso e subsistência dos órgãos auxiliares e distribuição de suas atribuições. Contêm-se, ainda, na organização judiciária os princípios e normas referentes às condições da disciplina geral do foro, assim como da disciplina especial dos juízos e dos seus auxiliares. A Justiça Federal de primeira instância é disciplinada pela Lei de Organização Judiciária Federal (Lei n. 5.010/66) e

cada unidade federada, assim como o Distrito Federal, tem sua própria lei de organização judiciária, denominada também Código de Organização Judiciária ou Código Judiciário. O território do País, para fins de exercício da jurisdição, é dividido em territórios menores que, na justiça estadual, são denominados “ comarcas”; na justiça federal são as “seções e subseções judiciárias”;20 e, na justiça do Distrito Federal, são as “circunscrições judiciárias”. As comarcas são classificadas, em alguns Estados federados, em comarca de primeira, de segunda, de terceira e até de quarta entrância, conforme a sua população, movimento forense (número de processos), receita tributária etc., e de entrância especial (da capital do Estado), e, noutros Estados, em comarca “ inicial”, “intermediária” e “final” e comarca da Capital. Recentemente, a preferência tem sido classificar comarcas em comarca inicial (correspondente à primeira entrância), intermediária (correspondente às comarcas de segunda e terceira entrâncias)final e (comarca de entrância especial ou da Capital), muitos bem Estados adaptado a sua organização judiciária a essa nova classificação. Paratendo se conhecer essefederados tema, é preciso uma visita à Lei de Organização Judiciária de cada Estado brasileiro, em relação à justiça estadual; e, relativamente às demais justiças (federal, do Distrito Federal, militar, eleitoral e do trabalho), às leis que as organizam. Na justiça do trabalho, o território é dividido por “ regiões”, correspondendo geralmente a cada Estado uma Região,21 onde exercem a jurisdição as varas do trabalho, em primeiro grau, e um Tribunal Regional do Trabalho, em segundo grau; na justiça militar, o território nacional é dividido em “circunscrições judiciárias militares”, correspondendo a cada circunscrição uma “auditoria”. Para fins de exercício da jurisdição, a justiça eleitoral, na inferior instância, segue o mesmo modelo da justiça estadual, atuando em cada comarca, como seus órgãos os juízos e as juntas eleitorais.

Unidade e duplo grau de jurisdição: argumentos contrários e favoráveis Existem duas correntes doutrinárias disputando a primazia dos argumentos favoráveis e contrários ao duplo grau de urisdição: uma sustentando que nada justifica a dualidade de instâncias, e, outra, a sua necessidade. São argumentos contrários ao duplo grau de jurisdição: a) Não se nega a possibilidade de erro ou injustiça na decisão do juiz de primeiro grau; mas também os juízes de segundo grau são suscetíveis de errar22 ou de proceder com prevaricação. b) A decisão de segundo grau é inútil se confirmar a de primeiro; e, se reformá-la, é perniciosa, por permitir a dúvida sobre qual a decisão mais justa, contribuindo para o desprestígio do Poder Judiciário. São argumentos favoráveis ao duplo grau de jurisdição: a) Há sempre a possibilidade de as decisões judiciais se ressentirem de vícios, resultantes de erro ou má-fé do seu prolator, donde a necessidade de permitir-se a sua reforma pela instância superior. b) A admissibilidade de reexame das decisões de primeiro grau, por juízes de grau superior, de ordinário mais experientes, exige daqueles maior cuidado no exame e solução das lides, além de contribuir para o aprimoramento moral e cultural dos juízes. c) É psicologicamente demonstrado que raramente alguém se conforma com um único julgamento que lhe seja contrário.23 No particular, penso que a justiça é uma instituição muito cara para se permitir recurso de toda e qualquer causa, independentemente da sua natureza e valor, porque o princípio da ampla defesa se cumpre na instância onde a causa é ulgada, e, não, necessariamente, permitindo-se recursos para os tribunais; mesmo porqueas partes não têm direito a que a lei preveja recurso, senão ao recurso que a lei prevê . O duplo grau de jurisdição facultativo deve ser permitido naquelas hipóteses em que haja relevante interesse econômico ou moral, ou relevante interesse público, como nas ações relativas ao estado e à capacidade das pessoas, não sendo razoável que as pequenas causas, com valores irrisórios, tomem o tempo dos tribunais, quando, de fato, a

verdadeira justiça se faz mesmo é na inferior instância, mormente quando a prova é testemunhal, com o juiz olhando nos olhos das partes e dos depoentes. No Brasil, tem-se até um duplo grau de jurisdição obrigatório , nas causas em que a União, os Estados, o Distrito Federal e o Município, suas autarquias e fundações de direito público forem vencidos, tendo o juiz o dever processual de remeter os autos do processo ao reexame do tribunal de apelação, haja ou não recurso voluntário, sob pena de ser avocado pelo seu presidente; se bem que, recentemente, vem sendo restringido esse dever, não havendo mais remessa, por exemplo, nas causas de valor inferior a sessenta salários mínimos e naquelas que estiverem fundamentadas em urisprudência do plenário do Supremo Tribunal Federal ou em súmula deste tribunal ou do tribunal superior competente (art. 496 do novo Código de Processo Civil). 24

Compos iç ão dos juízos e tribunais Na estrutura organizacional da justiça, uma coisa é o “ juízo” , nome técnico que tem o órgão julgador, como célula do Poder Judiciário, identificado também como “vara”, na divisão orgânica dos serviços judiciários, em primeira instância, podendo haver mais de um juízo, como há nas médias comarcas, e até diversos juízos, como nas grandes comarcas. Outra coisa é o “juiz ”, que é a pessoa física que se posta dentro dojuízo , para decidir em nome do Estado, podendo um juízo (ou vara) ter um único ou mais de um juiz . Vários critérios têm sido excogitados pela doutrina na composição dos juízos e tribunais, sendo os mais prestigiados os seguintes: I – juiz único em primeiro e segundo grau de jurisdição; II – juízo colegiado em primeiro e em segundo grau de jurisdição; III – juiz único em primeiro e juízo colegiado em segundo grau de jurisdição. O ordenamento jurídico nacional não adota com exclusividade um desses critérios, mas todos eles, atendendo à natureza de cada justiça. I – Juiz único em primeiro e em segundo grau de jurisdição – Este critério tem a vantagem de não ocupar mais de um juiz no julgamento das causas, como acontece quando o órgão é colegiado, pois, enquanto, por exemplo, uma “três turma”, três juízes, julga determinado cada um dosnão juízes, vezes composta mais. Pelodemenos em tese deveria ser assim,número emboradenaprocessos, prática muitas vezes seja.individualmente, julga Esta é a solução excepcionalmente adotada pelas justiças estadual e federal, em que os juízes de direito e federal ulgam, singularmente, na inferior instância (um único juiz), e, havendo recurso, o relator, no tribunal, julga, também, singularmente, nas hipóteses previstas nos incisos II a VI do art. 932 do novo Código de Processo Civil. 25 II – Juízo colegiado em primeiro e segundo grau de jurisdição – Este critério tem a vantagem de evitar um grande número de recursos, porque a sentença já é o produto de uma vontade colegiada, na medida em que o órgão julgador é composto por mais de um juiz; mas, de outro lado, tem a desvantagem de ocupar mais de um juiz para julgar a causa, quando cada juiz poderia estar julgando, individualmente. Esta é a solução adotada pela justiça militar, em que o Conselho de Justiça, integrado por mais de um juiz, julga em primeiro grau, e o Tribunal de Justiça Militar (se estadual) ou o Superior Tribunal Militar (se federal) julgam em segundo grau de jurisdição. III – Juiz único em primeiro e juízo colegiado em segundo grau de jurisdição – Este critério apresenta a suposta virtude de conjugar os dois critérios antes enunciados, em que um juiz singular julga em primeiro grau, agilizando a prestação jurisdicional, e, havendo recurso, o reexame se faz por um órgão colegiado integrado, no mínimo, por três uízes, dando maior garantia à decisão. Esta é a solução adotada pelas justiças estadual, federal e do trabalho, em que as causas são julgadas pelo juiz (singular) no primeiro grau de jurisdição, e, para fins de recursos, são objeto de reexame por um órgão colegiado (turma, câmara etc.) do tribunal. Cada um desses critérios tem as suas virtudes e os seus defeitos, porque a verdadeira justiça não resulta de ser um órgão singular ou colegiado, nem a sua efetividade depende dessa circunstância, senão, a primeira, do bom senso e sensibilidade dos juízes, e, a segunda, de uma estrutura judiciária capaz de suportar a carga de processos.

Critérios de ingresso na magistratura Vários são os critérios apontados pela doutrina para a escolhade juízes, sendo adotado, em cada país, aquele que melhor atenda às peculiaridades locais, e à índole e à cultura do seu povo. No Brasil, adota-se mais de um critério, conforme se trate de órgão de primeiro ou de segundo grau de jurisdição, atendendo também à natureza de cada justiça. Os critérios mais prestigiados são: 1) Eleição pelo voto popular – Este critério é adotado em diversos países, apresentando a vantagem de permitir ao povo a escolha os seus julgadores, pela mesma forma que escolhe os seus representantes no Poder Executivo e no Legislativo, mediante o voto direto; mas apresenta a desvantagem de vincular os futuros juízes às suas bases eleitorais, com promessas de campanha e recebimento de doações, o que compromete a sua imparcialidade na resolução dos litígios. É o critério adotado nos Estados Unidos da América, para a escolha de juízes locais (de condados), havendo mesmo uma campanha política para quem postule um cargo de juiz. 2) Livre escolha pelo Executivo – Por este critério, o chefe do Poder Executivo escolhelivremente aquele que, por seus méritos ou pelos seus dotes morais e intelectuais, deva integrar a magistratura; mas apresenta o inconveniente de serem esses requisitos substituídos, na prática, pelo carisma do escolhido, além de beneficiar quase sempre os apadrinhados políticos de quem detém o poder. 3) Livre nomeação pelo Poder Judiciário – Segundo este critério, os próprios membros do Poder Judiciário escolhem aqueles que devam ingressar na magistratura, apresentando mais inconvenientes do que virtudes, porque tem o defeito de favorecer apenas as pessoas ligadas a desembargadores e ministros de tribunais, permitindo a formação de verdadeiras castas judiciárias. É também conhecido como critério dacooptação. 26 Variante desse sistema, e sem os perigos dacooptação, é adotada para as vagas de juízes em alguns tribunais de ustiça, como no Estado do Rio de Janeiro, em que o acesso se dá por promoção, pelos critérios de antiguidade e merecimento, alternadamente, mediante indicação do próprio tribunal, por ato de seu Presidente; sem qualquer intervenção de outro Poder; exceto quanto ao quinto constitucional, reservado aos advogados e ao Ministério Público. 4) Nomeação pelo Poder Executivo com aprovação do Legislativo – De acordo com este critério, a escolha de uízes é feita mediante a conjugação da vontade do chefe do Poder Executivo, e da vontade do Senado (colegiado), em que este se limita a aprovar a indicação feita por aquele, após o que o Presidente da República faz a nomeação. As desvantagens desse critério é que favorece a composição de tribunais com umaúnica linha ideológica, que é aquela professada pelo Presidente da República, por lhe caber fazer a indicação para o cargo; não cabendo ao Senado fazer recusas por motivo ideológico. Este é o critério adotado para a composição do Supremo Tribunal Federal, a mais alta corte da Justiça brasileira, que não deveria ter colorido político. 5) Nomeação pelo Poder Executivo por indicação do Judiciário ou Legislativo – Este critério apresenta a vantagem de permitir uma conjugação de vontades de mais de um dos poderes, na nomeação de juízes, em que a nomeação é feita pelo chefe do Poder Executivo (Presidente da República ou Governador de Estado), mediante proposta formulada pelo Legislativo ou Judiciário. A desvantagem, contudo, ainda assim se faz presente, porque, quando a proposta provém do Poder Legislativo, o indicado é geralmente alguém ligado ao partido político, e, quando provém do Poder Judiciário, de alguém ligado aos ministros de tribunais ou desembargadores. Esta solução, na nomeação pelo chefe do Executivo por proposta do Judiciário, é adotada para o preenchimento de vagas nos Tribunais Regionais Federais, em que o próprio tribunal escolhe três juízes federais, pretendentes ao cargo, remetendo essa lista ao Presidente da República que escolhe e faz a nomeação. Não temos a solução de nomeação pelo chefe do Executivo por indicação do Legislativo, salvante as indicações (propostas) feitas pela Câmara dos Deputados e pelo Senado de dois cidadãos para integrar o Conselho Nacional de Justiça (CF, art. 103-B), cujos nomes são encaminhados ao Presidente da República para nomeação; mas esse Conselho, apesar de integrar o elenco do art. 92, que trata dos órgãos do Poder Judiciário, não exerce funções jurisdicionais, mas 27 apenas administrativa; embora não se tenha ainda convencido disso.

6) Nomeação pelo Poder Executivo, por indicação do Judiciário, com aprovação do Legislativo – Este critério apresenta igualmente a vantagem de permitir a conjugação de vontades de mais de um Poder para a composição dos tribunais, dele participando os três Poderes da República, com o Judiciário fazendo a indicação, o Senado aprovando a indicação e o Presidente da República fazendo a escolha e nomeando o escolhido. Esta é a solução adotada para a composição do Superior Tribunal de Justiça, em que os juízes candidatos à vaga a 28 e federais) são indicados em lista tríplice; o nome do escolhido pelo eles reservadas (desembargadores estaduais 29 Presidente da República é remetido à aprovação do Senado, que depois de aprovado é nomeado. 7) Nomeação pelo Poder Executivo, por indicação de órgãos representativos dos advogados e do Ministério Público, com a participação do Judiciário e do Legislativo – Este critério é usado para o preenchimento das vagas destinadas ao quinto constitucional, nos tribunais de segundo grau, e aoterço constitucional, nos tribunais superiores, que são preenchidas por advogados e membros do Ministério Público, por indicação em lista sêxtupla dos seus respectivos órgãos de classe (dos Advogados e do Ministério Público), reduzida a lista tríplice pelo tribunal; sendo que, nos tribunais superiores, depende também da aprovação do Legislativo, por meio do Senado. Este critério é adotado para a composição doquinto constitucional nos Tribunais de Justiça (estaduais e do Distrito Federal), nos Tribunais Regionais Federais e nos Tribunais Regionais do Trabalho; e do terço constitucional nos tribunais superiores (Superior Tribunal de Justiça, Tribunal Superior do Trabalho e Superior Tribunal Militar). 8) Escolha por órgão especializado – Segundo este critério, a escolha se dá por um órgão composto de pessoas especializadas em assuntos da Justiça, representativa dos três Poderes do Estado e da classe de advogados, que, em muitos países, é o Conselho Nacional da Magistratura,30 presidido pelo Presidente da República. 9) Escolha por concurso – O critério que tem granjeado os maiores aplausos, pelas vantagens que proporciona, é a escolha dos juízes por concurso, o que permite o ingresso na justiça de bacharéis em direito e advogados realmente capacitados para a função de julgar, dotados de conhecimentos jurídicos indispensáveis ao exercício da judicatura; além de permitir igual oportunidade a todos os que queiram ingressar na carreira, independentemente da classe social a que pertençam. É este o critério adotado para o ingresso no cargo de juiz, em primeira instância, de concurso de provas e títulos, para a Justiça Federal e Estadual, Trabalhista e Militar. A desvantagem do concurso é que este apura apenas a capacidade jurídica do candidato, mas não apura as suas qualidades morais e éticas e, muito menos, a sua sensibilidade judicante, indispensável para fazer uma justiça realmente usta. 10) Escolha por sorteio – Embora o sorteio não seja, em princípio, o melhor critério para a escolha de juízes, é o tradicionalmente usado, no Brasil, para a composição do órgão judiciário competente para o julgamento dos crimes dolosos contra vida, que é o Tribunal do Júri (Conselho de Sentença), integrado por pessoas leigas em direito; tendo o vocábulo “ leigo”, aqui, o sentido de juiz “ não togado”, que apenas o preside.31 Os julgamentos pelo Tribunal do Júri são julgamentos sociais, não se tratando de jurisdição como atuação da vontade concreta de lei, porquanto as decisões independem de fundamentação, proferindo os jurados o seu julgamento ex informata conscientia. 32

Garantias da magistratura: independência política e jurídica dos juízes Aos juízes, enquanto integrantes do Poder Judiciário, são asseguradas certas garantias, que lhes garantem a independência para proferir as suas decisões, que, muitas vezes, contrariam interesses de grandes grupos econômicos, ou até mesmo interesses de governos. Fala-se, assim, na independênciapolítica e jurídica dos juízes. Para certa corrente doutrinária, aindependência política diz respeito às garantias do juiz para o exercício das suas funções, consistente na: I– vitaliciedade; II – inamovibilidade; e III – irredutibilidade de vencimentos. A vitaliciedade é adquirida pelo juiz de primeiro grau após dois anos de exercício, dependendo a perda do cargo, nesse período, de deliberação do tribunal a que o juiz estiver vinculado e, nos demais casos, de sentença judicial

transitada em julgado (CF, art. 95, I); ainamovibilidade significa que o juiz não pode ser removido, de comarca ou vara, ou promovido para o tribunal sem iniciativa sua, salvo por motivo de interesse público (CF, art. 95, II); e a irredutibilidade de vencimentossignifica que o juiz não pode ter seus vencimentos reduzidos, sujeitando-se, contudo, ao pagamento de tributos, inclusive o imposto de renda (CF, art. 95, III). 33 não Aos juízes estão também vedadas, constitucionalmente, determinadas atividades (art. 95, parágrafo único), podendo, dentre outras, exercer, ainda que em disponibilidade, outro cargo ou função, salvo uma de magistério; receber 34 nem exercer a advocacia enquanto no custas ou participação em processo e exercer atividade político-partidária; exercício da função judicante. Essas garantias, no entanto, não são mais exclusivas dos juízes, em função do exercício da judicatura, porque são asseguradas igualmente aos membros do Ministério Público (CF, art. 128, § 5º, I, a a c) e estes não integram órgão udicante.35 Na verdade, a garantia políticaserdos juízes resulta de umaougarantia implícita na para assegurar a sua liberdade de julgar, não podendo responsabilizado (civil criminalmente) porConstituição, erros nas decisões e sentenças que profere, exceto se proceder com dolo ou culpa grave. Para Rosenberg a “garantia política” consiste na eliminação da responsabilidade do juiz, em face das partes, pela sentença que profere, exceto na hipótese de conduta punível. A independência jurídica significa que o juiz a ninguém se subordina, senão à própria lei, segundo a interpretação que dela extraia, na solução dos casos concretos. O fato de poderem os tribunais reformar as decisões dos juízes não significa quebra da independência jurídica para ulgar, mas mera decorrência dopoder de derrogação que os tribunais possuem sobre as decisões judiciais. A existência de uma Corregedoria Geral de Justiça, nos tribunais, não afeta também a independência jurídica dos uízes, sendo as suas atribuições apenas de naturezaadministrativa , para corrigir eventuais excessos por parte de juízes, não atuando, porém, no exercício de função jurisdicional.

Auxiliares da Justiça: conceito e classificação Poder Judiciário são os juízes e tribunais que, para o desempenho de suas funções, contam, necessariamente, com a colaboração de outros órgãos, chamadosórgãos secundários, sendo que alguns deles integram o próprio Judiciário, enquanto outros são pessoas, físicas ou jurídicas, convocadas fora dos seus quadros para prestar serviços à Justiça num dado processo. No sentido amplo, são auxiliares da Justiça todos aqueles que, de alguma forma, participam da movimentação do processo, sob a autoridade do juiz, colaborando com este para tornar possível a prestação jurisdicional. A discriminação dos órgãos auxiliares da Justiça e suas funções estão nas leis processuais, nas leis de organização udiciária, nos regimentos dos tribunais, nos provimentos etc. Os órgãos auxiliares da Justiça são permanentes, conforme atuem em todo e qualquer processo, ou eventuais, quando atuam apenas em determinados processos. Essesauxiliares órgãos são classificados pela doutrina em: a) órgãos auxiliares permanentes; b) órgãos de encargo judicial; e c) órgãos extravagantes. a) Órgãos auxiliares permanentes – são os serventuários e funcionários judiciais, que atuampermanentemente nos processos, sendo investidos no cargo de acordo com a lei de organização judiciária, que lhes traça as atribuições e delimita o seu exercício, como o escrivão, o oficial de justiça, o contador, o porteiro dos auditórios etc.36 b) Órgãos de encargo judicial – são as pessoas que exercem,eventualmente, um encargo num dado processo, como o perito, o intérprete etc. c) Órgãos auxiliares extravagantes – são órgãos não judiciários ou entidades estranhas à administração da Justiça que, no exercício de suas próprias atividades, colaboram com o juiz na prestação jurisdicional, como a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), a Imprensa Oficial, os jornais particulares etc.

Órgãos do foro extrajudicial Os órgãos do foro extrajudicial não se compreendem entre os auxiliares da Justiça, pois apenas administrativamente são subordinados ao Judiciário, pelo qual são fiscalizados, não desempenhando, diretamente, qualquer função no processo. Esses órgãos apenas eventualmente participam da formação, documentação, publicidade deatos jurídicos privados de maior importância, aos quais transmitem fé pública, exercendo funções concernentes à prova desses atos, com especial repercussão na prova judiciária. São órgãos do chamado foro extrajudicial os oficiais de registros públicos, como o registro das pessoas naturais, das pessoas jurídicas, de títulos e documentos, de imóveis etc.

MiniOsMinistério téri o Púb li co e s ua posiç ão na ordem jurí dic a Público ocupa posição sui generis na ordem jurídica, porque não se integra ao Judiciário, e apenas funcionalmente atua junto a ele, como “ instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, ao qual incumbe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis” (CF, art. 127).37 O Ministério Público se considera uma instituição independente dos demais Poderes do Estado, um verdadeiro “ quarto poder”, mas, na verdade, ele se integra na estrutura do Poder Executivo (ADI 132-9/RO).38 Os membros do Ministério Público desfrutam de certos privilégiosinconstitucionais , como o de sentar-se, nas audiências,39 ao lado do juiz, o que faz supor aos acusados na esfera penal ser ele um parceiro do juiz, em vez de parte autora, porque as partes não ficam ao lado do juiz, mas no local que lhes é reservado para esse fim. Esse privilégio vem de fora, de países onde os membros do Ministério Público integram a magistraturarequerente, vulgarmente chamada de “ magistratura de pé”, pelo que os seus membros tomam assento nas audiências ao lado do juiz, que integra a magistratura judicante. No direito positivo, a Lei Complementar n. 75/93 dispõe sobre “ a organização, as atribuições e o estatuto do Ministério Público da União”, e a Lei n. 8.625/93 “ institui a Lei Orgânica Nacional do Ministério Público, e dispõe sobre normas gerais para a organização do Ministério Público dos Estados”.

Funções, garantias e estrutura do Ministério Público As funções do Ministério Público são múltiplas, agindo como parte e como fiscal da ordem jurídica, atuando nessas qualidades tanto no âmbito penal como no civil e no trabalhista. Não é pacífico, na doutrina, o entendimento de que o Ministério Público, que no processo não defende interesse próprio, possa ser verdadeira parte, entendendo Manzini que ele promove a atuação do direito objetivo por um interesse superior e não departe, não sendo de admitir-se uma parteimparcial. Entende Fenech que o Ministério Público é parte apenasinstrumental, pois o titular do direito é o Estado, que atua por intermédio dos membros dessa instituição. Carnelutti também não via no Ministério Público a qualidade de parte, senão de uma parteartificial , enquanto Alcalá-Zamora y Castillo o tinha como partesui generis , imparcial e desinteressada. No âmbito penal, a função do Ministério Público é geralmentede parte, tendo como principal atribuição tornar efetivo o poder punitivo do Estado, sendo o órgão de acusação dos violadores da lei penal; mas atua também na esfera penal como fiscal da ordem jurídica, quando zela pela indivisibilidade da ação penal, nos crimes de ação privada. No âmbito civil, o Ministério Público atua como parte, na defesa dos interesses públicos, e, comofiscal da ordem 40 e nos processos de usucapião; de falência e urídica, nos processos em que se controverte sobre interesses de incapazes; recuperação judicial de empresa; de acidente do trabalho; de anulação de casamento; de separação judicial; de mandado de segurança etc.

A Constituição detalha as funções do Ministério Público;41 dispõe sobre as garantias da instituição, que são as 42 vedando a seus mesmas dos juízes, como a vitaliciedade, a inamovibilidade e a irredutibilidade de vencimentos; 43 membros determinados comportamentos e atividades, inclusive o exercício da advocacia, a participação em sociedade comercial e o exercício de atividade político-partidária, ressalvando o exercício de uma função de magistério. O Ministério Público abrange tanto o Ministério Público da União44 quanto o Ministério Público dos Estados e o do Distrito Federal.45 O Ministério Público conta com um Conselho Nacional do Ministério Público, composto de quatorze membros nomeados pelo Presidente da República, depois de aprovada a escolha pelo Senado, integrado pelo Procurador-Geral da República, quatro membros do Ministério Público da União, três membros do Ministério Público dos Estados, dois uízes, dois advogados e dois cidadãos de notável saber jurídico e reputação ilibada. As suas atribuições são de controle da atuação administrativa e financeira da instituição e do cumprimento dos deveres funcionais de seus membros, cabendo-lhe as atribuições previstas na Constituição.46 Possui também o Ministério Público um Corregedor nacional, cujas atribuições são traçadas pela lei e pela Constituição; 47 estando prevista a criação de Ouvidorias para receber reclamações e denúncias de qualquer interessado contra membros ou órgãos do Ministério Público, inclusive contra seus serviços auxiliares, representando diretamente ao Conselho Nacional do Ministério Público. 48 O ingresso na carreira do Ministério Público se dá através do concurso público de provas e títulos, observada, na 49 nomeação, a ordem de classificação.

Princípios informativos do Ministério Público O Ministério Público é uma verdadeirainstituição , sendo informado por dois princípios: a) princípio da unidade e indivisibilidade; e b) princípio da independência funcional. a) Princípio da unidade e indivisibilidade – O Ministério Público é uno, significando que todos os seus membros fazem parte de uma única corporação; eindivisível, podendo ser substituídos, uns pelos outros, no exercício de suas funções, sem que haja alteração subjetiva da relação processual, pois quem atua no processo é o Ministério Público, e não o procurador da República ou o promotor de Justiça. b) Independência funcional – Os membros do Ministério Público agem segundo a sua própria consciência, com submissão exclusivamente à lei, sem dependência ao Poder Executivo, no qual se integra, e nem aos juízes, nos juízos ou tribunais em que atuem, e muito menos aos órgãos superiores da instituição. Os membros do Ministério Público se distinguem da massa de funcionários públicos exatamente por sua independência funcional, sujeitos apenas à autoridade do chefe da instituição.

Advocacia públ i ca A Advocacia-geral da União é advocacia pública, a qual, na Constituição de 1988, ganhoustatus de instituição, 50

que, direta ou através de órgão vinculado, representa a União, judicial e extrajudicialmente, 51 cabendo-lhe, nos termos da lei complementar, as atividades de consultoria e assessoramento jurídico do Poder Executivo. 52 estando a sua O ingresso na carreira de procurador federal far-se-á mediante concurso público de provas e títulos, disciplina sujeita à Lei Complementar n. 73/93, que institui a Lei Orgânica da Advocacia-Geral da União. Nos Estados e no Distrito Federal atuam os respectivos procuradores, organizados em carreira, na qual o ingresso depende, também, de concurso público de provas e títulos, cabendo-lhes exercer a representação judicial e a consultoria 53 urídica das respectivas unidades federadas.

Advocacia privada

O advogado foi considerado, pela Constituição de 1988, como “indispensável à administração da justiça, sendo inviolável, por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei” (CF, art. 133), no que é desmentida pela legislação infraconstitucional, porque nem sempre a justiça se faz por intermédio de advogado. No Brasil, não apenas na Justiça do Trabalho, como também nos Juizados Especiais, tanto estaduais quanto federais, a própria parte pode postular a defesa do seu direito, prescindindo da representação por advogado; embora os uízes nem sempre se sintam seguros sem a sua presença, temendo que, tendo que suprir as deficiências da parte, tenham comprometida a sua imparcialidade.54 Para exercer a advocacia, o advogado deverá estar inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil da unidade federada onde exerce a sua profissão, não podendo postular em juízo quando estiver com a sua inscrição suspensa, como pena disciplinar, ou quando a tiver cassada por motivo legítimo.

Defens oria Públi ca A Defensoria Pública ganhou tambémstatus constitucional, como “ instituição essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a orientação jurídica e defesa, em todos os graus, dos necessitados, na forma do art. 5º, LXXIV” (CF, art. 134). A organização da Defensoria Pública da União e do Distrito Federal é objeto da Lei Complementar n. 80/94, que prescreve, também, normas gerais para a sua organização nos Estados, incumbindo a cada unidade federada organizar essa instituição no âmbito do seu território. A Lei Complementar n. 80/94 repete em parte o preceito constitucional, dispondo que “a Defensoria Pública é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe, como expressão e instrumento do regime democrático, fundamentalmente, a orientação jurídica, a promoção dos direitos humanos e a defesa, em todos os graus, judicial e extrajudicial, dos direitos individuais e coletivos, de forma integral e gratuita, aos necessitados, assim 55 considerados na forma do inciso LXXIV do art. 5º da Constituição”. Às Defensorias Públicas estaduais são asseguradas autonomia funcional e administrativa e a iniciativa de sua proposta orçamentária dentro dos limites estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias e subordinação ao disposto no art. 99, § 2º (CF, art. 134, § 2º). Idênticas prerrogativas foram asseguradas às Defensorias Públicas da União e do Distrito Federal (CF, art. 134, § 3º). Na prática, nem toda comarca dispõe de Defensoria Pública, porque, quando é criada56 uma nova comarca, a lei respectiva cria o cargo de juiz e de Ministério Público, mas nunca a Defensoria Pública, e, quando a cria, não cuida de provê-lo de imediato; embora esse órgão seja o encarregado de dar cumprimento ao preceito constitucional que garante assistência jurídica integral e gratuita aos necessitados. Está precisando uma norma constitucional, dispondo que, sempre que for criada uma comarca, sejam providos,concomitantemente, os cargos de Ministério Público e de defensor público; além, evidentemente, do cargo de juiz. 57 assegurada a seus integrantes Os defensores públicos ingressam na carreira mediante concurso de provas e títulos, 58 59 a garantia da inamovibilidade, vedando-lhes o exercício da advocacia fora das suas atribuições institucionais; 60 cumprindo essas normas o disposto na Constituição. As Defensorias Públicas dispõem também de um Conselho Superior da Defensoria (da União, do Distrito Federal e dos Estados) e suas respectivas Corregedorias Gerais.61

Bibliografia CARNELUTTI, Francesco. Derecho procesal civil y penal. Buenos Aires: 1971. v. II. CASTILLO, Niceto Alcalá-Zamora y.Derecho procesal penal. Buenos Aires: Guillermo Kraft, 1945. CINTRA, Antônio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini; e DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria geral do processo. 6. ed. São Paulo: RT, 1988.

FENECH, Miguel. Derecho procesal penal. Barcelona: Labor, 1952. v. 1. MANZINI, Vicenzo.Derecho procesal penal. Buenos Aires: EJEA, 1951. ROSENBERG, Leo. Tratado de derecho processual civil. Buenos Aires: EJEA, 1955. v. I. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. São Paulo: Saraiva, 2009. v. I. TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo penal. São Paulo: Saraiva, 2001. v. 2.

1

O Judiciário exer ce , també m, a tividades de índole legislativa e adm inistrativa, não se c ara cterizando, contudo, pelo exerc ício dessas funçõe s.

2

Essa composição se obtém, também, através da arbitragem (Lei n. 9.307/96, alterada pela Lei n. 13.129/15).

3

Não há, na verdade, um Pode r Judiciário da União, diverso do Pode r Judiciário dos Estados, pois a jurisdição, enquanto poder, função e atividade, é nacional.

4

Os antigos Territórios Federais de Roraima e do Amapá foram transformados em Estados Federados (art. 14 do ADCT da CF/88) e o Território Federal de Fernando de Noronha foi extinto, sendo sua área reincorporada ao Estado de Pernambuco (art. 15 do ADCT da CF/88); inexistem, pois, hoje, Territórios Federais no Brasil.

5

O Tribunal de Contas da União é órgão a uxiliar do P oder Legislativo.

6

A arbitrage m está disciplinada pela Lei n. 9.307/96, alterada pela Le i n. 13.129/15.

7

O r equisito do “notório saber jurídico” há m uito deixou de ser observado pelo P oder Exe cutivo, na e scolha dos candidatos a m inistro do STF, para o que tem contado c om a c umplicidade do Senado Federal.

8

Para quem não sabe, a Constituição agasalha muitas normas inconstitucionais; porque não é pelo fato de lá estarem que adquirem constitucionalidades, se se chocarem com princípios de superior hierarquia em face do seu objeto.

9

No exercício dessa com petênc ia, o Conselho Nac ional de Justiça tem extra vasado as suas atribuiçõe s, afrontando a Constituição, inclusive aposentando compulsoriamente juízes, apesar de não dispor de poder jurisdicional. Uma das garantias outorgadas aos juízes é a sua

vitaliciedade , só podendo perder o cargo por sentença judicial transitada em julgado (CF, art. 95, I); e decisão do CNJ não é sentença, nem aqui e nem na China. 10 Estes requisitos existem somente no papel, porque na pr ática não são re speitados. 11 Mais propriamente, os órgãos são os juízos ou varas, células do Poder Judiciário, que se colocam dentro do foro, e não os apena s um dos com ponentes desse órgão; o j uiz, pessoa física , coloca-se dentro do juízo (ou vara ).

juízes , que são

12 A Emenda Constitucional n. 24, de 09.12.1999, deu nova estrutura à Justiça do Trabalho, ao extinguir as Juntas de Conciliação e Julgamento, excluindo a participação dos classistas inclusive nos tribunais trabalhistas. 13 Existem também as Comissões de Conciliação Prévia, estabelecendo a Lei n. 9.958/00 que as empresas e os sindicatos podem instituir tais Comissões, de composição paritária, com representantes dos empregados e dos empregadores, com a atribuição de tentar conciliar os conflitos individuais do trabalho (CLT, art. 625-A), tendo competência para a execução de título executivo extrajudicial o juiz que teria competência para o processo de conhecimento relativo à matéria (CLT, art. 877-A). 14 Esses requisitos tam bém só são exigidos no papel, porque, na prática, nunca são observados. 15 A Justiça Agrária cedeu lugar à criação, pelos Tribunais de Justiça dos Estados, de “varas especializadas”, com competência exclusiva para questões a grárias, pa ra dirimir conflito s fundiários (art. 126, CF ). 16 Os órgãos de prime iro grau sã o os Conselhos de Justiça, na s auditorias m ilitare s. 17 Órgãos de segundo grau são os Tribunais de Justiça Militar Estaduais. 18 O “leigo” é aquele que não possui qualificação profissional em ciências jurídicas, ou seja, não é bacharel em direito; ou, sendo-o, não se submeteu ao critério para ingresso na magistratura como juiz “togado”. Para a Constituição, todo aquele que não é juiz “togado” é “leigo”, inclusive o bacharel em Direito. 19 Os critérios do juiz t ogado são os da lei e, e xcepc ionalm ente, os da e quidade; os critérios do leig o se a poiam, e xclusivam ente, nos princíp ios da equidade e nas máximas da experiência, que são produto da sua cultura e do seu viver no meio social. 20 Existem atualmente cinco regiões da Justiça Federal, tendo a 1ª Região sede em Brasília, compreendendo os Estados do Acre, Amapá, Am azonas, Bahia, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gera is, P ará , P iauí, Rondônia, Roraima e Tocantins; a 2ª Região, com sede no Rio de Janeiro, compreendendo os Estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo; a 3ª Região, com sede em São Paulo, compreendendo os Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul; a 4ª Região, com sede em Porto Alegre, compreendendo os Estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa

Catarina; e 5ª Região, com sede em Recife, compreendendo os Estados de Pernambuco, Alagoas, Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte e Sergipe. 21 Atualmente são 24 regiões da Justiça do Trabalho, sendo que a 8ª região compreende os Estados do Pará e Amapá; a 10ª região, o Distrito Federal e Tocantins; a 11ª região, Amazonas e Roraima, e a 14ª região, Rondônia e Acre. As demais correspondem a cada região um Estado. 22 Tivemos, no Brasil, um rumoroso erro judiciário cometido pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais, na época integrado por expoentes da judicatura nac ional, e que, reform ando sentença absolutória do Tribunal do Júri da com arca de Ara guari, c ondenou os irmãos Nave s pela prática de um crime que não cometeram, cuja suposta vítima de homicídio apareceu viva, depois que um dos condenados já havia falecido. O Estado de Minas foi condenado a indeniz ar a fa mília dos réus, ma s nem esse glorioso Tribunal teve o poder par a de volver a vida ao m orto, por ele injustamente condenado. Este rumoroso caso é citado internacionalmente como exemplo de erro judiciário, tendo virado livro (e filme) sob o títuloO caso dos irmãos Naves, de autoria do advogado João Alamy Filho, que atuou na defe sa dos réus. Recome ndo ao leitor buscar na internet conhecer melhor esta história, que é uma demonstração eloquente de que nem sempre os tribunais de segundo grau julgam melhor e mais justo do que o tribun al do j úri. 23 Sirva de confirmação desta assertiva a observação de Carnelutti: “O réu é sempre vencido, mas nunca convencido.” 24 Art. 496. Está sujeita ao duplo grau de jurisdição, não produzindo efeito senão depois de confirmada pelo tribunal, a sentença: I – proferida contra a União, os Estados, o Distrito Federal, os Municípios e suas respectivas autarquias e fundações de direito público; II – que julgar procede ntes, no todo ou e m parte, os e mbargos à exe cução fisca l. § 1º Nos ca sos previstos neste artigo, não interposta a ape laçã o no pr azo legal, o juiz ordenará a remessa dos autos ao tribunal, e, se não o fizer, o presidente do respectivo tribunal avocá-los-á. § 2º Em qualquer dos casos referidos no § 1º, o tribunal julgará a remessa necessária. § 3º Não se aplica o disposto neste artigo quando a condenação ou o proveito econômico obtido na causa for de valor certo e líquido inferior a: I – 1.000 (mil) salários mínimos para a União e as respectivas autarquias e fundaçõe s de direito público; II – 500 (quinhento s) salários mínimos para os Estados, o Distrito Feder al, as re spectivas autarquias e fundaç ões de direito público e os Municípios que constituam capitais dos Estados; III – 100 (cem) salários mínimos para todos os demais Municípios e respectivas autarquias e fundações de direito público. § 4º Também não se aplica o disposto neste artigo quando a sentença estiver fundada em: I – súmula de tribunal superior; II – acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal ou pelo Superior Tribunal de Justiça em julgam ento de recursos repetitivos; III – entendim ento firm ado em incidente de resolução de dem andas repetitivas ou de assunçã o de competência; IV – entendimento coincidente com orientação vinculante firmada no âmbito administrativo do próprio ente público, consolidada em manifestação, parecer ou súmula administrativa. 25 Art. 932. Incumbe ao relator: (...) II – apreciar o pedido de tutela provisória nos recursos e nos processos de competência srcinária do tribunal; III – não conhecer de recurso inadmissível, prejudicado ou que não tenha impugnado especificamente os fundamentos da decisão rec orrida; IV – negar pr ovimento a rec urso que for contrário a: a) súmula do Suprem o Tribunal Federal, do Superior Tribunal de Justiça ou do próprio tribunal; b) ac órdão profe rido pelo Suprem o Tribunal Federal ou pelo Superior Tribunal de Justiça em julgam ento de recursos repetitivos; c) entendimento firmado em incidente de resolução de demandas repetitivas ou de assunção de competência; V – depois de facultada a apresentação de contrarrazões, dar provimento ao recurso se a decisão recorrida for contrária a: a) súmula do Supremo Tribunal Federal, do Superior Tribunal de Justi ça ou do próprio tribu nal; b) a córdão profer ido pelo Suprem o Tribunal Feder al ou pe lo Superior Tribunal de Justiça em julgamento de recursos repetitivos; c) entendimento firmado em incidente de resolução de demandas repetitivas ou de assunção de competência; VI – decidir o incidente de desconsideração da personalidade jurídica, quando este for instaurado srcinariamente perante o tribunal; (...) 26 Cooptar significa admitir numa corporação com dispensa das condições ordinariamente exigidas para a admissão. 27 O Conselho Nacional de Justiça vem tomando decisões que, pela Constituição, tem natureza jurisdicional, e, portanto, excluídas das suas atribuições, como acontece com a aposentadoria de juízes, que só podem resultar de sentença transitada em julgado (CF, art. 95, I), e não de decisão adm inistrativa. 28 Nestes estão compreendidos dois desem bargadores do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. 29 Na história do Judiciário brasileiro, tem os um precedente, em que o Senado aprovou o nome de um advogado; o Presidente da República nome ou; mas o Superior Tribu nal Militar se negou a dar- lhe posse; e não deu e teve que ser indicado e nom ea do outro. 30 Apesar da aparente semelhança no nome, o Conselho Nacional da Magistratura nada tem a ver com o inusitado Conselho Nacional de Justiça do sistem a br asileiro. 31 O juiz togado, no Tribunal do Júri, além da função de comandar o julgamento, Sentença desclassifica o crime de doloso para culposo. 32 De a cordo com a própria consci ência.

não julga; a não ser, excepcionalmente, quando o Conselho de

33 Art. 95 (...) Parágrafo único. Aos juízes é vedado: I – exercer, ainda que em disponibilidade, outro cargo ou função, salvo uma de magistério; II – receber, a qualquer título ou pretexto, custas ou participação em processo; III – dedicar-se à atividade político-partidária. IV – receber, a qualquer título ou pretexto, auxíli os ou contribuições de pessoas físicas, entidades públicas ou privadas, re ssalvadas as e xceç ões pre vistas em lei; V – exercer a advocacia no juízo ou tribunal do qual se afastou, antes de decorridos três anos do afastamento do cargo por aposentadoria ou exoneração. (...) Falta técnica ao inc. V do art. 95 da Constituição, ao proibir ao juiz o exercício da advocacia no juízo ou tribunal do qual se afastou, antes de

decorridos três anos do afastamento do cargo por aposentadoria ou exoneração. Isso porque o juiz, quando passa para a inatividade, é aposentado, e não “afastado”, e, ao se aposentar, deixa de ser juiz, mantendo apenas a condição de “magistrado, pelo que jamais um juiz poderia exercer m esm o a a dvocacia, porque juiz é a pena s aquele que está no e xercício da funç ão. Em outros países, perm ite-se que o j uiz dê meio expediente, podendo i nclusive e xerc er a a dvocacia f ora da sua circunscriçã o territorial. A disposiçã o por si só é inócua, porque os j uízes em quarentena exercem a advocacia por interposta pessoa, o que é do conhecimento do próprio Legislativo e do Judiciário. Há muita hipocrisia na organização da Justi ça brasileira. 34 O juiz, no Brasil, é um meio-cidadão, que só possui a legitimidade ativa (para votar), mas não a passiva (para ser votado), pelo que, se pretender se ca ndidatar a um ca rgo eletivo, deve se aposentar; mas, aí, será um magistrado, e não mais um juiz; em bora a doutrina e a legislação não façam distinção entre o “magistrado” e o “juiz”. Outro equívoco do ordenamento jurídico nacional é supor que a ideologia do juiz está no partido político (que ele nã o pode integra r), quando ela está na cabeça (da qual não pode prescindir para julgar). 35 Ademais, a irredutibilidade de vencimentos não é garantia que se aplique apenas aos juízes e membros do Ministério Público, aplicando-se igualmente a todo ser vidor público. 36 Nos tribunais, são auxiliare s perm anentes os funcionários que integra m as Secretarias, os Gabinetes etc. 37 Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime dem ocrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis. 38 “Ministério Público: atribuição para ‘adquirir bens e serviços e efetuar a respectiva contabilização’: constitucionalidade, dado cuidar-se de corolário de sua autonomia administrativa (e financeira), não obstante sua integração na estrutura do Poder Executivo ” (ADI 132-9/RO). 39 Também nos tribunais, o representante do Ministério Público toma assento ao lado do juiz que preside o órgão julgador (turma, câmara, plenár io), o que fica difícil fazer os réus, no proc esso pena l, acreditar não ser e le um parceiro do juiz. 40 Os absolutamente incapazes são os menores de dezesseis anos (Cód. Civil, art. 3º). Os relativamente incapazes são os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos; os ébrios habituais e os viciados em tóxico; aqueles qu e, por ca usa transitória ou perm anente, não pudere m exprimir sua vontade e os pródigos (Cód. Civil, art. 4º, I a IV). 41 Art. 129. São f unções institucionais do Ministério P úblico: I – prom over, privativame nte, a a ção penal pública , na f orm a da lei; II – zelar pelo efe tivo respeito dos Poderes P úblicos e dos serviços de relevâ ncia pública aos direitos assegurados nesta Cons tituiçã o, promovendo a s me didas necessárias a sua garantia; III – promover o inquérito civil e a ação civil pública, para a proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e de outros interesses difusos e coletivos; IV – promover a ação de inconstitucionalidade ou representação para fins de intervenção da U nião e dos Estados, nos casos pre vistos nesta Constituição; V – def ender judicialm ente os direitos e interesses da s populaç ões indígenas; VI – expedir notificaçõesntar nosrespecti procedimentos de suaexterno competência, requisitando para instruí-los, na no forma da lei compleme va; VII –administrativos exerce r o controle da ati vidade pol icial,informações na form a dae documentos lei complementar m encionada artigo anterior; VIII – requisitar diligências investigatórias e a instauração de inquérito policial, indicados os fundamentos jurídicos de suas manifestações processuais; IX – exercer outras funções que lhe forem conferidas, desde que compatíveis com sua finalidade, sendo-lhe vedada a representação judicial e a consultoria jurídica de entidades públicas. (...) 42 Art. 128 (...) § 5º Leis complementares da União e dos Estados, cuja iniciativa é facultada aos respectivos Procuradores-Gerais, estabelecerão a orga nizaç ão, as a tribuições e o e statuto de cada Ministério Público, observadas, re lativam ente a seus me mbros: I – as seguin tes garantias: a) vitaliciedade, após dois anos de exercício, não podendo perder o cargo senão por sentença judicial transitada em julgado; b) inamovibilidade, salvo por motivo de interesse público, mediante decisão do órgão colegiado competente do Ministério Público, pelo voto da maioria absoluta de seus membros, assegurada ampla defesa; c) irredutibilidade de subsídio, fixado na forma do art. 39, § 4º, e ressalvado o disposto nos arts. 37, X e XI, 150, II, 153, II I, 153, § 2º, I; (...) 43 Art. 128 (...) § 5º Leis complementares da União e dos Estados, cuja iniciativa é facultada aos respectivos Procuradores-Gerais, estabelecerão a organização, as atribuições e o estatuto de cada Ministério Público, observadas, relativamente a seus membros: (...) II – as seguintes vedações: a) receber, a qualquer título e sob qualquer pretexto, honorários, percentagens ou custas processuais; b) exercer a advocacia; c) participar de sociedade com ercial, na form a da lei; d) exe rcer, a inda que em disponibilidade, qualquer outra função pública, salvo um a de magistério; receber, a qualquer título ou pretexto, auxílios ou contribuições de pessoas físicas, entidades públicas ou privadas, ressalvadas as exceções previstas em lei; e) exercer atividade político-partidária; (...) 44 O Ministério Público da União com pree nde o fe dera l, do traba lho e o m ilitar. 45 Art. 128. O Ministério Público abrange: I – o Ministério Público da União, que compreende: a) o Ministério Público Federal; b) o Ministério Público do Trabalho; c) o Ministério Público Militar; d) o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios; II – os Ministérios Públicos dos Estados. (...) 46 Art. 130-A. O Conselho Nacional do Ministério Público compõe-se de quatorze membros nomeados pelo Presidente da República, depois de aprovada a escolha pela maioria absoluta do Senado Federal, para um mandato de dois anos, admitida uma recondução, sendo: § 2º Compete ao Conselho Nacional do Ministério Público o controle da atuação administrativa e financeira do Ministério Público e do cumprimento dos devere s funcionais de seus m em bros, cabendo-lhe: I – zelar pela a utonomia f uncional e adm inistrativa do Ministério Público, podendo expedi r atos regulamentares, no âmbito de sua competência, ou recomendar providências; II – zelar pela observância do art. 37 e apreciar, de ofício ou mediante provocação, a legalidade dos atos administrativos praticados por membros ou órgãos do Ministério Público da União e dos

Estados, podendo desconstituí-los, revê-los ou fixar prazo para que se adotem as providências necessárias ao exato cumprimento da lei, sem prejuízo da c ompetênc ia dos Tribunais de Contas; III – rece ber e c onhecer das rec lam aç ões contra m em bros ou órgã os do Ministério Público da União ou dos Estados , inclusive contra seus ser viços auxiliare s, sem prej uízo da c ompe tência disciplinar e corre cional ( rectius, correcional) da instituição, podendo avocar processos disciplinares em curso, determ inar a rem oção, a disponibilidade ou a a posentadoria c om subsídios ou proventos proporc ionais ao tem po de serviço e aplicar outras sanções adm inistrativas, assegurada am pla defesa; IV – rever, de ofício ou mediante provocaç ão, os processos dis ciplinare s de m em bros do Ministério Público da União ou dos Estados julgados há m enos de um ano; V – e labora r relatório a nual, propondo a s providências que julgar necessár ias sobre a situação do Ministério P úblico no Pa ís e as atividades do Conselho, o qual deve integrar a me nsagem prevista no ar t. 84, XI. (...) 47 Art. 130-A. (...) § 3º O Conselho escolherá, em votação secreta, um Corregedor nacional, dentre os membros do Ministério Público que o integram, vedada a recondução, competindo-lhe, além das atribuições que lhe forem conferidas pela lei, as seguintes: I – receber reclamações e denúncias, de qualquer interessado, relativas aos membros do Ministério Público e dos seus serviços auxiliares; II – exercer funções executivas do Conselho, de inspeção e correição geral; III – requisitar e designar membros do Ministério Público, delegando-lhes atribuições, e requisitar servidores de órgãos do Ministério Público. (...) 48 Art. 134-A. (...) § 5º Leis da União e dos Est ados criarã o ouvidorias do Ministério Público, com petentes para rec eber rec lama ções e denúncias de qualquer interessado c ontra m em bros ou órgãos do Mi nistério Público, inclusive c ontra seus serviços auxil iares, re presentando diretam ente ao Conselho Nacional do Ministério Público. 49 Art. 129 (...) § 3º O ingresso na carreira do Ministério Público far-se-á mediante concurso público de provas e títulos, assegurada a participaçã o da Orde m dos Advogados do Brasil e m sua realizaç ão, exigindo-se do bacharel em direito, no mínimo, três anos de atividade jurídica e observando-se, na s nome aç ões, a ordem de c lassificaç ão. (...) 50 Antigamente, a defesa da União e suas autarquias e fundações públicas era feita pela Procuradoria da República, nas capitais, ou pelo Ministério Público estadual, no interior do País. 51 CF: Art. 131. A Advocacia-Geral da União é a instituição que, diretamente ou através de órgão vinculado, representa a União, judicial e extrajudicialmente, cabendo-lhe, nos termos da lei complementar que dispuser sobre sua organização e funcionamento, as atividades de consultoria e assessoram ento jurídico do Poder Exe cutivo. 52 CF: Art. 131. (...) § 2º O ingresso nas classes ini ciais das ca rre iras da instituiçã o de que trata e ste artigo far- se-á me diante c oncurso público de provas e títulos. 53 CF: Art. 132. Os Procuradores dos Estados e do Distrito Federal, organizados em carreira, na qual o ingresso dependerá de concurso público de provas e títulos, com a participação da Ordem dos Advogados do Brasil em todas as suas fases, exercerão a representação judicial e a consultoria jurídica das respectivas unidades federadas. 54 A prática de monstra que, quando a par te se dispõe a fazer a sua própria def esa, na Justiça trabalhista ou nos Juizados Especiais, os juíz es logo ad hoc (para esse se apressam em convocar a Defensoria Pública, onde exista, quando não tomam a iniciativa de lhes indicar um defensor fim). 55 Nos term os do inciso LXXIV do art. 5º da Constituiçã o, “o Estado prestará assistência jurídica integral e gratuita aos que com provarem insuficiência de recursos”. 56 O mesmo acontece quando ocorre o desmembramento de comarca. 57 Art. 24. O ingresso na Carreira da Defensoria Pública da União far-se-á mediante aprovação prévia em concurso público, de âmbito nacional, de provas e títulos, com a participação da Ordem dos Advogados do Brasil, no cargo inicial de Defensor Público Federal de 2ª Categoria. (...) 58 Art. 34. Os membros da Defensoria Pública da União são inamovíveis, salvo se apenados com remoção compulsória, na forma desta Lei Complementar. 59 Art. 46. Além das proibições decorrentes do exercício de cargo público, aos membros da Defensoria Pública da União é vedado: I – exercer a advocacia fora das atribuições institucionais; II – requerer, advogar, ou praticar em Juízo ou fora dele, atos que de qualquer forma colidam com as funções inerentes ao seu cargo, ou com os preceitos éticos de sua profissão; III – receber, a qualquer título e sob qualquer pretexto, honorários, percentagens ou custas processuais, em razão de suas atribuições; IV – exercer o comércio ou participar de sociedade comercial, exce to como c otista ou acionista; V – exerc er a tividade político-partidária, enquanto atuar j unto à j ustiça e leitoral. 60 Art. 134. (...) § 1º Lei complementar organizará a Defensoria Pública da União e do Distrito Federal e dos Territórios e prescreverá normas gerais para sua organização nos Estados, em cargos de carreira, providos, na classe inicial, mediante concurso público de provas e títulos, assegurada a seus integrantes a gara ntia da inamovibilidade e vedado o exer cício da advoca cia for a das a tribuições institucionais. 61 As Defensorias Públicas dispõem de autonomia funcional e administrativa, tendo também a iniciativa de sua proposta orçamentária (CF, art. 134, § 2º), para atender à s suas despesas.

4 JURISDIÇÃO Funções básicas do Estado: legislação, administração e jurisdição. Jurisdição e equivalentes jurisdicionais. Características da jurisdição em confronto com a legislação. Critérios de distinção e ntre jurisdição e administração. Caracterização do ato jurisdicional. Elementos da jurisdição e poderes jurisdicionais. Princípios fundamentais da jurisdição. Extensão da jurisdição. Jurisdição e suas divisões. Jurisdição contenciosa e jurisdição voluntária: visão teórica. Tese revisionista do conceito de jurisdição v oluntária. Jurisdição e arbitragem. Resolução consensual dos conflitos.

Funções bás ic as do Es tado: legis lação, admini s tração e juris diç ão A análise das funções do Estado moderno está estreitamente vinculada à doutrina da separação dos poderes, exposta e desenvolvida por Montesquieu, na clássica obraO espírito das leis. Embora teorizada por Locke Tratado ( do governo civil) e tendo antecedentes na obra de Aristóteles A( política), foi devido a Montesquieu que a doutrina da separação dos poderes ganhou enorme repercussão, transfor-mando-se numa das mais célebres doutrinas políticas de todos os tempos. A separação dos poderes consiste basicamente em distinguir três funções básicas do Estado: a legislativa, a administrativa (ou executiva) a jurisdicional. O poder, como expressãoe da soberania do Estado, é fundamentalmente uno, pelo que a tradicional “separação dos poderes” deve ser entendida no sentido de divisão funcional do poder. Por isso, afirmava Chiovenda, ser o poder do Estado uno na sua essência, mas fracionado no seu exercício. A soberania, doutrina Chiovenda, é o poder inerente ao Estado, ou seja, a organização de todos os cidadãos para fins de interesse geral; mas este poder único compreende três grandes funções: legislativa, administrativa e jurisdicional. Expressa a Constituição Federal (art. 2º) que são poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário. Cumpre ressaltar, entretanto, que a separação de poderes não significa que sejam eles estanques e incomunicáveis, vez que o Governo é a resultante da interação dos três poderes e a cada um corresponde, na doutrina constitucional moderna, especificamente, uma função. Assim, ao Poder Legislativo corresponde a função de ditar “ as normas reguladoras das atividades dos cidadãos e dos órgãos públicos”, ou a função de criar o direito, de elaborar a norma geral e abstrata, reguladora da vida em sociedade. As normas gerais e abstratas ditadas pelo Poder Legislativo compõem o ordenamento jurídico do Estado ou odireito objetivo, que tem na lei a sua expressão mais característica. Ao Poder Executivo incumbe a função administrativa ou executiva, provendo as necessidades gerais e realizando o bem comum. Ao Poder Judiciário, por fim, cabe a função jurisdicional, no exercício da qual atua a lei ou direito objetivo na composição dos conflitos de interesses, declarando o direito aplicável no caso concreto. À função jurisdicional corresponde, especificamente, “atuar as normas reguladoras da atividade dos cidadãos e dos órgãos públicos”.

Juri s diç ão e equivalentes juri s dic ionais

A palavra jurisdição vem do latim ius (direito) e dicere (dizer), querendo significar a “ dicção do direito”, correspondendo à função jurisdicional, que, como as demais, emana do Estado. 1 como ocorria Já não se admite mais, pondera Chiovenda, que instituições diferentes do Estado constituam juízes, em outras civilizações, particularmente em favor da Igreja, cujos juízes pronunciavam sobre muitas matérias, especialmente nas relações entre os eclesiásticos, inclusive com efeitos civis. Atualmente, além do Estado-juiz, apenas pessoas ou instituições autorizadas pelo Estado podem fazer justiça, como acontece com os árbitros, cuja atividade é toda ela regulada por lei (Lei n. 9.307/96, alterada pela Lei n. 13.129/15). A jurisdição é uma função do Estado, pela qual este atua o direito objetivo na composição dos conflitos de interesses, com o fim de resguardar a paz social e o império do direito. No exercício desta função, o juiz não atua espontaneamente, devendo, para tanto, ser provocado Ne ( procedat iudex ex officio)2 por quem tenha interesse em lide. Não é pacífico, na doutrina, sobre ser a jurisdição um poder, um dever, ou as duas coisas ao mesmo tempo. Os que concebem a jurisdição como um poder só assinalam um dos seus aspectos, pois não se trata somente de um conjunto de poderes, senão também um conjunto de deveres dos órgãos jurisdicionais. Carnelutti vislumbrava na jurisdição um duplo aspecto, de poder e de obrigação do Estado-juiz; tendo Lopes da Costa visto nela um poder dever do Estado-juiz de declarar e realizar o direito, enquanto Frederico Marques a entendia como função estatal de aplicar as normas da ordem jurídica em relação a uma pretensão. Além do método estatal de resolução das lides, existem outras “possíveis desembocaduras do litígio”, dentre as quais a autocomposição, a mediação e a arbitragem. Algumas dessas formas de composição da lide sãointraprocessuais, podendo ter lugar por ocasião do processo, caso em que adquirem um colorido jurisdicional, que lhes é passado pela sentença de homologação, como é o caso da conciliação. Outras formas são extraprocessuais, afastando, em princípio, 3 a jurisdição estatal, como é o caso da arbitragem brasileira, que inclusive dispensa a homologação. Os “ equivalentes jurisdicionais” são meios pelos quais se pode atingir a composição da lide por obra dos próprios litigantes, como a transação e a mediação, ou de um particular desprovido de poder jurisdicional, como a mediação. A arbitragem brasileira não se inclui entre os equivalentes jurisdicionais porque ela configura o exercício de atividade jurisdicional exercida por um particular, com autorização do Estado, estando disciplinada pela Lei n. 9.307/96, alterada pela Lei n. 13.129/15.

Características da jurisdição em confronto com a legislação Caracterizar a jurisdição em confronto com a legislação não é tarefa das mais difíceis, na medida emlegislar que é ditar o direito em tese, na lei, como norma de conduta que se dirige a todos em geral e a ninguém em particular; enquanto exercer a jurisdição é dizer o direito no caso concreto, em relação apenas às partes envolvidas no conflito. A sentença, que é o mais expressivo produto da atividade jurisdicional, se reveste de particularização, enquanto a lei, que é o mais típico produto da atividade legislativa, se reveste de generalização. Por isso, a sentença só alcança as partes envolvidas na lide resolvida no processo, e a lei alcança todos os que se encontram sob o seu império. Em síntese: legislar é dizer o direito na lei, em abstrato; e exercer a jurisdição é atuar a lei no caso concreto. A jurisdição é uma atividade complementar da legislativa, cuja existência seria dispensável se os preceitos legais fossem voluntariamente cumpridos pelos seus destinatários, mas acontece que não são, em virtude da diversidade de interesses em lide. Com a jurisdição, o Estado-juiz garante a sua autoridade de Estado-legislador, fazendo com que se realizem, no mundo dos fatos, as consequências práticas dos preceitos enunciados pelas normas de direito. A legislação é uma atividade que independe de provocação de quem quer que seja, sendo, por isso, automovimentada, operando o Estado-legislador na exata medida das necessidades sociais e coletivas do grupo. Assim, na observância daquilo que geralmente acontece, o Estado-legislador valora os fatos da vida social e lhes imprime consequências jurídicas, ora para estimular (consequências boas), ora para desestimular (consequências más) a sua

ocorrência. A jurisdição, ao contrário, é uma atividade dependente de provocação, que só se movimenta por iniciativa do interessado, cumprindo a quem tiver interesse no seu exercício dirigir-se ao Estado-juiz, pedindo-lhe que atue a lei no caso concreto; sendo raras as manifestações de jurisdição sem ação, só consentida em casos expressamente permitidos, como verdadeiras exceções à regra. Essas exceções existem no âmbito da Justiça do Trabalho, em que o juiz pode ex officio determinar o cumprimento da sentença favorável ao reclamante; no processo civil, em que pode converter pedido habeas corpus de ofício. de recuperação judicial da empresa em falência; e no processo penal, em que pode conceder

Critérios de distinção entre jurisdição e administração Não tem sido tarefa fácil caracterizar a função jurisdicional e confrontá-la com a função administrativa. Entre as três funções da soberania do Estado, ensina Chiovenda, observa-se uma separação conceitual mais ou menos clara, mas na prática difícil de determinar. Se a contraposição é bastante sensível entre a função legislativa e a função jurisdicional, porque àquela competecriar a lei e a esta atuar a lei, é menos fácil determinar a diferença entre a administração e a jurisdição, porque a administração pode também contrapor-se à jurisdição como atuação da lei. Apesar dessa dificuldade, a doutrina não tem medido esforços para apontar as notas diferenciadoras dessas duas atividades, tendo diversos critérios sido cogitados para esse fim: I – Critério orgânico – Para determinar se o ato é administrativo ou jurisdicional, deve-se considerar a qualidade do órgão que o pratica, pelo que, se ele emana Poder Executivo, é administrativo, e, se emana do Poder Judiciário, é urisdicional. Este critério foi acoimado desimplista por Jellinek, ao argumento de que não é o órgão que qualifica a função, mas, ao contrário, a função é que imprime caráter ao órgão. Registra Chiovenda que, examinando a diferença entre as funções e atendendo aos órgãos que dela estão investidos, não se pode resolver a questão, porque, se é certo que habitualmente as duas funções estão confiadas a órgãos distintos, nem sempre isso acontece, pois há órgãos jurisdicionais investidos de funções administrativas (jurisdição voluntária) e órgãos administrativos investidos de funções jurisdicionais (contencioso administrativo). II – Critério formal – Segundo D’Alessio, o ato administrativo, sob o aspecto formal, é aquele que não toma a forma nem de lei e nem de sentença; sendo este também o pensamento de Duguit, para quem o ato jurisdicional, do ponto de vista material, é um ato administrativo, que dos demais não se distingue a não ser pelo seu aspecto formal, porque praticado por um funcionário não integrante do mecanismo da Administração. A mesma crítica formulada ao critério orgânico serve para demonstrar a imprestabilidade do critério formal, pois os órgãos jurisdicionais praticam também atos administrativos, e vice-versa. III – Critério da diversidade de procedimento lógico– Para essa corrente, a atividade jurisdicional é uma atividade vinculada, enquanto a atividade administrativa é uma atividadediscricionária. Assim, no exercício da função urisdicional, o juiz tem o dever de aplicar a lei ao caso concreto, pelo que a sua atividade vinculada é à lei; e, no exercício da atividade administrativa, o administrador tem o poder de escolher, entre duas ou mais alternativas que a lei põe ao seu alcance, aquela que melhor atende ao interesse público, sendo, por isso, a sua atividade discricionária. A discricionariedade, que é a marca da administração, ao regular as relações de fato, segundo o interesse público, faltaria na jurisdição, onde a relação concreta deve ser sempre regulada conforme a vontade da lei. Sucede, porém, que a atividade jurisdicional nem sempre é vinculada, pois, em muitos casos, são conferidos ao uiz poderes discricionários, como, por exemplo, na fixação de alimentos, em que deve guiar-se pela necessidade do alimentando e condições econômicas do alimentante; e nem sempre a atividade administrativa é discricionária, como, por exemplo, a nomeação de funcionários aprovados em concurso, em que deve ser observada rigorosamente a ordem de classificação. IV – Critério da finalidade – Segundo esse critério, na jurisdição, a lei é um “fim”, e, na administração, a lei é “ um meio”. Se a função do juiz é garantir o império da lei, a consideração da lei domina toda a atividade jurisdicional, pelo que

para a jurisdição a lei é um fim, visto que essa atividade se destina especificamente à aplicação da lei. A Administração, por seu turno, ao promover o progresso socioeconômico, age nos limites traçados pela lei, pelo que, para ela, a lei é um meio. Essa distinção, segundo Lopes da Costa, depende do ponto de vista do observador; pois, do ponto de vista do juiz e do administrador, a atividade de ambos tem como fim a aplicação da lei, mas, do ponto de vista dos interessados, tanto a jurisdição como a administração são meios de que se servem para a satisfação de seus fins. V – Critério psicológico – Para este critério, a aplicação do direito pode ser tanto atividade jurisdicional quanto administrativa, pelo que a diferença estaria em que, na atividade jurisdicional, predomina inteligência a , enquanto na atividade administrativa predomina avontade. No exercício da jurisdição, o juiz examina os fatos alegados pelas partes, as provas por elas produzidas, se desses fatos resultam consequências jurídicas, e só então profere a decisão, sendo todo esse trabalho predominantemente de inteligência. Já o administrador, agindo em prol do bem comum, faz seus planos, delibera sobre a sua execução, e só então verifica se a lei o permite, sendo a atividade administrativa informada predominantemente pela vontade. Acontece que a sentença, que é produto da atividade jurisdicional, e pela qual o juiz atua o direito objetivo na composição da lide, é também um ato de vontade; enquanto o ato administrativo, não podendo fugir à finalidade do bem comum, essa verificação é obra da inteligência. A prevalência de um elemento sobre o outro não é suficiente para caracterizar o ato jurisdicional e o ato administrativo. VI – Critério de acertamento do direito– Para este critério, a jurisdição consistiria em regular os casos dedireito incerto e controvertido, pelo que toda vez que o juiz proceder a esse acertamento,em contraditório, estará exercendo a urisdição. Esse critério é imprestável, porque deixa de fora da jurisdição ocumprimento da sentença, que é atividade urisdicional, mas o direito não é mais incerto nem controvertido. Cumpre observar, também, que pode haveratos jurisdicionais sem controvérsia e contraditório, como acontece nas hipóteses de revelia ou de confissão, e atosnão jurisdicionais, que se apresentam com a aparência de decisão de uma controvérsia, como na jurisdição voluntária. VII – Critério da natureza do interesse protegido – Segundo este critério, o ato administrativo se dirige à roteção do interesse público, enquanto o ato jurisdicional visa àproteção de interesses privados. Sucede que a jurisdição penal tutela interesses públicos, enquanto a administração, muitas vezes, tutela o interesse do particular, sem, com isso, perder a sua natureza administrativa; como, por exemplo, quando a Administração impede o funcionamento de uma empresa por falta de condições de trabalho. VIII – Critério da sanção – Segundo este critério, a diferença entre a função jurisdicional e a função administrativa estaria em que aquela se exerce através de sanções, o que não acontece com esta. Nesse ponto não se encontra a distinção, porque a função jurisdicional não importa, necessariamente, na aplicação de sanções, como, por exemplo, nos provimentos meramente declaratórios; e, no exercício da função administrativa, podem ser impostas sanções, como, por exemplo, na aplicação de multas ou na imposição de penas disciplinares. IX – Critério da substituição de atividade – Para este critério, a atividade jurisdicional é uma atividade de substituição, e, portanto, uma atividade secundária, em que o juiz age substituindo a atividade das partes, que é a atividade primária, o que não acontece com a atividade administrativa, que é em si uma atividade primária, agindo a administração em nome próprio e não em lugar de outrem. Este critério, srcinalmente formulado por Chiovenda, foi aceito, na Itália, por Alfredo Rocco e Calamandrei, e seguido, no Brasil, por Amaral Santos, Frederico Marques, Humberto Theodoro Júnior e, com alguns reparos, por Lopes da Costa. Para Chiovenda, a verdadeira característica da função jurisdicional está na substituição, por uma atividade pública, da atividade alheia, substituição esta que tem lugar porque, tendo o Estado, proibido a autodefesa, reservou para si a tarefa de resolver os conflitos de interesses, substituindo por uma atividade sua, de órgão público, a atividade das partes envolvidas no conflito. Essa substituição de atividade se opera de dois modos, correspondentes aos dois estágios do processo: o de

conhecimento e o de execução; sendo que, no processo de conhecimento, a jurisdição consiste na substituição da atividade intelectiva das partes pela atividade intelectiva do juiz, ao afirmar existente ou inexistente uma vontade concreta de lei; o mesmo ocorrendo na fase de execução da sentença, em que a atividade das partes é substituída pela atividade do juiz. Administrar, doutrina Chiovenda, é uma atividade imposta direta e imediatamente pela lei aos órgãos públicos; pelo que, do mesmo modo que o proprietário age por conta própria, a Administração Pública age também por conta própria e não no lugar de outrem. Quando a Administração satisfaz, reconhece, reintegra ou repara direitos alheios, não 4 faz coisa diferente do que faz o devedor pagando ao seu credor, ou o possuidor restituindo a coisa ao seu proprietário. A partir destas considerações, formula Chiovenda as distinções entre a atividade jurisdicional e a administrativa nestes termos: a) o juiz age atuando a lei; a Administração age de conformidade com a lei; b) o juiz considera a lei em si mesma; o administrador considera a lei como norma de sua própria conduta; c) a administração é uma atividade primária ou srcinária ; a jurisdição é uma atividade secundária; d) quando a Administração julga, julga sobre sua própria atividade; quando a jurisdição julga, julga sobre uma atividade alheia e sobre uma vontade de lei concernente a outrem. A jurisdição consiste, portanto, para Chiovenda, “na atuação da lei mediante a substituição, pela atividade de órgãos públicos, da atividade alheia, seja afirmando a existência de uma vontade de lei, seja tornando-a efetiva na prática”; sob o primeiro aspecto, tem-se uma jurisdição de cognição5 e na segunda, de execução. Criticando essa teoria, observa Lopes da Costa que esse critério isolado não separaria os atos de jurisdição voluntária, à qual se reconhece hoje natureza administrativa, pois, na decisão que concede ou nega ao pai autorização para alienar bem imóvel do filho incapaz, a inteligência do juiz substitui a do requerente. Então, a jurisdição voluntária seria uma espécie de jurisdição e não uma espécie de função administrativa. X – Critério da exclu são – Para os adeptos dessa corrente,6 não existe um meio de se caracterizar a função administrativa, relativamente às demais funções do Estado, a não ser procedendo por exclusão, de modo que a administração compreenderia todas as atividades estatais, que não fossem judiciárias ou legislativas.

Caracterização do ato jurisdicional Assevera Couture que a importância da configuração do ato jurisdicional não é apenas um problema de doutrina, mas de segurança individual e de tutela dos direitos humanos, porque somente o ato jurisdicional proporciona um produto que é a sentença, capaz de adquirir a imutabilidade, principal característica da coisa julgada. 7 o conteúdo e a Distingue o jurista uruguaio três elementos próprios (característicos) do ato jurisdicional: a forma, função. Por forma, entende-se a presença departes, de juiz e de procedimentos estabelecidos na lei; por conteúdo, considera-se a existência de um conflito com relevância jurídica, que deve ser dirimido pelos órgãos da jurisdição, mediante uma decisão que adquira a autoridade de coisa julgada; e porfunção entende-se o encargo ou a incumbência de assegurar a justiça, a paz social e demais valores jurídicos, mediante a aplicação eventualmente coercível do direito. Alfredo Rocco vê na jurisdição algumasformas externas, a saber: a) um órgão adequado, distinto dos que exercem as funções de legislar e administrar, colocado em posição de independência, para exercer o seu ofício imparcialmente; b) um contraditório regular, que permita às partes pugnarem por seus interesses, fazendo valer suas razões, a fim de que a autoridade judiciária tudo decida conforme o direito; c) um procedimento preestabelecido, com formas predeterminadas, para assegurar uma resolução justa do conflito. Considerando insuficiente o critério de substituição, preconizado por Chiovenda, para caracterizar a jurisdição, Lopes da Costa faz intervir outras notas diferenciadoras, na teoria da ação, do processo e da coisa julgada. Na verdade, adverte Lopes da Costa, o conceito de jurisdição se prende, estreitamente, ao conceito de ação, de

processo e de coisa julgada. Jurisdição e processo são conceitos correlativos, sendo este o campo em que aquela se desenvolve; sendo que o processo exige no mínimo três sujeitos: juiz, autor e réu. Para funcionar na causa, o juiz deve serimparcial, não podendo ser nela interessado, atuando, portanto,supra artes, enquanto a autoridade administrativa, quando julga, ageinter partes. Outra nota característica dessa distinção é que, somente quando provocado, o juiz pode agir, pelo que toda vez que 8 um procedimento é iniciado oficiosamente pode-se dizer, com segurança, que não é jurisdicional. Em face dessas considerações, Lopes da Costa resume assim asnotas características da jurisdição: a) atuação do uiz supra partes; b) em processo; c) sob provocação do interessado; d) substituindo, no processo de conhecimento, a inteligência das partes, e, no processo de execução,9 a vontade delas; e) em decisão com efeito de coisa julgada;f) declarando a existência de direitos e realizando-os, se necessário.

Ele mentos da juris diç ão e podere s juris dic ionais A doutrina clássica, acentuando que o direito pátrio usa a palavrajurisdição para exprimir o conhecimento da causa, seu julgamento e execução da sentença, assim como o direito de impor as penas legais, conclui que os juízes têm a urisdição e o imperium do pretor romano, que compreende: o direito de conhecer, de ordenar, de julgar, de punir e de executar. Segundo a concepção clássica, sãoelementos da jurisdição: Notio – é a faculdade de conhecer de certa causa, ou de ser regularmente investido da faculdade de decidir uma controvérsia, assim como de ordenar os atos respectivos. Vocatio – é a faculdade de fazer comparecer em juízo todos aqueles cuja presença seja útil à justiça e ao conhecimento da verdade. Coertio (ou coertitio) – é o direito de fazer-se respeitar e de reprimir as ofensas feitas ao juiz no exercício de suas funções (iurisdictio sine coertitio nulla est ).10 Iudicium – é poder de julgar e de proferir a sentença. Executio – é poder de, em nome do Estado, tornar obrigatória e coativa a obediência às próprias decisões. Para a moderna doutrina, a jurisdição compreende os seguintes poderes jurisdicionais: a) Poder de decisão – Através desse poder, o Estado-juiz afirma a existência ou a inexistência de uma vontade concreta de lei, por dois modos possíveis e com diferentes efeitos: afirma uma vontade de lei concernente às partes, através de uma sentença de mérito, reconhecendo a uma delas um bem da vida, e garantindo-o para o futuro, no mesmo ou em outros processos, com efeito de coisa julgada material; e, por outro lado, afirma uma vontade de lei concernente ao dever do juiz de pronunciar-se sobre o mérito, julgando sobre a sua própria atividade, sem o feito de coisa julgada material, com eficácia limitada ao processo em que é proferida, sem obrigar em outros processos. Esse poder de decisão, de dizer a última palavra sobre o que é e o que não é odireito, é típico da atividade urisdicional, com o que o juiz decide o mérito dos conflitos, excluindo-o da apreciação de qualquer outro órgão, pertencente aos demais poderes do Estado. b) Poder de coerção – Este poder se manifesta com mais intensidade na execução, embora esteja presente também no processo de cognição, como no ato de notificação ou de citação; em que se o destinatário se recusa a receber materialmente o mandado, considera-se como se tivesse sido entregue. Em virtude desse poder, pode o juiz determinar a remoção de obstáculos opostos ao exercício de suas funções; sujeitar ao seu poder os presentes à audiência (partes, advogados, assistentes); admoestar e afastar os infratores etc. A testemunha, por exemplo, tem o dever de comparecer, podendo ser conduzida à força se se recusar a colaborar com a Justiça. O juiz pode ainda requisitar a presença de força policial, para vencer qualquer resistência ilegal, das partes ou de terceiros, no cumprimento das suas decisões. c) Poder de documentação – Este poder resulta da necessidade de documentar, de modo a fazer fé, tudo o que ocorre

perante os órgãos judiciais, como termos de assentada, de audiência, de instrução, certidões de notificação, de citação etc.

Pri ncípios fundamentais da juris diç ão A jurisdição é informada por certosprincípios, universalmente aceitos e reconhecidos, que servem para esclarecer e desenvolver o seu conceito, princípios esses que, em maior ou menor extensão, implícita ou explicitamente, estão sempre presentes onde haja o exercício de função jurisdicional. São princípios fundamentais da jurisdição: I) Princípio da investidura – Significa esse princípio que a jurisdição só pode ser legitimamente exercida por quem tenha sido dela investido por autoridade competente do Estado, de conformidade com as normas legais. Quem, a pretexto de exercer a jurisdição, pratica ato próprio da atividade jurisdicional, sem a observância do requisito da 11 investidura, pratica crime previsto no Código Penal (art. 328). À ausência de investidura equipara-se, para os efeitos legais, a situação dos juízes aposentados, visto que, com a aposentadoria, perdem a jurisdição, o mesmo ocorrendo com os juízes em disponibilidade. II) Princípio da aderência ao território – Este princípio significa que a jurisdição pressupõe um território sobre o qual é exercida, não se podendo falar em jurisdição, senão enquanto correlata com determinada área territorial do Estado. É também chamado de princípio da improrrogabilidade da jurisdição. Tal princípio estabelece, inclusive, limites às atividades jurisdicionais dos juízes, que, fora do território sujeito por lei à sua jurisdição, não podem exercê-las, não passando de um cidadão como qualquer outro. O Supremo Tribunal Federal e os Tribunais Superiores, por exemplo, têm jurisdição sobre todo o território do País; os Tribunais de Justiça têm jurisdição sobre todo o território do Estado; os Tribunais Regionais (federais e do trabalho) têm jurisdição sobre determinada região do País, compreendendo um ou mais Estados; os juízes (federais, do trabalho e estaduais) têm jurisdição no âmbito da sua respectiva base territorial (seção judiciária, circunscrição, comarca), que pode abranger um ou mais municípios ou distritos. Em face desse princípio, e, havendo necessidade de ser praticado um ato processual fora da jurisdição do juízo da causa, deve ele solicitar a cooperação de outro juízo, do local onde deva o ato ser realizado. O princípio da aderência ao território comporta, no ordenamento jurídico nacional, não poucas exceções, tanto no âmbito civil como, por exemplo, nos casos de prevenção (CPC, art. 60); 12 de citação em comarca contígua (CPC, art. 255);13 e no âmbito penal, na hipótese de haver desclassificação da infração da competência de outro juízo (CPP, art. 74, § 2º, 1ª parte)14 ou de desaforamento do crime (CPP, art. 427,caput).15 III) Princípio da indelegabilidade – Este princípio significa que, sendo o juiz investido das funções jurisdicionais como órgão do Estado, deve exercê-las pessoalmente, sem poder delegar atribuições. Se o Estado investiu o juiz no exercício de uma função pública, cometendo-lhe a função jurisdicional referente a determinadas lides, não pode o juiz transferir a outro a competência para conhecer e julgar os processos que lhe tocam. Quando se trata de ato a ser praticado fora do território sujeito à jurisdição do juiz, não há delegação de função, pois tanto o deprecante quanto o deprecado, aquele solicitando e este realizando o ato, estão a exercer a jurisdição na sua base territorial e nos limites da sua própria competência. IV) Princípio da indeclinabilidade – Este princípio significa que o juiz não pode declinar do seu ofício, deixando 16 Nem mesmo a lacuna ou a de atender quem deduza em juízo uma pretensão, pedindo a tutela jurisdicional. 17 devendo, nesses casos, valer-se dos costumes, da obscuridade da lei exime o juiz de proferir decisão ou sentença, analogia e dos princípios gerais de direito. V) Princípio do juiz natural 18 – Este princípio significa que todos têm, em igualdade de condições, direito a um ulgamento por juiz independente e imparcial, segundo as normas legais e constitucionais. O juizrectius ( , juízo) natural é sinônimo de juiz legal ou juiz constitucional, competente para processar e julgar ao tempo em que ocorre o fato a ser processado e julgado.

Em face desse princípio, não pode haver lugar para tribunais ou juízes de exceção, como tal considerado todo aquele que vier a ser constituído post factum, para julgar um fato já ocorrido ao tempo da sua constituição. As justiças especializadas (militar, eleitoral, trabalhista) nada têm a ver com os tribunais de exceção, pois são instituídas pela Constituição, que as regula e delimita o âmbito de sua jurisdição, para julgamentos de fatos ocorridos posteriormente. VI) Princípio da inércia – Segundo este princípio, não pode haver “ jurisdição sem ação”, pois a jurisdição depende de provocação do interessado no seu exercício, não sendo, de regra, automovimentada. No particular, prefiro falar emdependência de provocação, pois “ inerte” é o que não se movimenta, e a jurisdição se movimenta. A imparcialidade que caracteriza a atividade jurisdicional impede que os juízes exerçam suas funções sem que haja pedido de quem entenda ter sido lesado ou ameaçado de lesão em um direito seu. Elucidativo, a propósito, era o art. 2º do CPC de 1973, dispondo que “ nenhum juiz prestaria a tutela jurisdicional 19

senão quando a parte ou o interessado pelo novo Código de Processo Civil. a requeresse, nos casos e forma legais”, não tendo esse preceito sido repetido As máximas Ne procedat iudex ex officio20 e Nemo iudex sine actore21 dão bem a exata extensão desse princípio. A inércia da jurisdição é rompida pelo exercício do direito de ação, e, a partir daí, o processo se movimenta por impulso oficial (autodinâmica), não prescindindo, porém, da atividade das partes (heterodinâmica). Mesmo, no âmbito penal, o processo se instaura mediante provocação do Ministério Público e, portanto, através da ação. Existem, no ordenamento jurídico nacional, poucas exceções aoprincípio da inércia, tanto no âmbito civil stricto sensu como no trabalhista e no penal. Assim, por exemplo, o juiz pode decretar de ofício a falência do comerciante, se, no curso de um processo de recuperação judicial de empresa, verificar que falta algum requisito para a sua concessão; a execução no processo trabalhista pode instaurar-se de ofício pelo juiz; também ohabeas corpus pode conceder-se de ofício. VII) Princípio do acesso à justiça – Essa simples faculdade acabou erigida num princípio, segundo o qual a todos é assegurado o acesso ao Judiciário, para defesa de seus direitos; servindo a expressão “acesso à Justiça” para determinar duas finalidades básicas do sistema jurídico: a) primeiro, o sistema deve ser igualmente acessível a todos; e b) segundo, deve ele produzir resultados que sejamindividual e socialmente justos. VIII) Nula poena sine iudicio22 – Este princípio é exclusivo da jurisdição penal, significando que nenhuma sanção penal pode ser imposta sem a intervenção do juiz, através do competente processo. Nem com a concordância do próprio infrator da norma penal, pode ele sujeitar-se voluntariamente à sanção,extrajudicialmente. 23

Extensão da juris di ção Como emanação da soberania do Estado, a jurisdição vai até onde chega a soberania do Estado, pelo que, sendo a urisdição atuação da vontade da lei ao caso concreto, não pode haver sujeição à jurisdição, senão onde possa haver sujeição à lei, e vice-versa. Os limites da jurisdição são impostos pelo poder sujeição de império do Estado, de sujeitar os destinatários lei ao comando; pelo que, onde há sujeição à lei, há também à jurisdição; e onde não impera a lei não háda lugar paraseu o exercício da jurisdição. Esse paralelismo entre a legislação e a jurisdição, dentro dos limites territoriais da soberania, não desaparece, mesmo quando (nos processos internos) se aplica a lei estrangeira, pois, na realidade, “o juiz nacional aplica, em qualquer caso, a lei nacional”. Em obediência a um dever genérico internacional, de reconhecer os demais Estados como soberanos, nos limites de seus respectivos territórios, todo Estado, ainda que em medida diversa, reconhece a atividade desenvolvida pelos demais, mas sem detrimento da própria soberania. Com este objetivo, o Estado expede atos de vontade própria, cujo conteúdo esteja em conformidade com os atos de

vontade do Estado estrangeiro, e, em vista dessa atividade legislativa (estrangeira), o Estado nacional prescreve normas preliminares24 que traçam os limites dentro dos quais o legisladorreconhece o direito alienígena, como regra de relações que interessam concomitantemente a estrangeiros e nacionais. Em virtude dessas normas de aplicação, o juiz não aplica direito estrangeiro, mas direitonacionalizado; porquanto a vontade de lei que o juiz atuasomente pode ser a do Estado. A fórmula “ nacionalização do direito estrangeiro” deve-se a Savigny, que alude à “faculdade de incluir leis srcinariamente estrangeiras entre as fontes a que devem ater-se os tribunais e juízos do país”. O exercício da jurisdição se entrosa intimamente com a ideia de território, pelo que todos aqueles que nele se encontrem estão submetidospotencialmente à jurisdição do Estado.

Jurisdição e suas divisões A jurisdição, considerada em si mesma, é emanação da soberania do Estado, pelo que, sendo única a soberania, una também é a jurisdição.25 Entender o contrário seria admitir a existência de uma pluralidade de soberanias, atuando no âmbito de um mesmo território, o que contraria a própria ideia de Estado. Quer decida um conflito de interesses de natureza civil, quer penal ou trabalhista, o Estado exerce a jurisdição, pois é a diversidade de lide não determina a diversidade de função jurisdicional. Neste sentido, afirma-se que jurisdição a una, quer dizer, não comporta divisões. A doutrina, no entanto, costuma classificar a jurisdição, segundo vários critérios, quando se fala, então, em espécies de jurisdição, a saber: I) Quanto à gradação dos seus órgãos: jurisdição inferior e jurisdição superior. A jurisdição inferior é a que se exerce na primeira instância, por juiz que conhece e julga, srcinariamente, as causas; a jurisdição superior é apor exercida nosremessa tribunais, por . força de recurso interposto em causa já sentenciada, como consequência do duplo grau ou força de ex officio II) Quanto à matéria: jurisdição penal e jurisdição civil. A jurisdição penal tem por objeto as lides de natureza penal; a jurisdiçãocivil compreende as causas de natureza extrapenal, como as civis, comerciais, administrativas, tributárias, constitucionais, trabalhistas etc. III) Quanto àsrcem : jurisdição legal e jurisdição convencional. A jurisdição legal é permanente, nasce da investidura do juiz no cargo com as atribuições próprias de seu ofício, de dizer ou declarar o direito; a jurisdiçãoconvencional é momentânea, exercida pelo árbitro ou tribunal arbitral, por força de compromisso assumido pelas partes. IV) Quanto aos organismos judiciários: jurisdição especial e jurisdição comum. A jurisdição especial tem o seu campo de atuação assinalado pela lei, como a militar, eleitoral e trabalhista; e a urisdição comum tem competência sobre todas as causas que não estejam expressamente atribuídas a outras jurisdições, como a jurisdição comum federal e a estadual. Na doutrina, prevalece o entendimento de que a justiça federal se enquadra na jurisdição comum, porque esses uízes processam e julgam qualquer lide não compreendida na competência reservada às justiças especiais. Assim, ao lado de uma justiça comum federal, existe uma justiça comum estadual. V) Quanto à forma: jurisdição contenciosa e jurisdição voluntária. A jurisdição contenciosa é exercida em face de litígio, quando há controvérsiainter ( nolentes),26 e a jurisdição voluntária, quando o juiz se limita a homologar a vontade dos interessados, ou quando o juiz decide, mas em face de interesses não litigiosos (inter volentes).27 A doutrina tem reconhecido, porém, que a chamada jurisdiçãovoluntária não é verdadeira jurisdição, e nem voluntária; pois voluntário no caso seria o procedimento.

Graficamente:

Jurisdição contenciosa e jurisdição voluntária: visão teórica Não existe um critério insusceptível de crítica para se distinguir a jurisdição contenciosa da jurisdição voluntária, o que levou Kisch a afirmar estar fadada ao insucesso a procura de uma acentuada separação entre os domínios dessas duas espécies de jurisdição. Identicamente, pensam Weismann e Rosenberg, que julgam impossível apresentar um decisivo fundamento material para distinguir a jurisdição contenciosa da jurisdição voluntária. Chiovenda também reputa imprópria a contraposição tradicional, jurisdiçãovoluntária e contenciosa, porque entre as atividades jurisdicionais não se insere ajurisdição voluntária, que não é propriamente jurisdição.28 Couture ressalta que a denominada jurisdição voluntária não é jurisdição e nem voluntária, a uma, porque sua índole não é jurisdicional, e, a outra, porque, em muitos casos, a intervenção dos juízes é imposta pela lei, sob pena de sanções pecuniárias ou privação do fim esperado. Muitos atos estatais, doutrina Chiovenda, embora sejam atos de simples administração, exigem especiais garantias de autoridade nos órgãos que os praticam, pelo que é natural que o Estado se utilize, para corresponder a essas exigências, da mesma hierarquia judiciária comum; mas nem todos os atos de jurisdição voluntária são realizados pelos órgãos jurisdicionais, sendo, muitas vezes, atos de órgãos administrativos, que não estão disciplinados pelo Código de Processo Civil, mas são similares aos que a lei atribui, como jurisdição, aos juízes. Por conseguinte, para Chiovenda a jurisdição voluntária “ é uma forma especial de atividade do Estado, exercida, em parte pelos órgãos judiciários, em parte pelos órgãos administrativos, e pertencente função à administrativa, embora distinta da massa dos atos administrativos, por certos caracteres particulares”. A distinção entre a jurisdição contenciosa e a voluntária tem grande importância prática, porque apenas aquela produz coisa julgada, e não esta, podendo o ato voluntário ser revisto, a qualquer tempo, respeitados apenas os direitos adquiridos. Partindo da observação de que a chamadajurisdição voluntária não se insere nas atividades jurisdicionais propriamente ditas, porque não visam à resolução de “ conflitos de interesses”, tutelando, ao contrário, interesses não conflitantes, sustentam alguns doutrinadores que são de jurisdição voluntáriatoda e qualquer administração pública de interesses privados: tanto a exercida por órgãos judiciários como a exercida por outros órgãos da Administração Pública. Este é o pensamento de Chiovenda, que mereceu, no Brasil, o aval de Lopes da Costa. Outros autores procuram abrandar a extensão desse pensamento, sustentando ser de jurisdição voluntária tão somente os atos de administração pública de interesses privadosexercidos por órgãos do Poder Judiciário, sendo este o entendimento de Frederico Marques. Não se pode afirmar que a doutrina tenha chegado a resultados satisfatórios na pesquisa da índole das jurisdições

contenciosa e voluntária, pois os diversos critérios apresentados para distingui-las não lograram acobertar-se das críticas a respeito. São os seguintes os critérios mais prestigiados: I) Critério da contenciosidade da relação jurídica – Esta circunstância não é essencial à jurisdição, porque pode haver processosem controvérsia , como na hipótese de revelia do réu, como pode também haver processos em que o réu 29 reconheça a pretensão adversária. II) Critério da coação – Este critério é também insubsistente, pois a coação não é exclusiva da jurisdição contenciosa, havendo provimentos de jurisdição voluntária de caráter coativo, como acontece, por exemplo, com a nomeação de tutores. III) Critério da repressão e prevenção – A repressão como característica da jurisdição contenciosa, e prevenção da ,

como característica da jurisdição voluntária, também é inexato, porque existem formas processuais de tutela preventiva, e muitos atos de jurisdição voluntária carecem de fim preventivo. IV) Critério de constitutividade – Chiovenda, com apoio em Wach, sustenta que a diferença entre as jurisdições contenciosa e voluntária está noescopo constitutivo da jurisdição voluntária. Os atos de jurisdição voluntária tendem sempre à constituição de estados jurídicos novos ou cooperam no desenvolvimento de relações jurídicas existentes; enquanto a jurisdição contenciosa, ao contrário, visa apenas à atuação de relações existentes. A jurisdição contenciosa supõe um juízo sobre uma vontade de lei concernente às partes e substituição a da atividade das partes pela do órgão público, seja no afirmar a existência daquela vontade, seja no fazer tudo quanto for necessário, a que se consiga o bem garantido pela lei.30 Assim, a jurisdição civil supõe, numa das partes, a expectativa de um bem da vida em face de outra, seja essebem uma prestação, um efeito jurídico, uma declaração, um ato conservativo um ato executivo. Isso não acontece jurisdição em quejurídico não há duas partes ,denão há um bem garantidooucontra outrem , uma norma de lei a atuarna contra outremvoluntária, , mas um estado impossível nascer ou desenvolver-se sem a intervenção do Estado-juiz. Respondendo à crítica que Weismann opôs aos seus ensinamentos, de que também no campo da jurisdição contenciosa existem sentenças constitutivas, respondia Chiovenda que as sentenças constitutivas contêm a “atuação de um direito à constituição de um novo estado jurídico; direito que corresponde a um sujeito jurídico contra o outro”. Pelo contrário, na constituição ou desenvolvimento de estados jurídicos, na jurisdição voluntária, não se atua um direito correspondente aTício contra Caio . Para Chiovenda, o caráter da jurisdição voluntária não está na ausênciade contraditório, pois pode haver processo sem contraditório, mas a ausência de duas partes;31 se bem que a jurisdição contenciosa possa desenvolver-se também sem contraditório, mas haverá sempre duas partes. Na jurisdição voluntária, ao contrário, não há partes, há requerentes, 32 e, mesmo naqueles casos em que o juiz emite um provimento inaudita altera parte, emite sempre contra ou em face de alguém, a quem deve ser comunicado, para que possa impugná-lo ou para fins de que seja executada. voluntária não passa materialmente em julgado, nem o seu Outra diferença é que a sentença proferida na jurisdição objeto é uma lide, como na jurisdição contenciosa, mas um mero dissenso (divergência) de opinião. Em síntese: Jurisdiçãocontenciosa

Jurisdiçãovoluntária

• atividade jurisdicional (substitutiva)

• atividade administrativa (não substitutiva)

•escopodeatuaralei

•escopoconstitutivo

•existênciadepartes

•existênciadeinteressados

•produzcoisajulgada

•nãohácoisajulgada

•existeumalide

•existeumdissensodeopinião

Tes e r evis ionis ta do conceito de juris diç ão voluntári a Contrariando a doutrina tradicional, que afirma a natureza administrativa da jurisdição voluntária, negando haver nela atividade jurisdicional, opõe-se a tese revisionista, que afirma o seu caráter de verdadeira e própria jurisdição, permitindo a seus adeptos falar em processo contencioso e processo voluntário. Assim, são considerados jurisdicionais não somente os atos do processo contencioso, como também os atos do processo voluntário, afirmando-se que, na urisdição voluntária, se aplica direito privado, e, tanto quanto na contenciosa, tende à atuação do direito objetivo, na tutela de interesses privados; enfim, pela natureza e pelo objeto, oprocesso voluntário é jurisdicional.

No concernente à forma, apontam os revisionistas algumas diferenças entre as duas jurisdições, concordando, porém, com a doutrina tradicional em que não há litígio ou controvérsia no processo voluntário; se surgir conflito entre 33 os interesses privados, como, por exemplo, na nomeação de um tutor, transforma-se em contencioso. Afirmam também os revisionistas quenão há contraparte, na jurisdição voluntária, mas formulam uma indagação: quem promove a atuação da jurisdição voluntária não é parte? E respondem: considerando parte aquele que pede em seu próprio nome ou em cujo nome é pedida a atuação da lei, quem pede autorização para vender bens de menores, ou quem reclama tutela, é parte; o que não existe é contraparte. Não há demanda, no sentido de que não há um demandado direto; mas, sedemanda é o ato processual em que se manifesta a ação, e esta é o direito à jurisdição, entendem que dificilmente poder-se-ia explicar que não seja jurisdicional o processo voluntário, pois quem promove qualquer dos negócios voluntários o faz em procura da tutela e reconhecimento de seus próprios direitos, o mesmo que no processo contencioso. Aceitam os revisionistas que os requisitos exigidos na demanda contenciosa não são, em sua totalidade, exigíveis no processo voluntário. Em resumo, no processo voluntário não há contraparte, nem, em consequência, controvérsia, como no contencioso, mas essas diferenças formais carecem de valor suficiente para negar caráter jurisdicional ao processo voluntário. Assim, continua de pé o fundamento de que, tanto no processo contencioso quanto no voluntário, trata-se de tutela dos mesmos direitos; apenas num caso controvertido, e noutro, não. Para a corrente revisionista, a jurisdição voluntária é jurisdição, enquanto o adjetivovoluntária encontra plena coincidência entre a tese tradicional e a revisionista. Não é voluntária, no sentido de que o peticionante não vai a juízo espontaneamente, por sua vontade i(nter volentes) em oposição à jurisdição contenciosa inter ( nolentes). Em ambos os casos, é uma atividade necessária; mas, contudo, pode-se continuar a usar a expressãojurisdição voluntária por comodidade ou por costume. Couture salienta que a adoção da tese revisionista tornaria necessário revisar o conceito de ato jurisdicional, incluindo nele a jurisdição voluntária,34 e que esta tarefa, nas atuais circunstâncias, não resultaria em proveito da ciência processual. Para Schönke, as jurisdições contenciosa e voluntária são partes do mesmo ramo, e a delimitação da esfera de ambas é um problema de distribuição de competência.

Juri s diç ão e arbitragem A jurisdição é atividade estatal compositiva do litígio, mediante o processo, em que o Estado substitui por uma atividade sua a atividade das partes envolvidas no conflito. A arbitragem é também uma forma de se compor conflitos mediante um processo, só que a cargo de particulares, a quem o Estado outorga o poder de emitir sentença com a mesma eficácia das sentenças proferidas por seus próprios uízes. Neste sentido, é facultado às pessoas capazes de contratar se valerem dessa instituição para dirimir litígios relativos a direitos patrimoniais disponíveis. A arbitragem é disciplinada pela Lei n. 9.307/96, parcialmente alterada pela Lei n. 13.129/15, que atribui eficácia à 35 sentença arbitral, que, sendo condenatória, tem força de título executivo judicial (art. 31). Na verdade, a arbitragem permite que a resolução dos conflitos possa ser obtida numa outra vertente, também processual e jurisdicional, mas fora da esfera estatal. Na arbitragem existe o exercício de verdadeira jurisdição, só que exercida por órgãos-pessoas, aos quais o Estado reconhece uma parcela do seu poder, e cujas decisões ele chancela com o selo de sua autoridade, outorgando-lhes idêntica sentença arbitral as decisões eficácia à que confere às decisões de seus próprios juízes (órgãos-en-tes). Daí chamar-se finais de mérito proferidas pelos árbitros (Lei n. 9.307/96, art. 31, alterada em parte pela Lei n. 13.129/15). Há também na arbitragem, tanto quanto na jurisdição estatal, um processo que proporciona a formação de uma relação jurídica processual entre as partes litigantes, requerente (autor), requerido (réu) e tribunal arbitral (juiz). Portanto, ao lado de uma jurisdição estatal, viceja uma jurisdição privada, cujo produto final é a sentença de mérito, que em nada difere, quanto à sua extensão e eficácia, da sentença judicial, a não ser que a sentença judicial esteja

sujeita a recurso para o tribunal, o que não acontece com a sentença arbitral, sujeita apenas a ação de nulidade, pela inobservância de requisitos formais, e a embargos de declaração (Lei n. 9.307/96, art. 30). Espera-se que, através da arbitragem, os conflitos de interesses sejam resolvidos de forma mais ágil e eficaz, deixando para o Poder Judiciário apenas aqueles que, por envolvereminteresses intransigíveis, não possam ser entregue à decisão de árbitros. O § 1º do art. 3º do novo CPC consagra regra inédita, dispondo queé permitida a arbitragem, na forma da lei , passando a impressão de que na arbitragem não haveria exercício de jurisdição, quando, atualmente, não há mais dúvida sobre o caráter jurisdicional da arbitragem, jurisdição privada, mas impregnada de interesse público, tendo a sentença proferida pelo árbitro ou tribunal arbitral, em tudo e por tudo, eficácia equivalente à sentença proferida pelo juiz togado (Lei n. 9.307/96: art. 31). Nos termos do art. 31 da Lei de Arbitragem: “ A sentença arbitral produz, entre as partes e seus sucessores, os mesmos efeitos da sentença proferida pelos órgãos do Poder Judiciário e, sendo condenatória, constitui título executivo”, garantindo o novo CPC o seu cumprimento compulsório (art. 515, VII), considerando-a,explicitamente, um título executivo judicial. Embora a arbitragem nada tenha a ver com o Código de Processo Civil, por estar disciplinada por lei especial (Lei n. 9.307/96, alterada pela Lei n. 13.129/15), a referência valeu pelo prestígio reconhecido ao instituto, que, pela forma abrupta como adentrou no ordenamento jurídico nacional, não granjeou a simpatia dos juízes estatais, e pela forma atabalhoada como foi aplicada por muitos operadores do direito, não conseguiu, ainda, conquistar a confiança dos urisdicionados; apesar das vantagens que oferece sobre a jurisdição estatal, mormente pelo fato de poder as partes escolher os árbitros, além da garantia de tê-la julgada num prazo máximo de até seis meses. Entre o árbitro ou tribunal arbitral deve imperar o princípioda colaboração, porque somente os juízes togados dispõem do ius imperii (direito de império), necessário para adentrar no patrimônio e na esfera da liberdade das pessoas (físicas e jurídicas) e entes formais, para tornar efetivas as decisões interlocutórias e sentenças arbitrais, pelo que sem essa colaboração a jurisdição arbitral não se desenvolveria por ausência do poder de coerção.

Res olução consens ual dos confli tos A norma inédita do art. 3º, § 2º, permite sejam os litígios resolvidos por autocomposição das partes, o que se obtém através da conciliação e da mediação, que são formas alternativas de resolução dos conflitos de interesses, muito prestigiadas nos sistemas jurídicos estrangeiros. Assim, dispõe o § 2º do art. 3º do novo CPC que: “ O Estado promoverá, sempre que possível, a solução consensual dos conflitos”, o que não infirma o princípio dainafastabilidade da jurisdição, porquanto o verbo “ promover” significa, tão somente, adotar as medidas necessárias para que o conflito de interesses seja resolvido pelas próprias partes, abortando a lide, que é o grande problema com que se defronta atualmente o Poder Judiciário. Nos termos do § 3º do art. 3º do CPC: “ A conciliação, a mediação e outros métodos de solução consensual de conflitos deverão ser estimulados por juízes, advogados, defensores públicos e membros do Ministério Público, inclusive no curso do processo judicial.” A conciliação é um instituto que participa do funcionamento da justiça, remontando à antiga Lei n. 968/49, que estabeleceu uma fase preliminar de conciliação ou acordo, nas causas de desquite litigioso ou de alimentos, inclusive os provisórios, cujo art. 1º dispunha que, nessas causas, o juiz, antes de despachar a petição inicial, logo que esta lhe fosse apresentada, promoveria todos os meios para que as partes se reconciliassem ou transigissem, nos casos e forma em que a lei permite a transação. A norma do art. 3º, § 3º, deixa claro que a conciliação e a mediação podem ocorrer estando em curso o processo, sendo esta, provavelmente, a forma que virá a ser preferida, mesmo porque o modelo que se tomou foi o dos juizados especiais. Os conciliadores e os mediadores judiciais foram inseridos no elenco dos “Auxiliares da Justiça”, estando a sua atividade disciplinada pelos arts. 165 a 175 do novo CPC.

Já foi promulgada a Lei n. 13.140, de 26 de junho de 2015, em pleno vigor, dispondo sobre a mediação entre particulares como meio de solução de controvérsias e sobre a autocomposição de conflitos no âmbito da Administração Pública.

Bibliografia CALAMANDREI, Piero. Instituciones de derecho procesal. Buenos Aires: EJEA, 1973. CALMON DE PASSOS, J. J. Mandado de segurança coletivo, mandado de injunção e “habeas data” – constituição e processo. Rio de Janeiro: Forense, 1989. CAPPELLETTI, Mauro; e GARTH, Bryant. Acesso à justiça. Porto Alegre: Sergio Fabris Editor, 1988. CARNELUTTI, Francesco. Instituciones del proceso civil. Buenos Aires: EJEA, 1973. v. I. ______. Sistema de diritto processuale civile. Padova: Cedam, 1936. v. I. CARREIRA ALVIM, J. E. Direito arbitral. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2004. CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1962. v. I. ______. Princípios de derecho procesal civil . Madrid: REUS S.A., 1977. v. I. CINTRA, Antônio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini; e DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria geral do processo. 6. ed. São Paulo: RT, 1988. COSTA CARVALHO, Luiz Antônio.Curso theorico e pratico de direito judiciário civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. A. Coelho Branco Filho, 1973. COUTURE, Eduardo J. Fundamentos del derecho procesal civil . Buenos Aires: Depalma, 1988. D’ALESSIO, Francesco. Istituzioni di diritto amministrativo italiano. Torino: UTET, 1932. FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves.Curso de direito constitucional . 14. ed. São Paulo: Saraiva, 2004. FROCHAM, Manuel Ibañez. La jurisdicción . Buenos Aires: Depalma, 1972. JARDIM, Afrânio Silva. Revista de direito penal , n. 30. ______. Direito p rocessual penal . 4. ed., Rio de Janeiro: Forense, 1991. LOPES DA COSTA, Alfredo de Araújo. Manual elementar de direito processual civil. Rio de Janeiro: Forense, 1956. ______. A administração pública e a ordem jurídica privada (jurisdição voluntária). Belo Horizonte: Bernardo Álvares, 1961. MALTA, Cristóvão Piragibe Tostes. Da competência no processo trabalhista. Rio de Janeiro: Forense, 1960. MANZINI, Vicenzo.Istituzioni di diritto processuale penale. Padova: Cedam, 1967. MARQUES, José Frederico. Elementos de direito processual penal. Rio de Janeiro: Forense, 1960. v. I. MEIRELLES, Hely Lopes. Direito admin istrativo brasileiro. 4. ed. São Paulo: Malheiros, 2002. OLIVEIRA FILHO. Cândido de.Curso de prática do processo. Rio de Janeiro: Ed. Cândido de Oliveira Filho, 1938. RAMALHO, Barão de. Praxe brasileira. Lisboa: J. Ribeiro dos Santos, 1904. RICCI, Francisco. Commento al codice di procedura civile. 7. ed. Firenze: Casa Editrice Libraria, 1895. 3º v. ROCCO, Alfredo. La sentenza civile. Milano: Giuffrè, 1962. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. São Paulo: Saraiva, 2009. v. I. SAREDO, Giuseppe. Istituzioni di procedura civile. Editora Giuseppe Pellas, 1887.

SCHÖNKE, Adolf. Derecho procesal civil. Barcelona: Bosch, 1950. TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo penal. São Paulo: Saraiva, 2001. v. II.

1

A arbitragem é c onstitucional, tem natureza j urisdicional, e é regulada pe la Lei n. 9.307/96, alterada pela n. Le i n. 13.129/15.

2

O juiz não procede de ofício.

3

Digo, em princípio, porque a arbitragem não afasta definitivamente a jurisdição, podendo a sentença arbitral ser Judiciário, nos casos do a rt. 32 da Lei n. 9.307/96, alterada pela Le i n. 13.129.

4

Acrescenta Chiovenda que, às vezes, a Administração julga sobre a própria atividade, mas em vista de uma atividade alheia, e vice-versa, quando o juiz pronuncia acerca da atividade alheia, julga, ao mesmo tempo, acerca do que deve fazer, julga se tem a obrigação de prover

anulada pelo órgão do Poder

sobre a demanda (por exemplo, se é competente), e julga o que deve fazer para substituir a atividade alheia, corrigi-la ou repará-la. Mas, na Administraç ão, predom ina o juízo sobre a pr ópria atividade, e nquanto, na j urisdição, predom ina o juízo sobre a atividade a lheia (Chiovenda). 5

A jurisdição de cognição é o mesmo que jurisdição de conhecimento.

6

Era esse o e ntendimento de Adolf Merk l.

7

A forma corresponde aos elementos externos da lide.

8

Cumpre observar, porém, que o ordenamento jurídico brasileiro agasalha procedimentos civis ex officio (falência) e, no processo trabalhista, a e xecução da sentença pode ter iní cio tam bém ex officio. Em ambos os casos, há verdadeiro exercício de função jurisdicional. No âmbito processual penal, o habeas corpus pode também ser concedido de ofício.

9

Atualmente, a sentença não é mais objeto de execução, como no passado, mas de simples cumprimento, no próprio processo em que for proferida; salvo a sentença profe rida c ontra a Fazenda Púbica, que ainda se sujeita à execuç ão, atravé s da ação e proce sso exec utório.

10 A jurisdição sem o poder de coerção é nula. 11 Art. 328. Usurpar o exercício de função pública: Pena – detenção, de três meses a dois anos, e multa. 12 Art. 60. Se o imóvel se achar situado em mais de um Estado, comarca, seção ou subseção judiciária, a competência territorial do juízo prevento estende r-se-á sobre a totalidade do imóve l. 13 Art. 255. Nas comarcas contíguas, de fácil comunicação, e nas que se situem na mesma região metropolitana, o oficial de justiça poderá efe tuar, em qualquer delas, citações, int ima ções, notificaç ões, penhoras e quaisquer outros atos exec utivos. 14 Art. 74. A competência pela natureza da infração será regulada pelas leis de organização judiciária, salvo a competência privativa do Tribunal do Júri. § 2º Se, iniciado o processo perante um juiz, houver desclassificação para infração da competência de outro, a este será remetido o processo, salvo se m ais graduada for a jurisdição do prime iro, que, e m tal caso, terá sua competência prorrogada. 15 Art. 427. Se o interesse da ordem pública o reclamar ou houver dúvida sobre a imparcialidade do júri ou a segurança pessoal do acusado, o Tribunal, a requerimento do Ministério Público, do assistente, do querelante ou do acusado ou mediante representação do juiz competente, poderá deter minar o desaforamento do julgam ento pa ra outra com arca da mesm a região, onde não existam aqueles m otivos, preferindo-se as mais próximas. (...) 16 Este princípio tem assento constitucional, dispondo o ar t. 5º, XXXV, da Constituiçã o que “ a lei não exc luirá da a prec iação do Poder Judiciário lesão ou am eaç a a direito”. 17 CPC: Art. 140. O juiz não se exim e de decidir sob alegação de lacuna ou obscuridade do ordenam ento jurídico. (...) 18 O Superior Tribunal de Justiça já decidiu que a Constituição, diferentemente do que faz com os juízes,

não garante o princípio do promotor

natural. Ao contrário, consagra (a Constituição) no § 1º do art. 127 os princípios da “unidade” e da “individualidade” do Ministério Público, dando maior mobilidade à instituição, permitindo avocação e substituição do órgão acusador, tudo evidentemente nos termos da lei orgânica ( Habeas Corpus n. 2.088-0/RJ). 19 A referência à “parte” era alusiva ao procedimento contencioso e ao “interessado”, alusiva ao procedimento voluntário. 20 O j uízo não proce de de of ício. 21 Não há j uiz sem autor. 22 Não há pena sem processo. 23 A transação, no processo dos Juizados Especiais Criminais estaduais e federais, é possível, nos termos das Leis n. 9.099/95 e n. 10.259/01. 24 No Bra sil, é Le i de Introdução às Norm as do Dire ito Brasileiro, que é a mesm a Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro (De creto-Le i n. 4.657/42), com a ementa modificada pela Lei n. 12.376/10.

A jurisdição é função unitária, porque a potestade (poder) que lhe é inerente e a atividade que requer são essencialmente idênticas em todos 25 os casos. Mas ela pode ser especificada em atenção aos interesses envolvidos no processo e à modalidade segundo a qual a garantia processual se desenvolve. Têm -se, pois, nã o propriam ente uma jurisdição penal e uma jurisdição civil, m as uma competência penal e uma competência civil (Manzini). 26 “Entre os que não querem.” 27 “Entre os que querem .” 28 A tese re visionista do c onceito de j urisdiçã o vem sustentando o cará ter j urisdicional da j urisdição voluntária. 29 “A total ausência de c ontrovérsia sobre a qual deva pronunciar-se o j uiz, dando razão a um ou outro dos contendores, é a condição principal e essencialíssima para que a jurisdição voluntária possa ser exercida” (Ricci). 30 Para Couture, contudo, por oposição à sentença jurisdicional, cujo conteúdo pode ser declaratório, constitutivo, condenatório ou cautelar, as decisões que se proferem na j urisdição volu ntária são sem pre de me ra declaração . Não c ondenam nem constituem novos direit os. 31 “Tampouco há controvérsia na jurisdição voluntária. Se esta aparece, se à pretensão do peticionante se opuser alguém que se considere lesado ela, o ato j udicial não j urisdicional se transform a e m contenc ioso, e, portanto, em jurisdicional” (Couture). 32 por O ato judicial não jurisdicional não tem partes; faltando-lhe, pois, o primeiro elemento formal da jurisdição; nele o peticionante ou pretendente não pede nada contra ninguém, f altando-lhe, pois, o adve rsár io; ele não é parte no sentido técnico, porque não é contra parte de ninguém (Couture). Ricci entende que, se surgir contestação na jurisdição voluntária, a questão deixa de pertencer à sede honorária e deve deferir-se à sede contenci osa. 33 Embora sem ser um revisionista, também Couture – adepto da concepção tradicional – afirma que, se surgir controvérsia, o ato não jurisdicional transform a-se em contenc ioso. 34 Anota Afrânio Jardim que Sérgio Demoro Hamilton vislumbra a existência de jurisdição voluntária nos procedimentos regulados nos arts. 33 e 53 do Código de P roce sso Penal; sendo est e tam bém o seu próprio entendi mento. 35 Art. 31. A sentença arbitral produz, entre as partes e seus sucessores, os mesmos efeitos da sentença proferida pelos órgãos do Poder Judiciário e, sendo condenatória, constitui título executivo.

5 COMPETÊNCIA Competência: conceito e relações com a jurisdição. Delimitação da jurisdição no espaço. Limites da jurisdição nacional: competência interna e competência internacional. Competência interna: distribuição da jurisdição. Critérios de determinação da competência. Prorrogação de competência: conexão e prev enção. Perpetuação da jurisdição.

Competência: conceito e relações com a jurisdição A competência mantém o mais estreito relacionamento com a jurisdição, pois é a distribuição da jurisdição entre os diversos órgãos do Poder Judiciário que dá vida àteoria da competência. A jurisdição é a um só tempo poder do Estado, expressão da soberania nacional, efunção, que corresponde especificamente, embora não exclusivamente,1 aos órgãos jurisdicionais estatais.2 A competência mantém o mais estreito relacionamento com a jurisdição, mesmo porque ela nada mais é do que “a 4 com “a quantidade de medida da jurisdição”;3 e tanto assim é que autorizada doutrina faz coincidir a competência 5 urisdição assinalada pela lei ao exercício de cada órgão jurisdicional” (Liebman). Nem todo órgão jurisdicional que tenha jurisdição é, também, competente para julgar todas as causas; embora a recíproca seja verdadeira, pois todo órgão jurisdicional competente tem,ipso factu (por isso mesmo), jurisdição. A restrição ao exercício da jurisdição provém da lei, que traça os limites dentro dos quais ela pode ser exercida; pelo que, se a lei não restringe a jurisdição de um juiz, ele pode julgar tudo; mas se a lei lhe atribui poderes para julgar apenas determinadas controvérsias,a jurisdição fica demarcada pela competência. Para cada possível causa (ou demanda), registra Liebman, existe, pelo menos, um juizrectius ( , juízo) competente, corolário da aplicação do princípio dojuiz natural ; e, se existir mais de um, ter-se-á uma competência “concorrente”. Cada juízo, singular ou colegiado, somente pode julgar aquelas causas que, segundo a lei, estão compreendidas no âmbito dos poderes jurisdicionais; pois, fora desses limites, é incompetente. Sendo a “competência” um dos pressupostos processuais de validade do processo, deve o juiz examinar, de ofício, se é ou não competente para a causa; pelo que, num primeiro momento, julga sobre a própria competência; decisão que, no entanto, não vincula outros juízos e tribunais. O poder jurisdicional é amplo e abstrato, e dele estão investidos todos os órgãos jurisdicionais, mas cada um tem a sua jurisdição delimitada pelacompetência. A doutrina e a lei processual não têm feito a devida distinção entre “juízo” e “ juiz”, falando amiúde em juiz competente, quando, na verdade, se trata de juízo (ou vara) competente, que é o órgão judicial dentro do qual se posiciona o juiz , pessoa física, no exercício da jurisdição. Portanto, se ojuízo for competente, essa competência se 6 ou estende ao juiz ; embora possa não ter este condições de processar e julgar a causa, se for impedido (art. 144) suspeito (art. 145). 7

Limites da juris diç ão naci onal. Deli mitação da juris diç ão no es paço: competênci a interna e competência i nternacional

A jurisdição do Estado nacional vai até onde vai a sua soberania, surgindo daí um primeiro problema, que é delimitar a jurisdição em relação ao território, objetivando evitar que a jurisdição nacional entre em choque com a de outros países, também soberanos, criando conflitos intoleráveis na ordem jurídica internacional, com possíveis danos à segurança externa. Nenhum critério científico existe a nortear o legislador nesse particular, guiando-se ele mais por motivos de ordem prática ou política do que qualquer outra coisa. A impossibilidade de o Estado tornar efetivas as suas decisões no estrangeiro aconselha a limitação espacial, pois, segundo Celso Barbi, não seria do seu interesse ocupar os seus juízes com questões que não se liguem ao seu ordenamento jurídico por qualquer circunstância, como o domicílio das partes, a localização do objeto da demanda no seu território, a ocorrência neste dos fatos que srcinam a demandaetc. Para Amilcar de Castro, é a aplicação doprincípio da efetividade que significa ser o juiz incompetente para proferir sentença quando não tenha condições de fazê-la cumprir. Se a jurisdição pode ser, em tese, concebida ilimitadamente, desconhecendo qualquer fronteira, motivos de ordem prática e razões de natureza política aconselham ao Estado a agir de forma a não conturbar a jurisdição de outros países, mesmo porque qualquer medida que a comprometesse seria inoperante. Cuida, assim, cada Estado soberano, numa primeira operação, de traçar a linha limítrofe ao exercício da jurisdição dos seus juízes, além da qual ela não se exercita em hipótese alguma, determinando a competência internacional (ou externa). Nessa hipótese, fala-se também emcompetência de jurisdição da justiça nacional. O novo Código de Processo Civil dedica o Título II do Livro II aos Limites da Jurisdição Nacional e da Cooperação Internacional, disciplinando no Capítulo I a jurisdição nacional, em que regula, nos arts. 21 8 e 22,9 a competência concorrente, e, no art. 23, 10 a competência exclusiva do juiz nacional, tratando da Cooperação Internacional nos arts. 2611 e 27.12 Na cooperação internacional, regula também o novo Código o Auxílio Direto (arts. 28 a 34) e a Carta Rogatória (art. 36).

Competência interna: distribuição da jurisdição. Critérios de determinação da competência Estabelecida, numa primeira operação, a competência internacional (ou externa), a multiplicidade de órgãos urisdicionais, atuando no território do Estado soberano, determina que, numa segunda operação, se reparta entre eles o exercício da jurisdição, quando se fala, então, emcompetência interna. A doutrina aponta diversos critérios para a determinação dessa competência, não havendo, contudo, uniformidade no que tange à fixação dessas diretrizes. Pode-se afirmar que, grosso modo, as diversas teorias assentam as suas bases em cinco elementos, a saber: a) valor 13 da causa; b) matéria; c) pessoas; d) território; e) função. a) Valor da causa – quando a competência se determina com base novalor econômico da relação jurídica ou objeto da demanda.

b) Matéria – quando é a natureza da relação jurídica que serve de base para determinar a competência. c) Pessoas – quando se determina a competência em razão da condição ou qualidade das partesem lide. d) Território – quando a competência é determinada com base no lugar onde se encontram as partes ou o objeto da relação jurídica que constitui objeto do processo. e) Função – quando a competência atende à natureza da função que o órgão jurisdicional é chamado a exercer em relação a uma determinada demanda. Com as variantes próprias de cada sistema, estes elementos constituem o fundamento de todos os critérios determinantes da competência. Carnelutti14 concebeu um sistema, segundo o qual a jurisdição é repartida entre os diversos órgãos jurisdicionais em consideração à função a ser desenvolvida pelos juízes (competência funcional ou hierárquica) e à matéria sobre a qual

a função deve atuar (competência material); traçando, de um lado, a competência externa, atendendo às relações entre os órgãos jurisdicionais, conforme a qual se fixa ojuízo competente, e delimita a competênciainterna, considerando os problemas internos dos juízes, pela qual se fixa o juiz (rectius, juízo) competente. Critica Carnelutti a teoria sobre competência adotada pelo Código italiano, cujas normas se referem ao que ele chama de competência externa, quando existe também uma competência interna, que é relativa à distribuição dos assuntos no âmbito interno de cada órgão. As disposições codificadas são impropriamente agrupadas em torno de critérios heterogêneos, como os da matéria e os do território, enquanto, mais corretamente, dever-se-ia falar de competência hierárquica, isto é, da distribuição dos assuntos segundo o grau dos órgãos judiciários; além de considerar também impróprio falar-se de competência “por matéria”, que indicaria, em matéria penal, o crime imputado, enquanto tal critério não é exclusivo, coexistindo com o da pena cominada. Este é o critério preferido por Frederico Marques, mas que não granjeou a simpatia da doutrina nacional, em vista 15 de ter o Código de Processo Civil brasileiro optado pelos critérios de Chiovenda. Para Chiovenda, compreendem-se no estudo da competência os critérios pelos quais é determinada, pelo que, ao influxo das afinidades entre os vários critérios e sua diversa importância, agrupou-os desta forma: I – critério objetivo; II – critério territorial; e – III – critério funcional. I – Pelo critério objetivo, a competência é determinada pelovalor da causa ou pela natureza da causa;16 tendo-se, no primeiro caso, a competênciapelo valor, e, no segundo, a competênciapela matéria. No direito processual brasileiro, essa competência é determinada também pela qualidade das pessoas, o que não acontece no direito italiano. II – Pelo critério territorial, a competência se relaciona com o território onde o órgão judicial exerce a sua atividade, pelo fato de residir o réu em determinado lugarforum ( domicilii ),17 ou de haver-se contraído a obrigação em 18 certo lugar (forum contractus), ou de achar-se em dado lugar o objeto da lide forum ( rei sitae).19 III – Pelo critério funcional, a competência é determinada pela natureza e exigências especiais das funções que o uiz é chamado a exercer num determinado processo; podendo repartir-se pelos diversos órgãos na mesma causa, entre uízes de cognição e juízes de execução, entre juízes de primeiro grau e juízes de segundo grau; ou, então, atribuir a funcional concorre com o causa ao juiz de determinado território, abrindo lugar a uma competência em que o elemento territorial . Foram esses critérios os adotados pelo Código de Processo Civil brasileiro, com as adaptações necessárias ao sistema nacional.20 I – A competência emrazão do valor se assenta, em princípio, no fato de toda causa ter um valor, que o valor do objeto em lide, ou o valor do bem estimado em dinheiro, tendo o Código assegurado o seu julgamento por determinados juízos. O valor da causa não é fixado arbitrariamente pelo autor, resultando de critérios estabelecidos pelo Código (CPC, art. 292).21 No campo da teoria geral da competência, não se pode entender por “valor da causa” apenas o valor do bem estimado em dinheiro, pois excluiria esse elemento de fixação da competência, do campo processual penal, em que a competência pelo valor. é fixada também pela quantidade da pena aplicada em tese ao crime, devendo enxergar-se aí a competência Nem todas as causas, porém, estão sujeitas a uma valoração pecuniária , como, por exemplo, as concernentes ao estado e à capacidade das pessoas (anulação de casamento, separação judicial e alteração de registro civil etc.). Para o Código, juiz de direito é aquele que goza das garantias devitaliciedade, inamovibilidade e irredutibilidade de vencimentos, com o que fica excluído o juiz ainda nãovitaliciado, como tal considerado aquele que ainda não 22 e o que não tenha ainda transpôs o período de dois anos no exercício do cargo, assim reconhecido pelo tribunal, 23 adquirido a inamovibilidade, como o juiz substituto e o auxiliar. Chiovenda se refere, também, às causas de valor “indeterminável” ou “inestimável”, que, não encerrando conteúdo 24 cumprindo, no econômico imediato, impossíveis de serem por si avaliadas, como relativas ao estado das pessoas;

entanto, ao autor estimar-lhes um valor, que pode ser impugnado pelo réu, decidindo o juiz a questão. A competência em razão da matéria é determinada pela natureza da causa ou da relação jurídica material controvertida que se apresenta ao juízo para ser decidida. Algumas causas, em vista da natureza da relação jurídica material em lide, são atribuídas exclusivamente a determinados juízos, independentemente do seu valor. O que justifica esta distribuição da competência é o interesse público, em que o legislador pretende conceder uma proteção mais eficaz ao indivíduo ou aos interesses sociais, subtraindo estas controvérsias da cognição de alguns juízes, chamando determinados juízes a decidi-las. No âmbito da Justiça comum estadual, por exemplo, as causas cíveis são da competência dos juízes das varas cíveis, mas, se versar sobre questão de família, passa a ser da competência da vara de família; as causas penais tocam aos uízes das varas criminais; e assim por diante. A competência razão da matéria é distribuída jurisdicionais estaduais e federais de primeiro e de segundo graus, pelasemConstituições federal e estadual,aos leisórgãos federais de processo, especialmente o ,Código de Processo Civil e pelas leis de organização judiciária estadual e federal; a competência do Supremo Tribunal Federal e dos tribunais superiores é determinada pela Constituição. Nas comarcas com vara única, toda a competência é atribuída ao juiz de direito, mesmo porque é também único; salvo se for da competência da justiça federal, trabalhista, eleitoral ou militar. A qualidade das pessoas não tem relevância na distribuição da competência, no sistema italiano, abolidas que foram as jurisdições privilegiadas, mas interfere no sistema brasileiro, em que algumas pessoas jurídicas (União, autarquias, fundações públicas e empresas públicas), por motivo de interesse público, gozam do privilégio de foro e de uízo, quando se fala, então, em competência emrazão das pessoas. A competência pela qualidade das pessoas não encontra obstáculo na Constituição Federal, que consagra esse critério para determinar a competência dos juízes federais rectius ( , juízos federais), caso em que se leva em consideração para fixá-la o “ fator subjetivo” (qualidade da autora, ré ou interveniente). A Constituição distribui a competência em consideração àqualidade das pessoas, quando estão em lide pessoas urídicas de direito público, nacionais ou estrangeiras, autoridades do Estadoetc. A Justiça do Trabalho é competente para processar e julgar os litígios trabalhistas, bem assim os decorrentes do contrato de empreitada, em que o empreiteiro seja operário e artífice (CLT, art. 652),25 embora o contrato de empreitada não se confunda com o contrato de trabalho; caso em que se leva em consideração a condiçãopequeno de empreiteiro do reclamante. Na esfera penal, interfere na competência a prerrogativa de função, que nada tem a ver com a competência funcional, aproximando-se da competência pelaqualidade da pessoa. 26 não sugere “ foro privilegiado”, Ao contrário do que se poderia supor, a prerrogativa de função (CPP, art. 84) porque o privilégio se refere à pessoa e não à prerrogativa, que leva em conta a dignidade da função, a altura do cargo e a eminência da posição de quem o ocupa; pelo que, se perde a função, cessa a competência pela prerrogativa de função. A Constituição distribui a competência entre os diversos órgãos do Poder Judiciário, tendo em vista a prerrogativa da função, atribuindo-a ao Supremo Tribunal Federal e aos tribunais superiores; e as Constituições estaduais atribuindoas ao Tribunal de Justiça. II – A competência territorial, também chamada competência de foro, atende à necessidade de se determinar a competência, quando vários juízos, competentes em razão da matéria, do valor ou das pessoas, exercem funções urisdicionais nas comarcas, seções judiciárias ou circunscrições judiciárias. Através dela se distribuem as causas entre os uízos, tornando mais cômoda a defesa das partes e em especial a do réu, e dispõe, para particulares espécies de controvérsias, que o processo se desenvolva num juízo que, pela sua sede, possa exercitar as suas funções de maneira mais eficiente. A competência por território , escreve Manzini, na esfera penal, é o “ poder-dever de um juiz, competente em razão da matéria, de conhecer e julgar um determinado crime, por motivo de nexo entre lougar do crime ou do réu e o lugar em que o juiz exercita a jurisdição”.

O foro é o lugar onde a demanda deve ser proposta, ou a verdadeira sede da lide; não se confundindo comfórum, que é o lugar onde se tratam as questões judiciais, nem com juízo, que é uma unidade do Poder Judiciário que se coloca dentro do foro. A lei cuida de estabelecer o foro onde as causas devem ser propostas, em consideração a determinados elementos, que variam conforme se trate de jurisdição civil, penal ou trabalhista. Ao lado do foro geral, estabelece a lei os forossupletivos do geral e também os forosespeciais. O foro geral é aquele onde uma pessoa deve ser ré, em juízo, em qualquer causa, salvo quando seja expressamente deferida a outro foro. No processo civil, a competência territorial geral é determinada pelo domicílio do réu nas ações pessoais e reais sobre bens móveis (CPC, art. 46, caput),27 sendo o domicílio da pessoa natural o lugar onde ela estabelece a sua residência com ânimo definitivo (Código Civil, art. 70) e o da pessoa jurídica privada o lugar da sua administração (Código Civil, art. 75, IV). Cuida também a lei de estabelecer os forossupletivos do geral, atendendo à circunstância de uma pessoa ter mais de um domicílio, ou de não ter nenhum, ou de ser incerto ou desconhecido o seu domicílio, ou de não ter domicílio no território nacional. Se a pessoa natural tiver diversas residências onde, alternadamente, viva, considera-se domicílio seu qualquer 29 se não tiver residência delas;28 quanto às relações concernentes à profissão, o domicílio é o lugar onde esta é exercida; 30 habitual, tem-se por domicílio o lugar onde é encontrada. 31 Se for ré pessoa jurídica que tiver diversos estabelecimentos em lugares diferentes, será domicílio qualquer deles; se a administração ou diretoria tiver a sede no estrangeiro, será domicílio a agência ou estabelecimento, no Brasil, quanto às obrigações por eles contraídas.32 Ao lado do foro geral e dos supletivos do geral, consagra a lei, ainda, oforo especial, ou seja, aquele em que o réu deve ser chamado a responder somente em determinadas causas, atribuídas ao juízo desse foro. No processo civil,c) aem competência especial dedeterminante foro se estabelece: a) em razão da situação da coisa;b) em razão da condição das pessoas; razão do ato ou fato da demanda. O critério da situação da coisa (forum rei sitae) atende à conveniência de ser a ação proposta no foro onde a coisa está, porque as provas, em regra, aí se encontram, podendo haver necessidade de inspeção judicial pelo juiz, que é excelente meio de apuração dos fatos por quem vai julgar a causa. Nos termos do art. 47,caput, do CPC, para as ações fundadas em direito real sobre imóveis, é competente o foro de situação da coisa; podendo o autor optar pelo foro de domicílio do réu ou pelo foro de eleição se o litígio não recair sobre direito de propriedade, vizinhança, servidão, divisão e demarcação de terras e de nunciação de obra nova (art. 47, § 1º); mas a ação possessória imobiliária será proposta no foro de situação da coisa, cujo juízo tem competência absoluta (art. 47, § 2º). O critério da condição das pessoas vem atender às condições especiais em que se encontram determinadas pessoas, como os incapazes (art. 50), o alimentando (art. 53, II), o idoso (art. 53, III, “e”) etc. O critério do lugar do ato ou fato determina o foro onde ocorreu um ou outro para a ação de reparação de dano; e em que for réu administrador ou gestor de negócios alheios (art.53, IV, “ a” e “b”); e, ainda, de local do fato, para a ação de reparação de dano sofrido em razão de delito ou acidente de veículos, inclusive aeronave (art. 53, etc.V)

Na esfera trabalhista, a competência territorial geral é determinada pela localidade onde o empregado presta serviço 33 independentemente do fato de ser o ao empregador, ainda que tenha sido contratado noutro local ou no estrangeiro, 34 empregado reclamante ou reclamado. Na esfera penal, a competência territorial geral é ditada pelo local da infração, porque aí se tem maior interesse na persecução do crime, que será mais eficaz, e haverá também maior facilidade na produção da prova. Quando é desconhecido o lugar da infração, determina-se a competência tomando-se como critério subsidiário o

“ domicílio ou residência do réu”. No caso de ação penal privada, o querelante poderá preferir o foro do domicílio ou residência do réu, ainda quando 35 salvo as hipóteses de ação subsidiariamente entregue ao Ministério Público, quando conhecido o lugar da infração, prevalece a regra geral. III – A competência funcional, nas esferas civil e trabalhista , tem relevância no plano vertical, relativamente aos recursos, em que o juízo de primeiro grau julga e o tribunalrejulga, e nas causas de competência srcinária dos tribunais (mandado de segurança, ação rescisória etc.), em que a competência para processar a causa é do relator e a competência para julgar é do órgão colegiado (turma, câmara, plenário etc.). Nas causas civis e trabalhistas, o juízo da ação é o juízo da execução, não tendo lugar a repartição de competência funcional. Na esfera penal, contudo, a competência funcional é adotada na inferior instância, quando haja juízos de cognição e uízos de execução, competindo a uns o julgamento da causa penal e a outros aexecução da sentença.

Prorrogação de competência: conexão e prevenção A distribuição da jurisdição entre os diversos órgãos do Poder Judiciário atende, às vezes, ao interesse público e, às vezes, ao interesse ou comodidade das partes. Em atenção ao interesse público, determina-se a competência pelos critériosobjetivo e funcional; e, atendendo ao interesse ou comodidade das partes, determina-se a competênciaterritorial . Quando a competência se determina em vista do interesse público, a lei não admite a sua modificação, pelo que ela é improrrogável, tratando-se, portanto, de competência absoluta. Quando a competência tem em vista o interesse de uma das partes (autor ou réu), ela pode ser modificada, tratandose, portanto, de competência relativa. No processo penal, esta distinção, entre competência absoluta e relativa, não apresenta maior importância, porque, 36 seja absoluta ou relativa, deve o juiz, de ofício, declarar-se incompetente. Nos processos civil e trabalhista, a distinção é relevante, pois, quando se trata de competência absoluta, deve o juiz declarar-seincompetente de ofício, remetendo os autos do processo ao juiz competente; não, porém, quando se trata de competência relativa, que deve ser alegada pela parte, sob pena de prorrogação. Fala-se em prorrogação de competência para designar o fenômeno pelo qual o juiz tem ampliada a sua competência, para atuar num processo para o qual, em princípio, seria incompetente. A competência que pode ser ampliada é tão somente a competência foro de ou territorial , prorrogação esta que pode ocorrer por determinação da lei ou por vontade das partes. No primeiro caso, denomina-se prorrogação legal, em que o Código, por motivos de ordem pública, dispõe sobre a modificação; no segundo, diz-seprorrogação voluntária, ligada ao poder dispositivo das partes, que pode serexpressa ou tácita. A prorrogação legal ocorre nos casos decontinência ou conexão, cujo objetivo é evitar sentenças contraditórias e também por questão de economia processual. A doutrina mais difundida sobre a conexão (de causas) se deve a Pescatore, segundo o qual as coisas, nas suas relações lógicas, são idênticas, diversas ou análogas, conforme sejam os seus elementos constitutivos. Duas coisas são idênticas quando todos os seus elementos são os mesmos; diversas quando todos os seus elementos são diferentes; e análogas quando algum ou alguns dos seus elementos são idênticos, e outro ou outros são diversos. Aplicados esses ensinamentos às ações, conclui-se que duasações são idênticas quando seus elementos são os mesmos; diversas, quando os seus elementos são diferentes; e análogas, quando um ou mais de um de seus elementos são idênticos e outro ou outros são diversos. A ação compõe-se de três elementos, a saber: partes (quem pede e contra quem se pede), pedido (o que se pede), e

causa de pedir (por que se pede). Se duas ações tiverem idênticos dois desses elementos, as partes e o pedido, ou as partes e a causa de pedir, ou o pedido e a causa de pedir, serão análogas; sendo também análogas se apenas um desses elementos lhes for comum, como o pedido ou a causa de pedir. Na teoria, são também análogas as ações quando o elemento comum consiste apenas nas pessoas, mas, nesse caso, a analogia é tãofraca que não é considerada pelo Código para fins de prorrogação de competência. Em vez de falar em “analogia” de ações, a doutrina e o Código preferem a expressão “conexão” de ações ou de causas. A conexão é o vínculo entre duas ou mais ações, por terem um elemento ou dois elementos comuns, fazendo com que sejam decididas pelo mesmo juízo. Para o Código de Processo Civil, reputam-se conexas duas ou mais ações, quando lhes for comum o pedido ou a causa de pedir (art. 55). No processo penal, a conexão tem outra configuração, ocorrendo quando: a) duas ou mais infrações penais houverem sido praticadas, ao mesmo tempo, por várias pessoas reunidas, ou por várias pessoas em concurso, embora diverso o tempo e o lugar, ou por várias pessoas, umas contra as outras; b) no mesmo caso, houverem sido praticadas para facilitar ou ocultar as outras, ou para conseguir impunidade ou vantagem em relação ao qualquer delas; e c) a prova de uma infração ou de qualquer de suas circunstâncias elementares influir na prova de outra infração (CPP, art. 76, I a III).37 A continência é uma espécie do gênero conexão de causas, pelo que teria sido desnecessário ressuscitá-la, como fez o Código de Processo Civil de 1973, porquanto a identidade de partes nas duas ações apenas torna a conexão mais qualificada. Para o Código de Processo Civil, dá-se acontinência entre duas ou mais ações quando houver identidade quanto às partes e à causa de pedir, mas o pedido de uma, por ser mais amplo, abrange o das demais (art. 56). A continência exige mais do que a simples conexão, pois, pelo fato de terem duas ações a mesma causa de pedir, já seriam conexas; sendo que a continência exige também a identidade de partes e que o objeto de uma, por ser mais amplo, abranja o das demais. Assim, na hipótese de credores solidários fundados num mesmo contrato de mútuo (idêntica causa de pedir), proporem duas ações distintas, postulando, numa delas, a cobrança dos juros, e noutra, a cobrança do mútuo por inteiro. Nesse caso, há identidade de partes e de causa de pedir, nas duas ações, mas a segunda, por ter o objeto mais amplo (cobrança de todo o mútuo), do que na primeira (cobrança apenas dos juros), é por ela absorvida. No processo penal, a continência tem outra configuração, ocorrendo: a) quando duas ou mais pessoas forem acusadas pela mesma infração; e b) no caso de infração cometida em concurso formal de crimes (CP, art.3870), de erro na 39 40 41 execução (CP, art. 73) ou de resultado diverso do pretendido (CP, art. 74) (CPP, art. 77, I e II). No processo trabalhista, aplicam-se as regras de conexão ou continência do Código de Processo Civil no que for compatível. Ocorre a prorrogação voluntáriaexpressa de competência, no processo civil, em virtude de acordo das partes, antes da do processo, mediante eleição de foro (ou foro contratual), sendo admitida no processo civil, mas vedada no instauração processo trabalhista. A prorrogação voluntáriatácita, no processo civil, se dá quando a ação é proposta num foro incompetente e o réu não oferece alegação de incompetência no prazo legal. No processo penal, em que o foro é determinado no interesse público, e não no interesse do réu, mesmo que o acusado não oponha a alegação de incompetência, o juiz pode dar-se por incompetente, a qualquer tempo. Caso específico de prorrogação de competência no campo penal é o do desaforamento, nos processos da competência do Tribunal do Júri, quando o interesse da ordem pública o reclamar ou houver dúvida sobre a imparcialidade do júri ou a segurança do acusado, caso em que poderá o julgamento ser deslocado para outra comarca da mesma região, preferindo-se as mais próximas.42

A prevenção é o fenômeno processual segundo o qual o juízo que primeiro tomar conhecimento da causa tem sobre ela firmada a sua competência, com a exclusão de todos os demais. O Código de Processo Civil não é nada harmônico quando determina que o registro ou a distribuição da petição inicial torna prevento o juízo (art. 59);43 embora considere proposta a ação quando a petição inicial é protocolada (art. 312).44 No processo penal, dá-se a competência por prevenção toda vez que, concorrendo dois ou mais juízes rectius ( , uízos) igualmente competentes ou com jurisdição cumulativa, um deles tiver antecedido aos outros na prática de algum 45 ato do processo ou de medida a este relativa, ainda que anterior ao oferecimento da denúncia ou da queixa. A prevenção firma a competência de um juízo que já era competente, segundo as regras gerais da competência, pelo que não se inclui entre os critérios de determinação da competência.

Perpetuação da jurisdição A perpetuação da jurisdição traduz o fenômeno processual pelo qual, firmada a competência de um juiz, ela perdura até final da decisão e execução ou cumprimento da sentença. Na verdade, o que se perpetua é, antes, a competência do que a jurisdição. Para o Código de Processo Civil, determina-se a competência no momento do registro ou da distribuição da petição inicial, sendo irrelevantes as modificações do estado de fato ou de direito ocorridas posteriormente; salvo quando suprimirem órgão judiciário ou alterarem a competência absoluta (art. 43).46 Assim, a mudança de domicílio das partes, o aumento ou diminuição do valor da coisa, ou a sucessão processual por morte das partes, nada altera a competência que perdura até a prolação da sentença, em primeiro grau, ou do acórdão em segundo grau. A perpetuação da competência não subsiste quando ocorrer supressão do órgão judiciário, como, por exemplo, na extinção de comarca, quando todos os processos serão remetidos à nova comarca; da mesma forma quando houver alteração da competência em razão da matéria ou da hierarquia, que, por ser absoluta, passa à competência do novo órgão udiciário. O Código de Processo Penal não contém um preceito genérico sobre a perpetuação da jurisdição, porém, no seu art. 81, 47 traz uma regra, que é corolário desse princípio.

Bibliografia ALMEIDA JÚNIOR, João Mendes de.Direito ju diciário brasileiro. Rio de Janeiro-São Paulo: Freitas Bastos, 1960. ARRUDA ALVIM, José Manoel de.Manual de direito processual civil. 7. ed. São Paulo: RT, 2001. v. 1. BARBI, Celso Agrícola. Comentários ao código de processo civil. Rio de Janeiro: Forense, 1998. v. II. CARNELUTTI, Francesco. Sistema del diritto processual civil . Padova: Cedam, 1936. v. I. ______. Instituciones del proceso civil. Buenos Aires: EJEA, 1956. v. I. CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1969. v. I. COUTURE, Eduardo J. Fundamentos del derecho procesal civil . Buenos Aires: Depalma, 1988. LIEBMAN, Enrico Tullio. Manuale di diritto processuale civile. Milano: Giuffrè, 1973. v. I. MANZINI, Vincenzo.Istituzioni di diritto penale italiano. Padova: Cedam, 1967. MARQUES, José Frederico. Instituições de direito processual civil . Rio de Janeiro: Forense, 1958. v. 1. MORALES, Hernando M. Curso de derecho procesal civil. 6. ed. Bogotá: ABC, 1973. MORTARA, Ludovico. Manuale della procedura civile. Torino: UTET, 1916.

RICCI, Francesco Ricci. Commento al codice di procedura civile. 7. ed. Firenze: Casa Editrice Libraria, 1895. SANTORO, Arturo Santoro. Manuale de diritto processuale penale. Torino: Editrice Torinese, 1954. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. São Paulo: Saraiva, 1995. SCHÖNKE, Adolf. Derecho procesal civil. Barcelona: Bosch, 1950. TORNAGHI, Hélio. Instituições de processo penal . São Paulo: Saraiva, 1977. v. 2. ______. Instituições de processo penal . São Paulo: Saraiva, 1977. v. I.

1 Também e tribunais arbitrais a jurisdição privada (Lei n. (9.307/96), exer cício os da árbitros j urisdição política , no julgamexercem ento de crim es de r esponsabilidade CF, art. 52,oI mesmo e I I). acontecendo com o Senado Federal, no 2

Couture assinala, contudo, que a noção de jurisdição como poder é insuficiente porque a jurisdição é um poder-dever. Junto à faculdade de julgar, o j uiz tem o dever administrativo de fazê-lo. O conceito de poder deve ser substituído pelo conceito de função.

3

Costuma- se atribuir a Mortara e ssa definição, ma s ele próprio a atribui a Pisanelli .

4

Por competência se entende, também, “a faculdade e o dever de exercício da jurisdição no caso particular” (Schönke).

5

Para Carnelutti, a competência “é o poder pertencente ao ofício judicial ( rectius, juízo) ou ao oficial ( rectius, juiz) considerado na sua singularidade”; com o que se clareia a diferença entre a competência e a jurisdição; sendo esta o poder pertencente a cada ofício judicial considerado com o gênero, e não c omo espécie.

6

CPC: Art. 144. Há impedimento do juiz, sendo-lhe vedado exercer suas funções no processo: I – em que interveio como mandatário da parte, oficiou como perito, funcion ou como m em bro do Ministério Público ou prestou depoime nto como testemunha; II – de que conhece u em outro grau de jurisdição, tendo proferido decisão; III – quando nele estiver postulando, como defensor público, advogado ou membro do Ministério Público, seu cônjuge ou companheiro, ou qualquer parente, consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau, inclusive; IV – quando for parte no proce sso ele próprio, seu cônjuge ou c ompa nheiro, ou pare nte, consanguíneo ou afim , em linha reta ou c olateral, até o terce iro grau, inclusive; V – quando for sócio ou mem bro de direç ão ou de adm inistração de pessoa jur ídica parte no proce sso; VI – quando for herdeiro presuntivo, donatário ou empregador de qualquer das partes; VII – em que figure como parte instituição de ensino com a qual tenha relação de emprego ou decorrente de contrato de prestação de serviços; VIII – em que figure como parte cliente do escritório de advocacia de seu cônjuge, companheiro ou parente, consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau, inclusive, mesmo que patrocinado por advogado de outro escritório ; IX – quando promover açã o contra a parte ou seu a dvogado. (...)

7

CPC: Art. 145. Há suspeição do juiz: I – amigo íntimo ou inimigo de qualquer das partes ou de seus advogados; II – que receber presentes de pessoas que tiverem interesse na c ausa antes ou depois de iniciado o processo, que a conselhar a lguma das partes acerca do obj eto da c ausa ou que subministrar meios para atender às despesas do litígio; III – quando qualquer das partes for sua credora ou devedora, de seu cônjuge ou companheiro ou de parentes destes, em linha reta até o terceiro grau, inclusive; IV – interessado no julgamento do processo em favor de qualquer das partes. (...)

8

Art. 21. Compete à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações em que: I – o réu, qualquer que seja a sua nacionalidade, estiver domiciliado no Brasil; II – no Brasil tiver de ser cumprida a obrigação; III – o fundamento seja fato ocorrido ou ato praticado no Brasil. Parágrafo único. Para o fim do disposto no inciso I, considera-se domiciliada no Brasil a pessoa jurídica estrangeira que nele tiver agência, filial ou sucursal.

9

Art. 22. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: I – de alimentos, quando: a) o credor tiver domicílio ou

residência no Brasil; b) o réu mantiver vínculos no Brasil, tais como posse ou propriedade de bens, recebimento de renda ou obtenção de benefícios econômicos; II – dec orrentes de relações de consumo, quando o c onsumidor tiver domicílio ou residência no Brasi l; III – em que as partes, expressa ou tacitamente, se subme terem à jurisdição nacional. 10 Art. 23. Compete à autoridade judiciária brasileira, com exclusão de qualquer outra: I – conhecer de ações relativas a imóveis situados no Brasil; II – em matéria de sucessão hereditária, proceder à confirmação de testamento particular e ao inventário e à partilha de bens situados no Brasil, ainda que o autor da herança seja de nacionalidade estrangeira ou tenha domicílio fora do território nacional; III – em divórcio, separação judicial ou dissolução de união estável, proceder à partilha de bens situados no Brasil, ainda que o titular seja de nacionalidade estrangeira ou tenha domicílio fora do território nacional. 11 Art. 26. A cooperação jurídica internacional será regida por tratado de que o Brasil faz parte e observará: I – o respeito às garantias do devido processo legal no Estado requerente; II – a igualdade de tratamento entre nacionais e estrangeiros, residentes ou não no Brasil, em relação ao acesso à justiça e à tramitação dos processos, assegurando--se assistência judiciária aos necessitados; III – a publicidade processual, exceto nas hipóteses de sigilo previstas na legislação brasileira ou na do Estado requerente; IV – a existência de autoridade central para recepção e

transmissão dos pedidos de cooperação; V – a espontaneidade na transmissão de informações a autoridades estrangeiras. § 1o Na ausência de tratado, a cooperação jurídica internacional poderá realizar-se com base em reciprocidade, manifestada por via diplomática. § 2o Não se exigirá a reciprocidade referida no § 1o para homologação de sentença estrangeira. § 3o Na cooperação jurídica internacional não será admitida a prática de atos que contrariem ou que produzam resultados incompatíveis com as normas fundamentais que regem o Estado brasileiro. § 4o O Ministério da Justiça exercerá as funções de autoridade central na ausência de designação específica. 12 Art. 27. A cooperação jurídica internacional terá por objeto: I – citação, intimação e notificação judicial e extrajudicial; II – colheita de provas e obtenção de informações; III – homologação e cumprimento de decisão; IV – concessão de medida judicial de urgência; V – assistência jurídica internacional; VI – qualquer outra medida judicial ou extrajudicial não proibida pela lei brasileira. 13 Os antigos praxistas distribuíam a com petência se gundo três c ritérios: a) ratione materiae – determinada pela natureza da causa ou objeto da lide; b) ratione personae – determinada pela condição das pessoas envolvidas na lide; c ) ratione loci (ou rationi territorii) – tendo em vista a posição territorial dos j uízes e das partes. 14 A competência externa, referida por Carnelutti, não é a competência internacional de que se tem falado e a interna tem também sentido diverso. 15 João Mendes Júnior tem critério próprio, dividindo a competência em: competência de atribuições (dos juízes) e competência de foro; mas que também não teve a simpatia dos doutrinadores nacionais. 16 Neste ca so, a competênc ia é de term inada pe lo conteúdo da r elaç ão j urídica em lide. 17 Foro do domicílio. 18 Foro do contrato. 19 Foro da situaçã o da c oisa. 20 Os critérios de determinação da competência não valem isoladamente, mas em conjunto, pelo que o critério funcional se entrelaça com o da ma téria e com o territorial. 21 Art. 292. O valor da causa constará da petição inicial ou da reconvenção e será: I – na ação de cobrança de dívida, a soma monetariamente corr igida do principal, dos juros de m ora ve ncidos e de outras pena lidades, se houver, até a data de propositura da açã o; II – na aç ão que tiver por obj eto a existência, a validade, o cum primento, a m odificação, a resoluçã o, a resilição ou a rescisão de ato j urídico, o valor do ato ou o de sua parte controvertida; III – na ação de alimentos, a soma de 12 (doze) prestações mensais pedidas pelo autor; IV – na ação de divisão, de demarcação e de reivindicação, o valor de avaliação da área ou do bem objeto do pedido; V – na ação indenizatória, inclusive a fundada em dano moral, o valor pretendido; VI – na ação em que há cumulação de pedidos, a quantia correspondente à soma dos valores de todos eles; VII – na ação em que os pedidos são alternativos, o de maior valor; VIII – na ação em que houver pedido subsidiário, o valor do pedido principal. (...) 22 CF: Art. 95 (...) I – vitaliciedade, que, no primeiro grau, só será adquirida após dois anos de exercício, dependendo a perda do cargo, nesse período, de deliberaç ão do tribunal a que o j uiz estiver vinculado, e, nos demais ca sos, de sentenç a j udicial transitada em julgado. (...) 23 Art. 95 (...) II – inamovibilidade, salvo por motivo de int ere sse público, na form a do a rt. 93, VIII. ( ...) 24 São causas de estado: as de divórcio, separação judicial, anulação de casamento, tutela e curatela

etc.

25 Art. 652. Compe te às Juntas de Co nciliaç ão e Julgam ento: III – os dissídios resultantes de c ontratos de em preitadas em que o em preiteiro seja operár io ou artífice. ( ...) As JCJ foram extintas, sendo substituídas pelas Varas do Tr abalho. 26 Art. 84. A competência pela prerrogativa de função é do Supremo Tribunal Federal, do Superior Tribunal de Justiça, dos Tribunais Regionais Federais e Tribunais de Justiça dos Estados e do Distrito Federal, relativamente às pessoas que devam responder perante eles por crimes com uns e de re sponsabilidade. 27 Art. 94. A açã o fundada e m direito pessoal ou em direito rea l sobre be ns móveis será proposta, e m regr a, no foro de dom icílio do réu. (...) 28 Código Civil: Art. 71. Se, porém, a pessoa natural tiver diversas residências, onde, alternadamente, viva, considerar-se-á domicílio seu qualquer delas. 29 Código Civil: Art. 72. É tam bém domicílio da pe ssoa natural, quanto às relaçõe s conce rnentes à profissão, o lugar onde e sta é e xerc ida. (...) 30 Código Civil: Art. 73. Ter- se-á por dom icílio da pessoa na tural, que não tenha residência ha bitual, o lugar onde for e ncontrada. 31 Código Civil: Art. 75 (...) § 1º Tendo a pessoa jurídica diversos estabelecimentos em lugares diferentes, cada um deles será considerado domicílio para os atos nele praticados. 32 Código Civil: Art. 75 (...) § 2º Se a administração, ou diretoria, tiver a sede no estrangeiro, haver-se-á por domicílio da pessoa jurídica, no tocante às obrigações c ontraídas por c ada um a das suas agê ncias, o lugar do e stabelecime nto, sito no Brasil, a que ela c orresponder. 33 CLT: Art. 651. A competência (...) é determinada pela localidade onde o empregado, reclamante ou reclamado, prestar serviços ao em pregador, a inda que tenha sido contratado nout ro local ou no estrangeiro. 34 A CLT consagra algumas exceções à regra geral, prevendo outros foros, como o “foro da celebração do contrato” ou “da prestação de serviços” (art. 651, § 3º, CLT), o do “domicílio do empregador” ou “do local em que estiver situada a agência ou filial” (art. 651, § 2º, CLT)

etc. 35 CPP: Art. 73. Nos casos de exclusiva ação privada, o querelante poderá preferir o foro de domicílio ou da residência do réu, ainda quando conhecido o lugar da infração. 36 Assim não entendeu, porém, o STJ, no RHC n. 6.491-60: “Tratando-se de incompetência ratione loci de nulidade relativa, sujeita-se este à comprovação de prejuízo” (RHC n. 6.491-GO). 37 CPP: Art. 76. A competência será determinada pela conexão: I – se, ocorrendo duas ou mais infrações, houverem sido praticadas, ao mesmo tem po, por vár ias pessoas re unidas, ou por várias pessoas em c oncurso, em bora diverso o tempo e o lugar, ou por vár ias pessoas, uma s contra as outras; II – se, no mesmo caso, houverem sido umas praticadas para facilitar ou ocultar as outras, ou para conseguir impunidade ou vantagem em relação a qualquer delas; III – quando a prova de uma infração ou de qualquer de suas circunstâncias elementares influir na prova de outra infração. 38 CP: Art. 70. Quando o agente, mediante uma só ação ou omissão, pratica dois ou mais crimes, idênticos ou não, aplica-se-lhe a mais grave das penas cabíveis ou, se iguais, somente uma delas, mas aumentada, em qualquer caso, de um sexto até metade. As penas aplicam-se, entretanto, cumulativamente, se a ação ou omissão é dolosa e os crimes concorrentes resultam de desígnios autônomos, consoante o disposto no artigo anterior. 39 CP: Art. 73. Quando, por acidente ou erro no uso dos meios de execução, o agente, ao invés de atingir a pessoa que pretendia ofender, atinge pessoa diversa, responde como se tivesse praticado o crime contra aquela, atendendo-se ao disposto no § 3º do art. 20 deste Código. No caso de ser também atingida a pessoa que o agente pretendia ofender, aplica-se a regra do art. 70 deste Código. 40 CP: Art. 74. Fora dos casos do artigo anterior, quando, por acidente ou erro na execução do crime, sobrevém resultado diverso do pretendido, o agente responde por culpa, se o fato é previsto como crime culposo; se ocorre também o resultado pretendido, aplica-se a regra do art. 70 deste Código. 41 CPP: Art. 77. A competência será determinada pela continência quando: I – duas ou mais pessoas forem acusadas pela mesma infração; II – no caso de infração cometida nas condições previstas nos arts. 51, § 1 º [atual art. 70], 53, segunda parte [atual art. 73, segunda parte], e 54 [atual ar t. 74] do Código Pe nal. 42 CPP: Art. 427. Se o interesse da ordem pública o reclamar ou houver dúvida sobre a imparcialidade do júri ou a segurança pessoal do acusado, o Tribunal, a requerimento do Ministério Público, do assistente, do querelante ou do acusado ou mediante representação do juiz competente, poderá determinar o desaforamento do julgamento para outra comarca da mesma região, onde não existam aqueles motivos, preferindo-se as m ais próximas. 43 Art. 59. O registro ou a distribuição da petição inicial torna prevento o juízo. 44 Art. 312. Considera-se proposta a ação quando a petição inicial for protocolada, todavia, a propositura da ação só produz quanto ao réu os efe itos me ncionados no art. 240 depois que for va lidam ente citado. 45 Art. 83. Verificar-se-á a competência por prevenção toda vez que, concorrendo dois ou mais juízes igualmente competentes ou com jurisdição cum ulativa, um deles tiver antec edido aos outros na prática de algum ato do processo ou de medida a este relativa, ainda que anterior ao oferecimento da denúncia ou da queixa (...). 46 Art. 43. Determina-se a competência no momento do registro ou da distribuição da petição inicial, sendo irrelevantes as modificações do estado de fato ou de direito ocorridas posteriormente, salvo quando suprimirem órgão judiciário ou alterarem a competência absoluta. 47 Art. 81. Verificada a reunião dos processos por conexão ou continência, ainda que no processo da sua competência própria venha o juiz ou tribunal a proferir sentença absolutória ou que desclassifique a infração para outra que não se inclua na sua competência, continuará competente em relação aos demais processos. Parágrafo único. Reconhecida inicialmente ao júri a competência por conexão ou continência, o juiz, se vier a desclassificar a infração ou impronunciar ou absolver o acusado, de maneira que exclua a competência do júri, remeterá o processo ao j uízo com petente.

6 PROBLEMÁTICA DA AÇÃO Evolução do conceito de ação. Teorias sobre a ação. Ação como direito a uma sentença justa. Ação como emanação da personalidade. Ação como direito de ser ouvido e m juízo. Aç ão como pretensão de tutela jurídica. Ação como direito potestativo. Ação como direito processual das partes. Ação como direito de petição. Ação como direito cívico. Ação como direito à jurisdição. Relatividade do conceito de ação. Condições da ação civil. Condições da ação penal. Defesa contra a ação. Questões sobre o exercício da ação. Classificação das ações. Elementos da ação.

Evolução do conceito de ação A evolução da ação não se pode dizer encerrada, tão grande é ainda a discussão em torno do seu conceito. Desde a concepção daactio, no direito romano, muitos séculos se passaram, e o tema continua tão atual quanto os mais recentes institutos e as mais novas conquistas da ciência processual. Os estudos que surgiram, a partir do século XIX, contribuíram em grande parte para a elucidação do conceito de ação e tiveram o mérito de abrir o debate em torno dela. Estas considerações sintetizam as diversas posições doutrinárias sobre tão polêmico conceito. Qualquer pesquisa relativa ao tema deve começar, sem dúvida, pelo direito romano, dada a importância que o processo romano teve como antecedente mais importante das construções sistemáticas e doutrinárias dos nossos dias.1 A história de Roma divide-se em três etapas (monarquia, república e império), correspondentes a três épocas distintas, em que o procedimento romano tomou o nome de cada sistema que nelas estiveram em vigor: I) sistema das ações da lei (legis actiones); II) sistema formulário (per formulas ); e III) sistema dacognitio extraordinaria (ou cognitio extra ordinem). No decurso desses três sistemas, a palavra “ ação” (actio) foi mudando de sentido e adquirindo um conteúdo diferente. I – No primeiro período, chamado dasações da lei, o procedimento caracterizou-se por um ritualismo próximo da religiosidade, consistente em declarações solenes, acompanhadas de gestos que os pontífices ensinavam aos litigantes, e que estes deveriam repetir diante dos pretores,2 sendo que o mais insignificante erro conduzia à perda do litígio. Bem conhecido é o exemplo citado por Gaio, e que se tornou o retrato do sistema, de um contendor que, demandando contra seu vizinho por haver este lhe cortado umas videiras, pronunciou perante o pretor a palavra vites (videira) em vez da palavra arbor (árvore), que era a que lhe haviam ensinado os pontífices, e, por este simples erro na denominação, perdeu a demanda. As ações da lei encontram o seu fundamento naLei das XII Tábuas, 3 que, mais do que uma classificação de ações, constituíam formas autorizadas de procedimento, com características próprias, em que palavras, gestos e atitudes prescritas pela lei deveriam ser adotados pelas partes. Eram as seguintes as ações da lei:legis actio sacramentum,4 legis actio per iudicis postulationem, 5 legis actio per conditionem,6 legis actio per manus iniectionem7 e legis actio per pignoris capionem. 8 II – Na segunda fase do procedimento romano, chamado formulário , o processo se constituía por fórmulas que o pretor redigia e entregava aos litigantes, de acordo com a ação que se pretendia instaurar, correspondendo a cada direito violado uma ação e uma fórmula diferente. Aodomínio, correspondia uma ação reivindicatória; à posse, uma ação

possessória etc. Essa característica do procedimento formulário levou Riccobono a afirmar que o direito romano não era um sistema de direitos, senão um sistema de ações, registrando Arangio-Ruiz existirem tantas ações quantos os direitos subjetivos, 9 do pretor. e umas e outros são numerados e definidos por fórmulas que se encontram expostas no edito A fórmula era uma instrução escrita, com a qual o pretor nomeava o juiz iudex ( ) ou árbitro (arbiter) e fixava os elementos sobre os quais deveria basear o seu juízo, outorgando-lhe um mandato, mais ou menos determinado, para a condenação eventual do réu ou sua absolvição na sentença.10 A fórmula era composta de:intentio ; demonstratio; condemnatio; e adjudicatio. A intentio é a parte da fórmula em que se pede que se declare um fato, traduzindo a intenção do autor; a demonstratio, necessária apenas se a intentio é incerta, traduz a demonstração ou fundamentação da pretensão; a condemnatio significa o pedido de condenação do réu; e adjudicatio a tem o propósito de adjudicar a uma das partes o quanto corresponda à obrigação. Tanto o procedimento das ações da lei quanto o formulário compreendiam duas fases:in iure, 11 perante o pretor, para escolher a fórmula, e terminava com a litiscontestatio ;12 e in iudicio, 13 perante o juiz ou árbitro, e terminava com a sentença. Esses dois períodos ficaram conhecidos comoordo iudiciorum privatorum (ordem dos processos privados). III – O terceiro período, chamadocognitio extraordinaria, caracterizou-se pela fusão das duas fases do procedimento romano numa só instância, em que os litigantes compareciam perante o pretor, que conhecia diretamente da demanda, colhendo a prova e proferindo sentença. A essa época o Estado, já bastante fortalecido, fazia sentir mais diretamente sua presença no processo, tendo o pretor se transformado em juiz, assumindo posição mais ativa do que nos períodos anteriores, deixando de ser um mero concessor das ações. Esta última etapa na evolução do procedimento romano termina com as publicações ordenadas pelo Imperador 14

Justiniano, que tornaram conhecida definição ação, antesinpor Celsoquod e reproduzida, mais quase textualmente, por Ulpiano: Actio aautem nihil de aliud estelaborada quam ius séculos persequendi iudicio sibi debeatur . 15 tarde, Essa definição de Celso viria, séculos mais tarde, a constituir a base de uma doutrina, a qual teve a adesão dos uristas até meados do século XIX, que, identificando aação com o direito subjetivo material, que através dela se fazia valer em juízo, ficou conhecida comodoutrina civilista ou imanentista da ação. Era chamada deimanentista porque a ação era algo imanente ao próprio direito material, sem ter vida própria, do que resultou a clássica proposição: “Não há 16 direito sem ação; não há ação sem direito; a ação segue a natureza do direito.” Esta identificação da ação com o direito subjetivo material fez com que ela constituísse uma parte do estudo do direito civil, mas teve o mérito de permitir o surgimento da Escola Histórica do Direito, com Savigny à frente, criando o ambiente adequado para que os investigadores alemães colocassem as bases da nova ciência do direito processual, na segunda metade do século XIX. De grande importância, pelos reflexos que provocou, foi a polêmica que nos anos de 1856 e 1857 travaram Windscheid e Muther; o primeiro, professor na Universidade de Greifswald, e o segundo, na Universidade de Königsberg.17 Em 1856, Windscheid publicou uma obra intitulada A ação do direito civil romano do ponto de vista do direito atual, que foi o ponto de partida das doutrinas acerca da natureza jurídica da ação, até então acomodadas com a definição de Celso. Nessa época, vigorava em grande parte da Alemanha o direito romano justinianeu, reelaborado pelos juristas medievais e modernos, e continuava sendo aplicado o processo germânico comum, com a recepção, também muito ampla, de concepções de institutos romanos. Em face da advertência do romanista francês Ortolam, de que o termo actio havia trocado de significado no tempo, em relação aos diversos sistemas processuais, ninguém pensou pôr em dúvida nem a substancial afinidade entre a figura da actio – delineada com referência a uma outra época histórica – e a figura moderna da ação, nem a legitimidade de

subsumir ambas numa definição compreensiva. Nenhuma dúvida havia, também, sobre o sujeito passivo da açãoactio ( ), identificado com a pessoa do adversário, cujo vínculo frente ao autor se concebia como obrigação de reparar a lesão. A doutrina não parecia perturbada com a natureza da actio que, não obstante alguma divergência, admitia uma série de denominadores comuns. A monografia de Windscheid agitou as águas estancadas, ao discutir, primeiro, o paralelismo entre actio a (ação) romana e a modernaklage (ação) germânica, e, depois, a coordenação da actio com o direito subjetivo material, cuja tutela ela assegurava, abrindo um debate que não se pode dizer ainda encerrado. Em sua monografia, procurou Windscheid demonstrar que o conceito romano deactio não coincidia em absoluto com o conceito de klage do moderno direito germânico. A concepção dominante, que teve em Savigny o expoente que lhe dera sua formulação mais significativa, entende pordireito de acionar o direito à tutela judicial, nascido da lesão de um direito, no qual se transforma um direito ao ser lesado. No tocante ao conceito deactio, não era necessário passar muitas páginas do Corpus Iuris Civilis 18 para se achar nele referências a ações que não pressupunham a lesão a um direito. Atribui-se a actio à pessoa que foi lesada em um direito seu, mas não somente a ela. Se se diz, no direito romano, que o comprador tem a actio empti19 e pode, mercê dela, exigir isto ou aquilo, tal afirmação, por certo, se baseia na ideia de que não se valerá dela, senão quando se lhe negue o que possa pretender; mas a possibilidade de que essa actio não lhe competia, também antes dessa negativa, escapara ao entendimento de um romano. Em Roma, actio a passara a ocupar o lugar do direito, pois o ordenamento jurídico não diz ao indivíduo: tens tal e tal direito, senão tens tal e tal actio. Nele não se diz: nesta relação, tua vontade é lei para os demais , senão: nesta relação, podes fazer valer tua vontade, frente aos demais, pela via judicial . O ordenamento jurídico romano não é um ordenamento de direitos, senão um ordenamento de pretensões judicialmente persequíveis, que confere direitos ao autorizar a persecução judicial. Nesse sistema, a actio não é algo derivado; senão algo srcinário e autônomo. A principal razão de ser desta concepção residia na peculiar posição que ocupavam, em Roma, os pretores encarregados de distribuir justiça. Em nosso meio, dizia Windscheid, o juiz está submetido ao direito e sua missão consiste em realizar as situações que este ordena; mas, quanto ao magistrado romano, não se exagera se se diz que ele está acima do direito; não que ele, no exercício de suas funções, não tivesse em consideração o direito, mas, teoricamente, não estava sujeito a ele. Na prática, é sabido quantas foram as oportunidades em que o pretor negou à parte o seu auxílio, quando o ius civile (direito civil) reconhecia um direito; e quantas foram mais as em que o prestou, quando o ius civile o negava. Para os romanos, o importante não era o que dizia o direito, mas o que dizia o pretor. Aquele cuja pretensão era contestada não perguntava se tal pretensão tinha respaldo no direito, senão se o pretor estaria inclinado a conceder-lhe umaactio, para fazer valer essa pretensão em juízo. A actio está no lugar do direito; mas não é uma emanação dele. Mas, se bem que a actio não seja uma emanação do direito, é, inobstante, uma expressão desse direito. A actio não está no lugar do direito real, que não se resolve nela. A actio não ordena relações entre pessoas e coisas, senão unicamente relação entre pessoas, pressupondo sempre um adversário determinado. Do ponto de vista da actio, a questão é sempre esta: o que pode uma pessoa exigir da outra? Como se vê, a ctio é a expressão imediata e exaustiva de um direito creditório, daobligatio , e é sabido que as fontes falam, amiúde, deactio, quando querem se referir àobligatio . Mas a actio não se limita à obligatio . Se alguém exige de outrem que o reconheça como proprietário, ou que reconheça a existência de alguma outra relação de direito ou de fato, está a lhe exigir algo, e, na medida em que se lhe concede a tutela judicial para obter o que exige, se lhe atribui umaactio. A actio é, pois, o termo empregado para designar o que se pode exigir de outrem; pelo que para caracterizar aactio o vocábulo adequado (no direito alemão) é retensão (anspruch). A palavra debeatur (devido) usada por Celso está tomada no sentido mais amplo; para designar não somente o que se deve a alguém, senão, no geral, o que lhe compete. Aactio está, pois, no lugar de pretensão; pelo que dizer que alguém tem uma actio significa que alguém tem uma pretensão juridicamente reconhecível, ou, simplesmente, uma pretensão. A expressão “ alguém tem uma actio” significa, traduzida em linguagem da concepção jurídica moderna, que “ alguém tem uma pretensão”; sendo não menos certo que aactio serve, primordialmente, para designar, não a pretensão mesma, senão o fato de se fazer valer essa pretensão ante o pretor. Em 1857, Muther publicou uma monografia em revide a Windscheid intituladaSobre a teoria da actio romana, do moderno direito de queixa, da litiscontestação e da sucessão singular nas obrigações , obra de direito civil,

mas já com sabor de direito processual. Ao contrário de Windscheid, procurou Muther demonstrar que havia uma perfeita coincidência entre actio a (ação) romana e a klage (ação) germânica. O verdadeiro e srcinário significado da palavraagere (agir) significava apresentar-se diante do pretor, falar e atuar em cooperação com o adversário. Alegis actio sacramento20 falava emagere cum aliquo (agir com alguém). Aactio era um ato bilateral com que se iniciava o processo, ou, mais exatamente, não esse ato, mas o ritual do ato, e especialmente a fórmula escrita desse ritual.Actio era, pois, a fórmula da ação, que devia observar-se e cumprir-se actio ( ad formam redacta).21 Quando desapareceram aslegis actio, e com elas o comparecimento e a atuação solene das partes ante o pretor, os termos agere e actio subsistiram para significar o ato pelo qual o demandante iniciava o processo, e chegou inclusive a abarcar todo o procedimento que se desenrolava diante do pretor. Esse procedimento se encerrava com a concessão da fórmula ao autor, quando actio a passou, então, a traduzir a fórmula da ação. No agir do demandante, mais havia importante era evidentemente momentopara da editio da ação, se solicitava a fórmula. Onde o opretor prometido, no edito, umao fórmula, certos(concessão) casos, pode-se dizer na quequal o autor teria uma pretensão a que se lhe conferisse essa fórmula, ainda antes que fosse conferida, sempre e quando houvessem ocorrido as condições gerais, sob as quais se havia prometido aactio. O autor tem um direito a que se lhe conceda a fórmula, antes mesmo da suaimpetratio (impetração), se bem que o pretor possa denegá-la quando não se apresentem as condições sob as quais prometeu concedê-la. Se o jurista romano diz que em tal caso compete a “x” a actio empti, 22 tal equivale a dizer que tem ele uma pretensão a que se lhe confira a fórmula da actio empti, caso o demandado se negue a satisfazê-la; tem uma pretensão a que se lhe conceda a tutela estatal, conforme o direito positivo romano, a quem tenha sido lesado no seu direito. Se o litígio era um pressuposto para se invocar essa tutela, os juristas romanos não poderiam conceder a ninguém a pretensão de invocá-la, sem pressupor o litígio. O ordenamento jurídico romano não era um ordenamento de pretensões judicialmente persequíveis, senão um ordenamento de direitos subjetivos, e somente estes eram susceptíveis de persecução judicial. Quem tinha o direito a que se lhe conferisse a fórmula devia ter também um direito subjetivo, que era um pressuposto do primeiro. O obrigado à concessão da fórmula era o pretor, na sua qualidade de titular do poder judicial do Estado; e o obrigado pelo direito primitivo do autor eram pessoas particulares, ou o Estado, mas como pessoa. Têm-se, pois, dois direitos distintos, em que um é pressuposto do outro, mas pertencem a campos distintos, já que um édireito privado e o outro, de natureza ública. Esse direito público, ou direito de acionar, ou simplesmente actio, assim entendida, pode imaginar-se como vinculado, desde o começo, com o direito primitivo, mas não como um “ anexo” dele, e sim como um direito especial, condicionado, existente junto a esse outro direito, com o propósito de tutelá-lo. Mas pode ser, também, imaginado como direito nascido incondicionalmente, de modo que sua existência só se revele com a lesão desse direito primitivo. A tutela estatal só pode ser invocada contra uma pessoa determinada, ou seja, aquela que causa a lesão, pois só em relação a esta o Estado-juiz tem o direito rectius ( , poder) de exigir que a lesão seja reparada. Em relação ao causador da lesão, como tal, o lesado não tem nenhum direito especial; podendo unicamente exigir-lhe que reconheça seu direito; e a actio que o pretor concede não persegue outro objetivo. Com aactio, pode citar-se a juízo o causador da lesão, porque ele é o único contra o qual a actio pode ser concedida. O direito (rectius, poder) do Estado-juiz contra o causador da lesão lesado, não só quanto sujeito titular, senão, também, quando coincide esse direito lesado existe diferencia-se em relação adoumdireito obrigado determinado, que oaoprimeiro pressupõe sempre. Tampouco, quanto ao não seu conteúdo, pois, enquanto aquele está dirigido a um reconhecimento fático do direito, o objeto deste é um restituere (restituir). A actio é a pretensão do titular frente ao pretor, a fim de que este lhe confira uma fórmula, para o caso de o seu direito ser lesado. O conceito romano de direito de acionar deve ser entendido de maneira um pouco distinta do que sucede atualmente; mas resulta óbvio que o conceito, na sua acepção romana, tem ainda realidade no direito moderno. Também em nossos dias, quem foi lesado num direito seu tem direito à tutela estatal direito ( de acionar), e, como para os romanos, os pressupostos desse direito são outro direito e a sua lesão. O direito material e doireito de acionar não são, hoje em dia, idênticos, se pensarmos que há um obrigado no direito material e outro obrigado distinto no direito de

acionar, e, também, porque, hoje, pode haver pretensões sem direito de acionar, a menos que se queira negar a possibilidade das naturales obligationes (obrigações naturais). Os distintos direitos têm sua teoria e tem-se dito que alguémtem tal e tal direito, tem tais e tais pretensões, mas retensões não são idênticas ao direito nem à tutela estatal que se tem, se essas pretensões não são respeitadas. Quem tem, por exemplo, um direito de propriedade tem uma pretensão contra todos os demais indivíduos, a que, de fato, reconheçam seu incondicionado senhorio sobre essa coisa. Aisto é que se chama ordenamento jurídico; ao qual se agrega o ordenamento das ações. Se essa pretensão não é respeitada, o lesado pode solicitar a tutela estatal, que será, no entanto, distinta, conforme o modo como tenha sido lesado o direito. Terá areivindicatio (reivindicação) ou aactio negatoria (ação negatória);23 sendo a pretensão de seu direito a mesma em ambos os casos, mas a essa únicapretensão servem dois direitos de acionar diversos. Em 1857, Windscheid respondeu a Muther na obra intituladaA actio. Réplica ao Dr. Theodor Muther, 24 acolhendo muitas das ponderações de seu opositor.

Teorias s obre a ação Desde a célebre definição daactio, formulada por Celso, concebendo-a como “ o direito de perseguir em juízo o que nos é devido”, muitos séculos se passaram sem que a ação tenha alcançado a sua elaboração definitiva, sendo muitas as teorias que se debatem em torno do seu conceito. As diversas teorias em torno do conceito de ação se agruparam em duas grandes vertentes, sendo uma doireito abstrato de agir e outra o direito concreto de agir, sendo a concepçãoabstrata da ação exposta com anterioridade à concepção concreta. Dentre as diversas formulações teóricas da ação, sintetizo as que me parecem as mais prestigiadas no campo doutrinário.

Ação como direito a uma sentença justa 25 que, no tocante à ação, adotou muitas das ideias de Muther, reafirmando a tese de Esta teoria se deve a Bülow, que “a ação como direito subjetivo anterior ao juízo não existe, pois só com a demanda judicial nasce o direito de obter uma sentença justa”. Segundo Bülow, não se podendo conhecer precisamente o resultado da sentença, não se pode falar num direito à sentença favorável, nem falar desse direito, fundando-se em fatos anteriores ao processo, porque a sentença se funda na convicção do juiz, que pode não corresponder à realidade dos fatos. Esta teoria, mais que uma teoria sobre a ação, é a negação da própria ação e do próprio direito subjetivo. É verdade que, com a demanda judicial, nascem direitos de natureza pública para ambos os litigantes, mas uma coisa são estes direitos públicos processuais , e outra, o direito público ou privado de agir, que compete a quem tem razãoantes do rocesso. Se existe ou não existe esse direito de agir, só se fica sabendo por ocasião da sentença, mas o mesmo acontece quanto à existência do direito de agir, quer dizer, de pedir a atuação de uma vontade de lei, e quanto à existência da 26 mesma vontade cuja atuação se pede. Negar a ação é negar todo direito.

Ação como emanação da personalidade Esta teoria foi exposta por Köhler, afirmando que a ação não é uma emanação da pretensão procedente, pois, se esta é ou não fundada, há de resolver-se na sentença; e tampouco é a expressão de um direito público geral de acionar; senão emanação dos direitos da personalidade, na mesma medida em que o são os demais atos jurídicos, sendo acionar o (agir em juízo) um direito individual, como é o de andar, de comerciaretc. O fato de Köhler atribuir o caráter defaculdade à ação, na sua qualidade de emanação do direito da personalidade, se deve, exclusivamente, à clara distinção por ele estabelecida entre o “ direito” e a “faculdade”. Enquanto para Köhler o

direito de ação dimana da personalidade da pessoa, para outros (Jellinek) a personalidade é que dimana da ação. A ação como emanação da personalidade está longe do que se deva entender ação por processual, pois seu sentido corresponderia melhor a umafaculdade ou simples manifestação de vontade, de maior utilidade para a psicologia do que para o direito. Para os juristas, o vocábulo “ personalidade” tem um significado muito diferente do que para os psicólogos. Ao dizer Köhler que a ação é uma emanação da personalidade, assi-milando-a aos atos de comerciar e andar, se afasta demasiado do conceito processual, pelo que, por representar a manifestação de uma faculdade ou atividade anímica, poderia servir igualmente para ser estudada no sentido psicológico, e esta aproximação a outro sistema o alija do que é objeto do direito processual.

Ação como direito de ser ouvido em juízo Esta teoria é exposta por Degenkolb,27 para quem a ação é umdireito abstrato de agir , desvinculado de todo fundamento positivo que legitime a pretensão de quem a exercita, sendo o primeiro doutrinador a definir a ação “ como direito subjetivo público, correspondente a todo aquele que de boa-fé creia ter razão, para ser ouvido em juízo e obrigar o adversário a se apresentar”. Na visão de Degenkolb, quando o demandante promove a sua demanda ante o juiz, pode não ter razão, mas ninguém discutirá o seu direito de se dirigir ao juiz, pedindo-lhe uma sentença favorável, o que não impede o demandado de lhe negar o direito de obter essa sentença, mas nunca o de comparecer perante o juiz. Este direito de comparecer em juízo pertence mesmo aos que não tenham razão. Seria verdadeiramente milagroso, se não fosse um fato familiar na vida do juízo, que, durante o processo, ninguém tivesse razão; porquanto só a sentença haverá de decidi-lo. O estado de incerteza é inerente a esse fenômeno a que se denomina “processo”. Também Plósz28 admitiu a natureza pública do direito de ação, considerando-o de caráter abstrato, porquanto se dirige a obter sentença, independentemente de o peticionário ter ou não um direito subjetivo privado, abstraindo-se do resultado que se obterá mediante a sentença. Essa corrente abstrai do resultado que venha a obter mediante a sentença, bastando que seja esta proferida, com o que fica configurada a ação, como um direito ao juízo ou direito de demandar, prescindindo do fato de a demanda ser ou não fundada. Anos depois, Degenkolb abandonou a sua tese srcinal, admitindo que a pretensão de tutela jurídica pressupõe a crença ou boa-fé sobre a existência de um direito subjetivo. Essa mudança de posição enfraqueceu a teoria, porquanto também o autor malicioso, aquele que sabe que não tem razão, pode acorrer ao juízo por sua conta e risco, submetendo-se às responsabilidades que lhe imponha seu abuso do direito.

Ação como pretensão de tutela jurídica 29 do seu Manual de direito processual Esta teoria se deve a Wach, que, em 1885, publica o primeiro volume civil alemão, e, em 1888, uma monografia sobre aAção declaratória, 30 considerando a ação como pretensão de tutela urídica (Rechtschutzanspruch)31 em face do Estado, obrigado a prestá-la, direito autônomo e concreto, distinto do direito material invocado através dela. A pretensão de tutela jurídica não é uma função do direito subjetivo, pois não está condicionada por ele; o interesse e a pretensão de tutela jurídica não existem apenas onde existe direito, do que é exemplo a chamada ação declaratória negativa, não tem por objetivo proteger ou conservar um direito subjetivo, senão manter a integridade da situação urídica do demandante. Através da ação declaratória negativa, mais não pretende o demandante do que obter do Estadouiz uma mera declaração de inexistência de uma relação jurídica, com o que fica caracterizada a sua autonomia, relativamente ao direito subjetivo material. A pretensão de tutela jurídica, ou direito de acionar, é apenas o meio para se fazer valer o direito subjetivo material,

mas não é esse direito mesmo. Nestes termos, Wach desenvolveu a tese já esboçada por Muther, vindo a definir a ação como “ direito daquele a quem se deve a tutela jurídica”. A pretensão de tutela jurídica ou direito de ação é um direito público contra o Estado, ao qual corresponde a obrigação de prestá-la, e também contra o demandado, que está obrigado a suportar os seus efeitos; sendo, a um só tempo, um direito contra o Estado, garantidor dos direitos, e contra o réu, titular da obrigação. Embora distinta do direito subjetivo material, a ação pressupõe a existência desse direito, correspondendo apenas a quem tem direito a uma sentença af vorável, o que lhe imprime um perfil “ concretista”, deixando sem resposta o fenômeno processual em que o juiz nega ao autor a sentença favorável. Para Wach, se o demandante não logra obter uma sentença favorável, não terá existido a ação, tendo havido o exercício de umamera faculdade jurídica. A importância desta teoria foi vivamente por Couture, quesemelhante chegou a dizer querepresentara a dissociação do adireito subjetivo material da ação representou para oaplaudida direito processual algo ao que para física a divisão do átomo.

Ação como di re ito potestativo 32 proferida por Chiovenda, no ano de 1903, na Universidade de Bolonha, Esta teoria é produto de uma conferência na Itália, sob o tema “A ação no sistema dos direitos”, sustentando ser a ação “ o poder de criar a condição para a atuação da vontade da lei”, integrando-a na categoria dos chamados “ direitos potestativos”. A ação é um poder que nos assiste em face do adversário, em relação a quem se produz o efeito jurídico da atuação da lei, sem que esteja o adversário obrigado a coisa alguma frente a este poder, mas simplesmente sujeito a ele. A ação se exaure com o seu exercício, sem que o adversário nada possa fazer, quer para impedi-la, quer para satisfazê-la, tendo natureza privada ou pública, conforme a vontade de lei, cuja atuação produza, seja privada ou pública.

A ação não é a mesma coisa que a obrigação; não é o meio para atuar a obrigação; não é obrigação na sua tendência à atuação; nem um efeito da obrigação; nem um elemento; nem uma função do direito subjetivo;senão, um direito distinto e autônomo, que nasce, e pode extinguir-se, independentemente da obrigação – a ação de condenação se extingue com a sentença definitiva, se bem que a obrigação continue existindo –; direito que tende a um efeito jurídico e não a uma prestação.33 Para Chiovenda, a ação, como todos os direitos potestativos, é um poder puramente ideal, de produzir determinados efeitos jurídicos (atuação da lei); poder este que se exercita mediante umadeclaração de vontade relativamente aos efeitos que se pretende, e não requer nenhuma ação física, senão a que é necessária para manifestar e manter, durante o processo, a vontade de que a lei seja atuada (demanda judicial). Observa Chiovenda que o reconhecimento daautonomia da ação, iniciada com Windscheid e Muther, completou-se com Wach, que demonstrou ser a ação, tanto quando supre a falta de realização da vontade da lei, que deveria operar-se por prestação do obrigado, como nos numerosíssimos casos em que tende à realização da vontade concreta de lei, que não deve nem pode ser realizada de outro modo, senão no processo,é um direito por si mesmo, claramente distinto do direito subjetivo do autor, que tende a uma prestação do obrigado. Registra Chiovenda que, quando Wach assim demonstrou, a categoria dos direitos potestativos estava por ser desenvolvida pela doutrina, pelo que definiu (ele Wach) a ação como “o direito daquele a quem se deve atutela jurídica” (“ Rechtschutzanspruch”), 34 mas tendo ele (Chiovenda) começado a se ocupar desses problemas quando a categoria dos direitos potestativos já havia sido amplamente estudada pela doutrina, teve facilitado o caminho, aproveitando estes estudos, para enquadrar pela primeira vez a ação nesta categoria; pelo que, aceitando o elemento fundamental da teoria de Wach, definiu a ação como “ direito potestativo”. Se a coação é inerente à ideia dedireito, no sentido de que este tende a atuar-se, valendo-se de todas as forças postas à sua disposição; se, quando o obrigado não satisfaz a vontade concreta de lei, esta tende a atuar-se por outra via, e existem muitas vontades concretas de lei, cuja atuação só é concebível por obra do juiz no processo; se os juízes só

podem prover à atuação da lei mediante pedido da parte; então, a atuação da lei depende, normalmente, de uma condição, que é a manifestação de vontade de um particular. Se ao dizer que uma tem ação, entende-se ter ela poder o 35 urídico de provocar, com sua demanda, a atuação da vontade da lei, então a ação é o “ poder jurídico de criar a condição para a atuação da vontade da lei”; definição esta que coincide com a das fontes Nihil – aliud est actio quam ius 36 ersequendi in iudicio quod sibi debetur –, onde está claríssima a contraposição entre o direito ao que nos é devido e o direito de perseguir em juízo o que nos é devido in( indicio persequendi). Para Chiovenda, a ação por sua natureza não pressupõe, necessariamente, um direito subjetivo material; mas só concretistas. existe direito de ação quando a sentença for favorável ao autor, pertencendo ao grupo das teorias A ação é assim um poderem face do adversário, mais do que contra o adversário, e não direito contra o Estado; porque a admissão de uma tutela jurídica contra o Estado suporia um conflito de interesses entre o particular e o Estado, quando dar razão a quem tem é interesse do próprio Estado, que ele provê permanentemente com a instituição dos uízes.

Ação como direito processual das partes ação, mas ao tratar desta o fez Esta teoria se deve a Carnelutti, que não estruturou o seu sistema sobre o conceito de com a maior propriedade. Embora tenha, inicialmente, definido a ação como um direito subjetivo do indivíduo, para obter do Estado a composição do litígio, mais tarde Carnelutti a define como umdireito subjetivo processual das partes; afirmando ser o sujeito passivo da ação o juiz , a quem compete prover sobre a demanda da parte, e não a parte adversária. A intuição de que às partes compete um direito subjetivo de caráter estritamente processual respondeu o nome de ação (actio), com o qual se denota um agir em juízo, ou seja, desenvolver atividade para a tutela do interesse da parte, mediante o processo, como conteúdo do direito mesmo. Antiga é a intuição de que, por um lado, aactio se distingue do ius deduzido no processo, mas que é também ela um ius (ius persequendi in iudicio quod sibi debeatur);37 porém, antes que esta intuição tivesse podido resolver-se numa verdade científica, passaram-se dezenas de séculos. A dificuldade estava em distinguir o direito que se faz valer em juízo (direito subjetivomaterial) do direito mediante o qual se faz valer o primeiro (direito subjetivoprocessual ). Tão longe está em se confundir, hoje, o direito subjetivo processual e o direito subjetivo material, que um pode existir sem o outro; tendo eu o direito a obter do juiz uma sentença acerca da minha pretensão, ainda que minha pretensão seja infundada. 38 39 a) o direito A distinção entre os dois direitos concerne tanto a seu conteúdo como ao sujeito passivo deles: subjetivo material tem por conteúdo a prevalência do interesse em lide, e por sujeito passivo, a outra parte; e b) o direito subjetivo processual tem por conteúdo a prevalência do interesse na composição da lide, e por sujeito passivo, o uiz. A principal crítica a essa teoria está no fato de entender Carnelutti que a ação se dirige contra o juiz, não sendo lógica separação entre o funcionário judicial e o Estado, porquanto este se manifesta e atua através de seus órgãos; e é sabido aque os funcionários são os órgãos do Estado.

Ação como di re ito de petição Esta teoria foi elaborada por Couture, para quem a ação é “o poder jurídico que tem o sujeito de direito, de recorrer aos órgãos jurisdicionais, para reclamar deles a satisfação de uma pretensão”. 40 tendo sob este Este poder jurídico compete ao indivíduo, enquanto tal, como um atributo de sua personalidade, aspecto um caráter rigorosamente privado; mas, ao mesmo tempo, na efetividade desse exercício, está interessada a comunidade, o que lhe assinala caráter público. Para esta teoria, mediante a ação, cumpre-se a jurisdição, vale dizer, realiza-se efetivamente o direito subjetivo

material, já que, pelo tradicional princípio que rege em matéria civil, a jurisdição não atua sem a iniciativa individual (Nemo iudex sine actore).41 A ação atua prescindindo do direito (subjetivo material) que o autor quer ver protegido, pelo improbus litigator , 42 merecem a consideração do juiz até o seu que tanto a pretensão infundada como até a temerária, do último instante. Por essa circunstância, enquanto o indivíduo vê na ação a tutela da própria personalidade, a comunidade vê nela o cumprimento de um de seus mais altos fins, qual seja, a realização das garantias de justiça, de paz, de segurança, de ordem e de liberdade, consignadas na Constituição. Couture considera a ação como uma espécie do gênero direito de petição, agasalhado pela Constituição, e quando esse poder de peticionar se exerce ante o Poder Judiciário, sob a forma de ação, resulta coativo não apenas para o demandado como, também, para o juiz, que deve emitir um pronunciamento a respeito.

Ação como direito cívico Esta teoria foi concebida por Ugo Rocco, para quem o direito de ação é um direito público subjetivo do cidadão frente ao Estado-juiz, pertencente à categoria dos chamados direitos cívicos, 43 quer dizer, direito à prestação da atividade urisdicional do Estado, e, portanto, uma relação obrigatória de direito público. O direito de ação é abstrato , seja porque, sendo independente do direito substancial, abstrai da existência ou inexistência dos chamados direitos pleiteados, seja porque, em virtude do seu caráter geral – compete a todo possível sujeito de direitos –, abstrai daqueles que o exercitam, bem assim, do conteúdo concreto da pretensão (declaração, 44 condenação, medidas executivas) feita valer ante os órgãos jurisdicionais. O direito de ação e de contradição (defesa) é um direito abstrato , genericamente determinado, como abstrata e genericamente determinada é a obrigação jurisdicional do Estado-juiz; direito esse que é público, subjetivo e individual do cidadão frente ao Estado, e pertencente à categoria dos chamados direitos cívicos. Esse direito tem como elemento substancial o interesse secundário do particular na intervenção do Estado, para a eliminação dos obstáculos que se interpõem à realização dos interesses de direito material tutelados pelo direito objetivo. O objeto do direito de ação é a prestação da atividade jurisdicional pelo Estado, através dos seus juízes, com a finalidade de declarar o direito incerto ou de realizar com o uso da sua força coletiva os interesses cuja tutela seja certa; sendo um direito dependente de demanda do interessado dirigida ao Estado. Para Ugo Rocco, o direito de ação pode definir-se como o direito de pretender a prestação da atividade jurisdicional do Estado, para a declaração de certeza ou a realização coativa dos interesses tutelados em abstrato pelas normas do direito objetivo. 45

Ação como direito à jurisdição Esta teoria provém de Liebman, para quem a ação é o direito subjetivo consistente no poder de criar a situação para o exercício da função jurisdicional, ou seja, odireito à jurisdição. A ação se dirigecontra o Estado-juiz, na sua qualidade de titular do poder jurisdicional, mas ele a nada é obrigado com o autor, porquanto essa função se desenvolve para satisfação do interesse público, consistente no cumprimento das normas que a disciplinam. A ação é proposta, também,em face da parte contrária, contra a qual se pede um provimento urisdicional, pelo que corresponde, por parte dela, um estado de sujeição ao poder do juiz. Se o réu não pode subtrair-se aos efeitos jurídicos dos provimentos emitidos pelo órgão jurisdicional, em idêntica situação encontra-se o autor, que, tendo provocado o exercício da jurisdição, permanecerá, igualmente, sujeito a esses efeitos, ainda que, total ou parcialmente, desfavoráveis aos seus interesses. A ação é um direito abstrato que independe da existência ou inexistência do direito subjetivo material que se pretende, através dela, ver reconhecido ou satisfeito; ou mais precisamente um “ direito ao juízo sobre o mérito”, de todo independente do direito material.46 Por isso, a ação é um direito de caráter instrumental, porque é “ direito a um provimento jurisdicional”, ou seja, o meio de se buscar a tutela jurisdicional e não a tutela mesma do direito material.

Se bem que seja a ação um direito abstrato, não é genérica em caráter absoluto, mas referida a umcaso concreto, determinado e individualizado, idôneo para se tornar objeto da atividade jurisdicional, possibilitando ao juiz a emissão de um provimento sobre determinada situação danosa, para que seja removida ou reparada mediante a aplicação da lei. Portanto, a ação seria um direito subjetivo público, autônomo e abstrato, mas instrumentalmente conexo a uma pretensão de direito material. Para Liebman, srcinariamente (na 1ª e 2ª edições da sua obra), a ação depende para existir de alguns requisitos constitutivos, chamados por ele decondições da ação: I – interesse de agir; II – legitimação para agir legitimatio ( ad causam); e III – possibilidade jurídica.47 I – O interesse de agir consiste no interesse na obtenção do provimento jurisdicional para a satisfação do interesse material. O reconhecimento do interesse de agir não significa, ainda, que o autor tenha razão, mas apenas que o seu pedido merece ser examinado pelo juiz; pois o reconhecimento do direito material do autor é matéria de mérito, se a demanda 48 for procedente. II – A legitimação para agir ou legitimatio ad causam é pertinente à titularidade, ativa e passiva, da ação, e se presta para determinar quem possui o interesse de agir em juízo e aquele em face de quem existe esse interesse de acionar. Para uma ação ser validamente exercitada, deve o autor propô-la em face da pessoa em cuja esfera jurídica deva produzir efeito o provimento jurisdicional demandado. 49 III – A possibilidade jurídica do pedido consiste na admissibilidade, em abstrato, do provimento demandado, devendo encontrar-se entre aqueles sobre os quais o juiz possa pronunciar, e não esteja expressamente vedado pelo ordenamento jurídico. Presentes estas condições, considera-seexistente a ação, como direito de provocar o exame da pretensão e pretender uma decisão do mérito; mas o resultado da demanda depende de o autor ter ou não ter direito substancial. Se faltar uma dessas condições, o autor será carecedor da ação, e, como tal, declarado pelo juiz em qualquer fase do processo; se o autor tiver razão, a ação, além de existente, seráfundada.

Relatividade do conceito de ação Calamandrei não chegou a formular uma teoria sobre a ação, limitando-se a analisar as diversas teorias, nas suas relações de espaço e tempo, concluindo que o conceito de ação não é absoluto, mas relativo, sendo verdadeiro ou não consoante determinado momento histórico. Para Calamandrei, a ação pode ser concebida como um direito subjetivoautônomo, que pode existir por si mesmo, independentemente da existência de um direito subjetivo material, econcreto, destinado a obter uma providência urisdicional favorável ao demandante. Depois de resumir as teorias em torno do conceito de ação, registra Calamandrei que, entre as várias teorias, algumas partem de uma concepção de relações entre cidadãos e Estado, entre liberdade e autoridade, que não é a vigente no Estado italiano. Quando se considera a ação apenas como ummomento inseparável do direito subjetivo privado, preordenado a realizar o predomínio do interesse individual protegido, sobre o sacrificado, a parte reservada ao Estado, nesta relação entre particulares, é a de um personagem de terceiro plano, que a pedido do credor intervém como seu auxiliar e substituto, com o objetivo de ajudá-lo a demonstrar ter razão contra o adversário, e a alcançar seus fins individuais. A ideia de que o Estado trate, também, através da jurisdição civil, de satisfazer a um interesse de caráter público, ermanece na sombra: o momento da liberdade predomina sobre o da autoridade. Igualmente a teoria do direito à tutela jurídica, expressão do direito concreto de agir, ao conceber o Estado como obrigado à prestação jurisdicional, frente ao cidadão, é uma expressão, acaso a mais consciente e perfeita, daquela concepção essencialmente liberal de Estado, segundo a qual o interesse público é considerado em função do interesse privado e a justiça aparece como um serviço que o Estado põe à disposição do cidadão, para ajudá-lo a satisfazer o

próprio direito subjetivo. No extremo oposto, como expressão de uma concepção autoritária e coletivista do Estado, diametralmente antitética à liberdade, está a teoria do direito abstrato de agir, segundo a qual a ação, inteiramente desvinculada do direito subjetivo, serviria unicamente ao interesse público na observância da lei, desaparecendo o conceito de ação como direito, e entrando em jogo o conceito de ação como função pública. O sujeito agente, que, ao promover o processo, proporciona ao Estado a ocasião para confirmar a própria autoridade, aparece como investido de uma função pública, que exercita não no interesse próprio, senão no interesse do Estado. A ação no sentido abstrato, como direito de não ter razão, não pode jus-tificar-se senão assim, porque também quem apresenta ao juiz uma demanda infundada oferece ao Estado a ocasião de pronunciar uma sentença, com a qual, ao declarar que, segundo a lei, o reclamante não tem razão, alcança seu fim público de fazer respeitar 50 a lei. Entre estas duas teorias extremas da ação, uma correspondente à concepção liberal e individualista do Estado, e outra correspondente a uma italiano concepção coletivista, parece que formulada a teoria por que Chiovenda. melhor se adapta ao atual momento histórico do Estado seja aautoritária intermédia,e do “ direito potestativo”, A teoria da ação como direito potestativo parece, pois, a mais adequada, historicamente, ao processo civil regulado pelo Código; mas com isto não se nega que as outras teorias tenham no passado, ou possam, no futuro, aparecer como mais adequadas para explicar uma realidade social diversa da presente; assim, no mesmo ordenamento positivo, hoje vigente, apresentam-se não poucas zonas do direito civil, nas quais predominam tão energicamente as considerações de ordem pública, que a ação, relativa a estas relações, vai perdendo, cada vez mais, os caracteres de direito subjetivo, e assumindo cada vez mais a figura depoder público, que tem sido posto em evidência pelos teóricos do direito abstrato de agir.” Num artigo intitulado “ Relatividade do conceito de ação”, Calamandrei procura demonstrar que as várias teorias que lutam em torno do conceito de ação encontram justificação histórica no momento presente, enquanto cada uma delas deve entender-se relativa a uma dentre as diversas concepções ou fases do amadurecimento das relações entre cidadão e Estado, que convivem hoje em zonas limítrofes do ordenamento jurídico, de sorte que cada uma das teorias não pode ser considerada mesma, nem absolutamente falsa , porque serve recolher, uma de um diverso pontoemdesivista, uma diversa porção deverdadeira verdade, ,e nem para absolutamente fazer brilhar um instante, antes de para ser superada, das inumeráveis facetas desse metal em fusão, que penetra na armação do Estado. Qualquer que pareça, dentre as várias teorias, a preferível, o certo é que a ação, antes de ser uma construção dogmática dos teóricos, é uma realidade prática, aceita pelo direito de todos os Estados civilizados. 51 já não fala que seja um direito subjetivo, nem que se dirija Posteriormente, ao se referir à ação, Calamandrei contra o adversário, nem tampouco que seja um direito potestativo e concreto destinado a obter uma sentença favorável, senão que a defesa é um direito inviolável do cidadão, em qualquer grau de procedimento, e, em virtude desta disposição, o direito de ação, ou o direito de dirigir-se aos órgãos judiciais (o direito de agir em sentido abstrato), assim como o direito inviolável de defesa, entra diretamente no campoconstitucional, entre os direitos fundamentais reconhecidos a todos os cidadãos e, em determinadas condições, aos estrangeiros.

Condições da ação civil As condições da ação são requisitos necessários ao exercício da ação, sem os quais o direito de ação não existe. Duas são as condições da ação: a) interesse de agir (ou interesse processual); eb) legitimidade das partes (ou legitimatio ad causam). a) O interesse de agir (ou interesse processual) traduz a necessidade da tutela jurisdicional para evitar ameaça ou lesão ao direito; ou a necessidade de se invocar a tutela jurisdicional no caso concreto. Faltaria esse interesse na ação de cobrança de dívida ainda não vencida. b) A legitimidade das partes (ou legitimatio ad causam) traduz a pertinência subjetiva da lide, de modo que o autor seja aquele a quem a lei assegura o direito de invocar a tutela jurisdicional, e o réu, aquele em face de quem pode o autor pretender algo. Assim, faltaria legitimidade ao pai para cobrar judicialmente dívida do filho; ou ao marido para

cobrar dívida da mulher. 52 fiel ao novo magistério de São estas as condições da ação, à luz do novo Código de Processo Civil (art. 485, VI), 53 Liebman. Era criticável a inserção da possibilidade jurídica do pedido, na sua feição clássica, entre as condições da ação, como sendo aquela situação em que faltava no ordenamento jurídico a previsão, em abstrato, a pretensão postulada. Num ordenamento jurídico como o brasileiro, em que a falta ou lacuna na lei não exime o juiz de decidir (CPC, art. 140, 1ª parte), 54 a possibilidade jurídica do pedido não ficava numa situação confortável como uma das condições da ação. Haverá caso em que faltará essa previsão legal, em abstrato, no direito objetivo, mas, nem por isso, poderá o juiz eximir-se de processar e julgar a causa, alegando omissão na lei. Se a ordem jurídica não vedar de forma expressa a pretensão material, haverá possibilidade jurídica do pedido, ainda que, para aferi-la e julgá-la, tenha o juiz de se socorrer de regras de integração do ordenamento jurídico; mas, se vedar, não haverá possibilidade jurídica. Penso como Liebman, que a possibilidade jurídica do pedido não é algo que se possa contrapor aointeresse de agir, porque, se o ordenamento jurídico vedar determinada pretensão, como, por exemplo, a cobrança de dívida de jogo (ilícito), não terá o credor interesse de agir para postular a sua tutela em juízo; pelo que a hipótese será defalta de interesse de agir, e não de falta de possibilidade jurídica. Diversamente do Código de 1973 (art. 267, VI),55 que considerava a possibilidade jurídica (do pedido) como uma das condições da ação, o novo Código toma diretriz oposta, limitando a considerar como condições da ação apenas a legitimidade (das partes) e o interesse processual. A teoria de Liebman, adotada pelo novo Código de Processo Civil, continua não explicando, satisfatoriamente, o que acontece quando o juiz julga o autor carecedor da ação, por ocasião da sentença, por constatar a ausência de uma das condições da ação. Nesse caso, seguindo os ensinamentos de Wach, teria havido o exercício de mera faculdade urídica.

Condições da ação penal A ação penal, tanto quanto a ação civil e trabalhista, subordina-se a determinadas condições, pois é direito subjetivo público, abstrato e autônomo de pedir ao órgão jurisdicional a atuação da lei penal. No âmbito penal, além do interesse de agir e da legitimação para agir, emerge de forma bastante destacada a ossibilidade jurídica, pois a denúncia ou a queixa deverá fundar-se, necessariamente, num fato típico e antijurídico, expressamente previsto no direito material penal. O princípio da reserva legal (Nullum crimen nulla poena sine lege)56 impede que, através da atividade integradora da lei, se crie a norma a aplicar-se ao caso concreto, sendo impossível, por exemplo, denunciar alguém por incesto,57 que não é crime previsto na lei penal brasileira. Na esfera penal, costuma-se falar na doutrina (Vannini, Leone, Frederico Marques) em condições de

rocedibilidade para traduzir os requisitos ou pressupostos aos quais se subordina oexercício da ação penal. Algumas das condições da ação sãogenéricas, indispensáveis ao exercício de qualquer ação, inclusive a ação penal, devendo coexistir – possibilidade jurídica, interesse de agir elegitimatio ad causam –, e outras são específicas, necessárias apenas num ou noutro caso, condicionando o exercício de determinada ação. Assim, por exemplo, na esfera penal, a representação da parte ofendida ou de seu representante legal, quando necessária ao exercício da ação penal.

Defesa contra a ação. Questões sobre o exercício da ação A questão, doutrina Carnelutti, é todo ponto duvidoso, de fato ou de direito, que surge no processo e que cumpre ao juiz resolver, sendo correlata à noção deafirmação da parte.

Se a afirmação por uma das partes não for contraditada pela outra, nem posta em dúvida pelo juiz, configura mero onto; mas, havendo discordância, o ponto converte-se emquestão. No sentido técnico jurídico, o vocábulo “ questão” designa uma controvérsia sobre um ponto de fato ou de direito. O estudo das questões é importante, pois, conforme sua natureza, vão elas influir diversamente na decisão final; e diversa será também a eficácia da decisão do juiz a respeito. A eficácia dos atos processuais, de um modo geral, resulta justamente da natureza das questões solucionadas num determinado processo. Assim, se o réu alegar, na sua defesa, a ausência de pressupostos processuais ou de condições da ação, estará suscitando questões; o mesmo acontecendo se atacar ponto relacionado com a pretensão material do autor. Todas estas questões levantadas pelas partes devem ser solucionadas pelo juiz, e da sua decisão dependerá o resultado quanto ao mérito da causa. Hélio Tornaghi classifica as questões, genericamente, em três categorias:a) questões preliminares ou prévias; b) questões intermédias; e c) questões finais. As questões preliminares ou prévias são pertinentes aos pressupostos processuais; asquestões intermédias são pertinentes às condições da ação; e as questões finais são pertinentes à pretensão deduzida em juízo, ou seja, ao mérito da causa. Certas questões se colocam entre o exame dos pressupostos processuais e o mérito da causa, sendo, por isso, chamadas questões intermédias, como são as concernentes ao exercício dodireito de ação, como o interesse de agir e a legitimidade das partes. condições ou o juiz, ex officio, puser em dúvida a sua existência, Sempre que o réu alegar a falta de alguma dessas estaremos diante de uma questão sobre o exercício da ação. Assim, por exemplo, o réu, ao se defender, alega que o autor está cobrando dívida ainda não vencida, ou cujo vencimento foi prorrogado (falta de interesse de agir), ou que a dívida foi contraída pelo pai e está sendo cobrada do filho (falta de legitimidade da parte), estará, em defesa, suscitando questões relativas às condições da ação. Como a ação nada mais é do queum dos vértices da relação processual – aquele que liga o autor ao juiz e viceversa –, qualquer questão sobre a ação (ou sobre alguma de suas condições) deriva numaquestão processual, a ser resolvida antes do mérito da causa. Para Hélio Tornaghi, a ausência dascondições da ação se abriga no et rmo “exceção” (defesa), ao lado da falta de pressupostos processuais. O exame dessas questões prescinde de alegação das partes, cumprindo ao juiz examinar de ofício a presença das condições da ação, em qualquer fase do procedimento, e, se der pela sua ausência, extinguir o processo sem resolução de mérito. A eficácia da decisão que resolve sobre uma questão intermédia é restrita ao processo em que foi proferida, pois a pretensão material deduzida em juízo continua imprejulgada. Se não preenche o autor ascondições da ação, deve ser julgado carecedor de ação, sem prejuízo de que, uma vez satisfeitas, exercite nova ação para tutela do pretendido direito material; salvo se lhe for interditado o exercício de nova ação (casos de perempção, litispendência ou coisa julgada).58 Essas questões podem surgir em qualquer processo, civil, trabalhista ou penal, pois o exercício do direito de ação, qualquer que seja o conteúdo da lide a que se refira, está sujeito ao preenchimento das condições da ação.

Class ific ação das ações As ações são classificadas pela doutrina sob mais de um aspecto, conforme se trate de ação civil, trabalhista ou penal. A ação civil pode ser assim classificada:59 I) Ação individual: 1) ação de conhecimento:

a) declaratória (positiva ou negativa); b) condenatória; c) constitutiva; 2) ação de execução: de título extrajudicial II) Ação coletiva: essa classificação não difere da classificação da ação individual. O novo Código de Processo Civil deslocou a antiga ação cautelar do Código de 1973 para a sua Parte Geral, disciplinando-a juntamente com a tutela antecipada, como modalidades de tutela provisória de urgência (cautelar ou antecipada), podendo ser antecedente e incidental. A tutela provisória tem cabimento, também, no processo de execução e nos procedimentos especiais. Graficamente:

A ação individual tem por objeto pretensão material pertencente a uma única pessoa ou a mais de uma solidariamente ou em condomínio. A ação de conhecimento provoca uma providência jurisdicional que reclama um processo regular de cognição, pelo qual o juiz tenha pleno conhecimento da lide, a fim de que possa proferir uma decisão de mérito, extraindo da lei a regra concreta aplicável à espécie. A ação declaratória visa à simples declaração de existência ou inexistência de uma relação jurídica, ou de autenticidade ou falsidade de um documento, em que o bem da vida pretendido é somente caerteza, com o que se esgota a função jurisdicional do Estado, ficando satisfeita a pretensão do autor. Quando a pretensão do autor é a declaração deexistência de uma relação (ou situação jurídica), diz-se ação declaratória positiva; e, quando a pretensão é a declaração deinexistência de uma relação (ou situação jurídica), diz-se

ação declaratória negativa. A ação condenatória visa à condenação do réu a uma prestação (de pagar quantia, fazer, não fazer, entregar coisa), mediante aplicação de uma sanção ao réu, que, no âmbito civil, é sujeitá-lo à execução. A ação constitutiva visa à criação, modificação, conservação ou extinção de uma relação jurídica ou situação urídica. 60 ou uma tutela da A tutela provisória visa uma tutela urgente , antecedente ou incidental (CPC, art. 294) 61 evidência (CPC, art. 311), tendentes a satisfazer o direito (material), mediante tutela antecipada, quando houver probabilidade do direito e perigo de dano (tutela de urgência) ou mediante tutela cautelar, quando houver probabilidade do direito e risco ao resultado útil do processo (CPC, art. 300, caput);62 e satisfazer o direito material na tutela da evidência, independentemente de perigo de dano ou de risco ao resultado útil do processo (CPC, art. 311), sendo admitidas liminares apenas nas hipóteses previstas nos incisos II e III. A ação de execução provoca providências jurisdicionais de execução, tendo por pressuposto umtítulo executivo 63

extrajudicial; mesmo em face da Fazenda Pública (CPC, art. 910). 64 As medidas cautelares (rectius, ações cautelares) sobrevivem no direito processual penal (arts. 282, §§ 1º a 6º), pois no processo trabalhista se aplicam, subsidiariamente, as normas do Código de Processo Civil relativas à tutela provisória (CLT: art. 8º, parágrafo único;65 CPC, art. 15 66). A ação coletiva tem por objeto pretensão material pertencente a um grupo, categoria ou classe de pessoas; sendo a pretensão coletiva objeto de tutela pela Lei da Ação Civil Pública, 67 do Código de Defesa do Consumidor68 etc., viabilizando a tutela dos direitos e interesses difusos, coletivos e individuais homogêneos. A ação ou dissídio trabalhista é classificada em: I) Dissídio individual: a) declaratório;

b) constitutivo; c) condenatório; d) de execução; e) tutela provisória. II) Dissídio coletivo: a) constitutivo; b) declaratório. Graficamente:

O dissídio individual é aquele cujo titular é pessoa singularmente considerada e destina-se à obtenção de um pronunciamento judicial sobre interesse concreto e individualizado; podendo ser declaratório, constitutivo, condenatório, de execução e cautelar. Estas modalidades de ações não se distinguem na essência da classificação civil. O dissídio coletivo é exercido em função de um direito que é reconhecido aos grupos, isto é, às categorias profissionais, representadas no processo pelos sindicatos ou associações organizadas. O dissídio coletivo pode ser constitutivo ou declaratório.69 A ação penal pode ser classificada em função doelemento subjetivo, 70 correspondente ao sujeito que a promove: Ação penal: I) ação pública: a) incondicionada; b) condicionada. II) ação privada: a) exclusivamente privada; b) subsidiária da ação pública; c) privada personalíssima. Graficamente:

A ação pública incondicionada compete, com exclusividade, ao Ministério Público, sem que haja necessidade de manifestação de vontade de quem quer que seja. A ação pública condicionada é promovida pelo Ministério Público, mas condicionada a uma manifestação de vontade de outrem, através de representação do ofendido ou de seu representante legal, ou de requisição do Ministro da Justiça. A ação exclusivamente privada compete ao ofendido ou a quem legalmente o represente, dependendo o seu exercício do seu poder dispositivo. A ação privada subsidiária da ação pública é intentada nos crimes de ação penal pública, seja condicionada ou incondicionada, se o órgão do Ministério Público não oferecer a denúncia no prazo legal. Ação penal privada personalíssima compete única e exclusivamente ao ofendido, dependendo da sua vontade a persecução penal.

Elementos da ação

A ação se compõe de três elementos, que lhe dão individualidade no caso concreto, sendo este tema de grande importância na doutrina da identificação das ações e nas que se desenvolvem a partir dela, como a da coisa julgada, da litispendência, da sucumbência, da conexãoetc. Em sede doutrinária, a ação vem sendo considerada como um direitoabstrato , que, ao ser exercida, adquire um colorido que a identifica ou distingue pela presença de determinadaspessoas, litigando sobre determinado bem, por alguma razão ou motivo. São elementos da ação: a) partes; b) pedido; c) causa de pedir (oucausa petendi). a) Partes são os titulares das posições ativa (autor) e passiva (réu) na demanda judicial; aquele que age e aquele que 71 reage em juízo; aquele que exercita o direito de ação e aquele em face de quem esse direito é exercido. As partes são os sujeitos parciais da lide. b) Pedido é aquilo que se pede em juízo e que constitui o núcleo da pretensão material, dividindo-se: 1) pedido imediato; e 2) objeto ou pedido mediato. 1) O pedido imediato é aquilo que imediatamente se pede, que é a atuação da lei, consistente numa providência urisdicional declaratória, condenatória, constitutiva, de execução ou cautelar. 2) O pedido mediato é o bem ou interesse que se quer ver tutelado pela sentença, seja esse bem material ou imaterial, econômico ou moral, consistente no pagamento do crédito, na restituição do imóvel etc. c) Causa de pedir ou causa petendi é a razão ou o motivo pelo qual se exercita a ação. Existem duas teorias sobre a causa de pedir: da individuação; da substanciação. Pela teoria da individuação, basta ao autor indicar na petição inicial a causa próxima do pedido, consistente no seu fundamento jurídico. Pela teoria da substanciação, deve o autor indicar na petição inicial a causa remota do pedido, ou seja, o fato 72 constitutivo do seu direito, quanto à causa próxima, ou seja, o fundamento jurídico do pedido. No sistema brasileiro, manda o inciso III do art. 319 do Código de Processo Civil que a petição inicial indicará o fato (causa remota) e os fundamentos jurídicos do pedido (causa próxima), com o que adotou teoria a da substanciação. Assim, na ação de despejo, deverá o autor indicar a relação jurídica de locação (causa remota) e a falta de pagamento de aluguéis (causa próxima). Se, por acaso, não tiver êxito nessa ação, poderá o autor propor outra ação de despejo, indicando, desta feita, o contrato de locação (causa remota) e a necessidade do imóvel para uso próprio (causa próxima). Apesar de a causa remota ou fato constitutivo do direito do autor, nas duas ações, ser a mesma (o contrato de locação), a causa próxima ou o fundamento jurídico é diferente (numa, a falta de pagamento; na outra, a necessidade do imóvel). No que concerne à individualização das ações, duas ações são idênticas quando os seus elementos constitutivos são os mesmos, havendo identidade de partes, de pedido e de causa de pedir. Se algum ou alguns desses elementos forem os mesmos, mas outro ou outros forem diferentes, ter-se-á uma conexão de causas, e não identidade de ações.

Bibliografia ARANGIO-RUIZ, Vicenzo.Las acciones en el derecho privado romano. Madrid: Revista de Derecho Privado, 1945. ARCILA, Carlos Ramirez. Teoria de la acción. Bogotá: Temis, 1969. CALAMANDREI, Piero. Instituciones de derecho procesal civil. Buenos Aires: EJEA, 1973. v. I. CARLOS, Eduardo B. Introducción al estudio del derecho procesal . Buenos Aires: EJEA, 1959. CARNELUTTI, Francesco. Sistema del derecho procesal civil. Padova: Cedam, 1936. v. I. CHIOVENDA, Giuseppe. Princípios de derecho procesal civil . 3. ed. Madrid: REUS, 1977. t. I. ______. Instituições de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1962 e 1969. v. I e II.

______. Saggi di diritto processuale civile. Milano: Giuffrè, 1993. v. I. COUTURE, Eduardo J. Fundamentos del derecho procesal civil . Buenos Aires: Depalma, 1988. ______. Introducción al estudio del proceso civil . Buenos Aires: EJEA, 1959. DINAMARCO, Cândido Rangel. Fundamentos do processo civil moderno. São Paulo: RT, 1986. GIGLIO, Wagner D.Direito processual do trabalho. São Paulo: RT, 1972. GOLDSCHMIDT, James. Derecho justicial material. Buenos Aires: EJEA, 1959. LARA, Cipriano Gómez. Teoria general de processo. México: Textos Universitários, 1976. MOREIRA ALVES, José Carlos.Direito romano. Rio de Janeiro: Forense, 1971. v. I. NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Direito processual do trabalho. 14. ed. São Paulo: Saraiva. NOGUEIRA, Paulo Lúcio. Curso completo de processo penal. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2000. PINTO, José Augusto Rodrigues. Processo trabalhista de conhecimento. 4. ed. São Paulo: LTr, 1998. PUGLIESE, Giovanni. Polemica sobre la “actio” – Introducción, XII. Trad. de Tomás Banzhaf. Buenos Aires, EJEA, 1974. ROCCO, Ugo. Tratado de derecho procesal civil. Bogotá e Buenos Aires: Temis e Depalma, 1969. t. I. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. São Paulo: Saraiva, 2009. v. 1. TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo penal. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2001. v. I. WACH, Adolf. Manual de derecho procesal civil. Buenos Aires: EJEA, 1977. v. I.

1

Os romanos, além de guerreiros, foram inegavelmente grandes juristas, sabendo colocar a força a serviço do direito.

2

O pretor era o magistrado romano, numa época em que quem julgava não era o pretor, mas o julgadore s privados.

3

Eram as seguintes as Tábuas: Tábua I – chamamento a juízo; Tábua II – julgamentos e furtos; Tábua III – direitos de crédito e devedores relapsos; Tábua IV – casamento e pátrio poder; Tábua V – herança e tutela; Tábua VI – propriedade e posse; Tábua VII – delitos; Tábua VIII – direitos prediais; Tábua IX – dispositivos de Direito Público; Tá bua X – direito sa cro; Tá buas XI e XII – com plem entam as matér ias das Tábuas precedentes. Dessas Tábuas, apenas as Tábuas I a III tratavam do direito processual.

4

A actio sacramentum era a ação ordinária utilizada toda vez que a lei não estabelecia uma ação especial. O sacramentum era o depósito de uma quantia feito pelas partes em juízo; aquela que perdesse a causa perdia também essa quantia, que era destinada ao Estado.

5

A actio per iudicis postulationem era a ação especial utilizada para a divisão de herança; para a cobrança de crédito decorrente de promessa; e para a divisão de bens comuns.

6

A actio per conditionem er a a açã o para c obrança de c rédito em dinheiro e para sancionar prest ações de c oisa cer ta que não din heiro.

7

A actio perssamanus erazão. a a ção e xecutória utilizada c ontra o condenad o, numa açã o de declaraç ão, a pagar certa im portância, ou que confe que oiniectionem autor ti nha ra

8

A actio per pignoris capionem er a a açã o que só podia ser utilizada pa ra cobranç a de c ertos débitos – cobrança de soldos; de c ontribuição pa ra compra de cavalo e sua manutenção; de preço do animal destinado ao sacrifício religioso; de aluguel de animal, desde que o preço fosse aplicado em sacrifício religioso; e cobrança de impostos – e que admitia o apossamento de bens do devedor, para compeli-lo ao pagamento do débito.

iudex (juiz) ou arbiter (árbitro), ambos

9

O edito é parte de uma lei em que se prec eitua alguma coisa; difere nte de édito, ordem judicial publicada por editais. 10 Exem plo: “ Si paret... Condemnato, si non paret absolvito” (A rangio-Ruiz). Se for m anifesto, condena; se não for, a bsolve. 11 A etapa denominada “ in iure” era aquela em que o pretor organizava o julgamento, fixando a proposta da questão litigiosa, sem considerar a vera cidade ou fa lsidade dos fatos inv ocados pelas partes, dec idindo se devia haver julgame nto ( iudicium). 12 A litiscontestatio encerrava a primeira fase do procedimento, fixando, perante o pretor, a lide que seria objeto de decisão pelo juiz popular

( iudex ou arbiter) na segunda fase. 13 A etapa denominada “ in iudicio” era aquela que se passava perante o sentença.

iudex ou arbiter, que dirigia o processo, colhia as provas e proferia a

14 Essas publicações ocorreram entre os anos de 529 a 534 da Era Cristã. 15 “Em verdade, a ação nada mais é do que o direito de perseguir em juízo o que nos é devido.” 16 Acolhida pelo art. 75 do Códi go Civil de 1916: a todo di reito corre sponde um a aç ão, que o assegura. 17 Königsberg se cham a hoj e Kaliningrad e se e ncontra sob o dom ínio da Rússia (Revista FOCUS, n. 145, Im pala, p. 37, 24.07.20 02). 18 Compilaç ão da s leis rom anas que r eunia I nstitutos, P andec tas, Novelas e Código Justiniano. 19 “Ação de c oisa comprada.” 20 A legis actio sacramentum era a ação ordinária utilizada toda vez que a lei não estabelecia uma ação especial. O sacramentum era o depósito de uma quantia feito pelas partes em juízo; aquela que perdesse a causa perdia também essa quantia, que era destinada ao Estado. 21 Ação e m que a form a c ondiciona o êxit o. 22 Ação do comprador de boa-fé para obter a coisa com prada. 23 Açã o negatória de direitos al heios sobre a coisa. 24 Die actio. Abwehr gegen Dr. Th. Muther , Düsseldorf, 1857. 25 Bülow foi o primeiro teórico a falar numa relação jurídica processual, e, também, o primeiro a ocupar-se da importância que têm, no processo civil, a defesa do dem andado e a correta integração dos dife rentes estágios judiciais, tendo batizado as prescrições que se devem apresentar em toda relação jurídica processual com o nome de “pressupostos processuais”. 26 Quanto ao mais, também Degenkolb termina por reconhecer que, no uso corrente e no sentido gramatical, tem-se entendido a ação como um direito concreto atual existente antes do processo, e, precisamente, como um poder jurídico para obter contra o adversário um resultado favorá vel no processo. CHIOVENDA, Giuseppe. Op. cit., p. 82-83 . 27 “ La contesa sul concetto d’azione ” – A disputa sobre o conce ito de a ção (1877). 28 Contribuições à teoria do direito de queixa (ou ação) (1880). 29 Foram publicados apena s dois volumes, tendo a obra , infelizmente, fica do incompleta. 30 Os espanhóis preferem traduzir por “A pretensão de declaração”. 31 Literalmente, Rechtschutzanspruch significa “pre tensão à proteçã o do direito”. 32 Esta conferência se celebrizou com o nome de Prolusão bolonhesa. 33 Quando se diz que a coação é um elemento do direito e que, pela mesma razão, a ação é um elemento do direito subjetivo, resvala-se num sofisma, porque a coação é um elemento do direito objetivo, enquanto, do pon to de vista subje tivo, uma coisa é o direito à prestaçã o e, outra, o poder de provocar a coaçã o do Estado (Chiovenda). 34 Rec htschutzanspruch significa litera lme nte “pretensão à proteção do direito”. 35 Kann Rechte (direito do poder) ou Rec hte des rechtlichen Könnens (direito do pod er jurídico). 36 “Nada mais é a ação do que o direito de perseguir em juízo o que nos é devido.” 37 “Direito de perseguir em juízo o que a si é de vido.” 38 Carlos Ramirez Arcila assim relaciona os postulados da concepção carneluttiana: I – A ação é um direito subjetivo processual das partes; II – Este direito é diferente do direito subjetivo material; III – Para exercitar a ação, não é necessário ter o direito subjetivo material, pelo que pode exe rcitá-la qualquer cidadã o; IV – A aç ão não é um poder de obter uma sentenç a favorável, senão unicam ente o poder de obter a decisão. obrigação não é éa um de dar quem a peça,desenão unicamente a quemdeasubordinação tenha; V – Ade ação diferentealheio da pretensão. Aquela éAuma relação;doa juiz pretensão ato,razão uma amanifestação vontade, é a exigência uméinteresse a outro próprio; VI – A ação não tem com o suj eito passivo o adve rsár io, senão o juiz ou, em geral, o mem bro do ofício a quem corresponde pr over sobre a demanda proposta pela parte; VII – A legitimação não é um requisito do sujeito da ação, necessário para que esta possa ter consequências jurídicas, senão um pressuposto dos atos processuais e, como tal, da pretensão; VIII – O interesse individual do autor é diferente do interesse da aç ão. O daquele está na solução fa vorável do litígio e o desta e stá na com posiçã o do litígio. O interesse da a çã o não é o interesse individual das partes, senão o interesse coletivo: o interesse da sociedade, de que os litígios sejam dirimidos mediante o exercício da ação. 39 Carnelutti, tal como Windscheid, distingue a “ação” da “pretensão”, registrando que, enquanto a ação é uma relação , a pretensão é um fato, ou, mais concretamente, um ato jurídico; conceitos estes que pertencem a áreas distintas e mesmo opostas da ciência jurídica, que são a estática e a dinâmica do direito. 40 Nesse ponto, a teoria de Couture se aproxima da de Köhler da ação como em anaçã o do direito da personalidade ; enquanto Couture afirm a ser

a a ção um “atributo” da personal idade, Köhl er a firmar ser uma em anação dele. 41 Não há j uiz sem autor. 42 Litigante ímprobo. 43 Neste ponto, esta teoria se a proxima da teoria de Couture, da ação c omo direito de petição, com base na Constituição. 44 No campo da jurisdição e do processo, afirma Ugo Rocco, o Estado se apresenta com o suje ito c uja vontade e aç ão estão reguladas por normas de direito processual objetivo, e, frente a ele, enquanto sujeito de direitos e obrigações, encontra-se o cidadão, também dotado de capacidade e sujeito de direitos e obrigações no que respeita àquelas especiais relações que nascem do exercício da função jurisdicional. Essas relações que ocorrem entre o Estado, no exercício da função jurisdicional, e os cidadãos são relações de direito público (direito de ação e de contradição em juízo). 45 A doutrina de Ugo Rocco representa um avanço em relação à de Carnelutti, pois, sem se apartar de suas teses fundamentais, as supera, quanto à eliminação do vínculo entre ação e litígio e em relação ao sujeito passivo da ação, que para ele não é o juiz, mas o Estado. 46 Para Liebman, a ação é um direito que traz implícito um elemento hipotético e aleatório, porque é exercido com risco próprio, com um resultado será conforme o próprio interesse, somente se ocorrerem todas as outras condições vez por outra necessárias e por si mesmas estranhas que à a ção. 47 Na terc eira ediçã o do seu Manual, Liebman abandonou essa posição, passando a sustentar que essas condições são apenas duas (interesse de agir e legitimação para agir). Mantemos a orientação constante da edição anterior, inclusive a possibilidade jurídica do pedido, porque foi agasalhada pelo Código de Processo Civil brasileiro de 1973 (art. 267, VI) e, a meu ver, é uma das condições da ação penal. 48 O interesse de agir é um requisito não só da ação, mas de todos os direitos processuais, como o direito de defender-se, de recorrer etc. 49 Como direito bilateral, a titularidade da ação apresenta-se necessariamente como problema de duas faces, correspondendo à legitimação do autor expor em juízo sua pretensão e à legitimação do réu para deduzir pretensão contrária. 50 O absoluto predomínio, na ordem constitucional, do interesse coletivo, põe cada vez mais em evidência o direito objetivo da vontade do Estado, deixando na sombra a função, antes preeminente, de garantia e de equilíbrio dos interesses individuais. Assim, enquanto o direito objetivo se resigna a ser, pouco a pouco, a sombra de si mesmo, retrocedendo ao grau de interesse ocasionalmente protegido, também a jurisdição c ivil, insensivelme nte, vai se convertendo em jurisdição de mero direito objetivo. 51 Essa sua posição foi exposta numa conferência pronunciada em 1952. 52 Art. 485. O juiz não resolverá o mé rito quando: (...) VI – verificar ausência de legitimidade ou de interesse proc essual (...). 53 Na terc eira ediçã o do seu Manuale di diritt o proc essuale civile , Liebman já limitou as condições da ação ao interesse de agir e legitimidade para agir, entendendo que a possibilidade j urídica do pedido se compreendia no interesse de agir. 54 Art. 140. O juiz não se exime de decidir sob a alegação de lacuna ou obscuridade do ordenamento jurídico. (...) 55 Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: VI – quando não concorrer qualquer das condições da ação, como

a possibilidade

jurídica , a legitimidade das partes e o intere sse processual; (...). 56 Não há crime nem pena sem lei (anterior) que os def ina. 57 Incesto é a relação sexual ou marital entre parentes próximos ou alguma forma de restrição sexual dentro de determinada sociedade. 58 Art. 486. O pronunciamento judicial que não resolve o mérito não obsta a que a parte proponha de novo a ação. (...) 59 Essa c lassificaç ão é em razão da natureza da prestação jurisdicional invocada. 60 Art. 294. A tutela provisória pode fundamentar-se em urgência ou evidência. Parágrafo único. A tutela provisória de urgência, cautelar ou antecipada, pode ser concedida em caráter antecedente ou incidental. 61 Art. 311. A tutela da evidência será concedida, independentemente da demonstração de perigo de dano ou de risco ao resultado útil do processo, quando: I – f icar caracterizado o abuso do direito de defesa ou o m anife sto propósito protelatório da parte; II – as alegações de fato puderem ser com provadas a penas docum entalm ente e houve r tese firm ada em julgam ento de casos repetitivos ou em súmula vinculante; III – se tratar de pedido r eiper secutório funda do em prova docum ental adequada do contrato de depósito, ca so em que será decretada a ordem de entrega do objeto custodiado, sob cominação de multa; IV – a petição inicial for instruída com prova documental suficiente dos fatos constitutivos do direito do aut or, a que o r éu nã o oponha prova c apaz de ge rar dúvida ra zoável. Pa rágra fo único. Nas hipót eses dos incisos II e III, o juiz poderá decidir liminarmente. 62 Art. 300. A tutela de urgência será concedida quando houver elementos que evidenciem a probabilidade do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo. (...) 63 Art. 910. Na execução fundada em título extrajudicial, a Fazenda Pública será citada para opor embargos em 30 (trinta) dias. § 1 o Não opostos embargos ou transitada em julgado a decisão que os rejeitar, expedir-se-á precatório ou requisição de pequeno valor em favor do exequente, observando-se o disposto no art. 100 da Constituição Federal. § 2 o Nos embargos, a Fazenda Pública poderá alegar qualquer matéria que lhe seria lícito deduzir como defesa no processo de conhecimento. § 3 o Aplica-se a este Capítulo, no que couber, o disposto nos

artigos 534 e 535. 64 Art. 282. As medidas caute lares previstas neste Título deverão ser aplicadas observando-se a: I – necessidade para aplicação da lei penal, para a investigação ou a instrução criminal e, nos c asos expressam ente previstos, par a evitar a pr ática de infr aç ões penais. II – adequação da medida à gravidade do crime, circunstâncias do fato e condições pessoais do indiciado ou acusado. § 1 o As medidas cautelares poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente. § 2 o As medidas cautelares serão decretadas pelo juiz, de ofício ou a requerimento das partes ou, o quando no curso da investigação criminal, por representação da autoridade policial ou mediante requerimento do Ministério Público. § 3 Ressalvados os casos de urgência ou de perigo de ineficácia da medida, o juiz, ao receber o pedido de medida cautelar, determinará a o No intimação da parte contrária, acompanhada de cópia do requerimento e das peças necessárias, permanecendo os autos em juízo. § 4 caso de descumprimento de qualquer das obrigações impostas, o juiz, de ofício ou mediante requerimento do Ministério Público, de seu assistente ou do quere lante, poderá substituir a m edida, impor outra em cum ulação, ou, em último ca so, decretar a prisão preve ntiva (a rt. 312, parágrafo único). § 5 o O juiz poderá revogar a medida cautelar ou substituí-la quando verificar a falta de motivo para que subsista, bem como voltar a decretá-la, se sobrevierem razões que a justifiquem. § 6 o A prisão preventiva será determinada quando não for cabível a sua substituiçã o por outra me dida c autelar ( art. 319). 65 “Art. 8º. (...) Parágrafo único – O direito comum será fonte subsidiária do direito do trabalho, naquilo em que não for incompatível com os princípios fundam entais deste.” 66 Art. 15. Na ausência de normas que regulem processos eleitorais, trabalhistas ou administrativos, as disposições deste Código lhes serão aplicadas supleti va e subsidiariam ente. 67 Lei n. 7.347/85. Esta lei sofreu diversas alterações pelas Leis ns. 8.078/90, 9.494/97, 11.448/07, 12.288/10, 12.529/11, 12.966/14, 13.004/14, 13.105/15, e Medida Provisória n. 2.180-35/01. 68 Lei n. 8.078/90. Esta lei sofreu diversas alterações pelas Leis ns. 8.656/93, 8.703/93, 8.884/94, 9.008/95, 9.298/96, 9.870/99, 11.785/08, 11.800/08, 11.989/09, 12.039/09, 12.741/12, 13.146/15, e Medida Provisória n. 1.890-67/99. 69 O m andado de segura nça c oletivo (CF, art. 5º, LXX) se inclui, tam bém , na ca tegoria das aç ões coletivas. 70 Existe, também, uma classificação, segundo a tutela jurisdicional invocada , procurando adaptar a classificação das ações civis ao processo penal, assim: I) Açã o penal: I) de conhecim ento: a) condenatória; b) constitutiva; c) declara tória: c1) positiva; c2) negativa. II) Açã o (m edida) ca utelar; e III) Ação de execuçã o. 71 Para Chiovenda, parte é aquele que pede no seu próprio nome, ou em cujo nome é pedida, a atuação de uma vontade de lei (autor), e aquele em face de quem essa atu ação é pedida (réu). 72 Não confundir “fundam ento j urídico” do pedido com a indicação de preceitos legais (artigos de lei) que am param a pretensão; a quele deve ser indicado pelo autor, sob pena de inépcia da petição inicial; estes são do conhecimento do juiz ( Da mihi factum, dabo tibi ius = Dá-me o fato, dar- te-ei o direito; e Iura novit curia = O tribunal conhece o direito).

7 PROBLEMÁTICA DO PROCESSO Valores e normas fundamentais. Principais teorias sobre a natureza do processo: teorias privatistas e publicistas. Processo como contrato. Processo como quase contrato. Processo como instituição. Processo como situação jurídica. Processo como relação jurídica. Relação jurídica processual: características. Caracterização da relação processual. Pressupostos processuais: pressupostos de existência e pressupostos de validade. Defesa contra o processo. Questões sobre o processo. Conceito processual de exceção (ou alegação). Objeção processual.

Valores e normas fundamentais O princípio fundamental de todo processo (penal, civil, trabalhista etc.), sustentáculo de todos os princípios que lhe são inerentes, é o devido processo legal, consagrado pelo art. 5º, LIV, da Constituição, dispondo que: “ Ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal ”, aplicável tanto ao processo penal quanto ao processo civil lato sensu (sentido amplo), como ao civil stricto sensu (sentido estrito), ao trabalhista, ao eleitoral, ao tributário etc. O novo Código de Processo Civil (Lei n. 13.105/15 alterado pela Lei n. 13.256/16) inaugura, na esfera civil, um sistema processual mais condizente com a realidade, buscando harmonizar dois dos principais sistemas processuais: o da civil law (da lei civil), de estrutura predominantemente escrita, e o dacommon law (direito comum), de fundo prevalentemente costumeiro. Assim, inaugura-se entre nós um processo democrático, do tipo cooperativo, regado pelo contraditório substancial, correndo pelos trilhos da lealdade e da boa-fé processuais. O processo civil, nos termos do art. 1º do novo CPC, “ será ordenado, disciplinado e interpretado conforme os valores e as normas fundamentais estabelecidos na Constituição da República Federativa do Brasil, observando-se as disposições deste Código”. Esta regra revela o compromisso do novo CPC com odevido processo legal (due process of law), o que se obtém, na linguagem de Marinoni e Mitidiero, através da tutela jurisdicional adequada, efetiva e tempestiva dos direitos, só possível mediante a concretização dos princípios fundamentais processuais estabelecidos na Constituição. A grande preocupação do legislador na elaboração do novo Código de Processo Civil foi, sem dúvida, com as garantias constitucionais, enquanto “garantias que regem, eminentemente, as relações das partes entre si, entre elas e o uiz e, também, entre elas e terceiros, de que são exemplos a imparcialidade do juiz, o contraditório e a demanda”. Diferentemente dos estatutos processuais estrangeiros, que disciplinam, além do processo civil, também o processo trabalhista, o processo arbitral, o processo comercial etc., a alusão ao processo “ civil” faz sentido para identificar esse tipo de processo, mas, no ordenamento jurídico brasileiro, em que o Código de Processo Civil disciplina apenas o processo civil, bastaria o legislador dizer –, na medida em que achou necessário –, que “ o processo será ordenado, disciplinado e interpretado conforme os valores e as normas fundamentais constitucionais, observando-se as disposições deste Código”, porque não poderia ser outro senão o processo civil. Não apenas as normas do Código ordenam e disciplinam o processo civil, porquanto este é informado também por normas de direito constitucional processual e por normas dedireito processual constitucional, sendo este a reunião dos princípios para o fim de regular a jurisdição constitucional, e aquele, o conjunto das normas de direito processual que se encontra na Constituição.

Normas típicas de direito constitucional processual , dentre outras, se encontram, por exemplo, no art. 5º, XXXV, da Constituição, dispondo que “ a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito ”, e no art. 8º, III, prevendo que “ao sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais ou administrativas”. De outra parte, normas de direito processual constitucional são, dentre outras, as contidas no art. 5º, LXIX, da Constituição, dispondo que “conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou habeas data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do poder público”, e no art. 5º, LXXI, prevendo que “conceder-se-á mandado de injunção sempre que a falta de norma regulamentadora torne inviável o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania”. A Constituição não distingue entre princípios de direito constitucional processual e princípios de direito rocessual constitucional, limitando-se a enunciar, no elenco dos direitos e garantias fundamentais, aqueles que asseguram ao jurisdicionado uma justiça segundo o enunciado do princípio fundamental e básico do devido processo legal.

Principais teorias sobre a natureza do processo: teorias privatistas e publicistas Quando se trata de determinar a natureza jurídica do processo, a doutrina se divide em dois grandes grupos: rivatistas e publicistas . As teorias privatistas buscavam uma explicação para a natureza do processo no campo do direito privado, ou, mais precisamente, do direito civil; as teorias publicistas buscam explicar a natureza do processo à luz do direito público. 1 e, no grupo das publicistas , as No grupo das privatistas se incluem as teorias do contrato e a do quase contrato; teorias do processo como instituição; processo como relação jurídica; e processo como situação jurídica. O estudo dessas teorias é importante, tanto sob o aspecto teórico quanto prático, porque se, algum dia, alguém demonstrar que o processo é um contrato, daí decorrerão consequências práticas da maior importância, pois, na falta de alguma norma na regulação do processo, as normas subsidiárias serão as do direito civil, que regulam o contrato, no tocante à capacidade, à competência, à nulidade dos atos jurídicosetc.

Processo como contrato 2 vendo a relação que interliga autor e réu no Os adeptos dessa teoria identificavam o processo com o contrato, processo como idêntica à que une as partes contratantes. No contrato existe um acordo de vontades entre os titulares do interesse subordinante e subordinado, tendo o primeiro o poder de exigir do segundo que satisfaça uma prestação que lhe é assegurada por lei. No processo, as partes estariam ligadas pelo mesmo nexo que liga as partes no contrato. 3 “Em juízo se contrai obrigações, da mesma forma que A fonte de inspiração desta teoria foi um texto de Ulpiano: nas estipulações.” Este contrato judiciário se srcinava da chamada litiscontestatio , quando ficava perfeito e acabado. Na fase remota do direito romano, o Estado não havia alcançado ainda um estágio de evolução capaz de permitir-lhe impor a sua vontade às partes litigantes; pelo que se buscava uma justificação, para que a sentença pudesse ser imposta coercitivamente aos contendores. Isto se tornou possível com fundamento nalitiscontestatio , pela qual as partes juiz , em troca do eventual direito que pudessem ter. convencionavam aceitar a decisão que viesse a ser proferida pelo A princípio alitiscontestatio era o ato pelo qual as pessoas que assistiram ao desenvolvimento do processo, na fase in iure, perante o pretor, testemunhavam (daí,cum testari)4 a transformação do conflito, vago e indeterminado, em lide; quando então se fixava ares (coisa demandada), a escolha do juiz e a obrigação que as partes voluntariamente assumiam de se submeter à decisão judicial que viesse a ser proferida. Este foi o primeiro significado do fenômeno denominado l“itiscontestatio ”, no período das ações da lei.

Já, no período formulário (ou per formulas), a litiscontestatio passou a significar a tríplice operação pela qual o pretor entregava ao autor a fórmula e este a passava ao réu, que a aceitava. A partir da litiscontestatio , o autor renunciava à prestação que afirmava devida pelo réu, em troca do direito à condenação deste; e o réu, por sua vez, ficava liberado da prestação devida ao autor, em troca da sua submissão àquilo que fosse decidido pelo juiz. 5 A partir deste momento, desaparecia qualquer relação de direito material entre as partes, pois os seus direitos e obrigações seriam aqueles que a sentença declarasse. 6 Esta teoria tem hoje mero sabor histórico, pois ninguém mais considera o processo como um contrato.

Processo como quase contrato Os idealizadores desta teoria, assim como os contratualistas, foram buscar nas fontes romanas os seus fundamentos, inspirando-se também num fragmento romano, que traduzido resulta: “Em juízo quase contratamos.” Os quase contratualistas viam nalitiscontestatio um ato bilateral em si mesmo, pelo qual se atribuíam direitos a uns e obrigações a outros; mas, como, nela, o consentimento não era inteiramente livre, pois, se o réu se recusasse a 7 A litiscontestatio não apresentava, por isto, o caráter de comparecer perante o pretor, o autor poderia conduzi-lo à força. um contrato, porque este supõe a liberdade de alguém de verificar a conveniência ou não de se sujeitar ao cumprimento de determinada obrigação. Os idealizadores desta teoria buscaram também nas fontes das obrigações os fundamentos das suas concepções – no contrato, no quase contrato, no delito e no quase delito –, e, verificando que o processo não era um contrato, porque não resultava de um acordo livre de vontades; que também não era um delito, porque o litigante, ao ingressar em juízo, nada mais faz do que exercer um direito; e que não era, evidentemente, um quase delito; chegaram à conclusão de que somente poderia ser um quase contrato. Sucede que existia ainda uma quinta fonte das obrigações, que é a lei, mas para esta não atentaram os quase contratualistas.8 Na visão dos teóricos do quase contratualismo, se o processo não era um contrato, que pressupõe vontade livre, era algo semelhante a um contrato, como se fosse um contrato. Demonstra Couture que esses autores cometeram um grave equívoco, quando da pesquisa nas fontes, porque a passagem que estaria no fragmento romano seria esta outra: “ De fato, em juízo se contrai obrigações, assim como nos 10 contratos com o filho”;9 o que demonstra que a figura não era exatamente a do quase contrato, mas a do contrato.

Processo como instituição Esta teoria foi concebida pelo espanhol Jaime Guasp, que adotou para explicar a natureza do processo o conceito de instituição , criado e consolidado no âmbito das ciências sociais, mas já transposto para o campo da ciência do direito privado, assim consolidado pelos civilistas. Mas o que é uma instituição ? 11 A princípio, as atividades do grupo eram exercidas livremente, segundo as conveniências de cada um ou de cada parcela do grupo, conveniências estas que levaram o grupo a selecionar alguns hábitos comuns, que considerava importantes para todos. Assim nascem os folkways (caminhos do povo), que são formas usuais de comportamento, mas sem o caráter de obrigatoriedade, pois quem quiser seguir osfolkways que os siga, mas daí não resulta nenhuma sanção. É claro que o cidadão, nascendo num determinado grupo social, torna-se inconscientemente herdeiro dos hábitos do grupo; mas ele não se limita a receber essesfolkways, contribuindo sempre com algo novo, pelo que os folkways revelam certo dinamismo, sendo uma forma usual de comportamento, mas sem caráter obrigatório. No fundo, são modos de agir, sentir e pensar no meio social, mas quem quiser agir, pensar e sentir de modo contrário aos folkways que o faça, pois por isso não sofrerá nenhuma sanção. À medida que os grupos sociais foram evoluindo, passaram a selecionar certos hábitos, mais favoráveis à vida grupal, procurando fazer com que todos adotassem esses modos de comportamento, através de pressões exercidas sobre seus membros, com o objetivo de obter a sua adesão. Assim, os folkways se elevam à categoria demores (costumes).

A pressão que o grupo exerce sobre cada um de seus membros se reveste das mais variadas formas, como o repúdio, a vaia, o clamor público etc. Destarte, os mores revelam modos de agir, sentir e pensar em sociedade, com certo caráter de obrigatoriedade, pelo que, se algum membro do grupo adota um comportamento contrário a essesmores, será repudiado pelos demais integrantes do grupo. Os mores são, pois, padrões de comportamento com o caráter obrigatório, resultante da pressão exercida pelo próprio grupo social sobre cada um de seus membros, através daquelas atitudes, como o repúdio, a vaia etc. A sociedade, contudo, não se revela muito exigente com osmores, mas reconhece a sua necessidade, e procura fazer com que todos se comportem de conformidade com eles, havendo certa dose de obrigatoriedade. Exemplo típico de mores é o cuidado que todos devem ter com os velhos, os doentes e as crianças. Com o evoluir do tempo, esses mores se elevam igualmente de categoria e se tornam tão importantes para a sociedade, que esta não prescindir deles, de quando, então, se transformam eminstituição . As instituições são pode formas padronizadas comportamento relativamente a determinadas necessidades; modos de agir, sentir e pensar do homem em sociedade, tão importantes para o grupo, que qualquer procedimento contrário resulta numa reprovaçãoespecífica. A instituição garante a si mesma, porque a própria comunidade a reputa indispensável à estabilidade social, e vela pela sua estabilidade; além de ser também tutelada pela lei. No início da sociedade, o trabalho era visto como um folkway, isto é, trabalhava quem quisesse, e quem não quisesse não trabalhava. Depois, o trabalho passou a ummores; pois o cidadão que não trabalhava, que não adotava aquele modo comum de comportamento que o meio social reputava importante, sentia a repulsa do grupo. Hoje, o trabalho é uma instituição , porque a sociedade o considera fundamental para o seu progresso econômico, socialetc. Temos, inclusive, normas que tutelam o trabalho e até uma justiça especializada para resolver controvérsias resultantes de contratos de trabalho. Além disso, a pessoa que não trabalha, e não possui meios para se manter, sofre uma sanção específica, aplicada por um órgão do meio social; pois pratica uma contravenção, que é vadiagem. Poderá sofrer uma punição, porque não adota aquela forma padronizada de comportamento que a sociedade reputa decisiva. O processo é uma instituição ? Desde o momento em que o Estado proibiu a autodefesa dos próprios interesses, teria que dar algo em troca, tendo, então, assumido a tarefa de resolver os conflitos de interesses. A ação e a jurisdição foram as moedas com as quais o Estado comprou dos particulares a renúncia à defesa privada. Quem faz justiça pelas próprias mãos, mesmo para satisfazer pretensão legítima, pratica o crime punido pelo Código Penal, de exercício arbitrário das próprias razões;12 salvo se a lei o permitir. Isso porque há um modo de agir em face de um conflito de interesses, que é através do processo. Quando dois interesses entram em conflito, as pessoas nele envolvidas devem adotar aquela forma de comportamento, dirigindo-se ao juiz, pedindo-lhe que resolva o conflito. A sociedade reputa o processo tão importante e decisivo que não abre mão dele como garantia de estabilidade da paz urídica e do próprio ordenamento jurídico, a fim de que a tranquilidade social não seja perturbada. Então, processo o seria uma instituição . Por “ instituição ” entende Guasp não somente o resultado de uma combinação de atos tendentes a um fim, como também “um complexo de atividades relacionadas entre si pelo vínculo de uma ideia comum objetiva, à qual adere, seja ou não essa a sua finalidade específica, as diversas vontades dos sujeitos dos quais provém a referida atividade”. A instituição se compõe, segundo ele, de dois elementos fundamentais, que são como a trama e a urdidura de um tecido: a ideia objetiva, situada fora e acima da vontade dos sujeitos; e oconjunto das vontades que se vinculam a essa ideia para lograr a sua realização. Entendida dessa forma, não é difícil aplicar o conceito deinstituição ao processo: a ideia objetiva comum, que nele as vontades que aderem a essa ideiasão as dos diversos sujeitos aparece, é a concessão ou a denegação da pretensão; que atuam no processo, entre os quais a ideia comum cria uma série de vínculos de caráter jurídico.

Desta fundamentação, Guasp extrai as seguintes conclusões: a) o processo é uma realidade jurídica de tendência permanente, podendo nascer e extinguir-se continuamente processos concretos, mas a ideia de atuação estatal de pretensões fundadas está sempre firme; b) o processo tem caráter objetivo, pois sua existência se determina, não pela atuação das vontades das quais resulta a atividade que o compõem, mas pela relevância da ideia objetiva superior a essas vontades; c) o processo não posiciona os sujeitos que nele intervêm num plano de igualdade ou de coordenação, senão num plano de desigualdade ou subordinação; sendo a ideia hierárquica também consubstancial com o conceito de processo; d) o processo não é modificável no seu conteúdo pelas vontades dos sujeitos processuais, senão em certos e reduzidos limites, não podendo, de modo algum, alterar a ideia fundamental do mesmo; e) o processo é adaptável à realidade de cada momento, sem que o respeito a situações subjetivas anteriores tenha a mesma força que tem na relação do tipo contratual. O defeito desta teoria está no impreciso conceito deinstituição , pois tudo afinal pode ser reduzido ao esquema institucional, uma vez que tão elástico e impreciso é o significado de instituição. Couture chegou a flertar com esta teoria, escrevendo, inclusive, uma monografia intituladaO processo como instituição jurídica, expondo-a também na primeira edição dos seusFundamentos del derecho procesal civil ; mas, posteriormente, verificou que não era sustentável, e acabou por abandoná-la, passando a sustentar, de novo, a tese de que o processo é, na verdade, umarelação jurídica.

Proces s o como s ituação jurídica A teoria do processo comosituação jurídica (Rechtslage) foi concebida por Goldschmidt, jurista alemão, por não concordar com a teoria da relação jurídica processual formulada srcinalmente por Bülow, e seguida por Hellwig e Köhler, tendo ele exposto as suas ideias na obraO processo como situação jurídica: uma crítica do pensamento processual. 13 Goldschmidt não nega a existência da relação jurídica processual, observando, porém, que ela é insuficiente para atender às exigências do direito processual. Aos litigantes em geral não assiste nenhumaobrigação de natureza processual; e a obrigação de julgar atribuída ao uiz é, enquanto dever de administrar justiça, uma manifestação darelação política do cidadão com o Estado; e que não deve ser confundida com o dever do Estado de outorgar proteção jurídica. Os pressupostos processuais não são, na realidade, pressupostos do processo, senãopressupostos prévios da sentença de fundo, e que são resolvidos no processo. A situação jurídica se diferencia da relação jurídica não só por seu conteúdo, mas também por depender, não da “ existência”, mas da “ evidência”, e, especialmente, da prova de seus pressupostos.14 O conceito de “ situação jurídica” se deve a Köhler, que vê nela uma relação jurídica imperfeita; ou seja, uma “ etapa” do nascimento ou desenvolvimento de um direito subjetivo, como, por exemplo, a situação dos contratantes, depois da oferta e antes da aceitação. Embora Köhler aplique o conceito de situação jurídica ao direito privado, na realidade esse conceito é especificamente processual. Esclarece, contudo, Goldschmidt, que a sua aplicação do conceito de situação jurídica ao direito material difere completamente da de Köhler, pois, para sua aplicação, o direito subjetivo privado tem que sofrer uma dupla metamorfose: em primeiro lugar, a transposição numa exigência de proteção jurídica; e, em segundo, a redução desta exigência a uma mera expectativa ou possibilidade processual. Para Goldschmidt, as normas jurídicas têm uma dupla natureza: por um lado, representam imperativos dirigidos aos cidadãos; e, por outro, são medidas para o juízo do juiz. Sob o primeiro aspecto, o direito subjetivo é considerado, na suafeição estática ou extraprocessual, como norma de conduta, e, na segunda, esse mesmo direito é considerado, na suafeição dinâmica ou processual, como regra de

ulgamento. Sendo as normas jurídicas imperativos dirigidos aos cidadãos, aos quais eles têm de submeter-se, podem eles próprios julgar suas ações e relações, de conformidade com esses imperativos, caso em que se antecipam à tarefa judicial. Se o direito funciona como medida para o juízo do juiz, fica evidente que ele não figura nessa relação como súdito, mas como soberano do direito, sendo o direito, para o juiz, o instrumento mediante o qual ele julga, do mesmo modo que – valha a metáfora – “o pedreiro se serve do prumo para endireitar o muro”. O juiz estabelece, por meio da lei, uma segunda ordem aos obrigados, e a particularidade da sua relação com o direito está em que ele aplica a lei não só para obedecer a ela, senão, também, com o caráter profissional. Quem concebe o direito como medida para o juízo do juiz não pode considerar o juiz como sujeito ou objeto de vínculos jurídicos com as partes. Na teoria de Goldschmidt, adquire importância a feição estática e dinâmica do direito, porquanto é dessa forma que as diversas situações ocorrentes no processo se constituem “ situações jurídicas”:15 a) expectativa de uma sentença favorável; b) perspectiva de uma sentença desfavorável; c) possibilidade ou ocasião processual); d) situação de encargo; e) dispensa de encargo. a) A expectativa de uma sentença favoráveldepende regularmente de um ato processual anterior da parte interessada coroado de êxito, como, por exemplo, a situação da parte que aproveitou todas as ocasiões processuais; desincumbiu-se dos ônus que lhe cumpriam; ou beneficiou-se da situação de dispensa desses mesmos ônus. É uma situação identificada com a expectativa de vitória. b) A perspectiva de sentença desfavorável resulta da omissão de um ato processual da parte interessada, principalmente nos processos informados pelo princípio dispositivo, como, por exemplo, a situação da parte que não aproveitou as ocasiões processuais; não cumpriu os ônus processuais que lhe cabiam; ou não se beneficiou da situação de dispensa dos ônus processuais. É uma situação que se identifica com aperspectiva de derrota. c) A situação de possibilidade ou ocasião processual é aquela em que a parte se encontra capaz de proporcionar a si própria, mediante um ato seu, uma vantagem processual, de que pode resultar uma sentença favorável, como, por exemplo, a possibilidade de o autor fundamentar sua demanda; de propor provas a serem produzidas, especialmente apresentar replicar. documentos; de negar os fatos alegados pelo autor; de propor exceções dilatórias ou peremptórias; ou de d) A situação de encargo ou de ônus processual é aquela em que se encontra a parte tendo que praticar um ato processual para prevenir um prejuízo no processo e uma eventual sentença desfavorável, como é, por exemplo, o ônus de contestar para não ser considerado revel; de comparecer para depor, para não ser tido por confesso; e de produzir provas. e) A situação de dispensa de encargo ou de ônus processual resulta excepcionalmente da lei, que pode dispensar uma das partes de determinado ônus, numa situação em que normalmente teria que cumprir esse ônus, como é, por exemplo, a situação do autor, dispensado de provar o fato constitutivo do seu direito, que se presume verdadeiro em face da revelia do réu; e as presunções legais, que dispensam de prova os fatos favorecidos por ela. A expectativa de uma vantagem processual, e, em consequência, de uma sentença favorável; a dispensa de um encargo processual ou ônus processual; e a possibilidade de se chegar a essa situação pela realização de um ato processual constituem direitos no sentido processual da palavra. Na verdade, não se trata de direitos propriamente ditos, senão de situações que se poderiam denominar com a palavra francesa: chances. Essas três classes de direitos processuais correspondem às três classes de direitos materiais em que estes se distinguem: as expectativas de uma vantagem processualpodem comparar-se aosdireitos relativos, porque há um dever do juiz de satisfazê-las; asdispensas de ônus processuais se parecem com osdireitos absolutos, porque se põe a salvo a liberdade da parte interessada contra qualquer prejuízo; e, por último,as possibilidades de agir com êxito no processo têm correspondência com os direitos potestativos ou constitutivos. Por outro lado, a necessidade de atuar para prevenir um prejuízo processual, e, em consequência, uma sentença desfavorável, representa um ônus processual, categoria processual que corresponde aoconceito material de dever ou obrigação. Para Calamandrei, Goldschmidt não descreve o processo como ele étecnicamente, mas como se apresenta em suas deformações da realidade.16

Outro equívoco de Goldschmidt foi ter descuidado da posição que o juiz ocupa no processo, em que atuaria como representante do Estado, não havendo vínculos jurídicos entre ele e as partes, quando, na realidade, o juiz ocupa uma posição de destaque no processo, com deveres de caráter funcional para com o Estado; tendo, como qualquer sujeito do processo, poderes, mas também deveres processuais para com as partes. Em que pesem as críticas feitas àteoria da situação jurídica, ela contribuiu para desvendar fenômenos processuais até então pouco esclarecidos, como o conceito deônus processual, que, até então, em vez de umasituação de encargo, 17 era considerado como uma obrigação das partes. Foi Goldschmidt que realçou a situação jurídica de encargo, em que se encontram as partes, no processo, vendo esses encargos como imperativos do próprio interesse. Do ponto de vista temporal, a teoria da situação jurídica é posterior à teoria da relação jurídica processual.

Proces s o como rel ação jurídic a Esta teoria foi concebida por Oskar von Bülow, numa obra intituladaA teoria das exceções processuais e os pressupostos processuais”,18 em que sustentou ser o processouma relação jurídica, com o que alargou os horizontes para que o direito processual lograsse a sua autonomia científica. Na verdade, Bülow não foi o criador do conceito de relação jurídica19 processual , vez que a intuição dessa relação urídica já se continha em texto de Bulgarus: “Iudicium est actus trium personarum: iudicis, actoris et rei .”20 O grande mérito de Bülow não foi o decriar, mas o de sistematizar 21 a relação processual. Logo no prólogo da sua obra, observou Bülow que a ciência processual civil tinha um largo caminho a percorrer para alcançar o progresso a que se havia chegado nos demais campos da ciência do direito; para o que era preciso o esforço de uma investigação dogmática livre. Registrou, também, Bülow, que jaziam na penumbra as mais importantes e básicas ideias processuais, obscurecidas por uma construção conceitual inadequada e uma errônea terminologia, ambas herança do direito medieval, conservadas com a maior fidelidade e constância. Na sua obra, Bülow buscou esclarecer alguns desses conceitos fundamentais, e a sua principal tarefa consistiu em afastar uma teoria equivocada e falseadora de todo o sistema processual civil, por culpa da qual estiveram aqueles conceitos, até então, totalmente ignorados. Começa Bülow por assinalar que nunca houve dúvida de que o direito processual civil determina as faculdades e os deveres que põem em mútua vinculação as partes e o tribunal (juiz); mas, tem-se afirmado também que “o processo é uma relação de direitos e obrigações recíprocos, ou seja, umarelação jurídica”. Esta simples, mas importantíssima realidade, para o direito científico, sob qualquer ponto de vista, não tem sido, até agora, devidamente apreciada, nem sequer devidamente entendida. Costuma-se falar, tão somente, em relações de direito privado; mas a estas relações não pode ser referido o processo. Desde que os direitos e as obrigações processuais se passam entre os funcionários do Estado e os cidadãos; desde que se trata no processo da função dos oficiais públicos; e desde que as partes são consideradas no processo em virtude da sua vinculação e cooperação com a atividade judicial; essa relação pertence, com toda evidência, ao direito público, e o processo resulta, portanto, numa relação jurídica ública . Para Bülow, a relação jurídica processual se distingue das demais relações de direito por outra característica, que pode ter contribuído para o desconhecimento da sua natureza de relação jurídica contínua. O processo é uma relação urídica que avança gradualmente e que se desenvolve passo a passo. Enquanto as relações jurídicas privadas, que constituem o objeto do debate judicial, se apresentam como totalmente concluídas, por ocasião do processo, a relação 22 urídica processual está apenas começando, ainda no seu embrião. direito público, que se desenvolve de modo progressivo Em vez de considerar o processo como uma relação de entre o tribunal e as partes, a doutrina tem destacado unicamente aquele aspecto da noção de processo que salta à vista da maioria, a sua marcha ou avanço gradual, ou seja, oprocedimento; unilateralidade esta que, além de ter sua srcem na urisprudência romana da Idade Média, foi favorecida por uma concepção germânica do direito.

Lamentavelmente se tem feito da palavra “ processo” um monumento imperecível e um ponto de apoio muito difícil de derrubar; e quem pretenda extrair dela a ideia será levado pelo vocábulo “ processo” por um caminho, senão falso, bastante estreito. Os juristas romanos, contudo, não se contentaram com a ideia superficial do processo, como pura série 23 ( iudicium). de atos do juiz e das partes, concebendo a sua natureza como uma relação jurídica unitária Sendo o processo uma relação jurídica, prossegue Bülow, apresentam-se, na ciência processual, análogos problemas aos que surgiram e foram resolvidos, tempos antes, relativamente às demais relações jurídicas. A exposição sobre uma relação jurídica deve, antes de tudo, dar uma resposta à questão relacionada aos requisitos a que se sujeita o seu nascimento, sendo preciso saber entre que pessoas essa relação se pode formar; a que objeto se refere; que ato ou fato é necessário para seu surgimento; e quem é capaz ou está facultado a realizar tal ato. Estes problemas devem colocar-se, também, na relação processual, e não se mostram menos apropriados e fecundos do que se mostraram nas relações jurídicas privadas, na medida em que também, aqui, a atenção se dirige a uma série de importantes preceitos legais estreitamente unidos, como asprescrições sobre: a) a competência, capacidade e insuspeição do juiz ; a capacidade processual daspartes; a pessoa legitimada para estar em juízo e a legitimação de seu representante; b) as qualidades próprias e imprescindíveis de umamatéria litigiosa civil; c) a redação e comunicação ou a ordem entre vários processos. notificação dademanda e a obrigação do autor por cauções processuais; e d) Estas prescrições devem fixar os requisitos de admissibilidade e as condições prévias para o desenvolvimento da relação processual; precisar entre quepessoas se forma; sobre que matéria versa; por meio de que atos , e em que momento se constitui; pois um defeito em qualquer dessas relações impediria o surgimento do processo. Em resumo, acrescenta Bülow, nesses princípios estão contidos oselementos constitutivos da relação jurídica rocessual; ideia tão pouco considerada até hoje, que nem uma vez tem sido designada com um nome definido; pelo que propôs, como tal, a expressão “pressupostos processuais ”.24 Para melhor compreender o “ processo” e distingui-lo do “procedimento”, tome-se um exemplo bastante sugestivo, 25 que, evidentemente, não foi dado por Bülow, mas ajuda a separar os dois conceitos: uma pessoa e a sua indumentária. Se uma pessoa “x” for convidada para uma apresentaçãono Teatro Municipal, deverá apresentar-se adequadamente vestida, de acordo com as normas protocolares, provavelmente um traje esporte fino; se a mesma pessoa for convidada para um piquenique na Floresta da Tijuca, usará um traje mais adequado, como uma calça jeans e camisa; se a mesma pessoa for convidada para um banho de mar, lá estará de sunga e camiseta. Nesse exemplo, a pessoa não mudou, é sempre “x”, mas a vestimenta variou conforme as circunstâncias. Pois bem: a pessoa “ x” é o “processo”; a indumentária é o “procedimento”. No processo, são praticados tantos atos processuais quantos necessários para o atingimento do seu fim, conforme a lide a ser solucionada; atos estes que serão “ x”, “ y” ou “z”, conforme o objetivo a ser alcançado pelo demandante. Essa a razão por que a lei disciplina oprocesso e os respectivos procedimentos; de modo que, no exemplo retro, considerada a pessoa como sendoo processo e a indumentária como sendo o procedimento, ter-se-ia que: o traje esporte fino é o procedimento especial; a calça jeans e camisa, oprocedimento comum. A teoria da relação processualserviu para distinguir dois aspectos da maior relevância na determinação da natureza do processo, demonstrando que uma coisa é o seu aspecto intrínseco (interior), caracterizado pela própria relação jurídica processual; e, coisa diversa, o seu aspecto extrínseco (exterior), caracterizado pela forma como essa mesma relação se apresenta e se desenvolve em juízo. Apenas sob este segundo aspecto é possível perceber a existência de um processo em curso, porque é o que se revela aos olhos do observador. Serviu, também, essa teoria para demonstrar a substancial diferença entre arelação jurídica material e a relação urídica processual , cada qual sujeita a pressupostos próprios e normatização jurídica própria; pois, enquanto a primeira está disciplinada pelo direito material, a segunda é regulada pelo direito processual; se bem que existam normas heterotópicas,26 que, sendo de direito material, estão no direito processual e vice-versa. Quando o autor propõe uma demanda em juízo, forma-se uma relação jurídica entre ele e o juiz; com a citação do réu, esta relação jurídica se completa, ligando o réu ao juiz; e todos são, enquanto sujeitos processuais, titulares de 27 Portanto, quando postas as partes em direitos, poderes e faculdades, e os correspondentes, deveres, sujeições e ônus. confronto, no processo, forma-se entre os sujeitos processuais uma relação jurídica, que não é vista a olho nu, mas que

se encarrega de uni-los, e só se extinguirá com o trânsito em julgado da sentença. A esse fenômeno é que se chama relação jurídica processual ou simplesmente processo. A concepção do processo comorelação jurídica é hoje dominante na doutrina, sendo que, para uns, o processo é uma relação jurídica (Bülow), enquanto, para outros, elecontém uma relação jurídica (Chiovenda).

Relação jurídic a proces s ual: c aracterís ticas a) A relação jurídica processual apresenta as seguintes características, que a distinguem da relação jurídica material: autonomia; b) caráter público; c) progressividade; d) complexidade; e) unicidade; f) triangularidade. a) Autonomia – A relação jurídica processual é autônoma, quer dizer, distinta da relação de direito material, com a qual não se confunde. Por serem autônomas, existem normas que regulam a relação processual e normas que regulam a relação material. As que disciplinam a relação jurídica processual são normasinstrumentais, que a doutrina clássica chamava, impropriamente, de normas adjetivas; e as que regulam a relação jurídica material são normas substanciais. b) Caráter público – A relação de direito material pode ser pública, quando regulada pelo direito público, e privada, quando regulada pelo direito privado. O Estado, muitas vezes, ao praticar atos jurídicos, se mantém em pé de igualdade com o particular, como, por exemplo, quando celebra um contrato de compra e venda, segundo as normas de direito civil; caso em que se despe das suas prerrogativas, praticandoatos de gestão. A relação jurídica que une o credor ao devedor é uma relação jurídica privada, regulada pelo direito privado, como a relação de locação, de compra e venda, de comodato etc. Já a relação jurídica decorrente do poder de punir do Estado é uma relação jurídica material pública, porque regida pelo direito público; e porque, ao poder punitivo do Estado, se opõe o direito de liberdade do réu. Também a relação urídica tributária é uma relação jurídica pública, porque regulada pelo direito público, que é o direito tributário. A relação jurídica processual, porém, éessencialmente pública, não podendo assumir o caráter de relação privada, porque dela participa o Estado na sua condição de ente soberano, sendo o processo o campo propício ao exercício de uma função eminentemente pública, que é a função jurisdicional. Às vezes, instaura-se uma demanda para resolver uma lide, sobre uma relação jurídica material privada, mas a relação jurídica processual, que se forma para proporcionar uma sentença, é pública, porquanto regida pelo direito público, que é o direito processual. Quando se instaura uma demanda para resolver sobre uma relação jurídica pública, também pública será a relação jurídica processual. Relação jurídica pública é aquela que se caracteriza pelo desequilíbrio entre a posição dos sujeitos nela envolvidos, um dos quais se apresenta numa posição de superioridade em relação aos demais, exatamente o que acontece no processo, em que a situação das partes é de sujeição à autoridade do Estado-juiz, que dela participa como ente soberano. Progressividade – A relação jurídica material éestática, de modo que, se alguém, por exemplo, vai a uma loja comprar sapatos; pergunta o preço dos sapatos; e aceita pagar o preço, no momento em que comprador e vendedor acordam quanto à coisa e ao preço, o contrato de compra e venda está perfeito e acabado. Tem-se uma relação jurídica material, nela existindo seus elementos fundamentais: a coisa, o preço e o consenso. A relação jurídica processual, ao contrário, é uma relação progressiva ou dinâmica, sendo o seu clima o movimento, nascendo com o primeiro ato que lhe dá vida, como a petição inicial ou a denúncia, e os demais atos não fazem senão desdobrar essa relação processual, até alcançar a sentença. Por isso se diz que ela se reveste de rogressividade ou dinamicidade, ou seja, uma relação mutante, em constante movimento. Complexidade – A relação jurídicamaterial se apresenta, na sua feição mais simples, interligando apenas dois sujeitos, o titular do interesse subordinante e o titular do interesse subordinado, nela se contendo um único direito ou uma única obrigação. Outras vezes se apresenta numa feição mais complexa, nela se contendo vários direitos e várias obrigações. Na relação de compra e venda, por exemplo, o vendedor é credor do preço, mas obrigado à entrega da coisa vendida; tendo o devedor direito à coisa comprada, mas sendo devedor do preço. A relação jurídica processual, por seu turno, é uma relação jurídica complexa, porque, uma vez formada, não

resulta para as partes apenas um único direito ou um único dever, contendo-se nela um complexo de faculdades, direitos e poderes, e os correspectivos deveres, sujeições e ônus, que vão surgindo desde o momento em que ela nasce até o instante em que se extingue. À medida que essa relação vai se desenvolvendo, um ato gera outro, sucessivamente, até alcançar a sentença da causa. No processo, o autor não é sujeito apenas de direitos, mas também de obrigações, e ainda de encargos ou ônus processuais; e o réu não é apenas sujeito de obrigações, mas também de direitos e de encargos e ônus processuais. O uiz, sujeito imparcial do processo, não possui apenas poderes, mas também deveres, obrigado à prestação jurisdicional. De tudo isso resulta o caráter de complexidade da relação processual, que é uma decorrência da sua progressividade. Unicidade – Apesar da complexidade da relação processual, os atos praticados por força dessa relação se unem pelo objetivo comum, pelo que Chiovenda afirmou ser processo umaunidade jurídica. A relação jurídica processual é sempre a mesma, em que pesem as modificações subjetivas ou objetivas por que possa passar no curso do procedimento. Suponha-se que o autor mova uma ação reivindicatória de imóvel contra o réu, vindo este a falecer no curso do processo, impondo-se a intimação do seu espólio (na pessoa do inventariante) ou dos seus herdeiros para ocupar o seu lugar na relação processual. Houve aí uma modificação subjetiva da lide, mas a relação processual em si não se alterou. Às vezes, onde havia um único réu, passam a existir vários réus, e onde havia vários réus passa a existir um só. Suponha-se, também, que o juiz, um dos sujeitos da relação processual, venha a se aposentar, vindo outro a ocupar o seu lugar, na condição de órgão jurisdicional investido de jurisdição. A relação processual, contudo, continuará a mesma, não se alterando por ter havido a saída de um juiz e a entrada de outro. Nisto consiste a índole unitária da relação processual, em que os vários atos praticados se unem pelo escopo comum, que é a prestação jurisdicional devida pelo Estado.28 29 o que lhe Triangularidade – A relação jurídica processual é uma relação entre três sujeitos: autor, juiz e réu, imprime um caráter tríplice, denotando a presença de vínculos de reciprocidade entre autor e juiz, entre juiz e réu, e entre autor e réu. Não é pacífica na doutrina essa característica da relação processual, havendo quem afirme ser ela, na verdade, uma relação angular.

Caracterização da rel ação proces s ual As ideias de Bülow, expostas na sua teoria da relação processual, foram, posteriormente, desenvolvidas pelos teóricos do direito, sobretudo para determinar quais os sujeitos interligados por essa relação. Três teorias30 surgiram para caracterizar a relação processual: a) teoria linear; b) teoria angular; e c) teoria triangular. a) A teoria linear da relação processual foi defendida por Köhler, para quem havia uma relação jurídica no processo, distinta da relação de direito material que se pretendia fazer valer em juízo, mas que interligava apenas o autor e o réu, não alcançando o juiz. Graficamente:

b) A teoria angular da relação processual foi sustentada por Hellwig, afirmando que a relação jurídica no processo interliga apenas os sujeitos parciais ao juiz. Para essa teoria, quando o autor se dirige ao juiz, forma-se uma relação entre autor e juiz, mas, quando o juiz manda citar o réu, nasce a relação entre juiz e réu, completando-se a relação jurídica que então angulariza se . Para Hellwig, a relação que se forma no processo liga apenas autor e juiz e juiz e réu, não havendo nenhuma relação entre autor e réu. Graficamente:

Esta teoria mereceu a adesão de eminentes processualistas mineiros, como Amilcar de Castro e Celso Agrícola Barbi. c) A teoria triangular da relação processual foi exposta por Bülow e seguida também por Wach, sustentando que a relação jurídica que se forma no processo alcança todos os sujeitos processuais, reciprocamente considerados: autor e uiz; juiz e réu; e autor e réu. Essa relação se forma, inicialmente, entre o autor e o juiz, quando aquele se dirige a este, pedindo-lhe a tutela urisdicional para o seu direito, numa perspectiva linear; vindo, posteriormente, com a citação do réu para responder ao pedido, a se angularizar; e, ato contínuo, se triangulariza, ficando todos os sujeitos do processo vinculados por essa relação jurídica. Para Bülow e Wach a relação que se forma no processo une autor e juiz; juiz e réu; e autor e réu, numa perspectiva de íntima reciprocidade, ficando, por isso, conhecida como concepção triangular da relação processual. Graficamente:

No campo das ideias, os triangularistas combatem a angularidade da relação jurídica processual, porque as partes têm o dever de lealdade processual recíproca; estão sujeitas ao pagamento das custas processuais; podem convencionar a suspensão do processo; podem transacionar, quando a lide versa sobre interesses transigíveis; e até extinguir a relação urídica processual, sem que o juiz possa impedi-lo. A esses argumentos, rebatem osangularistas que não existe nenhuma relação entre o autor e o réu, porque tudo no processo se passa por intermédio do juiz. Do ponto de vista do direito positivo, a posição angularista é desmentida pelo Código de Processo Civil, que reza, textualmente, que os atos das partes, consistentes em declarações unilaterais ou bilaterais de vontade, produzem 31 mas do ponto de vista prático tem imediatamente a constituição, a modificação ou a extinção de direitos processuais; razão, porque nada realmente acontece no processo sem que o juiz não queira.

Pres s upostos proces s uais : pres s upostos de e xis tência e pres s upostos de validade A relação jurídicain generi é vínculo regulado por lei entre dois ou mais sujeitos, titulares de direitos e obrigações. Se esses direitos e obrigações surgem em decorrência de uma providência jurisdicional invocada, ou em virtude de atividade do autor, do réu, ou do juiz, tem-se uma relação jurídica processual; relação esta que nasce, desenvolve-se e se extingue de acordo com a lei que a disciplina. A relação processual adquire uma roupagem externa, e se manifesta, em cada caso, de acordo com a ordem imposta pelo direito objetivo, segundo determinado procedimento. As normas reguladoras do processo são chamadas “normas jurídicas processuais” e se contêm nos Códigos de Processo Civil e Penal, e na Consolidação das Leis do Trabalho, conforme a natureza da causa. Essa relação processual não se exterioriza da mesma forma nas esferas civil, penal e trabalhista; do que resulta uma diversidade de procedimentos ou ritos , conforme a lide a ser composta pela providência jurisdicional. No processo penal, de rito ordinário e sumário, oferecida a denúncia, o juiz, se não a rejeitar liminarmente, recebe-a e manda citar o acusado para responder à acusação, por escrito, no prazo de dez dias (CPP, art. 396, caput), quando deverá especificar as provas pretendidas e arrolar testemunhas (CPP, art. 396-A,caput), seguindo-se a audiência de instrução e julgamento, para a inquirição de testemunhas arroladas pela acusação e pela defesa, sendo, em seguida, interrogado o acusado (CPP, art. 400), oferecidas as alegações finais, proferindo o juiz a sentença (CPP, art. 403, caput). No processo civil , de rito comum, após o recebimento da petição inicial do autor, se não for caso de improcedência

liminar do pedido, procede-se à citação do réu para comparecer à audiência de conciliação ou de mediação, e, não havendo autocomposição (art. 334), começa a fluir o prazo para contestação (art. 335, I); seguindo-se as providências preliminares e de saneamento (art. 347); o julgamento conforme o estado do processo; a audiência de instrução e ulgamento; a instrução da causa e a sentença. Qualquer que seja o processo, civil, penal ou trabalhista, é sempre uma relação jurídica, estando a diversidade nos procedimentos, que lhes imprime um colorido diferente, conforme a natureza da lide que forma o objeto do processo. Por isso se afirma que o processo não se modifica porque a lide a ser composta pela providência jurisdicional seja penal ou extrapenal, porque a relação processual como entidade lógico jurídica é uma só, como instrumento de atuação do Estadouiz na composição dos conflitos de interesses (Couture). No campo penal, não foi difícil a aceitação da relação jurídica processual , porque convinha ao interesse do próprio Estado agasalhar essa doutrina, que transformava o réu, de objeto do processo penal, na confortável posição de sujeito de direito na relação processual. O processo, como conceito lógico-jurídico, pode existir na mente de qualquer um, mas, para que exista, concretamente, no mundo dos fatos, impõe a lei o preenchimento de certosrequisitos , sem os quais não existirá; requisitos estes que a doutrina, a partir de Bülow, convencionou chamar depressupostos processuais de existência do processo. Mas, embora existente o processo, precisa, para ser válido, de preencher outros requisitos que lhe garantam eficácia, aos quais a doutrina, também a partir de Bülow, convencionou chamar depressupostos processuais de validade do processo. Entre os pressupostos de existência, alinham-se duas categorias: a) pressupostos subjetivos; e b) pressuposto objetivo. Os pressupostos subjetivos dizem respeito aos sujeitos do processo; e o pressuposto objetivo concerne ao seu objeto. Como pressupostos subjetivos de existência do processo figuram: juiz e partes (autor e réu). Não pode existir processo sem a existência de um órgão estatal investido de jurisdição, incumbido de compor os conflitos de interesses, no caso o juiz; da mesma forma que não pode haverprocesso sem a existência de partes (autor e réu),32 pois haverá sempre necessidade de alguém se dirigir ao juiz, pedindo a tutela para o seu direito em face de outrem (Nemo iudex sine actore).33 Não pode haver processo sem a presença de autor, juiz e réu, porque, segundo a concepção dominante, a relação urídica processual é um vínculo de, no mínimo, três sujeitos: autor, juiz e réu. Se o réu for revel, não atendendo à citação, nem por isto terá deixado de haver um réu, porque há um réu contumaz, que não se defendeu; podendo, no entanto, mesmo sem ter contestado a ação, intervir no processo a qualquer tempo, pegando-o no estado em que se encontra34 (CPC, art. 346, parágrafo único).35 Para o processo existir tem, ainda, que atender a umpressuposto objetivo, que é a lide, pois esta é a razão de ser do processo. A lide é, sabidamente, o “ conflito de interesses qualificado pela pretensão de um dos interessados e pela resistência do outro”; o conteúdo objetivo do processo; porque é para resolver a lide que se instaura o processo. Estando presentes estes pressupostos, subjetivos e objetivo, existirá um processo, porque foram preenchidos os chamados pressupostos processuais de existência; mas, apesar de existir no mundo dos fatos, pode ser que não seja válido, pelo que, ao lado desses pressupostos, a doutrina alinha os chamadospressupostos de validade da relação rocessual. 36 Entre os pressupostos de validade, alinham-se igualmente duas categorias: a) pressupostossubjetivos; e b) pressuposto objetivo. Igualmente, aqui, os pressupostos subjetivos dizem respeito aos sujeitos do processo; e o pressuposto objetivo, ao seu objeto. : partes (autor e réu) e Os pressupostos de validade subjetivos também dizem respeito aos sujeitos processuais

uiz. No que concerne às partes, destas se exige a capacidade jurídica; pelo que as partes devem ser juridicamente capazes. A capacidade jurídica das partes no campo processual é vista sob três aspectos: a) capacidade de ser parte; b) capacidade para estar em juízo; e c) capacidade postulatória. A capacidade de ser parte corresponde, no direito civil, à capacidade de ser titular de direito; sendo que todas as pessoas, físicas ou jurídicas, e até certos entes formais, como o espólio, a massa falida etc., são sujeitos de direito e, consequentemente, possuem capacidade de ser parte em juízo. Assim, podem ser sujeitos de direito os relativamente capazes, os absolutamente incapazes, e até o nascituro, cujos direitos são preservados desde a concepção (Cód. Civil, art. 2º),37 com a condição de nascerem com vida. A capacidade para estar em juízo corresponde, no direito civil, à capacidade de exercício; de exercer, por si mesmo, os (Cód. seus direitos, sem de modo que a opossui quem tenha de 18 anos Civil, art. 5º),intermediários; podendo exercer, ele próprio, seu próprio direito.capacidade civil plena, como o maior Outras pessoas, apesar de terem a capacidade de ser parte, de serem sujeitos de direito, não podem exercer, elas mesmas, esses direitos; não podendo praticar atos processuais válidos, sem o preenchimento de certas condições, que, no processo, é estarem representadas (os absolutamente incapazes) ou assistidas (os relativamente incapazes) por seus representantes legais (pais, tutores, curadores). Os relativamente capazes podem praticar atos processuais válidos, desde que assistidos por seus representantes legais, exigindo a lei uma complementação da sua capacidade, o que se dá através do instituto da assistência; enquanto os absolutamente incapazes não possuem capacidade para estar em juízo, somente podendo fazê-lo por intermédio dos seus representantes legais, através darepresentação. Exemplificando: o maior de 16 e menor de 18 anos pode praticar atos processuais, desde que o faça com a assistência do seu representante legal; já o menor de 16 anos deverá ser representado por seu representante legal, pai, mãe, tutoretc.38 À capacidade para estar em juízo dá-se o nome de capacidade processual, ou seja, de praticar atos processuais válidos; sendo que apenas os absolutamente capazes possuem a capacidade processual plena; os relativamente capazes possuem capacidade processual limitada e os absolutamente incapazes são totalmente destituídos de capacidade processual. 39 A identificação das partes no processo tem grande importância sob vários aspectos, como, por exemplo, para fins de condenação nas custas, de coisa julgada, de litispendênciaetc. A capacidade postulatória é a capacidade para requerer em juízo, necessitando as partes ser representadas no processo por advogado, regularmente inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil. 40 No que concerne ao juiz, a validade da relação processual depende de estar ele investido de jurisdição;41 e, além de ter jurisdição, que seja competente. Nem todo juiz, pelo fato de ser juiz, tem jurisdição para processar e julgar uma causa; pelo que um juiz de vara cível não pode julgar ação penal, nem o juiz de vara criminal julgar ação cível; salvo, evidentemente, se estiver cumulando as funções de juiz cível e criminal. Sendo a competência a medida da jurisdição, sempre que um juiz for competente para processar e julgar uma causa terá também jurisdição sobre ela. Exige-se ainda, para validade do processo, queo juiz seja imparcial , desinteressado daquilo que constitua objeto de disputa entre os litigantes, resultando a imparcialidade do órgão jurisdicional numa garantia da ordem pública: garantia das partes, que terão a lide solucionada com justiça; do Estado, que quer que a lei seja aplicada corretamente; e do próprio juiz, que ficará a coberto de qualquer suspeita de arbítrio ou parcialidade. O interesse do órgão jurisdicional é um interesse de ordem secundária, em oposição aos interesses das partes, que são de ordem primária, ou seja, que a lide seja resolvida de acordo com a vontade do Estado expressa na lei. nem A imparcialidade do juiz resulta de circunstâncias negativas, pois deverão estar ausentes, não podendo ser ele 42 43 impedido (CPC, art. 144) e nem suspeito (CPC, art. 145). Assim, são pressupostos de validade da relação

processual que o juiz seja desimpedido e insuspeito. No que concerne à lide, exige-se, para a validade da relação processual, que ela seja srcinal , o que significa que não esteja em curso em juízo, o que caracteriza a litispendência, e nem tenha sobre ela nenhum juiz proferido sentença, o que configura a coisa julgada. Assim, são pressupostos de validade da relação processual duas condições negativas, quais sejam, a ausência de litispendênciae a ausência de coisa julgada. Se o autor move uma demanda contra o réu, e, achando que a solução está demorando, ajuíza outra com o mesmo objeto, a segunda demanda não terá condições de prosperar, porque haverá uma lide pendente de julgamento, devendo o processo relativo a essa última ser extinto sem resolução de mérito. Por outro lado, se uma lide já foi definitivamente julgada pelo órgão jurisdicional, não poderá ser objeto de novo processo, em virtude de um fenômeno denominado coisa julgada.44 Graficamente:

Defesa contra o processo. Questões sobre o processo. Conceito processual de exceção (ou aleg ação). Objeção proces s ual O processo, para existir e desenvolver-se validamente, está sujeito à observância de determinados pressupostos, batizados srcinalmente por Bülow como “ pressupostos processuais”; sendo requisitos sem os quais o processo não justa composição da lide (Carnelutti). alcança aquele grau de maturidade capaz de proporcionar uma Qualquer alegação das partes sobre a ausência de pressupostos processuais, ou mesmo qualquer dúvida posta pelo uiz sobre a sua existência, configura uma questão sobre o processo, que deve ser resolvida antes de qualquer outra questão, e, evidentemente, do próprio mérito. As questões sobree osobre processo são da chamadas as condições da ação o mérito causa. depreliminares ou prévias, porque antecedem todas as demais, sobre Os defeitos que possam ocorrer por ausência de algum pressuposto processual não determinam de imediato a extinção do processo, sendo, sempre, proporcionada às partes a oportunidade para sanar o defeito ou corrigir as falhas; dado que o processo, qualquer que seja o seu conteúdo (civil, trabalhista ou penal), é governado pelo princípio da 45 economia processual. O vocábulo exceção, em sentido amplo, é sinônimo de defesa; pelo que se afirma que ao direito de ação do autor corresponde o direito de exceção do réu, sendo uma exceção lato sensu qualquer resistência oposta pelo réu, no processo, à pretensão do autor.46 Por ocasião da defesa, pode o réu, além de contestar a pretensão do autor, produzindo uma defesade mérito, levantar questões (ou pontos duvidosos) acerca do processo (ou da ação), obrigando o juiz a desenvolver a atividade 47 urisdicional no terreno estritamente processual, com o propósito de resolvê-las. Quando a defesa do réu é dirigidacontra o processo, versando uma questão sobre o processo, acerca da existência ou validade da relação processual, recebia a denominação específica exceção de processual, independentemente do modo ou momento em que é alegada; mas o novo Código de Processo Civil transformou-a em meras “alegações”. As exceções (alegações) processuais são, quanto aos efeitos que produzem, de duas modalidades: exceções (alegações) dilatórias e exceções (alegações) peremptórias. As exceções (alegações)dilatórias 48 são aquelas que distendem o curso do processo, sem, no entanto, pôr fim à relação processual, como, por exemplo, no processo civil, as alegações de incompetência relativa, de suspeição e de impedimento; constituindo defesa indireta contra o processo. As exceções (alegações)peremptórias49 são aquelas que têm força suficiente para extinguir o processo, pondo fim à relação processual, que se extingue, prematuramente, como, por exemplo, no processo civil, as alegações de 50 litispendência e de coisa julgada; constituindo defesa direta contra o processo.

O Código de Processo Penal, por seu turno, trata como exceções a suspeição do juiz, a incompetência, a litispendência, a coisa julgada e a ilegitimidade de parte (CPP, art. 95), e também o impedimento e a incompatibilidade (CPP, art. 112). O novo Código de Processo Civil dá o tratamento de “questões” (alegações) às antigas exceções do Código de 1973, como a incompetência, o impedimento e a suspeição (dilatórias), e a litispendência e a coisa julgada (peremptórias), devendo todas elas ser arguidas como matéria de defesa na contestação; não se sujeitando mais a rito próprio, como sucedia no sistema revogado. Subsistem, no entanto, algumas importantes distinções. Algumas dessas questões podem ser objeto de conhecimento do juiz, independentemente de provocação das partes, como a suspeição e o impedimento, enquanto outras, para serem conhecidas, dependem de provocação da parte, como a incompetência relativa. Além disso, algumas dessas questões, como o impedimento e a suspeição demandam petição 51

específica 146,matéria caput), deenquanto como a incompetência relativa, a litispendência e a coisa julgada devem ser alegadas(art. como defesa, naoutras, contestação. Por obedecerem a formaprocessual predeterminada, no sistema revogado, algumas dessas exceções eram chamadas de “ exceções instrumentais”. Quando uma questão permite que o juiz dela conheça de ofício, recebe a denominação específicaobjeção de rocessual, 52 ficando a expressãoquestão processual reservada para traduzir apenas para aquela que, para ser conhecida, 53 depende de provocação da parte interessada. Sob o aspecto doutrinário, na verdade, a única questão exceção ( ) processual , neste sentido, no processo civil, é a incompetência relativa, pelo fato de depender de provocação do réu, entrando as demais no rol das objeções processuais, por poderem ser conhecidas de ofício pelo juiz. Já, no processo penal, todas as exceções processuaispodem ser alegadas pelo réu ou conhecidas de ofício pelo juiz, 54 pelo que seriam autênticasobjeções processuais. As questões processuais devem ser arguidas de conformidade com o estabelecido pela lei processual; de modo que, no processo civil, as questões (alegações)55 de impedimento e de suspeição devem ser alegadas no prazo de quinze dias, 56 Para outras alegações, como a incompetência absoluta, a contado do fato que as tenha ocasionado (CPC, art. 146). relativa, a litispendência e a coisa julgada, o novo Código não prevê procedimento próprio, mandando que sejam 57 alegadas como matéria de defesa, na contestação (CPC, art. 337). É preciso distinguir, também, a incompetência absoluta da incompetência relativa; porque esta é prorrogável, podendo ser modificada pela vontade das partes; o que não acontece com a segunda, que é improrrogável, cabendo ao uiz quando se deparar com ela declarar a sua incompetência de ofício. Os Códigos de Processo Civil e Penal não se preocuparam com a distinção doutrinária entre exceção (ou alegação) e objeção, cuidando apenas de dar tratamento processual a determinadas espécies de alegações (de impedimento e de suspeição), relegando as demais para o momento da contestação. O novo CPC faz isso no seu art. 146, exigindo petição específica para formular essasalegações. A Consolidação das Leis do Trabalho, por seu turno, tratou como exceções processuais somente a suspeição e a incompetência (art. 799 e § 1º), imprimindo-lhes rito próprio, devendo as demais exceções ser alegadas como matéria de defesa; sem se ater também com a distinção doutrinária entre exceção e objeção. No processo penal e na Consolidação das Leis do Trabalho, as exceções processuais do antigo Código de Processo Civil (1973) continuam, ainda, a ser denominadas “ exceçõesprocessuais”.

Bibliografia ALMEIDA JÚNIOR, João Mendes de.Direito judiciário brasileiro. 5. ed. Rio de Janeiro-São Paulo: Freitas Bastos, 1960. ALSINA, Ugo. Tratado teórico e practico de derecho procesal civil y comercial . 2. ed. Buenos Aires: EDIAR, 1963. v. I.

BÜLOW, Oskar von. La teoria de las excepciones procesales y los pressupuestos procesales. Buenos Aires: EJEA, 1964. CALAMANDREI, Piero. El proceso como situación jurídica, in Estudios sobre el proceso civil . Buenos Aires: 1945. CARLOS, Eduardo B. Introducción al estudio del derecho procesal . Buenos Aires: EJEA, 1959. CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de processo civil . 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1969. ______. Instituições de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1969. v. II. GOLDSCHMIDT, James. Derecho procesal civil. Barcelona: Labor, 1936. ______. Princípios generales del proceso. Buenos Aires: EJEA, 1961. v. I. LOPES DA COSTA, Alfredo de Araújo.Direito processual civil brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1959. v. 1. MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel.O Projeto do CPC, crítica e propostas. São Paulo: RT, 2010. MARQUES, José Frederico. Instituições de direito processual civil . Rio de Janeiro: Forense, 1958. v. II. ______. Instituições de direito processual civil . Campinas: Millenium, 2000. v. 3. MENENDEZ-PIDAL. Derecho procesal penal. 2. ed. Madrid: 1950. v. II. NERY JUNIOR, Nelson. Princípios do direito processual na Constituição Federal . 2. ed. São Paulo: RT, 1995. PIERSON, Donald. Teoria e pesquisa em sociologia. São Paulo: Melhoramentos, 1981. PODETTI, Ramiro. Teoria e técnica do processo civil. Buenos Aires: EDIAR, 1963. ROCCO, Ugo. L’autoritá della cosa giudicata i suoi limiti soggettivi . Roma: Athenaeum, 1917. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. São Paulo: Saraiva, 1995. v. 1. TORNAGHI, Hélio. Instituições de processo penal . 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1977. v. 1. ______. Compêndio de processo penal. Rio de Janeiro: José Konfino, 1967. v. I. TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo penal. 23. ed. São Paulo: Saraiva, 2001. v. II.

1

A sua inspiração foi um fragmento romano “ De Peculio”: In iudicio quasi cantrahimus (Em juízo quase contratamos (Ugo Rocco).

2

O processo como contrato identifica o processo arbitral, que tem o seu fundamento na convenção de arbitragem.

3

Sicut stipulatione contrahitur (...) ita iudicio contrahi. Fragmento 3, § 11, Digesto: “ De Peculio”, XV, 1: Ulpiano, lib, 29, ad edictum (Ugo Rocco).

4

“ Cum testari” significa atestar com.

5

A doutrina francesa dos séculos XVIII e XIX, influenciada pela doutrina política do contrato social de Rousseau, continuou considerando o iudicium como sendo um contrato, supondo um acordo de vontades, ou uma convenção das partes, de aceitarem a decisão do juiz.

6

A litiscontestatio, de grande importância no processo romano, desapareceu por completo; o juiz não é mais mero árbitro, mas representante do Estado; a jurisdição é verdadeira função estatal, estando a ela sujeitas as partes envolvidas no conflito; os deveres processuais não decorrem de qualquer manifestação de vontade, expressa ou tácita das partes, mas da lei; independentemente da concordância das partes, o juiz profere decisão no processo; o iudicium não mais se aperfeiçoa com o comparecimento do réu, pelo que o não comparecimento deste não impede a forma ção da relaçã o process ual.

7

A esse ato se denom inava “ in ius vocatio”.

8

Ante o fracasso da doutrina do processo como contrato, pretendeu-se substituí-la pela do quase contrato, outra fonte das obrigações, esquecendo-se, seus autores, de que, se nestas devia encontrar-se similar (do processo), não podia ela ser outra senão a lei, já que o nexo que une as partes e o juiz tem sua srcem na lei.

9

De Peculio: “Nam sicut in stipulatione contrahitur cum filio, ita iudicio contrahi.”

10 Falar-se em consenso presuntivo de vontades, como querem os quase contratualistas, seria falar-se em contrato e não em quase contrato (Hélio Tornaghi). 11 Estas considerações são baseadas nas lições de Donald Pierson, na sua obra Teoria e pesquisa em sociologia.São Paulo: Melhoramentos, 1981. 12 Art. 345. Fazer justiça pelas próprias mãos, para satisfazer pretensão, embora legítima, salvo quando a lei o permite: Pena – detenção, de quinze dias a um mês, ou multa, além da pena correspondente à violência. 13 De r P rozess als Re chtslage: Eine Kr itikdes prozessualen De nkens, Berlin, 1925. 14 Par a Köhler, exi ste um a situação jurídica sempre que, antes de o direito subjetivo assumir veste concreta, surja algo de jurídico que possa ter alguma influência sobre a sua futura formação. Para Chiovenda, a situação jurídica distingue-se do direito “porque encerra um elemento do direito, ou de um e feito ou de um a to jurídico futuro”. 15 Esse modo de considerar o direito, que converte todas as relações jurídicas em situações jurídicas, resulta da consideração do direito na sua feição dinâmica, em contraste com a sua feição estática. Reportando-se a Spengler ( La decadencia del occidente ), ilustra Goldschmidt essa diferença de enfoque: a paz, relação de Estado com .seus territórios e súditos é seestática , constituindo império intangível. Mas, quando explode a“Durante guerra, tudo se aencontra na um ponta da espada Os direitos mais intangí veis c onvertem em expecum tativas, possibilidades e e ncar gos, e todo direito pode ser a niquilado por não ter sido aproveitada um a oc asião ou descumpr ido um ônus. Ao contrário, a guer ra pode proporc ionar ao venc edor o gozo de um direito que na realidade não lhe com pete. Tudo isso pode acontece r em relaçã o a o dire ito material das partes e da situação em que as mesmas se encontram relativamente a ele, quando se formula um pleito judicial sobre ele” (Goldschmidt). 16 A teoria de Goldschmidt valeu-lhe a crítica de Calamandrei, refutada pelo próprio autor no seu Derecho procesal civil , que considerou errônea a suposição de que o conceito de situação jurídica em geral e, em particular, o de expectativa juridicamente assegurada sejam de caráter sociológico. 17 Realmente, o ônus não é o mesmo que obrigação, porque, enquanto cumprir a obrigação é do interesse da outra parte, titular do interesse subordinante, cum prir o ônus é do interesse do próprio onerado. 18 Essa obra foi publicada em 1868, na cidade de Giessen, na Alemanha. 19 Essa ideia já fora notada por Hegel e afirm ada por Bethma nn-Holweg. CARLOS, Eduardo B. Op. cit . p. 137. 20 “Juízo (= processo) é o ato de trê s pessoas: juiz, autor e réu.” 21 Quer dizer, colocá-la no contexto de um sistema jurídico, como o processual. 22 A relação processual é f ormada por me io de atos p articulares; s ó se a perfeiçoa com a litiscontestação, o contrato de direito público, pelo qual, de um lado, o tribunal assume a concreta obrigação de decidir e realizar o direito deduzido em juízo, e, de outro, as partes se obrigam a prestar uma colaboraç ão indispensável para isso, e a subme ter- se aos resultados desta atividade com um. Tam bém esta posterior atividade resulta numa série de atos separa dos, independentes e resultantes uns dos outros (Bülow). 23 Poder-se-ia, seguindo a tradição, ter feito predominar o procedimento na definição do processo, se não se tivesse descuidado de mostrar a relação processual como a outra parte da sua noção (Bülow). 24 Bülow não “fechou questão” quanto à denominação por ele sugerida, de “pressupostos processuais” em vez de “exceções processuais impeditivas”, dizendo expressamente, ao final de sua obra, que poderia ser “outra expressão que expressasse melhor o conceito a interpretar”. 25 A indume ntária é a r oupa, vestuário ou vest imenta. 26 Diz-se “heterotópica” a norma que está em posição ou localização diferente da usual. 27 Doutrina João Mendes de Almeida Júnior que o processo é uma direção no movimento, enquanto o procedimento é o modo de mover e a forma em que é movido o ato, salientando que o sufixo nominal mentum , em sua derivação etimológica, exprime os atos no modo de fazê-los e na forma em que são feitos. 28 Essa unidade tem na lei e no juiz um conceito harmônico: a sentença justa, mediante a atuação do direito objetivo. Nos litigantes, isto não acontece; os atos de unidade no sentido finalista, de aspiração à sentença, senão que, em muitos casos, enquanto um aspira à sentença definitiva, o outro procura impedi-la m ediante exce ções dilatórias e incidentes (Pode tti). 29 “ Iudicium est actum trium personarum: iudicis, actoris et rei”: Juízo (= processo) é o ato de trê s pessoas: juiz, autor e réu. 30 Esses gráficos teriam sido expostos pela prime ira vez por He llwig. 31 Art. 200. Os atos das partes consistentes em declarações unilaterais ou bilaterais de vontade produzem imediatamente a constituição, modificaç ão ou extinção de direitos processuais. 32 Chiovenda conceituou como parte aquele que pede em seu próprio nome ou em cujo nome é pedida (autor) a atuação de uma vontade da lei e aquele em f ace de quem esta atuação é pedid a (réu). 33 “Não há juiz sem autor”. No entanto, no âmbito penal, o juiz pode conceder habeas corpus, independentemente de pedido. 34 O que não pode o réu é pretender praticar atos processuais que não praticou no momento oportuno; isto devido a um fenômeno que ocorre no

processo, cham ado “preclusão” . Mas, a pa rtir do m omento da sua intervenção, poderá praticar atos processuais, se em tem po. Pode ser que o réu não conteste a ação, porque entenda absurdo o pedido do autor, mas vê, surpreso, esse pedido julgado procedente. Mesmo tendo sido revel, poderá manifestar recurso para o tribunal. 35 Art. 346 (...) Parágrafo único. O revel poderá intervir no processo em qualquer fase, recebendo-o no estado em que se encontrar. 36 Para Bülow, toda relação processual depende de requisitos de admissibilidade, que determinam entre que pessoas ela se forma, sobre que matéria, por meio de que atos e em que momento pode da r-se um processo. Nestes princípio s estão contidos elem entos constitutivos da re lação jurídica processual. P ropõe Bülow c ham á-los de pressupostos proce ssuais, substituindo por este conce ito o de “ exceç ões processuais”. Arrola no elenco dos pressupostos processuais: a) competência capacidade, insuspeição do tribunal, capacidade processual das partes (legitimação) e legitimação de seu representante; b) as qualidades próprias e imprescindíveis de uma matéria litigiosa; c ) redação e comunicação (ou notificação) da demanda, e a obrigação do autor pelas despesas processuais; d) a ordem entre os vários processos. 37 Art. 2º A personalidade c ivil da pessoa com eç a do nascim ento com vida; m as a lei põe a salvo, desde a conc epçã o, os direitos do nascituro. 38 O relativamente incapaz pode outorgar procuração ad judicia por instrumento particular, assinado também pelo seu representante legal, não necessitando de reconhecimento de firma. No caso do absolutamente incapaz, a procuração é outorgada apenas pelo seu representante legal, nas mesmas condições e não necessariamente por instrumento público. 39 Num a ação de alimentos, por exe mplo, o menor possui ca pacidade de ser parte, pelo que será o autor; mas, por não ter capac idade processual, será representado por sua genitora ou quem legalm ente o represente. Assim, tecnicam ente, deve a petição inicial dizer: “Fulano de tal, brasileiro, menor, legalmente representado por sua genitora etc.” 40 Isto quando não disp onham, elas próprias, do ius postulandi para agir em juízo, como sucede na reclamação trabalhista, nos juizados especiais e no habeas corpus. 41 O juiz perde a jurisdição na vara quando é aposentado, licenciado, afastado etc. 42 Art. 144. Há impedimento do juiz, sendo-lhe vedado exercer suas funções no processo: I – em que interveio como mandatário da parte, oficiou como perito, funcion ou como m em bro do Ministério Público ou prestou depoime nto como testemunha; II – de que conhece u em outro grau de jurisdição, tendo proferido decisão; III – quando nele estiver postulando, como defensor público, advogado ou membro do Ministério Público, seu cônjuge ou companheiro, ou qualquer parente, consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau, inclusive; IV – quando for parte no proce sso ele próprio, seu cônjuge ou c ompa nheiro, ou pare nte, consanguíneo ou afim , em linha reta ou c olateral, até o terce iro grau, inclusive; V – quando for sócio ou mem bro de direç ão ou de adm inistração de pessoa jur ídica parte no proce sso; VI – quando for herdeiro presuntivo, donatário ou empregador de qualquer das partes; VII – em que figure como parte instituição de ensino com a qual tenha relação de cônjuge, emprego companheiro ou decorrenteoudeparente, contratoconsanguíneo de prestaçãooudeafim, serviços; VIIIreta – em figureaté como parte cliente do escritório de advocacia de seu em linha ou que colateral, o terceiro grau, inclusive, mesmo que patrocinado por advogado de outro escritório ; IX – quando promover açã o contra a parte ou seu a dvogado. (...) 43 Art. 145. Há suspeição do juiz: I – amigo íntimo ou inimigo de qualquer das partes ou de seus advogados; II – que receber presentes de pessoas que tiverem interesse na c ausa antes ou depois de iniciado o processo, que a conselhar a lguma das partes acerca do obj eto da c ausa ou que subministrar meios para atender às despesas do litígio; III – quando qualquer das partes for sua credora ou devedora, de seu cônjuge ou companheiro ou de parentes destes, em linha reta até o terceiro grau, inclusive; IV – interessado no julgamento do processo em favor de qualquer das partes. § 1º Poderá o juiz dec larar -se suspeito por motivo de foro ínt imo, sem nece ssidade de declar ar suas razões. (... ) 44 Salvo o exerc ício de eventual açã o rescisória, pera nte o Tribunal. 45 O princípio da economia processual zela para que o proc esso seja , tanto quanto possível, barato. 46 A expressão “ exceptio ” vem do direito romano; chegou até os nossos dias e manteve--se nos modernos ordenamentos jurídicos com o mesmo significado. 47 Para Hélio Tornaghi, o termo “exceção” designa tanto a alegação de ausência de pressupostos processuais quanto das condições da ação. 48 Esta palavra provém do latim defferre , que significa diferir, prolongar, sendo usada nesse sentido para traduzir determinada modalidade de exceção (alegação). 49 Este vocábulo provém do latim perimere, que significa perimir, matar, sendo usada nesse sentido para traduzir determinada modalidade de exceção. 50 O Código de Processo Penal enumera como exceções: a suspeição, a incompetência, a litispendência, a coisa julgada e a ilegitimidade de parte (art. 95), referindo-se tam bém o art. 112 ao impe dime nto e à incom patibilidade . No novo Código, todas as exceç ões foram extintas, passando o impe dime nto e a suspeição à ca tegoria de meras “a legaç ões”, que exigem petição específica, devendo ser alegadas com o ma téria de def esa na contest açã o. 51 Art. 146. No prazo de 15 (quinze) dias, a contar do conhecimento do fato, a parte alegará o impedimento ou a suspeição, em petição específica dirigida ao juiz do processo, na qual indicará o fundamento da recusa, podendo instruí-la com documentos em que se fundar a alegação e com rol de testemunhas. (...) 52 Essa expressão “obj eçã o processual” se de ve a Renzo Bolaff i, que na sua obra “ L’ec cezioni del diritto sostanziale” a ela se r efe re.

Enneccerus, que estudou o problema através do direito material, distinguia a “objeção” da “exceção”, vendo a objeção como a negativa do 53 direito que pode aniqui lá-lo, ou a alegaç ão de f atos que tornam inefica z o (direito) invocado na dem anda. 54 Inclusive a incompetência relativa, que no processo civil constitui ônus da parte. No entanto, o Supremo Tribunal Federal decidiu, em sede penal, que a incom petênc ia ratione loci constitui nulidade relativa, que deve ser alegada no momento processual adequado, sob pena de preclusão (HC n. 73.637-8). 55 Somente a incompetência relativa deve ser arguida dentro do prazo; podendo a incompetência absoluta ser arguida a qualquer tempo e até declarada de ofício pelo juiz (Tourinho Filho). 56 Art. 146. No prazo de 15 (quinze) dias, a contar do conhecimento do fato, a parte alegará o impedimento ou a suspeição, em petição específica dirigida ao juiz do processo, na qual indicará o fundamento da recusa, podendo instruí-la com documentos em que se fundar a alegação e com rol de testemunhas. (...) 57 Art. 337. Incumbe ao réu, antes de discutir o mérito, alegar: (...) II – incompetência absoluta e relativa; (...) VI – litispendência; VII – coisa julgada; (...)

8 CONTEÚDO OBJETIVO DO PROCESSO Problemática do mérito. Mérito e lide: lide total e lide parcial. Julgamento parcial de mérito. Mérito em matéria penal. Defesa contra o mérito. Conceito substancial de exceção. Ainda a defesa contra o mérito. Questões prejudiciais. Questões preliminares e questões prejudiciais: semelhanças e distinções.

Proble mática do méri to O conceito de mérito da causa é de fundamental importância no processo, sobretudo pela sua repercussão imediata em diversos setores do direito processual, como na extinção do processo, com ou sem resolução de mérito; na ação rescisória, pois só se rescindem sentenças de mérito; na apresentação de defesas relativas ao processo e à ação, pois devem ser arguidas antes de se discutir o méritoetc. A doutrina tradicional fazia coincidir omérito da causa com a relação jurídica material deduzida em juízo; pelo que, numa ação de despejo, o mérito seria a relaçãode locação; numa ação de cobrança, a relação de débito e crédito; e assim por diante. Toda vez que o juiz se pronunciasse sobre o contrato de locação ou sobre a relação creditícia, estaria se manifestando sobre o mérito da causa. Este conceito tradicional de mérito é por demais estreito para satisfazer às exigências técnicas do processo, mesmo porque há processos em que nenhuma relação jurídica material é nele deduzida, como sucede, por exemplo, na ação rescisória, na qual o que se pretende noiudicium rescindens é uma nova decisão, meramente desconstitutiva da anterior, transitada em julgado. Se a ação rescisória for julgada improcedente, por exemplo, o julgamento do méritoiudicium ( rescissorium) ficará prejudicado. Daí ter a moderna doutrina se aprofundado na pesquisa de um conceito mais adequado à realidade do processo e mais bem ajustado à dogmática processual, aplicável a todos os casos, no âmbito civil, trabalhista e penal.

Mér ito e l ide: lide total e l ide parc ial. J ulg amento parcial de mérito Para Carnelutti, o mérito é a lide, ou seja, “ o conflito de interesses qualificado pela pretensão de um dos 1 está na lide. interessados e pela resistência do outro”; ou seja, para ele o mérito Quando a lide não logra solução pela vontade dos litigantes, deve ela a pedido de uma das partes ser resolvida pelo uiz mediante o processo. Por isso, observou Carnelutti, existir entre o processo e lide a mesma relação ocorrente entre continente e conteúdo; de modo que sempre que o juiz decidir a lide estará decidindo o mérito da causa. Essa doutrina foi adotada pelo Código de Processo Civil, cuja Exposição de Motivos esclarece que o projeto só usa a palavra lide para designar o mérito da causa e que a lide é o objeto principal do processo,2 exprimindo-se nela as aspirações em conflito de ambos os litigantes. Na verdade, o Código de Processo Civil não foi fiel ao que pretendeu, porque usa também o termo lide com o significado de “ processo”, ao tratar, por exemplo, da denunciação da lide (CPC, art. 125).3 É importante a conceituação do mérito, não só para distingui-lo dasquestões processuais, mas, sobretudo, para separar umas das outras, e saber, com precisão, o momento de decidi-las; tendo essa distinção relevância também para o estudo de outros institutos, como, por exemplo, as questões prejudiciais, com reflexos na teoria da litispendência e da

coisa julgada. Para Liebman,4 o mérito é o pedido, ou seja, a concreta providência que se requer do juiz, adequada à satisfação de um interesse; pelo que considerava o conceito carneluttiano de lide mais sociológico do que jurídico, e, assim, imprestável para satisfazer às exigências técnicas do processo; além de divergir dele também quanto à distinção entre lide total e lide parcial. Segundo Carnelutti, uma lide pode ser deduzida por inteiro num processo ou, então, por partes; de modo que o processo serve para compor toda a lide ou somente uma parte dela. Suponha-se que alguém sofra um acidente de veículo, que lhe provoque lesões corporais, além de outros prejuízos, como despesas hospitalares, a perda de uma carteira, a perda de um relógio etc. Essa pessoa pode propor uma ação de indenização, objetivando o ressarcimento de todo o prejuízo sofrido com o acidente, ou de apenasparte desse prejuízo; podendo deduzir a lide na sua inteireza ou somente em uma fração dela. Essa é5 aconforme consequência Carnelutti extrai dodo seudemandante. conceito de mérito, que pode ser identificado com uma lide total ou parcial, o fatoque jurídico e a pretensão Mas, nessa hipótese, qual seria o pedido, na formulação liebmaniana? 6 um pedido imediato, que é a Liebman distingue na demanda dois pedidos, ou um pedido duplamente direcionado: providência jurisdicional que se requer do juiz, consistente numa sentença condenatória, constitutiva ou declaratória; e um pedido mediato, consistente no bem da vida pretendido pelo demandante, cuja tutela pretende obter do juiz. No exemplo retro, do acidente de veículo, a parte autora ajuíza uma ação contra o réu, com o propósito de obter o ressarcimento das despesas hospitalares (eis opedido mediato); depois, verificando que perdeu a carteira, propõe outra ação, pedindo a reparação por essa perda (eis novo pedido mediato ); depois, verifica ter pedido também um relógio valiosíssimo, ajuizando outra ação, para haver o valor do relógio (eis novopedido mediato). Observa-se neste exemplo que acausa de pedir é sempre a mesma, não muda, sendo em todas essas ações o acidente de veículo provocado pelo réu, mas os pedidos são diferentes, consistindo, numa ação, no ressarcimento de despesas hospitalares; noutra, no valor da carteira; noutra, no valor do relógio; pelo que, sob o prisma dos seus elementos identificadores (partes, causa de pedir e pedido), não se trata de ações idênticas, mas de ações análogas, em função da causa de pedir (o acidente), conferindo a um só juiz o poder de julgar todas. Para Liebman, o que importa não é alide, como delineada por Carnelutti, nem se ela étotal ou parcial, mas o edido formulado pela parte; pelo que toda vez que o juiz examinar se ocorreu ou não o acidente, as suas consequências, a extensão dos danos, a culpabilidade dos litigantes etc., estará decidindo sobre o pedido e, portanto, sobre o mérito da causa.7 Imagine-se, por fim, a hipótese de o juiz julgarimprocedente a ação indenizatória, resultante do acidente de veículo, em que se postulou ressarcimento de despesas hospitalares, por não haver o autor comprovado ter feito despesas hospitalares, dado que foi atendido num hospital público. Este era o pedido ou objeto da demanda ressarcitória. Se o autor, porém, possuir prova de outros prejuízos (perda da carteira, do relógio), poderá propor outra ação contra o mesmo réu, objetivando a reparação do dano, pois inocorre, na espécie, a identidade de objeto das ações. Em sede doutrinária, não existe diferença essencial entre os conceitos da lide civil e da lide trabalhista, a não ser quanto ao conteúdo do bem da vida a que se referem. O novo Código de Processo Civil, diferentemente do seu antecessor (1973), consagra no seu art. 356 o “ julgamento antecipado parcial do mérito (rectius, lide), determinando ao juiz que assim proceda quando um ou mais dos pedidos formulados ou parcelas deles: I – mostrar-se incontroverso; II – estiver em condições de imediato ulgamento, nos termos do art. 355. 8

Mér i to em matéria penal Especial atenção merece o conceito de mérito em matéria penal, já que, no processo penal, o autor não formula pedido em sentido estrito, como no processo civil, no seu próprio interesse. O conceito de lide formulado por Carnelutti tem sido transposto, sem maiores resistências doutrinárias, para o

campo do processo penal, carac-terizando-se a lide como “conflito de interesses entre o poder punitivo do Estado e o direito de liberdade do acusado”. Para quem aceita esta transposição, não há dificuldade em identificar o mérito em matéria penal, conforme os postulados da doutrina carneluttiana. No processo penal, o titular do direito de punir é o Estado, que o exerce de regra através do Ministério Público, 9 Por outro lado, o juiz penal depende apenas da exposição de um fato encarregado de tornar efetivo esse direito. criminoso e de quem seja o seu causador, para, a partir daí, atuar a lei penal, para o que prescinde de pedido; se bem que, na prática, a denúncia ou a queixa contém sempre um pedido condenatório, consistente na imposição de uma pena. O juiz penal não está como o cível e trabalhista adstrito à classificação do crime feita pela denúncia, podendo dar aos fatos definição jurídica diversa, ainda que tenha de aplicar pena mais grave (CPP, art. 383,caput);10 donde se 11 conclui que o pedido não poderia constituir o mérito da causa, por não constituir requisito essencial da denúncia. Para Xavier de Albuquerque, o objeto do processo penal é “ a realidade jurídica noticiada na demanda”, tal como resulta da sentença, pelo que julgar o mérito seria converter emrealidade jurídica concreta a realidade jurídica hipotética veiculada pela demanda, na medida em que o permitisse a cognição do julgador. Para quem pensa assim, o mérito, no processo penal, é “o trecho da realidade social, exposto na acusação, tal como resulta juridicamente qualificado na sentença”.

Defes a contra o méri to. Conce ito s ubs tanci al de e xceção Ao se defender em juízo,12 o réu, em vez de suscitar questões processuais, sobre o exercício da ação ou sobre pressupostos processuais, pode preferir apresentar defesa direta contra o mérito, contra-atacando a pretensão material do autor ou o fundamento em que se alicerça, objetivando que o juiz negue aquilo que o autor pediu; é a defesa contra a causa de pedir ou contra o pedido. Suponha-se que, numaação de cobrança, o réu negue a dívida para com o autor; ou que, numa ação de despejo, negue a relação de locação; casos em que estará produzindo uma defesa direta de mérito, legalmente chamada decontestação. Suponha-se, na esfera penal, que o réu negue o próprio fato a ele imputado pela denúncia, ou negue a tipicidade do fato – existiu, mas não é delituoso –, ou a antijuricidade do fato – existiu, mas era lícito – etc. Em todos esses casos, a defesa do réu tem por objetivo ferir de morte a pretensão material mesma, ou seja, o mérito da causa. Pode ocorrer, também, de o réu se defender através de uma defesa indireta de mérito, em que, sendo ele titular de um direito subjetivo material oponível ao autor, procura livrar-se da pretensão deste, mediante a invocação desse direito material seu, que, se acolhido pelo juiz, tornará ineficaz a pretensão autoral. Essa defesa não é direta, mas está ligada ao mérito, e, se for reconhecido o fundamento da alegação, obstaculizará os efeitos jurídicos da pretensão formulada pelo autor. É o caso, por exemplo, do réu que, na sua defesa, alega a compensação de dívidas (matéria de direito substancial), em que ele não nega a dívida para com autor, mas alega ser também credor dele, alegação que, se comprovada, irá influir na decisão da causa, pois o autor receberá menos do que pretendia ou até nada receberá. Pode também arguir o réu a novação, a exceção de contrato não cumprido ou não inteiramente cumprido,13 a prescrição da dívida, a retenção do imóvel por benfeitorias necessárias etc. Em todos esses casos, o réu não nega ofato constitutivo do direito do autor, limitando-se a alegar outros fatos, impeditivos, modificativos ou extintivos daquele direito, e que, se colhido pelo juiz, resultará para ele num benefício, em detrimento do direito do autor.14 A esses tipos de defesa, a doutrina chama de exceções substanciais, 15 porque são matéria de direito substancial ou material, sendo também conhecidas como preliminares de mérito , pois, além de relacionadas intimamente com o mérito, devem ser decididas antes deles, influindo no seu julgamento. As exceções substanciais16 consistem em alegações de fatos que, por si mesmos, não excluem a ação, mas conferem ao réu o poder jurídico de tolher os seus efeitos.

A decisão sobre a exceção substancial céondicionada à da questão principal, porque somente se for reconhecido o direito do autor (de credor do réu), será possível reconhecer o direito do réu (de credor do autor), permitindo a compensação; pois, do contrário, nada haverá a ser compensado. Nenhum dos estatutos processuais (nem o anterior nem o atual) alude, expressamente, a essa modalidade de defesa, que vem sendo objeto de consideração apenas da doutrina.

Ainda a defes a contra o méri to. Ques tões prejudic iais Antes de decidir o mérito da causa, encontra-se o juiz a braços com uma série mais ou menos longa de pontos rejudiciais, que representam o antecedente lógico da questão final, e que, se se tornaremcontrovertidos no processo, darão azo ao surgimento dequestões prejudiciais. A palavra prejudicial vem do latim, derivada de prae iudicare, significando aquilo que se decide antes; ou que, sendo julgado antes, poderá ou não prejudicar. Por ser a questão principal julgadadepois da prejudicial, a doutrina se refere àquela como questão prejudicada. A questão prejudicial é toda questão de direito material (civil, penal, trabalhista), surgida no processo, e cuja solução condiciona necessariamente a decisão do mérito da causa; ou “ a questão de direito, cuja solução se apresenta como antecedente lógico e jurídico da questão principal, objeto do processo, versando uma relação jurídica material particular e controvertida”. O juiz de determinada causa se depara, às vezes, com essas questões, que deverão ser decididas antes do julgamento de mérito, e, conforme seja a decisão proferida a seu respeito, poderá ou não afetá-lo. Vamos trabalhar com dois exemplos, para dar uma visão pragmática dasquestões prejudiciais. Suponha-se que, na esfera penal, o Ministério Público ofereça uma denúncia contra o acusado pelo delito de bigamia (CP, art. 235); o acusado alega, na sua defesa, nulidade do seu primeiro casamento; o juiz, antes de decidir o mérito penal, terá de conhecer, antes, sobre a validez do primeiro casamento, porque, se ele for realmente nulo, não terá havido crime de bigamia. Se o juiz acolher essaquestão prejudicial, dando pela nulidade do primeiro casamento do réu, ficaráprejudicada a questão principal sobre a bigamia, objeto da denúncia. O mesmo se diga, na esfera cível, se o réu, na ação de alimentos, alegar não ser pai do autor, devendo o juiz, antes de julgar o mérito da causa, apreciar e valorar (não decidir) a questão da paternidade, porque, se entender, segundo a prova, não ser o réu o pai do autor, esse entendimento prejudicará o pedido principal, que será julgado improcedente. No sistema anterior, a questão prejudicial não era alcançada pela autoridade de coisa julgada, a não ser quando transformada em questão principal, mediante ação declaratória incidente (suprimida pelo novo Código), tendo o novo Código adotado diversa orientação, dispondo no art. 503 que a decisão que julgar total ou parcialmente o mérito tem de questão força de lei nos limites da questão principal expressamente decidida, aplicando-se essa disposiçãoresolução à rejudicial, decidida expressa e incidentemente no processo se: I – dessa resolução depender o julgamento do mérito; II – a seu respeito tiver havido contraditório prévio e efetivo, não se aplicando no caso de revelia; III – o juízo tiver competência em razão da matéria e da pessoa para resolvê-la como questão principal. No entanto, dispõe o § 2º do art. 503 que a hipótese do § 1º não se aplica se no processo houver restrições probatórias ou limitações à cognição que impeçam o aprofundamento da análise daquestão prejudicial. A doutrina chama a essas questões, que são questões dedireito substantivo civil ou penal, que condicionam necessariamente a decisão da questão principal, de questõesprejudiciais. 17 As questões prejudiciais apresentam, para Hélio Tornaghi, as seguintes características:a) antecedência lógica; b) superordinação; c) autonomia. a) Antecedência lógica – O julgamento da questão prejudicial precede sempre o julgamento da questão principal, ou seja, o juiz terá primeiro que apreciar (formar juízo de valor) as prejudiciais, para depois decidir a questão principal (de mérito). As prejudiciais se constituem, portanto, num antecedente lógico da questão principal. Às vezes, pode acontecer de o juiz apreciar a questão prejudicial, no mesmo momento em que decide a questão principal, mas, por ser uma um antecedente lógico da outra, o juiz terá que transitar primeiro pela prejudicial para depois

decidir a principal. Se, por exemplo, o juiz decidir pela existência do delito bigamia foi porque passou pelo exame da questão prejudicial levantada pelo réu (a invalidez do primeiro casamento) e essa questão restou superada. Trata-se de um antecedentelógico e não cronológico, pois pode acontecer de ela surgir depois da questão principal, mas o julgamento da prejudicial éanterior, mesmo que implícito; pois se o juiz decidir a questão principal, ipso facto (e por isso mesmo) terá apreciado a questão prejudicial. b) Superordinação – A questão prejudicial é sempre uma valoração jurídica que vai influir no julgamento da questão principal (de mérito). A questão principal tem sua valoração jurídica condicionada,subordinada à valoração, 18 à questão principal ou também jurídica, da questão prejudicial; pelo que se diz que a prejudicial está superordinada prejudicada; quer dizer, a principal está subordinada à questão prejudicial. Apesar de a questão principal ou prejudicada ser de suma importância, no processo, porque sobre ela versa o mérito da causa, e para obter uma decisão sobre ela é que se forma o processo, nada impede que possa, no seu ulgamento, estar subordinada à questão Ninguém deduz uma lide no processoprejudicial. simplesmente para levar ao exame do juiz uma questão prejudicial, nem isso seria possível; mas as questões prejudiciais são tambémrelevantes, tanto quanto a questão prejudicada, resultando a sua relevância justamente do fato de elas condicionarem a decisão sobre o mérito, que nem por isso deixa de ser a questão principal. A questão que constitui o mérito da causa é a principal e continua sendo principal, havendo um simples condicionamento, porque, embora de menor valor, a prejudicial é relevante para o julgamento da lide (ou do mérito). c) Autonomia – As questões prejudiciais podem ser objeto de decisão do juiz noutro processo, independentemente da existência da questão principal sobre a qual se controverte. Por isto, se diz que ela é uma questão autônoma, no sentido de que não depende, necessariamente, da existência da questão principal ou de mérito. Pode-se discutir, por exemplo, a validez do casamento, num processo, sem que se cogite de um crime de bigamia; pelo que se houver um motivo legal – por exemplo, erro essencial quanto à pessoa do outro cônjuge – pode o inocente pedir a anulação do casamento. Neste caso, o que estará sendo objeto do processo é a validez, mesma, do casamento, que constitui a própria questão de mérito, sem qualquer colorido deprejudicial. Observa-se, então, que certas questões podem existirautonomamente, pois nem sempre surgem condicionando outra questão, a prejudicada, num determinado processo, constituindo elas próprias o mérito da demanda. Assim, a questão da paternidade na demanda por alimentos. Nisso reside a autonomia da questão prejudicial. Se as questões prejudiciais surgirem no curso de determinado processo, assumem tais características, se outra for a questão principal, pois, fora desta hipótese, constituirá ela o próprio mérito da causa e será, então, a questão principal. As questões prejudiciais se dividem em duas categorias: a) homogêneas; e b) heterogêneas. a) Homogêneas são as prejudiciais que pertencem aomesmo ramo do direito a que pertence a questão principal, inserindo-se no mesmo campo do ordenamento jurídico, como, por exemplo, o furto em relação ao crime de receptação; ou a paternidade em relação à ação de alimentos. b) Heterogêneas são as prejudiciais que pertencem a distintos ramos do direito; inserindo-se em ordenamento urídicos distintos, como, por exemplo, a validez do casamento, em relação ao crime de bigamia, pois aquela pertence ao direito civil e esta ao direito penal.

Questões preliminares e prejudiciais: semelhanças e distinções O único ponto comum entre as questões preliminares e as prejudiciais é que ambas são apreciadas e valoradasantes do julgamento da questão principal, relativa ao mérito da causa. No entanto, as diferenças entre as questões preliminares e prejudiciais são inúmeras, pelo que registro as mais significativas: a) As prejudiciais estão intimamente ligadas ao mérito da demanda; aspreliminares, não, por versarem sobre questões de natureza processual.

Assim, a validez do primeiro casamento, enquantoprejudicial, está ligada ao mérito do processo por crime de bigamia, porque só haverá crime se o primeiro casamento for válido; as preliminares versam sobre pressupostos processuais, como a competência do juízo, ou o impedimento do juiz. b) As prejudiciais podem existir autonomamente; as preliminares, nunca, porque só podem ser alegadas num processo em curso. Assim, enquanto a validez do casamento pode ser apreciada comoprejudicial, no mesmo processo da questão principal, ou constituir ela própria questão principal de outro processo; as preliminares, como o impedimento e a suspeição, só podem ser arguidas no curso de determinado processo. c) As prejudiciais são, necessariamente, de direitomaterial, enquanto as preliminares são de direitoprocessual . Enquanto as questões prejudiciais constituem um direito material do réu contra o autor, como a negativa da paternidade na ação de alimentos; as preliminares são matéria de direito processual, ligadas aos pressupostos processuais, como a incompetência, ou às condições da ação,processo como a em faltaque de legitimação parte. principal, ou julgadas, d) As prejudiciais podem ser apreciadas no mesmo se discute adaquestão por outro juiz, noutro processo, como questão principal; as preliminares são sempre apreciadas no próprio processo onde surgem, não podendo ser resolvidas por outro juízo, noutro processo. Assim, a validez do casamento pode ser apreciada comoprejudicial no processo por crime de bigamia, ou ser preliminar, só pode ser objeto próprio de ação de nulidade de casamento; enquanto a incompetência, por exemplo, como arguida no processo da questão principal, e apreciada pelo juiz desse processo. O novo Código de Processo Civil altera o sistema anterior (1973), relativamente àquestão prejudicial, pois, anteriormente, para ter autoridade de coisa julgada, deveria essa questão ser convertida em questão principal, mediante o ajuizamento de ação de declaração incidente. Pelo novo sistema processual, a decisão que julgar total ou parcialmente o mérito continua tendo força de lei nos limites da questão principal expressamente decidida (art. 503, caput), mas essa disposição se aplica à resolução de questão prejudicial, decidida expressa e incidentemente no processo, se: I – dessa resolução depender o julgamento do mérito; II – a seu respeito tiver havido contraditório prévio e efetivo, não se aplicando no caso de revelia; III – o juízo tiver competência em razão da matéria e da pessoa para resolvê-la como questão principal (art. 503, § 1º, I a III). A decisão da prejudicial só não terá essa extensão e profundidade se no processo houver restrições probatórias ou limitações à cognição que impeçam o aprofundamento da análise da questão prejudicial (art. 503, § 2º).

Bibliografia ALBUQUERQUE, Francisco Manoel Xavier de. Conceito de mérito no direito processual penal. In: Estudos de direito e processo penal em homenagem a Nelson Hungria. Rio de Janeiro: Forense, 1961. CALAMANDREI, Piero. Instituciones de derecho procesal civil. Trad. Argentina. Buenos Aires: EJEA, 1973. v. I. CARNELUTTI, Francesco Sistema del diritto processuale civile. Padova: Cedam, 1936. v. I. CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1962. v. I. CINTRA, Antônio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini; e DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria geral do processo. 6. ed. 3. tir. São Paulo: RT, 1988. DINAMARCO, Cândido Rangel. Fundamentos do processo civil moderno. São Paulo: Malheiros, 2000. FLORIAN, Eugenio. Elementos de derecho procesal. Barcelona: Bosch, 1933. LEONE, Giovanni. Manuale di diritto processuale penale. Napoli: Casa Editrice Dott, Eugenio Joveni, 1977. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. 18. ed. São Paulo: Saraiva, 1997. TORNAGHI, Hélio Bastos. Instituições de processo penal . 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1978.

1

Para Cândido Dinamarco, a pretensão é que consubstancia o mérito.

2

Tem a dos m ais controverti dos é o do obje to do processo: p ara uns é a lide; para outros, o pedido; para outros, a pr estaçã o j urisdicional devida pelo Estado-j uiz; para outros, a vontade da lei cuj a atuação se reclama; para outros, a pre tensão processual etc.

3

Art. 125. É admissível a denunciação da lide, promovida por qualquer das partes: I – ao alienante imediato, no processo relativo à coisa cujo domínio foi transferido ao denunciante, a fim de que possa exercer os direitos que da evicção lhe resultam; II – àquele que estiver obrigado, por lei ou pelo contrato, a indenizar, em aç ão regressiva, o pre juízo de quem for vencido no processo. (...)

4

Para Liebman, o conflito de interesses não entra para o processo tal como se manifestou na vida real, mas só indiretamente, na feição que lhe deu o autor em seu pedido. Pa ra ele, a lide é o conflito, depois de m oldado pelas partes e vazado nos pedidos form ulados ao juiz.

5

Carnelutti formula um exemplo acerca da herança por dupla vocação: legítima e testamentária.

6

Duplame nte direcionado, po rque o a utor pede ao juiz uma providência jurisdicional em face ou contra o réu; formula um pedido ao juiz, com efeito juríd ico na esfera jurídica do réu.

7

Para Calamandrei, providência de mérito é aquela mediante a qual o juiz provê sobre a ação, com efeitos jurisdicionais sobre o direito substancial.

8

Art. 355. O juiz julgará antecipadamente o pedido, proferindo sentença com resolução de mérito, quando: I – não houver necessidade de produção de outras provas; II – o réu for re vel, ocorrer o efeito previsto no art. 344 e não houver requerime nto de prova, na form a do art. 349.

9

O ordenamento jurídico brasileiro consagra casos de jurisdição sem ação , em que a iniciativa da tutela é do juiz, como, por exemplo, na execução de sentença trabalhista e no habeas corpus.

10 Art. 383. O juiz, sem modificar a descrição do fato contida na denúncia ou queixa, poderá atribuir-lhe definição jurídica diversa, ainda que, em consequênci a, tenha de aplicar pena m ais grave. (... ) 11 Particularidade apresenta a ação penal privada, pois, nos termos do art. 60, III, do Código de Processo Penal, considera-se perempta a ação quando o querelante deixar de formular o pedido de condenação nas alegações finais. 12 O direito de defesa, tanto quanto o direito de ação, é um direito subjetivo à prestação jurisdicional do Estado, direito este reconhecido ao réu, sendo também um direito processual, público, autônomo e abstrato, existindo ainda quando a resistência não tenha fundamento. Estabelece o art. 30, 2ª parte, do CPC francês que: “Para o adversário [do autor], a ação é o direito de discutir a legitimidade dessa pretensão.” 13 Exc eptio non adimpleti contractus, ou Exceptio non rite adimpleti contractus. 14 Não confundir essas questões, de duzidas na defesa , objetivando atingir de alguma forma a pretensão deduzida na inicial, com a reconvenção , que é a ação e xercitada pelo réu, cont ra o a utor, no mesmo processo em que é dema ndado. 15 A trilogia paulista, Cintra, Grinover e Dinamarco, não faz esta distinção, considerando exceç ão substancial tanto a defesa direta de mérito, atacando a própria pretensão do autor, o fundamento de seu pedido, quanto a defesa indireta de mérito, opondo fatos impeditivos, modificativos ou extintivos do pedido do autor, sem elidir propriamente a pretensão por este deduzida, como a prescrição, compensação, novação. 16 As exceções substanciais se distinguem das exceções instrumentais, porque são relativas a um direito material, enquanto estas últimas são relativas a questões processuais. No novo Código de Processo Civil as exceções instrumentais (processuais) não dependem mais de “rito próprio”. 17 Para Florian, a prejudicial é sempre uma questão cuja resolução se apresenta como antecedente lógico e jurídico da questão de direito penal, objeto do processo, e versa sobre uma relação jurídica de natureza particular e controvertida. 18 Superordinada é o oposto de subordinada.

9 COMPOSIÇÃO SUBJETIVA DO PROCESSO Sujeitos processuais: juiz e partes. Partes: generalidades, conceito; princípios informativos. Pluralidade de partes, ativa e passiva. Litisconsórcio: conceito; modalidades. Intervenção de terce iros: conceito; modalidades. Substituição processual. Representação, substituição e suce ssão processual. Limites de incidência da autonomia da vontade: o poder dispositivo.

S ujeitos proces s uais : juiz e partes Em todo processo, existem pelo menos três pessoas:1 alguém que pede a tutela jurisdicional, em face de outrem, a um terceiro sujeito investido de jurisdição.2 A estas pessoas entre as quais se forma a relação jurídica processual, a doutrina chamasujeitos de processuais , porque sujeitos do processo. O juiz é o sujeito imparcial do processo, figura de destaque da relação processual, não só pela função que exerce, como, sobretudo, pela sua condição decondutor do processo e prestador da jurisdição, pela qual o Estado se obrigou quando impôs aos eventuais titulares de direitos a renúncia à defesa privada. O interesse do juiz no processo, enquanto órgão jurisdicional do Estado, é de segundo grau ou secundário, ou seja, interesse na justa composição da lide, mediante um processo válido e eficaz, em contraposição ao interesse das partes, que é um interesse de primeiro grau ou primário, ou seja, o interesse na satisfação da sua pretensão material. As partes são os sujeitos parciais do processo, cujos interesses estão em lide, sendo o autor aquele que pede a prestação jurisdicional ao juiz e o réu aquele em face de quem essa prestação é pedida. Seria impossível que o processo se desenvolvesse apenas com a participação desses três sujeitos, autor, juiz e réu, pelo que outras pessoas participam, também, do processo, e, embora não formulem pedido nem profiram decisões, realizam ou concorrem para que se realizem atos processuais, como o oficial de justiça, o partidor, o contador, cujas atribuições são regradas pela lei, sendo chamados desujeitos secundários do processo. Se os fatos comportarem prova testemunhal, também as testemunhas se constituem em sujeitossecundários do processo, na categoria de terceiros desinteressados. 3 A parte depende, para postular em juízo, da representação por advogado, que é o seu patrono, titular do ius 4 ostulandi , não podendo prescindir dele, a não ser quando esteja credenciado pela lei para atuar em causa própria. O Ministério Público5 participa do processo, ora na condição de parte, ora na de fiscal da ordem jurídica, sendo que, na condição de parte, se inclui entre os sujeitosparciais, sendo esta a condição com que atua normalmente no processo penal. O advogado e o órgão do Ministério Público6 não se incluem entre os sujeitos principais nem entre os sujeitos secundários, postando-se numa posição peculiar,sui generis , dentro do processo.7

Partes : ge neralidades , conceito; pri ncípios informativos Os sujeitos parciais do processo são as partes, titulares de direitos, poderes e faculdades, e os correspondentes deveres, sujeições e ônus, todos processuais, pelo que a relação jurídica que se forma no processo põe em confronto os

sujeitos parciais da lide, sob o comando do juiz, como representante do Estado na composição da lide. O processo pressupõe pelo menos duaspartes, denominadas autor, aquele que pede a proteção jurisdicional, e réu, aquele em face de quem essa proteção é pedida; não sendo exagerado dizer que o processo éprocesso um de partes. A configuração da relação jurídica processual, na sua completude, envolve também o juiz, que é sujeito do processo, mas não parte, atuando na condição de prestador da jurisdição em nome do Estado. A relação jurídica processual, na sua feição mais simples, envolve a participação de, pelo menos, duas partes, sendo uma no polo ativo (autor) e outra no polo passivo (réu), podendo acontecer que num dos polos da relação processual se coloque mais de um autor ou mais de um réu, surgindo a figura dolitisconsórcio. Se todo aquele que é parte no processo é também sujeito processual, a recíproca não é verdadeira, pois nem todo sujeito é parte. Assim, o autor e o réu são partes e, portanto, sujeitos parciais do processo; mas o juiz, embora sujeito indispensável do processo, não atua na condição de parte. O juiz se coloca no processo numa posição de superioridade à das partes, para poder,osmediante do direito objetivo, solucionar a lide. dodireito material controvertido, mas Frequentemente, sujeitosaplicação parciais do processo são também os titulares essa relação jurídica material não se identifica comrelação a jurídica processual . A relação jurídicamaterial interliga duas pessoas, atribuindo a uma o direito de exigir alguma coisa da outra (uma indenização, a entrega de uma coisa, o pagamento de um crédito etc.), diversa darelação jurídica processual, que, muitas vezes, surge para servir à relação material; podendo acontecer, no entanto, que haja relação jurídica processual sem estar em lide nenhuma relação jurídica material. A pretensão do autor pode se limitar à declaração de inexistência de uma relação jurídica material, mediante uma ação declaratória negativa, caso em que o processo servirá a uma mera pretensão processual, mas não de tutela da relação material, porque o que se pretende é exatamente uma declaração judicial de certeza, de que essa relação não existe. A relação jurídica processual, diversamente da relação material, interliga três sujeitos, um dos quais o Estado-juiz, no exercício do seu poder soberano de prestar jurisdição. Sendo o titular do direito material, quase sempre, também o sujeito da relaçãoprocessual , a doutrina tradicional ou civilista identificava os sujeitos do processo com os sujeitos de direitos e obrigações decorrentes da relação material. Entendia-se, então, que as partes, no processo, eram os titulares do interesse subordinante e do interesse subordinado, por força da relação material controvertida, sendo o autor o credor, e o réu, o devedor. Percebeu-se, depois, que muitas vezes o devedor é o autor no processo, e o credor, o réu, como acontece, por exemplo, no pagamento em consignação ou no depósito de coisa, pelo que a doutrina civilista perdeu fôlego. Desvendado também o fenômeno dasubstituição processual , 8 em que o substituto processual defende em juízo, em nome próprio, direito alheio, e, não obstante, não seja titular do direito material, é parte no sentido processual, a concepção tradicional ou civilista acabou por desmoronar. A partir daí, passou a doutrina a buscar um conceito de parte que satisfizesse às exigências técnicas do processo, independentemente da sua posição na relação de direito material. Várias concepções foram preconizadas com esse objetivo, mas a que mereceu o aplauso da doutrina foi a formulada por Chiovenda, que ficou conhecida como a concepção moderna de parte. Para Chiovenda, parte é aquele que pede em seu próprio nome, ou em cujo nome é pedida, a atuação de uma vontade de lei, e aquele em face de quem essa atuação é pedida. Quem pede no seu próprio nome, ou em cujo nome é pedida a atuação da lei, é o autor, e aquele em face de quem essa atuação é pedida é o réu. Tanto o autor quanto o réu pedem, sendo que o autor pede em primeiro lugar, e o réu pede depois do autor. Enquanto o autor pede a tutela jurisdicional para o seu direito, lesado ou ameaçado de lesão, o réu pede ao juiz que denegue a tutela pretendida.9 O autor pede uma sentença condenatória, declaratória, constitutiva, atos de execução ou providências cautelares; mas parte é, também, aquele em cujo nome se pede a tutela jurisdicional. Certas pessoas, como o incapaz, embora possuam capacidade de ser parte, não possuem capacidade para estar em uízo, ou seja, de capacidade processual legitimatio ( ad processum).10 O incapaz, por exemplo, possui a primeira (pode

ser parte), mas não a segunda (não pode estar em juízo sozinho); pelo que estará em juízo por intermédio do seu representante legal (pai, mãe, tutor ou curador). Se pretender ajuizar uma ação de investigação de paternidade, ou de alimentos, terá de fazê-lo por intermédio da sua genitora, que irá formular o pedido, não no seu próprio nome, mas no do representado. O autor da ação será o menor, mas representado pela mãe. Ao se referir ao réu, alude Chiovenda àqueleem “ face de quem essa atuação é pedida”, por ser essa expressão mais ampla do que “ contra quem essa atuação é pedida”; observando ele que, nas ações declaratórias negativas, não há pedido do autor contra o réu, mas para valerem face do réu. É importante determinar o alcance do conceito de “ parte” no processo, em face das consequências de ordem prática que daí resultam, como, por exemplo, para verificar se ocorre litispendência ou coisa julgada; e, ainda, para se constatar se ocorre, em determinadas circunstâncias, o impedimento ou a suspeição. Conforme a natureza da ação, as partes recebem uma denominação específica: na ação de demarcação de terras, promovente (autor) e promovido (réu); na ação reivindicatória, reivindicante e reivindicado; na ação penal privada, 11 querelante e querelado; na execução, exequente e executado; nas reclamações trabalhistas, reclamante e reclamado. As partes são regidas, no processo, pelos seguintesprincípios informativos: a) da dualidade das partes; b) da igualdade das partes; e c) do contraditório. a) Princípio da dualidade das partes – Todo processo pressupõe, necessariamente, pelo menos duas partes, autor e 12 réu, do que resulta que ninguém pode ser, a um só tempo, autor e réu. Quando ocorre a colisão de interesses, entre um menor e seu representante legal, determina a lei que o juiz dê um curador especial ao menor.13 Pode acontecer, também, de vários autores e vários réus litigarem, conjuntamente, num mesmo processo, mas pelo menos um autor e um réu constituem o elenco mínimo do processo. b) Princípio da igualdade das partes – As partes devem merecer igualdade de tratamento no processo, porquanto todos são iguais perante a lei , sendo esse princípio chamado também deparidade de tratamento. Não desvirtuam esse princípio certas vantagens concedidas ao autor ou ao réu; mas, quando a parte é o Poder Público, o Código de Processo Civil é tão pródigo na concessão de benesses processuais a ele, que chega mesmo a afrontar oprincípio da democratização do processo. c) Princípio do contraditório – Segundo esse princípio, ao ataque deve ser assegurada a defesa, não podendo a pessoa ser condenada sem que tenha tido a oportunidade de se defender. Se não se defende, é outra coisa; não terá havido infração ao princípio, porque ninguém pode ser obrigado a se defender no processo civil ou trabalhista, quando não queira. Sempre que o autor se manifestar no processo, fazendo alegações ou juntando documentos, deve ser o réu ouvido a respeito; o mesmo acontece quando é o réu que faz uma alegação ou junta um documento, devendo ser ouvido o autor. O princípio do contraditório tem assento constitucional. No âmbito penal, ainda que o réu não o queira, o juiz tem por lei o dever de lhe nomear um defensor, sob pena de nulidade do processo. Com a instituição dos Juizados Especiais Criminais estaduais e federais, foi permitida a aceitação, pelo réu, da proposta de aplicação imediata de pena que não seja privativa de liberdade (art. 72), quando então haverá condenação por aceitação do acusado; sendo a pena nesses casos a prestação de serviços à comunidade ou a concessão de cestas básicas.

Pluralidade de partes, ativa e passiva. Litisconsórcio: conceito; modalidades O processo é uma relação jurídica de pelo menos doissujeitos parciais: de um lado, o autor, que pede a atuação da vontade de lei, e, do outro, o réu, aquele em face de quem essa atuação é pedida. Ocorre que, às vezes, a lide não envolve apenas duas pessoas, figurando na posição de autores ou de réus mais de uma pessoa, fazendo surgir uma pluralidade de partes numa mesma relação processual. Ao fenômeno da pluralidade de partes no processo dá-se o nome litisconsórcio de , que Gabriel de Rezende Filho

define como “ o laço que prende dois ou mais litigantes no processo, na posição de coautores ou de corréus”. Em última análise, o litisconsórcio é uma cumulação de partes num mesmo processo.14 O litisconsórcio pode ser classificado sob vários ângulos:a) quanto à pluralidade de partes;b) quanto ao momento da sua formação;c) quanto à natureza do vínculo entre as partes; ed) quanto aos efeitos da sentença. a) Quanto à pluralidade de partes, o litisconsórcio pode ser: ativo, passivo e misto (ou recíproco). Quando vários autores demandam contra um mesmo réu, num mesmo processo, o litisconsórcio ativo é . Graficamente:

Quando vários réus são demandados por um mesmo autor, num mesmo processo, o litisconsórcio passivo é . Graficamente:

Quando vários autores demandam contra vários réus, num mesmo processo, o litisconsórcio é misto (ou recíproco). Graficamente:

b) Quanto ao momento da sua formação, o litisconsórcio pode ser: inicial ou ulterior. Se o litisconsórcio surge no início do processo, no momento em que se forma a relação jurídica processual, será um litisconsórcio . Assim, será quando demandados, oinicial litisconsórcio dessemarido tipo. e mulher demandam acerca de direitos reais sobre imóveis, ou são Se o litisconsórcio surge no curso do processo, será um litisconsórcioulterior. Assim, se, no curso do processo, falece o réu srcinário, seus herdeiros assumirão a posição de réus, formando um litisconsórcio. Isso se não houver inventário, caso em que a parte será o espólio, representado pelo inventariante. c) Quanto à natureza do vínculo entre as partes, 15 o litisconsórcio pode ser: necessário e facultativo. O litisconsórcio se diz necessário quando as partes não podem dispensar a sua formação, sendo eleindispensável, devendo a ação ser proposta por vários autores contra um mesmo réu; por um autor contra vários réus; ou por vários autores contra vários réus, conforme a hipótese. Nesse caso, as partes têm de demandar ou de ser demandadas em conjunto. Esse tipo de litisconsórcio pode decorrer dedisposição de lei ou da natureza da relação jurídica controvertida, caso em que a eficácia da sentença depende da citação de todos os que devam ser litisconsortes (CPC, art. 114). Em muitos casos, é a lei que impõe o litisconsórcio necessário, como nas ações possessórias em que devem ser citados como réus marido e mulher; na ação de usucapião, em que devem ser citados os interessados certos ou incertos, os confinantes do imóvel e aquele em cujo nome estiver registrado o imóvel; nas ações de divisão e demarcação de terras, em que devem ser citados todos os confinantesetc. Na maioria dos casos, a formação do litisconsórcio necessário decorre da natureza da relação jurídica controvertida entre as partes. Existindo uma comunhão de direitos e obrigações, e, sendo ela una e incindível, o litisconsórcio será necessário, por exemplo, nas ações de partilha, em que todos os quinhoeiros deverão ser citados; na ação de nulidade de casamento, proposta pelo Ministério Público, em que serão citados ambos os cônjuges; na ação de dissolução de sociedade, em que serão citados todos os sóciosetc. O litisconsórcio facultativo decorre da vontade das partes na sua formação, mas essa vontade não é arbitrária, devendo, para ser admitido, ocorrer um dos casos especificados na lei, prevendo essa modalidade de litisconsórcio: I –

entre as partes comunhão de direitos ou obrigações relativamente à lide; II – entre as causas houver conexão pelo pedido ou pela causa de pedir; III – ocorrer afinidade de questões por ponto comum de fato ou de direito (CPC, art. 113). Quando entre duas ou mais pessoas houvercomunhão de direitos ou de obrigações relativamente à lide(CPC, art. 113, I), o litisconsórcio será necessário, mas, se por disposição de lei ou pela natureza da relação de direito material controvertida, um dos comunheiros puder agir sozinho como autor ou réu, não haverá litisconsórcio; e, se os comunheiros quiserem, voluntariamente, se litisconsorciar para demandar, o litisconsórcio será facultativo. Assim, cada condômino pode reivindicar sozinho a propriedade da coisa em comum, ou unir-se a outros condôminos para esse fim (Código Civil, art. 1.314, caput).16 Nessa hipótese, o litisconsórcio seráfacultativo e ativo. Porém, existe, também, o litisconsórcio facultativo e passivo, nos casos em que, havendo comunhão de obrigações (solidariedade passiva), o 17 credor decida exigir de todos os devedores a dívida comum (Código Civil, art. 275). Admite-se também o litisconsórcio facultativo, quando os direitos ou as obrigações derivarem do mesmo undamento de fato ou de direito , o que significa o mesmo título ou a mesma fonte geradora do direito material. Assim, se várias vítimas de um acidente de trânsito (fundamentode fato) movem a ação de indenização contra o causador do acidente; ou diversos credores de um mesmo título de crédito (fundamentode direito) ajuízam a ação de execução contra o devedor comum. O fundamento jurídico nada tem a ver com a regra legal invocada. Será também facultativo o litisconsórcio quando “entre as causas houver conexão pelo pedido ou pela causa de pedir” (CPC, art. 113, II). A conexão pelopedido ocorre quando existe identidadede pedido formulado pelas diversas partes, por exemplo, a ação em que dois ou mais acionistas pedem a anulação da mesma ata da assembleia-geral da sociedade; enquanto a conexão pela causa de pedir ocorre quando se trata do mesmoato ou fato jurídico (constitutivo do direito), que o autor coloca como fundamento da sua demanda, equivalente aotítulo da ação, por exemplo, se duas ou mais vítimas de um mesmo acidente (fundamento de fato) ajuízam a ação contra o causador do dano. Facultativo será ainda o litisconsórcio quando “ ocorrer afinidade de questões por ponto comum de fato ou de direito” (CPC, art. 113, III), como na hipótese de mais de um consumidor ajuizar ação de reparação do dano, alegando o mesmo do produto ou serviço (ponto comum fato); ou inconstitucional quando mais de(ponto um contribuinte Pública defeito para haver a restituição de um mesmo tributo, de considerado comum de acionar direito).a Fazenda O litisconsórcio será necessário quando, por disposição de lei ou pela natureza da relação jurídica controvertida, a eficácia da sentença depender da citação de todos que devam ser litisconsortes (CPC, art. 114). d) Quanto aos efeitos da sentença, o litisconsórcio pode ser: unitário e não unitário. O litisconsórcio se diz unitário quando pela natureza da relação jurídica o juiz tiver de decidir o mérito de modo uniforme para todos os litisconsortes (CPC, art. 116). Assim, se o Ministério Público ajuizar uma ação de anulação de casamento contra ambos os cônjuges, a decisão deverá ser idêntica para ambos os réus, pois, em se tratando de sentença 18 constitutiva, não se pode anular o casamento em relação ao marido, conservando-o em relação à mulher. Pode ocorrer que a decisão não deva ser necessariamente idêntica para todas as partes; quando então o litisconsórcio será não unitário , pois o juiz poderá julgar procedente a demanda em relação a uns e improcedente em relação aos demais. Assim, na ação de usucapião, em que devem ser citados todos os confinantes, o juiz poderá acolher a contestação de um dos réus e não acolher a contestação de outro, julgando procedente a ação contra um e improcedente quanto a outro. O litisconsórcio não precisa ser do tiponecessário para que seja necessariamenteunitário , podendo o facultativo determinar uma sentença idêntica para todos os litigantes, como na hipótese de dois sócios proporem, em litisconsórcio, uma ação contra determinada sociedade anônima, pleiteando a anulação de atos de uma assembleia-geral. Nesse caso, o litisconsórcio é facultativo, porque cada sócio poderia propor, separadamente, a sua ação; mas, tendo os sócios se 19 litisconsorciado para demandar, a sentença terá de ser idêntica para ambos os autores. À luz do Código de Processo Civil, para saber se o litisconsórcio é do tipo necessário ou facultativo, tem-se que cotejar o art. 113 com o art. 114; de modo que, sempre que houver disposição de lei determinando que todos, conjuntamente, participem da relação jurídica processual (que todos sejam litisconsortes: art. 114), e ocorra alguma das hipóteses previstas no art. 113, estar-se-á diante de litisconsórcio necessário. Quando a lei nada dispuser a esse respeito,

mas, pela natureza da relação jurídica material controvertida, a lide dever ser decidida de modo uniforme para todos os litigantes, estar-se-á, igualmente, diante de litisconsórcio necessário.

Intervenção de terceiros: conceito; modalidades Costuma-se dizer que as partes no processo são o autor, que é o “ primeiro”; o réu, que é o “ segundo”, pelo que, quem não sendo parte no processo pede a sua intervenção, só poderia ser realmente o “ terceiro”; embora se converta em sujeito do processo, se admitida a sua intervenção. O terceiro é, portanto, aquele que, não sendo parte no processo, mas sendo titular de uminteresse jurídico na intervenção, se mostra legitimado a intervir, seja espontaneamente, seja mediante provocação da parte, desde que demonstre interesse na intervenção. A intervenção de terceiros é uma modalidade de ingresso de um terceiro num processo entre duas outras partes, com o propósito de extrair dele uma utilidade adicional; sendo uma modalidade interventiva ligada ao tema da extensão subjetiva da sentença, na medida em que amplia a relação jurídica deduzida no processo, ou produz uma modificação subjetiva das partes. Apontam-se duas espécies de intervenção de terceiros no processo:a) intervenção voluntária (ou espontânea); e b) intervenção provocada (ou coacta). A intervenção voluntária (ou espontânea) ocorre quando o terceiro intervémvoluntariamente no processo de outrem, sem que seja convocado a intervir; como acontece, por exemplo, na assistência (art. 119, caput)20 e no caso de amicus curiae, a requerimento de quem (pessoa natural ou jurídica, órgão ou entidade especializada com representatividade adequada) pretenda manifestar-se no processo, considerando a relevância da matéria, a especificidade do tema objeto da demanda ou a repercussão social da controvérsia (art. 138,caput). A intervençãoprovocada (ou coacta) ocorre quando o terceiro éprovocado a participar do processo de outrem; como se dá, por exemplo, na denunciação da lide (CPC, art. 125), 21 no chamamento ao processo (CPC, art. 130),22 no incidente de desconsideração da personalidade 23

urídica (CPC, art. 133, caput) e no caso de amicus curiae, por decisão de ofício ou a requerimento das partes, também na hipótese prevista no art. 138, caput, do CPC. 24 Modalidades de intervenção voluntária de terceiro são apenas a assistência e oamicus curiae decorrente de requerimento próprio; sendo as demais provocadas. Na assistência, se pender uma causa em juízo entre duas ou mais pessoas, o terceiro juridicamente interessado em que a sentença seja favorável a uma delas poderá intervir no processo para assisti-la (CPC, art. 119,caput); sendo admitida em qualquer procedimento e em todos os graus de jurisdição, recebendo o assistente o processo no estado em que se encontre (art. 119, parágrafo único). O novo Código, como seu congênere revogado, regula dois tipos de assistência, os mesmos admitidos pela doutrina: assistência simples (ou adesiva) e assistência litisconsorcial (ou qualificada).25 A assistência se dizsimples (ou adesiva), quando o direito do terceiro não está sendo discutido em juízo, mas pode ser afetado pela sentença, pela relação que mantém com o direito que está sendo objeto de apreciação judicial; como acontece, por exemplo, no interesse do fiador na vitória do afiançado, no processo de cobrança da dívida. Nessa modalidade de assistência, o assistente atua como auxiliar da parte principal, exercendo os mesmos poderes e sujeitandose aos mesmos ônus processuais que o assistido (CPC, art. 121, caput). A assistência se diz litisconsorcial (ou qualificada), quando o direito que está sendo objeto de discussão em juízo pertence também ao terceiro, fazendo nascer para ele o interesse em participar da sua discussão; como, por exemplo, a intervenção de um dos condôminos na ação em que outro condômino reivindica acoisa comum contra um possuidor injusto (Código Civil, art. 1.314). 26 Como o direito de propriedade pertence ao autor da ação, mas pertence também ao outro condômino, pode este requerer a sua participação no processo para ajudar na sua defesa. Por isso, essa modalidade de assistência recebe o nome de assistência litisconsorcial , porque o assistente equipara-se ao litisconsorte. Nessa modalidade de assistência, o assistente considerase litisconsorte da parte principal, porquanto a sentença influi na relação jurídica entre ele e o adversário do assistido (art. 124). A intervenção do terceiro como assistente no processo de outrem não depende da sua exclusiva vontade, mas da

natureza do interesse que o ampara, devendo demonstrar um interesse jurídico na assistência, em razão das consequências que receberá da sentença que vier a ser proferida em face da parte principal. Haverá interesse jurídico quando a relação ou a situação jurídica do terceiro puder ser afetada pela sentença a ser proferida no processo, como acontece, por exemplo, na ação de cobrança de uma dívida do afiançado (caso de assistência simples) ou na ação de reivindicação do imóvel por um dos condôminos (caso de assistência litisconsorcial), porque, na primeira hipótese, o fiador pode vir a ser responsabilizado pela dívida, em ação própria, se o credor vencer (e o réu não pagar), e, na segunda, poderá o condômino que ficou de fora perder o imóvel, se a demanda for julgada improcedente. incompatível com aquela que constitui objeto do Quando o terceiro for titular de uma relação jurídica material processo, podendo a sentença importar na negação do seu direito, estar-se-á em face de um interesse jurídico legitimador do pedido de intervenção como assistente, simples ou qualificado, no processo de outrem. Existe outra espécie de interesse chamadointeresse de fato ou econômico, que ocorre quando a relação ou a situação urídica material, de que é titular o terceiro, mostra-secompatível com aquela que constitui objeto do processo; caso em que não tem lugar nenhuma das modalidades de assistência, devendo o terceiro defender os seus interesses em ação autônoma. Há hipótese em que a União pode intervir nas causas em que figurem, como autoras ou rés, autarquias, fundações públicas, sociedades de economia mista e empresas públicas federais (Lei n. 9.469/97, art. 5º, caput), podendo fazê-lo também as pessoas jurídicas de direito público, nas causas cuja decisão possa ter reflexos ainda que indiretos, de natureza econômica, independentemente da demonstração de prejuízo jurídico , para esclarecer questões de fato e de direito, podendo juntar documentos e memoriais reputados úteis ao exame da matéria e, se for o caso, recorrer, hipótese em que, para fins de deslocamento de competência, serão consideradas partes (Lei n. 9.469/97, art. 5º, parágrafo único).27 A assistêncialitisconsorcial distingue-se da assistênciasimples, porque, nesta, o direito material do assistente não está em questão (em julgamento), enquanto na qualificada ou litisconsorcial, o direito queestá sendo questionado (julgado) em juízo é também do assistente. Em razão da natureza do seu interesse no processo de outrem, o assistentenão é parte, embora na doutrina haja quem, como Barbosa Moreira, sustente ser ele umaparte secundária, na medida em que atua como auxiliar da parte rincipal, exercendo os mesmos poderes desta e sujeitando-se aos mesmos ônus (CPC, art. 121,caput).28 As consequências dessas duas espécies de assistência são também diferentes. Tratando-se de assistência simples, se o assistido desistir da ação, cessa automaticamente a participação do assistente; se o assistido desistir de determinada prova, o assistente não pode produzi-la; se o assistido não recorrer, o assistente não pode interpor recurso; e tudo isso por uma razão muito simples, de não ser seu o direito que está sendo discutido no processo, mas somente do assistido. Nessa hipótese, a assistência se diz ad adjuvandum (para ajudar). Na assistência qualificada é diferente, porque, embora o assistentenão seja um autêntico litisconsorte da parte, ele é equiparado (considerado) ao litisconsorte para efeitos processuais, pelo que, se o assistido desistir da ação, o assistente pode prosseguir; se o assistido desistir de determinada prova, o assistente pode produzi-la; se o assistido não recorrer, o assistente pode interpor recurso; e tudo também pela simples razão de ser direito seu que está sendo discutido no processo, e não apenas do assistido. Nessa hipótese, a assistência se dizad coadjuvandum (para coadjuvar). Na esfera jurisprudencial, o assistente litisconsorcial tem sido considerado parte, mas, no fundo, ele não reveste essa qualidade, aplicando-se-lhe somente o disposto no art. 94 – em que, se o assistido for vencido, o assistente será condenado ao pagamento das custas em proporção e à atividade que houver exercido no processo –, e não o prescrito no art. 85, relativo à condenação do vencido a pagar honorários ao advogado do vencedor. Existe, ainda, outra diferença entre essas duas espécies de assistência, em consideração à situação jurídica do terceiro para com uma das partes, pois, enquanto na assistência simples a relação do assistente é diretamente com a parte assistida, na assistência litisconsorcial a relação do assistente écom a parte contrária à parte assistida. A denunciação da lide é aquela que a parte ou, sucessivamente, o próprio denunciado faz: I – ao alienante imediato, no processo relativo à coisa, cujo domínio foi transferido ao denunciante, a fim de que possa exercer os direitos que da evicção lhe resultam; e II – àquele que estiver obrigado, por lei ou pelo contrato, a indenizar, em ação regressiva, o

prejuízo do que for vencido no processo (CPC, art. 125). Embora o Código de 1973 dissesse que a denunciação da lide era obrigatória (art. 70, I a III), existia divergência na doutrina sobre as hipóteses em que estaria o denunciante “obrigado” a denunciar, sob pena de perder o direito à evicção, havendo mesmo quem entendesse (Barbosa Moreira) que, apesar da dicção legal, nenhuma delas era obrigatória; sendo essa a diretriz seguida pelo Superior Tribunal de Justiça e que foi transplantada para o novo estatuto processual. O novo Código acabou com a discussão, dispondo apenas que “ é admissível a denunciação da lide, promovida por qualquer das partes etc.” (art. 125,caput).29 O chamamento ao processo é a chamada feita pelo réu: I – do afiançado, na ação em que o fiador for réu; II – dos demais fiadores, na ação proposta contra um ou alguns deles; III – dos demais devedores solidários, quando o credor exigir de um ou de alguns o pagamento da dívida comum (CPC, art. 130). O incidente de desconsideração da personalidade jurídicavem disciplinado pelo art. 133 do novo CPC, dispondo esse artigo que “será instaurado a pedido da parte ou do Ministério Público, quando lhe couber intervir no processo”. A teoria da desconsideração da personalidade jurídica é aplicável sempre que, com má-fé, dolo ou atitude temerária, a sociedade, em vez de gerida para o exercício regular atos de de comércio, o for para os desvios ou aventuras de seus titulares. No que tange ao amicus curiae (ou amigo da corte), reza o art. 138 que: “ O juiz ou o relator, considerando a relevância da matéria, a especificidade do tema objeto da demanda ou a repercussão social da controvérsia, poderá, por decisão irrecorrível, de ofício ou a requerimento das partes ou de quem pretenda manifestar-se, solicitar ou admitir a participação de pessoa natural ou jurídica, órgão ou entidade especializada, com representatividade adequada, no prazo de 15 (quinze) dias da sua intimação.” Não existe consenso, na doutrina, sobre a natureza jurídica do amicus curiae, entendendo uns que se trata de uma espécie de intervenção atípica; outros, que se trata de uma espécie deassistência; outros, que deve ser considerada uma modalidade de intervenção de terceiros; outros, que não passa de um auxiliar do juízo; mas, na jurisprudência, há precedente do Supremo Tribunal Federal (ADI 748 AgR/RS), afirmando tratar-se de um simples colaborador informal

da Corte . O novo Código de Processo Civil incorporou o amicus curiae ao sistema como uma modalidade de “intervenção de terceiros”.

S ubs tituição proces s ual Uma das condições da ação é alegitimação das partes, o que significa legitimidade para ser autor, réu ou interveniente num processo. Quem tem a legitimidade ativa é o autor, enquanto titular da pretensão para o qual se pede a tutela jurídica; a legitimidade passiva cabe ao réu, titular de uma pretensão contrária à do autor correspondente à improcedência do pedido (ou da ação). A essa modalidade de legitimação se chama de legitimação ordinária. Em princípio, osacontece, sujeitos da relação jurídica também, ossujeitos parciais da relação mas nem sempre isso porque há casos em material que a lei são, permite que alguém esteja em juízo, em nomeprocessual próprio e; no interesse próprio, como autor ou réu, em defesa de um direito material alheio. Essa legitimação é extraordinária, tendo Chiovenda a batizado com o nome desubstituição processual. 30 Sempre que alguém estiver autorizado pelo direito material a intervir, em nome próprio e no interesse próprio, no direito material de outrem, estaráipso factu autorizado a defendê-lo em juízo, se houver necessidade de se socorrer das vias judiciais. Estabelece o art. 18 do novo Código de Processo Civil que ninguém poderá pleitear direito alheio em nome próprio, salvo quando autorizado pelo ordenamento jurídico; tendo-se aí a base legal da substituição processual no processo civil brasileiro. Prescreve o parágrafo único do art. 18, por seu turno, que: “ Havendo substituição processual, o substituído poderá intervir como assistente litisconsorcial”.

O Código Civil permite que alguém, sem autorização do interessado, intervenha na gestão de negócio alheio, dirigindo-o segundo o interesse e a vontade presumível de seu dono, ficando responsável a este e às pessoas com quem tratar (art. 861).31 Se o gestor de negócios precisar de se valer das vias judiciais para a defesa dos negócios do gerido, poderá fazê-lo na condição de substituto processual . Muitas outras hipóteses existem de substituição processual, como o órgão do Ministério Público na defesa de direitos materiais do incapaz, na esfera cível; e o querelante na queixa privada apresentada contra o querelado, dado que o titular do direito de punir é o Estado e não o particular. A substituição processual não se confunde com raepresentação processual e, muito menos, com a sucessão processual.

Repres entação, s ubs tituição e s uces s ão proces s ual Existe substancial diferença entre representação processual, substituição processual e sucessão processual, prestandose cada uma delas a resolver uma distinta situação no processo. Na representação processual, o representante atua em juízo em nome e por conta do representado, que, por não possuir capacidade para estar em juízo, precisa tê-la suprida. Nesse caso, o representado será parte, no exato sentido da palavra. Assim, o incapaz, para atuar no processo na qualidade de autor, réu ou interveniente, precisa ter a sua capacidade processual suprida pelo seu representante legal (pais, tutor ou curador). Na substituição processual , o substituto comparece em juízo, como autor ou réu, em seu próprio nome, mas em defesa de direito do substituído; pelo que o autor ou réu será osubstituto e não o substituído; embora os efeitos da sentença se façam sentir também em face deste. Assim, na hipótese de sucumbência, o responsável pelas custas processuais e pelos honorários advocatícios será o substituto processual. Na sucessão processual , ocorre uma modificação subjetiva da lide, em que uma das partes ésucedida por outra pessoa, no processo, ocupando a mesma posição antes ocupada pelo sucedido. Assim, se no curso do processo falece o autor ou o réu, os seus herdeiros virão sucedê-lo, formando-se, muitas vezes, um litisconsórcio, ativo ou passivo, no qual a parte era singular. Isso se o falecido não deixar bens a inventaria, caso em que será sucedido pelo seu espólio, representado pelo inventariante. A sucessão processual só ocorre se o direito material discutido em juízo não forpersonalíssimo, porque, se o for, o processo se extingue com a morte de uma das partes. Assim, numa ação de divórcio, por exemplo, a morte de uma das partes não admite a sucessão processual, porque o vínculo matrimonial fica extinto.

Limites de incidência da autonomia da vontade: o poder dispositivo O processo não serve às partes, mas estas é que se servem do processo, buscando cada qual por meio dele a satisfação do seu direito. Apesar de proclamado que o objetivo que se procura alcançar por meio do processo apresenta feição nitidamente pública, não se pode deixar de reconhecer a relevância que tem a vontade das partes no seu desenvolvimento. Assim, como a parte autora age a partir da ação, assumindo os ônus processuais de praticar os atos que lhe competem, para que o juiz emita um provimento de mérito, a parte ré reage, assumindo com a apresentação da defesa os ônus correlatos. Embora o processo se desenvolva pelo impulso oficial (autodinâmica), recebe importante e necessária contribuição das partes (heterodinâmica), cuja atuação não pode ser suprida pelo juiz, e cuja vontade, expressa ou tácita, produz efeitos, positivos ou negativos, sobre a relação processual. As partes, enquanto titulares de direito substanciais, possuem o poder de dispor da pretensão material, desde que a lei não lhes tolha essa faculdade; e nada pode o juiz, em face do poder dispositivo que a lei lhes concede. Assim, se o litígio girar em torno de interesses patrimoniais, o poder das partes de transigir ou renunciar é quase absoluto. Chama-se poder dispositivo “a liberdade que as pessoas têm de exercer ou não os seus direitos”, configurado, em

sede jurisdicional, pela possibilidade de os interessados apresentarem ou não uma lide em juízo, a fim de vê-la solucionada, e de apresentá-la da maneira que lhes aprouver. Esse poder de disposição sofre restrições, quando se trata deinteresses intransigíveis – comumente chamados de direitos indisponíveis –, em face da sua natureza (interesse público) ou da condição (pessoas incapazes) ou qualidade dos seus titulares (pessoas de direito público). Exatamente porque os interesses admitem, em regra, renúncias e transações, cumpre ao juiz buscar a conciliação das partes em audiência, envidando esforços para que se alcance a composição da lide, por meio de consenso dos litigantes. É a autocomposição, que Carnelutti insere entre os equivalentes jurisdicionais. Se as partes são titulares, ou se dizem titulares de direitos materiais controvertidos em juízo, são, também, como sujeitos do processo, titulares de direitos processuais, a respeito dos quais, dentro de determinados limites, podem 32 o autor pode renunciar ao dispor . Assim, o autor pode ajuizar a ação e desistir dela, nos limites da permissão legal; 33 aa ação, direito sobre qual funda ainda desistir que contestada; as partes podem do processomaterial civil (art. 313,o II, do seCPC); parte pode da produção de prova que convencionar haja requerido;a suspensão a parte pode renunciar à interposição de recurso ou desistir de recurso interposto; a parte pode abrir mão de prazo estabelecido em seu favor; as partes podem se dar por citadas, intimadasetc. Em todas essas hipóteses, está presente opoder dispositivo das partes, expressão da autonomia da sua vontade, às vezes ampla, às vezes restrita, com reflexos diretos sobre a relação jurídica processual ou sobre a própria relação de direito material. No processo trabalhista, esse poder de disposição é também bastante amplo, sofrendo restrições apenas quando se trate de renúncias e transações acerca de direitos do empregado estável. No processo penal, ao contrário, a regra é a indisponibilidade do interesse em lide, dado que o crime configura, antes que uma lesão a um interesse privado ut ( singuli ),34 ofensa a um interesse da própria coletividade uti ( universi).35 A pena tem o objetivo de restaurar a ordem jurídica lesada pelo delito. A indisponibilidade do processo penal se liga à indisponibilidade do direito de punir do Estado e do respectivo direito de liberdade do indivíduo; o que não impede a transação em determinadas circunstâncias, como admitida nos Juizados Especiais, tanto federais quanto estaduais. Ocorrendo um crime de ação pública, a autoridade policial é obrigada a apurá-lo por meio do competente inquérito policial, e o órgão do Ministério Público a ajuizar a ação penal, oferecendo a competente denúncia; salvo se for caso de pedido de arquivamento do inquérito ou peças de informação, ou a devolução dos autos à delegacia de srcem para colheita de novos elementos de convicção.36 O poder dispositivo das partes é também muito grande na ação penal privada, em que o oferecimento da queixa é conferido ao ofendido ou seu representante legal; e na ação penal pública condicionada representação a da vítima ou do seu representante legal, ou derequisição do Ministério da Justiça. Sem que ocorram, na ação penal pública condicionada, a representação ou requisição dos legitimados, verdadeiras “ condições de processabilidade”, não se instaura validamente o processo penal. A autonomia da vontade das partes, que está na base do poder dispositivo, não se limita às hipóteses mencionadas, 37

pois, mesmo depois de instaurado processo ação penal privada, pode perdoar o ofensor(CPP, (CPP,art. art.60). 51); 38 ou 39 A pode renunciar ao direito de queixao (CPP, art.em 49), deixar que ao ofendido ação penal torne-se perempta Lei dos Juizados Especiais Criminais estaduais admite aaceitação, pelo réu, da pena que não seja privativa de liberdade (art. 72),40 bem assim a conciliação das partes (art. 73);41 o mesmo fazendo a Lei dos Juizados Especiais Criminais federais. O defensor do réu, no processo penal, pode deixar de apresentar defesa prévia, de contrariar o libelo acusatório ou de produzir prova que haja requerido, não passando essa liberdade de atuar ou não atuar, conforme o seu próprio interesse, de manifestação do poder dispositivo reconhecido às partes.42 43 o que não deixa de ser O juiz pode conceder o perdão judicial, nos casos previstos em lei (CP, art. 107, IX), também manifestação do poder dispositivo no processo penal.

A maior ou menor incidência da autonomia da vontade das partes sobre a relação jurídica material, ou sobre a própria relação processual, depende do ordenamento jurídico de cada país.

Bibliografia BARBI, Celso Agrícola. Comentários ao código de processo civil. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1998. v. I. BARBOSA MOREIRA, José Carlos. Comentários ao código de processo civil. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2002. BORBA, José Edwaldo Tavares.Direito societário. 6. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2001. CARREIRA ALVIM, J. E. Direito na doutrina. Curitiba: Juruá, 2006. v. IV. CHIOVENDA, Giuseppe.Instituições de direito processual civil. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1969. v. II. ______. Instituições de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1962. v. II. CINTRA, Antônio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini; e DINAMAR-CO, Cândido Rangel. Teoria geral do processo. 6. ed. São Paulo: RT, 1988. LEONE, Giovanni. Manuale di diritto processuale penale. Napoli: Casa Editrice Dott. Eugenio Joveni, 1977. LOPES DA COSTA, Alfredo de Araújo.Direito p rocessual civil brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, 1959. v. II. MARQUES, José Frederico. Instituições de direito processual civil . Rio de Janeiro: Forense, 1958. v. II. REZENDE FILHO, Gabriel José Rodrigues de.Curso de direito processual civil . 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1959. v. I. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. 18. ed. São Paulo: Saraiva, 1997. v. 2.

1

Liebma n afirma va que o processo “é um drama de pelo menos três perso nagens: autor, j uiz e réu”.

2

Bulgarus já afirma ra que Iudicium est actus trium personarum: iudicis, actoris et rei. O juízo (= processo) é o ato de três pessoas: juiz, autor e réu.

3

Pa ra Lopes da Costa, a testemunha e o perito não são sujeitos , ma s objetos processuais, font es de prova.

4

“Direito de postular.”

5

O Ministério Público atua ainda c omo substituto proce ssual, ca so em que tam bém ocupa a posiçã o de parte.

6

A posição do Ministério Público, no processo não penal, tem merecido exame à parte, porque ele desempenha as mais variadas funções, atuando, às vezes, na qualidade de parte, como na ação de anulação de casamento proposta contra ambos os cônjuges; na ação de indenização por acidente do trabalho; na reclamação trabalhista, movida no interesse do empregado, na condição de substituto processual; e outras vezes atua como fiscal da ordem jurídica , como nas ações que versam sobre interesses de incapazes, nas falências, nos mandados de segurança etc.

7

Há sujeitos processuais que, embora não possam incluir-se entre os sujeitos principais, têm posição peculiar e especial que não permite

8

enquadrá-los entre os sujeitos secundários, como acontece com advogados das partes e com o Ministério Público. Quem desvendou o fenôm eno da substituição processual foi o alem ão Köhler, que foi posteriorm ente dese nvolvido por Chiovenda, dando-lhe o nome que ostenta hoje.

9

O réu pode, também, pedir a tutela para o seu direito por meio da reconvenção, dos embargos à execução e na defesa, mediante pedido contraposto, como na hipótese do art. 556 do CPC (“É lícito ao réu, na contestação, alegando que foi o ofendido em sua posse, demandar a proteç ão possessória e a indenizaç ão pelos prej uízos re sultantes da turbação ou do esbulho cometido pelo autor”). Ne sses casos, o réu não se limita a defe nder-se; mas ataca.

10 Legitimação para o processo. 11 São impróprias as expressões “suplicante”, para designar o autor, e “suplicado”, para designar o réu, porque quem ajuíza uma ação nada suplica, exerce um direito; o mesmo ocorrendo com quem se defende, que exerce também um direito (direito de defesa). As expressões “suplica nte” e “suplicado” ligam -se à s antigas Cortes de Suplicaç ão portuguesas.

12 Se houver “confusão” entre o autor e o réu, o processo se extingue, sem resolução de mérito. 13 A função de curador especial é hoje exercida pela Defensoria Pública. 14 Além da cumulação subjetiva (de sujeitos), existe também a cumulação objetiva (de pedidos), nada impedindo que, num mesmo processo, ocorram , concomit antemente, uma e outra. 15 Celso Barbi prefere classificá-lo “quanto à influência da vontade das partes na sua formação, subdividindo-o também em litisconsórcio necessário e facultativo”. 16 Art. 1.314. Cada condômino pode usar da coisa conforme sua destinação, sobre ela exercer todos os direitos compatíveis com a indivisão, reivindicá-la de terceiro, defender a sua posse e alhear a respectiva parte ideal, ou gravá-la. 17 Art. 275. O credor tem direito a exigir e receber de um ou de alguns dos devedores, parcial ou totalmente, a dívida comum; se o pagamento tiver sido parc ial, todos os dema is devedores c ontinuam obrigados solidariam ente pe lo resto. 18 Num a aç ão de reivindica çã o de imóve l contra marido e mulher, não pode a sentenç a condenar o marido a restituí-lo, conservando-o em poder da m ulher. 19 O Código de P roce sso Civil de 1939 distinguia c laram ente a s três espéc ies de litisconsórcio: fundado na c omunhão de intere sses (nece ssário); na conexão de causas (facultativo impróprio); e na afinidade de questões por um ponto comum de fato ou de direito (facultativo próprio). Naquela época, Lopes da Costa criticou o legislador, dem onstrando que, nem sem pre que havia com unhão de interesses, o caso era de litisconsórcio necessário. Se a lide, por exemplo, versasse sobre bens móveis, não obstante casado o autor ou o réu, não seria obrigatória a participaçã o de am bos os cônj uges, ainda que o r egim e fosse o da com unhão de bens. Pa ra o c itado j urista, o litisconsórcio necessár io era aquele que resultava de imposição de lei; a sua observância era imposta pela lei. Quando houvesse a comunhão de interesses, e a lei determinasse a formação do litisconsórcio, este seria do tipo necessário, mas poderia haver a comunhão de interesses, e a lei não determinar o litisconsórc io. 20 Art. 119. Pendendo causa entre 2 (duas) ou mais pessoas, o terceiro juridicamente interessado em que a sentença seja favorável a uma delas poderá intervir no processo par a assisti-la. (...) 21 Art. 125. É admissível a denunciação da lide, promovida por qualquer das partes: I – ao alienante imediato, no processo relativo à coisa cujo domínio foi transferido ao denunciante, a fim de que possa exercer os direitos que da evicção lhe resultam; II – àquele que estiver obrigado, por lei ou pelo contrato, a indenizar, em aç ão regressiva, o pre juízo de quem for vencido no processo. (...) 22 Art. 130. É admissível o chamamento ao processo, requerido pelo réu: I – do afiançado, na ação em que o fiador for réu; II – dos demais fiadores, na ação proposta contra um ou alguns deles; III – dos demais devedores solidários, quando o credor exigir de um ou de alguns o pagamento da dívida comum. 23 Art. 133. O incidente de desconsideração da personalidade jurídica será instaurado a pedido da parte ou do Ministério Público, quando lhe couber intervir no proce sso. 24 Art. 138. O juiz ou o relator, considerando a relevância da matéria, a especificidade do tema objeto da demanda ou a repercussão social da controvérsia, poderá, por decisão irrecorrível, de ofício ou a requerimento das partes ou de quem pretenda manifestar-se, solicitar ou admitir a participação de pessoa natural ou jurídica, órgão ou entidade especializada, com representatividade adequada, no prazo de 15 (quinze) dias de sua intimação. 25 O Código de P roce sso Civil de 1939 re gulava a assistência num único dispositivo, o que provocou m uita confusão, tanto no ca mpo doutrinário quanto no jurisprudencial; sendo grande a divergência sobre se teria ele adotado apenas a assistência simples ou também a qualificada. 26 Nos term os do art. 1.314 do Código Civil, “cada condôm ino pode usar da coisa conform e sua destinação, sobre ela exercer todos os dire itos compatíveis com a indivisão, reivindicá-la de terceiro, defender a sua posse e alhear a respectiva parte ideal, ou gravá-la”. Qualquer dos condôminos pode reivindicar sozinho a coisa comum. Se, sendo condôminos A, B e C, qualquer deles pode, sozinho, ajuizar ação reivindicatória contra o possuidor; mas podem também se unir em litisconsórcio e propor a ação conjuntamente contra o mesmo réu. Se A propõe a ação contra o ré u, não apenas dire ito seu está sendo objeto de discussão no proce sso, mas também direito de B e C. A sentença que vier a ser proferid a a fetará os que não participaram do process o, mas cujo direito está sendo objeto de discussão em juízo e será normatizado pela se ntença . B e C têm interesse jurídico na vitória de A, pois a procedência da demanda beneficiará a todos como condôminos. 27 Na doutrina, há que m vej a nessa intervençã o a figura do amicus curiae . 28 Art. 121. O assistente simples atuará como auxiliar da parte principal, exercerá os mesmos poderes e sujeitar-se-á aos mesmos ônus processuais que o assistido. (...) 29 Art. 125. É admissível a denunciação da lide, promovida por qualquer das partes: I – ao alienante imediato, no processo relativo à coisa cujo domínio foi transferido ao denunciante, a fim de que possa exercer os direitos que da evicção lhe resultam; II – àquele que estiver obrigado, por lei ou pelo contrato, a indenizar, em aç ão regressiva, o pre juízo de quem for vencido no processo. 30 Da mesma forma que no direito substancial há casos em que se admite exercer no próprio nome direitos alheios, assim também pode outrem ingressar em juízo no próprio nome (isto é, como parte) por um direito alheio. Ao introduzir e analisar e ssa ca tegoria, Chiovenda a tribuiu-lhe o nome de substituição processual.

31

Art. 861. Aquele que, sem autorização do interessado, intervém na gestão de negócio alheio, dirigi-lo-á segundo o interesse e a vontade presumível de seu dono, ficando r esponsáve l a este e às pessoas com que tra tar.

32 Oferecida a contestação, a desistência da ação depende do consentimento do réu (art. 485, § 4º, do CPC). 33 Art. 313. Suspende-se o proce sso: (...) II – pela convenç ão das par tes. (...) 34 “ Uti singuli” significa “singularmente”. 35 “ Uti universi” significa “universalidade” . 36 Quando o órgão do Ministério Público requer o arquivamento do inquérito policial, o juiz, se considerar improcedentes as razões invocadas, deve rem eter o inqu érito ao P rocurador-geral, e este oferec erá a denúncia, desi gnará out ro m em bro do MP para oferecê -la ou in sistirá no pedido de a rquivam ento, ao qua l, só então, estar á o j uiz obrigado a atende r (CPP, art. 28). 37 Art. 51. O perdão concedido a um dos querelados aproveitará a todos, sem que produza, todavia, efeito em relação ao que o recusar. 38 Art. 49. A renúncia ao exercício do direito de queixa, em relação a um dos autores do crime, a todos se estenderá. 39 Art. 60. Nos casos em que somente se procede mediante queixa, considerar-se-á perempta a ação penal: I – quando, iniciada esta, o querelante deixar de promover o andamento do processo durante 30 dias seguidos; II – quando, falecendo o querelante, ou sobrevindo sua incapacidade, não comparecer em juízo, para prosseguir no processo, dentro do prazo de 60 (sessenta) dias, qualquer das pessoas a quem couber fazê-lo, ressalvado o disposto no art. 36; III – quando o querelante deixar de comparecer, sem motivo justificado, a qualquer ato do processo a que deva estar presente, ou deixar de form ular o pedido de condenaç ão nas alegações finais; IV – quando, sendo o querelante pessoa j urídica, esta se extinguir sem deixar sucessor. 40 Art. 72. Na audiência preliminar, presente o representante do Ministério Público, o autor do fato e a vítima e, se possível, o responsável civil, acompanhados por seus advogados, o Juiz esclarecerá sobre a possibilidade da composição dos danos e da aceitação da proposta de aplicação imediata de pena não privativa de liberdade. 41 Art. 73. A conciliação será conduzida pelo Juiz ou por conciliador sob sua orientação. 42 Evidentemente, a inatividade do defensor do réu não pode ir a ponto de prejudicar o direito de defesa; caso em que poderá determinar a nulidade do próprio proce sso e da sentença que tiver sido profe rida. 43 Art. 107. Extingue-se a punibilidade: (...) IX – pelo perdã o j udicial, nos ca sos previstos em lei.

10 MORFOLOGIA DO PROCESSO Distinção entre processo e procedimento. Princípios processuais. Princípios informativos do processo. Princípios fundamentais do processo. Princípios procedimentais. Tipologia do processo.

Distinção entre processo e procedimento O vocábulo “ morfologia” traduz a “ estrutura” do processo ou o conjunto dos princípios que regem o processo, além do estudo desses princípios. No sentido vulgar, a palavra “ processo” tem o significado de continuação de uma série de operações vinculadas pela unidade do fim, quando se fala em processo cirúrgico, processo químico, e assim sucessivamente. No campo da ciência do direito, processo, grosso modo, é “ a operação mediante a qual se obtém a composição da lide” (Carnelutti), ou, em vista do seu escopo, “ o conjunto de atos destinados à formação de comandos jurídicos, cujo caráter consiste na colaboração para tal fim de pessoas interessadas com uma ou mais pessoas desinteressadas”. Afinal, o processo não é um ato isolado ou vários atos praticados a talante dos sujeitos processuais, mas um conjunto harmônico e coordenado de atos, sujeitos a uma disciplina imposta por lei. Sendo o processo o instrumento de aplicação da lei, é ele próprio regulado pela lei. Para Chiovenda, o processo é “o complexo de atos coordenados, tendentes à atuação de vontade da lei, acerca de um bem garantido por ela, por parte dos órgãos jurisdicionais ”. Posta de lado a divergência quanto à função que o processo desempenha na ordem jurídica, basta entender-se como “ justa composição da lide”, como diz Carnelutti, a resolução da lide de acordo com a lei, 1 cuja atuação o processo produz, como afirma Chiovenda, para se concluir que uma teoria não exclui a outra. Seja o processo considerado umconjunto ou complexo de atos, não se pode desconhecer que toda essa atividade se desenvolve jurisdicionalmente, já que o Estado-juiz se serve doprocesso para dizer o direito ou a vontade da lei. O conceito de jurisdição é inseparável da noção do processo; mesmo porque o processoé o instrumento da urisdição. Os atos processuais se ligam uns aos outros para garantir a harmonia do conjunto, e, como quem pratica atos no processo são os sujeitos processuais (juiz e partes), a lei lhes reconhece poderes, direitos e faculdades e os correspondentes deveres, sujeições e ônus. Visto por fora, o processo se apresenta aos nossos olhos como conjunto ou complexo de atos que se desenvolvem reordenadamente, mas considerado por dentro ele constitui uma relação jurídica que interliga os sujeitos processuais, impondo a todos uma atuação que, por fim, resultará na resolução do conflito pela atuação, positiva ou negativa, da vontade da lei, conforme haja ou não direito material a ser tutelado. O processo é esse conjunto ou complexo de atos praticados pelos sujeitos processuais, segundo uma disciplina imposta por lei, para assegurar a unidade do conjunto e o fim a que está coordenado, permitindo a solução jurisdicional da lide, mediante a atuação da lei material. Razão assistia, portanto, a João Mendes Júnior, quando dizia que o processo é “uma direção no movimento”. O procedimento é o modus operandi do processo, traduzindo o aspecto exterior do fenômeno processual.

Aquela sequência de atos processuais, considerados no seu conjunto, não se desenvolve do mesmo modo em todas as hipóteses; pois, dependendo do tipo de tutela processual, haverá um conjunto específico de atos tendentes a assegurar urisdicionalmente a pretensão. Neste sentido, fala-se em processo de conhecimento e de execução, sendo que o processo de conhecimento se desdobra consoante determinado rito, que pode ser umprocedimento comum ou especial, ou formas outras adequadas a garantir o atingimento do escopo do processo, como o procedimento de execução. Na medida em que se adota determinado tipo de processo – de conhecimento, cautelar ou de execução –, a ele corresponderá um tipo correlato de procedimento. Razão assistia, mais uma vez, a João Mendes Júnior, quando dizia que o procedimento é “o modo de mover e a forma em que é movido o ato”. O processo é, na substância, uma relação jurídica entre sujeitos processuais, que se exterioriza consoante determinado procedimento, que é a sua veste exterior; e que o acompanha “como a sombra acompanha o corpo”.

Princípios process uais Os princípios são toda a estrutura sobre a qual se constrói alguma coisa, compreendendo os ensinamentos básicos e gerais que determinam de onde se deva partir em busca de objetivos a serem alcançados, e de onde se extraem regras e normas de procedimento; sendo vetores para as soluções interpretativas ou exegéticas. Pa ra Celso Antônio Bandeira de Mello:

O princípio é, por definição, mandamento nuclear de um sistema, verdadeiro alicerce dele, disposição fundamental que se irradia sobre diferentes normas, compondo-lhes o espírito e servindo de critério para a sua ex ata compreensão e inteligência, ex atamente por definir a lógica e a racionalidade do sistema normativo, no que lhe confere a tônica e lhe dá sentido harmônico; sendo que o conhecimento dos princípios é que preside a intelecção das diferentes partes componentes do todo unitário que tem por nome sistema jurídico positivo.

Os princípios processuais são de duas categorias. Alguns informamqualquer sistema processual, sendo mesmo indispensáveis para que o sistema funcione bem; outros variam conforme a orientação que o legislador imprima ao sistema. Os primeiros são princípios informativos, verdadeiros postulados que independem de demonstração, enquanto os segundos são princípios fundamentais.

Princípios informativos do processo Os princípios informativos influenciam todo e qualquer sistema processual, sendo diretrizes residentes no mundo das ideias. Estes princípios são: a) lógico; b) jurídico; c) político e d) econômico. a) O princípio lógico significa que o legislador deve usar formas processuais que propiciem uma melhor apuração da verdade. b) O princípio jurídico significa que se deve dar às partes, no processo, iguais oportunidades; não devendo ser construído um processo com o desequilíbrio das partes. c) O princípio político significa que, na elaboração do sistema processual, deve haver o menor sacrifício possível da liberdade individual; não devendo ser usadas medidas de constrição à liberdade das pessoas, senão as indispensáveis à consecução das finalidades do processo. d) O princípio econômico significa que o processo deve ser constituído com o menor dispêndio possível de tempo e dinheiro; tanto quanto possível deve ser barato.

Princípios fundamentais do processo Os princípios fundamentais informam um ou outro sistema processual; podendo existir num e não existir noutro,

dependendo da orientação que o legislador imprima ao sistema. Na doutrina tradicional, estes princípios são basicamente: a) da iniciativa da parte: b) do impulso processual; c) do contraditório; d) inquisitório ou inquisitivo; e) dispositivo; f) da lealdade processual; g) da publicidade; e h) da preclusão. a) O princípio da iniciativa da parte, também chamado princípio da demanda, significa que o juiz não pode prestar jurisdição sem que o autor a peça, pois a jurisdição só se movimenta quando provocada. Este princípio é muito antigo e vem consubstanciado nas máximas n“e procedat iudex ex officio”2 e “ nemo iudex sine actore”;3 mas não vigora em toda a sua plenitude, porque existem casos de jurisdição de ofício, como na execução de sentença trabalhista, na concessão dehabeas corpus e na convolação em falência de pedido de recuperação de empresa etc. Nos termos do art. 2º do novo CPC “ O processo começa por iniciativa da parte (...)”. Para que o processo realmentecomece por iniciativa da parte, devem estar presentes os pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo(art. 485, IV), bem assim as condições da ação, consistentes na legitimidade e no interesse processual (art. 485, VI), sem os quais o juiz não resolverá o mérito da causa, extinguindo-se o processo por sentença (art. 316). Portanto, o ponto de partida para ocomeço do processo é apropositura da ação, o que se dá com a protocolização da petição inicial, e que venha a ser deferida pelo juiz. A regra do art. 2º do novo CPC consagra o princípio dainiciativa das partes, ou princípio dispositivo (Iudex secundum allegata partium iudicare debet),4 ou princípio da demanda (Ne procedat iudex ex officio),5 dispondo que o processo civil começa por iniciativa das partes, nos casos e nas formas legais, o que significa que o juiz, de regra, não dispõe de poderes para dar início ao processo civil, salvoexceções previstas em lei. b) O princípio do impulso oficial significa que o processo depende do impulso dos órgãos judiciais, encarregados do exercício da jurisdição, cumprindo assim ao juiz, ao escrivão, ao oficial de justiçaetc. impulsioná-lo independentemente de pedido das partes, exigindo-se apenas o exercício da ação. Nos termos do art. 2º do novo CPC “ O processo (...) se desenvolve por impulso oficial, salvo as exceções previstas em lei”. Denomina-se impulso processual a atividade que visa tão somente obter o movimento progressivo da relação processual para o fim, ou o fenômeno em virtude do qual se assegura a continuidade dos atos processuais e o seu encaminhamento à decisão definitiva. O impulso processual está a cargo do órgão jurisdicional (juízo ou tribunal) e das partes, corporificando-se através de duas forças, denominadas reciprocamente de autodinâmica, no primeiro caso, e heterodinâmica, no segundo. Como se vê, o art. 2º é orientado por dois princípios processuais, aparentemente opostos, mas que se conjugam, na garantia da prestação jurisdicional devida pelo Estado-juiz. Ao lado do princípio do impulso oficial (autodinâmica) atua o princípio da iniciativa das partes (heterodinâmica), possibilitando a estas interferir na prática de atos processuais, abreviando ou prorrogando prazos não peremptórios, convencionando a suspensão do processo por certo tempo, tudo consoante as permissões legais. O Código de Processo Civil consagra expressamente esse princípio, dispondo que o processo começa por iniciativa das partes e desenvolve-se por impulso oficial (art. 2º); cumprindo ao juiz dirigir e velar pela duração razoável do processo (art. 139, II), mas sem prejuízo da defesa dos interessados. 6 c) O princípio do contraditório , também chamado de contraditório substancial ou da audiência bilateral, significa que o juiz não pode decidir sobre uma pretensão, sem ouvir a outra parte, contra a qual é deduzida. No processo relativo à tutela provisória de urgência (cautelar ou antecipada: art. 294, parágrafo único) requerida em caráter antecedente, a liminar é, muitas vezes, concedidainaudita altera parte (sem ouvir a outra parte), mesmo porque nem sempre há tempo para essa providência, sob pena de perecimento do próprio direito material. Suponha-se um pedido de internação numa UTI,7 que, se não for deferido liminarmente, a pretensão perderá o seu objeto com a morte do paciente. O disposto no caput do art. 9º, garantidor do contraditóriosubstancial, não se aplica, por determinação do seu

parágrafo único: I – à tutela provisória de urgência; II – às hipóteses de tutela da evidência previstas no art. 311, incisos II e III; III – à decisão prevista no art. 701 (tutela de evidência na ação monitória). Nesses casos, não há propriamente infringência ao contraditório porque, uma vez concedida a medida de urgência, a parte contrária tem a oportunidade de contraditá-la, podendo, inclusive, insurgir-se contra ela mediante agravo de instrumento direto no tribunal (CPC, art. 1.015, I). Nessa hipótese, o contraditório é apenaspostergado para depois da decisão liminar provisória de urgência. O princípio do contraditório vem agasalhado também pelo art. 239,caput, do novo CPC, ao tornar indispensável a citação do réu ou do executado, como condição de validade do processo, bem assim pelo art. 721 do mesmo Código, ao determinar que sejam citados todos os interessados nos procedimentos de jurisdição voluntária. Nos termos do art. 10 do novo CPC, o juiz não pode decidir em grau algum de jurisdição, com base em fundamento a respeito do qual não se tenha dado às partes oportunidade de se manifestar, ainda que se trate de matéria sobre a qual deva decidir de ofício. O contraditório substancial põe em realce que a contrariedade nos autos do processo não é apenas entre as partes, mas também entre as partes e o juiz, passando este a ser considerado como sujeito do contraditório. Este preceito não tem outro propósito que o de realçar o princípio docontraditório , com assento constitucional (CF: art. 5º, LV) e já referido no art. 7º do CPC, pois toda decisão (interlocutória e sentença) é, de regra, proferida com a audiência recíproca das partes, salvo quando possa comprometer o direito daquela carente de tutela jurídica de urgência. d) O princípio inquisitório ou inquisitivo significa que, em certas causas, prevalece o interesse geral ou social, em que seja realmente apurada a verdade real dos fatos, como aconteceram, e não como querem as partes que tenham acontecido. Este princípio não exclui por completo a atividade das partes, mas apenas confere poderes mais amplos ao juiz na investigação da verdade, em virtude do elevado interesse público envolvido na lide, como nas ações de estadov.g. ( nulidade ou anulação de casamento) e nas causas relativas à capacidade das pessoas v.g. (interdição). O princípio inquisitório ou inquisitivo foi concebido para os processos onde haja um interessesocial maior, quando se reconhece ao juiz poderes mais amplos na investigação da verdade, temperando assim o poder dispositivo das partes. No âmbito penal, o princípio inquisitório se opõe, também, ao princípio acusatório, não podendo o juiz proceder senão em decorrência de uma acusação apresentada pelo Ministério Público, na ação penal pública, ou pelo querelante, na ação penal privada. Sempre que o juiz possuir poderes para,de ofício, iniciar o processo, instruí-lo e produzir a prova, estar-se-á em face do princípio inquisitório ou inquisitivo. e) O princípio dispositivo é de uma época em que ainda se tinha uma ideia privatista do processo, concebido como campo para se tratar de interesses privados, pelo que as partes podiam dispor dos seus direitos, não só fora do processo como também dentro do processo. O princípio foi srcinalmente of rmulado com base na máxima segundo a qual “o juiz deve julgar segundo o alegado e provado pelas partes”, sendo mais tarde desdobrado em outros, persistindo até hoje; porque as partes delimitam a matéria do julgamento do juiz; as partes sabem o que querem alegar e o que podem alegar; e o juiz não pode extrapolar das alegações das partes. Segundo a formulaçãosrcinária do princípio dispositivo, a prova competia privativamente às partes, não cabendo ao juiz qualquer poder ou faculdade em matéria de prova, por depender exclusivamente das partes a sua produção. Mais recentemente, houve uma metamorfose deste princípio, cuja formulação passou a ser: “O juiz julga segundo o alegado pelas partes”; com o que, suprimindo-se o vocábulo “ provado”, dilatou-se o campo de atuação do juiz no campo probatório. O Código de Processo Civil seguiu esta evolução, dando ao juiz maiores poderes de iniciativa em matéria probatória (CPC, art. 370, parágrafo único);8 pois o processo penal sempre perseguiu a verdade real; e o processo trabalhista sempre se orientou no sentido da proteção da parte mais fraca na relação de trabalho. A restrição à atividade de cognição do juiz absoluta é no tocante às alegações das partes, e relativa no tocante à prova, podendo determinar de ofício as diligências necessárias ao esclarecimento da verdade em qualquer momento do

processo. No âmbito trabalhista, o juiz pode julgar extra petita, sendo-lhe permitido converter o pedido de reintegração 9 do empregado estável em condenação a indenização dobrada (CLT, art. 496). No processo penal, o juiz está vinculado às alegações do órgão do Ministério Público, na denúncia, ou pelo querelante, na queixa privada, mas apenas no que concerne à “ descrição do fato”, pois atribui-lhe definição jurídica diversa, ainda que em consequência tenha de aplicar pena mais grave (CPP, art. 383, caput).10 A doutrina aponta, como consequências do princípio em foco, as máximas quod “ non est in actis non est in 11 12 mundo” e “ da mihi factum, dabo tibi ius”. f) O princípio da lealdade processual significa que as partes devem proceder com lealdade e boa-fé nas suas relações recíprocas e com o órgão jurisdicional, cumprindo-lhes dizer a verdade e agir com moralidade e probidade no decorrer do processo. Este princípio é extensivo aos advogados, e sua infração constituiilícito processual, sujeitando o infrator a sanções processuais. g) O princípio da publicidade domina todo processo, qualquer que seja o conteúdo da lide 13 (penal, civil ou trabalhista), assegurando que os atos processuais sejam públicos, franqueados a quem os queira assistir. A aplicação deste princípio se revela com mais intensidade naquela fase em que o ato processual se exterioriza através da palavra oral, como nas audiências. O princípio da publicidade tem fundo constitucional, dispondo o inc. IX do art. 93 da Constituição que “todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário serão públicos, e fundamentadas todas as decisões, sob pena de nulidade, podendo a lei limitar a presença, em determinados atos, às próprias partes e a seus advogados, ou somente a estes, em casos nos quais a preservação do direito à intimidade do interessado no sigilo não prejudique o interesse público à informação”. O processo como instrumento da jurisdição épúblico, devendo por isso ser acessível a todos, operadores do direito ou não, que queiram se inteirar do seu conteúdo, o que deveria valer tanto para o processo físico (de papel) quanto para o processo eletrônico (on-line). No novo Código, a publicidade vem expressa em diversos preceitos, a exemplo dos arts. 11, caput, 26, III, 189 e 930, caput. h) O princípio da preclusão garante o andamento do processo sem recuo a fases já superadas do procedimento, o que significa que o descumprimento de prazos na prática de atos processuais tem, como consequência, a impossibilidade de praticá-los; salvo se tiver ocorrido justo impedimento. i) O princípio da eventualidade exige que o réu formule na defesa todas as alegações que tiver, mesmo que contraditórias, pois, do contrário, não poderá alegar noutro momento. Assim, na ação de cobrança, deve o réu alegar que nunca deveu; se admitir que devia, já pagou; e se admitir que não pagou, ocorreu a prescrição. Este princípio é de grande importância na teoria dos prazos. O novo Código de Processo Civil incorporou outros princípios processuais constitucionais, muitos dos quais expressos na Constituição, mas implícitos no anterior CPC (1973), como: 1) a inafastabilidade da jurisdição; 2) a duração razoável do processo; 3) a boa-fé objetiva; 4) a cooperação; 5) a paridade de tratamento; 6) os fins sociais e as exigências do bem comum; 7) a proibição de decisão-surpresa; e 8) a fundamentação das decisões. 1) O que princípio da inafastabilidade jurisdição, expresso no art. do novo é a expressão um princípio compreende também a da inafastabilidade do direito de 3º, açãocaput ou , do acessoCódigo, à justiça, consagradodepela Constituição (art. 5º, XXXV), dispondo que “não se excluirá da apreciação jurisdicional ameaça ou lesão a direito”. O preceito inscrito no inc. XXXV do art. 5º da Constituição, dispondo que a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito, é norma de direito processual constitucional , parte da denominada justiça constitucional, que se consubstancia na forma e instrumentos de garantia para a atuação da Constituição. Nos termos da Constituição, e, agora, do novo Código de Processo Civil, qualquer pessoa, física ou jurídica, ou mesmo entes formais despidos de personalidade jurídica (espólio, massa falida, condomínio etc.), podem invocar a atividade jurisdicional do Estado-juiz, sempre que se tenha como lesado ou simplesmente ameaçado de lesão um direito individual ou coletivo.

Ao consagrar o caput do art. 3º o direito de invocar a atividade jurisdicional, comodireito público subjetivo, assegura não apenas odireito de ação, ao autor, mas, também, o direito de defesa, ao réu, contra quem a ação é proposta, garantia complementada pelo inciso IV do art. 5º da Constituição, garantidor do contraditório e da ampla defesa no processo judicial.14 2) O princípio da duração razoável do processoestá consagrado no art. 4º do novo CPC: “ As partes têm o direito de obter em prazo razoável a solução integral do mérito, incluída a atividade satisfativa.” A regra inscrita na Constituição brasileira é oreflexo da norma agasalhada pelaConvenção Europeia para a Proteção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais , elaborada em Roma, em 4 de novembro de 1950, que, pela primeira vez, ao dispor sobre o “Direito a um processo equitativo”, estabeleceu no seu artigo 6º que: 1. Qualquer pessoa tem direito a que a sua causa seja examinada, equitativa e publicamente, num prazo razoável por um tribunal independente e imparcial, estabelecido pela lei, o qual decidirá, quer sobre a determinação dos seus direitos e obrigações de caráter civil, quer sobre o fundamento de qualquer acusação em matéria penal dirigida contra ela. O julgamento deve ser público, mas o acesso à sala de audiências pode ser proibido à imprensa ou ao público durante a totalidade ou parte do processo, quando a bem da moralidade, da ordem pública ou da segurança nacional numa sociedade democrática, quando os interesses de menores ou a proteção da vida privada das partes no processo o exigirem, ou, na medida julgada estritamente necessária pelo tribunal, quando, em circunstâncias especiais, a publicidade pudesse ser prejudicial para os interesses da justiça.

Dezenove anos depois, regra semelhante veio a ser consagrada pela Convenção Americana sobre Direitos Humanos, de 22 de novembro de 1969, conhecida comoPacto de São José da Costa Rica, que, ao dispor sobre as “ Garantias udiciais”, estabeleceu no seu art. 8º que: 1. Toda pessoa terá o direito de ser ouvida, com as devidas garantias e dentro de um prazo razoável, por um juiz ou Tribunal competente, independente e imparcial, estabelecido anteriormente por lei, na apuração de qualquer acusação penal formulada contra ela, ou na determinação de seus direitos e obrigações de caráter civil, trabalhista, fiscal ou de qualquer outra natureza.

Para um sistema processual informado pelo devido processo legal (CF: art. 5º, LIV), que contempla como princípio constitucional implícito a razoabilidade, soa excessiva a previsão de que o mérito deva ser resolvido num prazo razoável. O devido processo legal, no plano substancial, é a exigência derazoabilidade das decisões judiciais; sendo razoável aquilo que não é disparate, fora do bom senso comum, que é racional; enquanto, no plano processual, é o conjunto das garantias processuais a assegurar um processo justo, em conformidade com o direito. A solução do mérito há de ser sempreintegral, porque, do contrário, a sentença será citra petita (aquém do pedido), e num prazo razoável, porque não há que se supor que o processo não consiga dominar o tempo, vindo a proporcionar às partes uma sentença extemporânea, despida de utilidade prática. A expressão “ incluída a atividade satisfativa”, constante do art. 4º, se refere ao cumprimento (execução) da sentença, fazendo supor, equivocadamente, que, sem esse enunciadoprincipialista, apenas a solução integral da lide devesse ocorrer num prazo razoável, excluída a fase relativa à satisfação do próprio direito reconhecido pelo julgado. Apesar de o art. 4º não aludir, expressamente, àceleridade processual, não há dúvida de que ela se contém no princípio da razoável duração do processo, porque este não consegue a sua concretização sem os meios que garantam também a celeridade; além do que o princípio da celeridade vem também expresso no art. 5º, LXXVIII, da Constituição, imperando sobre o processo e também sobre o procedimento. 3) O princípio da boa-fé objetiva vem expresso no art. 5º do novo CPC, dispondo que: “ Aquele que de qualquer forma participa do processo deve comportar-se de acordo com a boa-fé”. A boa-fé em qualquer esfera do ordenamento jurídico – civil, penal, processual, tributárioetc. –, constitui um princípio cuja observância é necessária para que o processo não funcione na contramão da justiça, permitindo chegar-se a resultados que não estejam de conformidade com a verdadeira situação de fato que empresta embasamento às pretensões das partes. O Código Civil foi substancialmente regado pelo princípio da boa-fé, dispondo, por exemplo, no seu art. 113 que “ os negócios jurídicos devem ser interpretados conforme a boa-fé (...)” e o art. 422 que “os contratantes são obrigados a

guardar, assim na conclusão do contrato, como em sua execução, os princípios de probidade e boa-fé”. Trata-se da boa-fé objetiva, enquanto padrão de conduta que deve ser observado por uma parte, em certa circunstância, baseado na confiança e no respeito, imprimindo no espírito da outra o mesmo comportamento, sem que o interesse de ambas constitua obstáculo a que o econômico se sobreponha à ética. Nada mais é a boa-fé objetiva do que um standard de comportamento, alicerçado na confiança e na lealdade, em que os agentes defendam os seus interesses sem olvidar que estão em jogo interesses recíprocos, estando ambos amparados pelo ordenamento jurídico. Diferentemente da boa-fé objetiva, aboa-fé subjetiva corresponde a uma atitude psicológica do agente, enquanto produto da sua vontade e convencimento individual de agir conscientemente de determinada forma, sendo o que acontece em matéria de direitos reais e casamento putativo. O transplante do princípio da boa-fé objetiva para o ordenamento processual é produto da jurisprudência que se formou sobre o tema no Superior Tribunal de Justiça,15 assentando que: “O princípio da boa-fé objetiva proíbe que a parte assuma no desenvolvimento da relação processual, o que resulta na vedação do venire contra comportamentos factum proprium, contraditórios aplicável também ao direito processual.” O princípio da boa-fé objetiva deve ser interpretadomodus in rebus (com temperamento), sob pena de infirmar outro princípio, que lhe parece antagônico, consagrado pelo art. 508, que é o princípio daeventualidade, pois: “ Transitada em julgado a decisão de mérito, considerar-se-ão deduzidas e repelidas todas as alegações e as defesas que a parte poderia opor assim ao acolhimento como à rejeição do pedido”. 4) O princípio da cooperação está no art. 6º do novo CPC, dispondo que: “ Todos os sujeitos do processo devem cooperar entre si para que se obtenha, em tempo razoável, decisão de mérito justa e efetiva”. Este preceito consagra o princípioda cooperação, também chamado de princípioda colaboração, que nada mais é do que a conjugação do princípio da boa-fé objetiva (CPC: art. 5º) e do princípio do contraditório, este de fundo constitucional (CF: art. 5º, LV). Sem essa regra, o processo não deixaria de ser o que realmente é, ou seja, na linguagem de João Mendes Júnior, uma direção no movimento, produto que é do impulso processual , a atividade visante a obter o movimento progressivo da relação processual para o fim; impulso este a cargo dos próprios órgãos jurisdicionais, por força da autodinâmica processual, e também das partes, por força da heterodinâmica processual. O processo, enquanto relação jurídica processual , não atribui apenas direito às partes, como sugere o art. 6º, mas, também, faculdades, deveres, poderes, sujeições e ônus processuais, dos quais devem se desincumbir, se pretender obter uma solução favorável aos seus interesses. Os sujeitos do processo são todos os que, de alguma forma, participam da relação processual, para tornar possível a prestação jurisdicional, sendo o juiz, como sujeito imparcial (não neutro), e as partes (autor e réu) como sujeitos arciais, além de outros sujeitos, denominados auxiliares da justiça, como o escrivão, o oficial de justiça etc. (art. 149); e também as testemunhas, que são sujeitos desinteressados, os advogados, que são sujeitos sui generis , como representantes judiciais das partes, e os membros do Ministério Público, na qualidade de fiscais da ordem jurídica. O princípio da cooperação manifesta-se, igualmente, na posição recíproca de qualquer dos sujeitos processuais perante os demais, devendo todos os intervenientes no processo agir de conformidade com um dever de correção e urbanidade, e a marcação do dia e hora de qualquer diligência deve resultar de um acordo entre o juiz e os advogados das partes. Esse princípio, dentre outros objetivos, tem o propósito de transformar o processo civil numa “comunidade de trabalho”, e a responsabilizar as partes e o tribunal pelos seus resultados; mas, no novo Código brasileiro, não vem concentrado em preceitos específicos, estando, ao contrário, previsto em diversas disposições esparsas. A infração aoprincípio da cooperação produz evidentemente consequências para os sujeitos processuais, de modo que se o dever de cooperar for imposto ao juiz por uma previsão “ fechada”, isto é, se a situação em que o dever tem de ser observado não deixar ao juiz qualquer margem de apreciação (discricionariedade), a sua omissão importará em nulidade processual, se essa irregularidade puder influir na decisão da causa; não, porém, se o dever imposto ao juiz resultar de uma previsão “ aberta”, deve-se entender que a determinação da situação que o impõe cai no âmbito da discricionariedade do juiz, pelo que a sua omissão não produz qualquer nulidade processual.

Na prática, não será fácil determinar o alcance do art. 6º do CPC, ao determinar que todos os sujeitos do processo devam cooperar entre si, para viabilizar a decisão de mérito, porque, sendo antagônicos os interesses materiais que movem as partes (autor e réu), no processo, evidentemente que o autor não vai cooperar com o réu, da mesma forma que o réu não vai cooperar com o autor, e muito menos com o juiz, ao qual levam apenas fatos que suponham possam influir positivamente na sua convicção para acolher as suas teses. A real e efetiva colaboração do juiz com a parte existe, por exemplo, em favor dos entes e entidades da Administração Pública, direta (União, Estados, Distrito Federal, Municípios) ou indireta (autarquias, fundações públicas), impondo a remessa necessária (art. 496, I e II), que sujeita a sentença ao duplo grau obrigatório de jurisdição, exceto nas hipóteses previstas em lei (art. 496, §§ 3º e 4º). O que se tem na verdade é a cooperaçãodas partes com o juiz , na medida em que tenham elas interesse em que as suas alegações sejam consideradas verdadeiras, influindo positivamente na convicção do julgador. 5) O princípio da paridade de tratamento – irmão gêmeo do princípio do contraditório –, vem consagrado pelo art. 7º do novo CPC, dispondo que: “ É assegurada às partes paridade de tratamento em relação ao exercício de direitos e faculdades processuais, aos meios de defesa, aos ônus, aos deveres e à aplicação de sanções processuais, competindo ao uiz zelar pelo efetivo contraditório.” O novo Código, depois de assegurar, no seu art. 7º, a paridade de tratamento às partes, abre um leque de privilégios ao Poder Público, como Fazenda Pública, a exemplo do pagamento de despesas processuais a final, com exceção das despesas periciais (art. 91,caput); prazo em dobro para se manifestar nos autos (art. 229); remessa necessária na execução da dívida ativa (art. 496, II); e na sentença proferida contra a União, Estados, Distrito Federal, Municípios e suas respectivas autarquias e fundações de direito público (art. 496, I), a exemplo da dispensa de preparo de recursos (art. 1.007, § 1º); dispensa de depósito da importância de cinco por cento sobre o valor da causa, na ação rescisória (art. 968, II e § 1º) etc. Houve, sem dúvida, algum progresso no novo diploma processual, ao consagrar, por exemplo, que as perícias requeridas pela Fazenda Pública e pelo Ministério Público serão custeadas por esses entes, se houver previsão orçamentária § 1º), ou no exercíciopassou financeiro se não(art. houver previsão (art.era91,para § 2º); e que o prazo para falar nos (art. autos,91,que era quadruplicado, a ser seguinte, apenas dobrado 229,talcaput ), como os recursos em geral. Ao assegurar o novo Código às partes paridade de tratamento no curso do processo, busca suas srcens no conceito de “igualdade”, com precedente em Aristóteles, que, ao tratar da isonomia, afirmou que o tratamento isonômico consiste em “ tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais na medida em que se desigualam”. A paridade de tratamento, na prática, não deve ser apenas formal, de modo que, concedido determinado prazo a uma das partes, para a prática de certo ato processual, deva-se conceder idêntico prazo à outra para a prática do ato processual contraposto. Tudo depende da complexidade do ato a ser praticado, cabendo à lei estipulá-lo ou deixar que seja fixado pelo juiz em cada processo. O novo Código prestigiou o princípio da paridade de tratamento ao conceder ao réu o prazo de 15 dias para contestar a demanda (art. 335), conferindo ao autor idêntico prazo para a réplica, se o réu alegar fato impeditivo, modificativo ou extintivo do seu direito (art. 350). Na doutrina, procura-se identificar a “ isonomia” ou “ igualdade de tratamento”, com a “ paridade de armas”, aproximando-se assim da chamada igualdade substancial, mas não se assegura tal igualdade, proporcionando aos litigantes as mesmas armas, senão “dando uma espada mais longa para o litigante de braço mais curto ”. 6) Ao dispor o art. 8º do novo CPC que: “ Ao aplicar o ordenamento jurídico, o juiz atenderá aos fins sociais e às exigências do bem comum, resguardando e promovendo a dignidade da pessoa humana e observando a proporcionalidade, a razoabilidade, a legalidade, a publicidade e a eficiência”, transporta para a esfera processual o preceito do art. 5º da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro (LINDB), sendo o qual “ Na aplicação da lei, o uiz atenderá aos fins sociais a que ela se dirige e às exigências do bem comum”. Sendo o ordenamento jurídico o conjunto hierarquizado de normas jurídicas (regras e princípios) que disciplinam coercitivamente as condutas humanas, para manter a harmonia e a paz no meio social, o juiz não aplica propriamente o

ordenamento jurídico, mas as normas que o integram, sendoa lei a sua expressão mais característica. A expressãofins sociais da lei significa que, ao aplicar o ordenamento jurídico, deve o juiz fazê-lo não com o fim exclusivo de servi-lo, por si mesmo, mas buscar, sob a inspiração dele, um resultado que, além de resolver o litígio, proporcione a tranquilidade ou paz social. O ordenamento jurídico se destina à disciplina da sociedade como um todo e não de cada um de seus membros ou parcela de seus componentes. Atender às exigências do bem comum significa que, na aplicação do ordenamento jurídico, não deve o juiz limitar o seu horizonte aos interesses em conflito, mas ter em consideração que eles são a expressão de um fenômeno social, e devem ser resolvidos de forma que atenda ao interesse geral, que é a mais típica expressão do bem comum. O ordenamento jurídico, antes de atender aos interesses das partes, busca satisfazer o interesse da sociedade, na medida em que preserva igualmente a paz social. No que tange aos fins sociais da lei, registam Espínola e Espínola Filho que a interpretação lógica determina o fim prático, que a norma é destinada a alcançar, na vida da sociedade, no seu intercâmbio de interesses e pretensões; invocando, nessa oportunidade, o pensamento de Luigi Ferrara, para quem: Evidentemente, aqui, tudo se concentra na pesquisa do fim animador da norma, em relação com as suas duas famosas e perenes causas determinantes: as necessidades e as utilidades da vida. Uma indicação guiada por esses critérios corresponde à própria essência do fenômeno normativo, que é a de proporcionar a conduta humana à consecução dos harmônicos escopos individuais e sociais.

No que tange às exigências do bem comum, doutrinam Espínola e Espínola Filho que: O intérprete nunca pode ficar indiferente aos resultados, que a aplicação do preceito produza efetivamente, muito bem se compreendendo que, orientada a interpretação no sentido de desvendar o fim prático da norma, é indispensável apurar como, na aplicação concreta, possa ela realizar o seu fim; e, tanto mais relevante é essa consideração, quando se sabe que, de um modo permanente e mais geral, tende a ordem jurídica a alcançar um escopo supremo de justiça e de utilidade social, que representa o bem comum.

Ao mandar o art. 8º do novo Código que, no atendimento dos fins sociais e às exigências do bem comum seja resguardada também a dignidade da pessoa humana, determina que sejam observadas aproporcionalidade, a razoabilidade, a legalidade, a publicidade e a eficiência, incidindo em alguns desacertos, porquanto a dignidade, hoje, não é considerada um atributo apenas da pessoa humana, mas, também, da pessoa jurídica, e até da Justiça. A dignidade da pessoa humana é um valor moral e espiritual inerente ao ser humano, enquanto expressão de um Estado democrático de direito, constituindo um dos princípios fundamentais da Constituição de 1988. A proporcionalidade é identificada também como critério da proporcionalidade e como máxima da proporcionalidade, pelos quais se pode “ avaliar a adequação e a necessidade de certa medida, bem como, se outras menos gravosas aos interesses sociais não poderiam ser praticadas em substituição àquela empreendida pelo Poder Público”; inclusive, evidentemente, o Poder Judiciário. Por esse princípio, pode-se avaliar se a concessão de uma tutela liminar causaria maior benefício ao autor do que prejuízo ao réu, ou, ao contrário, maior prejuízo ao réu do que benefício ao autor; devendo o juiz, com base nessa avaliação, conceder ou não a tutela acautelatória (de mérito ou cautelar) inaudita altera parte. A razoabilidade aconselha o juiz a agir com discrição, segundo critérios aceitáveis do ponto de vista racional, em sintonia com o senso normal de pessoas; sendo este princípio identificado também como princípio da proibição de excesso ou princípio da razão suficiente. Este critério, sem se afastar dos parâmetros legais, indica a soluçãomais razoável para o problema jurídico concreto, dentro das circunstâncias sociais, econômicas, culturais e políticas que o envolvem, além de permitir que a ao pé da letra, “ possa captar a riqueza das circunstâncias fáticas dos interpretação do direito, em vez de ser feita diferentes conflitos sociais”. A legalidade significa que todos devem obediência à lei, pelo que ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei (CF: art. 5º, II). Esse critério deve informar não só a elaboração do processo, que tem o seu procedimento estruturado pela lei

processual, como também o julgamento de mérito (res in iudicium deducta),16 que deve obedecer ao disposto na legislação material (civil, comercial, administrativa etc.); o que o posiciona mais próximo de uma garantia constitucional do que de um direito individual, pois “ não tutela, especificamente, um bem da vida, mas assegura, ao particular, a prerrogativa de repelir as injunções que lhe sejam impostas por outra via que não seja a da lei”. A eficiência tem residência na Constituição (art. 37, caput), significa que toda atividade do Poder Público, inclusive o Poder Jurisdicional, deve ser orientada para concretizar material e efetivamente a finalidade prevista pela lei, impondo a seus agentes, inclusive os juízes, na consecução do bem comum, fazendo dos juízos que presidem um órgão eficiente na prestação da tutela jurisdicional. Nascido, srcinariamente, para tornar mais operativa a atividade estatal, na esfera do Poder Executivo, o critério da eficiência transplantou-se para outras esferas de poder, inclusive o Poder Judiciário, que vem se notabilizando pela sua lerdeza eineficiência; apesar de todos os esforços tendentes a torná-lo eficiente. 7) material Para Lebre de direito Freitas,processual, a proibiçãodedaquechamada decisão-surpresa sobretudo, se interesse para questões, de direito ou de o tribunal pode conhecertem, oficiosamente: nenhuma dasaspartes as tiver suscitado, com concessão à parte contrária do direito de resposta, o juiz – ou o relator do tribunal de recurso – que nelas entenda dever basear a decisão, seja mediante o conhecimento do mérito seja no plano meramente processual, deve previamente convidar ambas as partes a sobre elas tomarem posição, só estando dispensado de o fazer em casos de manifesta desnecessidade. A proibição de decisão-surpresa resulta do disposto nos arts. 9º e 10, proibindo o primeiro que se profira decisão contra uma das partes sem que ela seja previamente ouvida, e o segundo, vedando ao juiz decidir, em grau algum de urisdição, com base em fundamento a respeito do qual não se tenha dado às partes oportunidade de se manifestar, ainda que se trate de matéria sobre a qual deva decidir de ofício. O que teria sido necessário dizer o art. 10 não diz, que seria identificar de que fundamento se trata, sobre se fundamento jurídico ou apenas de fato, ou de ambos, devendo a resposta ser buscada na fonte onde se inspirou o novel estatuto processual, chegando-se à conclusão, na linha da moderna tendência do direito europeu, que alcança tanto os fundamentos de fato quanto de direito. No que tange aos fundamentos de fato, o art. 10 do novo Código parece complementar o art. 493, segundo o qual, se, depois da propositura da ação, algum fato constitutivo, modificativo ou extintivo – e também impeditivo – do direito influir no julgamento do mérito, caberá ao juiz tomá-lo em consideração, de ofício ou a requerimento da parte, no momento de proferir a decisão; prevendo o seu parágrafo único que, se constatar de ofício o fato novo, o juiz ouvirá as partes sobre ele antes de decidir. Nos tribunais, se o relator constatar a ocorrência de fato superveniente à decisão recorrida, ou a existência de questão apreciável de ofício ainda não examinada, que devam ser considerados no julgamento do recurso, intimará as partes para que se manifestem no prazo de cinco dias (art. 933,caput); e, se essa constatação ocorrer durante a sessão de julgamento, este será imediatamente suspenso a fim de que as partes se manifestem especificamente (art. 933, § 1º). Em se tratando de fundamento de fato, devem as partes ser realmente, ouvidas, cumprindo ao juiz colher a sua manifestação, antes de decidir, porque, sendo o contraditório observado nas alegações recíprocas das partes, deve ser também observado pelo juiz quando pretenda adotar como fundamento da sua decisão fatos que, embora existentes nos autos, não foram questionados pelas partes. fáticos, consistentes em fatos A norma do art. 10 impõe ao juiz ouvir os litigantes não somente sobre fundamentos constitutivos, impeditivos, modificativos ou extintivos do direito das partes, mas também sobre teses jurídicas, bem assim fatos simples ou circunstanciais que possam influir no seu julgamento. 8) O princípio da fundamentação das decisões judicias vem consagrado pelo art. 11 do novo CPC, dispondo que: “ Todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário serão públicos, e fundamentadas todas as decisões, sob pena de nulidade”, sendo este preceito um transplante quase literal do inc. IX do art. 93 da Constituição. No entanto, abre o art. 11, no seu parágrafo único, exceção para os casos de segredo de justiça, em que pode ser autorizada a presença somente das partes, de seus advogados, de defensores públicos ou do Ministério Público. O vocábulo “ julgamentos”, no caput do art. 11, compreende tanto as decisões interlocutórias quanto as sentenças,

porque, em ambos os casos, o juiz decide, havendo, portanto, um julgamento no exato sentido do termo. No sistema do processo civil, os julgamentos não são, geralmente, feitos em audiência, quando se trata de decisões interlocutórias, ou, mesmo quando se trate de sentença, dependendo de como venha o juiz a se comportar no caso concreto, após o encerramento da instrução do feito. A “ publicidade”, por seu turno, significa que os atos processuais serão normalmente públicos, pelo que a Constituição, num primeiro momento, condiciona as exceções à publicidade à determinação legal, impondo o segredo de justiça, para não afrontar o interesse público, o direito à intimidade e o direito à privacidade (art. 5º, X), todos igualmente de fundo constitucional. Neste sentido, estabelece o art. 5º, LX, da Constituição que a“ lei só poderá restringir a publicidade dos atos processuais quando a defesa da intimidade ou o interesse social o exigirem ”; e, dentre os atos processuais, se encontra o principal deles, que é o julgamento da causa. No novo CPC, a publicidade vem expressa no seu art. 189, I a IV, dispondo que os atos processuais são públicos, todavia tramitam em segredo de justiça os processos: I – em que o exija o interesse público ou social; II – que versem sobre casamento, separação de corpos, divórcio, separação, união estável, filiação, alimentos e guarda de crianças e adolescentes; III – em que constem dados protegidos pelo direito constitucional à intimidade; IV – que versem sobre arbitragem, inclusive sobre cumprimento de carta arbitral, desde que a confidencialidade estipulada na arbitragem seja comprovada perante o juízo.

Pri ncípios procedimentais Os princípios procedimentais presidem a forma dos atos processuais, conforme seja o sistema processualoral ou escrito ou misto. 17 Atualmente não existe procedimento oral na sua forma pura, adotando-se um procedimentomisto, uma combinação do oral e escrito. No procedimento oral, existe uma predominância quantitativa de atos escritos, em combinação com a palavra falada, como expressão dos atos relevantes e decisivos na formação da convicção do juiz, sendoqualitativamente relevantes os atos praticados através da oralidade. Neste sentido, são também os ensinamentos de Chiovenda,18 registrando que, nos momentos capitais do procedimento, predomina a palavra oral. No direito brasileiro, os princípios informativos do procedimento oral são: a) da imediação; b) da identidade física do juiz; c) da concentração; e d) da irrecorribilidade das (decisões) interlocutórias. a) O princípio da imediação significa que o juiz que vai proferir a sentença deve estar em contato com as partes e com as provas, sem intermediários; traduzindo um contato direto do juiz com as partes e com as provas. Este princípio adquire relevância em se tratando de prova testemunhal, porque o juiz colhe importantes elementos de convicção deste contato imediato com a fonte da prova, para valorar a credibilidade de um testemunho, certificandose, pelas reações do depoente, se está dizendo a verdade ou mentindo; dependendo da resposta dada a uma pergunta, se com presteza ou com vacilação. O princípio da imediação não tem significado algum quando se trata de prova documental. Este princípio vem sendo relativizado pelas diversas justiças estaduais, cujos Tribunais de Justiça, para cumprir as metas estabelecidas pelo Conselho Nacional de Justiça, têm criado por meio deresolução interna (o que é inconstitucional), órgãos denominados Grupos de Sentença (ou de Auxílio, ou de Trabalho), com a única função de roferir sentença nos processos com instrução encerrada, em que o juiz que sentencia não é o mesmo que colheu a prova em audiência. b) O princípio da identidade física do juiz traduz a exigência de que o juiz seja, normalmente, o mesmo do começo ao fim da causa, de modo que o juiz que conduzir o processo e colher a prova deve sentenciar a causa. Tenho preferido falar emprincípio da personalidade do juiz , por me parecer mais adequado do que identidade ísica do juiz. Este princípio é temperado, ainda, quando se trata de colheita de prova fora da jurisdição da causa, através de carta

precatória, podendo acontecer que toda a prova testemunhal seja colhida em juízos de diferentes comarcas: uma testemunha é ouvida em São Paulo; duas em Mato Grosso; três em Minas Geraisetc. O mesmo acontece na prática de atos por carta rogatória ou carta de ordem. Nesse ponto, cedeu-se ao imperativo de ordem prática, ante a impossibilidade de se poder conduzir as testemunhas até a sede da comarca para depor. O princípio da identidade física do juiz ou dapersonalidade não vem agasalhado pelo novo Código de Processo Civil, e já vinha sendo ignorado também pelas diversas justiças estaduais, em que o juiz cível, depois de concluir a colheita da prova em audiência, encaminha os autos do processo a um órgão, criadoinconstitucionalmente ( ) por resolução interna dos Tribunais de Justiça, denominado Grupo de Sentença (ou de Auxílio, ou de Trabalho), para que profira a sentença; caso em que o juízo instrutor é separado do juízo julgador , malferindo o sistema da oralidade, adotado pelo Código de Processo Civil. O princípio da identidade física do juiz ou dapersonalidade informa o procedimento penal (art. 399, § 2º), mas não o procedimento trabalhista, que não o agasalha, podendo um juiz concluir a instrução em audiência (ou não) e outro vir a proferir a sentença. c) O princípio da concentração significa praticar, sempre que possível, todos os atos processuais orais numa única audiência, ou, então, em poucas audiências, a curtos intervalos, de modo que o juiz que colher a prova e ouvir as alegações finais das partes profira o julgamento da causa com as impressões ainda presentes na sua memória. Se o juiz não se sentir em condições de proferir a sentença na própria audiência, faculta-lhe a lei fazê-lo dentro de certo prazo,19 que, na prática, quase nunca é observado. Nos julgamentos da competência do tribunal do júri, a concentração é a mais absoluta possível, mais do que no processo civil e no trabalhista. d) O princípio da irrecorribilidade das (decisões) interlocutórias imprime andamento rápido ao processo, tornando irrecorríveis as decisões interlocutórias, sem prejuízo da sua posterior apreciação pelos tribunais. Esta é uma característica importante do procedimentooral, mas sofre tantas restrições, que faz com que, no processo civil, exista uma relativa20 irrecorribilidade das interlocutórias (CPC, art. 1.015, caput).21 No âmbito penal, também a irrecorribilidade das interlocutórias é relativa (CPP, art. 581).22 No processo trabalhista, o princípio da irrecorribilidade das interlocutórias vigora de forma quase absoluta, só admitindo a apreciação do merecimento das decisões interlocutóriasprocessuais em recurso da decisão definitiva da CLT (art. 893, § 1º); 23 mas relativamente às interlocutórias demérito, concessivas de tutela provisória de urgência (antecipada ou cautelar), são recorríveis através demandado de segurança contra ato judicial . 24

Tipologi a do proces s o A doutrina costuma classificar o processo sob dois prismas distintos: I – quanto aos fins da prestação jurisdicional invocada; II – quanto à índole do interesse a que serve; III – quanto à função da jurisdição exercida; IV – quanto aos princípios informativos do processo (penal). I – No que concerne aosfins da prestação jurisdicional invocada, é a natureza da prestação jurisdicional que determina o tipo do processo, podendo ser: 1) de conhecimento; e 2) de execução. 1) Processo de conhecimento – Este processo tem por objeto uma lide a ser resolvida pela sentença, exigindo do uiz uma atividade de cognição sobre os fatos que servem de fundamento à pretensão e sobre o direito a eles aplicáveis. O juiz é provocado a decidir uma lide entre dois litigantes, e dizer qual deles tem razão, culminando com uma sentença de mérito, que põe fim ao litígio. O processo de conhecimento pode ser classificado em: a) declaratório; b) constitutivo; e c) condenatório. a) O processo de conhecimento declaratório resulta do ajuizamento de uma ação declaratória, cujo objetivo é obter a declaração de existência ou inexistência de uma relação (ou situação) jurídica, ou a autenticidade ou a falsidade de um documento.

b) O processo de conhecimento constitutivo resulta do ajuizamento de uma ação constitutiva, cujo objetivo é obter a criação, modificação ou extinção de uma relação (ou situação) jurídica. O processo de conhecimento constitutivo pode ser do tiponecessário ou não necessário. O processo será do tipo necessário quando não for possível às partes obter a criação, conservação, modificação ou extinção de uma relação (ou situação) jurídica a não ser através do processo, caso em que se tem uma lide de pretensão insatisfeita, porque só pode ser satisfeita judicialmente. Caso dessa espécie é a anulação de casamento. O processo será do tipo não necessário quando houver possibilidade de as partes operarem a criação, conservação, modificação ou extinção de uma relação ou situação jurídica, extrajudicialmente, mas não chegam a um acordo, desaguando então a pretensão na justiça. Caso dessa espécie é a rescisão de qualquer contrato (de compra e venda, de locação etc.) c) O processo de conhecimento condenatório resulta do ajuizamento de uma ação condenatória, em que uma das partes obter a condenação da outra ao cumprimento de uma obrigação, que pode ser entregar uma coisa ou fazer ou nãopretende fazer algo. 2) Processo de execução – Este processo tem por objeto atividades jurisdicionais tendentes a tornar efetiva a condenação resultante de um título executivo judicial ou de obrigação constante de um título executivo extrajudicial (CPC, art. 784). 25 O processo de execução éoutro processo, distinto do processo de cognição do qual resultou o título judicial, dando srcem a uma ação de execução, também distinta da ação de conhecimento, fazendo nascer entre os diversos sujeitos processuais (exequente, juiz e executado) uma nova relação jurídica processual, inteiramente autônoma do processo de conhecimento. Os diversos ordenamentos jurídicos consagram sistemas distintos para a execução da sentença proferida no processo de conhecimento, admitindo alguns que a execução se faça de forma sincretizada, nos próprios autos do processo de conhecimento, como fase desse processo, mediante simplescumprimento da sentença; enquanto outros exigem o exercício de nova ação de execução para esse fim. No passado, o Brasil consagrou segundo sistema, exigindo uma ação e processo de execução, para fim de execução da sentença condenatória; mas, recentemente, optou pelo primeiro, permitindo a execução ao largo de nova ação e processo, só mantidos para as hipóteses de sentenças penal condenatória, arbitral e estrangeira (CPC, art. 515, VI, VII e VIII).26 O novo Código de Processo Civil não mais consagra o processo cautelar, como umtertius genus de processo, distinto dos processos de conhecimento e de execução, mas a tutela provisória cautelar é pleiteada, sim, no bojo de uma ação e de um processo, a ser exercida quando houver necessidade de tutela de urgência; podendo ter caráter antecedente ou incidente. II – No que tange àíndole do interesse a que serve, é a natureza do interesse em juízo que determina o tipo do processo, podendo ser: a) individual; b) coletivo; e c) social. a) O processo individual resulta de uma ação envolvendo interessesconcretos de pessoas determinadas. Se esse interesse for pertinente a uma pessoa singularmente considerada, diz-se individualsingular ; quando o interesse pertence a diversas pessoas consideradas isoladamente, diz-se individualplúrimo. Quando o interesse forplúrimo, podem as diversas pessoas se unir para demandar em conjunto, formando um litisconsórcio ativo. b) Processo coletivo – Este processo resulta de uma ação envolvendo interessesconcretos ou abstratos de um grupo, categoria ou classe de pessoas. Dessa modalidade de processo tratam o Código de Defesa do Consumidor, nas modalidades de direitos ou 27 e a Constituição, na modalidade de mandado de interesses difusos, coletivos ou individuais homogêneos (art. 81), 28 segurança coletivo (art. 5º, LXX, CF). Quando o processo coletivo versa sobre interesses cujos beneficiários não são identificáveis, nem há possibilidade de sê-lo (direitos ou interesses difusos, por exemplo), diz-se processoessencialmente coletivo; e, quando esse processo

versa sobre interesses cujos beneficiários são identificáveis, diz-se processoacidentalmente coletivo. Os fundamentos do processo individual, singular ou plúrimo, e do processo coletivo, são também distintos, pois, enquanto o daquele é o direito subjetivo, o deste é o direito ou interesse legítimo. Para Zanobini, a diferença entre odireito subjetivo e o interesse legítimo pode ser encontrada tomando-se como referencial a norma de direito objetivo, de modo que odireito subjetivo é “um interesse reconhecido pela ordem jurídica como próprio e exclusivo do seu titular, e, como tal, por ela protegido de forma direta e imediata”. Já interesse o legítimo configura-se como “um interesse individual intimamente ligado a um interesse público e protegido pelo ordenamento somente através da tutela jurídica deste último”, de modo que “os particulares participam de tais interesses coletivos não ut singuli , 29 mas uti universi, 30 e não têm nenhum meio para pedir (singularmente) a sua proteção e tutela”. O direito subjetivo e o interesse legítimo são comoirmãos siameses, tendo como elemento (tronco) comum o

interesse , mas cada um com sua individualidade (existência) Portanto, o direito subjetivo é protegido diretamente pelaprópria. norma jurídica, reconhecendo-o a um titular determinado, enquanto, no interesse legítimo, o objeto da tutela não é um direito subjetivo, mas uma situação jurídica traduzida num interesse público, de forma que, tutelando esse interesse, a norma jurídica protege, reflexamente, eventuais direitos subjetivos. 31 Na prática, reina um generalizado equívoco entre os conceitos de direito subjetivo e interesse legítimo, por conta da imprópria linguagem usada pelo Código de Defesa do Consumidor, que fala em direito ou interesse difuso, tratando o direito e o interesse como se fossem sinônimos, quando, não realidade, não são. No processo trabalhista, os dissídios podem ser individuais ou coletivos, pelo que o processo se enquadra numa ou noutra modalidade conforme o seu objeto. c) Processo social – Este processo versa sobre interesses sociais, da própria sociedade, para a defesa de valores que lhe pertencem, como é o processo popular, resultante da ação popular, e o processo penal, resultante da persecução penal. Alguns processos sociais possuem a capacidade para abrigar tanto um interesse singularmente considerado como um interesse considerado na sua coletividade, como o decorrente da ação civil pública, que pode srcinar um processo social, se o seu objeto for o interesse público; ou um processo coletivo, se tiver por objeto interesse de grupo, categoria ou classe. III – No tocante à funçãoda jurisdição nele exercida(matéria), o processo pode ser: a) processo penal; b) processo civil; e c) trabalhista. O processo penal versa sobre lide penal, resultante do poder de punir do Estado; o processo trabalhista resulta de conflitos sobre relações de trabalho; e o processo civil versa sobre litígios não penais ou trabalhistas (cíveis stricto sensu; tributário; administrativo; constitucional etc.). IV – No que se refereaos princípios que informam o processo, classifica-se o processo penal em: acusatório, inquisitório (ou inquisitivo) ou misto, correspondente aos três sistemas penais. 32 O processo acusatório é aquele em que as partes atuam em condições de igualdade, com as garantias asseguradas pelos princípios processuais, dentre os quais o da imparcialidade do juiz, do contraditório e da publicidade; o processo inquisitório ) não com as ver garantias não incidindo os princípios contraditório (ou e dainquisitivo publicidade, sendose o compadece acusado considerado dadeiro processuais, “objeto” do processo; o processo misto é emdo parte inquisitório e em parte acusatório, segundo as regras e princípios que informam um ou outro. Graficamente:

Bibliografia CALAMANDREI, Piero. Instituciones del derecho procesal civil : Buenos Aires, EJEA, 1973. v. I.

CARNELUTTI, Francesco. Sistema del diritto processuale civile. Padova: Cedam, 1936. v. I. ______. Instituciones del proceso civil. Buenos Aires: EJEA, 1950. v. I. CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1969. v. 1 e 2. ESPÍNOLA, Eduardo; ESPÍNOLA FILHO, Eduardo. A Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro. Rio de Janeiro: Renovar, 1995. v. 1º. FERRARA, Luigi. Istituzioni di diritto privato, 1939, v. 1º. FLORIAN, Eugenio. Elementos de derecho procesal penal. Barcelona: Bosch, 1931. FREITAS, José Lebre de. Introdução ao processo civil : conceito e princípios gerais à luz do código revisto. Coimbra: Coimbra, 1996. LEONE, Giovanni. Manuale di diritto processuale penale. Napoli: Jovene, 1977. LIEBMAN, Enrico Tullio. Manuale di diritto processuale civile. Milano: Giuffrè, 1973. v. 1. MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 1996. MENDES JÚNIOR, João. Direito jud iciário b rasileiro. 6. ed. Rio de Janeiro-São Paulo: Freitas Bastos, 1960. MORATO, Francisco. A Oralidade. In:Revista Forense, v. 74. NERY JUNIOR, Nelson. Princípios do processo civil na Constituição Federal . 2. ed. São Paulo: RT, 1995. PALLARES, Eduardo. Derecho procesal civil. México: Porrua, 1965. SANTOS, Moacyr Amaral Santos. Primeiras linhas de direito processual civil . 18. ed. São Paulo: Saraiva, 1997. v. 2. ZANOBINI, Guido. Corso d i diritto ammini strativo. Milano: Giuffrè, 1936/1959.

1

A lei é a m edida do j usto.

2

O juiz não procede de ofício.

3

Não há j uiz sem autor.

4

O juiz deve julgar segundo as alegações das partes.

5

O juiz não procede de ofício.

6

O mesmo ocorre com os processos penal e trabalhista.

7

Unidade de Tera pia Intensiva (UTI ).

8

Art. 370. Caberá ao juiz, de ofício ou a requerimento da parte, determinar as provas necessárias à instrução do processo. Parágrafo único. O juiz indeferirá , em decisão fundamentada, as diligências inúteis ou meram ente protelatórias.

9

Art. 496. Quando a reintegração do empregado estável for desaconselhável, dadoconverter o grau de incompatibilidade resultante do dissídio, especialmente quando for o empregador pessoa física, o tribunal do trabalho poderá aquela obrigação em indenização devida nos term os do artigo seguin te.

10 Art. 383. O juiz, sem modificar a descrição do fato contida na denúncia ou queixa, poderá atribuir-lhe definição jurídica diversa, ainda que, em consequênci a, tenha de aplicar pena m ais grave. 11 “O que não e xiste nos autos não e xiste no m undo”. 12 “Dá-me o fato e te darei o direito.” 13 Essa regra comporta exceções, no interesse público e no privado, quando a lei assegura a realização do processo em segredo da justiça (CPC, arts. 189 e 368). 14 No dizer de Liebm an: “O poder de agir e m juízo e o de defender-se de qualquer pretensão de outrem representam a ga rantia fundamental da pessoa para a defesa de seus direitos e com petem a todos indistintam ente, pessoa física e jurídica, nacionais e estrangeiros, com o atributo

ime diato da pe rsonalidade e pertence m por isso à c ategoria dos denominados di reitos cívicos.” 15 Confira: STJ: AgRg no REsp. 1.280.482/SC. 16 Coisa ( pedido) deduzida em juízo. 17 Ao tempo das ações da lei , o sistema era inteiramente oral, como também oral era o antigo processo germânico. O sistema anterior ao Código de Processo Civil de 1939, ao contrário, era inteiramente escrito. Também o sistema adotado pelo Código de Processo Civil de 1939, segundo Lopes da Costa, era escrito, embora muitos lhes contestassem a afirmação. 18 Para Chiovenda, “oralidade” significa que as deduções das partes devem normalmente fazer-se de viva voz na audiência , isto é, no momento e no lugar em que o juiz se senta para ouvir as partes e dirigir a marcha da causa. Enfim, aquele (processo) informado pelos princípios da ime diação, da identidade físi ca do juiz, da conce ntraçã o e da irrec orribilidade dos despachos i nterlocutórios. 19 O prazo não é o m esm o para todos os casos, estando a de pender do tipo do procedim ento. 20 “Relativa” porque em alguns processos, como, v.g., no processo civil, são recorríveis ; no processo trabalhista são irrecorríveis . 21 Art. 1.015. Cabe agra vo de instrum ento contra a s decisões interlocutórias que versar em sobre: I – tutelas provi sórias; II – m érito do processo; III – rejeição da alegação de convenção de arbitragem; IV – incidente de desconsideração da personalidade jurídica; V – rejeição do pedido de gratuidade da justiça ou acolhimento do pedido de sua revogação; VI – exibição ou posse de documento ou coisa; VII – exclusão de litisconsorte; VIII – rejeição do pedido de limitação do litisconsórcio; IX – admissão ou inadmissão de intervenção de terceiros; X – concessão, modificação ou revogação do efeito suspensivo aos embargos à execução; XI – redistribuição do ônus da prova nos termos do art. 373, § 1º; XII – (VETADO); XIII – outros casos expressamente referidos em lei. Parágrafo único. Também caberá agravo de instrumento contra decisões interlocutórias proferidas na fase de liquidação de sentença ou de cumprimento de sentença, no processo de execução e no processo de inventário. 22 Art. 581. Caberá rec urso, no sentido estrito, da decisão , despacho ou sentença: (...) 23 Art. 893 (...) § 1º Os incidentes do processo são resolvidos pelo próprio Juízo ou Tribunal, admitindo-se a apreciação do merecimento das decisões interlocutórias somente em rec ursos da decisão definit iva. (...) 24 Essa jurisprudência foi imposta à Justiça do Trabalho, de cima para baixo, por uma infeliz decisão do Tribunal Superior do Trabalho, mediante provimento interno, por puro preconceito de se admitir agravo de instrumento dessas interlocutórias, temeroso de ofender o princípio da irrecorribilidade da s decisões interlocutórias. 25 Art. 784. São títulos executivos extrajudiciais: I – a letra de câmbio, a nota promissória, a duplicata, a debênture e o cheque; II – a escritura pública ou outro documento público assinado pelo devedor; III – o docum ento particular assinado pelo devedor e por 2 (duas) testem unhas; IV – o instrum ento de transação referendado pelo Ministério Público, pela Def ensoria Pública, pela Advoca cia Pública , pelos advogados dos transatores ou por conciliador ou mediador credenciado por tribunal; V – o contrato garantido por hipoteca, penhor, anticrese ou outro direito real de garantia e aquele garantido por caução; VI – o contrato de seguro de vida em caso de morte; VII – o crédito decorrente de foro e laudêmio; VIII – o crédito, documentalmente comprovado, decorrente de aluguel de imóvel, bem como de encargos acessórios, tais como taxas e despesas de condomínio; IX – a certidão de dívida ativa da Fazenda Pública da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, correspondente aos créditos inscritos na forma da lei; X – o crédito referente às contribuições ordinárias ou extraordinárias de condomínio edilício, previstas na respectiva convenção ou aprovadas em assembleia-geral, desde que documentalmente comprovadas; XI – a certidão expedida por serventia notarial ou de registro relativa a valores de emolumentos e demais despesas devidas pelos atos por ela praticados, fixados nas tabelas estabe lecidas em lei; XII – todos os dem ais títulos aos quais, por disposiçã o expressa, a lei atribuir forç a exec utiva. (...) 26 Art. 515. São títulos executivos judiciais, cujo cumprimento dar-se-á de acordo com os artigos previstos neste Título: VI – a sentença penal condenatória transitada em julgado; VII– a sentença arbitral; VIII – a sentença estrangeira homologada pelo Superior Tribunal de Justiça. (...) 27 Art. 81. A defesa dos interesses e direitos dos consumidores e das vítimas poderá ser exercida em juízo individualmente, ou a título coletivo. Parágrafo único. A defesa coletiva será exercida quando se tratar de: I – interesses ou direitos difusos, assim entendidos, para efeitos deste código, os transindividuais, de natureza indivisível, de que sejam titulares pessoas indeterminadas e ligadas por circunstâncias de fato; II – interesses ou direitos coletivos, assim entendidos, para feitos deste código, os transindividuais, de natureza indivisível de que seja titular grupo, categoria ou classe de pessoas ligadas entre si ou com a parte contrária por uma relação jurídica base; III – interesses ou direitos individuais homogêneos, assim entendidos os decorrentes de srcem comum. 28 Art. 5º (...) LXX – o m andado de segura nça c oletivo pode ser impe trado por: a) partido pol ítico com repre sentação no Cong resso Nac ional; b) organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos um ano, em defesa dos interesses de seus mem bros ou ass ociados; LXXI – conceder-se-á ma ndado de injunção sem pre que a falta de norma regulam entadora torne inviável o e xerc ício dos direitos e liberdades c onstitucionais e das prer rogativas inere ntes à nac ionalidade, à soberania e à c idadania. (...) 29 Singularm ente (individualme nte). 30 Universalmente (conjuntamente). 31 Um exem plo esclarecerá me lhor as duas si tuações: a) uma em presa impugn a o re sultado de uma licitação, porque vencera o c ertame , ma s fora preterida por outra concorrente, e, por isso, pede lhe seja adjudicado o objeto licitado; b) outra empresa impugna o resultado de uma

licitação, porque as normas do edital não foram respeitadas, e, por isso, pede anulação do certame. Na primeira hipótese, o fundamento da aç ão é o direito subje tivo, e, na segunda, o intere sse legítimo. 32 LEONE, Giovanni. Manuale di diritto proce ssuale penale . Napoli: Jovene, 1977, p. 8-11.

11 DISCIPLINA NORMATIVA DO PROCESSO Norma jurídica: normas materiais e normas processuais. Fontes do direito processual. Interpretação e integração da norma processual. Limitações espaciais e temporais na aplicação da norma processual.

Norma jurídica: normas materiais e normas processuais A clássica distinção das leis em leis substantivas e leis adjetivas se deve a Bentham, que dizia que o objetivo das leis, quando elas são o que devem ser, é produzir, no mais alto grau possível, a felicidade do maior número de pessoas; mas tais leis, sejam boas ou más, só podem agir criandodireitos e obrigações. Essas leis não teriam nenhum efeito se o legislador não criasse ao mesmo tempo outras leis, cujo objeto é fazer cumprir as primeiras, que são as leis de procedimento. Para assinalar a diferença entre umas e outras, Bentham chamou às primeirasleis substantivas e, às segundas, leis adjetivas. Essa classificação ganhou prestígio no Ocidente, adotada pelos antigos praxistas, tendo como substantivas as leis que atribuem direitos e criam obrigações, e, comoadjetivas, as que instituem meios de defesa dos direitos. A partir do momento em que a ciência processual adquiriu autonomia, esses ensinamentos perderam atualidade, pois davam um tratamento de subalternidade às leis processuais, em relação às leis substanciais. Além do mais, o direito processual não se limita a regular o procedimento, tendo conteúdo mais amplo do que o assinalado pelo usfilósofo inglês. A moderna doutrina tem dado impulso a uma classificação das leis mais próxima do estágio de desenvolvimento da ciência do direito, distinguindo as normas jurídicas em duas grandes categorias:normas materiais ou substanciais e normas processuais ou instrumentais. Normas materiais ou substanciais são aquelas que disciplinam diretamente as relações de vida, procurando compor conflitos de interesses entre os membros da comunidade social, bem como regular e organizar funções socialmente úteis, ao mesmo tempo em que asseguram o seu cumprimento através de sanções, às vezes específicas, e, outras vezes, imanentes à ordem jurídica no seu conjunto. Normas processuais ou instrumentais são aquelas que disciplinam a aplicação das normas substanciais, seja regulando a competência para fazê-las atuar, seja regulando os meios de torná-las efetivas e ainda as vias adequadas para provocar o seu cumprimento e efetivação. Para se qualificar uma norma dematerial ou de processual é indiferente que ela esteja no Código Civil ou Penal ou nos Códigos de Processo, pois o que tem relevância é a sua natureza jurídica e não o local onde se encontre; mesmo porque o ordenamento jurídico é rico em normas “ heterotópicas”, que são regras materiais inseridas nos Códigos de Processo Civil e Penal, e normas processuais nos Códigos Civil e Penal. Tendo o processo por escopo garantir a atuação do direito objetivo, questiona-se se seria possível uma hierarquização das normas jurídicas. Assim, o Código Civil regula a obrigação de alimentar e o Código de Processo Civil disciplina a ação de alimentos, sendo a garantia da satisfação da primeira uma decorrência da segunda. A tendência de subalternizar as normas processuais tem-se revelado muito frequente no campo doutrinário, mas a denominação norma adjetiva só pode ser aceita enquanto expressa um contraste frente ao direito material ou substancial,

mas, de forma alguma, para significar que o direito processual seja de categoria jurídica inferior. Em sentido amplo, as normas processuais são todas aquelas que disciplinam a atividade do Estado-juiz e das partes litigantes, bem assim o modo como essa atividade se desenvolve no processo. As normas processuais se dividem em três grandes grupos: a) Normas processuais em sentido estrito são as que regulam o processo como tal, atribuindo poderes e deveres processuais às partes e aos órgãos jurisdicionais. 1 b) Normas de organização judiciária são as que regulam a criação e estrutura dos órgãos judiciários e seus auxiliares.2 c) Normas estritamente procedimentais são as que regulam o modo como se devem conduzir o juiz e as partes, no processo, e, inclusive, a coordenação dos atos que compõem o procedimento.3 Sob o prisma da coercibilidade, as normas processuais são de direito público e, em princípio, cogentes, obrigatórias para todos os sujeitos processuais; o que não impede que, em certas circunstâncias, a sua incidência fique na dependência da vontade das partes, quando, então, se dizemdispositivas .

Fontes do dir ei to proces s ual O vocábulo “ fontes” designa o lugar donde dimana alguma coisa, pelo quefonte do direito é o lugar de onde provém a norma jurídica que ainda não existia na sociedade. Não existe uniformidade na doutrina sobre as fontes do direito processual, sendo classificada por Fenech, dada a diversidade de srcem, em: I – fonte direta: a lei (em sentido amplo); II – fontes supletivas indiretas: o costume, a jurisprudência e os princípios gerais de direito; e fontes supletivas 4 secundárias: o direito histórico, o direito estrangeiro e a doutrina.

Graficamente:

A lei é uma norma de conduta elaborada pelos órgãos competentes da União, na esfera federal, e dos Estados e Municípios, nas esferas estadual e municipal, podendo provir do Poder Legislativo, como as leis ordinárias, ou do Poder Executivo como os decretos regulamentares. Os costumes são regras sociais não escritas, decorrentes de prática reiterada, generalizada e prolongada, do que resulta a convicção de sua obrigatoriedade como norma de conduta. A jurisprudência é a aplicação das leis aos casos concretos submetidos à apreciação do Poder Judiciário, tendo sua consistência mais característica nas súmulas, que são extratos da jurisprudência predominante nos tribunais. Os princípios gerais de direito são enunciados normativos de valor genérico, geralmente em latim, que 7 etc. condicionam e orientam a compreensão do ordenamento jurídico laedere na sua ”aplicação, como, por exemplo, Da “ mihi actum, dabo tibi ius ”;5 “ Ad impossibilia nemo tenetur”;6 “ Neminem O direito histórico é o produto da história do direito na sua evolução, desde as suas srcens até o momento em que é aplicado pelos juízos e tribunais. O direito estrangeiro é o direito que não seja produzido em território brasileiro, que sofre restrição no tocante às normas processuais, por serem estas reguladoras da atividade jurisdicional do Estado, não sendo de se admitir atividade estatal regulada por lei estrangeira. A doutrina , também chamada direito científico, consiste nos estudos desenvolvidos pelos juristas, que objetivam entender e explicar todos os temas relativos ao direito, buscando a correta interpretação dos institutos e normas, de forma a se obter uma real compreensão de todo o universo jurídico.

Estas são as fontes em abstrato das normas processuais, pois, em concreto, são fontes a Constituição Federal, as Constituições Estaduais, os códigos de processo, as leis federais e nacionais, as leis de organização judiciária, os regimentos dos tribunais etc.

Interpretação e integração da norma processual Interpretar8 uma norma é determinar a exata significação do enunciado legal, com o objetivo de determinar-lhe o conteúdo. A interpretação, diz Manzini, é o meio de acertar e precisar a vontade da norma jurídica, nos casos em que ossa surgir dúvida sobre a própria vontade. No tocante à norma processual, a interpretação está subordinada aos mesmos cânones que regem a hermenêutica das demais ciências do direito. A interpretação da norma processual pode ser classificada: I – do ponto de vista objetivo: a) gramatical; b) lógica; c) sistemática; e d) histórica. II – do ponto de vista subjetivo: a) autêntica; b) doutrinária; e c) judicial. III – do ponto de vista dos resultados: a) extensiva; e b) restritiva. I – A classificação da interpretação do ponto de vista objetivo tem em consideração os meios ou expedientes intelectuais empregados na interpretação da lei. a) A interpretaçãogramatical, também chamada literal , é aquela que se inspira no próprio significado das palavras, sendo a pior de todas as interpretações. b) A interpretação lógica, também chamada teleológica, é aquela que visa a compreender o espírito da lei e a intenção do legislador ao editá-la; procura descobrir a finalidade da lei ou a vontade nela manifestada. c) A interpretaçãosistemática é aquela que leva em consideração não apenas o sentido das expressões das fórmulas da lei, mas, sobretudo, a regulamentação do fato ou darelação sobre que se deve julgar, considerando o sistema como um todo. Nessa interpretação, o exegeta deve colocar a norma dentro do contexto detodo o direito vigente e com as regras particulares de direito que têm pertinência com ela. d) A interpretaçãohistórica é aquela que se assenta sobre a história da lei ou dos seus precedentes, como projetos de lei, discussões no plenário, exposições de motivos etc., procurando identificar m a ens legislatoris ou a intenção do legislador. II – A classificação da interpretação do ponto de vista subjetivo toma em consideração o sujeito que interpreta a lei. a) A interpretaçãoautêntica é aquela que provém do próprio legislador, que é quem faz a lei. b) A interpretação doutrinária é aquela proveniente dos doutrinadores ou comentadores da lei, tendo grande autoridade moral, dependendo de quem interpreta. c) A interpretaçãojudicial é aquela levada a efeito pelos juízos e tribunais, ao aplicarem a lei ao caso concreto; ou mesmo em abstrato na ação declaratória de constitucionalidade ou na ação direta de inconstitucionalidade. III – A classificação da interpretação do ponto de vista dos resultados leva em consideração o fato de haver na lei algo a mais ou a menos do que deveria dela constar. a) A interpretaçãoextensiva é aquela que impõe uma ampliação do enunciado legal, por ter a lei sido demasiado restrita, dizendo menos do que queria m ( inus dixit quam voluit ), excluindo aparentemente situações visadas pela lei.9 Nesse caso, cumpre ao intérprete ampliar o sentido e o alcance das palavras da lei. b) A interpretação restritiva é aquela que impõe uma restrição do denunciado legal, por ter a lei sido demasiado ampla, dizendo mais do que queria plus ( dixit quam voluit), compreendendo aparentemente situações que, na sua intenção, deveriam ter sido excluídas. Nesse caso, cumpre ao intérpreterestringir o sentido e o alcance das palavras da lei. A integração da norma processual é a atividade pela qual se preenchem as lacunas verificadas na lei, mediante pesquisa e formulação da regra jurídica aplicável à situação de conflito não expressamente prevista10 pela ordem jurídica. O preenchimento da lacuna na lei processual se faz pela: a) analogia; b) pelos costumes; c) pelos princípios gerais

de direito (LINDB,11 art. 4º; CPP, 12 art. 3º). a) A analogia permite resolver o conflito não previsto em lei, mediante a utilização de regra jurídica relativa a um caso semelhante, segundo o aforismo: “Ubi eadem legis ratio, ibi eadem legis dispositivo. ”13 Não se confunde a analogia com a interpretação extensiva,14 pois esta é extensiva “de um significado textual da norma”; aquela é analogia “da intenção do legislador”. A analogia socorre o aplicador da lei não só no âmbito civil, como também no trabalhista e no penal; só não podendo, na esfera penal, ter aplicação analogia in malam partem, consistente na aplicação de umaregra semelhante para prejudicar o réu. b) Os costumes são regras não escritas, produto de uma repetição reiterada, observadas por todos, impondo-se como meios de resolução dos conflitos; sendo muito prestigiadas nas relações entre os comerciantes. c) Os princípios gerais de direito são enunciados gerais e universais, geralmente expressos em latim, que ajudam na resolução dos conflitos, quando não seja possível resolvê-los pela analogia ou pelos costumes, como, por exemplo, “ Da mihi factum, dabo tibi ius”;15 “ Ad impossibilia nemo tenetur”;16 “ Neminem laedere”.17 Esses princípios decorrem do próprio fundamento da legislação positiva, e, apesar de não expressos no ordenamento urídico, constituem pressupostos lógicos das normas legais.

Limitações es paciais e temporais na apli cação da norma proces s ual As normas processuais, na sua aplicação, sofrem limitações no tempo e no espaço, da mesma forma que toda norma urídica. princípio da territorialidade , 18 também conhecido como A eficácia espacial das normas processuais é regulada pelo lei do foro; e nem poderia ser de outra forma, considerando que se trata da disciplina de uma atividade jurisdicional do Estado, e não se admite atividade estatal regulada por lei estrangeira. 19

O princípio da territorialidade vem agasalhado pelos arts. 16 do Código de Processo Civil e 1º do Código de Processo Penal.20 As leis processuais civis e penais estão sujeitas às normas relativas eàficácia temporal das leis civis, constantes da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro,21 e da Lei de Introdução ao Código de Processo Penal, respectivamente. Sendo o processo uma série de atos que se desenvolvem no tempo, torna-se delicada a solução do conflito temporal de leis processuais. A lei nova não incide sobre processos findos, por razões óbvias; da mesma forma que os processos a serem iniciados serão regulados pela lei nova. A questão que se coloca é em relação aos processos em curso, quando advenha lei nova, a exemplo do que ocorreu no Brasil, com a entrada em vigor do Código de Processo Civil de 1973, em 1º de janeiro de 1974, revogando o Código de Processo Civil de 1939, com as alterações introduzidas pelas minirreformas processuais, e o que ocorreu com o novo Código de Processo Civil (Lei nº 3.105/15, alterada pela Lei n o 13.256/16), com a sua entrada em vigor no dia 18 de março de 2016 (art. 1.045).22 As disposições finais e transitórias do novo Código de Processo Civil são substanciosas, estando algumas dispostas nesses termos: “ Art. 1.046. Ao entrar em vigor este Código, suas disposições se aplicarão desde logo aos processos pendentes, ficando revogada a Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973. § 1º As disposições da Lei on 5.869, de 11 de janeiro de 1973, relativas ao procedimento sumário e aos procedimentos especiais que forem revogadas aplicar-seão às ações propostas e não sentenciadas até o início da vigência deste Código. § 2º Permanecem em vigor as disposições especiais dos procedimentos regulados em outras leis, aos quais se aplicará supletivamente este Código. § 3º Os processos mencionados no art. 1.218 da Lei nº 5.869, de 11 de janeiro de 1973, cujo procedimento ainda não tenha sido incorporado por lei submetem-se ao procedimento comum previsto neste Código. § 4º As remissões a disposições do Código de Processo Civil revogado, existentes em outras leis, passam a referir-se às que lhes são

correspondentes neste Código. § 5º A primeira lista de processos para julgamento em ordem cronológica observará a antiguidade da distribuição entre os já conclusos na data da entrada em vigor deste Código. Art. 1.047. As disposições de direito probatório adotadas neste Código aplicam-se apenas às provas requeridas ou determinadas de ofício a partir da data de início de sua vigência (...). Art. 1.049. Sempre que a lei remeter a procedimento previsto na lei processual sem especificá-lo, será observado o procedimento comum previsto neste Código. Parágrafo único. Na hipótese de a lei remeter ao procedimento sumário, será observado o procedimento comum previsto neste Código, com as modificações previstas na própria lei especial, se houver”. A doutrina aponta três sistemas para a solução do conflito temporal das leis: a) sistema da unidade processual; b) sistema das fases processuais; e c) sistema do isolamento dos atos processuais. a) O sistema da unidade processual considera o processo como uma unidade jurídica, que só poder ser regulado por uma única lei, a antiga ou a nova, de modo que a antiga teria de se impor, para não ocorrer a retroação da nova, com prejuízo dos atos já praticados até a sua entrada em vigor. b) O sistema das fases processuais distingue fases processuais autônomas, como a postulatória, probatória, decisória, recursal e de execução, cada uma suscetível de ser disciplinada por uma lei diferente. c) O sistema de isolamento dos atos processuais afasta a aplicação da lei nova em relação aos atos já encerrados, aplicando-se apenas aos atos processuais a serem ainda praticados. Este sistema foi consagrado pelos Códigos de Processo Civil e Penal, que asseguram que a norma processual não tenha efeito retroativo, provendo somente para o futuro , para atos processuais ainda não realizados quando da sua entrada em vigor. Não fica afastada, porém, a ultratividade (ou ultra-atividade) das leis processuais, fenômeno segundo o qual a norma revogada continua produzindo sua eficácia até que se conclua o ato por ela regulado. Fala-se, também, em proatividade, para traduzir o fenômeno que garante a eficácia da norma revogada até que se conclua o ato processual regido por ela; como, por exemplo, uma perícia em final de conclusão.

Aplicação das normas processuais Sendo a jurisdição emanação da soberania estatal, nunca se admitiu, nos sistemas processuais anteriores, que fosse regida por normas que não asprocessuais brasileiras , à exceção da arbitragem, regida pela Lei n. 9.307/96 (alterada pela Lei n. 13.129/15), que, apesar de ser tambémjurisdicional, podia adotar normas processuais estrangeiras, desde que o convencionassem as partes; porque o juízo arbitral sempre foi o reino da autonomia da vontade. Com a vigência do novo Código de Processo Civil, dispõe o seu art. 13 que: “A jurisdição civil será regida pelas normas processuais brasileiras, ressalvadas as disposições específicas previstas em tratados, convenções ou acordos internacionais de que o Brasil seja parte”. A ressalva legal permite que, agora, além das normas processuais brasileiras, seja a jurisdição civil regida também por disposições específicas de natureza processual, previstas em tratados, convenções ou acordos internacionais. A consagração desse preceito pelo novo CPC é o reflexo da tendência revelada, na doutrina, da adoção de um “ Projeto de Normas Transnacionais de Processo Civil”, com o propósito de uniformizar ou harmonizar as normas processuais atualmente existentes nos diversos países, no que se refere às controvérsias transnacionais. Sendo a jurisdição expressão da soberania estatal, em princípio, a atividade de declarar e realizar o direito deve ser disciplinada pela lei nacional, pelo que, ao mandar o art. 13 que se apliquem disposições processuaisespecíficas previstas em tratados, convenções ou acordos internacionais de que o Brasil seja parte, tem-se um fenômeno de internalização de regras processuais. Na prática, é como se esses diplomas legais transnacionais fossem nacionalizados. A promulgação do novo Código de Processo Civil provoca uma verdadeira revolução nesse sistema processual, com reflexos nos demais (penal, trabalhista, eleitoral etc.), pelo que cuidou o seu art. 15 de determinar que: “Na ausência de normas que regulem processos eleitorais, trabalhistas ou administrativos, as disposições deste Código lhes serão aplicáveis supletiva e subsidiariamente.”

Bibliografia BENTHAM, Jeremias. Tratado de las pruebas judiciales . Buenos Aires: EJEA, 1971. CALMON DE PASSOS, J. J. Comentários ao Código de Processo Civil. Rio de Janeiro: Forense, 1998. v. III. CASTILLO, Niceto Alcalá-Zamora y.Derecho procesal penal. Buenos Aires: Guillermo Kraft, 1945. v. I. CINTRA, Antônio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini; e DINAMAR-CO, Cândido Rangel. Teoria geral do processo. 6. ed. São Paulo: RT, 1988. FENECH, Miguel. O processo penal. Barcelona: Labor, 1972. MANZINI, Vincenzo.Istituzioni di diritto processuale penale. Padova: Cedam, 1967. MARQUES, José Frederico. Instituições de direito processual civil. Rio de Janeiro: Forense, 1985. v. I. TORNAGHI, Hélio. Compêndio de processo penal . Rio de Janeiro: José Konfino, 1967. t. I. TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo penal. São Paulo: Saraiva, 2001. v. I.

1

Essas norm as são da com petência da U nião, não podendo o Pre sidente da República editar m edida provisória com base no art. 62, § 1º, I, “b”, da Constituiçã o.

2

Essas normas são da competência da União, em relação à sua Justiça e à do Distrito Federal, e dos Estados-membros, em relação à Justiça estadual.

3

Essas normas são da competência concorrente da União e dos Estados (art. 24, XI, CF).

4

Sobretudo quanto à jurisprudência e às fontes secundárias (direito histórico, estrangeiro e doutrina), a classificação deve ser considerada em termos, pois, nem abstratamente são, no Brasil, fontes da norma processual. Sempre que o juiz nacional aplica lei estrangeira, aplica-a, na verdade, enquanto “direito nacionalizado”. O costume e os princípios gerais de direito, juntamente com a analogia (a que a classificação não faz ref erê ncia), são fontes do direit o interno.

5

“Dá-me o fato e te darei o direito.”

6

“Ninguém está obrigado ao im possível.”

7

“Não prej udicar ninguém .”

8

Interpretação, diz Manzini, é “o meio para acertar e precisar a vontade da norma jurídica, nos casos em que possa surgir dúvida sobre a própria vontade” .

9

Nesses ca sos, o enunciado da disposiçã o legal aparece com o uma simples exe mplificaç ão, em relação à vontade manife stada na própria norma.

10 O texto da norma, racionalmente, admite a sua extensão a fatos ou relações equivalentes ou similares àqueles que ela previu expressamente. 11 O Decreto-Lei n. 4.657/42, que contém a Lei de Introdução ao Código Civil, teve alterada a sua ementa, pela Lei n. 12.376/10, passando a denominar-se “Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro”. Dispõe o art. 4º desse Decreto-Lei que: “Quando a lei for omissa, o juiz decidirá o ca so de ac ordo com a a nalogia, os costumes e os princípios gera is de direito.” 12 Art. 3º A lei processual penal adm itirá interpretaç ão e xtensiva e aplicaçã o analógica, bem com o o suplem ento dos princípios gera is de direito. 13 “Onde existe a mesma razão legal, deve haver aí a mesma disposição legal.” 14 Vincenzo Manzini distingue a analogia (que coloca como regra de interpretação) da interpretação extensiva, pois esta se atém à precisa vontade manifestada pela norma; enquanto a analógica, ao contrário, tem em consideração essa vontade, mas junto a ela e em consequência dela, supõe uma outra (vontade) análoga. 15 “Dá-me o fato; dar-te-ei o direito.” 16 “Ninguém está obrigado ao im possível.” 17 “Não prej udicar ninguém .” 18 Trata-se de apli caçã o da lex fori ou lei do foro. 19 Art. 16. A jurisdiçã o civil é exe rcida pelos juízes e pelos tribunais em todo o território nacional, conform e a s disposições de ste Código. 20 Art. 1º O processo penal reger-se-á, em todo o território brasileiro, por este Código, ressalvados: I – os tratados, as convenções e regras de direito internacional; (...)

21 Essa Lei é a vetusta Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro (Decreto-Lei n. 4.657/42), que se mantém com a ementa modificada para Lei de Introdução à s Norm as do Direito Brasileiro. 22 Art. 1.045. Este Código entra em vigor após decor rido 1 (um) ano da data de sua publicaç ão oficial.

12 DINÂMICA DO PROCESSO Impulso processual: autodinâmica e heterodinâmica. Fatos, atos e negócios jurídicos processuais. Princípios informativos dos atos processuais. Tempo dos atos processuais. Prazos e caducidades. Revelia e preclusão. Perfeição e eficácia dos atos processuais: teoria das nulidades. Ordem cronológica na prática de atos processuais. Calendário para a prática de atos processuais .

Impulso processual: autodinâmica e heterodinâmica Uma das características mais marcantes da relação processual é a sua dinamicidade, visto que tem vida e desenvolvimento próprios. Na sua trajetória, o processo atravessa fases lógicas que culminam com a prestação jurisdicional a cargo do Estadouiz: fase postulatória, fase probatória e fase decisória. A fasepostulatória compreende a atividade das partes destinada à formulação da pretensão, tanto do autor quanto do réu, e eventuais intervenientes, abrangendo, no processo de conhecimento, a petição inicial, a contestação e a réplica. A faseprobatória , também chamada instrutória , permite às partes fornecer ao juiz os elementos necessários ao esclarecimento dos fatos em que se funda a pretensão ou a defesa, pois o juiz julga com base em fatos provados. A fasedecisória corresponde àquela em que o juiz atua a vontade concreta de lei, resolvendo a lide, cumprindo a obrigação jurisdicional devida pelo Estado. O que assegura movimento ao processo, através dos atos do procedimento, é oimpulso processual, pois dele depende a continuidade dos atos processuais até a sentença. Chama-se impulso processual a atividade que visa somente a obter o movimento progressivo da relação processual para o fim ou o “ fenômeno em virtude do qual se assegura a continuidade dos atos processuais e o seu encaminhamento à decisão definitiva”. Este impulso está a cargo dos órgãos jurisdicionais, quando se fala emautodinâmica, e das partes, quando se fala em heterodinâmica. Assim, quando o juiz designa audiência age por autodinâmica, e quando as partes arrolam testemunhas agem por heterodinâmica. Esses princípios se comportam diferentemente, conforme a variada tipologia processual. Nos processos civil e trabalhista,1 o impulso inicial está condicionado à atividade das partes, e, portanto, à

heterodinâmica, por meio do exercício da ação; mas na execução de sentença, no processo trabalhista, desenvolve-se pelo impulso oficial, e, portanto, pela autodinâmica. No processo penal, há casos de impulso inicial por autodinâmica, como acontece, por exemplo, na concessão de habeas corpus de ofício. No processo social de cognição, a sua instauração se dá por heterodinâmica, mas o seu desenvolvimento é predominantemente autodinâmico; enquanto, no processo social de execução, tanto a instauração quanto o desenvolvimento são por heterodinâmica, se o interesse público for de índole não penal e, por autodinâmica, se o interesse for de ordem penal. Atendendo ao resultado da prestação jurisdicional, estes princípios prendem-se, ainda, aos recursos e, portanto, ao duplo grau de jurisdição.

Determinadas lides estão sujeitas, obrigatoriamente, ao duplo grau de jurisdição, e a sentença não transita em ulgado, enquanto não for objeto de reexame pelo órgão superior, por força de remessa ex officio, cujo impulso obedece ao princípio da autodinâmica. Na grande maioria dos casos, porém, os recursos são governados pela heterodinâmica.

Fatos, atos e neg ócios jurí dic os proces s uais O “ fato ” é todo acontecimento natural ou histórico que provoca uma modificação no mundo exterior, mas nem todos os fatos interessam ao direito, senão aqueles que tenham eficácia para produzir efeitos jurídicos. São denominados fatos jurídicos lato sensu aqueles que, resultantes de acontecimento natural ou de atividade humana, se mostram em condições para criar, conservar, modificar ou extinguir direitos. Os nenhumadeconsequência produzam mundo do direito sãofatos juridicamente irrelevantes. Os fatos fatos que resultantes acontecimento natural,nocom aptidão para produzir efeitos jurídicos, denominam-se fatos urídicos stricto sensu; e os resultantes da atuação humana, com aptidão para produzir efeitos jurídicos, denominam-se atos jurídicos. Qualquer fato tomado em consideração pelo direito objetivo, para a ele ligar uma consequência jurídica, chama-se ato jurídico; e, se esses efeitos forem de natureza processual, denomina-se fato jurídico processual ou, simplesmente, ato processual. Em outros termos, o fato jurídico processual é aquele que tem relevância para o processo. Os fatos se classificam em: I – fatos irrelevantes; e II – fatos jurídicos lato sensu; que se subclassificam em: 1) fatos jurídicosstricto sensu; e 2) atos jurídicos lato sensu; que se subclassificam em: a) atos jurídicosstricto sensu; e b) negócios jurídicos. Graficamente:

I – O fato juridicamente irrelevante é aquele que nenhuma importância tem para o direito, pela simples razão de não produzir nenhuma consequência jurídica. Este fato não tem nenhuma consequência para o processo, como, por exemplo, a chegada do advogado com atraso à audiência, assim que iniciada a tomada dos depoimentos. II – O fato jurídico lato sensu é todo acontecimento (natural ou humano) capaz de produzir consequências urídicas. 1) Quando essas consequências jurídicas resultam de um fato natural, denomina-sefato jurídico stricto sensu, como o nascimento, a maioridade, a morte da parteetc. 2) Quando essas consequências resultam de uma atividade humana consciente, denomina-se ato jurídico lato sensu. a) Quando o ato humano é praticado sem a intenção direta de produzir efeitos jurídicos, chama-seato jurídico stricto sensu, como o reconhecimento do direito do autor pelo réu, o reconhecimento de filhoetc. b) Quando o ato humano é praticado com a intenção dirigida à produção de determinado efeito, chama-se negócio urídico, 2 como o contrato de compra e venda, a convenção de suspensão do processoetc. O que distingue o ato jurídico stricto sensu do negócio jurídico é que, no ato jurídico, os efeitos são previamente estabelecidos pela lei, não podendo ser modificados pela vontade das partes; enquanto no negócio jurídico esses efeitos são exatamente os queridos pelas partes. 3 Essa classificação pode ser aplicada no campo processual, observados, evidentemente, os requisitos de forma. Discute-se na doutrina se ato processual seria apenas aquele praticadono processo, ou, também, aquele praticado

ora do processo, mas para ter efeito dentro do processo. Para uma corrente doutrinária, ato processual é apenas aquele praticado no processo pelos sujeitos processuais, sendo esta a posição sustentada por Liebman;4 para outra é todo ato que possa ter eficácia no processo, mesmo que praticado fora dele, sendo este o entendimento de Leone. 5 Esta segunda corrente leva em consideração, na caracterização do ato processual, o fim a que este se propõe, atendendo a um critério substancial,6 de modo que, se for praticado para ter eficácia no processo, será ato processual, como, por exemplo, a procuraçãoad judicia, a eleição de foro da eventual demandaetc. Muitas vezes, o ato processual é praticado antes da instauração do processo, como a produção antecipada de provas, que demanda mero procedimento, e, outras vezes, são praticados por juiz de outra jurisdição, mediante carta precatória, ou no estrangeiro, mediante carta rogatória, como as citações, as intimaçõesetc. A caracterização donegócio jurídico processual está em ser ele produto de uma atuação voluntária e intencional dos agentes (ativo e passivo), direcionada à produção de determinado efeito jurídico na órbita do seu interesse, como a suspensão do processo.

Princípios informativos dos atos processuais Ao contrário do que acontece com os atos jurídicos em geral, cuja validadenão depende de forma especial, senão quando a lei expressamente a exigir, osatos processuais estão, em princípio, sujeitos a uma forma preestabelecida. Embora o Código de Processo Civil (art. 188) disponha que “os atos e os termos processuais independem de orma determinada, salvo quando a lei expressamente a exigir (...)”, os principais atos processuais (petição inicial, contestação, réplica etc.) dependem todos de exigência legal. Os atos processuais são informados por alguns princípios, dentre os quais: a) princípio da legalidade; b) princípio da publicidade; c) princípio da instrumentalidade; d) princípio da sanabilidade. a) O princípio da legalidade ou predeterminação da forma significa que os atos processuais devem ser praticados pela forma predeterminada em lei, quando esta a exigir; e, quando não exigir, com a observância dos requisitos mínimos para alcançar a sua finalidade. b) O princípio da publicidade significa que os atos processuais são públicos, devendo ser acessíveis a todos, quando praticados oralmente, em audiência, e, quando praticados por escrito, a publicidade se dá com a sua juntada aos atos do processo; que, por ser público, torna também públicos os atos nele praticados. c) O princípio da instrumentalidade significa que o ato processual não é fim em si mesmo, mas destinado à produção de uma finalidade, pelo que, se esta for alcançada, a inobservância da forma não terá qualquer importância.7 d) O princípio da sanabilidade significa que nenhum ato processual deve ser anulado, pela inobservância de forma, se puder ser sanada a irregularidade ou suprida a falta, possibilitando o aproveitamento do ato processual.

Tempo dos atos processuais. Prazos e caducidades O prazoatravés é umado fração do tempo dentro do qual deve ser praticado o ato processual, assegurando que o processo se desenvolva iter procedimental. Não se confunde o prazo com o termo, pois este é apenas uma fração de tempo, sendo que o prazo ocorre ustamente entre dois termos, começando com o termo iniciala( quo), e expirando com o termo final a( d quem). Uma das características dos prazos é a sua vinculação ao tempo para a sua prática, de modo que, se não for praticado no prazo, ocorre a suacaducidade, ou, se praticado fora do prazo, é consideradocaduco. O prazo pode ser classificado sob mais de um aspecto: I – quanto ao efeito do tempo: a) dilatório; e b) peremptório; II – quanto à sua srcem: a) legal; b) judicial; e c) convencional; III – quanto ao seu alcance em relação às partes: a) comum; b) especial; e c) individual (ou singular);

IV – quanto aos seus destinatários: a) prazo próprio; e b) prazo impróprio. Os atos processuais estão sujeitos aos efeitos do tempo, razão por que devem ser praticados no prazo, sob pena de ter comprometida a sua eficácia. a) O prazodilatório é aquele dentro do qual não é permitida a prática de ato processual, só podendo ser realizado depois de ultimado o termo final; caso em que a lei determina uma distância mínima, evitando que o ato se realize antes do prazo. Para Leone, o prazo dilatório se apresenta no processo sob uma feição negativa, pois, durante o seu decurso, o ato processual não pode ser praticado. O novo Código de Processo Civil estabelece que, quando a lei ou o juiz não determinarem prazo, as intimações somente obrigarão a comparecimento depois de decorridas quarenta e oito horas (art. 218, § 2º). Outra novidade introduzida pelo novo estatuto processual vem contemplada pelo art. 219,caput, determinando que, na contagem de prazo em dias, estabelecido por lei ou pelo juiz, computar-se-ão somente os dias úteis; disposição que, segundo desse mesmoo artigo, aplica-se somente aospassou prazosa processuais. A partir odaparágrafo vigência único do novo Código, curso do prazo processual ser suspenso nos dias compreendidos entre 20 de dezembro e 20 de janeiro, inclusive, consoante o disposto no art. 220,caput; o que soa como férias brancas na Justiça. Os prazos dilatórios podem ser reduzidos ou prorrogados por convenção das partes. b) O prazo peremptório é aquele dentro do qual o ato processual deve ser praticado, sob pena de não poder sê-lo mais; sendo os prazos em regra decorrentes da lei. Os prazos peremptórios não admitem modificação, não podendo ser reduzidos nem prorrogados por vontade das partes; só se admitindo a devolução de prazo, se ocorrer justo impedimento. Tanto quanto os peremptórios, os prazos dilatórios podem ser fixados pela lei; mas, enquanto estes resultam de uma norma processual dispositiva , aqueles são impostos por normacogente. Assim, a preclusão é consequência de prazo peremptório não cumprido; a nulidade, a consequência do descumprimento de prazo dilatório. Para Frederico Marques, a peremptoriedade do prazo não é incompatível com a prorrogabilidade. II – Os atos processuais podem ser identificados em função da sua srcem ou procedência, podendo provir da lei, do uiz ou da vontade das partes. a) O prazolegal é aquele que provém da lei, não podendo ser aumentado nem reduzido pelo juiz, como é o prazo para responder à demanda, para recorrer etc. b) O prazo judicial é aquele fixado pelo juiz, que o determina por despacho ou decisão no processo; possibilitando a sua prorrogação, quando se revelar insuficiente para a prática do ato. c) O prazo convencional é aquele convencionado pelas partes, verdadeiro negócio jurídico processual, como é o prazo ajustado entre elas para suspender o processo; mas, apesar de convencional, deve ser submetido ao juiz, para homologação. III – O prazo nem sempre corre igualmente para ambas as partes, podendo em relação a elas ter um alcance distinto. a) O prazo comum é aquele que transcorre, concomitantemente,para ambas as partes; correndo geralmente em cartório ou na secretaria da vara, como, por exemplo, o prazo para especificação de provas no processo. b) O prazo especial é aquele que beneficia apenas uma das partes no processo, sendo prazos mais dilatados do que o comum, por exemplo, o prazo em dobro para o Ministério Público manifestar-se nos autos (CPC, art. 180, caput). c) O prazo individual, também chamado singular , é aquele que transcorre apenas para uma das partes, sendo o oposto do prazo comum. IV – O prazo para a prática de atos processuais existe para todos os sujeitos processuais, independente de serem sujeitos parciais, como as partes, ou imparcial, como o juiz. a) O prazo próprio é aquele assinalado às partes, com as consequências que defluem do seu cumprimento ou descumprimento. b) O prazo impróprio é aquele assinalado ao juiz e aos servidores da justiça, cujo descumprimento pode gerar apenas medidas de ordem disciplinar, não interferindo na validade do ato, mesmo que praticado fora do prazo, como, por

exemplo, o prazo para o juiz proferir a sentença, ou para o escrivão fazer os autos conclusos ao juiz. Tenho preferido chamá-lo deprazo recomendatório , sendo também denominado prazo programático pela doutrina.

Revelia e preclusão Ligados à teoria dos prazos estão a revelia e a preclusão, sendo esta última ligada ao princípio do impulso processual. A revelia8 é a situação em que se encontra qualquer das partes que, devendo fazer-se presente, no processo, se faz ausente; devendo praticar um ato processual, como responder à demanda, se omite. Assim, tanto o autor quanto o réu podem incidir em revelia; embora a doutrina nacional e o direito codificado só empreguem essa expressão para qualificar a ausência do réu. Os efeitoscomum, da revelia, no de processo civil,(CPC, são também conforme omonitório tipo de éprocedimento. Assim, deno 9 no procedimento procedimento é a falta contestação art. 344);diversos, a falta de oposição 10 embargos monitórios (CPC, art. 701, § 2º). A preclusão consiste, objetivamente, num fato impeditivo, 11 destinado a garantir o avanço gradual do processo, evitando recuo a fases já superadas do procedimento; e,subjetivamente, representa a perda de um direito ou faculdade, por não ter sido exercido dentro do prazo, ou por se haver esgotado pelo seu exercício. 12 A preclusão não é sanção processual, nem penalidade. A doutrina aponta três espécies de preclusão, a saber: a) temporal; b) lógica; e c) consumativa. a) A preclusão temporal resulta do não exercício do direito ou da faculdade dentro do prazo assinalado pela lei, como, por exemplo, o réu não contesta ou não recorre. b) A preclusão lógica resulta da incompatibilidade de um ato processual já praticado com outro que se pretende praticar, como, por exemplo, quem pediu prazo para purgar a mora, na ação de despejo, não pode contestar. c) A preclusão da pode circunstância de já ter sido validamente praticado o ato processual, como, por exemplo, se o réuconsumativa contestou a resulta ação, não contestar mais. Essa modalidade de preclusão alcança também o juiz, como sujeito do processo, pois, se ele já sentenciou, não pode sentenciar mais. Na doutrina, há quem, como Frederico Marques, distinga entre preclusão consumativa e preclusão pro iudicato; mas não existe substancial diferença entre ambas, sendo a preclusãopro iudicato nada mais do que a preclusão consumativa em relação ao juiz. Registra Lopes da Costa que a preclusão não afeta a capacidade da parte para a prática do ato, mas apenas lhe restringe o exercício.

Per feiç ão e eficácia do ato proces s ual: teoria das nulidades O ato processual está muitas vezes sujeito a requisitos de forma, pelo que a sua inobservância pode privá-lo dos efeitos que normalmente deveria ter. Com a perfeição, visa-se à eficácia do ato processual; ou, em princípio, a eficácia do ato deriva da perfeição. A irregularidade na prática do ato processual pode produzir consequências diversas. Existem irregularidades sem nenhuma consequência, como, no processo penal, a denúncia oferecida além do prazo legal (CPP, art. 46, 1ª parte); 13 e, no processo civil, irregularidades que podem acarretar sanções extraprocessuais, como 15 e o retardamento do ato pelo juiz (CPC, art. 143, II); 14 irregularidades que acarretam nulidade (CPC, art. 280); irregularidades que determinam a própriainexistência do ato, como a sentença proferida por juiz aposentado. Em algumas hipóteses, a sanção pela inobservância da forma é anulidade, que, em última análise, é imposta como garantia das partes no processo. Mesmo quando o ato é eivado de vício que o torne nulo, a nulidade depende de declaração do juiz, pois, até então,

considera-se válido e eficaz. Assim, a sentença, mesmo contaminada dos mais graves vícios, passa em julgado se não houver recurso, sendo eficaz até vir a ser rescindida. A nulidade processual é uma sanção que resulta da prática do ato em desconformidade com a forma legal. A sanção denulidade pode ser imposta de acordo com três sistemas: a) todo e qualquer defeito do ato processual conduz à sua nulidade; b) o ato só será nulo se a lei expressamente o declarar; c) a nulidade do ato depende da gravidade do vício que o contamina.16 a) Consoante o primeiro sistema, qualquer defeito do ato processual, por menor que seja, acarretará a sua nulidade, que deverá ser declarada pelo juiz. b) Conforme o segundo sistema, cabe à lei estabelecer os requisitos do ato processual, declarando os casos de nulidade pela sua inobservância. c) Consoante o terceiro sistema, é a gravidade do vício que determina a nulidade do ato processual, de modo que nenhuma nulidade será declarada, seja cominada ou não cominada, se o ato tiver alcançado a sua finalidade. Assim, se a citação do réu não tiver observado as prescrições legais, mas ele oferecer resposta à demanda, nenhuma nulidade será declarada. A anulação do ato processual obedece aos seguintes princípios: a) da causalidade; b) da instrumentalidade; c) do interesse; e d) da economia processual. a) O princípio da causalidade determina que a nulidade de um ato processual contamine todos os atos posteriores que dele sejam dependentes (CPC, art. 281);17 mas a nulidade de uma parte do ato não prejudica as outras, que dele sejam independentes. b) O princípio da instrumentalidade das formas determina que só se anula o ato irregular se o objetivo por ele colimado não tiver sido atingido (Pas de nullité sans grief).18 c) O princípio do interesse faz com que a parte que tiver dado causa à nulidade do ato não possa pleitear a sua anulação; mas apenas quando se tratar de nulidade relativa, imposta no interesse da parte, porque em se tratando de nulidade absoluta, imposta no interesse público, a nulidade pode ser declarada a qualquer tempo. d) O princípio da economia processual manda que se releve a nulidade, desde que possível ao juiz resolver o 19 (CPC, art. 488). Na mérito favorável à parte a quem aproveitaria eventual pronunciamento nos termos do art. 485 prática, no entanto, será difícil que o juiz tenha essa convicção antes de concluída a instrução (produção de provas) do processo. Ao lado dos atos anuláveis e nulos, fala-se também emato processual inexistente, que seria aquele ao qual faltassem elementos essenciais à sua constituição, como, por exemplo, a sentençasem fundamentação (CPC, art. 489, II).20 21 Parte da doutrina nega essa modalidade de ato processual, incluindo-o na categoria dos atos nulos.

Ordem cronológica na prática de atos proces s uais O novo Código de Processo Civil pretende acabar com os chamados “pedidos de preferência”, para os processos sigam a sua tramitação, como que numa fila indiana, para fins de prolação de sentença ou de acórdão, pelo que dispõe o art. 12, caput que: “Os juízes e os tribunais deverão obedecer, preferencialmente, à ordem cronológica de conclusão para proferir sentença ou acórdão”. Esta regra tem pouco ou nenhum sabor de norma processual, pelo que teria melhor assento nas Leis de Organização Judiciária (ou Códigos Judiciários) e nos Regimentos Internos dos Tribunais, por ser uma regra mais direcionada ao modo como os juízos devem lidar com os processos, evitando que os mais recentesatropelem os mais antigos. O § 2º do art. 12 exclui da regra do caput: I – as sentenças proferidas em audiência, homologatórias de acordo ou de improcedência liminar do pedido; II – o julgamento de processos em bloco para aplicação de tese jurídica firmada em ulgamento de casos repetitivos; III – o julgamento de recursos repetitivos ou de incidente de resolução de demandas repetitivas; IV – as decisões proferidas com base nos arts. 485 e 932; V – o julgamento de embargos de declaração; VI –

o julgamento de agravo interno; VII – as preferências legais e as metas estabelecidas pelo Conselho Nacional de Justiça; VIII – os processos criminais, nos órgãos jurisdicionais que tenham competência penal; IX – a causa que exija urgência no julgamento, assim reconhecida por decisão fundamentada. Essas exceções se justificam por si, constituindo a grande maioria dos processos que furam “ a fila ”, porque, uma vez cumpridas as determinações legais, poucos processos restarão para que o juiz dê cumprimento ao que manda a regra contida no caput do art. 12.

Calendário para a prática de atos processuais O calendário para a prática de atos processuais é outra novidade trazida pelo novo CPC, a exemplo do que já acontece com o processo arbitral e com a prática de atos processuais arbitrais. Estabelece o art. 191, caput, do novo Código que: “ Versando a causa sobre direitos que admitam autocomposição, é lícito às partes plenamente capazes estipular mudanças no procedimento para ajustá-lo às especificidades da causa e convencionar sobre os seus ônus, poderes, faculdades e deveres processuais, antes ou durante o processo.” Assim como se admite, na arbitragem, que as partes convencionem o procedimento a ser observado no processo arbitral, o art. 191, caput, do CPC permite que as partes, desde que plenamente capazes e se se tratar de direitos que admitam autocomposição, estipulem mudanças no procedimento, afetando o roteiro na prática de atos processuais dos sujeitos processuais. A “ autocomposição” é uma modalidade alternativa de resolução dos conflitos, compreendendo a desistência (ou renúncia), a submissão (ou reconhecimento), que são modalidades unilaterais, e a transação (concessões recíprocas), que é modalidade bilateral, dependendo da vontade de ambas as partes. A permissão para que as partes possam também convencionar sobre poderes, faculdades e deveres processuais constitui outro avanço do novo Código, porque nem sempre a previsão legal a esse respeito se ajusta à modalidade de transigíveis, conflito travada em juízo, tendo colorido muito diferente a transação numa demanda, envolvendo interesses como alimentos e guarda de menores, por exemplo, e aquela que tem lugar numa demanda envolvendo direitos simplesmente patrimoniais. No direito português, há regra permitindo a adequação formal do procedimento ao caso concreto, dispondo, no seu art. 547 que: “ O juiz deve adotar a tramitação processual adequada às especificidades da causa e adaptar o conteúdo e a forma dos atos processuais ao fim que visam atingir, assegurando um processo equitativo”. Fala-se também, nesse caso, em relativização do procedimento, em que este é adaptado às situações concretas postas em juízo, ou a serem ainda postas em juízo, e mais bem equacionadas pelas regras ajustadas de comum acordo pelas partes do que pelas normas do Código de Processo Civil.

Bibliografia CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1969. v. II. COUTURE, Eduardo. Fundamentos del derecho procesal civil . Buenos Aires: Depalma, 1988. LEONE, Giovanni. Manuale di diritto processuale civile. Napoli: Joveni, 1977. LIEBMAN, Enrico Tullio. Manuale di diritto processuale civile. Milano: Giuffrè, 1973. v. 1. LOPES DA COSTA, Alfredo de Araújo.Direito p rocessual civil brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, 1959. v. II. MANZINI, Vicenzo.Instituições di diritto processuale penale. Padova: CE-DAM, 1917. MARQUES, José Frederico. Instituições de direito processual civil . Rio de Janeiro: Forense, 1958. v. 1.

1

Nesses ca sos, a heter odinâm ica condiciona a autodinâm ica. Nenhum processo se desenvolve impulsionado apenas pela heter odinâm ica ou autodinâm ica; de regr a, é regido pelos dois princípios.

2

Parte da doutrina sustenta não haver diferença entre ato jurídico e negócio jurídico (unitarismo), e outra parte sustenta haver diferença entre eles.

3

Para Lopes da Costa, alguns negócios jurídicos são unilaterais, como a desistência de inquirir uma testemunha, e, outros, suspensão do processo por convençã o das partes.

4

Para Liebman, não são processuais os atos praticados pelas partes fora do processo, ainda que coordenados ao processo e possam nele produzir efe itos. Assim, a eleição de domicílio da parte, a tra nsação extraproce ssual etc.

5

Muitas vezes, os atos são praticados antes da instauração do processo, como, por exemplo, a produção antecipada de provas ou a outorga de uma procuração para o foro em geral.

6

Leone define o ato processual como atividade humana voluntária de um sujeito processual ou de um sujeito estranho ao processo e que a lei utiliza para fins de constituição, desenvolvimento, modificação ou extinção da relação processual. A incidência do ato sobre o nascimento e desenvolvimento da relação processual constitui o mais seguro elemento para o reconhecimento (a qualificação) do ato processual. A sede processual e a r eferência aos sujeitos não são satisfatórias. As forma s process uais resp ondem a um a nec essidade de ordem , de c erteza, de e ficiência, e a sua e scrupulosa observância representa uma garantia de regular e legal desenvolvimento do processo e de respeito ao direito das partes. O formalismo é necessário no processo, muito mais do que nas outras ativi dades j urídicas.

7

8

bilaterais, com a

Os efeitos da revelia são diversos, conforme se trate de interesse material (disponível ou indisponível), bem assim se se trata de controvérsia sobre situaçã o de fa to ou apenas questão de direit o. Isto porque a r evelia é pertinente a questões fáticas , e não a questões jurídicas.

9

Art. 344. Se o réu não contestar a ação, será considerado revel e presumir-se-ão verdadeiras as alegações de fato formuladas pelo autor. 10 Art. 701. (...) § 2º Constituir-se-á de pleno direito o título executivo judicial, independentemente de qualquer formalidade, se não realizado o pagamento e não apresentados os e mbargos m onitórios previstos no art. 702, observa ndo-se, no que couber, o Título II do Livro I da Pa rte Especial. 11 Para Frederico Marques, apenas as preclusões temporal e lógica são fatos impeditivos; a preclusão consumativa é um fato extintivo. 12 Para Chiovenda, a preclusão consiste na perda, extinção ou consumação de uma faculdade processual, pelo só fato de se haver atingido os limites presc ritos ao seu e xerc ício. 13 Art. 46. O prazo para oferecimento da denúncia, estando o réu preso, será de 5 dias, contado da data em que o órgão do Ministério Público rec eber os autos do inquérito policial, e de 15 dias, se o r éu e stiver solto ou afiançado. (...) 14 Art. 143. O juiz responderá, civil e regressivamente, por perdas e danos quando: II – recusar, omitir ou retardar, sem justo motivo, providênc ia que de va ordenar de ofício, ou a reque rimento da pa rte. (...) 15 Art. 280. As citações e as intimações serão nulas quando feitas sem observância das prescrições legais. 16 Liebman aponta três regras a respeito: a) não pode ser declarada a nulidade do ato processual, pela inobservância de forma, se a nulidade não é com inada em lei; b) a nulidade pode ser declarada quando faltam ao ato requisitos formais, indispensáveis ao atingimento do seu objetivo; c ) a nulidade nã o pode ser dec larada , se o ato atingiu o obje tivo a que se de stinava. 17 Art. 281. Anulado o ato, consideram-se de nenhum efeito todos os subsequentes, que dele dependam, todavia, a nulidade de uma parte do ato não prej udicará as outras, que dela sej am independentes. 18 “Não há nulidade sem prejuízo.” 19 Art. 485. O juiz não resolverá o mérito quando: I – indeferir a petição inicial; II – o processo ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes; III – por não promover os atos e as diligências que lhe incumbir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; IV – verificar a a usência de pr essupostos de c onstituição e de desenvolvime nto válido e re gular do processo; V – rec onhecer a e xistência de perempção, de litispendência ou de coisa julgada; VI – verificar ausência de legitimidade ou de interesse processual; VII – acolher a alegação de existência de convenção de arbitragem ou quando o juízo arbitral reconhecer sua competência; VIII – homologar a desistência da ação; IX – em caso de morte da parte, a ação for considerada intransmissível por disposição legal; e X – nos demais casos prescritos neste Código. § 1o Nas hipóteses descr itas nos incisos II e I II, a parte ser á intimada pe ssoalmente par a suprir a f alta no prazo de 5 (cinco) dias. § 2 o No caso do § 1o, quanto ao inciso II, as partes pagarão proporcionalmente as custas, e, quanto ao inciso III, o autor será condenado ao pagamento da s despesas e dos honorários de advogado. § 3 o O juiz conhecerá de ofício da matéria constante dos incisos IV, V, VI e IX, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não ocorrer o trânsito em julgado. § 4 o Oferecida a contestação, o autor não poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação. § 5 o A desistência da ação pode ser apresentada até a sentença. § 6 o Oferecida a contestação, a extinção do processo por abandono da causa pelo autor depende de requerimento do réu. § 7 o Interposta a apelação em qualquer dos casos de que tratam os incisos deste artigo, o juiz terá 5 (cinco) dias para retratar-se. 20 Art. 489. São e leme ntos essenciais da sentença: (...) II – os fundame ntos, em que o j uiz analisará a s questões de fa to e de direito. (... )

21 O ato inexistente deveria indicar uma realidade de fato que não chega a penetrar no mundo do direito (Liebman).

13 PROVA Conceito de prova judiciária. Objeto, função e destinatário da prova. Classificação das provas. Meios probatórios: pressupostos e limitações. Natureza do direito probatório. Distribuição do ônus probatório: significado. Critérios formais de distribuição do ônus probatório. Critério material de distribuição do ônus probatório. Dinamização e inversão do ônus da prova. Objeto da prova. Prova de fatos negativos. Prova do direito. Motivos de prova, meios de prova e procedimento probatório. Procedimento probatório: fases ou momentos. Princípios probatórios. Produção antecipada da prova. Sistemas de valoração das provas. Verdade no processo: verdade formal e verdade material

Conceito de prova judi ci ária O vocábulo “ prova” vem do latim “ probatio ”, que significa aprovar, persuadir alguém de alguma coisa. No sentido vulgar, a prova tem o sentido de experiência ou confrontação, quando se fala em prova química, matemática etc. Tem-se distinguido, também, o conceito lógico do conceito jurídico de prova, chamando-se de prova em geral a tudo aquilo que persuade de uma verdade o espírito; e de provajudicial o meio regulado por lei para descobrir a verdade ou estabelecer a certeza de um fato controvertido. Para Amaral Santos, provar é convencer o espírito da verdade a respeito de alguma coisa. No mesmo sentido, Chiovenda, para quem provar é formar a convicção do juiz sobre a existência ou inexistência de fatos relevantes no processo. Na técnica jurídica, o vocábulo pode ser tomado em dois sentidos: objetivo e subjetivo. No sentido objetivo, prova é o meio de demonstrar a existência de um fato jurídico, ou o meio destinado a fornecer ao juiz o conhecimento da verdade dos fatos deduzidos no processo; quando se fala então em prova testemunhal, documental e pericial. No sentido subjetivo, a prova é a convicção que se forma no espírito do juiz quanto à verdade dos fatos. A prova judiciária reúne esses dois caracteres, sendo apreciada como fato e como indução lógica, pelo que Amaral Santos a definiu como “ a soma dos fatos produtores da convicção apurados no processo”. A importância da prova está em que o juiz ou tribunal não pode julgar com base em meras conjecturas ou 1 alegações, mas de conformidade com o alegado e provado pelas partes.

Objeto, função e destinatário da prova A prova judiciária tem um objeto, uma função e um destinatário. O objeto da prova judiciária são os fatos da causa; o fundamento da pretensão deduzida no processo; ou otema robando. Em matéria processual, fato tem um sentido bastante amplo, como todo acontecimento do mundo exterior, alcançando coisas, lugares, pessoas e documentos. Em outros termos, ofato exprime tudo o que não é o direito. A função da prova judiciária é formar a convicção do juiz sobre a veracidade dos fatos alegados pelas partes. Primeiro, ela cria a certeza quanto à existência dos fatos, e, depois, esta certeza, tornada inabalável pela exclusão de

todos os motivos contrários, torna-se convicção (Amaral Santos). Diz-se, então, que um fato está provado, por se ter formado no espírito do juiz a certeza quanto à sua existência. O destinatário da prova judiciária é o juiz, porquanto ela objetiva formar a sua convicção; mas o juiz é apenas o seu destinatário direto, porque os destinatários indiretos são as próprias partes, que precisam ser convencidas, para acolher como justa a decisão.

Clas s ifi cação das provas Malatesta classifica as provas segundo três critérios: I – quanto ao sujeito; II – quanto ao objeto; e III – quanto à forma. I – Quanto ao sujeito, 2 a prova pode ser: a)pessoal; e b) real. a) Aoprova pessoal é aquela que resulta afirmação afeita por uma como o testemunho de quem presenciou um fato, reconhecimento da assinatura numdadocumento, confissão dopessoa, devedoretc. b) A prova real é a atestação emanada de uma coisa das modalidades que o fato probando lhe imprimiu, como a verificação dos instrumentos que serviram à prática de um delito, a averiguação de um dano produzido por incêndio, uma cerca divisória entre dois imóveisetc. II – Quanto ao objeto, a prova pode ser: a) direta; e b) indireta. a) A prova direta é aquela que tem por objeto imediato o próprio fato probando ou que consiste neste mesmo fato, etc. como a prova escrita do contrato, a confissão do devedor da dívida, a narração da testemunha sobre o que presenciou b) A prova indireta, chamada também circunstancial, é aquela que resulta de um fato relacionado com o fato principal, que, da sua existência, se chega à certeza do fato que se quer provar, como os indícios, as presunções etc. III – Quanto àforma, a prova pode ser: a)testemunhal; b) documental; e c) material. a) A prova testemunhal é toda afirmação feita por pessoa capaz, que, direta ou indiretamente, teve conhecimento do fato que se quer provar, como o depoimento da testemunha, o depoimento da parteetc. b) A prova documental é toda representação corpórea de um fato, do qual se srcina uma relação de direito, compreendendo os escritos, plantas, projetos, desenhos, gravações, fotografias, e-mails, mensagens on-line, CD, DVD etc. c) A prova material é toda materialidade que sirva para produzir no espírito do juiz a certeza do fato probando, como o corpo de delito, os exames periciais, os instrumentos do crimeetc. A prova foi também classificada por Bentham, considerando-a quanto ao momento da sua formação, em duas categorias: a) casual; e b) preconstituída. 3 a) A prova casual é aquela que não foi feita com a intenção direta de ser empregada como prova numa causa, como, por exemplo, as cartas, as notas, um livro privado de contas etc. b) A prova preconstituída é aquela consistente num escrito autêntico, feito de acordo com as formalidades legais, para ser empregado como prova numa causa, como uma escritura pública de compra e venda, um recibo de quitação etc. Para Amaral Santos, as provas casuais são as preparadas no curso da demanda, como as testemunhas que assistiram, eventualmente, ao fato, e os documentos que não tenham sido formados para servir de representação do fato probando. São provas preconstituídas, no sentido amplo, as preparadas preventivamente, em vista de sua possível utilização numa futura demanda. Posteriormente, a classificação de Bentham, de prova preconstituída, foi estendida a provas não escritas, como, por exemplo, os sinais que se colocam nos muros divisórios, para atestar a sua propriedade. Esses critérios de classificação das provas têm a vantagem de ser aplicados tanto ao processo civil quanto aos processos penal e trabalhista. Graficamente:

Meios probatórios: pressupostos e limitações Os fatos ocorrem antes do processo e devem ser transportados para dentro do processo de conformidade com as normas processuais; devendo a prova ser colhida pelos meios admitidos em direito e pela forma estabelecida em lei. reprodução objetiva, como o exame da coisa pelo perito A fixação dos fatos no processo pode ocorrer através da sua ou pelo juiz; da sua representação, como a declaração de atos constantes de documentos; ou da suareconstrução histórica, como os depoimentos de testemunhas. 4 A lei estabelece os meios de prova juridicamente admissíveis, e, por esses meios, deverão os fatos ser provados; mas, além desses meios, podem ser aceitos outros, desde que não sejam imorais ou ilícitos. No processo penal, sempre imperou o princípio da liberdade da prova,5 exceto quanto ao estado civil das pessoas (CPP, art. 155, parágrafo único).6 Assim, se o Ministério Público oferecer denúncia contra alguém, pelo crime de 8 não estupro (CP, art. 213),7 e pedir majoração da pena pelo fato de o agente ser casado com a vítima (CP, art. 226, II), poderá o juiz, na hipótese de condenação, exasperar a pena, se não for feita a prova de casado conforme a lei civil. Muitas vezes, o tempo é que exerce influência na produção da prova, pois, se o órgão do Ministério Público ou o 9 não mais poderá fazê-lo. querelante não arrolar as testemunhas na peça inicial da ação penal (CPP, art. 41), No processo civil, todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados pelo Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que se funda o pedido ou a defesa, e influir eficazmente na convicção do juiz (art. 369), imperando, pois, em princípio, a liberdade da prova, com as restrições impostas pela lei. Seriam exemplos de provas proibidas , por não serem moralmente legítimas, a narcoanálise, o soro da verdadeetc. Restrições são agasalhadas, ainda, pelo processo civil, não se admitindo a prova exclusivamente testemunhal, devendo haver começo de prova por escrito, emanado da parte contra a qual se pretende produzir a prova (art. 10444), 11 nem quando a lei exigir, como prova do ato instrumento público (art. 406). Afora as limitações expressamente consagradas na lei, considera-se meramente exemplificativa a enumeração legal, podendo ser admitidos outros meios de prova, como radiografia, impressão digital, fita magnética, fotografia etc.

Natureza do direito probatório Discute-se na doutrina se aprova deve ser tratada pelo direitomaterial ou pelo direito processual . 12 Os antigos processualistas, por considerarem o processo como uma dependência do direito material, entendiam que a matéria de prova deveria ser toda eladiscriminada pelas leis materiais, ficando para o direito processual apenaso modo de sua produção em juízo. Alguns doutrinadores sustentam que as leis processuais não podem definir as provas, mas apenas o meio de serem produzidas em juízo; enquanto outros entendem que as provas devem ser tratadas em toda a sua extensão pelas leis processuais; sendo esta última a posição de Chiovenda, para quem toda a matéria de prova pertence ao direito processual. 13 A tendência dos modernos processualistas é também no sentido de que toda matéria de prova deve ser tratada pelo direito processual. Uma corrente conciliadora considera a matéria de prova de natureza mista, pertencente tanto ao direito material como ao direito processual; cabendo ao direito civil a determinação da prova, a indicação do seu valor jurídico e das condições de sua admissibilidade; reservados ao direito processual os modos de constituir a prova e de produzi-la em uízo.14

Dis tribuiç ão do ônus probatório: s ig nificado O ônus probatório corresponde ao encargo que pesa sobre as partes, de ministrar provas sobre os fatos que constituem fundamento das pretensões deduzidas no processo.

Ônus não é o mesmo que obrigação, mas apenas um encargo que pesa sobre a parte. A obrigação é sempre em relação a alguém, havendo uma relação jurídica entre dois sujeitos, em que a satisfação da obrigação é do interesse do titular do direito. O ônus, por seu turno, é em relação a si próprio, em que satisfazer o ônus é do interesse do próprio onerado. Assim, o devedor tem uma obrigação para com o credor; enquanto o réu tem o ônus da contestação da demanda. A distribuição estática da prova entre as partes é o reflexo doônus probatório que pesa sobre elas, fenômeno processual esclarecido por Goldschmidt, 15 que demonstrou não ser o ônus uma obrigação, mas um encargo que pesa sobre as partes, do qual devem se desincumbir para lograr uma situação mais favorável no processo. Para Amaral Santos, ônus da prova é o dever de provar, mas no sentido denecessidade de provar, ou de fornecer prova destinada à formação da convicção do juiz, quanto aos fatos alegados pelas partes. A distribuição do ônus probatório entre os litigantes objetiva determinar a quem compete provar um fato, no processo, e permitir ao julgador sair de um impasse quando a prova se mostrar inexistente ou insuficiente na hora de proferir a sentença. Essa distribuição da prova entre as partes sofre limitações quando a lide versa sobreinteresses intransigíveis, geralmente identificados comodireitos indisponíveis.

Critérios formais de dis tribuição do ônus probatóri o Várias teorias foram construídas para resolver o tormentoso problema da distribuição do ônus da prova, apoiando-se umas em critérios formais e outras em critérios materiais. Dentre as teorias formais de distribuição do ônus probatório, destacam--se, na Itália, Carnelutti, Chiovenda e Betti. a) Para Carnelutti, o critério para terminar a qual das partes incumbe o ônus da prova é o do interesse na própria afirmação. Para essa teoria, incumbe provar quem tenha interesse em afirmar; pelo que quem apresenta uma pretensão cumpre provar-lhe os fatos constitutivos, e quem se defende cumpre provar osfatos extintivos e as condições impeditivas e modificativas. b) Para Chiovenda, o ônus de afirmar e provar se distribui entre as partes no sentido de que é deixado à iniciativa de cada uma delas fazer valer os fatos que pretenda sejam considerados pelo juiz; ou, noutros termos, que tenha interesse em que sejam por ele considerados como verdadeiros. c) Para Betti, o problema do ônus da prova pressupõe que o acertamento probatório seja governado pelo princípio da iniciativa das partes ou do dispositivo, pois, onde a instrução for governada pelo princípio inquisitivo, a distribuição do ônus da prova não tem razão de ser. Num primeiro plano, pareceria óbvio resolver o problema no sentido de que deve suportar o risco da prova a parte que tenha interesse na prova; mas essa solução se basearia num critério equívoco e imprestável; pois, se, por um lado, o “ interesse da afirmação” é unilateral , no sentido de que cada parte tem apenas interesse em afirmar os fatos positivos que servem de fundamento à ação ou à defesa, por outro lado, o “ interesse na prova”tem caráterbilateral , no sentido de que, afirmado um fato, cada uma das partes tem interesse em fornecer prova a seu respeito: uma tem o interesse em demonstrar a sua existência; a outra, a sua inexistência. Assim, não teria sentido colocar a prova a cargo da parte que 16 tenha interesse em provar, porque esse interesse, embora em direção oposta, têm ambas as partes. Para se chegar a um critério satisfatório, é preciso deslocar a questão do ponto de vista dointeresse para o do ônus da afirmação. A repartição do ônus da prova corre paralela com a repartição do ônus da afirmação ou contestação e do pedido, e se inspira num critério de igualdade entre as partes; entendida essa igualdade no que é compatível com a diferente posição processual das duas partes. Como ao ônus do pedido – ônus da ação e da defesa – se coordena ônus o da afirmação, e ao ônus da afirmação se coordena o ônus da prova. Quem faz valer a pretensão (o autor) tem o ônus de afirmar os fatos que lhe servem de fundamento: por esta afirmação, tem o ônus da prova da ação, em sentido amplo, compreendendo a pretensão e a açãostricto sensu. Igualmente, se quem contesta a pretensão (réu) não se limita a negar a existência dos fatos deduzidos como fundamento dela, negativa pela qual não tem um ônus acessório e consequencial

da contraprova, tem o ônus de afirmar outros fatos, que, sem excluir a existência deles, elidam a eficácia jurídica srcinária ou atual dos mesmos: por esta afirmativa tem um ônus próprio e autônomo deprova da defesa em sentido amplo, ônus sempre subordinado e eventual, em relação ao ônus do autor, porquanto não entra em jogo senão depois que este foi cumprido.17

Critério material de distribuição do ônus probatório O critério material pode deduzir-se do alcance jurídico que o direito substancial atribui aos fatos e às circunstâncias que servem de fundamento à ação e à defesa, tendo sido adotado pelo art. 18 373do novo Código de Processo Civil. A natureza de tais fatos pode hoje considerar-se pacífica na doutrina, compreendendo-se, nesta classificação, os fatos e circunstâncias relevantes para o nascimento, a modificação e a extinção da relação, situação ou estado jurídicos deduzidos em juízo. Os fatos probandos se distinguem em: a) fatos constitutivos do direito; e b) fatos impeditivos, modificativos e extintivos do direito. a) Os fatos constitutivos são aqueles que têm a eficácia jurídica de constituir a relação litigiosa, ou seja, que dão srcem ao direito pretendido. São os fatos cuja afirmação e prova incumbem ao autor, como, por exemplo, na ação de despejo, a relação de locação; na ação reivindicatória, o domínio do imóvel; na reclamação trabalhista, a relação de emprego. O ônus da prova dos fatos constitutivos incumbe ao autor, ou ao réu, apenas na hipótese de vir este a formular edido contraposto, na própria contestação, como permitido, por exemplo, pelo art. 556 do novo CPC. 19 b) Os fatos impeditivos são aqueles que impedem que o fato constitutivo produza os seus efeitos normais ou que lhe são próprios, ocasionando um impedimento, como, por exemplo, a qualidade de menor ou interdito por quem excepciona a própria incapacidade, no momento de contratar; a falta de capacidade civil do vendedor, no contrato de compra e venda. c) Os fatos modificativos20 são aqueles que operam uma modificação no fato constitutivo invocado no processo; ou que tenham a eficácia de modificar o direito do autor, como, por exemplo, a cobrança de cem reais pelo credor, alegando o devedor que lhe foram emprestados apenas cinquenta. d) Os fatos extintivos são aqueles que extinguem a relação jurídica material ou o direito invocado pelo autor, como, por exemplo, o pagamento, a prescrição, o perdão da dívida etc. O ônus da prova dos fatos impeditivos, modificativos ou extintivos do direito do autor incumbe ao réu, ou ao autor, na hipótese de vir o réu a formular pedido contraposto, na contestação, como permitido pelo art. 556 do novo CPC.

Dinamização e inversão do ônus da prova A dinamização do ônus da prova vem consagrada pelo § 1º do art. 373 do novo CPC, com o propósito de temperar a distribuição estática da prova entre as partes, consagrada pelo art. 373, I e II, que atribui ao autor a prova do fato constitutivo do seu direito, e, ao réu, a prova do fatoimpeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor. A distribuição dinâmica da prova, ao contrário da distribuiçãoestática, parte do pressuposto de que o ônus da prova deve ser desempenhado por aquela das partes que, à vista do caso concreto, tem melhores condições de provar, cumprindo ao juiz, diante do litígio posto em juízo, decidir sobre quem deva ser onerado com a produção da prova. A propósito, registra Daniel Mitidiero, que a dinamização do ônus da prova só pode ocorrer mediante o atendimento de suas condicionantes materiais e processuais: do ponto de vista material, requer-se a demonstração de que o caso concreto não pode ser solucionado, sem grave ofensa à paridade de armas, à luz da regra que distribui de maneira fixa o ônus da prova, e que a parte contrária àquela que teria o encargo de provar pode desempenhar o encargo probatório com maior facilidade; enquanto, do ponto de vista processual, requer-se fundamentação específica e atribuição do encargo probatório com a correlata oportunidade de provar, tudo, obviamente, precedido de amplo diálogo pelas pessoas do

uízo.21 Cumpre registrar, por oportuno, que, doutrinariamente, adinamização do ônus probatório não é o mesmo que inversão do ônus da prova, pois dinamizar a prova é atribuí-la a uma das partes, em atenção às circunstâncias da causa, em concreto, de modo que a distribuição se faz de acordo com um critérioformal – da maior facilidade na produção da rova –, e não conforme ocritério material, repartindo, aprioristicamente, ao autor a prova do fato constitutivo do seu direito e ao réu a prova do fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor. Assim, no sistema da dinamização da prova, em princípio, cabe ao autor a prova do fato constitutivo do seu direito, como, por exemplo, exibir os extratos da sua conta de FGTS, mas, em face da dificuldade em obtê-la, porque a CEF se recusa a fornecer esses extratos, deve o juiz determinar que a instituição bancária, na qualidade de demandada, apresente a prova dos fatos constitutivos do direito do demandante. Na prática, contudo, essa dinamização da prova importa em inverter o ônus da prova, que, estando, em princípio, sob o encargo de uma delas, deverá, na verdade, ser produzida pela outra, geralmente àquela a quem o fato a ser provado possa prejudicar. A prova pode ser invertida por decisão judicial, por estar o juiz convicto de ter uma das partes maior facilidade na produção da prova do seu direito, do que a parte que, segundo as regras normais do art. 373, I e II, deveria desincumbirse do encargo de comprovar o fato. A inversão do ônus da prova22 deverá ser determinada pelo juiz, sendo o momento mais adequado aquele em que o uiz decidir sobre as provas a serem produzidas, que é o dosaneamento do processo, quando deverá dizer, expressamente, “ quem deverá provar o quê”, ou seja, se a prova deverá ser produzida pelo autor ou pelo réu (ou por terceiro interveniente) e quais os fatos que serão objeto de prova. O princípio da dinamicidade da prova, embora não tenha sido expressamente contemplado pelo Código de 1973, sempre governou a atividade probatória, pois, sempre que o demandante alegava e demonstrava não lhe ter sido possível a obtenção da prova, por incúria do demandado, o juiz dinamizava a prova, mandando que fosse por este produzida.

Objeto da prova O objeto da prova judiciária são os fatos23 que servem de fundamento à ação e à defesa, e sobre os quais versa a lide. Alguns desses fatos carecem e outros não carecem de prova. Como a atividade probatória é dispendiosa, deve o juiz dirigir o processo de modo a evitar que as partes procrastinem o seu curso, com requerimentos de provas dispensáveis ou protelatórias. Carecem de prova os fatos:a) controvertidos; b) relevantes; ec) determinados. a) Fatos controvertidos são aqueles sobre os quais se instaurou uma controvérsia; que, afirmados por uma das partes, foram negados pela parte contrária; enfim, os fatos contestados, 24 ou seja, não admitidos no processo como verdadeiros. b) Fatos relevantes, também ditos influentes, são aqueles capazes de influir na decisão da causa, ou seja, que tenham alguma relação com a causa ajuizada. c) Fatos determinados são aqueles que se apresentam com características suficientes para distingui-los de outros semelhantes. Não carecem de prova os fatos: a) incontroversos; b) evidentes; c) impertinentes; d) irrelevantes; e) impossíveis; f) indeterminados; g) notórios; e h) possíveis com prova impossível. a) Fatos incontroversos são aqueles a respeito dos quais não houve controvérsia, ou porque, alegados por uma das partes, foram confessados25 pela outra, ou porque, alegados por uma das partes, não foram contestados pela parte contrária. Não se aplica ao processo penal essa regra, em vista da natureza da lide penal, em que os interesses são, geralmente, indisponíveis, predominando o interesse público. 26

b) Fatos evidentes são aqueles que se impõem ao raciocínio, como decorrência natural de outros; sendo, por isso, denominados de fatos intuitivos; pelo que, se um homem fala e se move, não há necessidade de provar que está vivo. c) Fatos impertinentes são aqueles que não pertencem à causa; estranhos a ela; como, por exemplo, o réu querer provar, numa ação de reivindicação, que é credor do autor. d) Fatos irrelevantes ou inconcludentes são aqueles que, embora se refiram à causa, não têm nenhuma relevância ou influência na decisão do juiz; ou que não levam a conclusão alguma; como, por exemplo, se, numa ação indenizatória contra ele proposta, alega o réu que derrubou a mata do autor porque a sua indústria estava prestes a paralisar-se por falta de combustível. e) Fatos impossíveis 27 são aqueles cuja aceitação repugna ao elementar bom-senso, em função dos fatores de espaço e tempo, como, por exemplo, alguém querer provar ter sidoteletransportado para o local do crime. Nessa categoria se incluem os fatos inverossímeis ou inacreditáveis e os que contrariam verdades incontestáveis ou universalmente consagradas: parte étempo, menorodo que olugar todo;nouma coisa não pode ser e não ser ao mesmo tempo; dois corpos não podem ocupar, ao amesmo mesmo espaço. Como a impossibilidade é relativa, porquanto o que foi impossível ontem não é hoje, recomenda a doutrina que, se aparentemente impossível ou inverossímil o fato, o melhor é deixar ao juiz a decisão sobre a admissão da prova. Antigamente, a alegação de que um prédio foi derrubado em questão de segundos era impossível, porque a derrubada levava meses; mas depois que surgiu a “implosão” o prédio vem abaixo em questão de segundos. f) Fatos indeterminados são aqueles cuja indeterminação não permite a produção da prova; como, por exemplo, provar o autor que um semovente seu passou para o pasto do réu, se não puder descrever o animal; provar uma invasão do imóvel sem descrever os seus respectivos limitesetc. g) Fatos notórios são aqueles fatos cujo conhecimento faz parte da cultura de determinada esfera social, no tempo em que ocorre a decisão; não sendo a mesma coisa que fama pública ou opinião pública. Um fato pode ser notório em todo o mundo, como, por exemplo, o dia 25 de dezembro é o dia de Natal; ser notório somente numa região, como, por exemplo, data da festa da uva, no Rio Grande do Sul; ou apenas numa cidade, como a realização da exposição agropecuária de Uberaba, em Minas Gerais. Para ser notório, não é preciso que o fato seja efetivamente conhecido, bastando que possa sê-lo por meio da ciência pública ou comum, como, por exemplo, a consulta de um calendário especializado para saber a época da colheita de café nos Estados produtores.28 Também não é preciso que o juiz tenha contato direto com o fato, para considerá-lo notório. Assim, não pode desconhecer que Santos é uma cidade portuária, apesar de nunca ter estado lá. e) Fatos possíveis com prova impossível são aqueles que são, em si mesmos, possíveis, mas a prova a seu respeito é que é impossível, como, por exemplo, provar comtestemunha ocular um fato ocorrido há cem anos. A impossibilidade da prova pode decorrer: I – de disposição de lei; ou II – da natureza do fato. I) Por disposição de lei, são considerados impossíveis: a) os fatos alegados ao encontro de uma presunção iuris et de iure de veracidade,29 porque a presunção subsistiria, mesmo que se provasse o contrário; como, por exemplo, pretender um terceiro provar que não teve conhecimento do 30 registro da penhora no ofício de imóveis (CPC, art. 844). b) os fatos que não possam produzir consequências jurídicas em razão do seu caráter, como, por exemplo, o cônjuge pretender provar a própria infidelidade conjugal para fundar nele o pedido de divórcio. II – Pela natureza do fato, são considerados impossíveis: a) os fatos cuja prova é vedada por lei, por exemplo, pretender alguém provar com testemunhas um contrato sem começo de prova por escrito (CPC, art. 444);31 b) os fatos cujas condições peculiares impedem a prova por determinado meio; como uma perícia quando a 32 verificação for impraticável, em virtude do caráter transitório do fato (CPC, art. 464, § 1º, III).

Prova de fatos negativos Muito se discutiu sobre a exatidão da fórmula herdada do direito medieval,negativa non sunt probanda, mas a moderna doutrina da prova tem repudiado esse princípio, afirmando que a negativa pode, sim, ser provada. Muitas vezes, o autor funda o seu pedido numfato negativo, como, por exemplo, na ação de acertamento negativo; de repetição de indébito; de ressarcimento de dano por omissão culposa; de extinção de servidão pelo não uso etc. Sobre a máxima negativa non sunt probanda, dizia Chiovenda, em muitos casos não se saberia como aplicá-la, pois toda afirmação é ao mesmo tempo uma negação, e, quando se atribui a uma coisa um predicado, negam-se-lhe todos os predicados contrários ou diversos. Em caso de predicados contrários, isso é evidente, pois quem diz móvel diz não imóvel; quem diz escravo diz não livre; quem diz maior de idade diz não menor. Em nenhum desses casos haveria como saber quem afirma e quem nega, quem deve e quem não deve provar. Mesmo em caso de predicados diversos, embora incerto o predicado que o negador implicitamente afirma, estaria ele em condições de determiná-lo; pelo que não seria possível considerá-lo como negador de modo absoluto, e, por isso, isento de prova. Assim, quem diz que um tecido não é vermelho não deve ser considerado, só por isso, um negador, porque, na realidade, afirma que o tecido tem outra cor, que ele poderia determinar; quem diz que uma casa não está voltada para o Norte diz que a casa tem outra posição, que ele poderia também determinar. A impossibilidade da prova resulta apenas danegativa indefinida ou indeterminada, mas, aí, a impossibilidade decorre do caráter indefinido do próprio fato e não propriamente da prova; sendo impossível alguém provar que nunca viu determinada pessoa na vida.

Prova do direito 33 mas o direito que não precisa ser Em princípio, o direito não carece de prova, pois o juiz conhece o direito, provado é apenas o direito nacional, que vige em todo o território brasileiro, pois seria impossível exigir-se do juiz o conhecimento do direito estadual e municipal de todos os Estados federados e municípios, à exceção daqueles onde é uiz; do direito consuetudinário, fruto dos costumes, que varia de lugar para lugar; e do direito estrangeiro de todos os países do mundo. Para Chiovenda, as normas jurídicas devem ser conhecidas do juiz, não constituindo objeto de prova, no sentido de que a sua falta possa prejudicar qualquer das partes; exceção feita, todavia, quanto às normas que ao juiz cumpra aplicar, no caso de serem provadas, mas que não é obrigado a conhecer, como o direito consuetudinário, direito estrangeiro. Nestes casos, o juiz pode exigir prova do direito, cumprindo o encargo a quem o invoca como fundamento de uma pretensão em juízo, neutralizando a máxima: “ Da mihi factum, dabo tibi ius.”34

Motivos de prova, meios de prova e procedimento probatório Chiovenda distingue entremotivos de prova, meios de prova e procedimento probatório. Os motivos de prova são as alegações ou observações que determinam, imediatamente ou não, a convicção do juiz; como, porpelo exemplo, a afirmação de um fato influente na causa, feita por uma testemunha presencial, oua observação de um dano, juiz, no local do evento. Os meios de prova são as fontes de onde o juiz extrai os motivos de prova, como, por exemplo, a pessoa da testemunha e o local inspecionado. O procedimento probatório é a atividade necessária que põe o juiz em comunicação com os meios de prova ou lhe permite verificar a atendibilidade de uma prova. Em qualquer motivo ou meio de prova é possível distinguir a suaeficácia objetiva e a atendibilidade. Assim, a afirmação de um fato influente na causa, por uma testemunha ocular, é um motivo de prova com grande eficácia objetiva, mas a sua atendibilidade pode ser escassa, se a testemunha for suspeita; o documento particular em que se funda um contrato tem minguada eficácia objetiva, mas, se se vem a reconhecer este documento, será grande a suaatendibilidade;

o instrumento público de que resulta um contrato possui grande eficáciaobjetiva, mas, se inquinado de falsidade, a sua atendibilidade pode desaparecer.

Procedimento probatório: fases ou momentos. Princípios probatórios O procedimento probatório compreendea instrução da causa, que é o conjunto dos atos destinados ainstruir , a informar o juiz, de modo a pô-lo em condições de resolver a controvérsia. São três as fases ou momentos do procedimento probatório: I – proposição da prova; II – admissão da prova; e III – produção da prova. I – Aproposição da prova corresponde ao momento em que as provas são requeridas pelas partes, não só por terem elas interesse em que as suas alegações sejam tidas pelo juiz como verdadeiras, como, sobretudo, porque elas estão em melhores condições de fornecer ao juiz os elementos de convicção. A proposição da provaé ato das partes; devendo, em princípio, o autor propor a sua prova com a sua petição inicial e o réu com a sua contestação. II – A admissão da prova corresponde ao momento em que o juiz vai admiti-la ou não, porquanto a lei lhe faculta indeferir a prova, quando se revele manifestamente inútil ou protelatória. Assim, se o fato só puder ser provado por documento (CPC, art. 406), 35 o juiz não admitirá a prova por outro meio. A admissão da prova éato exclusivo do juiz. III – Aprodução da prova é o momento em que a prova será efetivamente produzida ou exteriorizada no processo. As provas de natureza oral, como depoimentos pessoais, de testemunhas, esclarecimentos de peritos etc., são produzidas em audiência; a prova pericial será produzida antes da audiência; as provas documentais consideram-se produzidas no momento em que são admitidas. A produção da prova éato das partes e do juiz . No procedimento probatório, com prova produzida em audiência, predominam os seguintes princípios informativos da oralidade:36 a) identidade física do juiz r( ectius, pessoalidade do juiz); b) concentração; e c) imediação (ou imediatidade). a) A identidade física do juiz (ou da pessoalidade do juiz ) significa que o juiz deve ser o mesmo do princípio ao fim da causa; pelo que aquele que tiverconcluído a audiência julgará a lide. Tenho preferido falar emprincípio da pessoalidade do juiz , em vez de identidade física, por me parecer que traduz melhor o fenômeno processual que exprime. Este princípio vigora também no processo penal, mas não no processo trabalhista, podendo, neste último, um juiz comandar a fase petitória; outro colher a prova; e um terceiro proferir a sentença. O novo Código de Processo Civil não consagrou esse princípio, que já vinha sendoignorado pelas justiças estaduais no sistema revogado, em que o juiz, depois de concluir a colheita da prova em audiência, em vez de julgar a causa, encaminhava os autos do processo a um órgão, criado inconstitucionalmente ( ) por resolução dos Tribunais de Justiça, denominado Grupo de Sentença (ou de Auxílio, ou de Trabalho), para que profira a sentença; caso em que o uízo instrutor é separado do juízo julgador , malferindo o sistema da oralidade, agasalhado pelo Código. Tudo isso, para cumprir as metas estabelecidas pelo Conselho Nacional de Justiça, em nome da celeridade e da efetividade, o que, no entanto, não assegura às partes uma justiça de melhor qualidade. b) A concentração significa que a prova oral deve ser produzida numa única audiência, ou em poucas audiências, a curtos intervalos, para que não se percam na memória do juiz as impressões deixadas pelas provas colhidas em audiência anterior. c) A imediação (ou imediatidade) exige o contato imediato do juiz com as partes e com provas, traduzindo uma proximidade temporal entre a prova e a sentença. O juiz deve colher diretamente a prova em audiência, com a presença das partes, testemunhas, peritos, assistentes etc., sem intermediários.

Esse princípio vinha sendo relativizado pelas justiças estaduais, no sistema anterior, cujos Tribunais de Justiça criaram por meio deresolução interna (o que éinconstitucional), órgãos denominados Grupos de Sentença (de Auxílio ou de Trabalho), com a única função deproferir sentença nos processos com instrução encerrada, em que o juiz que sentencia não é o mesmo que colheu a prova em audiência. Também aqui o objetivo era cumprir as metas estabelecidas pelo Conselho Nacional de Justiça. Outros princípios interferem no procedimento probatório, como oprincípio dispositivo ou da disponibilidade, que deixa às partes a iniciativa na produção da prova, e oprincípio do contraditório (ou da ampla defesa), que assegura às partes a recíproca participação na produção das provas. Além desses, podem ser citados também os seguintes princípios: a) da unidade da prova; b) da vedação de prova ilícita; c) da comunhão da prova (ou da aquisição processual); d) doin dubio pro reo; f) do livre convencimento do juiz (rectius, persuasão racional do juiz). a – O princípio da unidade da prova significa que os elementos probatórios devem ser considerados no seu conjunto, em vista da sua finalidade, que é formar a convicção do juiz. b – O princípio da vedação da prova ilícita é produto da previsão constitucional de que “ são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos” (CF, art. 5º, LVI). c – O princípio da comunhão da prova significa que, uma vez provado um fato, não se pesquisa a qual das partes cumpria prová-lo; mesmo porque a prova não éda parte, mas do juízo . d – O princípio do “in dubio pro reo” é específico do processo penal, em que, na dúvida sobre fatos e provas, deve a incerteza beneficiar o acusado. e – O princípio do livre convencimento do juiz (rectius, persuasão racional do juiz) permite ao juiz a livre apreciação das provas, mas deverá indicar os motivos que lhe formaram o convencimento; salvo quando a lei impuser restrições probatórias, como, por exemplo, quando a lei exige da substância do ato instrumento público (CPC, art. 406). Assim, a prova da propriedade imóvel só se faz por escrito e por escritura pública devidamente registrada no cartório de registro de imóveis.

Produção antecipada da prova Prescreve o art. 381 do novo CPC: “ A produção antecipada da prova será admitida nos casos em que: I – haja fundado receio de que venha a tornar-se impossível ou muito difícil a verificação de certos fatos na pendência da ação; II – a prova a ser produzida seja suscetível de viabilizar a autocomposição ou outro meio adequado de solução de conflito; III – o prévio conhecimento dos fatos possa justificar ou evitar o ajuizamento de ação. (...)” A produção antecipada de prova consiste, no dizer de Amaral Santos, escrevendo no sistema de 1973, numa simples medida preventiva, conservatória ou assecuratória de um direito, sem objetivar diretamente qualquer litígio, apenas prevenindo-se o interessado contra consequências futuras; ou comopreparatória de ação, para que esta possa ser proposta já com prova possivelmente improduzível no curso do processo; ou como medida cautelar incidente, quando, á havendo ação em juízo, militem razões que justifiquem a prova do fato, nela alegado, antes do momento próprio. Em qualquer dessas hipóteses, o interessado, que ainda não é parte num processo (mas, poderá vir a sê-lo), pode promover a produção antecipada da prova, com o propósito imediato de conservá-la, para uso futuro, sendo, às provas assim produzidas, dado o nome de provas antecipadas ou provas ad perpetuam rei memoriam. A produçãoantecipada de prova, quando requerida em caráterpreparatório, para garantir a prova de um fato numa demanda futura, não importa no exercício de uma verdadeira ação, consistindo num meropedido ou requerimento, em que não existe também processo, mas simples procedimento (art. 382, § 3º), nem defesa ou recurso (art. 382, § 4º), limitando-se a participação do promovido a acompanhar a prova produzida pelo promovente. Humberto Theodoro Júnior, no sistema de 1973, com espeque em Pontes de Miranda, falava emações de antecipação de prova, qualquer que fosse a natureza da futura demanda – que poderia ser de jurisdição contenciosa ou voluntária – e tanto poderiam ser manejadas por quem pretendesseagir como por quem quisesse defender-se.

S is temas de valoração das provas Encerrada a instrução probatória, o juiz terá colhido os elementos necessários para certificar-se da veracidade dos fatos alegados pelas partes, com base nos quais chegará à certeza necessária para proferir a sentença. Após a colheita das provas, o juiz procederá, então, a umavaloração da prova, trabalho este de raciocínio ou inteligência, que deve obedecer a um determinado critério. Atualmente, com a relativização dos princípios da imediação e da identidade física do juiz, levada a efeito pelas ustiças estaduais, com a criação de Grupos de Sentença (ou de Auxílio ou de Trabalho), por resolução dos Tribunais de Justiça, para alcançar as metas de produção estabelecidas pelo Conselho Nacional de Justiça, nem sempre o juiz que colheu toda a prova em audiência será aquele que irá proferir a sentença da causa, podendo sê-lo por um dos grupos ao qual forem encaminhados os autos; com o que um órgão judiciário instrui o processo e outro distinto profere o ulgamento. Tem-se notícia de pelo menos três sistemas de avaliação das provas: a) sistema positivo; b) sistema de íntima convicção; e c) sistema da persuasão racional. a) O sistema positivo, também dito sistema legal, vigorava quando as provas tinham um valor prefixado pela lei, em que ao juiz cabia apreciá-las de acordo com a eficácia que a lei lhes atribuía, podendo ser pleníssimas, plenas e semiplenas. Nessa época, havia uma tarifação das provas, competindo ao juiz, simplesmente, verificar se o fato, segundo a lei, estava ou não provado, pouco importando que a sua consciência ditasse o contrário. Esse critério transformava o juiz num mero verificador de provas e foi adotado pelo processo medieval. Máxima deste sistema era o Testis unus, testis nullus (Uma testemunha, nenhuma testemunha). Apesar de não adotado, na sua pureza, o Código de Processo Civil dispõe que, quando a lei exigir instrumento público, como da substância do ato, nenhuma outra prova, por mais especial que seja, pode suprir-lhe a falta (art. 406). Esse preceito é resquício das provas legais. O sistema convicção permitia verdade decorressepessoais não só das provasnão produzidas pelasb)partes, mas da do íntima conhecimento pessoal queque ele atinha dos buscada fatos e aspelo suasjuiz impressões da causa; sendo obrigado a dar os motivos do seu convencimento, podendo julgar de acordo com a prova dos autos, fora da prova dos autos e até contra a prova dos autos. Este sistema preside, ainda hoje, o julgamento pelo tribunal do júri, em que os jurados proferem o seu veredicto de acordo com as suas consciências Ex ( informata constientia),37 não podendo dar os motivos da sua decisão. c) O sistema da persuasão racional procura conciliar as virtudes dos dois anteriores, sendo um sistema misto, sem a rigidez do sistema positivo ou legal e sem o arbítrio e a incerteza do sistema da íntima convicção. Por este sistema, o juiz forma a sua convicçãopela livre apreciação das provas, mas a sua convicção, embora livre, deve ser fundamentada. O convencimento do juiz fica condicionado aos fatos nos quais se funda a controvérsias, às regras legais e às máximas da experiência; convicção livre, mas fundamentada, consoante a prova produzida no processo. O juiz pode julgar procedente a demanda com base no depoimento de uma única testemunha, contra o depoimento de várias outras, devendo dizer por que aceitou e por que recusou a versão dos fatos por elas narrados em juízo. Este sistema resulta em garantia das partes, porque elas terão, na fundamentação, os melhores motivos para verificar o acerto ou desacerto da sentença; garantia do juiz, porque fundamentando a sentença, estará acobertado contra qualquer arguição de arbítrio ou parcialidade; e garantia do Estado, que quer que a lei, expressão da sua vontade, seja aplicada corretamente.

Verdade no processo: verdade formal e verdade material A atividade jurisdicional se destina à aplicação da lei, como expressão da vontade do Estado, resolvendo o conflito de interesses, e compondo a lide.

Como o juiz não julga com base em meras alegações, mas com base em fatos provados, o instrumento que se coloca à disposição das partes para a demonstração da veracidade de suas alegações prova é a , no sentido objetivo, cuja função é criar no espírito do juiz, subjetivamente, a certeza da existência ou inexistência dos fatos alegados no processo, no sentido subjetivo. Os fatos em que se baseiam as pretensões das partes constituem o objeto da prova ou otema probando; só excepcionalmente se prova o direito. Tendo o juiz por ofício aplicar a lei ao caso concreto, precisa saber da verdade, para decidir com justiça a causa. No processo, a verdade é pesquisada segundo dois sistemas: a) da verdade formal; e b) da verdadematerial. A verdade formal é aquela que resulta do processo, embora possa não encontrar exata correspondência com a realidade. Assim, deixando o réu de impugnar determinado fato alegado pelo autor, este se torna incontroverso, e o 38 Se o autor afirma que o fato ocorreu num autor, que deveria prová-lo, fica isento do ônus da prova (CPC, art. 341). dia

chuvoso, e o réu deixa de impugná-lo, pouco importa que, naquele dia, o sol tenha rachado o asfalto. Expressão desse sistema é a máxima: “Quod non est in actis, non est in mundo”,39 substancialmente temperada, nos ordenamentos processuais modernos, pela maior soma de poderes conferidos ao juiz na pesquisa da verdade. A verdade material é aquela a que chega o juiz, reveladora dos fatos tal como historicamente aconteceram, e não como querem as partes que tenham acontecido. Segundo a doutrina, os processos civil e trabalhista seriam informados peloprincípio da verdade formal; enquanto o processo penal seria informado peloprincípio da verdade material. Ao contrário do que se supõe, averdade material não é privativa do processo penal, sob pena de serem os demais processos tachados de aspirantes a falsários (Garcia-Velasco). Na verdade, o que acontece é que, no processo civil, a disponibilidade dos interesses em litígio faz com que apareça como verdadeiro aquilo que é verdade apenas em parte, ou não é verdade de modo absoluto; enquanto, no processo penal, ao contrário, chega-se mais facilmente à verdade material, em face das características singulares do processo penal.

Bibliografia ARRUDA ALVIM, José Manuel de.Curso de direito processual civil . São Paulo: RT, 2001. v. II. BENTHAM, Jeremias. Tratado de las pruebas judiciales . Buenos Aires: EJEA, 1971. v. 1. BETTI, Emilio. Diritto processuale civile italiano. Roma: Foro Italiano, 1936. CALAMANDREI, Piero. La definizione del fato notorio. In:Rivista de Diritto Processuale Civile, v. I. ______. Estudios sobre el proceso civil . Buenos Aires: EJEA, 1979. v. III. CARVALHO, Luiz Antônio da Costa.Curso theorico e pratico de direito judiciário civil. 2. ed. Rio de Janeiro: A Coelho B. Filho, 1973. v. II. CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1969. v. III. ______. Princípios de derecho procesal civil . Buenos Aires: REUS, 1977. v. 1. FENECH, Miguel. El proceso penal. Barcelona: Labor, 1972. GARCIA-VELASCO, M. I. Curso de derecho procesal penal. Madrid: Universidade de Madrid, 1969. GOLDSCHMIDT, James. Princípios generales d el p roceso. Buenos Aires: EJEA, 1961. v. 1. GUSMÃO, Manuel Aureliano de.Processo civil e comercial. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1934. LOPES DA COSTA, Alfredo de Araújo.Direito p rocessual civil brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, 1959. v. III. MAGALHÃES, Humberto Piragibe. Prova em processo civil. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1976. MALATESTA, Nicola Framarino dei.La lógica de las pruebas en matéria criminal. Bogotá: Temis, 1975.

MITIDIERO, Daniel. Colaboração no processo civil – Pressupostos sociais, lógicos e éticos. São Paulo: RT, 2009. NORONHA, Edgar Magalhães. Curso de direito processual penal . São Paulo: Saraiva, 1978. PONTES DE MIRANDA. Comentários ao Código de Processo Civil. Rio de Janeiro: Forense, 1959. v. VIII. REZENDE FILHO, Gabriel José Rodrigues de.Curso de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1963. v. II. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. São Paulo: Saraiva, 2009. v. II. THEODORO JÚNIOR, Humberto. Comentários ao Código de Processo Civil. Rio de Janeiro: Forense, 1978. v. V. TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo penal. São Paulo: Saraiva, 2001. v. III.

1

“ Idem est et non esse et non probari”: “Não ser e não provar é a m esma coisa.”

2

Sujeito da prova é a pessoa ou coisa que atesta o fato probando. Quando os fatos deixam vestígios, a coisa será sujeito da prova. Quando deixam meras lembranças, a sua reconstituição será possível através de testemunha, quando, então, a pessoa será o sujeito da prova.

3

Bentham registra ter sido o inventor da locução “preconstituída” e que hesitou entre duas denominações – “prova preestabelecida” ou “prova preconstituída” – preferindo esta última , porque m elhor tra duz que são obra do legislador, que a s ordena por pre vidência.

4

Exem plos: depoimento pessoal, confiss ão, docum entos, testem unhas, perícia, inspeção j udicial.

5

Vigorando, no processo penal, o princípio da verdade real, não pode haver limitações à prova, sob pena de ser desvirtuado aquele interesse do Estado na justa atuação da lei.

6

Art. 155. (...) P ará grafo único. Somente quanto ao estado das pessoas serão observada s as restrições estabelec idas na lei civil.

7

Art. 213. Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso: (...).

8

Art. 226. A pena é aumentada: II – de metade, se o agente é (...) cônjuge (...)

9 Art. 41. A denúncia queixa conterá a exposição do fato criminoso, com todasnecessário, as suas circunstâncias, a qualificação do acusado ou esclarecimentos pelos ou quais se possa identificá-lo, a classificação do crime e, quando o rol das testemunhas. 10 Art. 444. Nos casos em que a lei exigir prova escrita da obrigação, é admissível a prova testemunhal quando houver começo de prova por escrito, emanado da parte contra a qual se pretende produzir a prova. 11 Art. 406. Quando a lei exigir instrumento público, como da substância do ato, nenhuma outra prova, por mais especial que seja, pode suprirlhe a falta. 12 Não é o fato de a norm a sobre prova estar no Código Civil que determina a sua nature za de norm a substancial. 13 Chiovenda admite a existência de um direito processual substancial e um direito processual formal, nestes termos: “Se bem que habitualmente se contraponha a lei substancial à lei processual, seria um erro acreditar que a lei processual tenha sempre caráter formal. A norma que concede a ação não é formal, porque garante um bem da vida, o qual não poderia, de outro modo, ser conseguido, senão no processo, mas é processual, porque se funda sobre a existência do processo e de ste deriva.” 14 A prova não interessa só ao direito processual, mas, também, ao direito material. Muitas vezes, são produzidas provas sem que haja qualquer litígio atual, ou mesmo, sem que se saiba se haverá litígio futuro. É imposta forma especial, como sendo da substância do ato, em muitos casos. 15 Para Goldschmidt, dentre as situações ocorrentes no processo, existe uma que traduz uma situação de encargo, correspondente à situação de ônus em que se encontra a parte, tendo que praticar um ato processual para prevenir um prejuízo no processo, e uma eventual sentença desfavorá vel, como, por e xem plo, o ônus de produzir provas. 16 Para Betti, o que se deve considerar, pois, não é tanto o interesse , mas o ônus da afirmação e da prova. Para o réu, isso acontece somente quando o “não afirmar” e “não provar” lhe traria prejuízo; mas isso só acontece quando o autor haja provado os fatos idôneos para constituir o direito que reclama, de forma que o juiz deveria acolher a sua demanda, se o adversário não afirmar e provar fatos que obstruam o acolhimento. Enquanto tal não aconteça, o réu pode limitar-se a negar pura e simplesmente, mesmo no caso de negação indireta, ou seja, de afirma ção de um fato incompatív el com aquele afirmado pelo auto r; ele não tem, por enquant o, a nece ssidade de provar o fato que afirma , porque a sua afirmaç ão é feita só para negar a existência do fa to deduzido pelo autor c omo fundamento da sua dem anda. 17 Entre o ônus da afirmação e o ônus da prova existe, no geral, uma coordenação rigorosa. Somente em tema de fatos notórios – onde, de resto, o ônus da afirmação se atenua pela possibilidade que tem o juiz de considerá-los, ainda que não venham provados – a coordenação diminui, e, quanto ao ônus da prova, ce ssa de todo.

18 Art. 373. O ônus da prova incum be: I – a o autor, quanto ao fa to constitutivo de seu direito; II – a o ré u, quanto à existência de f ato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor. (...) 19 Art. 556. É lícito ao réu, na contestação, alegando que foi o ofendido em sua posse, demandar a proteção possessória e a indenização pelos prejuízos resultantes da turbaç ão ou do esbulho cometido pelo autor. 20 São modificações referentes ao sujeito do direito ou objeto do direito. Subjetivas – o autor cobra os dividendos de cotas (ações) e o réu alega que parte dessas cotas foi alienado para outra pessoa. Objetivas – o devedor alega que o credor por aluguéis recebeu um título cambial pro soluto (como quitação), e, assim, modifica-se a natureza do direito creditório. 21 Na doutrina, não é pacífica essa teoria da distribuição dinâmica do ônus probatório entre a s partes, sustentando Emilio Betti que o problem a do ônus da prova pressupõe que o acertamento probatório seja governado pelo princípio da iniciativa das partes (dispositivo), pois onde a instrução f osse governada pelo princípio inquisitivo (ou inquisitório) – em que a determ inação da prova cabe ao j uiz, de ofício –, a distri buição do ônus da prova não teria razão de ser. BETTI, Emilio. Diritto Processuale Civile Italiano . Roma: Foro Italiano, 1936. p. 333. 22 Há j uízes que não entend em nada de inversão do ônus da prova. Certa feita, demandando contra um Banco, pedi ao juiz essa inversão, mas ele resolveu julgar a ação improcedente ao fundamento de que eu não havia fornecido prova a respeito do meu direito. A sentença foi tão absurda que o Banco resolveu atender a tudo que eu havia pedido, e que a sentença negara, inclusive a reparação do dano moral. Isso confirm a, m ais uma vez, que “quando o j uiz quer, quer, e quando não quer, não quer” , pouco importando o que di sponha a lei. 23 Os fatos, doutrina Am ara l Santos, são entes, são figuras, são objetos, com limites, quali dades, ca rac terísticas, que os separam , os difer enciam , os distinguem de outros fatos, indivíduos ou coisas. 24 Embora não contestados, pode acontecer que deva ser dada prova dos fatos em determinadas circunstâncias, o que se verifica: a) quando reclamada pelo juiz para o fim de formar com mais segurança o seu convencimento; b) quando a lide versa sobre direitos indisponíveis ( rectius, interesses intransigíveis), como nas ações de anulação de casamento; c ) quando a lei exige que a prova do ato jurídico se revista de forma especial (prova da propriedade imobiliária, do direito real de garantia, do casamento, da separação judicial etc.). 25 Confessar é admitir como verdadeiro um fato contrário ao próprio interesse. 26 No processo penal, o fato a dmitido ou aceito com o verdadeiro é objeto de prova. Miguel Fene ch, depois de dizer que, no processo civil, a admissão expressa de um fato isenta de prova, acrescenta que “no processo penal, ao contrário, em virtude da vigência dos princípios da investigação oficial e da verdade material, o julgador deve chegar à verdade dos fatos tal como ocorreram historicamente e não como querem as partes qu e apar eçam realizados”. 27 Gabriel de Rezende Filho considera , na categoria dos fatos impossíveis, os fatos pos síveis cuj a pr ova é impossível. 28 Bentham era contra a inexigibilidade de prova do fato notório, afirmando ser a notoriedade uma palavra suspeita, que não passa de um pretexto para quem não possui prova. 29 “De direito e por direito”; é a pr esunção legal absolut a. 30 Art. 844. Para presunção absoluta de conhecimento por terceiros, cabe ao exequente providenciar a averbação do arresto ou da penhora no registro competente, mediante apresentação de cópia do auto ou do termo, independentemente de mandado judicial. 31 Art. 444. Nos casos em que a lei exigir prova escrita da obrigação, é admissível a prova testemunhal quando houver começo de prova por escrito, emanado da parte contra a qual se pretende produzir a prova. 32 Art. 464. A prova pericial consiste em exame, vistoria ou avaliação. § 1º O juiz indeferirá a perícia quando: (...) III – a verificação for impraticável. 33 Iura novit curia. 34 “Dá-me os fatos, dar-te-ei o direito.” 35 Art. 406. Quando a lei exig ir instrume nto público c omo da substância do ato, nenhuma outra prova, por m ais especial que sej a, pode suprir-lhe a fa lta. 36 O processo se diz oral quando informado pelos princípios: da imediação; da identidade física do juiz; da concentração e da irrecorribilidade dos interlocutórios. 37 Pelos ditames da sua consciência. 38 Art. 341. Incumbe também ao réu manifestar-se precisamente sobre as alegações de fato constantes da petição inicial, presumindo-se verdade iras as não im pugnadas, salvo se: (...) 39 O que nã o existe nos autos não exist e no m undo.

14 SENTENÇA Introdução ao estudo da sentença: atos ordinatórios e atos decisórios. Conceito de sentença. Gênese lógica da sentença. Natureza da atividade judicial na emissão da sentença. Função da sentença. Sentença como ato processual e como fato processual. Efeitos da sentença. Classificação da sentença. Requisitos ou elementos essenciais da sentença. Efeitos da sentença na interferência das jurisdições.

Introdução ao estudo da sentença: atos ordinatórios e atos decisórios O procedimento se desenvolve, no processo, através de atos das partes e do juiz, ligados pela unidade de escopo a ser alcançado, que é a resolução da lide; sendo que todo processo é informado pelo princípio do impulso oficial, pouco importando a natureza do direito controvertido. Como condutor do processo, o juiz é o sujeito que mais pratica atos processuais no curso do procedimento. Os atos processuais do juiz podem ser de dupla natureza: I – ordinatórios; e II – decisórios. 1) Os atos ordinatórios são aqueles que dão andamento ao processo, permitindo o seu desenvolvimento. 2) Os atos decisórios se constituem de provimentos emanados do juiz, quer sobre questões processuais, quer sobre o mérito. Os atos do juiz foram classificados por Liebman em: a) despachos ordenatórios; b) despachos interlocutórios; c) decisões terminativas; e d) decisões definitivas. a) Os despachos ordenatórios, ditos também despachos de expediente, são os que dispõem sobre o andamento do processo; sendo exemplos, no direito brasileiro, os despachos de juntada de documento, de vista dos autos, de notificação (rectius, intimação) de testemunha, de designação de audiênciaetc. b) Os despachos interlocutórios são os que decidem as questões controvertidas relativas à regularidade e à marcha do processo, sem lhe pôr fim; sendo exemplos, no direito brasileiro, os despachos de rejeição de ilegitimidade de parte; de rejeição de extinção do processoetc. c) As decisões terminativas são aquelas com as quais o juiz põe fim ao processo por um defeito de constituição ou de procedimento, ou por qualquer outro motivo que torne impossível a decisão da lide; sendo exemplos, no direito brasileiro, as decisões de declaração de ilegitimidade de parte ativa; de acolhimento de perempção, de litispendência, de coisa julgada etc. d) As decisões definitivas são as que decidem, no todo ou em parte, o mérito da causa, recebendo o nome de sentenças em sentido estrito; sendo exemplos, no direito brasileiro, as sentenças que julgam a ação procedente ou improcedente. O ordenamento processual brasileiro não adota a expressão despachos interlocutórios, mas decisões interlocutórias, nem decisões terminativas e decisões definitivas, englobando ambas sob a denominação desentença. Na esfera do Código de Processo Civil, os atos processuais do juiz consistem em: I – sentença; II – decisão interlocutória; e III – despacho. I – Sentença é o pronunciamento por meio do qual o juiz, com fundamento nos arts. 485 e 487, põe fim à fase cognitiva do procedimento comum, bem como extingue a execução (art. 203, § 1º).

II – Decisão interlocutória é todo pronunciamento judicial de natureza decisória que não se enquadre no § 1º (art. 203, § 2º). Essas decisões podem ter conteúdo meramente processual, quando se tem umainterlocutória processual, como as que resolvem sobre os pressupostos processuais, sobre as condições da ação etc.; e também conteúdo substancial ou material, quando se tem umainterlocutória de mérito, como as que concedem ou denegam tutelas de urgência. III – Despachos são todos os demais pronunciamentos do juiz praticados no processo, de ofício ou a requerimento da parte (art. 203, § 3º).

Conceito de sentença No direito romano, a sentença (sententia ) era apenas a sentençadefinitiva, ou seja, a decisão emanada do juiz que, acolhendo ou rejeitando a demanda, punha fim à contestabilidade de um bem da vida; era o provimento do juiz que resolvia sobre o pedido do autor, definindo a lide com a atuação da vontade da lei. Todos os demais provimentos do uiz no processo recebiam o nome de interlocutórias interlocutiones ( ).1 No processo medieval, essa clareza do conceito foi obscurecida pela influência do processo germânico, sendo chamada sentença não somente adecisão de fundo ou de mérito, mas, também, as decisões sobre questões processuais incidentes, no curso do processo, surgindo daí a distinção entresentença interlocutória e sentença definitiva. A ideia de sentença é incompatível com a de interlocução, pois aquela tem por objetivo final julgar o pedido do 2 logo, apoiam-se em noções que se autor; enquanto esta visa precisamente a preparar a decisão final (a sentença); excluem, pois a interlocução é antecedente, que tem na sentença o consequente. O vocábulo sentença vem do latim “ sententia ”, derivada do verbo “sentire”, traduzindo o que o juiz sente ao decidir a causa. A sentença é dos mais importantes atos do juiz, e o de maior relevância, porque coroa todo o procedimento, constituindo-se no último ato do processo, com o qual o juiz termina o ofício jurisdicional. Em doutrina, Amaral Santos define a sentença comoo ato pelo qual o juiz decide a lide, encerrando o processo e cumprindo a obrigação jurisdicional devida pelo Estado . É justamente este o conceito romano de sentença. Atualmente, recebe também o nome de sentença o provimento do juiz que resolve (decide) a lide, sem encerrar o rocesso, que prossegue para fins de “cumprimento” da sentença(CPC: art. 487).3

Gênes e l ógica da s entença Produzidas as provas pelas partes ou determinadasde ofício pelo juiz, encerra-se a fase instrutória, após o que o uiz, trabalhando com os elementos de convicção colhidos no processo, proferirá a sentença que porá fim ao litígio, garantindo a paz social e a supremacia da norma de direito. A sentença, do ponto de vista lógico, corresponde a umsilogismo, em que a premissa maior é a norma legal a ser aplicada; a premissa menor é o fato ou a situação de fato; e aconclusão é a norma concreta que se extrai da submissão do fato à norma. Destarte, prescreve o art. 186 do Código Civil que: “Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência, imprudência, violar direito e causar dano a outrem ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.” É premissa a maior. O juiz verifica que Pedro, por negligência, causou dano a João. É apremissa menor. Logo, Pedro deve reparar o dano causado a João. É a conclusão. subsunção, que Lalande define comoo enlace A essa operação, de submeter os fatos ao crivo da lei, chama-se lógico de uma situação particular, específica e concreta, com uma previsão abstrata, genérica e hipotética contida na lei. Para Ugo Rocco, da sentença pode constar, e consta normalmente, uma série de silogismos.

Observa Amaral Santos que, na sentença, não se contém um único silogismo, pois o juiz desenvolve um trabalho lógico e complexo, formulando vários silogismos, servindo-se de uns para formular outros, e assim sucessivamente, até chegar à conclusão final, que será a decisão (a sentença) da causa. Por isso, Couture definiu a sentença como “ um fato lógico, resultante da crítica que o juiz faz dos fatos e do direito, para chegar a uma conclusão”.

Natureza da atividade judicial na emissão da sentença Quando se trata da natureza da atividade judicial na emissão da sentença, pretende-se resolver a tormentosa questão de determinar se a sentença é um ato de inteligência ou apenas um ato de vontade do juiz. 4 Parte da doutrina sustenta que a sentença é um simplesato de inteligência do juiz, não havendo nela nenhuma declaraçãopelo de vontade, sendo o seu trabalhodeclarada reduzidoéaaum concreto; que, na sentença, a vontade da puro lei. juízo lógico, sobre a aplicação da norma legal ao caso Outra teoria sustenta que a sentença contém não só um juízo lógico, mas, também, umato de vontade do juiz, como órgão do Estado; e, por ser um ato de vontade de um órgão estatal, se concretiza numcomando, que o juízo do uiz se distingue do juízo de um simples particular.5 Para Alfredo Rocco, o elemento essencial e característico da sentença é o juízo lógico, isto é, a sentença é essencialmente um ato de inteligência do juiz , com o que não se exclui que possam existir sentenças nas quais concorra também o outro elemento; e que, por isso, constituam, também, atos de vontade do juiz,6 como são as condenatórias. O que se afirma é tão somente que podem existir sentenças, nas quais o ato de vontade não esteja presente, e que se exaurem numa pura operação lógica; pelo que só o elemento lógico é essencial ao conceito de sentença. A norma jurídica pressupõe um juízo lógico do órgão do qual emana, sendo essencialmente um ato de vontade, ou, precisamente, um comando dirigido pelo Estado aos particulares. Sendo uma norma abstrata, este comando deve ser concretizado, ou seja, traduzido de forma concreta pelo juiz na sentença. Mas, nessa operação, o juiz não acrescenta nenhuma vontade própria à vontade já manifestada pelo órgão legislativo; apenas realiza uma pura operação lógica ou um silogismo em que, sendo a premissa maior a norma geral, e a premissa menor, o caso concreto, deduz-se norma a de conduta a seguir no caso particular. Nessa operação, o juiz não exprime nenhuma vontade própria, mas, simplesmente, manifesta o próprio juízo sobre a vontade do órgão legislativo, no caso concreto; pois o Estado já afirmou a sua vontade, no exercício da função legislativa, não havendo necessidade de afirmá-la, uma segunda vez, no exercício da função jurisdicional. A sentença não contém, portanto, outra vontade senão a da lei, traduzida em forma concreta por obra do juiz; e nisso não se tem um ato de vontade, mas somente ato de inteligência do juiz. Respondendo às críticas de que, se a sentença fosse um simplesato de inteligência, não se distinguiria do parecer de um particular, com a única diferença de ser um parecer emitido pelo Estado, observou Alfredo Rocco que a operação do juiz não é substancialmente diversa daquela de qualquer particular que quer deduzir da norma geral a norma particular do caso concreto. O que diferencia a sentença do juiz do parecer de um particular não énatureza a da atividade desenvolvida para se alcançar a formulação do juízo, mas diverso o valor do juízo, ou seja, a diversa eficácia jurídica do produto daquela atividade. Isso porque o direito objetivo reconhece à sentença do juiz uma força obrigatória que não possui o parecer de um particular; sendo a sentença produto da atividade intelectual do juiz, a que a lei acrescenta esse determinado efeito. Para Chiovenda, a lei possui uma vontade, sendo essa vontade, que se contém em abstrato na lei, posta pelo juiz em situação de ser aplicada ao caso concreto; pois, aplicando a lei ao caso concreto, o juiz, como órgão do Estado, emite um comando, que qualifica a sentença como ato de vontade do juiz, como órgão estatal, em face daquilo que a lei 7 exprime. Por ser um ato de vontade de um órgão do Estado é que a sentença se diferencia do parecer de um particular. Mas a sentença não é um ato de vontade inteiramente autônoma do juiz, masconforme a vontade expressa na lei. Lopes da Costa sustenta que a leié a sentença em tese, enquanto a sentença é a lei em concreto; uma e outra se completam. Na sentença, há um elemento lógico e um elemento volitivo, não podendo haver sentença que não seja, ao

mesmo tempo, produto da razão e da vontade. Sem o elementovolitivo, a sentença não teria força obrigatória; e, sem o elemento racional, seria fruto do puro arbítrio, que é a negação do direito. Portanto, a sentença “é um ato da inteligência, que termina por um ato de vontade”.

Função da sentença A doutrina se divide quando se trata de determinar se a sentença tem função simplesmentedeclaratória ou, também, criadora do direito. Poderia parecer, à primeira vista, que, resolvida anatureza da atividade judicial ao emitir a sentença , estaria resolvido o impasse doutrinário sobre a função que a sentença cumpre na ordem jurídica; mas, infelizmente, não está. Numa análise superficial, poder-se-ia supor que os que admitem a sentença como um ato da inteligência entendam que a sua função sejadeclaratória, e os que veem nela um ato de vontade entendam que sua função sejacriadora do direito; mas também não é assim, porquanto muitos adeptos da teoria da vontade sustentam que a sentença simplesmente declara o direito. Para Bülow, a sentença cria o direito objetivo, na medida em que as abstratas e hipotéticas disposições de lei são por si só impotentes para regular as concretas relações da vida social. Toda questão de direito apresenta um problema urídico que não está resolvido, de imediato, pela lei; pois somente a sentença dá anorma individualizada para o caso particular. A lei fornece somente um esboço para a construção da norma concreta. Para Carnelutti, também, o direito objetivo não tem condições para disciplinar todos os conflitos de interesses ocorrentes no meio social, sendo necessário, muitas vezes, o processo para acomplementação dos comandos da lei. O 8 Os comando contido na lei é incompleto; é como se fosse um arco, que a sentença completa, transformando em círculo. direitos subjetivos e as obrigações só nascem efetivamente quando existe uma sentença a respeito. Para Mortara, a sentença cria o direito subjetivo, porquanto, antes da emissão da sentença, o que existe é uma simples pretensão; mas a sentença não cria do nada um direito subjetivo, apenas conferindo força e efeitos de direito subjetivo a essa pretensão, sob a forma de ação ou de defesa. A maioria da doutrina, porém, sustenta que a função da sentença é simplesmentedeclaratória do direito. Para Chiovenda, a sentença nada cria, mas apenasdeclara a vontade concreta da lei, na medida em que atua vontade de lei preexistente. O processo não se presta a tornar concreta a vontade da lei, pois essa vontade já se formou como vontade concreta, antes dele – por exemplo, quando o autor celebrou um contrato com o réu –; mas apenas declarar essa vontade e efetivála na prática, traduzindo-a em ato, na sentença, com o acolhimento ou rejeição da demanda. Para Alfredo Rocco, também, o elemento essencial e característico da sentença é o juízo lógico; orientando-se no mesmo sentido Ugo Rocco, para quem a função jurisdicional não comete ao juiz a criação da lei, senão a declaração de certeza de relações jurídicas existentes. Para Amaral Santos, a função da sentença se limita a declarar a vontade da lei; e, mesmo nos casos em que não se encontra nela, com precisão, a regra jurídica a aplicar-se, cumpre ao juiz interpretá-la conforme os princípios de hermenêutica, e, assim, extrair da norma interpretada aquela a fazer valer no caso concreto. Assim, a sentença declara o direito previsto na norma interpretada, tendo também função declaratória. Nas hipóteses de lacunas da lei, o juiz, guiando-se pela analogia, pelos costumes e pelos princípios gerais de direito, formula a norma abstrata a aplicar ao caso concreto; o que não significa dizer que ele cria o direito, mas apenas declara uma norma jurídica existente, embora em estadopotencial no sistema jurídico. Para Unger, a função da sentença é declaratória; mas, quando falta a disposição de lei aplicável ao caso concreto, o uiz tem que se socorrer da analogia, dos costumes e dos princípios gerais de direito, hipóteses em que desenvolve uma atividade similar à legislativa, de formação do direito, criando odireito judicial. Esta não é a função normal da sentença, mas acidental, anormal. O direito judicial é diverso do direito legislado, pois só vale para o caso concreto, enquanto a lei vale para todos os casos da mesma espécie.

S entença como ato proces s ual e como fato proces s ual. Efeitos da s entença A sentença é o ato com o qual o juiz põe fim à atividade jurisdicional do Estado, solucionando a lide, mediante a atuação da lei; sendo o ato culminante do processo. A sentença adquire existência comoato jurídico processual a partir do momento em que é publicada, pois, antes desse momento, não passa de simples ato do juiz, que pode ser desfeito ou modificado. A publicação da sentença converte-a, de simplesato do juiz , em ato jurídico processual , com relevância jurídica no processo. O vocábulo “ publicação” tem, aqui, um sentido técnico, traduzindo o momento em que é dado a público o conhecimento do teor da sentença. O juiz pode proferir a sentença em seguida à conclusão da audiência de instrução, na própria audiência, ou noutro momento, no prazo (dez dias) assinalado pela lei, para esse fim, caso não se sinta em condições de prolatá-la desde logo. Quando o juiz profere a sentença na própria audiência, ela adquire a consistência de ato decisório, como ato jurídico rocessual, no momento em que é lançada no processo; pelo que a sentença verbalmente proferida se tem por publicada na audiência; caso em que o termo de audiência documenta a publicação. A sentença proferida fora da audiência adquire consistência de ato processual, quando da sua juntada aos autos, integrando-se ao processo; pelo que o termo de juntada documenta a publicação. No processo trabalhista, o sistema é idêntico, tendo-se por publicada a sentença na própria audiência em que for proferida (CLT, art. 834). No processo penal, a sentença será publicada em mão do escrivão, que lavrará nos autos o respectivo termo, registrando-a em livro especialmente destinado a esse fim (CPP, art. 389). Como ato processual, a sentença produz efeitos principais, que se manifestam em razão do pedido da parte e de pronunciamento expresso do juiz. Mas, além dos efeitos principais, outros decorrem da sentença, efeitos de ordemsecundária, que dela resultam como fato processual, sem que seja necessário pedido da parte ou pronunciamento expresso do juiz a respeito. Assim, a sentença que anula o casamento produz o efeito de dissolver a comunhão de bens; a mulher, condenada na ação de divórcio, perde o direito de usar o nome do marido; a sentença condenatória produz a hipoteca judiciária etc.

Class ific ação da se ntença A sentença é classificada em doutrina sob variados aspectos, sendo a mais relevante a que a classifica em vista da natureza da prestação jurisdicional concedida, podendo ser: a) declaratória;b) constitutiva, e c) condenatória.9 a) A sentença declaratória simplesmente declara a existência ou inexistência de uma relação jurídica (ou situação urídica), ou a autenticidade ou falsidade de um documento. O bem da vida pretendido é a própriacerteza, que é alcançada com o provimento jurisdicional; pelo que, com essa 10 como são, no processo civil, a sentença que declara a declaração, fica satisfeita a pretensão do autor ou do réu; inexistência de uma relação de débito e crédito; no processo trabalhista, a sentença que declara a existência ou 11 inexistência de vínculo empregatício;no processo penal, a sentença que julga extinta a punibilidade (art. 107, CP). Tem também natureza declaratória a sentença que julga improcedente a ação ou a reclamação trabalhista, caso em que será declaratória negativa; e, no âmbito penal, a que absolve o réu, porquanto declara implicitamente a inexistência do direito de punir do Estado. b) A sentença constitutiva12 é aquela que cria, modifica ou extingue uma relação (ou situação jurídica), provocando uma alteração de ordem fática ou jurídica; como são,no processo civil, a sentença que anula o casamento;no processo trabalhista , a sentença proferida em dissídio coletivo, sempre que se trate de regulamentação jurisdicional coletiva nova; e, no processo penal, a sentença de reabilitação penal (CP, art. 93).13 c) A sentença condenatória é aquela que impõe ao réu o cumprimento de uma obrigação (pagar quantia, fazer, não

fazer, entregar coisa etc.). Esta sentença é chamada também desentença de prestação, porque é impositiva de uma sanção ao réu, que, no âmbito civil e trabalhista, é sujeitá-lo à execução ou cumprimento da decisão, no caso de inadimplemento; e, no âmbito penal, sujeitá-lo a uma pena. As sentenças declaratórias e constitutivas, de regra, não admitem execução ou cumprimento, a não ser que se admita a categoria chamada de execuçãoimprópria, como, por exemplo, a averbação do divórcio no registro civil. No entanto, a jurisprudência entende que tem eficácia executiva a sentença declaratória que traz definição integral da norma jurídica individualizada (REsp. n. 588.202/PR). Toda sentença, independentemente da sua natureza, contém o elementodeclaratório, pois o juiz “ declara” o direito das partes; mas algumas delas contêm também o elementoconstitutivo ou condenatório.

Requisitos ou elementos essenciais da sentença Qualquer que seja a sentença proferida no processo civil, trabalhista ou penal, depende, para sua validade, da observância de determinados requisitos ou elementos, chamadosrequisitos ou elementos formais 14 da sentença, porque concernentes à forma como deve ser prolatada. 15 A sentença é composta de três partes: a) relatório; b) fundamentos; e c) dispositivo (CPC, art. 489). a) O relatório constitui a parte da sentença onde são identificados os litigantes, resumidas as pretensões de cada um deles, ressaltando o juiz aí os incidentes surgidos no curso do procedimento, salientando o teor da controvérsia a ser decidida. b) Os fundamentos, também chamados de motivação, é a parte da sentença onde o juiz examina a pretensão dos litigantes; resolve as questões de fato e de direito que lhes socorrem; exteriorizando, enfim, as razões que o convenceram do acerto ou desacerto das teses sustentadas por ambos. Nos fundamentos, o juiz explicita os motivos de fato e de direito que lhe formaram a convicção, analisa os fatos, os depoimentos, os documentos, a perícia etc., e forma convencimento sobre a causa em julgamento; e, se se depara com alguma questão preliminar ou prejudicial, deve resolvê-la antes de decidir o mérito da causa. O novo Código foi bastante exigente com o juiz na fundamentação da sentença, dispondo no art. 489, § 1º, que: “Não se considera fundamentada qualquer decisão judicial, seja ela interlocutória, sentença ou acórdão, que: I – se limitar à indicação, à reprodução ou à paráfrase de ato normativo, sem explicar sua relação com a causa ou a questão decidida; II – empregar conceitos jurídicos indeterminados, sem explicar o motivo concreto de sua incidência no caso; III – invocar motivos que se prestariam a justificar qualquer outra decisão; IV – não enfrentar todos os argumentos deduzidos no processo capazes de, em tese, infirmar a conclusão adotada pelo julgador; V – se limitar a invocar precedente ou enunciado de súmula, sem identificar seus fundamentos determinantes nem demonstrar que o caso sob julgamento se ajusta àqueles fundamentos; VI – deixar de seguir enunciado de súmula, jurisprudência ou recedente invocado pela parte, sem demonstrar a existência de distinção no caso em julgamento ou a superação do entendimento. § 2o No caso de colisão entre normas, o juiz deve justificar o objeto e os critérios gerais da ponderação efetuada, enunciando as razões que autorizam a interferência na norma afastada e as premissas fáticas que undamentam a conclusão. § 3o A decisão judicial deve ser interpretada a partir da conjugação de todos os seus elementos e em conformidade com o princípio da boa-fé.” No entanto, não basta a fundamentação, mas, também, que esta guarde coerência com a parte dispositiva da 16 c) O sentença; porque a eventual contradição entre a fundamentação e o dispositivo compromete a validade da sentença. dispositivo é a parte da sentença em que se contém a verdadeira decisão da causa, onde residecomando o que a caracteriza como ato de vontade. No dispositivo, o juiz decidirá pela procedência ou improcedência do pedido, com as consequências respectivas, a cargo do autor ou do réu, constituindoa verdadeira sede do julgado. O dispositivo da sentença pode serdireto, 17 quando o juiz expressa com as suas próprias palavras a decisão; ou indireto, quando se limita a reportar-se ao pedido da parte.18

O Código de Processo Penal é mais analítico quantos aos requisitos formais da sentença, estando presentes a qualificação das partes e a exposição sucinta da acusação e da defesa (relatório), os motivos de fato e de direito da decisão e os artigos de lei aplicados (fundamentos ou motivação) e o dispositivo, além da data e da assinatura do juiz (CPP, art. 381). A Consolidação das Leis do Trabalho estabelece que, da decisão rectius ( , sentença), deverão constar o nome das partes, o resumo do pedido e da defesa (relatório), a apreciação das provas e os fundamentos da decisão (fundamentos ou motivação) e a respectiva conclusão (dispositivo) (CLT, art. 832).

Efeitos da sentença na interferência das jurisdições O conceito de jurisdição é unitário e não se diversifica porque a lide a ser composta seja de natureza cível, trabalhista ou penal. Proferida a sentença de mérito sobre determinada lide, indaga-se como deverão os demais órgãos jurisdicionais comportar-se diante dela. Assim, por exemplo, prescreve o Código Civil que “a responsabilidade civil é independente da criminal” (Cód. 19 Civil, art. 935, 1ª parte), com o que ressalta a independência das duas jurisdições. Contudo, estabelece ainda o Código Civil que “ (...) não se poderá, porém, questionar mais sobre a existência do fato, ou quem seja o seu autor, quando estas questões se acharem decididas no juízo criminal” (art. 935, 2ª parte). O Código Civil, portanto, dá prevalência à jurisdição penal sobre a cível, em quea sentença penal tem eficácia no cível. Não apenas a ordem jurídica brasileira, mas a de outros países tem reconhecido esta prevalência, e as justificativas são as mais variadas, havendo até uma de ordem sentimental: “ Já imaginaram o juiz cível declarar a inocência de um 20 homem condenado pelo júri e morto no cadafalso?” Outros assentam essa prevalência no fato de ser o processo penal dominado pelo princípio inquisitivo, onde há maior liberdade do juiz na investigação da verdade material, e, também, maior liberdade no campo probatório, no que tange aos meios de prova. Esse argumento não convence, pois, no juízo penal, pode haver, sim,limitação na apreciação da prova; pois, se o uiz criminal tiver que decidir uma questão sobre apropriedade da coisa imóvel, alegada pelo réu, para eximir-se do crime de dano, não será admitida a prova exclusivamente testemunhal. Para Carnelutti, a única diferença entre o processo civil e o penal é quanto ao método para se alcançar a verdade, estando o juiz, no cível, vinculado à alegação das partes; pelo quevincular o juiz cível aos fatos fixados pelo juiz criminal não auxilia em nada a investigação da verdade . Se o réu for absolvido no juízo criminal, a ação cível poderá ser proposta, quando não tiver sido categoricamente reconhecida ainexistência material do fato (CPP, art. 66).21 Observa Lopes da Costa haver diferença entre a sentença absolutória que reconhece categoricamente a inexistência não estar provada a existência do fato; pois a primeira tem eficácia no material do fato e a absolutória que reconhece cível, impedindo o ajuizamento da ação; e a segunda, não. Também não impedirão a propositura da ação cível: I – o despacho de arquivamento do inquérito ou das peças de informação; II – a decisão que julgar extinta a punibilidade; III – a sentença absolutória que decidir que o fato imputado não constitui crime (CPP, art. 67). Nesses casos, a eficácia da sentença penal não extrapola da esfera criminal. A sentença penal condenatória torna certa a obrigação de indenizar o dano causado pelo crime (CP, art.2291); pelo que, transitada em julgado a sentença condenatória, poderão promover-lhe a execução no cível para efeito de reparação do dano, o ofendido, seu representante legal ou seus sucessores (CPP, art. 63); vendo-se aí claramente a sentença penal produzindo efeitos no cível. Se a sentença penal for absolutória e se assentar numa descriminante – estado de necessidade, legítima defesa,

23 –, fará coisa julgada no cível (CPP, art. estrito cumprimento do dever legal ou exercício regular de direito (CP, art. 23) 24 65). No entanto, cumpre distinguir cada hipótese, conforme as circunstâncias do caso concreto. Assim, a legítima defesa e o estado de necessidade, por exemplo, vinculam o juiz, no cível, que não poderá apreciá-los; mas, em certas hipóteses, não impede a reparação do dano pelo agente causador, como, por exemplo, se o dono da coisa destruída, no estado de necessidade, não tiver sido o responsável pelo perigo; ou, no caso de legítima defesa, quando ocorrer a hipótese de aberratio ictus, 25 de erro de execução, em que o lesado ou seus descendentes têm direito à reparação do dano, no cível. No âmbito trabalhista, tem inteira aplicação o Código Civil (art. 935),26 sendo o direito comum fonte subsidiária do direito do trabalho naquilo em que não for incompatível com os princípios fundamentais deste (CLT, art. 8º, parágrafo único). O art. 935 do Código Civil regula apenas duas hipóteses: existência do fato e sua autoria.

A doutrina trabalhista (Wagner D. Giglio) se socorre dos arts. 65 a 67 do Código de Processo Penal, o que a rigor não seria possível, mas aplica-se por analogia, sem muito rigor científico, porém com reais proveitos de ordem prática. No que tange à interferência da sentença penal no juízo trabalhista: I) se o réu for condenado por crime, haverá justa causa pelos mesmos fatos, ainda que tenha havido suspensão da execução da pena; hipótese não enquadrável na alínea d do art. 482 da CLT,27 mas que poderia enquadrar-se em outra 28 alínea, como a, b, j ou k; II) se houver absolvição por ter sido reconhecido que o empregado não foi autor do fato, ou tiver ela se baseado na inexistência dos fatos, não haverá justa causa; III) não haverá, também, justa causa, se o empregado praticou o ato nas circunstâncias do art. 29 23 do Código 30 Penal, reconhecidas essas circunstâncias no crime (art. 65 do CPP).

Bibliografia ARAGÃO, Egas Dirceu Moniz de.Comentários ao código de processo civil. Rio de Janeiro: Forense, 1998. ARRUDA ALVIM, José Manuel de.Manual de direito processual civil. São Paulo: RT, 2001. CALAMANDREI, Piero. Opere giuridiche. Napoli: Morano, 1972. v. 1. CARNELUTTI, Francesco. Sistema di diritto processual e civile. Padova: Cedam, 1936. v. I. CARREIRA ALVIM, Luciana Gontijo.Tutela antecipada na sentença. Rio de Janeiro: Forense, 2003. CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1969. v. 3º. COUTURE, Eduardo J. Fundamentos del derecho procesal civil . Buenos Aires: Depalma, 1988. ESTELLITA, Guilherme. Da coisa julgada. Rio de Janeiro, 1936. GIGLIO, Wagner D.Direito processual do trabalho. São Paulo: LTr, 1997. LOPES DA COSTA, Alfredo de Araújo. Direito p rocessual civil brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, 1959. v. III. NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Curso de direito do trabalho. São Paulo: Saraiva, 1997. ROCCO, Alfredo. La sentenza civile. Milano: Giuffrè, 1992. ROCCO, Ugo. Tratado de derecho procesal civil. Bogotá-Buenos Aires: Temis--Depalma, 1969. v. II. ______. Tratado de derecho procesal civil. Bogotá-Buenos Aires: Temis--Depalma, 1970. v. II. SANTOS, Moacyr Amaral Santos. Primeiras linhas de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1995. v. 3. TORNAGHI, Hélio. Instituições de processo penal . São Paulo: Saraiva, 1977.

1

O vocá bulo “ interlocutiones” deriva de inter (entre) + locutio (fa la), que si gnifica “e ntre um a fa la e outra”.

2

As interlocutórias preparam o processo para re ceber a sentença.

3

Art. 487. Haverá resolução de mérito quando o juiz: I – acolher ou rejeitar o pedido formulado na ação ou na reconvenção; II – decidir, de ofício ou a requerimento, sobre a ocorrência de decadência ou prescrição; III – homologar: a) o reconhecimento da procedência do pedido formulado na ação ou na re convenção; b) a transação; c) a renúnci a à pretensão form ulada na a ção ou na rec onvenção.

4

Alfredo Rocco, Ugo Rocco, João Montei ro etc.

5

Bülow, Degenkolb e Goldschmidt, na Alemanha; Chiovenda, Carnelutti e Liebman, na Itália, e, dentre outros, Amaral Santos, no Brasil.

6

Nas sentença s condenatórias, a lém do e lem ento lógico, há o elem ento volitivo, ou seja, a ordem imposta ao devedor de pagar, cum prindo a sua obrigação, pois essa é a ordem cujo cumprimento realiza, afinal, o direito da parte.

7

Também para Couture, o processo intelectual da sentença não é uma pura operação lógica, porque há nela muitas outras circunstâncias alheias ao simples silogismo.

8

Não é que a norm a sej a incom pleta e precise ser com pletada pelo j uiz, m as a tutela concedida aos interesses humanos, através da norma, é que é insuficiente, necessitando ser completada, mediante uma forma complementar de tutela: a tutela judicial dos interesses, nos limites assinalados pela norma.

9

Esta classificação oferece a vantagem de poder ser aplicada tanto aos processos civil e trabalhista quanto ao processo penal. 10 Sustenta Hélio Tornaghi que, quando se fala em sentença declaratória, o que se quer referir não é apenas à operação lógica de acertar, de tornar certo o que antes era incerto; mas, sim, a operação jurídica que dá força de coisa julgada a esse pronunciamento. O que distingue a sentença declaratória do parecer de um jurista é exatamente isto: que a primeira vincula; o segundo, não. Sob o aspecto meramente lógico, é possível até que o pa rece r esteja certo e a se ntença , errada. Mas a quele nã o tem força de lei e esta tem” (Carnelutti). 11 Art. 107. Extingue-se a punibilidade: I – pela morte do agente; II – pela anistia, graça ou indulto; III – pela retroatividade de lei que não mais considera o fato como criminoso; IV – pela prescrição, decadência ou perempção; V – pela renúncia do direito de queixa ou pelo perdão aceito, nos crimes de ação privada; VI – pela retratação do agente, nos casos em que a lei a admite; VII – (revogado); VIII – (revogado); IX – pelo per dão j udicial, nos casos previstos em lei. 12 Ugo Rocco nega que existam sentenças constitutivas, porque entende que a função do juiz ao proferir a sentença se concretiza no encargo de declarar a certeza do direito e não de criá-lo. 13 Art. 93. Aerea bilitaç ãoo.a lcança quaisquer penas a plica das em sentença definitiva, assegurando ao condenado o sigi lo dos registros sobre o seu processo c ondenaçã 14 Esses requisitos são também chamados de requisitos ou elementos essenciais (CPC, art. 489), porque não podem faltar em nenhuma sentença. 15 Art. 489. São elementos essenciais da sentença: I – o relatório, que conterá os nomes das partes, a identificação do caso, com a suma do pedido e da contestação, e o registro das principais ocorrências havidas no andamento do processo; II – os fundamentos, em que o juiz analisará a s questões de fa to e de direito; III – o dispositivo, em que o j uiz resolverá a s questões principais que as partes lhe subme terem . 16 Na Itália, qua ndo a sentença era e labora da pe lo juiz que ficou venc ido, este redigia a motivação com argumentos ca pazes de incom patibilizála com a par te dispositiva, produzindo, assim, uma sentença m onstruosa, que Gennar o Escobedo denominou “sentença suicida”. 17 Se o juiz julga procedente o pe dido, para condenar o réu e m “x”, o dispositivo é direto. 18 Se o j uiz, por exe mplo, j ulga procede nte a a ção nos term os do pedido, o dispositivo é indireto. 19 Ensina Lopes da Costa que as sentenças proferidas no exercício de uma e outra das jurisdições não se contrariariam, porque, na ação penal, o pedido é a “a plicação de uma pena ”, enquanto, na aç ão civil, o pedido é a “reparaçã o de um dano”. Não haveria, assim, identidade de pedidos. 20 Esta justifica tiva foi ima ginada por Lac oste. 21 Art. 66. Não obstante a sentença absolutória no juízo criminal, a ação civil poderá ser proposta quando não tiver sido, categoricamente, reconhecida a inexistência material do fato. 22 Art. 91. São efeitos da condenação: I – tornar certa a obrigação de indenizar o dano causado pelo crime. (...) 23 Art. 23. Não há crime quando o agente pratica o fato: I – em estado de necessidade; II – em legítima defesa; III – em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito. 24 Art. 65. Faz coisa julgada no cível a sentença penal que reconhecer ter sido o ato praticado em estado de necessidade, em legítima defesa, em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito. 25 Ocorre esse tipo de erro quando o agente atira numa pessoa e acaba acertando outra. É o chamado erro de golpe ou de alvo. 26 Art. 935. A responsabilidade civil é independente da c riminal, não se podendo questionar m ais sobre a existência do fato, ou sobre quem sej a o seu autor, quando estas qu estões se acha rem decididas no juízo crim inal.

Art. 482. Constituem justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador: d) condenação criminal do empregado, passada em 27 julgado, ca so não tenha havido suspensão da execução da pena . (...) 28 Art. 482. Constituem justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador: a) ato de improbidade; b) incontinência de conduta ou mau procedimento; j) ato lesivo da honra ou da boa fama praticado no serviço contra qualquer pessoa, ou ofensas físicas, nas mesmas condições, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem; k) ato lesivo da honra ou da boa fama ou ofensas físicas praticadas contra o empregador e superiores hierárquicos, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem. (...) 29 Art. 23. Não há crime quando o agente pratica o fato: I – em estado de necessidade; II – em legítima defesa; III – em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito. 30 Art. 65. Faz coisa julgada no cível a sentença penal que reconhecer ter sido o ato praticado em estado de necessidade, em legítima defesa, em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito.

15 RECURSO Recurso: notas características e conceito. Duplo grau de jurisdição. Natureza jurídica do recurso. Pressupostos recursais. Sucumbência: conceito e classificação. Fundamento do recurso. Juízo de admissibilidade e juízo de mérito. Efeitos do recurso. Reflexos da interposição do recurso sobre a relação processual. Classificação dos recursos. Tipologia recursal. Incidentes recursais. Proibição de ref orm atio in peius.

Recurso: notas características e conceito A palavra recurso provém do latim recursus, que traz a ideia de voltar atrás; daí o emprego dessa palavra para traduzir o ato por meio do qual se pede o reexame da questão ou da causa decidida. Proferida uma decisão, quem tiver interesse na sua reforma ou modificação pode impugná-la por intermédio do recurso. O termo “recurso” tem o sentido técnico-processual de meio de impugnação das decisões. Lopes da Costa aponta as seguintesnotas características do recurso: a) ser um ato da parte; b) dirigir-se contra um ato do juiz; c) pretender um novo ato judicial; d) que confira situação processual mais favorável. No direito brasileiro, o recurso não é ato apenas da parte, porque mesmo quem não foi parte no processo pode recorrer, como é o caso do terceiro prejudicado (CPC, art. 996,caput)1 e do Ministério Público, quando atua como parte ou como fiscal da ordem jurídica. Com base nesses elementos, define Lopes da Costa o recurso como o meio de que se serve a parte, para, modificado ou anulado um ato do juiz, obter uma situação processual mais favorável . Para Amaral Santos, recurso é o poder de provocar o reexame de uma decisão, pela mesma autoridade judiciária, ou outra hierarquicamente superior, visando a obter a sua reforma ou modificação.

Duplo g rau de juris diç ão O recurso se liga, de ordinário, ao duplo grau de jurisdição, em que uma decisão proferida pelo juízo inferior recebe novo julgamento por um juízosuperior. Tem-se discutido se o recurso pressupõe necessariamente a dualidade de instâncias, com órgãos distintos para julgar em primeiro e segundo grau de jurisdição. Carnelutti sustenta que os recursos não exigem um órgão distinto do que pronunciou a decisão impugnada, porque o juiz está em condições de corrigir o seu próprio erro; podendo ser até conveniente, mas não necessária a diversidade de órgãos. Para Alcides de Mendonça Lima, não deixa de existir recurso quando interposto para o mesmo órgão que prolatou a decisão recorrida; pois, desde que o vencido possa insistir na sua pretensão, há recurso no sentido jurídico. Sob este aspecto, o direito objetivo se afina com a doutrina, não repugnando ao sistema jurídico nacional o recurso para o mesmo órgão que prolatou a decisão impugnada, admitindo-se até mesmo recurso para o mesmo juiz que prolatou a decisão recorrida,2 como os embargos de declaração.

Natureza jurídic a do recurs o Parte da doutrina identifica o recurso coma ação, 3 e outra o considera um direito em si mesmo, distinto do direito de ação.4 Betti entende que o poder de impugnar uma sentençaé uma ação que das demais se difere pelas especiais características de seus elementos constitutivos e pela natureza da razão à qual é coordenada. Assim, elementos constitutivos de toda ação sãoum interesse e um correspondente poder; sendo o seu requisito a legitimação. Leone5 sustenta que o direito de impugnação é umverdadeiro e próprio direito subjetivo público em face do juiz e otestativo em face da outra parte, podendo se adaptarem a ele todos os atributos do direito de ação. Santoro entende, igualmente, que quem impugna uma sentença, pedindo ao juiz a sua modificação, exercita uma ação. Se o impugnante for o órgão do Ministério Público, a ação já iniciada prossegue; e, se for o acusado, ele, de réu na ação, se torna autor no recurso. Ele, que não podia agirab srcine (desde o início), pode agir enquanto impugna a sentença. Vannini sustenta que o direito de impugnação se coloca como verdadeira e própria ação constitutiva, que objetiva uma sentença modificando um estado jurídico existente; ação esta tendente à remoção do provimento desfavorável do uiz. Ugo Rocco enquadra, igualmente, o recurso no conceito dodireito de ação. Em posição oposta, estão Liebman e Sergio Costa, para quem o recurso ou o poder de impugnar a sentençaum é direito subjetivo processual , absolutamente independente da ação, e nasce no processo. Frederico Marques se põe ao lado dos que enquadram o recurso entre osdireitos subjetivos processuais, diverso do direito de ação; sendo esses dois direitos, recurso e ação, distintos tanto no que concerne aos seus caracteres ontológicos quanto no tocante aos seus fins e objetivos. O direito de recorrer é um direito que se insere no desdobramento dos atos processuais cuja prática resulta do direito de ação ou do direito de defesa; com a propositura da ação, instaura-se uma relação processual, que surge com o ingresso do autor em juízo, enquanto, no recurso, a relação processual já existe; interposto o recurso, o processo continua através de novos atos procedimentais, não nascendo nova relação processual; a ação tem porfinalidade o ulgamento de um pedido, enquanto o recurso tem por finalidadeum novo julgamento. Para Del Pozzo, o poder de agir tem por objeto a iniciativa do processo genericamente considerado, enquanto o oder de recorrer tem por objeto apenas uma fase do mesmo processo; ou, mais precisamente, o controle da decisão sobre o pedido. Por isso, o recurso é direito que nasce no processo, no instante mesmo em que a decisão judicial declara o direito existente, e põe fim à atividade jurisdicional já realizada; enquanto o direito de ação, embora de natureza processual, preexiste logicamente ao processo. Esta assertiva, de que o recurso nasce no processo, não me parece de todo exata, pois o que surge por ocasião da sentença é o interesse de recorrer, que emerge, de regra, da sucumbência; mas esse interesse não é orecurso, senão um dos pressupostos para recorrer. Por isso, o recurso, enquanto direitoem abstrato, preexiste ao processo; e, enquanto direito em concreto, depende do resultado do processo. Realmente, o recurso tem individualidade própria, com pressupostos específicos, mesmo porque, muitas vezes, alguém tem legitimação para interpor recurso, sem que a tivesse para propor a ação, sendo o recurso de terceiro prejudicado um irrefutável exemplo disso (CPC, art. 996).6 A ação e o recurso são, na verdade, dois direitos distintos, que se inscrevem no rol dos chamadosdireitos subjetivos processuais.

Pressupostos recursais O recurso, para ser admitido, depende da presença de determinados requisitos, chamados pressupostos recursais, e sem os quais o mérito da impugnação não será examinado. Os pressupostos recursais são de dupla natureza: I – objetivos; e II – subjetivos.

I – Os pressupostos objetivos dizem respeito ao recurso consideradoem si mesmo, independentemente da pessoa de quem recorre. II – Os pressupostos subjetivos dizem respeito à pessoa dos recorrentes, independentemente da modalidade do recurso de que se trate. I – Os pressupostos objetivos do recurso são: a) recorribilidade da decisão; b) tempestividade do recurso; c) singularidade do recurso; d) adequação do recurso; e) observância da forma legal; f) motivação do recurso; e g) preparo do recurso. a) A recorribilidade da decisão significa que a lei deve prever recurso para a decisão; pois nem todas as decisões são recorríveis, cuidando a lei de prever aquelas que, por sua importância, são passíveis de recurso. Assim, sentenças as e as decisões interlocutórias são recorríveis; não, porém, osdespachos. b) A tempestividade do recurso significa que o recurso deve ser interposto dentro do prazo assinalado pela lei, que não éSe, o mesmo para todos os recursos. interposição do recurso fora dosubjetivamente prazo determina aintempestividade sua . para objetivamente , o prazo não é oAmesmo para todos os recursos, é, em princípio, idêntico 7 ambas as partes; à exceção da Fazenda Pública (federal, estadual, distrital e municipal: art. 183)e do Ministério Público, aos quais é concedido prazo em dobro para recorrer (CPC, art. 180,caput).8 c) A singularidade do recurso significa que, contra cada decisão, só tem cabimento um recurso, não podendo ser interposto, simultaneamente, mais de um recurso contra uma mesma decisão. Daí ser também denominado princípio da unirrecorribilidade. Excepcionalmente, a lei admite a interposição simultânea (não o julgamento) de dois recursos, como acontece, por exemplo, nos processos civil e penal, os recursos especial e extraordinário. d) A adequação do recurso significa que o recurso deve ser apropriado à impugnação pretendida; não podendo o recorrente se valer de qualquer recurso. Assim, contra sentença, cabe apelação; contra decisão interlocutória, cabe agravo. Goldschmidt preconizava a teoria do recurso indiferente, em que o simples inconformismo da parte com a decisão seria suficiente para que o seu recurso fosse conhecido, pouco importando a denominação que se lhe desse. Esta teoria foi 9 agasalhada pelo nosso ordenamento jurídico na esfera penal (CPP, art. 579). e) A observância da forma legal – Significa que a forma de interposição do recurso deve ser observada pelo recorrente. No processo penal pode ser interposto, indistintamente, por petição ou por termo nos autos (CPP, art. 578);10 no processo civil, pode ser interposto por petição (CPC, art. 1.010). 11 f) Amotivação do recurso exige que o recorrente indique as razões de fato e de direito que o levaram a discordar da decisão recorrida, justificando a sua pretensão de ver reformada a decisão (CPC, art. 1.010, II).12 No processo penal, é dispensável a motivação quando o recurso possa ser interposto por termo nos autos, bastando a assinatura do recorrente ou de seu representante legal (CPP, art. 578). g) O preparo do recurso quer dizer que o recorrente deve efetuar o pagamento das despesas relativas ao processamento do recurso, sob pena de deserção (CPC, art. 1.007). 13 No processo penal, a regra é a dispensa de preparo do recurso, exigido apenas nos processos instaurados mediante 14 queixa, salvo se o recorrente for pobre; e que, se não forem pagas, ocasiona a sua deserção (CPP, art. 806). No processo trabalhista, além do preparo, há também necessidade de o recorrente fazer o depósito do valor da condenação, quando for o empregador (CLT, art. 899, §§ 1º, 2º e 4º a 8º). Pode ocorrer adispensa de preparo à luz de critérios objetivos ou subjetivos. Assim, o agravo retido e os embargos declaratórios independem de preparo (critério objetivo); o Ministério Público, a Fazenda Pública e os que litigam sob o pálio da justiça gratuita são isentos de preparo (critério subjetivo). II – Os pressupostos subjetivos do recurso são: a) a legitimação; e b) o interesse jurídico. a) Em princípio, a legitimação para impugnar a sentença cabe a quem foi parte no processo, tenha ou não estado presente na causa, inclusive o revel, e tanto se foi parte srcinária quanto terceiro interveniente. Além das partes, são legitimados a recorrer o terceiro prejudicado e o Ministério Público, este último, quer funcione como parte ou como fiscal da ordem jurídica (CPC, art. 996,caput).

b) Deve também o recorrente ter interesse jurídico em recorrer, interesse este existente em favor da parte sucumbente, à qual a sentença trouxe um prejuízo presente, ou possa trazer um prejuízo futuro; a quem a lei reconhece um justificado motivo para pedir a remoção dele. Tem interesse jurídico em recorrer quem tenhainteresse jurídico na reforma da decisão; e esse interesse possui o sucumbente.

S ucumbência: concei to e c las s ific ação O sucumbente é a parte cuja demanda não foi acolhida, ainda que por motivo não atinente ao mérito. Para se estabelecer, em concreto, se a parte é sucumbente, é preciso considerar o efeito prático da sentença, isto é, as decisões tomadas pelo juiz, que são os concretos provimentos adotados, com os quais pronunciou sobre o objeto do processo. Para Frederico Marques, a sucumbência é a situação criada por uma decisão em antagonismo com o que pediu o litigante; para outros, é a desconformidade entre o que foi pedido e o que foi concedido pelo juiz. O sucumbente é aquele que foi vencido, e vencido é, normalmente, aquele que sofreu um prejuízo em virtude de uma decisão ou sentença proferida no processo. Para Schönke, constitui requisito essencial do recurso o “ gravame” para a parte; havendo gravame quando ocorre para ela um prejuízo, resultante da diferença entre o que foi por ela pedido e o que foi concedido pela decisão recorrida. A sucumbência dá a medida do interesse em recorrer, e só se recorre daquilo que se perdeu, e na medida do perdido. No entanto, a lei reconhece legitimação para recorrer ao réu revel, que nada pediu, e, portanto, nada lhe foi negado; o mesmo ocorrendo com o terceiro prejudicado, o qual, tendo estado fora do processo, também não formulou pedido. A sucumbência concebida em função do pedido compreende em quase toda a sua extensão a situação jurídica que determina o interesse em recorrer; mas não toda, sob pena de se negar o recurso a quem tenha interesse em impugnar a decisão, como terceiro prejudicado, ou aos que apenas virtualmente integraram o processo, como o revel. Por sucumbência, deve ser entendida a lesão que possa resultar de uma decisão ou sentença para o interessado em recorrer; ou o prejuízo jurídico, real ou virtual, que a decisão provoca ou possa provocar na esfera jurídica do prejudicado. Assim, amplia-se o conceito de sucumbência, conservando-o, dentro de limites razoáveis; mesmo porque, não apenas a parte vencida, mas também avencedora pode recorrer, bastando que esteja em condições de demonstrar interesse jurídico na reforma da decisão, por conta de um prejuízo atual ou futuro que puder sofrer. Embora não tenha a parte interesse em recorrer, quando a decisão se fundamenta em disposição legal diversa da invocada, pode suceder que, na prática, possa sofrer um gravame derivado justamente dessa diversidade do fundamento. Suponha-se que o réu invoque, na sua defesa, a legítima defesa real, e o juiz o absolva por legítima defesa putativa. Nesse caso, ele poderá ser, eventualmente, acionado no cível pelos herdeiros ou sucessores da vítima, para pagamento de perdas e danos; o que não seria possível se tivesse sido absolvido com base na legítima defesa real. Nessa hipótese, o réu tem indiscutível interesse na reforma da decisão, para ver vitoriosa, no tribunal, a tese da legítima defesa real. 15

Modernamente, tem-se entendido também, na doutrina na jurisprudência, a sucumbência resultavirda “ causalidade”, devendo ser imposta a quem tenha dado ensejo à edemanda , de modo queque o vencedor pode também a ser condenado nas verbas resultantes da sucumbência, como, por exemplo, o terceiro adquirente, que, não tendo promovido a averbação da sua promessa de compra e venda de imóvel no registro imobiliário, deu causa a embargos de terceiro (CPC, art. 674)16 (em que saiu vitorioso), em razão da penhora desse imóvel numa execução promovida contra o alienante. Para que o Ministério Público possa recorrer, como fiscal da ordem jurídica, basta a violação do direito objetivo, não se exigindo a sucumbência, porquanto ele não defende, no processo, interesse próprio, mas interesse público e social, para cuja satisfação pode, se necessário, modificar seu entendimento no processo. A sucumbência pode ser classificada em: I – única e múltipla; II – direta e reflexa; III – total e parcial.

I – A sucumbência única, também dita simples, ocorre quando o gravame atinge apenas uma das partes no processo; como, por exemplo, a sentença que julga procedente a ação. A sucumbênciamúltipla acontece quando há mais de um vencido, ou quando atinge ela interesses vários. A sucumbênciamúltipla se subdivide em: a) paralela; e b) recíproca. a) A sucumbência paralela ocorre quando a decisão prejudica interesses idênticos de várias partes, ou lesa interesses idênticos de mais de uma parte; como, por exemplo, a sentença que julga procedente a ação contra os litisconsortes. b) A sucumbência recíproca acontece quando a decisão causa gravame simultâneo a interesses opostos de duas partes, ou lesa interesses opostos de duas partes, como, por exemplo, a sentença que julga procedente em parte a ação. II – A sucumbência direta existe quando atinge quem foi parte no processo,17 como, por exemplo, a sentença condenatória do réu. A sucumbência reflexa ocorre quando atinge pessoas que estão fora da relação processual; como, por exemplo, a sentença penal absolutória, em relação à vitima ou seus sucessores. III – A sucumbência total acontece quando o pedido do litigante é desatendido na sua totalidade; como, por exemplo, a absolvição do réu, ocasionando a sucumbência do Ministério Público; ou a procedência da denúncia, caso em que o sucumbente será o réu. A sucumbência parcial ocorre quando apenas parte do pedido não foi atendido; como, por exemplo, a sentença condenatória do réu ao pagamento do principal, negando juros compensatórios. Graficamente:

Se a sentença contiver distintas decisões, a parte pode sucumbir parcialmente, na medida em que alguns “ capítulos” dela lhe sejam favoráveis e outros desfavoráveis; caso em que pode impugnar a sentença só na parte em que restou sucumbente.18 Não é sucumbente na sentença e, portanto, não pode recorrer a parte que, sendo totalmente vitoriosa, teve resolvida em sentido contrário uma ou mais questões da causa, de direito ou de fato, porque a decisão da questão em si não constitui um capítulo autônomo da sentença.

Fundamento do recurso Pelo menos duas espécies de erros podem contaminar uma sentença: a) erro de procedimento; e b) erro de ulgamento. O erro de procedimento (error in procedendo) é aquele que o juiz comete no exercício de sua atividade urisdicional, no curso do procedimento ou na prolação da sentença, violando a norma processual, na sua mais ampla acepção. Esse erro é decorrência da violação da norma processual, ou seja, um defeito de construção da sentença, no qual incorre o juiz, quando não observa as normas que regulam sua atividade, como, por exemplo, quando profere sentença desfundamentada, não permitindo a compreensão do seu dispositivo. sentença errada. A sentença contaminada por um vício dessa natureza se diz O erro de julgamento (error in iudicando) é aquele que decorre da sentença de mérito, quer se trate erro de de fato, quando dá como verdadeiro um fato disforme da realidade, ou erro de direito, quando o juiz erra ao valorar uridicamente um fato, ou ao aplicar o direito aos fatos; como, por exemplo, quando o juiz considera existir contrato de comodato onde existe contrato de locação. A sentença contaminada por um vício dessa natureza se diz sentença injusta. Para Calamandrei, se o juiz se equivoca ao aplicar ao mérito o direito substancial, incorre em vício de julgamento (error in iudicando), mas não na inobservância do direito substancial, pois este não se dirige a ele. Se o juiz, porém,

comete uma irregularidade processual, incorre em vício de procedimentoerror ( in procedendo), isto é, na inobservância de um preceito concreto, que, dirigindo-se a ele, impõe-lhe determinado comportamento no processo.

J uízo de admis s ibil idade e juízo de mérito O recurso, como todo ato postulatório, deve ser examinado sob dois ângulos distintos: a) primeiro, verifica-se se estão satisfeitas as condições impostas por lei para que possa ser apreciado o seu conteúdo, quer dizer, examinam-se os ressupostos recursais para saber se ele deve ou não ser admitido; b) depois, uma vez admitido, examina-se se existe ou não fundamento para o que se postula, para acolher ou rejeitar a impugnação. Na primeira hipótese, fala-se em juízo de admissibilidade ; e, na segunda, em juízo de mérito (Barbosa Moreira). Neste sentido eram, também, os ensinamentos de Rosenberg, para quem, primeiro, examina-se se o recurso é admissível; e, depois, se é fundado. O juízo de admissibilidade é sempre preliminar do juízo de mérito . Quando o tribunal examina os pressupostos recursais, e ojuízo de admissibilidade resulta negativo, diz-se que “ não conhece” do recurso; e, quando essejuízo resulta positivo, diz-se que “ conhece” do recurso. Restando positivo o juízo de admissibilidade, ou seja, conhecido o recurso, podem ocorrer duas hipóteses: se o tribunal entende que o recurso é fundado, “dá-lhe provimento”; e, se entende que, embora admissível, é infundado, “nea-lhe provimento”.19 20 do juízo a quo, na inferior instância, Cumpre observar que o juízo de admissibilidade passa por um duplo crivo, perante o qual é o recurso interposto, e do juízo ad quem, no tribunal, quando do julgamento do recurso; enquanto o uízo de mérito, exceto nos casos em que se admite ojuízo de retratação, 21 é exclusivo do juízo ad quem. Como os órgãos colegiados, no tribunal, são compostos de, no mínimo, três julgadores, sendo julgada primeiro a admissibilidade do recurso, e, depois, se ele tem fundamento, pode acontecer que sobrevenha um julgamentopor maioria ou por unanimidade, conforme se posicione cada membro no colegiado.

Efeitos do recurso O recurso possui dois efeitos principais: I –suspensivo; e II – devolutivo. I – O efeito suspensivo impede que a decisão impugnada produza os efeitos que lhe são próprios; e, em consequência, o cumprimento provisório da sentença. II – O efeito devolutivo devolve o julgamento da causa ao tribunal, permitindo-lhe o reexame da decisão, nos limites da impugnação.22 A doutrina fala também em efeitoextensivo, quando o recurso da parte de um dos corréus se estende a todos os 23 o mesmo outros, porque o motivo da anulação da sentença não se refira apenas à pessoa que recorreu (CPP, art. 580); ocorrendo na hipótese de litisconsórcio unitário, em que a decisão tem que ser igual para todos. Assim, o recurso interposto pelo autor do crime, se provido por falta de tipicidade do fato, beneficia os respectivos coautores. Fala-se, também, em efeito retratativo, dito também regressivo, quando o reexame da matéria é devolvido ao próprio órgão que prolatou a decisão recorrida; como, por exemplo, nos embargos de declaração. Os efeitos dos recursos dependem do ordenamento jurídico de cada país.

Reflexos da interposição do recurso sobre a relação processual A impugnação das decisões pode se dar de dois modos: I) através de recurso; e II) através de ação impugnativa autônoma. no mesmo processo em que foi proferida a decisão impugnada. I – A impugnação por meio de recurso tem lugar II – A impugnação por meio deação impugnativa autônoma pressupõe a irrecorribilidade da sentença, dando

srcem a uma nova relação processual, não sendo exercida no mesmo processo em que proferida a decisão impugnada. Os recursos são meios de impugnação das decisões em geral, tanto interlocutórias, como os agravos, quanto finais, como as sentenças; enquanto a ação autônoma de impugnação é meio de impugnação apenas da sentença transitada em ulgado, por meio de ação rescisória ou ação de nulidade querela ( nullitatis).24 O principal efeito da interposição do recurso sobre a relação processual é que ele impede que ela se extinga e, consequentemente, que a decisão transite em julgado.25 Quando o recurso tem por objeto a decisão detodo o litígio , diz-se que a relação processual ficareiterada; e, quando o recurso tem por objeto apenasalgum ato do procedimento, diz-se que a relação processual fica iterada. Sob o aspecto objetivo, são reflexos da interposição do recurso iteração a e a reiteração da relação processual; e, sob o aspecto subjetivo, é excluído o juiz que proferiu a sentença (juízoa quo) e incluído o tribunal, que vai rejulgar a causa (juízo ad quem).26 Se se tratar de recurso retratativo, o próprio juiz que proferiu a decisão recorrida pode modificar a sua decisão; como, por exemplo, o recurso em sentido estrito no processo penal e agravo retido no processo civil.

Classificação dos recursos Os recursos podem ser classificados: I – quanto à sua natureza: II – quanto à iniciativa recursal; III – quanto à sua extensão; IV – quanto à sua autonomia; V – quanto à retratação; e VI – quanto ao seu fundamento. I) Quanto à sua natureza, o recurso pode ser: a) ordinário; b) extraordinário; e c) especial. a) O recurso ordinário é aquele previsto pelo direito positivo, nominado e inominado, inclusive o recurso ordinário constitucional. b) O recurso extraordinário é aquele previsto pela Constituição, da competência do Supremo Tribunal Federal (CF, art. 102, item III). recurso de revista para o Tribunal do se Trabalho, de nãodeteracórdãos assento constitucional, tem natureza quaseO extraordinária , 27 porquanto não é Superior meio para corrigir apesar a injustiça trabalhistas, cumprindo ao recorrente, para interpô-lo, além de ter sucumbido, atender aos requisitos previstos em lei. c) O recurso especial é aquele previsto também na Constituição, da competência do Superior Tribunal de Justiça (CF, art. 105, III).28 II) Quanto à iniciativa recursal, o recurso pode ser: a) voluntário; e b) necessário. a) O recurso voluntário é aquele interposto por iniciativa do recorrente, portanto, por vontade da parte. b) O recurso necessário, também dito obrigatório , é aquele obrigatoriamente interposto pelo juiz, mediante remessa dos autos ao tribunal.29 Na esfera civil e trabalhista é chamado de remessa ex oficio; e, no âmbito penal, de recurso de ofício. Esse recurso é uma consequência lógica da adoção do princípio do duplo grau obrigatório de jurisdição. III) Quanto à sua extensão, o recurso pode ser: a) total; e b) parcial. a) O recurso total é aquele mediante o qual se impugna toda a decisão recorrida. 30 b) O recurso parcial é aquele em que se impugna apenas parte da decisão recorrida. IV) Quanto à sua autonomia, o recurso pode ser: a) recurso principal; e b) recurso adesivo. a) O recurso principal é aquele que cada parte interpõe independentemente da outra. b) O recurso adesivo, dito também secundário, é aquele que depende da interposição do recurso principal por uma das partes, para que a outra possa aderir. A parte que não recorreu, mediante recurso principal, adere ao recurso interposto pela outra parte, só sendo admitida a adesão, no processo civil, nos seguintes recursos: apelação, no recurso extraordinário e no recurso especial (CPC, art. 997, § 2º, II). V) Quanto à retração, o recurso pode ser: a) retratativo; e b) não retratativo.

a) O recurso retratativo é aquele permite que o mesmo órgão que proferiu a decisão recorrida reexamine a sua decisão; como, por exemplo, o agravo, no processo civil, e o recurso em sentido estrito, no processo penal. b) O recurso não retratativo é aquele que não permite que o mesmo órgão prolator da decisão impugnada a reexamine; como, por exemplo, a apelação.31 VI) Quanto ao seu fundamento, o recurso pode ser: a) comum; e b) excepcional. a) O recurso comum é aquele em que a sucumbência constitui condição suficiente para ser pedido novo julgamento; como, por exemplo, a apelação e o agravo. b) O recurso excepcionalé aquele em que o direito de recorrer resulta da sucumbência e de um plus que a norma processual exige como pressuposto do reexame do julgamento; como, por exemplo, o recurso especial e o recurso extraordinário, que têm fundamento na Constituição, e também os embargos infringentes e de nulidade, no processo penal, 32 que não deixam de ter um aspecto excepcional, consistente em não ser unânime a decisão de segunda instância (CPP, art. 609, parágrafo único).33 Na doutrina, costuma-se falar em recursos “ especiais”, mas prefiro chamá-los de “ excepcionais”, para distingui-los do recurso especial para o STJ. Graficamente:

Tipologia r ecurs al Embora Goldschmidt tenha preconizado a extinção da nomenclatura dos recursos, consagrando ateoria do recurso indiferente, em que basta a vontade de recorrer para justificar o pedido de reforma da decisão, os diversos ordenamentos urídicos, inclusive o Brasil, consagram uma tipologia recursal, em que cada decisão é impugnável por certo tipo de recurso, distintos recursospor no exemplo) processo cumprem civil, no processo penal e no processo trabalhista; sendo que, muitas vezes, umsendo mesmo recursoos(agravo, funções diferentes. A tipologia recursal se comporta, no ordenamento processual brasileiro, de forma bastante peculiar, pois, muitas vezes, um mesmo recurso cumpre distintas funções, conforme a modalidade de processo, como acontece, por exemplo, com o agravo de instrumento no processo civil, em que se presta para impugnar decisões interlocutórias, e no processo trabalhista, em que se presta para fazer subir recurso ordinário denegado. Os recursos vêm previstos, expressamente, no novo CPC, como era também no anterior, dispondo o art. 994 que são cabíveis os seguintes recursos:I – apelação; II – agravo de instrumento; III – agravo interno; IV – embargos de declaração; V – recurso ordinário; VI – recurso especial; VII – recurso extraordinário; VIII – agravo em recurso especial ou extraordinário; IX– embargos de divergência. I – No processo civil , os despachos, por não terem conteúdo decisório, são irrecorríveis, sendo recorríveis apenas as decisões e as sentenças, sendo previstos os seguintes recursos: apelação, agravo de instrumento e interno, embargos de declaração, recurso ordinário, recurso especial, recurso extraordinário, agravo em recurso especial e extraordinário e embargos de divergência (art. 994). Os despachos, de regra irrecorríveis, admitem excepcionalmente os embargos de declaração, para desfazer obscuridade ou contradição ou suprir ponto omisso. As decisões, de regra recorríveis, podem ser irrecorríveis por determinação legal (arts. 138, 1.007, § 6º, 1.031, §§ 2º e 4º, 1.035). O mandado de segurança é manejado comosucedâneo recursal , sempre que a lei não preveja recurso da decisão ou até quando a lei veda recurso. Cumprem também o papel de quase recurso a correição parcial e a reclamação. Além dos recursos “ autônomos”, são admitidos recursos “adesivos” (em apelação, em recurso especial e em recurso extraordinário), bem assim o recurso de terceiro prejudicado (apelação de terceiro prejudicado, agravo de instrumento de terceiro prejudicado etc.).

II – No processo penal, os despachos que não tenham conteúdo decisório são irrecorríveis, sendo recorríveis apenas as decisões e as sentenças, sendo previstos os seguintes recursos: recurso em sentido estrito, apelação, embargos de declaração, embargos infringentes e de nulidade, carta testemunhável, agravo em execução penal (Lei n. 7.210/84), agravo regimental, recurso especial e recurso extraordinário. Muitas vezes, o Código de Processo Penal fala em recurso de “ despacho”, mas que, na essência, são verdadeiras decisões. Impõe, também, o Código de Processo Penal, o recurso de ofício pelo juiz, se a sentença concederhabeas corpus ou absolver sumariamente o réu por circunstância que exclua o crime ou isente o réu de pena (art. 574, I e II). Embora a decisão e a sentença sejamrecorríveis, não cabe recurso da decisão que reconhece a falsidade de documento, nem da sentença, na parte em que decreta ou denega a aplicação provisória de interdições de direitos. O habeas corpus e o mandado de segurança (na esfera criminal) são admitidos como sucedâneos recursais, sempre que aSegundo lei não preveja recurso da decisão, ou até mesmo quando o recurso. remansosa jurisprudência, o processo penal nãoveda se compade ce com o recurso “ adesivo”, embora haja 34 quem o admita com base na analogia (CPP, art. 3º). No que tange ao recurso de terceiro prejudicado na esfera penal, a jurisprudência tem admitido mandado de 35 segurança de terceiro prejudicado. Tem cabimento ainda a correição parcial (Justiça Federal: Lei n. 5.010/66), que funciona como um quase recurso. III – No processo trabalhista, a regra é a irrecorribilidade das decisões interlocutórias, de forma bastanteacentuada, admitindo-se a apreciação do merecimento das decisões interlocutórias somente em recurso da decisão definitiva (CLT, art. 893, § 1º). São os seguintes os recursos na esfera trabalhista: recurso ordinário (da sentença), embargos (declaratórios), embargos inominados de determinadas decisões, recurso de revista (de acórdão), agravos (de petição, de instrumento e interno), recurso extraordinário (CLT) e pedido de revisão (Lei n. 5.584/70); tendo também cabimento o recurso de terceiro prejudicado no processo trabalhista. O recurso ordinário trabalhista corresponde, nos processos civil e penal, à apelação, e o recurso de revista, ao recurso especial. Admite-se também o recurso adesivo no processo do trabalho, em recurso ordinário, em agravo de petição, em recurso de revista e em embargos (Súmula 283 do TST). Na esfera da tutela provisória de urgência (antecipada e cautelar) trabalhista, não se admite recurso (agravo de instrumento), admitindo-se em seu lugar o mandado de segurança contra ato judicial (como sucedâneo recursal). Tem cabimento ainda a reclamação ou reclamação correcional, que cumpre o papel de um “quase recurso”.

Incidentes recursais O novo CPC, no capítulo dedicado à “ Ordem dos processos no tribunal”, e em consequência do sistema de recedentes por ele consagrado, cria diversos tipos de incidentes recursais, com o propósito não só de manter a urisprudência uniforme em nível de tribunais superiores, de tribunais de segundo grau e de juízos de primeiro grau, mas, também, de evitar decisões contraditórias, além de permitir uma prestação jurisdicional mais célere, tornando efetivo o princípio da “ duração razoável do processo”, de fundo constitucional. Com esse propósito, o novo CPC consagra: 1 – O incidente de assunção de competência, quando o julgamento do recurso, de remessa necessária ou de processos de competência srcinária envolver relevante questão de direito, com grande repercussão social, sem repetição em múltiplos processos (CPC, art. 947, caput); 2 – O incidente de arguição de inconstitucionalidade, para, em controle difuso, se obter a declaração de inconstitucionalidade de lei ou de ato normativo do poder público (CPC, art. 948, caput); 3 – O incidente de resolução de demandas repetitivas, quando houver, simultaneamente: I – efetiva repetição de

processos que contenham controvérsia sobre a mesma questão unicamente de direito; e II – risco de ofensa à isonomia e à segurança jurídica (CPC, art. 976); 4 – A reclamação para preservar a competência do tribunal; garantir a autoridade das decisões do tribunal e garantir a observância de enunciado de súmula vinculante e de decisão do Supremo Tribunal Federal em controle concentrado de constitucionalidade; 5 – O julgamento de recursos extraordinário e especial repetitivos, sempre que houver multiplicidade de recursos extraordinários ou especiais com fundamento em idêntica questão de direito, caso em que haveráafetação para ulgamento de acordo com a Subseção II (da Seção II do Capítulo VI do Título II do Livro III), observado o disposto no Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça (CPC, art. 1.036).

Proibição de reformatio in peius A proibição de reformatio in peius, ou de reforma para pior, significa que, quando somente uma das partes recorre, o juiz ou tribunal encarregado do reexame da decisão não pode modificá-la prejuízo em do recorrente. Essa proibição, elevada à categoria deprincípio processual , domina tanto o processo civil quanto o trabalhista e o penal. Se a parte contrária à recorrente desejar a reforma do julgado em seu favor, deve interpor o seu recurso independente ou, então, aderir ao recurso do adversário, mediante recurso adesivo. O órgão julgador só não podepiorar a situação jurídica do recorrente quando somente este tenha recorrido. Quando há recurso de ambas as partes, seja principal ou adesivo, não incide proibição a de reforma para pior; mas o recurso adesivo só será conhecido (e decidido) se for conhecido também o recurso principal.

Bibliografia BARBOSA MOREIRA, José Carlos. O novo processo civil brasileiro. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1990. BETTI, Emilio. Diritto processual e civile italian o. Roma: Foro Italiano, 1936. COSTA, S ergio. Manuale di diritto processuale civile. Torino: Editrice Torinese, 1973. GIGLIO, Wagner D.Direito processual do trabalho. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 1997. LEONE, Giovanni. Trattato di diritto processuale. Napoli: Jovene, 1961. v. III. LIEBMAN, Enrico Tullio. Manuale di diritto processuale civile. Milano: Giuffrè, 1976. v. III. LOPES DA COSTA, Alfredo de Araújo.Direito processual civil brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1959. v. III. MANZINI, Vicenzo.Istituzioni di diritto processuale penale. Padova: Cedam, 1917. MARQUES, José Frederico. Instituições de direito processual civil . Rio de Janeiro: Forense, 1958. v. IV. ROCCO, Ugo. Tratado de derecho procesal civil. Buenos Aires. Depalma: 1969. v. III. ROSA, Eliézer. Dicionário de processo civil. São Paulo: José Bushatsky, 1973. ROSENBERG, Leo. Tratado de derecho procesal civil. Buenos Aires: EJEA, 1955. v. II. SANTORO, Arturo. Manuale di diritto processuale penale. Roma: Dell’Atheneo, 1954. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. São Paulo: Saraiva, v. III. SCHÖNKE, Adolf. Derecho procesal civil. Barcelona: Bosch, 1950. TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo penal. São Paulo: Saraiva, 2001. v. IV. VANNINI, Ottorino.Manuale di diritto processuale penale italiano. Milano: Giuffrè, 1953.

1

Art. 996. O recurso pode ser interposto pela parte vencida, pelo terceiro prejudicado e pelo Ministério Público, como parte ou como fiscal da ordem jurídica. ( ...)

2

A Lei de Execução Fiscal admite como único recurso, na inferior instância, os embargos infringentes para o próprio juiz que proferiu a decisão embargada (Lei n. 6.830/80, art. 34).

3

Betti, Leone, Santoro, Vannini e Ugo Rocco.

4

Liebma n e Sergio Costa.

5

Leone fala no direito de impugnação como uma ação constitutiva.

6

Art. 996. O recurso pode ser interposto pela parte vencida, pelo terceiro prejudicado e pelo Ministério Público, como parte ou como fiscal da ordem jurídica. ( ...)

7

Art. 183. A União, os Estados, o Distrito Federal, os Municípios e suas respectivas autarquias e fundações de direito público gozarão de prazo em dobro para todas as suas manifestações processuais, cuja contagem terá início a partir da intimação pessoal. (...)

8

Art. 180. O Ministério oPúblico gozará de prazo em dobro para manifestar-se nos autos, que terá início a partir de sua intimação pessoal, nos term os do art. 183, § 1 (...)

9

Art. 579. Salvo a hipótese de má-fé, a parte não será prejudicada pela interposição de um recurso por outro. Parágrafo único. Se o juiz, desde logo, reconhecer a impropriedade do recurso interposto pela parte, mandará processá-lo de acordo com o rito do recurso cabível.

10 Art. 578. O recurso será interposto por petição ou por term o nos autos, assinado pelo recor rente ou por seu re presentante. (...) 11 Art. 1.010. A apelaç ão, interposta por petição dirigida a o j uízo de prim eiro gra u, conterá: (...) 12 Art. 1.010. A apelaç ão, interposta por petição dirigida a o j uízo de prim eiro gra u, conterá: (...) I I – a exposiçã o do fato e do direito. (...) 13 Art. 1.007. No ato de interposição do recurso, o recorrente comprovará, quando exigido pela legislação pertinente, o respectivo preparo, inclusive porte de remessa e de retorno, sob pena de deserção. 14 Art. 806. Salvo o caso do art. 32, nas ações intentadas mediante queixa, nenhum ato ou diligência se realizará, sem que seja depositada em cartório a importância das custas. § 1º Igualmente, nenhum ato requerido no interesse da defesa será realizado, sem o prévio pagamento das custas, salvo se o acusado for pobre. § 2º A falta do pagamento das custas, nos prazos fixados em lei, ou marcados pelo juiz, importará renúncia à diligência requerida ou deserção do recurso interposto. § 3º A falta de qualquer prova ou diligência que deixe de realizar-se em virtude do não paga mento de custas não implicará a nulidade do proce sso, se a prova de pobreza do ac usado só posteriorm ente foi fe ita. 15 “3. Deveras, a imposição dos ônus processuais, no Direito Brasileiro, pauta-se pelo princípio da sucumbência, norteado pelo princípio da causalidade, segundo o qual aquele que deu causa à instauração do processo deve arcar com as despesas dele decorrentes.” (REsp. 824.702/RS) 16 Art. 674. Quem , não sendo parte no processo, so fre r constrição ou am eaç a de c onstrição sobre bens que possua ou s obre os quais tenha direito incompatível com o ato constritivo, poderá requerer seu desfazimento ou sua inibição por meio de embargos de terceiro. (...) 17 Esta classificação (direta e reflexa) não se adapta ao conceito de sucumbência adotado por Frederico Marques, pois quem está fora da relação processual nada pediu, e, portanto, nada lhe teria sido negado; logo, não haveria sucumbência reflexa. 18 Evidentemente, nos capítulos em que saiu vencedor o sucumbente, será a contraparte que poderá impugnar. 19 Estes ensinam entos não valem pa ra os re cursos extraordinário e espec ial, sujeitos a c ritérios distintos de j ulgame nto. 20 Salvo quando interposto diretamente no tribunal. 21 Juízo de retratação é a oportunidade que se oferece ao órgão jurisdicional, que já julgou uma vez, para reexaminar a sua decisão e modificála se assim o entender, como no agravo retido e nos embargos de declaração. 22 Impede o trânsito em julgado da decisão. 23 Art. 580. No caso de c oncurso de age ntes (Código Penal, art. 25), a de cisão do rec urso interposto por um dos réus, se fundado em motivos que não sejam de caráter exclusivamente pessoal, aproveitará aos outros. 24 A “ querela nullitatis” é uma ação de rito comum proposta perante o juiz que proferiu a sentença a ser desconstituída em função de defeito de citação. 25 Par a Frederico Marques, impedir o trânsito formal em julgado é decorrência do efeito devolutivo. 26 “ A quo” é o j uiz de cuja decisão se recorre ; “ ad quem” é o tribunal para o qual se recorre. 27 O recurso de revista era srcinalmente denominado de “recurso extraordinário”, porquanto suas funções se aproximam às desse recurso, limitadas, porém , ao âm bito trabalhista. 28 Segundo se infere dos ensinamentos de Manzini, Florian, Leone e Liebman, os recursos ordinários e extraordinários do direito italiano, e em ordinários são aqueles geral do direito europeu, nada têm que ver com os nossos recursos ordinário e extraordinário. Para o direito italiano, que a lei concede normalmente, isto é, sem o pressuposto de qualquer coisa excepcional, e que se podem interpor somente em relação a

decisões que não passaram em julgado. Impedem a coisa julgada. São os nossos recursos, tanto os ordinários quanto o extraordinário. Extraordinários são aqueles que a lei concede exce pcionalmente, ist o é, no pressupos to de qualquer coisa de extraor dinário, e que se propõem contra decisões que já adquiriram a autoridade de coisa julgada, ou, então, executoriedade. Seriam exemplos as nossas ações rescisórias e revisões criminais. Agridem a coisa julgada. 29 A doutrina no geral não lhe reconhece a natureza de verdadeiro recurso. O seu fundamento é o interesse público: não é interposto pela parte; não tem prazo para ser interposto; a decisão não transita em julgado, enquanto a causa não for reexaminada pelo tribunal. Não é recurso, porque o j uiz tem o dever de r ec orre r. É a penas um a providência, um a medida legal, pa ra maior ca utela na solução de deter minados litígios. No âm bito penal, arts. 564, III , n, 574 e 746 do CPP; no trabalhista, Decreto-Lei n. 779, de 21.08.69 (decisões total e parcialmente desfavoráveis à União, Estados, Municípios, DF, autarquias ou fundações de direito público que não explorem atividades econômicas); no cível, art. 496 do CPC. 30 Tantum devolutum quantum appellatum significa: “Tanto devolvido quanto apelado.” 31 Salvo o re exam e dos pre ssupostos de a dmissibilidade do r ecur so (CPC, art. 518, § 2º). 32 Os embargos infringentes foram suprimidos pelo novo Código de Processo Civil, ou, mais propriamente, substituídos pelos embargos “a utomáticos” disciplinados pelo art. 942. 33 Art. 609. (...) Parágrafo único. Quando não for unânime a decisão de segunda instância, desfavorável ao réu, admitem-se embargos infringentes e de nulidade, que poderão ser opostos dentro de 10 (dez) dias, a contar da publicação de acórdão, na forma do art. 613. Se o desacordo for parcial, os embargos serão restritos à matéria objeto de divergência. 34 Art. 3º. A lei proce ssual penal admitirá interpretaç ão e xtensiva e aplicaçã o analógica, bem com o o suplem ento dos princípios gerais de dire ito. 35 Recursos Ordinários em Mandado de Segurança 9.419 e 14.755.

16 COISA JULGADA Natureza jurídica da sentença recorrível. Escorço histórico da coisa julgada. Coisa julgada: coisa julgada formal e coisa julgada material . Justificação da coisa julgada. Limites objetivos da c oisa julgada. Limites subjetivos da coisa julgada. Teoria da eficácia natural da sentença. Projeção da coisa julgada penal na esfera cível.

Natureza jurídic a da s entença recorrí vel Proferida a sentença, o juiz cumpre e acaba o seu ofício jurisdicional, atuando a vontade da lei e compondo a lide. Mas o Estado-juiz não disse, ainda, a última palavra sobre a lide, porquanto a impugnação da sentença proporcionará um novo julgamento da causa, através de novo exame, podendo a decisão de segundo grau reformar a de primeiro grau; isso porque a primeira sentença ainda “ não transitou em julgado”. Na doutrina, procura-se determinar o valor jurídico da sentença sujeita a recurso, tendo diversas teorias buscado dar resposta a essa indagação, sendo as mais significativas: I – Ato jurídico sujeito a condição suspensiva – Para Calamandrei, a sentença de primeiro grau frente à de segundo grau é um ato jurídico sujeito a condição suspensiva, cujos efeitos estão suspensos até a verificação de determinado fato, que é a falta de interposição do recurso. Observa, porém, Ugo Rocco que a sentença produz efeitos, logo que emitida, frente ao juiz que a prolatou, que, de ordinário, não pode julgar de novo; podendo, também, produzir efeitos em relação às partes independentemente da possibilidade de recursos, como nas hipóteses de execução (cumprimento) provisória. II – Ato jurídico sujeito a condição resolutiva – Para Mortara, a sentença sujeita a recurso é um ato sujeito a condição resolutiva, pois, desde a sua prolação, tem todas as condições necessárias para existir estavelmente e tornar-se irrevogável, se a tarefa fiscalizadora e corretora de outro órgão superior não a modifica. Nesta possibilidade, estaria a condição resolutiva, 1 à qual se prende a possibilidade de resolução dos efeitos da sentença; mas estando pendente a condição, não se pode duvidar da plena eficácia da sentença. Observa Ugo Rocco que, se a sentença tivesse, desde o início, sua própria e plena eficácia e autoridade, não se poderia justificar o caráter excepcional da execução provisória, pois um ato sujeito a condição resolutiva produz efeitos até que se verifique a condição. III sentença, – Sentençaoucomo situação jurídica – Para Chiovenda, a sentença sujeita a recurso não édeainda umaque, verdadeira própria um ato com plena eficácia jurídica, não passando de um simples elemento um ato, com o e concurso de outro elemento, que é o termo final do prazo para recorrer ou a renúncia ao recurso, chegará a ser a verdadeira declaração do direito. A sentença sujeita a recurso não existe como declaração do direito, sendo tão somente o elemento de uma possível declaração, ou um simples ato do magistrado; mas, como o juiz não pode ter uma vontade autônoma e, sim, a vontade de formular o que a lei quer, a sua vontade não produz efeito, enquanto for possível que se formule novamente, e, talvez, de modo diverso, a vontade da lei. Somente com o decurso do prazo, ou a conformação da parte, ou de qualquer modo se houver excluído a possibilidade de nova formulação, a sentença, de simples ato do magistrado (rectius, juiz), converte-se em ato que a ordem jurídica reconhece como a formulação de sua própria vontade. Portanto, a sentença recorrível é apenas o elemento

de um ato que, associado a outro, como o decurso do prazo ou a renúncia ao recurso, poderá vir a ser a declaração do direito. Enquanto sujeita a recurso a sentença é uma mera situação jurídica, ou seja, um ato que pode vir a ser sentença. Liebman acha pouco convincente a ideia de que um ato de aplicação da lei por parte do juiz valha somente como um projeto ou proposta de sentença, que, após asimples aquiescência do sucumbente, transforma-se em verdadeiro e próprio acertamento do direito; parecendo-lhe melhor a opinião de quem, como Mortara, com uma significativa antecipação de efeitos, sustenta que, desde o primeiro momento, a sentença do juiz inferior é dotada de todos os 2 requisitos necessários para existir estavelmente e se tornar irrevogável. IV – Ato jurisdicional por excelência – Para Leone, a sentença sujeita a recurso é um atojurisdicional por excelência, pois somente admitindo ser a sentença recorrível verdadeira e própria sentença, provida de imperatividade, é possível explicar-se a linguagem da lei que fala de “ reforma, confirmação ou anulação da sentença impugnada”. V – Ato do Estado-juiz – Para Liebman,sujeita os conceitos civilistas suspensiva do e resolutiva não jurídico explicamimperativo satisfatoriamente a situação da sentença a recurso, sendo de estacondição um ato imperativo Estado-juiz mesmo na pendência de recurso. VI – Ato jurídico sujeito a revogação – Para Ugo Rocco a sentença sujeita a recurso é um ato jurídico que tem em si todos os requisitos para existir com vida própria; e prova disto é que pode ser úonico ato de declaração de certeza de um direito, quando não seja possível recurso, ou não tenha este sido interposto. É, desde o início, um ato jurídico dotado de autoridade própria; e, por ser um ato jurídico eficaz, produz efeitos perante o juiz, que não pode mais examinálo, nem de ofício nem a requerimento das partes. Se pode a sentença ser modificada pelos órgãos superiores, isto se deve ao sistema do duplo grau de jurisdição, em virtude do qual o órgão superior pode reexaminar a decisão do inferior, como forma de controle da atividade do órgão inferior. Realmente, há um “ estado de pendência” da sentença de primeiro grau e de seus efeitos jurídicos, frente aos órgãos de segundo grau e frente às partes, mas não se trata de pendência proveniente de condição suspensiva, que se refere à existência do ato, nem resolutiva, que se refere à não persistência dos seus efeitos; mas simplesmente a possibilidade de sua revogação.3 VII – Ato jurídico sujeito a condição suspensiva ou resolutiva – Para Frederico Marques, a sentença sujeita a recurso é um ato sujeito a condição suspensiva ou resolutiva, conforme a hipótese. Se o recurso cabível tiver efeito suspensivo, nenhuma eficácia jurídica terá a sentença, caso em que haverá um ato jurídico sujeito a condição suspensiva, que é a confirmação da sentença pelo tribunal; e, se o recurso tiver efeito apenas devolutivo, a sentença produzirá desde logo seus efeitos, caso em que haverá ato jurídico sujeito a condição resolutiva, que é a reforma da sentença tribunal.

Escorço histórico da coisa julgada No direito romano, a coisa julgada era a expressão de exigência de certeza e segurança no gozo dos bens da vida; ou seja, a res in iudicium deducta (pretensão deduzida em juízo) depois deiudicata (julgada). Não pensavam os romanos em atribuir àquilo que o juiz afirma, só porque o afirma o juiz, uma presunção de verdade; pois o texto res iudicata pro veritate accipitur significa apenas que o pronunciamento do juiz, que concede ou nega a alguém um bem da vida, soa, não efetivamente como verdade, masem lugar da verdade. Entre os romanos, apenas asententia passava em julgado; não asinterlocutiones. Os romanos assentavam a coisa julgada num pressuposto de ordem prática, ou seja, garantir ao vencedor da demanda o bem da vida reconhecido pela sentença. No direito medieval, a coisa julgada não mais se compreendia como uma exigência prática de certeza e segurança, mas como presunção de verdade daquilo que o juiz, como tal, declarava res ( iudicata pro veritate habetur),4 vulgarizando-se a máxima: “Sententia facit de albo nigrum, de quadrato, rotundum. ”5 A doutrina tradicional via na coisa julgada um dos efeitos da sentença, até que Liebman veio provocar uma verdadeira revolução nesse conceito, ao sustentar que os efeitos da sentença eram aqueles tradicionalmente reconhecidos

pela moderna doutrina (declaratórios, condenatórios e constitutivos), e que a coisa julgada era somente uma qualidade especial desses efeitos. Na sua obra, Efficacia ed autorità della sentenza, 6 Liebman dá os novos contornos da coisa julgada e os fundamentos em que se alicerça.

Cois a julgada: cois a julgada formal e cois a julgada material Os romanos não conheceram a distinção entre coisa julgadaformal e coisa julgada material, mas apenas a res iudicata (coisa julgada) provinda da decisão que, acolhendo ou rejeitando a demanda, punha fim à contestabilidade de um bem da vida. Na Idade Média, sob a égide do processo comum, criou-se a distinção entre sentenças definitivas, as que decidem a questão principal , e sentenças interlocutórias as quematerial decidem, objetivando as questões incidentes daí a da necessidade distinguir entre coisa julgada formal e coisa ,julgada justificar ,a surgindo imutabilidade sentença, de no mesmo processo em que foi proferida, e a sua imutabilidade, no mesmo ou em outro processo futuro. Atualmente, há quem negue valor a essa distinção, aconselhando a proscrição do conceito de coisa julgada formal, pois o fenômeno da preclusão explicaria a imutabilidade da sentença, como ato processual, no mesmo processo em que foi proferida, devendo manter-se, apenas, o conceito de coisa julgada, para traduzir o fenômeno a que se denomina coisa ulgada material. Proferida uma sentençade mérito, a parte interessada na sua reforma pode impugná-la por meio de recurso. Enquanto pendente o prazo para recurso, a sentença poderá ser modificada; mas haverá um momento em que não mais serão admissíveis quaisquer recursos, ou porque não foram utilizados nos prazos, ou porque não caibam mais, ou não haja recurso a ser interposto; quando, então, a sentença se torna imutávelcomo ato processual, no mesmo processo em que foi proferida; e, como o recurso é o meio de impugnação da sentença, nomesmo processo em que foi proferida, a sentença irrecorrível deixa de ser impugnável, tornando impossível a averiguação da justiça ou injustiça da decisão, transitando, então, em julgado. Ao fenômeno que imprime imutabilidade à sentença, como ato processual, em decorrência da preclusão do prazo para recurso, chama-se coisa julgada formal, impedindo as partes de discutir e o juiz de decidir de novo as questões já decididas. Restando a sentença imutável como ato processual, por força da coisa julgada formal, resta em consequência imutável o conteúdo do ato, cujo comando nele inserido se torna definitivo, projetando-se além do processo em que foi praticado, não podendo ser desconhecido fora dele. A esse fenômeno que imprime imutabilidade ao conteúdo da sentença denomina-secoisa julgada material ou substancial, pelo qual a imperatividade do comando emergente da sentença adquire força de lei entre as partes; quando se diz que a sentença adquiriu autoridade de coisa julgada. 7 A coisa julgada formal é pressuposto indeclinável da coisa julgada material.

Justificação da coisa julgada

Tendo em vista que a sentença definitivatransita em julgado, não podendo ser modificada, procura a doutrina a ustificar o seu fundamento. Por meio do processo, as lides são resolvidas mediante aplicação da lei, pelo que o ordenamento jurídico concede às partes o recurso, por meio do qual podem pretender modificar uma sentença errada ou injusta. Essa procura por justiça, contudo, deve ter um limite, além do qual não mais se permita discutir a sentença, pois, do contrário, não haveria estabilidade dos direitos. Este é o fundamentopolítico da coisa julgada, imposto por motivos de ordem prática e de exigência social; ou seja, que num determinado momento a sentença se torne imutável. Não há divergência quanto a ser este o fundamento político da coisa julgada.

No entanto, quanto ao fundamento jurídico da coisa julgada, não existe uniformidade na doutrina, proliferando um sem-número de teorias em busca de uma solução até hoje ainda não encontrada. São as seguintes as principais teorias que buscam explicar o fundamento jurídico da coisa julgada: I – Teoria da presunção de verdade – Para esta teoria, a sentença irrevogável é considerada verdadeira nos fatos e no direito, e, sendo tal presunção daquelas que não admitem prova em contrário, nessa presunção reside o fundamento urídico da coisa julgada (Res iudicata pro veritate habetur).8 Para Ugo Rocco, esta teoria parte da probabilidade de que a sentença não contenha erro e transforma esta hipótese, apenas provável, em presunção absoluta; mas, se a base dessa teoria reside num cálculo de probabilidade, não há razão para se ter tal presunção por absoluta e inderrogável, visto ser esse cálculo relativo, passível de exceções. II – Teoria da ficção da verdade – Esta teoria foi srcinalmente elaborada por Savigny, para quem a força legal da sentença passada em julgado não é senão ficção da verdade, que a protege contra qualquer tentativa de futura 9

impugnação ou reforma. Contra essa teoria bateu-se Bülow, mostrando queficção e verdade são conceitos antagônicos e inconciliáveis, e, também, Ugo Rocco, registrando que ela parte da hipótese de que a sentença possa ser errônea, e cuida de justificar esta possibilidade por meio de uma ficção. III – Teoria da força legal substancial da sentença – Esta teoria, elaborada por Pagenstecher, parte do pressuposto de que toda sentença é constitutiva do direito declarado, inclusive a sentença de mera declaração, e, onde o direito declarado não exista, passa a existir por força dessa declaração; pelo que o conteúdo da sentença é, sempre, uma declaração, que tem por objeto um direito subjetivo. A finalidade da sentença é criar, através da declaração, a certeza urídica a respeito da existência de um direito subjetivo; e, para atingir essa finalidade, é necessário que a declaração se torne incontestável; pois, só assim, qualquer juiz posterior, ao qual se proponha a questão já decidida, ver-se-á obrigado a considerar o direito nela declarado. Para essa teoria, a força produtora da certeza jurídica inerente à sentença não decorre dos seus efeitos, mas da sua natureza constitutiva, pois esta, de acordo com a sua finalidade, deve sempre produzir alguma coisa. Contra essa teoria, bateu-se Ugo Rocco, para quem ela foi construída para poder justificar a hipótese de a sentença ser injusta10 e, ainda assim, constituir direitos, desde que, em toda sentença, é constante o elemento constitutivo de 11 relações jurídicas; mas a sentença injusta não pode ser considerada pela ordem jurídica, além de certos limites. IV – Teoria da eficácia da declaração12 – Os fundamentos desta teoria, devida a Hellwig, residem na distinção entre sentenças declaratórias, constitutivas e condenatórias, restringindo a autoridade da coisa julgada somente à declaração constante da sentença em referência ao direito questionado , supondo que se possa e deva substituir o termo tradicional “ coisa julgada” (Rechtskraft ) por outro, mais preciso, “ eficácia da declaração” (Feststellungswirkung), que indicaria o efeito declaratório constante de toda sentença; embora podendo apresentar-se simultaneamente o efeito constitutivo ou executivo, conforme o tipo de sentença. V – Teoria da vontade do Estado – Esta teoria, partindo da observação de que, na sentença, se contêm um elemento lógico e outro volitivo, reconhece e sustenta que reside no elementovolitivo a força obrigatória da decisão, porque o juiz, ao decidir, age como órgão do Estado, de cuja vontade autoritária se faz porta-voz para a solução do litígioDeentre as partes. srcem alemã, esta teoria encontrou em Chiovenda seu defensor, sustentando que não se deve ver na sentença mais do que ela é, quer dizer, um ato da vontade do Estado, que se afirma conforme a vontade declarada em abstrato; e porque esta manifestação da vontade exerce, no particular, a função que a lei desempenha no geral, deve-se reconhecer que a autoridade da coisa julgada consiste somente em que nenhum juiz pode acolher pedido tendente a eliminar ou diminuir um bem da vida assegurado a outrem por um ato de tutela jurídica anterior. Para Ugo Rocco, deve-se repudiar essa teoria, por fazer decorrer a autoridade da coisa julgada, de ser a sentença um ato de vontade do Estado, seja porque a sentença não é, substancialmente, um ato de vontade autônoma dos órgãos urisdicionais, seja porque, mesmo admitida como ato de vontade, com isso não se explica o fenômeno da coisa julgada, porque o fato de ser um ato soberano, se é que justifica a obrigatoriedade da sentença frente às partes, não justifica a sua 13 força obrigatória frente aos órgãos jurisdicionais.

VI – Teoria da extinção da obrigação jurisdicional do Estado – Para esta teoria, que se deve a Ugo Rocco, a coisa julgada assenta seus fundamentos sobre o trinômio: jurisdição, ação e sentença. A jurisdição é uma obrigação do Estado de declarar ou realizar coativamente o direito no caso concreto; obrigação que o Estado cumpre com a sentença, mediante a substituição da atividade das partes pela atividade dos órgãos urisdicionais. A ação é um direito subjetivo público contra o Estado, no qual se distinguem um elemento substancial e um elemento formal. O elemento substancial é o interesse secundário e abstrato , que tem todo cidadão, de que o Estado intervenha para 14 declarar e realizar coativamente os interesses protegidos pelo direito objetivo. O elemento formal consiste na faculdade de pretender que o Estado haja com o fim de declarar ou realizar coativamente esse interesse individual, tutelado pelo direito objetivo. Da mesma forma que, nasobrigações em geral, o pagamento extingue o vínculo, na obrigação jurisdicional, uma vez entregue a sentença, que é a prestação do Estado, desaparece a obrigação; e, como o direito de ação tem por objeto essa mesma prestação, esse pagamento extingue ao mesmo tempo aquela obrigação e o direito de ação. A sentença final de mérito, tornada irrecorrível, extingue a obrigação jurisdicional do Estado, porque é o ato com o qual este cumpre a sua obrigação de declarar o direito; e, extinguindo esta obrigação, a sentença passada em julgado extingue, também, a pretensão jurídica da pessoa de obter aquela prestação; pelo que é nessa dupla função extintiva da sentença que o instituto da coisa julgada encontra o seu fundamento. VII – Teoria da sentença como lei especial15 – Esta teoria foi desenvolvida por Carnelutti, para quem a coisa ulgada tira sua autoridade da circunstância de constituir expressão da vontade do Estado como uma lei especial. A sentença éimperativa, porque provém do Estado, estando naimperatividade do comando contido na sentença a coisa julgada. Daí a diferença existente entre a sentença do juiz e o parecer de um jurista, toda ela centrada na diversa eficácia de uma e outro, porquanto a sentença é imperativa e por isso obriga, enquanto o parecer, não. Carnelutti distingue a eficácia da sentença dentro do processo, consistente na proibição de nova demanda, entre as mesmas partes, sobre o mesmo objeto, da que se verifica fora do processo, e decorre da sentença como lei especial. A primeira denomina-se eficácia de coisa julgada; a segunda denomina-se imperatividade. A sentença, ainda quando recorrível, não perde sua imperatividade, ou a sua eficácia como comando jurídico imposto às partes; sendo essa eficácia a mesma, tanto para a sentença recorrível quanto para a irrecorrível. Para a doutrina dominante, a coisa julgada formal antecede a coisa julgada material; mas, para Carnelutti, é a coisa ulgada material que antecede aformal. A função de compor a lide é própria das sentenças de mérito, pelo que só estas adquirem imperatividade, que toma o nome de “coisa julgada material”, e que, pela preclusão dos recursos, transformase em “coisa julgada formal”. VIII – Teoria da qualificação dos efeitos da sentença – A teoria da qualificação dos efeitos da sentença revolucionou o instituto da coisa julgada, quando Liebman publica sua obra “Eficácia e autoridade da sentença”, sustentando que a coisa julgada não é, como geralmente se pensa, um dosefeitos da sentença; mas, ao contrário, uma qualidade desses efeitos. Naatradição dotudo, direitoe não romano clássico, o efeito da sentença era precisamente res iudicata , masassegu-rando-a, isto porque, nesse direito, actio era havia noção de um direito independente dela; pora isso, a sentença, antes criava um direito novo do que lhe declarava a preexistência. Desde, porém, que a análise científica isolou, na decisão udicial, o seu conteúdo e os seus efeitos, e precisou que estes podiam ser de natureza diversa, daí continuar a considerar a coisa julgada um efeito da sentença, já não era da mesma inocuidade anterior. Para Liebman, todos os efeitos da sentença podem conceber-se, pelo menos hipoteticamente, produzidos independentemente da coisa julgada, sem que, por isso, desapareçam na essência e na sua natureza específica. A coisa ulgada é “algo mais” que se adiciona aos efeitos da sentença, para au-mentar-lhe a estabilidade; influi, portanto, e de modo idêntico, sobre todos os possíveis efeitos da sentença. Os efeitos da sentença não se identificam com a suaincontestabilidade, pois, antes de ela passar em julgado, confere-lhe a lei diversos efeitos; sendo a sua execução (cumprimento) provisória um irrefutável exemplo disso.

Distingue Liebman entre a eficácia natural da sentençaa autoridade da coisa julgada. A sentença é eficaz desde o momento da sua prolação, embora só em um momento ulterior, com a preclusão dos recursos, e, por isso, com a sua passagem em julgado, a sua eficácia se consolida e adquire um superior grau de energia. Não obstante a diversidade de funções que cumprem os atos estatais, estes atos (legislativos, administrativos ou urisdicionais) têm em comum a aptidão de influir sobre direitos, obrigações e sobre a situação jurídica das pessoas. A esta eficácia, típica dos atos estatais, denomina-seimperatividade. Mas a imperatividade é independente davalidade e da estabilidade dos atos dotados dela. A invalidade não tolhe ao ato a sua eficácia, até que seja declarada por uma autoridade competente, que, para o ato jurisdicional, é o juiz do recurso. E nem a tolhe a possibilidade de que o ato seja eliminado, isto é, reformado, revogado ou anulado, até que sobrevenha esse evento por ato do órgão competente, que, para a sentença, é, ainda, o juiz do recurso. Diferentemente do que se dá nos atos de outra natureza (legislativo e executivo), no ato jurisdicional cuja função específica é a de julgar, é relevante, ainda, outra qualificação: aquela da justiça-injustiça na aplicação do direito; mas tanto a injustiça quanto a invalidade se tornam inoperantes, e o ato mesmo se torna imutável, e a sua eficácia indiscutível, quando a sentença assa em julgado. Da mesma forma que os atos normativos (legislativos) podem ser ab-ro-gados, reformados etc., e declarados nulos por ilegitimidade constitucional; os atos administrativos são sujeitos a revogação, reforma ou anulação por novo ato; os atos jurisdicionais estão sujeitos a reforma ou anulação por meio de recursos, quando apresentam vícios de construção (erros de procedimento) ou erros de julgamento. Mas, na sua função de assegurar, com a atuação da lei, a certeza e segurança dos direitos, os atos jurisdicionais adquirem num certo momento a imutabilidade, que se estende aos seus efeitos (autoridade de coisa julgada), que é a sua nota distintiva específica, e inclui qualquer possibilidade de uma sentença em contrário. Como ato de autoridade do Estado, a sentença, logo que alcança a suaperfeição, com o cumprimento do iter prescrito para a sua formação, é imperativa; mas isto não exclui que motivos vários de oportunidade possam aconselhar a diferir o momento em que aquelaimperatividade se tornará efetiva, estabelecendo a suasuspensão por um determinado 16

período de exemplo, tempo – como acontece com a vacatio ou em atenção a que aconteça, ou não aconteça certo fato, como, por que não seja interposto apelo legis contra a–,sentença de primeiro grau. Ato jurisdicional, em sentido estrito, é somente a sentença que pronuncia, total ou parcialmente, sobre o mérito da demanda para acolhê-la ou rejeitá-la. A sentença éimperativa desde o momento da sua prolação, ainda que sujeita a recurso; mas a sua eficácia pode ser suspensa por disposição legal ou por decisão do juiz. Por motivo de ordem lógica e para clareza dos conceitos, é necessário distinguir essas duas noções: uma coisa é a imperatividade, que diz respeito à sentença, como de resto a todos os atos de autoridade do Estado; outra coisa é esta mesma imperatividade tornada estável e indiscutível, em consequência da imutabilidade que a sentença adquire com a sua passagem em julgado. Na concepção de Liebman, um ato jurídico existe, enquanto é eficaz, e, assim, a sentença, quando alcança a perfeição, com o término do procedimento de sua formação, é dotada de eficácia típica, em correspondência com o seu conteúdo. Todavia, a lei pode, por razões de oportunidade,suspender a sua eficácia, ou alguns de seus efeitos, com o objetivo de diferir a sua efetiva imperatividade para um momento posterior, quando será menor, ou terá desaparecido, o perigo de que a sentença venha a ser reformada ou anulada pelo juiz do recurso. Com o objetivo de pôr fim à lide e dar certeza aos direitos, o legislador fixou um momento a partir do qual é vedado qualquer julgamento sobre o que já foi julgado. A partir daí, não só asentença não é mais impugnável, mas a decisão é vinculante para as partes e para o ordenamento jurídico, e nenhum juiz pode, novamente, julgar o mesmo 17 A sentença, então, passa em julgado, ou seja, torna-se imutável, ou seja, produz objeto em face das mesmas partes. coisa julgada formal, e, ao mesmo tempo, imutável se torna também a deliberação18 nela contida, com todos os efeitos que emanam dela, produzindo acoisa julgada material. A coisa julgada formal ocorre com a passagem em julgado da sentença, isto é, com a preclusão dos prazos para recurso, constituindo, assim, o pressuposto da coisa julgada material, chamada “autoridade de coisa julgada”. A coisa

ulgada material não é senão uma qualidade da sentença e da sua eficácia, ou, especificamente, aquele particular aspecto da sua imutabilidade, que é referido também ao seu conteúdo, e, assim, aos seus efeitos. A eficácia natural da sentença, com a aquisição dessa ulterior qualidade, acha-se intensificada, porque se afirma como única e imutável formulação da vontade do Estado, ao regular concretamente a espécie decidida. Para Liebman, a sentença que decide sobre o processo, jurisdição, competênciaetc. não produz uma coisa julgada diversa daquela que decide sobre o mérito, estando a diversidade entre ambas no conteúdo da sentença e no diferente alcance dos efeitos que a sentença produz. O alcance da decisão relativa ao procedimento se exaure no próprio processo, enquanto a sentença que decide o mérito desprende sua eficácia fora do processo, sobrevivendo a ele.

Limites objetivos da coisa julgada A sentença compõe-se de três partes: relatório, fundamentos, e dispositivo (CPC, art. 489; CPP, art. 381; e CLT, art. 832). Quando a doutrina traça os limites objetivos da coisa julgada, busca determinar que parte da sentença transita em ulgado. Jamais alguém negou que o relatórionão transita em julgado; da mesma forma que nunca alguém contestou que o dispositivo transita em julgado. O problema reside em determinar seos fundamentos transitam ou não em julgado. Em sede doutrinária, diversas são as opiniões a respeito: I) para uns, acoisa julgada absolutamente não atinge a motivação; II) para outros, atinge a motivação, quando o dispositivo for confuso e o seu esclarecimento dela depender; III) para outros, abrange os motivos, quando insertos na decisão; IV) outros entendem que os motivos são sempre abrangidos pela coisa julgada, por neles estara alma da sentença. Conforme a doutrina de Savigny, osmotivos (ou fundamentos) da sentença integram a coisa julgada, mas não todos eles, mas apenas os elementos objetivos, como tais entendidos os constitutivos da relação jurídica. Assim, por exemplo, na ação de reivindicação, o autor tem de alegar sua propriedade sobre a coisa e a posse do réu, sendo estes os elementos constitutivos da ação de reivindicação. Declarando procedente a ação, e condenando o réu a devolver a coisa ao autor, a sentença reconhece, evidentemente, a existência da propriedade do autor e a posse do réu, pois, de outro modo, não poderia ter julgado a ação procedente. A propriedade do autor e a posse do réu, enquanto elementos constitutivos da relação jurídica decidida ou elementos objetivos da decisão, integram-se na coisa julgada. Não se integram na coisa ulgada os motivos subjetivos que levaram o juiz à formação de sua convicção. Prevê expressamente o novo Código de Processo Civil, no seu art. 504, que não fazem coisa julgada: I – os motivos, ainda que importantes para determinar o alcance da parte dispositiva da sentença; II – a verdade dos fatos, estabelecida como fundamento da sentença. O novo Código de Processo Civil prevê também, no seu art. 503, caput, que a decisão que julgar total ou parcialmente o mérito tem força de lei nos limites da questão principal expressamente decidida. Dispõe, porém, o § 1º do art. 503 que: “ O disposto no caput aplica-se à resolução de questão prejudicial, decidida expressa e incidentemente no processo, se: I – dessa resolução depender o julgamento do mérito; II – a seu respeito tiver havido contraditório prévio e efetivo, não se aplicando no caso de revelia; III – o juízo tiver competência em razão da matéria e da pessoa para resolvê-la como questão principal.” Estabelece, por seu turno, o § 2º do art. 503 que a hipótese do § 1º não se aplica se no processo houver restrições probatórias ou limitações à cognição que impeçam o aprofundamento da análise da questão prejudicial; como sucede, por exemplo, no mandado de segurança. No sistema anterior, a questão prejudicial não transitava em julgado, a não ser quando fosse transformada em questão principal, por meio da ação declaratória incidental, ação esta que, no entanto, foi abolida pelo novo CPC, instituindo um simples procedimento para discussão da questão prejudicial incidente; que, dependendo das circunstâncias expressamente previstas em lei (art. 503), é alcançada pela autoridade de coisa julgada. A coisa julgada tem a função de salvaguardar o resultado prático alcançado com a decisão da lide, isto é, de assegurar a plena efetividade e incolumidade da resolução contida na sentença, destinada a valer incondicionalmente e sem limite de tempo, salvo os casos de revisão criminal, na esfera penal.

A decisão da causa reside nodispositivo da sentença e representa o concreto provimento pronunciado pelo juiz, mas, para identificá-lo, é preciso pesquisar, nos fundamentos, os elementos indispensáveis dacausa de pedir e do edido. Tanto isto é evidente que, muitas vezes, o dispositivo é redigido em termos bastante abstratos, e somente os fundamentos (ou motivação) permitem traduzi-lo em termos claros e concretos. Assim, é comum o dispositivo soar que “ acolhe” ou “rejeita” a demanda; mas isso não significa que os motivos são cobertos pela coisa julgada. O objeto do julgado é a concreta decisão sobre a demanda proposta em juízo; que acerta como fundada ou infundada a demanda; como existente ou inexistente o direito feito valer em juízo; e dispõe sobre os efeitos consequentes, como o efeito condenatório, constitutivo ou declaratório. Por isso, deve ser acolhida com muita cautela a afirmativa segundo a qual a coisa julgada se estende às questões debatidas e decididas na sentença. É uma afirmação muito ampla, de um lado, e muito estreita, de outro. Muito ampla, porque não são cobertas pelo julgado numerosas questões de fato e de direito que o juiz tem de examinar para decidir a causa, as quais representam o caminho lógico por ele percorrido para chegar à conclusão; mas perde toda importância depois que ele pronuncia a decisão. Assim, as questões prejudiciais, eventualmente decididas no processo, sofrem análogo tratamento, pois são objeto de cognição, mas não de decisão; com 19 De outro lado, muito estreita, porque o vínculo do julgado exclui que se possam eficácia lógica, mas não imperativa. fazer valer questões que poderiam colocar de novo em discussão a deliberação contida na sentença, também se não foram propostas no processo e não foram objeto de exame do juiz. É isto que se entende dizer, na prática, com a afirmação de que o julgado cobre o deduzido e o dedutível (CPC, art. 508). 20

Limites s ubjetivos da cois a julgada Quando se busca delimitar oslimites subjetivos da coisa julgada, cui-da-se de estabelecer em relação a que pessoas a sentença passa em julgado; tema dos mais controvertidos na doutrina, que até o momento não chegou a resultados satisfatórios. 21 não em relação a terceiros, estranhos à demanda, 22 que A sentença passa em julgado em relação às partes na causa; não são nem beneficiados e nem prejudicados por ela. Observa Liebman que, na vida real, as relações entre as pessoas interferem de várias maneiras entre elas; e a sentença pode ser indiretamente relevante para terceiros. Esses terceiros podem ostentar direitos sobre bens que foram objeto do processo, ou serem titulares, juntamente com uma das partes, da relação sobre a qual se pronunciou o juiz, ou de uma relação dependente daquela; e assim por diante. Nestes casos, ou pelo menos em alguns deles, estender ao terceiro o vínculo da coisa julgada pode parecer apenas uma lógica consequência do processo entre as partes e da coisa julgada que resulta dele. Assim, se Caio reivindica de Tício um bem e obtém uma sentença que lhe dá razão, pode parecer lógico que Tício possa servir-se dessa sentença para obter de Semprônio, que lhe vendeu aquele bem, o ressarcimento que lhe é devido, por ter ocorrido evicção a . Isso explica as tentativas de sujeitar algumas categorias de terceiros à coisa julgada alheia, com o fim de simplificar e racionalizar as relações entre as pessoas, e tornar coerentes as decisões relativas a relações jurídicas ligadas por uma relação também jurídica de dependência, subordinação ou coordenação. Sobre essa extensão da coisa julgada a terceiros, formularam-se várias teorias, figurando dentre as mais importantes: I – A teoria da identidade objetiva da relação jurídica estende ao terceiro a coisa julgada alheia desde que sejam 23 objetivamente idênticas as duas relações jurídicas: a resolvida na causa anterior e a do terceiro. II – A teoria da representação se baseia na relação intercorrente entre o terceiro e a parte que moveu ou contra a qual se moveu a demanda de que resultou a coisa julgada. Para essa teoria, a coisa julgada vale em relação a outras pessoas, que não as partes na causa, assim para os sucessores das partes, a título universal ou a título singular, tanto para favorecer quanto para prejudicar, desde que a sucessão seja posterior à sentença. O terceiro, por sua qualidade de sucessor, pode ser considerado representado pela parte. Assim, a sentença que decide sobre a legitimidade do filho faz coisa julgada não só para o pai, parte na causa, como para todos os outros membros da família, máxime para os irmãos desse filho, porque, justifica-se, hajam sido

representados na lide pelo pai. Para que tal extensão se dê, é necessário que a ação se mova contra o legítimo contraditor, o réu se defenda e não haja simulação. Nesse caso, o terceiro sofre a influência da coisa julgada, porque esteve representado no processo por uma das partes. Esta teoria foi seguida pelos antigos processualistas, como Teixeira de Freitas, João Monteiro e Paula Batista. III – Ateoria da identidade da posição jurídica explica a sujeição do terceiro à coisa julgada alheia, quando este, em face da relação jurídica discutida no novo processo, encontra-se na mesma posição jurídica em que se figurou no processo anterior. Segundo esta teoria, a decisão vincula a pessoa que posteriormente pleitear em juízo uma relação idêntica àquela, quanto à coisa pedida e quanto à causa de pedir, desde que, em face da relação jurídica pleiteada, o novo autor esteja na mesma posição jurídica que ocupou no primeiro processo. IV – da A teoria subordinação da posição jurídica sustenta que oemquequejustifica, ponto deemvista a extensão coisa da julgada ao terceiro é acondição de subordinação este sedoencontra facedodedireito, um dos litigantes, considerada, para determinar essa condição, a situação jurídica de um em relação à de outro. Para que decorra a sujeição do terceiro à sentença proferida entre as partes, é preciso que esse terceiro esteja numa “ posição jurídica de subordinação” em face de uma das partes da causa, ou seja, que o terceiro esteja na condição de depender, na sua situação jurídica, da situação jurídica de uma das partes da causa; subordinação essa resultante do direito substantivo e não do processual. As normas de direito substancial estabelecem as condições de que depende o efeito processual daquela extensão, porque estatuem, quando entre os terceiros e a parte em causa existe uma relação de que resulte ter o primeiro sua 24 situação jurídica necessariamente influenciada pela atividade da segunda. V – A teoria dos efeitos reflexos da coisa julgada25 sustenta que a coisa julgada se impõe aos terceiros como um dos efeitos reflexos da sentença, diverso dos efeitos diretos que ela produz frente às partes na causa. A coisa julgada impõe-se comofato jurídico a todos, partes e terceiros, mas, perante os terceiros, os efeitos que ela produz são reflexos, distintos dos que produz para as partes, que sãodiretos. Para Chiovenda, como todo ato jurídico existe e vale em relação a todos, como ato jurídico entre as partes que o concluíram, a sentença existe e vale em relação a todos, como sentença entre as partes. Todos são obrigados a reconhecer a sentença, como sentença entre as partes, mas isto não significa que possam ser por ela prejudicados. Assim, a sentença é obrigatória para os litigantes e vale, como sentença, em relação a terceiros; mas os terceiros não podem ser por ela prejudicados em seus direitos. O mesmo acontece com a coisa julgada, pois, embora todos estejam obrigados a reconhecer a coisa julgada entre as partes, não podem fazê-lo com o prejuízo dos próprios direitos, incluído aí apenas o prejuízo jurídico, e não o mero rejuízo de fato. Assim, o credor que teve o seu devedor condenado por outro débito a terceiro, e é obrigado a reconhecer a coisa julgada decorrente da decisão, recebe desta um prejuízo de fato , e não de direito. A relação jurídica de compatível com o que a sentença declarou existente. que são titulares o terceiro e uma das partes na causa é perfeitamente Quando a sentença importa em negar o direito de terceiro, estranho ao processo, haveráprejuízo jurídico. Assim, por exemplo, quando a ou, relação jurídica havida reconhecido por existente na ou causa inexistente pela sentençacom tenha comodetitular terceiro,se estranho ao processo, quando o direito sejaincompatível outro que oumterceiro considere titular. Nesses casos, a coisa julgada não vale para esses terceiros. Distingue essa teoria três categorias de terceiros: a) totalmente indiferentes; b) titulares de relação jurídica incompatível com a decidida na sentença; e c) titulares de relação jurídicacompatível com a decidida pela sentença. a) Os terceiros totalmente indiferentesnão podem impedir a prolação da sentença nem se opor a ela; devendo, pura e simplesmente, reconhecer a coisa julgada. b) Os terceiros titulares de relação jurídica incompatível com a decidida na sentençanão estão obrigados a reconhecer a coisa julgada, pois seriam juridicamente prejudicados, se devessem reconhecê-la, podendo assim opor-se a ela.

c) Os terceiros titulares de relação jurídica compatível com a decidida na sentençasofrem apenas prejuízo defato e devem reconhecer a coisa julgada. VI – A teoria da eficácia natural da sentença, que mereceu a adesão quase unânime da doutrina nacional, vem exposta no item a seguir.

Teoria da eficácia natural da sentença Esta teoria se deve a Liebman, que nunca se conformou com a teoria dos efeitos reflexos da sentença, como norma reguladora da eficácia da decisão em face de terceiros, porque a coisa julgada não é um efeito da sentença, mas uma qualidade desses efeitos. De acordo com a doutrina dominante, tal eficácia é uma extensão da coisa julgada, porque nesta se consubstanciam os efeitos da sentença. Desde, porém, que se considerem os efeitos da sentença, isoladamente do modo de ser dos mesmos, e se faça residir nessemodo de ser a coisa julgada, pode-se chegar à não coincidência da eficácia da sentença com a autoridade de coisa julgada;26 podendo uma e outra ter limites subjetivos diferentes, em que a sentença seja eficaz para terceiros, mas sem aquela característica que constitui a autoridade de coisa julgada. Para Liebman, uma coisa é a eficácia natural da sentença; e outra, a coisa julgada, decorre de uma imposição legal, por motivos de oportunidade e conveniência política. Aos efeitos da sentença, como ato de autoridade estatal, concretizadora da vontade da lei, estão sujeitos não só os litigantes, titulares da relação jurídica decidida, como, gradativamente, todas as demais pessoas, cujos direitos se relacionem, de qualquer modo, com o objeto da sentença, por conexão, dependência ou interferência prática. A natureza dessa sujeição é para todos, litigantes e terceiros, mas a sua medida é determinada pela relação de cada um deles com o objeto da sentença. Entre os litigantes e terceiros há, porém, uma grande diferença: para os litigantes, a sentença passa em julgado, isto é, os seus efeitos tornam-se imutáveis; para os terceiros, isso não acontece. Distinguindo-se os efeitos da sentença, da imutabilidade deles, vê-se que acoisa julgada, uma qualidade desses efeitos, é limitada às partes, o que não ocorre com os próprios efeitos, que alcançam mesmo os terceiros, aos quais se dá remédio para evitá-los, através, por exemplo, da intervenção de terceiros no processo ou do recurso de terceiro prejudicado. Formula, assim, Liebman dois princípios: a) a eficácia natural da sentença vale para todos; b) a autoridade de coisa julgada se forma e existe somente para as partes. Porque a eficácia natural da sentença atinge terceiros, e não a coisa julgada, podem estes se insurgir contra ela, demonstrando sua injustiça ou ilegalidade. Os terceiros que podem se opor à sentença são tão somente aqueles que sofram com ela um prejuízo jurídico, e não os que, em razão dela, sofram um prejuízoprático ou econômico. No entanto, no Brasil, a Lei n. 9.469/97 (art. 5º) estabelece que a União e quaisquer pessoas jurídicas de direito público (e também as sociedades de economia mista) podem intervir no processo de outrem, comprovando mero interesse econômico, independentemente da demonstração de interesse jurídico. Na mesma linha b) daterceiros teoria deinteressados Chiovenda,praticamente; distingue Liebman três juridicamente categorias de interessados. terceiros, com igual alcance: a) terceiros indiferentes; c) terceiros

Projeção da cois a julgada penal na es fera cí vel Posto o problema das relações entre a jurisdição cível e a jurisdição penal, aparece como importante conquista da moderna ciência do processo a afirmação, propugnada por Mortara, da unidade e da identidade das jurisdições, como função e como manifestação da soberania do Estado; foi revelada a necessidade de evitar interferências e contradições na atividade dos juízes penais e cíveis; e, para os casos em que uns e outros fossem chamados a conhecer de um mesmo fato, sustentada a prevalência da jurisdição penal sobre a cível, como aquela que se exercita no interesse da coletividade, e que, por isso, envolve, também, o interesse do particular individualmente lesado pelo fato delituoso.

O vínculo do juiz cível aos acertamentos contidos na sentença penal era a lógica e natural consequência destas proposições. As várias teorias fundam a prevalência da jurisdição penal sobre a cível nas justificativas as mais diversas: a) Para uma corrente, a prevalência da jurisdição penal sobre a cível se deveunidade à da jurisdição, pois, tendo o uízo penal sentenciado uma causa, deve a sentença prevalecer também na esfera cível. Essa posição não convence, a uma, porque a unidade de jurisdição não exclui a separação das competências, e, a outra, porque não se exige que se reconheça à sentença penal uma eficácia no cível, que não lhe corresponda no âmbito da própria jurisdição penal. b) Para outra corrente a prevalência da jurisdição penal sobre a cível reside ficção da representação da na generalidade dos cidadãos na pessoa do Ministério Público, o que é discutível, porque essa ficção pode subsistir para o que diga respeito ao interesse geral da repressão ao crime, mas não para os direitos subjetivos dos particulares, que se achem dever de corrente, litigar coma relação a fatos constituam também processo penal. c) no Para outra prevalência daque jurisdição penal sobre objeto a cíveldeseumdeve ao fato de que no processo penal, dominado pelo princípio inquisitório, o acertamento dos fatos é cumprido com todas aquelas garantias de indagações profundas que faltam no processo do tipo dispositivo, e que permitem considerar o juízo histórico formulado pelos uízes penais, como mais atendíveis e definitivos que aqueles formulados na sentença cível. d) Para outra corrente, essa prevalência resulta da necessidade evitar de julgados contraditórios. Para Liebman, esta última opinião deve ser respeitada, mas não além dos limites que nos demais campos e nos demais casos em que a lei o exige. O instituto da coisa julgada é destinado a excluir oconflito prático dos julgados, isto é, decisões diversas a respeito da mesma ação, mas não um conflito simplesmentelógico, ou seja, aquele que pode ser a consequência de 27 decisões independentes em torno dos mesmos fatos ou das mesmas questões, mas para fins e efeitos diversos. Registro, por oportuno, que não é apenas a coisa julgada penal que repercute na esfera cível, porque também a cível repercute na penal, pelo que, se alguém, por exemplo, estiver sendo processado por bigamia, e o juízo cível, por sentença transitada em julgado, declarar a nulidade de um dos casamentos, o processo penal perde o seu objeto, pois terá deixado de haver crime.

Bibliografia CARNELUTTI, Francesco. Instituciones de derecho procesal civil. Buenos Aires: EJEA, 1956. ______. Principi del processo penale. Napoli: Morano, 1960. ______. Lezioni di diritto processuale civile. Padova: La Litotipo, 1926. v. IV. CHIOVENDA, Giuseppe. Saggi di diritto processuale civile. Milano: Giuffrè, 1993. v. II. ______. Instituições de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1969. v. I e III. ESTELLITA, Guilherme. Da cousa julgada, fundamentos jurídicos e extensão a terceiros . Rio de Janeiro, 1936. LEONE, Giovanni. Manuale di diritto processuale penal . Napoli: Jovene, 1977. LIEBMAN, Enrico Tullio. Manuale di diritto processuale civile. Milano: Giuffrè, 1981. ______. Efficcacia ed autorità della sentenza. Milano: Giuffrè, 1962. MARQUES, José Frederico. Instituições de direito processual civil . Rio de Janeiro: Forense, 1960. v. V. ROCCO, Ugo. L’autorità della cosa giudicata e suoi limiti sogettivi. Roma: Athenaeum, 1907. ______. Tratado de derecho procesal civil. Buenos Aires: Depalma, 1969. v. II. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. São Paulo: Saraiva, 2009. v. 3. TUCCI, Rogério Lauria. Curso de direito processual. São Paulo: José Bushatsky, 1976.

1

A condição resolutiva não nasce com a sentença, mas com a interposição do recurso, permanece pendente, enquanto não haja pronunciam ento do j uízo de segundo grau, e verifica-se apenas quando o acórdão modifica a sentença recorrida.

2

Para Leone, não é correto pensar que aquilo que a lei define como sentença possa, por um particular fenômeno sucessivo à sua emanação, perder tal nature za e degradar-se e m simples proj eto ou tentativa de sentenç a; nem que um a situação j urídica criada pelo órgão j urisdicional possa eleva r-se à dignidade de uma sentença por obra da parte, com a sua aquiesc ência. Essa teoria vê a colabor ação da parte com o necessária para que haja sentença, o que repugna à natureza mesma da função jurisdicional, que encontra o seu ponto culminante na sentença; e, portanto, insusceptível de qualquer contribuição de outros sujeitos processuais, que não o órgão da jurisdição. Para Ugo Rocco, esta teoria só considera sentença o ato jurisdicional que contenha declaração de certeza de uma relação, desde que não possa ser impugnado; concebe a sentença em função da possibilidade de um novo exame; e coloca como elemento essencial a ela a impugnabilidade; mas a impugnabilidade não é essencial à noção de sentença.

3

Par a Ugo Rocco, a sentença rec orrível é um ato jurídico com força obrigatória, sujeito a revogação pelos órgãos superiores competentes para conhecer da ca usa em segunda instância.

4 5

“Tem -se por verdade a coisa j ulgada.” “A sentença faz do branco preto, do quadrado, re dondo.”

6

Eficácia e autoridade da sentença.

7

Na doutrina de Car nelutti, ocorre o inverso: a coisa julgada m ater ial é que é o pressuposto da coisa j ulgada f orm al.

8

Tem -se por verdade a coisa j ulgada.

9

Esta teoria tem hoje mero sabor histórico. 10 A sentença inj usta é aquela c ontam inada por err o de j ulgame nto, quando o juiz err a no submeter os fatos ao direito, ou no aplicar o direito aos fatos. 11 Ocorre com a sentença o m esmo que c om o título de c rédito: tem normalmente valor, enquanto representa efetivamente um valor real; depois de depreciado, adq uire c urso forçado, perma nece um me io legal de pagamento, não se podendo recusá-lo nem discutir-lhe o valor nominal. 12 Até que Hellwig construísse essa doutrina, considerava-se a coisa julgada fonte de produção de certeza. Todavia, reconhecido que a sentença já não tinha só aquele efeito, mas outros de nature za vária, surgiu a dificuldade de enfileirar, ao lado destes, o efeito tradicional. Daí a necessidade lógica de encontrar, em cada situação, uma parte suscetível de adquirir autoridade de coisa julgada, e essa parte, sustentou Hellwig, era precisamente aquela existente em toda sentença, na qual se fazia a declaração do direito. 13 Para Guilherme Estellita, a imutabilidade dos termos em que se tenha manifestado a vontade do Estado não se justifica pelo fato de ser a sentença expressão dessa vontade; essa condição a sentença adquire porque o próprio Estado, por uma outra manifestação da sua vontade soberana, assim o determina. 14 Secundário , porque é um interesse de segundo grau, em confronto com os interesses que formam o conteúdo dos vários direitos subjetivos, que são interesses primá rios; intere sse que o Estado int erve nha. Abstrato, porque, sendo distinto dos interesses primários, e dirigindo-se contra o Estado, abstrai completamente da efetiva existência do interesse primário. 15 Esta teoria da sentença como lei especial foi, com enfoques diversos, desenvolvida também na Alemanha por Adolf Merckel e Bachmann, mas só ganhou prestígio no Ocidente devido à autoridade de Carnelutti, que também a desenvolveu, embora de forma inteiramente oposta às teorias em vigor. 16 “ Vacatio legis” é uma expressão latina que significa “vacância da lei”; e designa o período que decorre entre o dia da publicação de uma lei e o dia em que ela entra em vigor. 17 Salvo os casos de aç ão re scisória ou re visão c riminal. 18 Também dita decisão ou resolução. 19 Somente quando a questão prejudicial é convertida em questão principal, mediante ação declaratória incidental, ela é alcançada também pela coisa julgada. 20 Art. 508. Transitada em julgado a decisão de mérito, considerar-se-ão deduzidas e repelidas todas as alegações e as defesas que a parte poderia opor tanto ao ac olhimento quanto à re jeição do pedido. 21 Sententia facit ius inter partes ou “A sentença cria direito entre as pa rtes.” 22 Res inter alios iudicata tertio non nocet ou “A coisa julgada não prejudica a terceiro.” 23 Deste entendimento são Cogliolo, Mendelssohn-Bartholdy e Sperl. 24 Essa teoria distingue quatro formas de subordinação: a) No caso de sucessão, a subordinação da posição jurídica do terceiro resulta não só do derivar de qu em era o fato de a sucessão ter-se verificado depois de a relação ter-se tornado litigiosa, como do fato de a sua posição jurídica titular da relação jurídica, ao tornar-se litigiosa. b) No caso de substituição processual, o substituto processual tem o poder de tornar litigiosa a relação jurídica do substituído e de determinar, com a sua atividade, a configuração jurídica da mesma; o substituto tem o poder de influir

sobre a relação jurídica de uma terceira pessoa, cuja posição jurídica está, por essa forma, subordinada à do seu substituto processual. c) No caso de concorrência alternativa, o nexo que liga a posição jurídica do terceiro à da parte na causa é mais sutil, não porém indemonstrável. É a hipótese de obrigações solidárias. d) No caso de dependência nec essária, a conexão e subordinação das relações jurídicas compreendidas neste grupo, como a fiança em face da obrigação principal, as relações de estado da pessoa etc., são, desde o início, unilaterais, no sentido de que só existem de uma para outra relação, nunca reciprocamente, como nas obrigações alternativamente concorrentes. A existência da relação condicionada depende da existência da relação condicionante. 25 Adepto desta corrente é Chiovenda, que vê, na extensão da coisa julgada a terceiros, uma forma de eficácia reflexa da sentença. 26 O art. 1.165 do CPC distingue, nitidamente, os “efeitos” da sentença, da sua “passagem em julgado”, que ocorrem em momentos distintos. Dispõe e sse artigo que a sentença que determ inar a a bertura da sucessão provis ória só produzirá e feito 6 (seis) me ses depois de publicada pela imprensa; mas, logo que passe em julgado, se procederá à abertura do testamento, se houver, e ao inventário e partilha dos bens, como se o ausente fosse falecido. 27 O simples conflito lógico de julgados é preferível preveni-lo e evitá-lo, mas não à custa de multiplicar, automaticamente e sem possibilidade de controle, as consequências injustas de um eventual erro, que também o juiz penal, assim como todo homem, pode cometer.

17 EXECUÇÃO Execução e processo. Pressupostos processuais na execução. Objeto da execução. Lide na execução. Condições da ação de execução. Defesa na execução. Embargos à execução: natureza jurídica. Tipologia dos embargos. Execução e jurisdição. Exceção (ou alegação) de pré- executividade. Cumprimento de sentença.

Execução e proces s o O processo de execução, tanto quanto o de conhecimento, é uma forma de tutela jurisdicional prestada pelo Estado, que, em determinadas circunstâncias, desenvolve a atividade dos seus órgãos jurisdicionais para garantir aos urisdicionados os resultados que não foram obtidos pela atuação voluntária do obrigado. A execução se realiza através de atos consistentes em medidas coercitivas, por via das quais se transforma a situação de fato existente, na situação ordenada pelo título executivo, formando, para tanto, uma relação jurídica processual, cujos sujeitos principais são as partes (exequente e executado) e o juiz. O processo de execução tem vida própria, sendo distinto do processo de conhecimento, ao qual não pressupõe necessariamente, fundando-se em títulos executivos extrajudiciais, distintos dos títulos executivos judiciais. A autonomia do processo de execução não pode ser negada, se se considerar que a execução depende de uma manifestação de vontade do exequente, através do exercício da ação de execução, pondo em movimento a atividade urisdicional do Estado, impondo a citação do executado, formando uma relação processual entre as partes e o juiz. Em prol dessa autonomia, alinha-se a circunstância de poder a execução ser fundada em condenação proferida no processo penal e no processo arbitral,1 em que as sentenças podem ser executadasrectius, ( cumpridas) no juízo cível.2 Se a execução fosse, em qualquer circunstância, uma simples fase do processo de conhecimento, não se compreenderia 3 como pudessem as sentenças condenatória penal e arbitral ser liquidadas e executadas no juízo cível. A inovação, no entanto, não assegurou à execução a celeridade que se esperava, transformando a vida do exequente numa via-crúcis, tamanhas as formas de defesa toleradas pelo processo de execução, admitindo “ embargos” sob as mais variadas modalidades (à penhora, à execução, à adjudicação, à arrematação etc.); até de quem não seja parte no processo (embargos de terceiro). Essa a razão pela qual o Código deu uma guinada de cento e oitenta graus; extinguiu a unidade do processo de execução; transformou a execução de sentença numa simples fase do processo de conhecimento, quando fundada em título executivo judicial – dentre os quais a sentença condenatória –, e umprocesso autônomo quando fundada em título executivo extrajudicial (letra de câmbio, nota promissória, cheque etc.). Atualmente, a execução de título judicial não se faz mais sob as vestes do processo de execução, mas como fase do próprio processo de conhecimento, através de um procedimento denominado “ cumprimento da sentença”.

Pre s s upostos proces s uais na execução. Objeto da execução. Lide na execução. Condiç ões da ação de execução O processo de execução, para ser válido e eficaz, está condicionado a determinados pressupostos, denominados ressupostos processuais , sendo alguns comuns ao processo de conhecimento, como são os pressupostos de existência e

de validade, e, outro, específico do processo de execução, como otítulo executivo. Os pressupostos processuais genéricos do processo de execução são os mesmos de qualquer processo: I – Pressupostos de existência: 1) subjetivos: partes e juiz; 2) objetivo: lide. II – Pressupostos de validade: subjetivos: 1) quanto às partes: a) capacidade de ser parte; b) capacidade para estar em juízo; c) capacidade postulatória. 2) quanto ao uiz: subjetivos. a) investidura na jurisdição (competência); b) imparcialidade: ausência de impedimento e de suspeição; objetivo. 3) quanto à lide: srcinalidade: ausência de litispendência e de coisa julgada4. O pressuposto processual específico do processo de execução é otítulo executivo, não se podendo instaurar a execução sem que se tenha por base um título executivo extrajudicial (nulla executio sine titulo).5 A execução tem por base título executivo extrajudicial, estando esses títulos elencados pelo Código de Processo Civil (art. 784). 6 A competência para processar e julgar a ação de execução é dada, em primeiro lugar, pelas normas processuais, e, sucessivamente, pelas normas de organização judiciária, e pelas respectivas leis que conferem executividade ao título extrajudicial. O processo de execução tem também umobjeto próprio, que não se identifica com o do processo de conhecimento, consistindo num pedido para a realização da sanção contida no título executivo, que é sujeitar o devedor às medidas tendentes à satisfação do direito material. O objeto imediato do processo de execução é o pedido do exequente de que sejam realizadas as atividades objeto mediato reside nos bens que necessárias à efetivação da regra sancionadora constante do título executivo, e o seu compõem o patrimônio do executado, sabido que é que tais bens respondem pelo cumprimento de suas obrigações. No processo de execução, há lide de pretensão insatisfeita (Carnelutti) porque, embora o executado não conteste a pretensão (material) do exequente, não a satisfaz; sendo que essa lide se revela nosembargos à execução (CPC, art. 914, caput)7 em que é resolvida por sentença. Em se tratando de título judicial (CPC, art. 515), 8 tem lugar o cumprimento da sentença (CPC, art. 513, caput),9 que constitui hoje mera fase do processo de conhecimento. Sendo a execução de título extrajudicial umaação, o seu exercício depende igualmente do preenchimento de certos requisitos denominados condições da ação, a saber: a) possibilidade jurídica do pedido; b) interesse de agir; e c) legitimação para agir.10

Defesa na execução. Embargos à execução: natureza jurídica. Tipologia dos embargos A defesa do executado, no processo de execução, não se realiza através da contestação, como no processo de conhecimento, mas de embargos à execução, que não são propriamente uma defesa, mas verdadeira ação pela qual o executado formula uma pretensão consistente na desconstituição do título executivo. Como ação, os embargos à execução dão lugar a um processo em que o embargante é o executado e embargado, o exequente, nascendo aí uma relação processual em tudo idêntica àquela formada no processo de conhecimento, ligando as partes (exequente e executado) e o juiz, na sua qualidade de órgão jurisdicional. A execução extrajudicial comporta defesa não apenas porà adjudicação; meio dos embargos à execução, havendod)uma variada tipologia de de título embargos: a) embargos à penhora; b) embargos c) embargos à arrematação; embargos de retenção; ee) embargos de terceiro. Não apenas o executado, mas também terceira pessoa, não vinculada ao título executivo, pode se opor à execução 11 alheia, constituindo esses embargos uma modalidade de intervenção de terceiros no processo (embargos de terceiro). No processo de execução, não existe juízo de cognição senão de forma incidental, nos autos dos embargos à execução, sendo lícito ao embargante alegar, além das matérias autorizadas pelo Código de Processo Civil, qualquer 12 Essa sistemática se outra que lhe seria lícito deduzir como defesa no processo de conhecimento (art. 917, I a VI). ustifica, porquanto o processo de execução não é precedido de um processo de conhecimento, não tendo o executado e embargante a oportunidade de defender-se com a amplitude assegurada pela Constituição.

Execução e juris diç ão A execução por título extrajudicial, no plano civil, começa pelo exercício daação de execução, “ pela qual o credor pretende um provimento jurisdicional satisfativo”, dando srcem a um processo (processo de execução), havendo o exercício de atividade jurisdicional verdadeira e própria, onde ocaráter substitutivo, revelado por Chiovenda, se apresenta com maior intensidade do que no processo de cognição. A discussão sobre a natureza da execução penal perdeu força na medida em que a sentença, que é o mais expressivo dos títulos executivos judiciais, não é mais objeto de execução através de processo próprio (processo de execução), sendo agora objeto de simples cumprimento (art. 513),13 mesmo quando se trate de obrigação por quantia certa, em que a execução é sincretizada no processo de conhecimento. Na esfera penal, entende Magalhães Noronha que não há jurisdição nem processo, mas mero procedimento administrativo, 14 tendente ao efetivo cumprimento da pena pelo condenado, com o quenão concordam Araújo Cintra, Ada Pellegrini e Cândido Dinamarco, que sustentam o caráter jurisdicional da execução penal. Para estes últimos, a imposição da pena tem natureza administrativa; mas os incidentes da execução têm caráter eminentemente jurisdicional. Nesses incidentes, sempre entendeu a doutrina haver o exercício de jurisdição penal. 15 que impuser pena privativa de liberdade é sempreforçada, uma vez que não pode o A execução da sentença penal condenado sujeitar-se voluntariamente ao seu cumprimento, dando-se o seu recolhimento ao estabelecimento prisional (prisão, penitenciária, casa de detenção) por determinação do juiz da execução, mediante a expedição de carta de guia para o cumprimento da pena (CPP, art. 674, caput).16 Faltaria aqui o caráter substitutivo que caracteriza a jurisdição, porquanto jamais poderia o juiz, através da jurisdição, substituir a conduta do condenado na execução da pena. Essa substituição pode se dar, no entanto, em se tratando de pena pecuniária, que pode ser objeto de cobrança judicial (CPP, art. 688).17 Na execução de sentença penal, tem-se lide de pretensão insatisfeita, o que não impede ver-se nela o exercício de “ jurisdição”, porquanto fenômeno análogo ocorre nas hipóteses de ação constitutiva necessária, e nem por isso deixa de existir atividade tipicamente jurisdicional. 18 Acrescente-se, por fim, que, normalmente, o Ministério Público não requer a execução da sentença penal, atuando o uiz de ofício,19 expedindo a competente carta de guia.20

Exceção (ou alegação) de pré-executividade 21 e cuja A exceção (ou alegação) de pré-executividadeé uma construção da doutrina, tolerada pela jurisprudência, finalidade é discutir questões de ordem pública, como a falta de condições de ação, de pressupostos processuais etc., a respeito dos quais pode o juiz conhecer até mesmo de ofício. Por isso, tem-se afirmado que não se trata, nesses casos, de uma verdadeiraexceção, senão de uma verdadeiraobjeção de pré-executividade. Assim não me parece, porquanto tais limites não impedem que o excipiente, em outras circunstâncias, alegue, também, questões de direito material e interesse privado, como o pagamento, a novação, a compensação, a transação, prescrição etc. – denominadas exceções substanciais –, não fazendo sentido a garantia do juízo, pela penhora, a fim de

que o juiz conheça dessas defesas, e, considerando-as provadas, venha a extinguir o processo de execução. exceção (ou alegação) de pré-executividade, em vez de Essa a razão por que não considero equivocada a expressão objeção de pré-executividade, pois a defesa consistirá numa ou noutra dessas modalidades de defesa, conforme a natureza das questões suscitadas e discutidas no processo: se de ordem pública, seráobjeção; se de interesse privado, será exceção. A exceçãoou objeção de pré-executividade ganhou corpo em sede pretoriana, por possibilitar a defesa do executado, independentemente de garantia de juízo, quando a vitória do executado e excipiente e a sucumbência do exequente se afiguram prováveis ou verossímeis.

Cumprimento de sentença

Com a reforma do Código de Processo Civil, o cumprimento da sentença, que se fazia, na antiga sistemática da execução unificada, mediante ação e processo de execução, comportando embargos, passou a ser feita no bojo do próprio processo de conhecimento, mediante simples fase procedimental de cumprimento (CPC, art. 513, caput);22 sendo a defesa feita por meio de impugnação (CPC, art. 525, § 1º).23 Em se tratando de execução de sentençacondenatória penal, arbitral ou estrangeira, o pedido de cumprimento inclui a ordem de citação do devedor, no juízo cível, para liquidação ou execução conforme o caso (CPC, art. 515, § 1º),24 aproximando essa modalidade de execução do antigo sistema. Se a sentença forlíquida , procede-se, de imediato, ao seu cumprimento; e, se forilíquida , deverá ser previamente liquidada por arbitramento, quando determinado pela sentença, convencionado pelas partes ou exigido pela natureza do objeto da liquidação (CPC, art. 409, I), ou pelo procedimento comum, quando houver necessidade de alegar e provar fato novo (CPC, art. 409, II). Quando na sentença houver uma parte líquida desta e outra ilíquida, ao credor execução daquela e, em autos apartados, a liquidação (CPC, art. 509, § 1º). é lícito promover simultaneamente a Na hipótese de a apuração do valor do débito depender apenas de cálculo aritmético, o credor poderá promover, desde logo, o cumprimento da sentença (CPC, art. 509, § 2º). 25 Por fim, é vedado na liquidação discutir de novo a lide ou modificar a sentença que a julgou (CPC, art. 509, § 4º).

Bibliografia CARREIRA ALVIM, Luciana Gontijo.Tutela antecipada na sentença. Rio de Janeiro: Forense, 2003. CARNELUTTI, Francesco. Sistema del diritto processuale civile. Padova: Cedam, 1936, v. 1. CINTRA, Antônio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini; e DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria geral do processo. 6. ed. São Paulo: RT, 1988. GRECO, Leonardo. O processo de liquidação. Rio de Janeiro: Renovar, 2001. v. II. NORONHA, Edgar Magalhães.Curso de direito processual penal . São Paulo: Saraiva, 1978. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. São Paulo: Saraiva, 1999.

1

Art. 515. São títulos executivos judiciais, cujo c umprim ento dar-se- á de ac ordo com os artigos previstos neste Título: I – a s decisões profer idas no processo civil que reconheçam a exigibilidade de obrigação de pagar quantia, de fazer, de não fazer ou de entregar coisa; II – a decisão homologatória de autocomposição judicial; III – a decisão homologatória de autocomposição extrajudicial de qualquer natureza; IV – o formal e a certidão de partilha, exclusivamente em relação ao inventariante, aos herdeiros e aos sucessores a título singular ou universal; V – o crédito de auxiliar da justiça, quando as custas, emolumentos ou honorários tiverem sido aprovados por decisão judicial; VI – a sentença penal condenatória transitada em julgado; VII – a sentenç a arbitral; VII I – a sentenç a estrangeira homologada pelo Superior Tribunal de Justiça; IX – a decisão interlocutória estrangeira, após a concessão do exequatur à carta rogatória pelo Superior Tribunal de Justiça; X – (VETADO). (...)

2

Art. 515 (...) § 1º Nos casos dos incisos VI a IX, o devedor será citado no juízo cível para o cumprimento da sentença ou para a liquidação no prazo de 15 (quinze) dias. (...)

3

Uma das grandes inovações do Código de Processo Civil de 1973 foi a unidade imposta ao processo de execução, que, antes, se realizava de duas formas – a) pela execução aparelhada, quando fundada na sentença condenatória; e b) pela ação executiva, quando fundada em título extrajudicial –, adotando o sistema unificado dos Códigos de Processo Civil da Itália (art. 474), da Alemanha (§§ 704 e 794), de Portugal (artigo 703º) e a Lei de Execução da Áustria.

4

Esses pressupostos foram desenvolvidos no Capítulo 7, sobre a “Problemática do processo”, em “Pressupostos processuais: pressupostos de existência e pr essupostos de va lidade” A repr esentaçã o gráf ica de sses pressupostos genéricos foi a li exposta.

5

Não há execução sem título.

6

Art. 784. São títulos executivos extrajudiciais: I – a letra de câmbio, a nota promissória, a duplicata, a debênture e o cheque; II – a escritura

pública ou outro documento público assinado pelo devedor; III – o docum ento particular assinado pelo devedor e por 2 (duas) testem unhas; IV – o instrum ento de transação referendado pelo Ministério Público, pela Def ensoria Pública, pela Advoca cia Pública , pelos advogados dos transatores ou por conciliador ou mediador credenciado por tribunal; V – o contrato garantido por hipoteca, penhor, anticrese ou outro direito real de garantia e aquele garantido por caução; VI – o contrato de seguro de vida em caso de morte; VII – o crédito decorrente de foro e laudêmio; VIII – o crédito, documentalmente comprovado, decorrente de aluguel de imóvel, bem como de encargos acessórios, tais como taxas e despesas de condomínio; IX – a certidão de dívida ativa da Fazenda Pública da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, correspondente aos créditos inscritos na forma da lei; X – o crédito referente às contribuições ordinárias ou extraordinárias de condomínio edilício, previstas na respectiva convenção ou aprovadas em assembleia geral, desde que documentalmente comprovadas; XI – a certidão expedida por serventia notarial ou de registro relativa a valores de emolumentos e demais despesas devidas pelos atos por ela praticados, fixados nas tabelas estabe lecidas em lei; XII – todos os dem ais títulos aos quais, por disposiçã o expressa, a lei atribuir forç a exec utiva. (...) 7

Art. 914. O executado, independentemente de penhora, depósito ou caução, poderá se opor à execução por meio de embargos. (...)

8

Art. 515. São títulos executivos judiciais, cujo c umprim ento dar-se- á de ac ordo com os artigos previstos neste Título: I – a s decisões profer idas no processo civil que reconheçam a exigibilidade de obrigação de pagar quantia, de fazer, de não fazer ou de entregar coisa; II – a decisão homologatória de autocomposição judicial; III – a decisão homologatória de autocomposição extrajudicial de qualquer natureza; IV – o formal e a certidão de partilha, exclusivamente em relação ao inventariante, aos herdeiros e aos sucessores a título singular ou universal; V – o crédito de auxiliar da justiça, quando as custas, emolumentos ou honorários tiverem sido aprovados por decisão judicial; VI – a sentença penal condenatória transitada em julgado; VII – a sentenç a arbitral; VII I – a sentenç a estrangeira homologada pelo Superior Tribunal de Justiça; IX – a decisão interlocutória estrangeira, após a concessão do exequatur à carta rogatória pelo Superior Tribunal de Justiça; X – (VETADO). (...)

9

Art. 513. O cumprimento da sentença será feito segundo as regras deste Título, observando-se, no que couber e conforme a natureza da obrigação, o disposto no Livro II da P arte Especial deste Códi go. (...)

10 Tema desenvolvido no Capítulo 6, sobre a “Problemática da ação”, em “Condições da ação civil”. 11 Estabelece o ar t. 1.674, caput, do novo CPC: “Art. 674. Quem, não sendo parte no processo, sofrer constrição ou ameaça de constrição sobre bens que possua ou sobre os quais tenha dire ito incom patível com o ato constritivo, poderá requerer seu desfazime nto ou sua inibiçã o por m eio de em bargos d e terce iro. (...)”. 12 Art. 917. Nos embargos à execução, o executado poderá alegar: I – inexequibilidade do título ou inexigibilidade da obrigação; II – penhora incorreta ou avaliação errônea; III – excesso de execução ou cumulação indevida de execuções; IV – retenção por benfeitorias necessárias ou úteis, nos casos de execução para entrega de coisa certa; V – incompetência absoluta ou relativa do juízo da execução; VI – qualquer matéria que lhe seria lícito deduzir como defesa em processo de conhecimento. (...) 13 Art. 513. O cumprimento da sentença será feito segundo as regras deste Título, observando-se, no que couber e conforme a natureza da obrigação, o disposto no Livro II da P arte Especial deste Códi go. (...) 14 Para Magalhães Noronha, trata-se, antes, da última fase do procedimento jurisdicional. 15 A sentença penal condenatória constitui título executivo para a promoção da execução por quantia certa, caso em que será objeto de liquidação no cível, para apuração do valor da reparação do dano, ou seja, do quantum debeatur (Leonardo Greco). 16 Art. 674. Transitando em julgado a sentença que impuser pena privativa de liberdade, se o réu já estiver preso, ou vier a ser preso, o juiz ordenará a expedição de c arta de guia para o cum prime nto da pena. (...) 17 Art. 688. Findo o decêndio ou a prorrogação sem que o condenado efetue o pagamento, ou ocorrendo a hipótese prevista no § 2º do artigo anterior, observar-se-á o seguinte: I – possuindo o condenado bens sobre os quais possa recair a execução, será extraída certidão da sentença condenatória, a fim de que o Ministério Público proceda à cobrança judicial. (...) 18 Nos Juizados Espe ciais Crim inais Estaduais, a dmite-se a ac eitação pelo réu da proposta de aplicaçã o imediata da pena que não se ja privativa de liberdade (Lei n. 9.099/95, art. 72), bem assim a conciliaç ão (Le i n. 9.099/95, art. 73), o m esm o ocorre ndo nos Juizados Especiais C riminais Federais. 19 Esta circunstância, por si só, não bastaria para descaracterizar a função jurisdicional na esfera penal, porquanto na concessão de habeas corpus o juiz procede de ofício. O mesmo se diga da execução na esfera trabalhista, que pode ser promovida de ofício pelo juiz. 20 A carta de guia ou carta de sentença é expedida pela Vara Criminal, ao transitar em julgado a sentença condenatória, para encaminhar o processo à Vara de Exec ução Pe nal, para cum prim ento de execuç ão de pena e medidas não privativas de liberdade , ou quando houver execução provisória de pena restritiva de direito, multa ou medida de segurança. 21 Em sede jurisprudencial, tem-se admitido a exceção de pré-executividade em casos de falta de liquidez, certeza e exigibilidade de escritura de confissão de dívida, que não faz mera referência aos títulos srcinários, mas os incorpora de tal forma que passam a integrá-la (STJ: AgRg no Ag. Inst. n. 344.328-AL). 22 Art. 513. O cumprimento da sentença será feito segundo as regras deste Título, observando-se, no que couber e conforme a natureza da obrigação, o disposto no Livro II da P arte Especial deste Códi go. (...)

23 Art. 525. Transcorrido o prazo previsto no art. 523 sem o pagamento voluntário, inicia-se o prazo de 15 (quinze) dias para que o executado, independentemente de penhora ou nova intimação, apresente, nos próprios autos, sua impugnação. § 1º Na impugnação, o executado poderá alegar: I – falta ou nulidade da citação se, na fase de conhecimento, o processo correu à revelia; II – ilegitimidade de parte; III – inexequibilidade do título ou inexigibilidade da obrigação; IV – penhora incorreta ou avaliação errônea; V – excesso de execução ou cumulação indevida de execuções; VI – incompetência absoluta ou relativa do juízo da execução; VII – qualquer causa modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, desde que supervenientes à sentença. § 2º A alegação de impedimento ou suspeição observará o disposto nos arts. 146 e 148. § 3º Aplica-se à impugnação o disposto no art. 229. § 4º Quando o executado alegar que o exequente, em excesso de execução, pleiteia quantia superior à resultante da sentença, cumprir-lhe-á declarar de imediato o valor que entende correto, apresentando demonstrativo discriminado e atualizado de seu cálculo. § 5º Na hipótese do § 4º, não apontado o valor correto ou não apresentado o demonstrativo, a impugnação será liminarmente rejeitada, se o excesso de execução for o seu único fundamento, ou, se houver outro, a impugnação será processada, mas o juiz não examinará a alegação de excesso de execução. § 6º A apresentação de impugnação não impede a prática dos atos executivos, inclusive os de expropriação, podendo o juiz, a requerimento do executado e desde que garantido o juízo com penhora, caução ou depósito suficientes, atribuir-lhe efeito suspensivo, se seus fundamentos forem relevantes e se o prosseguimento da execução for manifestamente suscetível de causar ao executado grave dano de difícil ta repa raç § 7º Aeconce ssão de ef suspensivo a queoseefeito r efe suspensivo re o § 6º nãoatribuído impediráà impugnação a e fetivaçã odisser dos atos de substituição, reforçoououincer de redução da ão. penhora de avaliação doseito bens § 8º Quando respeito apenas a de parte do objeto da exe cução, esta prosseguirá quanto à parte r estante. § 9º A concessão de efeito suspensivo à impugnaçã o deduzida por um dos executados não suspenderá a execução contra os que não impugnaram, quando o respectivo fundamento disser respeito exclusivamente ao impugnante. § 10. Ainda que atribuído efeito suspensivo à impugnação, é lícito ao exequente requerer o prosseguimento da execução, oferecendo e prestando, nos próprios autos, caução suficiente e idônea a ser arbitrada pelo juiz. § 11. As questões relativas a fato superveniente ao término do prazo para apresentação da impugnação, assim como aquelas relativas à validade e à adequação da penhora, da avaliação e dos atos executivos subsequentes, podem ser arguidas por simples petição, tendo o executado, em qualquer dos casos, o prazo de 15 (quinze) dias para formular esta arguição, contado da comprovada ciência do fato ou da intimação do ato. § 12. Para efeito do disposto no inciso III do § 1º deste artigo, considera-se também inexigível a obrigação reconhecida em título executivo judicial fundado em lei ou ato normativo considerado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal, ou fundado em aplicação ou interpretação da lei ou do ato normativo tido pelo Suprem o Tribunal Feder al com o incompa tível com a Constituição Federa l, em controle de c onstitucionalidade conce ntrado ou difuso . § 13. No caso do § 12, os efeitos da decisão do Supremo Tribunal Federal poderão ser modulados no tempo, em atenção à segurança jurídica. § 14. A decisão do Supremo Tribunal Federal referida no § 12 deve ser anterior ao trânsito em julgado da decisão exequenda. § 15. Se a decisão referida no § 12 for proferida após o trânsito em julgado da decisão exequenda, caberá ação rescisória, cujo prazo será contado do trânsito em julgado da decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal. 24 § 1º Nos casos dos incisos VI a IX, o devedor será citado no juízo cível para o cumprimento da sentença ou para a liquidação no prazo de 15 (quinze) dias. (...) 25 Art. 509. (...) § 3º O Conselho Nacional de Justiça desenvolverá e colocará à disposição dos interessados programa de atualização financeira. (...)

BIBLIOGRAFIA GERAL

A ALBUQUERQUE, Francisco Manuel Xavier de. Estudos de direito processual civil em homenagem a Nelson

Hungria . Rio de Janeiro: Forense, 1962. ALCALÁ-ZAMORA Y CASTILLO, Niceto.Proceso autocomposición y autodefensa. México: UNAM, 1970. ,

______. Derecho procesal penal. Buenos Aires: Guillermo Kraft, 1945. ______. Estudios de teoria generale e historia del proceso. México: UNAM, 1974. v. II. ALMEIDA JÚNIOR, João Mendes de.Direito judiciário brasileiro. 5. ed. Rio de Janeiro-São Paulo: Freitas Bastos, 1960. ALSINA, Ugo. Tratado teórico y practico de derecho procesal civil y comercial . 2. ed. Buenos Aires: EDIAR, 1963. v. I. ARANGIO-RUIZ, Vicenzo.Las acciones en el derecho privado romano. Madrid: Revista de Derecho Privado, 1945. ARAÚJO CINTRA, Antônio Carlos et al. Teoria geral do processo. São Paulo: RT, 1988. ARCILA, Carlos Ramirez. . Bogotá: 1969. ALVIM NETO, José Manuel de. Teoria de la. acción Manual de direito processual civil 7. ed. São Paulo:Temis, RT, 2001. v. ARRUDA I. ______. Direito processual civil, teoria geral do processo de conhecimento . São Paulo: RT, 1971. ______. Curso de direito processual civil . São Paulo: RT, 1972. v. II.

B BARBI, Celso Agrícola. Comentários ao Código de Processo Civil. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1998. v. I. BARBOSA MOREIRA, José Carlos. O novo processo civil brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, 1990. BENTHAM, Jeremias. Tratado de las pruebas judiciales . Buenos Aires: EJEA, 1971. BETTI, Emilio. Diritto processual e civile italian o. 2. ed. Roma: Soc. Edit. del Foro Italiano, 1936. BOLAFFI, Renzo. L’eccezioni del diritto sostanziale. Milano, 1936. BORBA, José Edwaldo Tavares.Direito societário. 6. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2001. BÜLOW, Oskar von. La teoria de las excepciones procesales y los pressupuestos procesales. Buenos Aires: EJEA, 1974.

C CALAMANDREI, Piero. Instituciones de derecho procesal civil. Buenos Aires: EJEA, 1973. ______. Rivista de Diritto Processuale Civile. Júlio, 1927. ______. Opere giuridicche. Napoli: Morano, 1972. v. 1. ______. Rivista de Diritto Processuale Civile, v. I.

CALMON DE PASSOS, José Joaquim. Comentários ao Código de Processo Civil. Rio de Janeiro: Forense, 1998. v. III. ______. Mandado de segurança coletivo, mandado de injunção e “habeas data” . Rio de Janeiro: Forense, 1989. CAPELLETT I, Mauro; et al. Acesso à justiça. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1988. CARLOS, Eduardo B. Introducción al estudio del derecho procesal . Buenos Aires: EJEA, 1959. CARNELUTTI, Francesco. Lezioni de diritto processuale civile. Padova: Cedam, 1986. ______. Sistema del diritto processuale civile. Padova: Cedam, 1936. v. I. ______. Derecho y proceso. Buenos Aires: EJEA, 1971. v. I. ______. Studi di diritto processuale. Padova: Cedam, 1939. v. III. ______. Teoria general del derecho. Madrid: Editorial Revista de Derecho Privado, 1941. ______. Teoria geral do direito. São Paulo: LEJUS, 1999. ______. Instituciones del proceso civil. Buenos Aires: EJEA, 1950 e 1971. ______. Derecho procesal civil y penal. Buenos Aires: 1971. v. II CARREIRA ALVIM, J. E. Código de Processo Civil reformado. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2002. ______. Procedimento monitório. 2. ed. Curitiba: Juruá, 1995. ______. Tratado geral de arbitragem. Rio de Janeiro: Forense, 2004. ______. Novo agravo. Belo Horizonte: Del Rey, 1995. ______. Tutela antecipada. 3. ed. Curitiba: Juruá, 2002. ______. Tutela específica nas obrigações de fazer, não fazer e entregar coisa . 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003. ______. Direito arbitral. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2004. CARREIRA ALVIM, Luciana Gontijo.Tutela antecipada na sentença. Rio de Janeiro: Forense, 2003. CASTILLO, Alcalá-Zamora y.Proceso, autocomposicion y autodefensa. México: Unam, 1970. ______. Estudios de teoria general e historia del proceso. México: UNAM, 1974. v. II. ______. Derecho procesal penal. Buenos Aires: Guillermo Kraft, 1945. CASTRO, Amilcar de. Comentários ao Código de Processo Civil. São Paulo: 1976, RT. CHIOVENDA, Giuseppe. Saggi di diritto processuale civile. Milano: Giuffrè, 1993. ______. Principios de derecho procesal civil. Madrid: Reus, 1977. ______. Instituições de direito processual civil . São Paulo: Saraiva, 1972. CINTRA, Antônio Carlos de Araújo; et alii. Teoria geral do processo. 6. ed. São Paulo: RT, 1988. COSTA, Sergio. Manuale di diritto processuale civile. Torino: UTET, 1973. COSTA CARVALHO, Luiz Antônio. Curso theorico e prático de direito judiciário civil. 2. ed. Rio de Janeiro: A. Coelho Branco Filho, 1973. COUTURE, Eduardo J. Fundamentos del derecho procesal civil . Buenos Aires: Depalma, 1988. ______. Introducción al estudio del proceso civil . Buenos Aires: EJEA, 1959.

D D’ALESSIO, Francesco. Istituzioni di diritto amministrativo italiano. Torino: UTET, 1932. DAVICINI, Giovanni. L’Avvocato di tutti. 5. ed. Torino: UTET, 1950. DINAMARCO, Cândido Rangel et alii.

Teoria geral do processo. São Paulo: RT, 1988. ______. Fundamentos do processo civil moderno. 3. ed. São Paulo: Malheiros, 2000. t. I.

E ESPÍNOLA, Eduardo; ESPÍNOLA FILHO, Eduardo. A Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro . Rio de Janeiro: Renovar, 1995. v. 1º. ESTELLITA, Guilherme. Da cousa julgada. Fundamento jurídico e extensão a terceiros. Rio de Janeiro, 1936.

F FENECH, Miguel. El proceso penal. Barcelona: Labor, 1972. FERRARA, Luigi. Istituzioni di diritto privato, 1939, v. 1º. FERREIRA FILHO, Manuel Gonçalves.Curso de direito constitucional . 14. ed. São Paulo: Saraiva, 2004. FLORIAN, Eugenio. Elementos de derecho procesal penal. Barcelona: Bosch, 1933. FREITAS, José Lebre de. Introdução ao processo civil : conceito e princípios gerais à luz do código revisto. Coimbra: Coimbra, 1996. FROCHAM, Manuel Ibañez. La jurisdicción . Buenos Aires: Depalma, 1972.

G GARCIA-VELASCO, M. I. Curso de derecho procesal penal. Madrid: Universidad de Madrid, 1969. GART, Bryant; et al. Acesso à justiça. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1988. GIGLIO, Wagner D.Direito processual do trabalho. São Paulo: RT, 1972. GOLDSCHMIDT, James. Teoría general del proceso. Barcelona: Labor, 1936. _______. Derecho justicial material. Buenos Aires: EJEA, 1959. _______. Prin cipios generales d el p roceso. Buenos Aires: EJEA, 1961. v. I. GRECO, Leonardo. O processo de liquidação. Rio de Janeiro: Renovar, 2001. v. II. GRINOVER, Ada Pellegrini et al. Teoria geral do processo. 6. ed. São Paulo: RT, 1988. ______. Novas tendências do direito processual . 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1990. GUSMÃO, Manuel Aureliano.Processo civil e comercial. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1934.

J JARDIM, Afrânio Silva. Direito processual penal. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1991. ______. Revista de Direito Penal. n. 30.

L LARA, Cipriano Gómez. Teoria general del proceso. México: Textos Universitários, 1976. LEONE, Giovanni. Manuale di diritto processuale penale. Napoli: Jovene, 1977. ______. Tratatto di diritto processuale. Napoli: Jovene, 1961. v. III. LIEBMAN, Enrico Tullio. Efficacia et autoritá della sentenza. Milano: Giuffrè, 1962. ______. Manuale di diritto processuale civile. Milano: Giuffrè, 1973. v. 1. ______. Manuale di diritto processuale civile. Milano: Giuffrè, 1981. ______. Revista de Derecho Procesal. Buenos Aires: 1938. LIMA, Alcides de Mendonça.Comentários ao Código de Processo Civil. Rio de Janeiro: Forense, 1977. v. IV.

LOPES DA COSTA, Alfredo de Araújo. Manual elementar de direito processual civil. Rio de Janeiro: Forense, 1956. ______. A administração pública e a ordem jurídica privada (jurisdição voluntária). Belo Horizonte: Bernardo Álvares, 1961. ______. Direito p rocessual civil brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1959. v. I.

M MALATESTA, Nicola Framarino dei.La lógica de las pruebas en materia criminal. Bogotá: Temis, 1973. v. I. MALTA, Cristóvão Piragibe Tostes. Da competência no processo trabalhista. Rio de Janeiro: Forense, 1960. MANZINI, Vicenzo. Istituzioni di diritto penale italiano. Padova: Cedam, 1967. ______. Tratatto di diritto

processuale penale. Padova: Cedam, 1967. v. I. ______. Derecho procesal penal. Buenos Aires: EJEA, 1951. MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel.O Projeto do CPC, crítica e propostas. São Paulo: RT, 2010. MARQUES, José Dias. Introdução ao estudo do direito. Coimbra: Faculdade de Direito de Lisboa, 1972. MARQUES, José Frederico. Elementos de direito processual penal. Rio de Janeiro: Forense, 1960. _______. Instituições de direito processual civil . Campinas: Millennium, 2000. _______. Instituições de direito processual civil . Rio de Janeiro: Forense, 1958. MEIRELLES, Hely Lopes. Direito admin istrativo brasileiro. 4. ed. São Paulo: Malheiros, 2003. MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 1996. MENDES JÚNIOR, João. Direito jud iciário b rasileiro. 6. ed. Rio de Janeiro-São Paulo: Freitas Bastos, 1960. MENENDEZ-PIDAL, Juan. Derecho procesal social. 2. ed. Madrid: 1950. v. II. MITIDIERO, Daniel. Colaboração no processo civil – Pressupostos sociais, lógicos e éticos. São Paulo: RT, 2009. MONIZ DE ARAGÃO, Egas Dirceu.Comentários ao Código de Processo Civil. Rio de Janeiro: Forense, 1998. MORALES, Hernando M. Curso de derecho procesal civil. 6. ed. Bogotá: ABC, 1973. MOREIRA ALVES, José Carlos. Direito romano. Rio de Janeiro: Forense, 1971. MORTARA, Ludovico. Manuale della procedura civile. Torino: UTET, 1915.

N NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Direito processual do trabalho. São Paulo: 1997, Saraiva. NERY JUNIOR, Nelson. Princípios do processo civil na Constituição Federal . 2. ed. São Paulo: RT, 1995. NOGUEIRA, Paulo Lúcio. Curso completo de processo penal. 2. ed. São Paulo: 2000, Saraiva. NORONHA, Edgard Magalhães. Curso de direito processual penal . São Paulo: Saraiva.

O OLIVEIRA FILHO, Cândido de.Curso de prática do processo. Rio de Janeiro: Cândido de Oliveira Filho, 1938. OLIVEIRA JÚNIOR, Waldemar Mariz de.Curso de direito processual civil . São Paulo: RT, 1973.

P PALLARES, Eduardo. Derecho procesal civil. México: Porrua, 1965. PIERSON, Donald. Teoria e pesquisa em sociologia. São Paulo: Melhoramentos, 1981.

PINTO, José Augusto Rodrigues. Processo trabalhista de conhecimento. 4. ed. São Paulo: LTr, 1998. PODETTI, Ramiro. Teoria y técnica del proceso civil y trilogia estructural de la ciencia del proceso civil . Buenos Aires: EDIAR, 1963. PONTES DE MIRANDA. Comentários ao Código de Processo Civil. Rio de Janeiro: Forense, 1959. v. VIII. PUGLIESE, Giovanni. Polemica sobre la actio. Buenos Aires: EJEA, 1974.

R RAMALHO, Barão de. Praxe brasileira. Lisboa: J. Ribeiro dos Santos, 1904. REVISTA FORENSE, n. 74. REZENDE FILHO, Gabriel José Rodrigues.Curso de direito processual civil. 2. ed. São Paulo: Saraiva, v. I. RICCI, Francesco. Commento al Codice di Procedura Civile italiano . 7. ed. Firenze: Casa Editrice Libraria, 1985. v. 3º. ROCCO, Alfredo. L’autorità della cosa giudicata i suoi limiti soggettivi. Roma: Athenaeum, 1917. ______. La sentenza civile. Milano: Giuffrè, 1962. ROCCO, Ugo. Tratado de derecho procesal civil. Bogotá-Buenos Aires: Temis--Depalma, 1969. ROSA, Eliézer. Dicionário de processo civil. São Paulo: José Buchatsky, 1973. ROSENBERG, Leo. Tratado de derecho procesal civil. Buenos Aires: EJEA, 1955. v. I.

S SANTORO, Arturo. Manuale di diritto processuale penale. Roma: UTET, 1954. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. São Paulo: Saraiva, 1995. SAREDO, Giuseppe. Istituzioni di procedura civile. Editora Giuseppe Pellas, 1887. SCHÖNKE, Adolf. Derecho procesal civil. Barcelona: Bosch, 1950.

T THEODORO JÚNIOR, Humberto. Comentários ao Código de Processo Civil. Rio de Janeiro: Forense, 1978. v. V. TORNAGHI, Hélio. Instituições de processo penal . 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1978. ______. Compêndio de processo penal. Rio de Janeiro: José Konfino, 1967. v. I. TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo penal. 23. ed. São Paulo: Saraiva, 2001. v. 1 e 2. ______. Processo penal. Bauru: Jalovi, 1975. TUCCI, Rogério Lauria. Curso de direito processual. São Paulo: José Buchatsky, 1976.

V VANNINI, Ottorino.Manuale di diritto processuale penale italiano. Milano: Giuffrè, 1953.

W WACH, Adolph. Manual de derecho procesal civil. Buenos Aires: EJEA, 1977. v. I. ______. La pretensión de declaración. Buenos Aires: EJEA.

Z ZANOBINI, Guido. Corso d i diritto ammini strativo. Milano: Giuffrè, 1936 e 1959.

View more...

Comments

Copyright © 2017 KUPDF Inc.
SUPPORT KUPDF